Conectado com
VOZ DO COOP

Suínos / Peixes

Falhas no carregamento e transporte de suínos geram prejuízos milionários para a agroindústria

O palestrante falou sobre a importância do rigor na hora do abate nos frigoríficos, enaltecendo que uma vez que os animais foram transformados em carcaças, tudo o que acontecer na gôndola do supermercado será responsabilidade da indústria.

Publicado em

em

Foto: Arquivo/OP Rural

Produzir carne de qualidade, com eficiência e produtividade é o objetivo de toda a cadeia suinícola. O grande desafio está justamente na importância de todo o setor trabalhar de forma integrada, desde a produção, transporte, abate no frigorifico, até a disposição nas gôndolas dos supermercados. O assunto é importante e esteve presente na programação da 2ª edição do Dia do Suinocultor O Presente Rural Frimesa, realizada de forma híbrida no dia 20 de julho, em Marechal Cândido Rondon, PR. Com a palestra “máximo valor da carcaça suína”, o zootecnista Gustavo Freire Resende Lima, supervisor de serviços técnicos da Agroceres PIC, falou sobre a cadeia de produção, apresentou fatores impactantes e definiu como é importante trabalhar com o objetivo de produzir uma carne de excelente qualidade.

De acordo com ele, as estimativas mostram que o mercado brasileiro da produção de carne suína perde cerca de R$ 32 milhões por ano por conta da ineficiência do transporte dos animais. “Essas estimativas do impacto econômico estão diretamente ligadas às perdas no transporte. Os animais podem estar cansados, lesionados e até mesmo morrerem durante o manejo do transporte”, expôs.

Zootecnista Gustavo Freire Resende Lima – Foto: Jaqueline Galvão/OP Rural

Ele também enalteceu a importância do bom manejo ao carregar os animais. “O manejo na granja dita a qualidade do animal, é necessário ter muito cuidado com o manejo do carregamento, pois isso impacta o bem-estar do animal e o valor que será atribuído à carcaça. Aqueles que trabalham com o transporte de animais têm uma responsabilidade muito grande”.

Além disso, o palestrante falou sobre a importância do rigor na hora do abate nos frigoríficos, enaltecendo que uma vez que os animais foram transformados em carcaças, tudo o que acontecer na gôndola do supermercado será responsabilidade da indústria. “É a indústria que valida a matéria-prima e os produtos que são ofertados ao consumidor. Desta forma, a responsabilidade do produto final é dela”, explica.

Jejum pré-abate

Conjuntamente, o zootecnista discorreu que o jejum pré-abate é fator chave para a obtenção de uma carcaça de excelente qualidade. Ele afirmou que o jejum auxilia no bem-estar do animal, pois evita vômitos e congestão no embarque, no transporte e no desembarque, também facilita o manejo com os animais, melhora a limpeza das instalações e reduz custo de produção, a mortalidade no manejo pré-abate, melhora o controle relativo à inocuidade alimentar, bem como o controle da Salmonella SP. “O jejum impacta positivamente e melhora o desempenho do animal no frigorífico”, observou.

Com relação ao tempo do jejum pré-abate, o profissional explicou que é necessário seguir as normas que são recomendadas pelo Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa), de que o jejum deve durar de 18 a 24 horas, no máximo. “É preciso otimizar esse período e atender ao que a legislação pede. Seis a 12 horas de jejum devem ser realizadas ainda dentro da granja, antes do embarque e o tempo ideal é de 18 horas até o abate. Quando o jejum é maior de 24 horas ele contribui para que a carcaça perca peso e consequentemente irá render menos dinheiro”, advertiu.

Para que isso funcione de forma eficaz, o palestrante enalteceu a necessidade de um bom planejamento, pois é preciso ter controle sobre o horário de embarque dos animais e o desembarque. “Ademais, é necessário manter uma boa higiene, em todas as etapas, limpando as baias dos animais, os corredores, caminhões, ter cuidado com a ingestão de restos de ração que podem estar misturados com dejetos e propiciar uma contaminação das carcaças. Cuidar destes itens é fundamental”.

Qualidade da carne

Conforme Gustavo, a qualidade da carne está relacionada com a higiene e segurança alimentar, a composição nutricional, a ética e bem-estar dos animais, bem como fatores sensoriais e tecnológicos, que propiciam dar valor ao produto. “Nos componentes sensoriais temos o pH, a capacidade de retenção de água, a cor da carne, maciez por força de cisalhamento, marmoreio e a qualidade da gordura. Quando agrupamos todos estes fatores conseguimos dar valor ao produto produzido, porque a qualidade da carne é determinada por todos estes fatores”, afirmou.

Desafios

O zootecnista afirmou que para o Brasil conquistar um melhor desempenho na competitividade no exterior é necessário vencer os desafios da falta de logística que o país enfrenta. “Esse é um ponto muito importante que nosso país precisa superar. Já os produtores e a indústria precisam adequar e trabalhar para o melhor o jejum e o transporte, pois isso vai possibilitar, cada vez mais, alcançar um maior valor na carcaça dos suínos”.

O palestrante finalizou destacando que todos os setores são parte importante da cadeia e que tudo está interconectado. “Por isso, precisamos entender que devemos trabalhar de forma articulada, com um único objetivo, que é competir no mercado globalizado. Existe o alto potencial econômico e de qualidade para a elevação dos pesos ao abate e a qualidade de carne se dá por intermédio do somatório de vários atributos”, apontou.

Para ficar atualizado e por dentro de tudo que está acontecendo no setor suinícola acesse gratuitamente a edição digital de Suínos. Boa leitura!

Fonte: O Presente Rural

Suínos / Peixes

Embarques de carne suína crescem 2,7% em maio

No ano, as exportações de carne suína totalizaram 506,6 mil toneladas, número 5,3% superior ao total acumulado no mesmo período de 2023, com 481,1 mil toneladas.

Publicado em

em

Foto: Shutterstock

As exportações de carne suína (considerando todos os produtos, entre in natura e processados) totalizaram 104,4 mil toneladas em maio, informa a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA). O número supera em 2,7% o total embarcado no mesmo período do ano passado, com 101,7 mil toneladas.

A receita gerada pelas exportações de maio totalizou US$ 225,2 milhões, saldo 10,4% menor que o total efetivado no mesmo período do ano passado, com US$  251,4 milhões.

No ano (janeiro a maio), as exportações de carne suína totalizaram 506,6 mil toneladas, número 5,3% superior ao total acumulado no mesmo período de 2023, com 481,1 mil toneladas. A receita gerada pelos embarques nos cinco primeiros meses do ano chegou a US$ 1,064 bilhão, saldo 7,3% menor que o total acumulado no mesmo período do ano passado, com US$ 1,149 bilhão. “O ritmo das exportações segue paralelo positivo em relação ao recorde obtido em 2023. A Ásia e nações das Américas seguem como ‘motor’ das vendas internacionais do setor, porém, com mudanças no tabuleiro dos principais importadores. A expectativa é que tenhamos resultado equivalente ou superior aos registrados no ano passado, porém, com maior presença de outros destinos”, destaca o presidente da ABPA, Ricardo Santin.

Principal importador de carne suína, a China foi destino de 111,4 mil toneladas do produto entre janeiro e maio, número 36,7% menor do que o total embarcado no mesmo período do ano passado. Em fluxo diferente, as Filipinas importaram 70,2 mil toneladas, com crescimento de 84,8% em relação ao mesmo período de 2023. Em seguida estão Chile, com 43,017 mil toneladas (+25,7%), Hong Kong, com 43,006 mil toneladas (-16,2%), Singapura, com 32,3 mil toneladas (+11,2%) e Japão, com 27,4 mil toneladas (+92,8%). “O fluxo de exportações para a Ásia está ganhando novos contornos, com o notável crescimento das vendas para Filipinas, Singapura e Japão, assimilando as quedas das importações chinesas e ampliando a capilaridade das exportações brasileiras.  Ao mesmo tempo, vemos um antigo parceiro do Brasil, a Rússia, retomando as importações do produto”, destaca Luís Rua, Diretor de mercados da ABPA.

No levantamento por estado, Santa Catarina segue como principal exportador, com 280,5 mil toneladas exportadas entre janeiro e maio, número 7,3% superior ao registrado no mesmo período do ano passado. Em seguida está o Rio Grande do Sul, com 106,2 mil toneladas (-4,1%), Paraná, com 65,3 mil toneladas (-1,75%), Mato Grosso, com 14,8 mil toneladas (+46,3%) e Mato Grosso do Sul, com 11 mil toneladas (+1,4%)

Fonte: Assessoria ABPA
Continue Lendo

Suínos / Peixes

Preços do suíno vivo têm novas altas, exportações seguem intensas

Impulso vem do bom desempenho das vendas. Apesar dos embarques terem recuado em maio, frente ao mês anterior, o ritmo continuou intenso.

Publicado em

em

Foto: Ari Dias

Os preços do suíno vivo e da carne suína seguem em alta em todas as praças acompanhadas pelo Cepea.

Segundo pesquisadores deste Centro, o impulso vem do bom desempenho das vendas.

Quanto às exportações brasileiras (considerando-se produtos in natura e processados), apesar de terem recuado em maio, frente ao mês anterior, o ritmo continuou intenso.

Conforme dados da Secex, analisados pelo Cepea, a média diária de escoamento foi praticamente a mesma da registrada em abril, de 4,4 mil toneladas; a queda na comparação mensal se deve ao menor número de dias úteis em maio.

No balanço, o Brasil embarcou 103,3 mil toneladas de carne suína, volume 7,4% inferior ao de abril, mas 2,7% superior ao de maio/2023.

Vale ressaltar que, em abril/2024, as exportações foram recordes para o período e atingiram o melhor desempenho mensal deste ano.

 

Fonte: Assessoria Cepea
Continue Lendo

Suínos / Peixes

Fraca demanda e oferta elevada de tilápia pressionam valores

Nem mesmo o ritmo intenso dos embarques do produto evitou recuos internos de preços.

Publicado em

em

Foto: Jonathan Campos

O mercado de tilápia registrou procura lenta em maio, ao passo que a oferta de peixes esteve elevada.

Segundo pesquisadores do Cepea, esse cenário pressionou as cotações em todas as regiões acompanhadas.

Nem mesmo o ritmo intenso dos embarques do produto evitou recuos internos de preços.

Pesquisadores do Cepea ressaltam, ainda, que esse período do ano é marcado por desvalorizações, devido à menor demanda com a chegada das temperaturas amenas.

Quanto às exportações brasileiras de tilápia (filés e produtos secundários), o volume embarcado somou 1,389 mil toneladas em maio, expressivo aumento de 65,7% frente ao de abril e de 40% na comparação maio/23, segundo dados da Secex.

Fonte: Assessoria Cepea
Continue Lendo
SIAVS 2024 E

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.