Conectado com

Notícias 6ª edição

Favesu indica perspectivas da cadeia suinícola e avícola nacional 

Contando com mais de duas mil participações nos dois dias, a feira ofereceu ao público mais de 20 horas de palestras técnicas, além de atrações como o Espaço Gourmet, Espaço Científico e 69 empresas expositoras distribuídas em 38 estandes. 

Publicado em

em

Divulgação

A 6ª Feira da Avicultura e Suinocultura Capixaba (Favesu) superou as expectativas e destacou a força dos setores avícola e suinícola capixaba. Esse é o balanço final da organização da feira, que foi realizada em conjunto pela Associação dos Avicultores do Estado do Espírito Santo (Aves) e a Associação de Suinocultores do Espírito Santo (Ases), nos dias 08 e 09 de junho, no Centro de Eventos Padre Cleto Caliman, na cidade de Venda Nova do Imigrante (ES).

Contando com mais de duas mil participações nos dois dias, a feira ofereceu ao público mais de 20 horas de palestras técnicas, além de atrações como o Espaço Gourmet, Espaço Científico e 69 empresas expositoras distribuídas em 38 estandes.

Durante o ciclo de palestras voltadas para os setores avícola e suinícola, os dois auditórios do evento receberam a participação de mais de mil produtores, técnicos, estudantes e representantes de organizações ligadas aos dois setores e também de representantes do cenário político capixaba, além de apoiadores e expositores do evento.

Público diversificado

Segundo dados levantados pela organização da feira, a 6ª Favesu contou com a participação de pessoas de vários municípios capixabas, além das regiões da Zona da Mata Mineira, do Norte Fluminense e de Estados das regiões Centro-Oeste e Nordeste, essa última com visitantes provenientes da Bahia, Ceará e Pernambuco.

O evento também recebeu mais de 300 de produtores e representantes de indústrias  locais. No Espaço Gourmet, mais de 150 pessoas acompanharam a iniciativa que ocorreu em três momentos e promoveu a preparação de nove receitas que destacaram as potencialidades das carnes de frango, suíno e dos ovos.

Reconhecimento

Durante a cerimônia de abertura, foram prestadas homenagens a três importantes personalidades que atuam ou atuaram em prol dos dois setores no Espírito Santo: à José Mosquini, produtor e grande atuante junto a suinocultura capixaba; à Argêo João Uliana, um dos principais expoentes da avicultura da cidade de Santa Maria de Jetibá e do Espírito Santo, além de ter atuado na presidência da Aves e ser um dos sócios fundadores da Cooperativa Agropecuária Centro Serrana (Coopeavi); e Pedro Venturini, grande incentivador, zootecnista e apaixonado pela avicultura.

Avaliações da avicultura e suinocultura nacional

Em mais uma edição da Reunião Conjuntural, a 6ª Favesu abriu espaço para três importantes lideranças do setor de proteína animal apresentarem os números e as perspectivas da avicultura, suinocultura e o mercado de grãos nacional.

Participaram do encontro o presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Ricardo Santin; o presidente da Associação Brasileira dos Criadores de Suínos (ABCS), Marcelo Lopes; e o Superintende da Superintendência de Gestão da Oferta – Sugof/Companhia Nacional de Abastecimento – Conab, Allan Silveira dos Santos.

De forma remota, Ricardo Santin falou sobre as exportações brasileiras e destacou as influências que o mercado vem sofrendo. “Quando nós verificamos o perfil de onde está se vendendo a carne de frango, observamos a China como o maior importador de carne de frango do Brasil, seguindo pelos Emirados Árabes Unidos, que ultrapassaram a Arábia Saudita. Nós tivemos um aumento de volume de 9%, uma tendência que deve se confirmar durante todo o ano. A ABPA ainda não reviu suas projeções, mas elas serão maiores do que estava sendo previsto para esse ano”, contou Santin.

Marcelo Lopes destacou os desafios que a cadeia suinícola teve que enfrentar nos últimos anos e as perspectivas para os próximos meses. “Nós fomos chamados a produzir mais em função de uma expectativa de compra e exportações que foi muito maior do que a esperada. Nós vivemos em um ano o que era esperado para cinco, e agora nós precisamos mudar essa história, principalmente começando pelo mercado interno, que é o nosso grande foco”, enfatizou o presidente da ABCS.

Allan Silveira apresentou suas perspectivas com relação ao mercado de grãos para os próximos meses. “O mercado de grãos passou por alguns desafios nos últimos anos e, em 2021, tivemos um problema sério de produtividade no Brasil, que é um importante mercado exportador. Tudo isso associado ao aumento nos preços das commodities e dos fertilizantes – somados aos altos custos de produção -, resultaram no cenário atual. A perspectiva é de um cenário de normalização, com uma boa oferta de milho do Brasil e um potencial de recuperação da soja para 2023”, contou Allan.

Participação do meio acadêmico

O Espaço Científico da 6ª Favesu contou com uma grande participação de pesquisadores e estudantes de universidades e faculdades do Espírito Santo, da região Norte Fluminense e do Estado de Minas Gerais. Na edição deste ano, o espaço apresentou 14 estudos com temáticas voltadas para as áreas de Frango de Corte, Postura Comercial e Suinocultura.

Os pesquisadores vencedores nas três áreas puderam apresentar seus trabalhos e receberam uma premiação em dinheiro na quantia de R$ 1 mil. Além disso, eles terão direito à publicação do seu trabalho no Jornal do Agronegócio (jornal de circulação nacional da Aves e Ases), e poderão ter seus estudos divulgados nas mídias da Favesu e das associações.

Um dos responsáveis pela Coordenação Científica da 6ª Favesu, o médico-veterinário Eustáquio Moacyr Agrizzi reafirmou o compromisso da iniciativa. “É uma grande oportunidade para esses profissionais, tanto estudantes como atuantes nas áreas de zootecnia e veterinária, já serem inseridos nos assuntos dos mercados avícola e suinícola. Esses trabalhos também promovem a união de universidades de diferentes Estados, o que mostra a importância que a Favesu tem no cenário nacional”, disse o Eustáquio Moacyr Agrizzi.

Resiliência para os dois setores

O “Painel do Agronegócio – Faes, Senar, Sindicatos, Aves e Ases” apresentou mais uma edição da Palestra Magna, que teve o comando do palestrante e cofundador da plataforma AAA Inovação, Arthur Igreja.

Com realização da Aves e Ases em conjunto com o sistema Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Espírito Santo (Faes), Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar-ES) e os Sindicatos Rurais, o momento debateu sobre a temática: “Os impactos da crise mundial para o agronegócio. Desafios e oportunidades para a avicultura e suinocultura brasileira”.

O palestrante também destacou as perspectivas que os produtores podem ter com relação ao mundo do agronegócio nos próximos meses. “Os próximos meses tendem a ser de uma equalização, até porque todos nós fomos pegos de surpresa num cenário em que quando a economia parece que começa a ceder, nós temos uma situação de guerra que impacta diretamente os setores de cadeia produtiva. Cada crise cria setores que são vencedores e outros que são mais atacados. Com todo esse cenário já passado, eu acredito que os próximos meses serão melhores”, encerrou o cofundador da plataforma AAA Inovação.

Saldo positivo

Coordenador institucional da Favesu, Nélio Hand fez um balanço da feira, que contou uma avaliação positiva dos expositores e do público que se fez presente nos dois dias. “Recebemos um feedback muito importante, mostrando que a maioria dos expositores e do público presente classificaram o evento e sua organização como ótimo ou bom, o que mostra que estamos no caminho certo, sempre buscando melhorar mais a cada edição. Isso também foi muito positivo em todas as abordagens feitas durante os dois dias de evento, especialmente nas temáticas técnicas, que contaram com temas de grande relevância para a avicultura e suinocultura capixaba”, disse Nélio.

Nélio também destaca o que a organização já planeja para a 7ª Favesu, que acontecerá em 2024. “A organização da Favesu sempre tem como princípio trabalhar para que o evento seguinte seja sempre melhor do que aquele que foi realizado. Nós temos então essa tarefa para 2024, observar aquilo que não deu certo e replanejar para que possa sair da melhor maneira possível na próxima Favesu. É isso que nos dá credibilidade frente a todos os parceiros, bem como da avicultura e suinocultura capixabas. Esse é um conceito de trabalho de Aves e Ases”, finaliza.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

9 + 6 =

Notícias

Novidade no 14º SBSS, Granja do Futuro apresenta novas tecnologias

Automatização e produtos que melhoram o bem-estar animal são algumas das inovações apresentadas por dez empresas durante o Simpósio Brasil Sul de Suinocultura.

Publicado em

em

Granja do Futuro é uma novidade do SBSS - Fotos: Divulgação/Nucleovet

Um saborizante líquido concentrado a base de própolis especialmente desenvolvido para aumentar o consumo de água e um robô alimentador são algumas das tecnologias apresentadas na Granja do Futuro durante o 14º Simpósio Brasil Sul de Suinocultura (SBSS). O espaço é uma novidade do evento promovido pelo Núcleo Oeste de Médicos Veterinários e Zootecnistas (Nucleovet) nesta terça (16), quarta (17) e quinta-feira (18), no Parque de Exposições Tancredo Neves, em Chapecó (SC), com transmissão on-line ao vivo.

Dez empresas participam da Granja do Futuro: Msd, Boehringer Ingelheim, Sta, Pec Smart, Inobram, American Nutrients, BioAromas, Roboagro, ALD e Crystal Springs. A Rafitec Propex foi a responsável pela montagem da estrutura.

AquaSweet Bio é um indutor de consumo de água que contém própolis

A BioAromas apresenta uma gama completa de soluções para apoiar o produtor de suínos nas etapas mais críticas. Uma delas é a AquaSweet Bio, um indutor de consumo de água que contém própolis e facilita a transição pós-desmame. O produto está sendo lançado e pode ser conferido no estande da empresa. “O mercado está em transformação, com consumidores mais exigentes e cada vez mais cuidados com o bem-estar animal e com o meio ambiente. Utilizamos o mesmo própolis que é usado na farmácia humana”, comenta o diretor técnico comercial da BioAromas, Sergio Magro.

O produto integra o Geslac – Programa para Suínos, que traz diversos outros produtos da BioAromas.

Robotização 

Robô Alimentador de Suínos da Roboagro

Ração na hora certa e na quantidade exata é o que o produtor pode ter ao usar o Robô Alimentador de Suínos da Roboagro. O equipamento é indicado para suinocultura de precisão, pois além de distribuir ração e medicamentos na hora e quantidade certas, tem exatidão nos registros e controles. O sistema faz a distribuição automática de ração por toda a extensão da baia e o controle é feito por meio de um aplicativo.

O diretor comercial da empresa, Tangleder Lambrecht, explica que o uso do robô proporciona bem-estar animal, além de evitar desperdícios e, consequentemente, potencializa o retorno financeiro. Também contribui na padronização do lote, melhorando a qualidade da carne e garantindo a melhor conversão alimentar.

O Roboagro vai até o silo e aciona o carregamento da quantidade de ração necessária para cada trato e, ao final de cada um, se conecta automaticamente para carregar as baterias. “No evento, nosso objetivo é nos aproximarmos dos profissionais técnicos e das agroindústrias e mostrar os benefícios do robô”, conclui Lambrecht, ao acrescentar que o robô também toca música clássica para contribuir com o bem-estar dos animais.

O presidente do Nucleovet, Lucas Piroca, enfatiza que a Granja do Futuro é uma novidade que a entidade apresenta aos participantes do 14º SBSS com o retorno dos eventos presenciais. “É um espaço dentro do Pavilhão 4 do Parque de Exposições, onde está acontecendo o Simpósio, que simula uma granja, com os principais equipamentos necessários para a produção de suínos, destacando tecnologia e inovação”.

Fonte: Ascom Nucleovet
Continue Lendo

Notícias Nesta terça-feira

Gestão de pessoas abre programação científica do 14º SBSS

Publicado em

em

Fotos: Divulgação/Nucleovet

A capacitação das equipes que atuam nas granjas, diante de um mercado cada vez mais exigente, traz benefícios a toda a cadeia de suínos. Estratégias de gestão com essa finalidade iniciaram os debates do 14º Simpósio Brasil Sul de Suinocultura (SBSS), nesta terça-feira (16). Promovido pelo Núcleo Oeste de Médicos Veterinários e Zootecnistas (Nucleovet), o evento, que vai até quinta-feira (18), acontece em formato híbrido, presencialmente no Parque de Exposições Tancredo Neves, em Chapecó (SC), e com transmissão online ao vivo. O presidente do Nucleovet, Lucas Piroca, abriu a programação, dando boas-vindas a todos os participantes.

CEO da Agriness, Everton Gubert

Na primeira palestra, “Capacitar as equipes de granjas, esse é o caminho para o sucesso?”, o CEO da Agriness, Everton Gubert, reforçou a importância de criar processos que incentivem o cuidado e o desenvolvimento dos profissionais que atuam nas granjas. “Capacitar equipes é um caminho, mas é somente um pedaço do processo de sucesso de uma granja. Muito mais do que capacitar, nós temos que cuidar das pessoas. É muito importante que a empresa consiga proporcionar uma estrutura que ofereça uma projeção de crescimento de carreira às pessoas.”

Gubert, que é autor do livro e da metodologia de aceleração de produtividade chamado Pensamento+1 e liderança do ecossistema de inovação no Brasil, apresentou um esquema simplificado para incentivar cada granja, independente do tamanho, a colocar em prática uma jornada do talento. Desde a entrada do profissional, no recrutamento, passando pelo treinamento e acompanhamento de desempenho até o desligamento, cada etapa deve ser gerida estrategicamente.

Para o especialista, as granjas que desenvolvem pessoas são as melhores granjas e o papel do líder é essencial. “Liderança é a coisa mais importante que uma empresa tem, porque ela é responsável por mostrar aos profissionais o melhor de cada um. Pessoas e liderança são os elementos que precisamos para atingir uma gestão de excelência. A pressão por qualidade na produção só aumenta e entender de pessoas é imprescindível. Se você não tem uma empresa com um processo de gestão claro e o profissional não vê uma perspectiva de crescimento, ela não vai permanecer ali e será cada vez mais desafiador trabalhar com produção animal”, finalizou.

Engenheiro agrônomo Naldo Dalmaso

O segundo palestrante do bloco, o engenheiro agrônomo Naldo Dalmaso, abordou ferramentas que veterinários, zootecnistas e demais profissionais do setor podem usar no treinamento de adultos. Com vasta experiência em formação de equipes de campo para extensão rural e gestão de processos, o consultor afirmou que é indispensável ter ferramentas em três áreas do saber: liderança, método e conhecimento técnico.

Naldo abordou os métodos que possuem maior fixação no ensino da andragogia e as variáveis que fazem toda a diferença nesse processo, como a questão geracional. “Nós trabalhamos com diferentes gerações nas propriedades e temos que aprender com isso, pois o contexto histórico de cada geração influencia no seu comportamento e tomada de decisão. Eu tenho que entender que não estou falando de apenas um adulto, mas de diferentes gerações na minha equipe.”

De acordo com o consultor, os adultos devem ter o desejo de aprender, o que pode ser estimulado, mas nunca imposto. “O aprendizado do agricultor adulto deve estar relacionado a situações reais. Ele aprende melhor em um clima participativo e informal e suas vivências precisam ser consideradas.”

Ao compartilhar suas experiências na extensão rural, Naldo enfatizou que o desafio dos veterinários e zootecnistas é alterar a informação que está presente na mente do produtor, mudando o enfoque dessa informação e mostrando o efeito econômico das mudanças que precisam ser adotadas na granja. “Os produtores querem saber o custo-benefício das tecnologias, eles consideram os riscos e seus objetivos estão sempre ligados a pontos como sobrevivência e  lucro. É preciso entender o adulto, sua lógica, fazer o diagnóstico das pessoas e o que influencia nas suas tomadas de decisão”, encerrou Naldo.

Inscrições

As inscrições para o 14º SBSS estão no terceiro lote. O investimento é de R$ 600 (para o evento presencial) e R$ 500 (virtual) para profissionais e R$ 460 (presencial) e R$ 400 (virtual) para estudantes. Na compra de pacotes a partir de dez inscrições serão concedidos códigos-convites. Nessa modalidade há possibilidade de parcelamento em até três vezes.

O acesso para a 13ª Brasil Sul Pig Fair, que ocorre em paralelo ao 14º SBSS, é gratuito, tanto presencial quanto virtual, assim como para o pré-evento. As inscrições ainda podem ser feitas pelo site www.nucleovet.com.br.

Somando forças

O 14º SBSS tem apoio da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), do Conselho Regional de Medicina Veterinária de Santa Catarina (CRMV/SC), da Embrapa Suínos e Aves, da Prefeitura de Chapecó e da Sociedade Catarinense de Medicina Veterinária (Somevesc). O Jornal O Presente Rural é veículo de comunicação oficial do evento.

Programação Científica do 14º Simpósio Brasil Sul de Suinocultura:

Terça-feira (16)

14h – Abertura da Programação Científica

Painel Gestão de Pessoas

14h05 às 14h45 – Capacitar as equipes de granjas, esse é o caminho para o sucesso?

Palestrante: Everton Gubert

14h50 às 15h30 – Estratégias de treinamento de adultos. Como os adultos aprendem?

Palestrante: Naldo Dalmazo

15h30 às 15h50 – Questionamentos

15h50 às 16h20 – Intervalo

16h20 às 17h – Comunicação eficaz: minha equipe entende o que é necessário?

Palestrante: Leandro Trindade

17h às 17h30 – Questionamentos

17h40 – Solenidade de Abertura Oficial do SBSS

18h40 – Palestra de Abertura – Crie soluções: superando desafios com criatividade

Palestrante: Amyr Klink

20h – Coquetel de Abertura – na PIG FAIR

Quarta-feira (17)

Painel Biosseguridade

08h às 08h40 – Biosseguridade: está na hora de parar com o “faz de conta”. Será que compreendemos o significado dos desafios sanitários? Uma visão de dentro da granja

Palestrante: Nelson Morés

08h45 às 09h25 – Estratégias de redução da pressão de infecção em um sistema de produção: entendendo e aplicando programas de limpeza e desinfecção

Palestrante: Anne Caroline De Lara

09h25 às 09h45 – Questionamentos

09h45 às 10h05 – Intervalo

Painel Gestão da Informação

10h05 às 10h45 – Gestão em tempos de crise: cortar custos sempre é a melhor solução?

Palestrante: Iuri Pinheiro Machado

10h50 às 11h30 – Tomada de decisão baseada em dados: experiência norte-americana na análise de informações em banco de dados de diagnósticos na suinocultura

Palestrante: Daniel Linhares

11h30 às 11h50: Questionamentos

11h50 às 14h – Intervalo para almoço

12h30 – Eventos Paralelos

Painel Sanidade (Jurij Sobestiansky)

14h às 14h40 – Peste Suína Africana: como está o cenário mundial atual?

Palestrante: Leandro Hackenhaar

14h45 às 16h – Mesa Redonda: Agentes respiratórios? Estamos dando a real importância aos diagnósticos?

Palestrantes: Danielle Gava, David Barcellos e Karine Takeuti

Moderador: Geraldo Alberton

16h às 16h20 – Intervalo

16h20 às 17h – Estratégias de diagnóstico e controle de meningite estreptocócica: como enfrentar este agente e sua diversidade antigênica?

Palestrante: Rafael Frandoloso

17h05 às 17h45 – Resistência bacteriana: uma pandemia silenciosa!

Palestrante: Jalusa Deon Kich

17h45 às 18h05 – Questionamentos

18h15 às 19h15 – Evento Paralelo Zoetis

19h15 – Happy Hour na PIG FAIR

Quinta-feira (18)

Painel Nutrição e Reprodução

08h às 08h40 – Efeito da matéria-prima no desempenho e saúde intestinal dos suínos

Palestrante: Gabriel Cipriano Rocha

08h45 às 09h25 – Imunonutrição: como manejar a imunidade através da nutrição

Palestrante: Breno Castelo Beirão

09h25 às 09h45 – Questionamentos

09h45 às 10h05 – Intervalo

10h05 às 10h45 – Perdas reprodutivas na produção de suínos: diagnóstico situacional e alternativas de correção

Palestrante: Rafael Ulguim

10h50 à 11h30 – Prolapsos uterinos: fatores predisponentes e abordagem para o controle

Palestrante: Augusto Heck

11h30 às 11h50 – Questionamentos

12h – Sorteios e encerramento

Fonte: Ascom Nucleovet
Continue Lendo

Notícias No fim do mês

Circuito Exceleite 2019/2022 encerra na Expointer  

Gadolando realiza as premiações no dia 2 de setembro após um circuito difícil com as restrições impostas pela pandemia.

Publicado em

em

Foto: JM Alvarenga

O gado holandês tem tradicionalmente grandes eventos nas exposições e não será diferente nesta Expointer, que ocorrerá de 27 de agosto a 04 de setembro no Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio (RS). Além do tradicional Concurso Leiteiro, também serão destaque na feira o Julgamento Morfológico, o Jovem Puxador, encerramento do circuito Exceleite de 2019/2022 e o pré-Lançamento da Expoleite Fenasul 2023, marcada para o período entre 17 e 21 de maio.

O presidente da Associação dos Criadores de Gado Holandês do Rio Grande do Sul (Gadolando), Marcos Tang, destaca que o encerramento do circuito Exceleite dos anos de 2019, 2020, 2021 e 2022, o qual enfrentou muitas dificuldades devido à pandemia, ocorrerá no dia 2 de setembro. “A premiação Ouro, Prata e Bronze será entregue nas categorias Vacas em Pista, Vacas de Produção e Suprema Exceleite. A vaca que recebe Ouro na categoria Suprema Exceleite é a grande ganhadora do circuito”, explica, colocando que é premiada a vaca que fez mais pontos na participação em concursos leiteiros e morfológicos de pista em uma exposição ranqueada do interior e, obrigatoriamente, na Expoleite e Expointer. O circuito Exceleite 2022/2023 terá início logo após a Expointer deste ano e a premiação será entregue no ano que vem.

Em relação ao  Julgamento Morfológico, Tang coloca que é o momento de conhecer os criadores que estão produzindo matrizes que atendam a demanda da conformação correta da raça. “Esta conformação é estudada e pesquisada ao longo dos anos por especialistas visando uma confirmação correta para uma vida mais longa, com menos problemas de doenças, e  uma melhor produção”, afirma, ressaltando que na classificação morfológica mesmo quando entram terneiras, estão sendo avaliadas as pernas, garupa, angulações corretas e abertura de peito.

Conforme Tang, quando é analisada a vaca, a maior pontuação é para o quesito úbere. Lembra que é na glândula mamária que estará a produção, mas sem esquecer de também verificar pernas boas, garupa ampla, a capacidade de coração, pulmão e digestiva. O Julgamento Morfológico acontecerá nos dias 31 de agosto e primeiro de setembro, às 14h. “Esse é um momento em que sempre temos o maior público assistindo as explicações do juiz. Se aprende muito em cada julgamento”, enfatiza. No dia primeiro de setembro, será escolhida a Grande Campeã da Feira, a melhor vaca entre todas as participantes.

Sobre o Jovem Puxador, Tang lembra que suas filhas sempre participaram assim como ele. “É dessa forma que se começa e depois se torna um profissional de ajuda para a propriedade leiteira. São necessárias pessoas que gostem de fazer a lida dos animais.  Ninguém ganha uma feira apenas pegando uma vaca bonita, mas certamente quem realiza  um trabalho muito bem feito em casa, com dedicação no dia a dia”, afirma, observando que a Gadolando sempre abre espaço para crianças urbanas, que muitas vezes serão futuros veterinários, técnicos agrícolas ou proprietários de uma fazenda leiteira.

O presidente da Gadolando finaliza enfatizando que muita coisa importante em uma feira não está nas programações oficiais, mas no diálogo travado com os criadores e expositores. “Para mim uma das coisas mais importantes em uma feira é a troca de informações entre criadores e técnicos, e também entre o produtor e o consumidor. Mesmo quem não é do agronegócio, é uma pessoa urbana, pode buscar saber do criador o que ele fornece de alimentos para as vacas, qual a genética que usa, qual o seu manejo sanitário, como faz a ordenha. E nós, do leite, temos muito orgulho em dizer que produzimos um leite com qualidade, com sanidade, e isso nós defendemos sempre”, conclui.

Fonte: Ascom
Continue Lendo
ADISSEO 2022

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.