Conectado com
VOZ DO COOP

Empresas Avicultura

Estudo compara ação de vacinas comerciais contra a doença de Marek em poedeiras

Pesquisa foi publicada na última edição da Revista Ars Veterinária, da Unesp/Jaboticabal

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Um estudo realizado em 2020 pela Hendrix Genetics, empresa especializada em genética de aves, em parceria com a Zoetis, foi destaque na última edição da Revista Ars Veterinária, da Unesp/Jaboticabal. “O artigo que despertou o interesse dessa importante publicação científica foi assinado por toda a equipe técnica de Aves da Zoetis Brasil, em parceria com a Hendrix”, completa o médico-veterinário Eduardo Muniz, Gerente Técnico de Aves da Zoetis.

A pesquisa teve como objetivo comparar a replicação de vacinas comerciais na prevenção e no controle da doença de Marek, causada por um herpesvírus, que provoca neoplasias linfoproliferativas em nervos periféricos e em órgãos como gônadas, íris, vísceras, músculos e pele nas aves.

O estudo contou com 300 animais da linhagem Hisex (Hendrix Genetics), divididos em três grupos de igual tamanho. Cada um deles recebeu um protocolo vacinal – um com vacina convencional e os outros dois com vacinas vetorizadas, porém de laboratórios diferentes. Para garantir imparcialidade em todo o processo analítico das amostras, os materiais coletados foram identificados por cores e letras.

A observação comparativa tanto da fração CVI como HVT das vacinas analisadas se deu em três fases – aos 14, 21 e aos 28 dias de vida das aves. Todas as aves foram vacinadas em seu primeiro dia de vida. Ao contrário de outros métodos investigativos, a análise foi feita de modo não invasivo, por meio de material coletado em folículos de penas, região em que o vírus vacinal se multiplica.

Após coleta e análise das três amostras, os pesquisadores concluíram que animais em que a replicação do vírus se mostrou mais veloz e intensa receberam a vacina convencional – observação feita já pela primeira coleta de material, aos 14 dias. Logo a vacina convencional mostrou-se mais veloz e intensa desde a fase inicial, atingiu o platô de proteção nas aves mais rapidamente que as demais. “Estudos como esse são relevantes para os produtores de aves de vida longa (poedeiras comerciais ou reprodutoras), pois apontam diferenças importantes entre as várias tecnologias disponíveis e ajudam na escolha da ferramenta mais adequada de acordo com a realidade de campo”, pontua Muniz.

Fonte: Ass. de Imprensa.

Empresas

Topigs Norsvin inaugura a Delta Noruega, seu novo centro de pesquisa e avaliação de reprodutores com capacidade para avaliar 5 mil animais por ano

Nova infraestrutura impulsionará programa genético com maior disponibilidade de animais de altíssimo valor genético

Publicado em

em

Adauto Canedo, diretor de Negócios e Marketing da Topigs Norsvin; Marcos Lopes, Diretor Técnico da Topigs Norsvin; e André Costa, diretor regional América Central e do Sul da Topigs Norsvin.

A Topigs Norsvin, empresa especializada em genética suína, inaugurou oficialmente, em 14 de junho, a Delta Noruega, seu novo Centro de Pesquisa e avaliação de reprodutores de alto padrão genético. A inauguração da Delta Noruega finaliza o plano estratégico da Topigs Norsvin, desenhado há oito anos, para melhorar sua estrutura de desenvolvimento genético e produção.

Outros passos importantes na estratégia da empresa incluíram a centralização do núcleo de melhoramento genético da linha Z no Canadá, e a construção do centro de avaliação de reproduções e pesquisa Delta Canadá, assim como a granja núcleo Innova no Canadá e a granja núcleo INOVARE no Brasil.

As inovações e uma infraestrutura projetada para a captura de dados em grande escala na Delta Noruega irão impulsionar significativamente o programa genético da Topigs Norsvin. Por exemplo, a tecnologia de câmeras e sensores para observar os suínos permitirá a seleção de novas características que melhoram o bem-estar animal e o comportamento social.

A Delta Noruega irá testar 5 mil machos TN Duroc e Norsvin Landrace por ano. Número que representa um acréscimo de 2 mil animais a atual estação de testes, que será convertida em uma unidade para alojar suínos destinados à exportação. A maior capacidade da estação de testes permitirá uma maior disponibilidade de animais com altíssimo valor genético para atender à crescente demanda pela genética Topigs Norsvin em todo o mundo.

Continue Lendo

Empresas

Agroceres PIC finaliza povoamento da UDG Campos Novos e fortalece atuação no Sul do Brasil

Publicado em

em

(Foto: Divulgação)

Localizada em Campos Novos (SC), a nova UDG terá capacidade para alojar 200 reprodutores e potencial para produzir 300 mil doses inseminantes por ano, com a moderna unidade, a Copercampos passa a integrar a Rede de UDG’s da Agroceres PIC

A Agroceres PIC finalizou, em junho, o povoamento da Unidade de Disseminação de Genes de (UDG), de Campos Novos (SC), a sétima unidade da Rede de Genética Líquida da Agroceres PIC no País.

Resultado da ampliação do acordo de parceria com a Copercampos, a unidade de Campos Novos não apenas fortalece a posição da Agroceres PIC no mercado de Genética Líquida como habilita a empresa a expandir o suporte aos seus clientes, garantindo maior acesso a uma das mais eficientes ferramentas de disseminação de genes superiores.

“Nossa expectativa é bastante positiva para a UDG Campos Novos. Temos uma parceria antiga com a Copercampos e uma convergência muito grande de valores, objetivos, competências e visão de mercado” afirma Nevton Hector Brun, gerente de Produção da Agroceres PIC. “Essa nova colaboração vai ampliar nossa capacidade de produção e reforçar nossa atuação no mercado de genética líquida” completa.

Alto padrão tecnológico e sanitário

Segunda unidade de produção de sêmen suíno da Agroceres PIC em Santa Catarina, a UDG Campos Novos tem capacidade para alojar 200 reprodutores e potencial para produzir 300 mil doses inseminantes por ano.

À exemplo das outras centrais da Agroceres PIC, a unidade conta com rígidos protocolos sanitários e opera com alta tecnologia embarcada de ponta a ponta, desde a coleta, passando pelo processamento, avaliação, armazenagem, até o transporte do sêmen, conferindo total qualidade, integridade e segurança às doses inseminantes.

A UDG Campos Novos começa a operar com plena capacidade no mês de julho. As primeiras doses de genética líquida produzidas na unidade chegam ao mercado em agosto.

Continue Lendo

Empresas

Maior evento de suinocultura das Américas vai encerrar o ano em que os brasileiros mais consomem proteínas de origem animal. E a carne suína lidera o avanço

Publicado em

em

(Foto: Divulgação)

O Brasil é o maior exportador de carnes do mundo. O primeiro em proteína bovina e de frango. E vai tornar-se o terceiro maior na carne suína, ainda neste ano. Em 2024, vamos bater um recorde histórico no consumo, alcançando 103 quilos por habitante. A carne suína, apesar de ocupar o terceiro lugar em volume entre as três, é a que mais cresce. O consumo vai atingir 21 quilos por pessoa, um aumento de 4% em relação ao ano passado. Popularidade conseguida graças ao avanço ininterrupto das granjas quando o assunto é preço competitivo, versatilidade na cozinha, marketing inteligente e sabor delicioso.

E a marca vai ser destacada como nunca durante o ‘XII Congresso Internacional de Suinocultura e II Congresso Nacional das Mulheres da Suinocultura’, que vai ser realizado nos dias 23 e 24 de outubro, no Recanto Cataratas Thermas Resort & Convention, em Foz do Iguaçu, no Paraná.

Um encontro que oferta um painel completo de atrações, oportunidade consagrada pela suinocultura brasileira e do continente há mais de vinte anos, com informação, negócios, gastronomia e ciência dos alimentos. União da cadeia de um extremo a outro, da granja à mesa de refeições de brasileiros e consumidores do planeta inteiro. Por intermédio de atividades envolventes, instigantes e ricas em dados e confraternização.

A nova edição do ‘Congresso Nacional Mulheres da Suinocultura’, inteiramente voltado para o universo feminino do setor, e que debutou com brilho em 2023.

A hora de trocar informações e abraços com os colegas de trabalho no tradicionalíssimo ‘Prêmio Pork da Suinocultura’, que sempre reconhece os melhores do ano em cada uma das categorias.

E tem mais. Apresentação dos ‘Trabalhos Científicos’ referentes ao 12º Congresso Latino Americano de Suinocultura, que mostram todos os caminhos futuros da produção da proteína mais consumida na Terra.

A ‘PorkExpo – Feira de Negócios’, integralmente focada na Suinocultura.

E fechando com brilhantismo no encontro mais admirado da Suinocultura do continente: a inédita ‘OctoberPork’, que vai cravar um espaço especial para a nossa proteína no calendário regional e nacional que envolve toda a mística turística e empresarial dos três estados que simbolizam a tradição de produção e vendas externas da carne suína brasileira: a Região Sul do Brasil. Ponto geográfico privilegiado em termos de carnes e grãos da Argentina, do Paraguai e Brasil.

Preços Competitivos: A carne suína oferece uma alternativa acessível à carne bovina. Com preços mais atrativos, os consumidores estão optando por ela. Marketing Inteligente: Uma série de ações de marketing ao longo da cadeia de produção tem destacado os benefícios da carne suína, tornando-a mais atraente para os compradores. Versatilidade na Cozinha: A carne suína é versátil e pode ser preparada de várias maneiras: desde churrascos até pratos mais elaborados. Sabor Delicioso: Com cortes suculentos e saborosos, a carne suína conquista paladares exigentes. Portanto, se você ainda não experimentou, talvez seja hora de incluir um pouco de carne suína no seu cardápio!

E a mais nova opção para quem quiser se aprofundar em extensão rural, vem aí a primeira e única plataforma de formação, conexão e valorização de extensionistas rurais e equipes de fomento da indústria de aves e suínos a “Academia do Fomento” pré-evento exclusivo e fechado, que vai ser realizado no dia 22 de outubro, antecedendo a PorkExpo.

Continue Lendo
SIAVS 2024 E

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.