Conectado com

Notícias

Evolução tecnológica da pecuária é destaque da InterCorte

Avanços da genética e integração lavoura-pecuária-floresta foram abordados no primeiro dia do evento, que vai até sexta, no WTC, em São Paulo

Publicado em

em

Com a proposta de debater a cadeia produtiva da carne de forma ampla e importância da adoção de tecnologias para a produção de carne de qualidade, teve início nesta quarta-feira, dia 21, a InterCorte São Paulo. O evento, que prossegue até sexta-feira, dia 23, no WTC Golden Hall, conta com 15 atrações distribuídas na programação e mais de 60 palestrantes.

A edição deste ano traz palestras com temas que buscam promover a integração entre diferentes setores do agronegócio, por meio de um ambiente mais pluralizado, evidenciando a importância da união da cadeia produtiva de alimentos em prol do crescimento no Brasil.

Na cerimônia de abertura, a diretora do Terraviva Eventos, que promove a InterCorte, evidenciou o papel agregador do evento. “A InterCorte tem como missão unir projetos, associações, empresas e lideranças para juntos trabalharmos pelo desenvolvimento do setor”, enfatiza.

O secretário de Agricultura do Estado de São Paulo, Francisco Jardim ressaltou a evolução da pecuária brasileira nos últimos anos, os desafios para as próximas décadas, defendendo a criação de um novo Plano Pecuário. “A atividade vem numa crescente e se aprimorando a cada ano, melhorando a produção. Um dos desafios para o próximo governo será a modernização do Plano Pecuário. O primeiro modelo foi feito há 40 anos e agora é o momento de rever e analisar o que o mercado quer. E, aqui na InterCorte, é onde podemos ter uma amostra e visualizar o que há de mais moderno para o mercado e mais importante para o setor”, aponta. Jardim lembrou ainda que segundo a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) e a Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) será preciso aumentar a produção de alimentos em 20% e a pecuária do Brasil terá papel fundamental nesse processo até 2050, com crescimento ainda maior na ordem de 40%.

O presidente da Associação dos Criadores do Pará (Acripará), Maurício Fraga Filho, destacou que a InteCorte tem papel fundamental para os setores que integram a cadeia produtiva da carne brasileira. “Venho desde a primeira edição da InterCorte e acredito que é o encontro oficial da pecuária nacional. Este ano tivemos uma etapa do evento no Pará e foi um sucesso, com a participação de mais de mil produtores, que contribuiu de forma decisiva para o fortalecimento da nossa associação e animou o setor”, afirmou.

O diretor-executivo do Canal Terraviva, Eduardo Ramos, destacou a importância do evento para o segmento como ferramenta de propagação de novas tecnologias e conhecimento. “Vemos um futuro melhor para o setor e a InterCorte é ferramenta para o futuro e o progresso”, destacou.

Programação

A InterCorte traz questões atuais para que o produtor tenha mais conhecimento técnico para sua produção pecuária com sustentabilidade e rentabilidade. No painel “Caminhos da Genética”, as palestras e exposições mostraram as mais recentes evoluções nesse segmento, especialmente sobre a genômica.

O professor da Universidade Federal de Viçosa, Mario Chizzotti, que abriu o painel sobre genética, apontou que muita gente ainda encara a atividade pecuária como produtora de boi, quando, na verdade, o pecuarista é produtor de carne de qualidade. “Um dos desafios é o produtor conseguir produzir mais carne por animal. Ainda há um trabalho muito grande para se fazer da porteira para dentro para que haja um bom valor agregado na atividade. A tipificação de carcaça pelo frigorífico é uma saída para melhor remunerar o produtor, pois se paga não pelo peso e, sim, pela quantidade de carne”, explica. “Enquanto estivermos produzindo apenas peso, não acharemos o caminho para a qualidade”, analisou.

O médico-veterinário César Franzon, Gerente de Inovação e Melhoramento de Genética na CRV Lagoa destacou a importância de se fornecer boas condições para que o animal expresse todo o seu potencial genético apoiado no tripé: nutrição, sanidade e eficiência. “Muitas vezes discutimos apenas o que tem sido feito em melhoramento genético. No entanto, o produtor precisa trabalhar mais para produzir com eficiência carne de qualidade. A nutrição é um dos gargalos de custo, mas se não tiver uma boa nutrição o animal não terá um bom índice reprodutivo, pois um fator depende do outro”, comentou. “É preciso fazer conta para conseguir agregar valor em toda a cadeia. Podemos produzir de forma mais barata, mas quem vai direcionar a demanda é o mercado consumidor”, completou.

A Integração Lavoura Pecuária Floresta (ILPF) foi um dos destaques da programação da InterCorte, sendo discutida em três painéis “Caminhos da ILPF” ao longo do dia. A programação detalhou aspectos dessa estratégia de produção que integra diferentes sistemas produtivos, agrícolas, pecuários e florestais dentro de uma mesma área.

Segundo o coordenador da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA), Orlando Melo de Castro, a ILPF já está sendo utilizada em mais de 11 milhões de hectares no Brasil e que mais do que recuperar áreas degradadas de pastagens, a técnica deve ser vista como uma forma de diversificar as atividades e a renda com a produção de grãos e pecuária. “Ainda há muito a ser estudado e a aprendermos sobre ILPF, mas uma certeza nós temos: é que estamos implantando a maior revolução na produção de proteína animal e vegetal que o mundo já presenciou com tecnologia brasileira e de brasileiros”, ressaltou o pesquisador.

Programação do segundo dia

A programação da InterCorte São Paulo na quinta-feira, dia 22, prossegue com um painel sobre ILPPF. Além disso, os visitantes podem “percorrer” o caminho da ILPF por meio da tecnologia de realidade virtual. Com o uso de óculos de realidade virtual (RV) e um fone de ouvido, os participantes do evento podem caminhar por um percurso interativo e informativo sobre essa tecnologia. O túnel de RV é uma adaptação do aplicativo “Maquete virtual de ILPF em realidade aumentada” em 16 etapas, montado pela Rede ILPF.

Nesta quinta a InterCorte terá ainda o painel “A carne além do churrasco”, liderado pela JBS, com uma programação de palestras e degustações que pretendem quebrar paradigmas dos eventos do setor em apresentar apenas a carne in natura. O objetivo é apresentar aos participantes um panorama do mercado de alimentos preparados no Brasil e no mundo, mostrando o perfil do consumidor desses produtos, tendências e a preocupação com o controle de qualidade no processo produtivo.

A InterCorte será sede da entrega do prêmio “Touro de Ouro”, promovido pela Editora Centauro, que edita as revistas AG e A Granja e que há 10 anos homenageia as empresas mais lembradas da pecuária.

Sobre a InterCorte

Desde a sua criação em 2012, a InterCorte já contou com a participação de mais de 27 mil pessoas, a maior parte pecuaristas, em eventos que percorrem algumas das principais regiões pecuárias do País para levar informação, conhecimento e tecnologia.

Em 2018 a InterCorte ocorreu em Cuiabá (MT), no mês de março, com a participação de 1.500 pessoas, Marabá (PA) em maio com 1.050 participantes e será finalizada em São Paulo (SP), nos dias 21, 22 e 23 de novembro.

A InterCorte faz parte do “Integrar para Crescer”, plataforma de comunicação que envolve eventos e ações com o intuito de disseminar informação de qualidade, reverberando os temas e discussões relevantes ao setor. Além da InterCorte, a plataforma ainda promove eventos como a Interconf, InterGrãos e ações como o movimento #SomosdaCarne, a Beef Week, “Você Sabia” e “Caminho do Boi”, visando sempre o crescimento e fortalecimento do agronegócio no Brasil. 

Fonte: Ass. de Imprensa

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

doze − onze =

Notícias Sanidade

ABPA e DIPOA promovem encontro sobre inspeção

Será apresentado o sistema de treinamento na inspeção ante e post mortem de aves e suínos

Publicado em

em

Divulgação/Agrostock

A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) e o Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal do Ministério da Agricultura (DIPOA/MAPA) realizam ao longo desta semana um encontro conjunto para tratar sobre temas do sistema de inspeção do setor de proteína animal. A programação do evento, iniciada na segunda-feira (18), segue até sexta-feira (22), em São Paulo, SP.

Na ocasião, será apresentado o sistema de treinamento na inspeção ante e post mortem de aves e suínos. Além disso, também serão discutidas as ações e procedimentos de verificação oficial dos controles em estabelecimentos produtores de carne e suínos. Participam do encontro técnicos das agroindústrias produtoras e exportadoras e auditores fiscais do Ministério da Agricultura.

“Este é um trabalho que tem como princípio o fortalecimento do trabalho pela qualidade e a reconstrução da imagem do setor produtivo, seguindo todos os parâmetros legais em uma parceria do setor público e da iniciativa privada.  Esperamos realizar, em breve, novos eventos com o mesmo objetivo”, ressalta Francisco Turra, presidente da ABPA.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Mercado Leiteiro

Estoques reduzidos e menor produção elevam preço do UHT

Altas estiveram atreladas aos estoques, que continuam controlados, e à redução da produção por parte de alguns laticínios

Publicado em

em

Divulgação

O preço do leite UHT negociado no atacado do Estado de São Paulo subiu 0,24% entre as duas últimas semanas, fechando com média de R$ 2,4357/litro no período entre 11 e 15 de fevereiro. Conforme colaboradores do Cepea, as altas estiveram atreladas aos estoques, que continuam controlados, e à redução da produção por parte de alguns laticínios.

Apesar da valorização, as negociações entre laticínios e atacados permaneceram baixas. Já o queijo muçarela se desvalorizou 0,83% na mesma comparação, fechando com média de R$ 17,2862/kg entre 11 e 15 de fevereiro. Quanto à liquidez no mercado deste derivado, permaneceu estável no período.

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Notícias No Paraná

Trigo pode ser boa alternativa ao produtor na 2ª safra

Como o clima está favorável, os preços e custos de produção irão balizar tomada de decisão dos agricultores

Publicado em

em

Divulgação/SECS

Com o avanço da colheita dos grãos de verão no Paraná, triticultores do Estado já planejam a divisão das áreas de semeio na segunda safra. Como o clima está favorável ao desenvolvimento tanto do trigo quanto do milho, os preços e custos de produção é que irão balizar a tomada de decisão dos agricultores por um ou outro.

Segundo dados da equipe de custos agrícolas do Cepea, em Cascavel, PR, o custo operacional de produção do milho 2ª safra foi calculado em R$ 2.822,54/hectare, contra R$ 1.901,03/ha para o trigo. A produtividade média das últimas três safras foi de 93 sacas/ha para o milho e de 49 sc/ha para o trigo, de acordo com dados do Deral/Seab.

Considerando-se os valores médios de venda em janeiro/19, as receitas geradas seriam de R$ 2.724,08/ha para o milho e de R$ 2.343,38/ha para o trigo. Portanto, a receita obtida com a cultura do trigo foi suficiente para saldar os custos operacionais e gerar margem positiva ao produtor, de R$ 442,35/ha. Já a receita obtida com o milho 2ª safra não foi suficiente para cobrir o total de desembolsos, resultando em margem negativa ao produtor, de R$ 98,46/ha.

Fonte: Cepea
Continue Lendo
APA
Facta 2019
Biochem site – lateral
Nucleovet 2

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.