Conectado com
VOZ DO COOP

Suínos / Peixes

Estratégias para o posicionamento de uma vacina autógena baseada em Streptoccocus suis sorotipo 9

Apesar de relatos da presença do S. suis sorotipo 9 no Brasil há mais de 20 anos, nos últimos anos os surtos de infecções pelo agente têm sido frequentemente descritos nas regiões oeste do Paraná e meio oeste de Santa Catarina.

Publicado em

em

Foto: Shutterstock

O Streptococcus suis é um coco Gram-positivo e é a espécie de Streptococcus mais comum em suínos. É uma bactéria comensal do trato respiratório superior e atualmente são descritos 29 sorotipos de S. suis, os quais podem ser classificados molecularmente como patogênicos, possivelmente oportunistas e comensais. Infecta leitões jovens e pode causar doenças que geram impactos econômicos, sanitários e de bem-estar animal.

Foto: Divulgação/Vaxxinova

Apesar de relatos da presença do S. suis sorotipo 9 no Brasil há mais de 20 anos, nos últimos anos os surtos de infecções pelo agente têm sido frequentemente descritos nas regiões oeste do Paraná e meio oeste de Santa Catarina, gerando taxas de mortalidades de até 20% na fase de creche, fase em que se encontra fatores estressantes e predisponentes a infecções, como mistura de origem de leitões, declínio da imunidade passiva, separação da mãe, troca de alimentação e troca de instalações.

Os leitões podem se infectar no nascimento, provavelmente pela via respiratória, mas a transmissão horizontal durante os surtos é mais frequente, seja por contato direto com animais infectados ou por aerossol. Clinicamente, a doença é caracterizada por sinais nervosos e locomotores agudos, se manifesta em leitões com idades entre 35 e 65 dias de vida, e a evolução para a morte, em muitos animais, é superaguda. Lesões de pneumonia, meningites, polisserosite, endocardites e poliartrites são descritas frequentemente em animais acometidos pelo S. suis sorotipo 9.

A prevenção da estreptococose suína deve ser realizada combinando medidas assertivas de manejo e vacinação. Algumas estratégias de manejos podem ser adotadas na prevenção e controle da infecção pelo S.suis: cuidados de biossegurança externa e internas, introdução de animais de reposição de origens seguras, redução do número de origens na creche, bom manejo de colostro, tratamento de animais doentes com antimicrobianos, redução de fatores estressantes, uso de vacinas, entre outros.

Vacinas autógenas

Atualmente, as vacinas autógenas são a opção utilizada globalmente no controle de infecções por S.suis sorotipo 9. Segundo a IN 31 de 20 de maio de 2003 do Mapa, que rege o Regulamento Técnico para Produção, Controle e Emprego de Vacinas Autógenas, as vacinas autógenas são definidas como: “Vacinas monovalentes ou polivalentes, inativadas, imunogênicas, não tóxicas e inócuas, produzidas a partir de microrganismos isolados e identificados de animais sacrificados ou enfermos, em uma determinada propriedade na qual esteja ocorrendo enfermidades específicas, cultivadas em substratos especiais e utilizadas para controle ou prevenção de enfermidades na espécie alvo, especificamente na propriedade alvo ou propriedades adjacentes”. Ou seja, as vacinas autógenas são preparadas com bactérias inativadas (bacterinas) e formuladas especificamente com o agente isolado em cada granja, com isso, os animais vacinados são protegidos contra o agente e sorotipo presentes naquela propriedade em questão.

Para o preparo de uma vacina autógena, várias etapas são necessárias e indispensáveis. De maneira resumida, há a identificação dos sinais clínicos da infecção pelo de S.suis sorotipo 9 e é fundamental o conhecimento técnico para escolha do animal a ser necropsiado. Após, a colheita dos sítios de lesões causadas pelo agente, as amostras são enviadas ao laboratório. No laboratório, uma série de técnicas são realizadas na identificação e caracterização do agente: isolamento bacteriano, tipificação molecular e identificação dos genes de virulência. Com a cepa escolhida, a vacina autógena é produzida e comercializada somente para a propriedade alvo e suas adjacências.

Para avaliação da eficácia de uma vacina, seja autógena ou comercial, é importante que estudos sobre a interferência da imunidade passiva sejam realizados, para determinação do protocolo ideal de vacinação de matrizes e leitões (números de doses e idade) e estudos sobre a capacidade dessas vacinas em induzir a produção de anticorpos (capacidade imunogênica).

Estudo do ano de 2023

Em um estudo recente, 20 leitões de três semanas de idade foram avaliados quanto a resposta imunológica na produção de anticorpos contra Streptococcus suis sorotipo 9 através da aplicação de uma vacina autógena. O grupo G1 (10 animais) foi vacinado pela via intramuscular aos 21 e 35 dias de idade com 2 mL da vacina autógena Streptococcus suis 9, e o grupo G2 (10 animais) foi inoculado com PBS. Amostras de sangue foram coletadas nos seguintes momentos: D0 (pré-vacinação), D14 (pré-revacinação) e D28. A detecção de IgG (anticorpos) anti-S suis sorotipo 9 (cepa homóloga vacinal) foi realizada por Elisa indireto in house quantitativo. Todos os leitões apresentavam imunidade passiva no momento da vacinação (D0 = 21 dias de vida), o que era esperado, pois as matrizes haviam sido imunizadas durante a gestação com uma vacina autógena baseada nos sorotipos 7, 9 e 14.

Após a vacinação, observou-se que a média dos títulos de IgG aumentou discretamente nos leitões do grupo G1 durante os primeiros 14 dias (D0 = 1:280 e D14 = 1:360), no entanto, após a revacinação uma resposta anamnéstica clara e significativa (p<0.0001) foi observada (D28 = 1:2.240). De maneira contrária, os títulos observados nos leitões do grupo G2 foram diminuindo ao longo do estudo (média dos títulos: D0 = 1:240, D14 = 1:70 e D28 = 1:30), o que demonstra que durante o período avaliado os leitões não sofreram um processo de infecção subclínico por S. suis capaz de estimular uma resposta de anticorpos sistêmicos.

Ainda, observamos que aos 49 dias de vida (D28) o grupo de leitões vacinados (G1) apresentou título médio de IgGs sistêmicas 74 vezes superiores ao encontrado no grupo de leitões não vacinados (G2), sendo esta diferença significativa (p<0.0001). Nesse estudo, foi possível observar que os títulos de IgGs de origem materna eram baixos no momento da vacinação e não interferiram na performance da vacina, a qual demonstrou-se ser imunogênica contra o S. suis sorotipo 9; no entanto, títulos pré-existentes elevados no momento da vacinação podem interferir na resposta vacinal.

Estudos realizados a campo demonstraram que ao comparar um protocolo vacinal precoce (primeira dose com 7 dias de vida e revacinação com 21 dias de vida) contra um protocolo recomendado (primeira dose com 21 dias de vida e revacinação com 35 dias de vida), o grupo de leitões submetidos ao protocolo precoce não desenvolveu uma imunidade ativa prolongada, estando desprotegidos após os 35 dias de vida (período crítico de infecção por S. suis sorotipo 9). Já nos animais vacinados no protocolo recomendado, observou-se uma crescente produção de anticorpos entre a primeira dose e a revacinação, com um pico de titulação de IgGs aos 49 dias, garantindo proteção para os animais na fase de creche.

Médica-veterinária, Mayara Tamanini – Foto: Divulgação/Vaxxinova

Portanto, a interferência da imunidade passiva pode ser um problema na vacinação de leitões muito jovens, com potencial efeito inibitório dos anticorpos vacinais pelos anticorpos maternos. Estudos demonstram que a titulação de IgG por imunidade passiva é alta nos sete dias de idade do leitão, mas que a partir dos 18 dias de idade, há um rápido declínio e falha na proteção. Com isso, a sorologia customizada é uma ferramenta que pode ser utilizada para determinar a potência sorológica de vacinas baseadas em S. suis, e os resultados podem orientar racionalmente a tomada de decisões dos médicos veterinários quanto a imunogenicidade da vacina, posicionamento da vacina e interferência de antibióticos na potência sorológica.

As referências bibliográficas estão com a autora. Contato: mayara.tamanini@vaxxinova.com.br.

Para ficar atualizado e por dentro de tudo que está acontecendo no setor suinícola acesse gratuitamente a edição digital de Suínos. Boa leitura!

Fonte: Por Mayara Tamanini, médica-veterinária, mestre em Ciências Veterinárias Assessora Técnica e de Marketing Nacional - Vaxxinova - Autógenas Suínos

Suínos / Peixes

Peste Suína Clássica no Piauí acende alerta

ACCS pede atenção máxima na segurança sanitária dentro e fora das granjas

Publicado em

em

Presidente da Associação Catarinense de Criadores de Suínos (ACCS), Losivanio Luiz de Lorenzi - Foto e texto: Assessoria

A situação da peste suína clássica (PSC) no Piauí é motivo de preocupação para a indústria de suinocultura. A Organização Mundial de Saúde Animal (OMSA) registrou focos da doença em uma criação de porcos no estado, e as investigações estão em andamento para identificar ligações epidemiológicas. O Piauí não faz parte da zona livre de PSC do Brasil, o que significa que há restrições de circulação de animais e produtos entre essa zona e a zona livre da doença.

Conforme informações preliminares, 60 animais foram considerados suscetíveis à doença, com 24 casos confirmados, 14 mortes e três suínos abatidos. É importante ressaltar que a região Sul do Brasil, onde está concentrada a produção comercial de suínos, é considerada livre da doença. Portanto, não há risco para o consumo e exportações da proteína suína, apesar da ocorrência no Piauí.

 

Posicionamento da ACCS

O presidente da Associação Catarinense de Criadores de Suínos (ACCS), Losivanio Luiz de Lorenzi, expressou preocupação com a situação. Ele destacou que o Piauí já registrou vários casos de PSC, resultando no sacrifício de mais de 4.300 suínos. Com uma população de suínos próxima a dois milhões de cabeças e mais de 90 mil propriedades, a preocupação é compreensível.

Uma portaria de 2018 estabelece cuidados rigorosos para quem transporta suínos para fora do estado, incluindo a necessidade de comprovar a aptidão sanitária do caminhão e minimizar os riscos de contaminação.

Losivanio também ressaltou que a preocupação não se limita aos caminhões que transportam suínos diretamente. Muitos caminhões, especialmente os relacionados ao agronegócio, transportam produtos diversos e podem não seguir os mesmos protocolos de biossegurança. Portanto, é essencial que os produtores mantenham um controle rigoroso dentro de suas propriedades rurais para evitar problemas em Santa Catarina.

A suinocultura enfrentou três anos de crise na atividade, e preservar a condição sanitária é fundamental para o setor. “A Associação Catarinense de Criadores de Suínos pede que todos os produtores tomem as medidas necessárias para evitar a entrada de pessoas não autorizadas em suas propriedades e aquel a que forem fazer assistência em visitas técnicas, usem Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) para minimizar os riscos de contaminação. Assim, a suinocultura poderá continuar prosperando no estado, com a esperança de uma situação mais favorável no futuro”, reitera Losivanio.

Fonte: ACCS
Continue Lendo

Suínos / Peixes

Levantamento da Acsurs estima quantidade de matrizes suínas no Rio Grande do Sul 

Resultado indica um aumento de 5% em comparação com o ano de 2023.

Publicado em

em

Foto: Divulgação/Arquivo OPR

Com o objetivo de mapear melhor a produção suinícola, a Associação de Criadores de Suínos do Rio Grande do Sul (Acsurs) realizou novamente o levantamento da quantidade de matrizes suínas no estado gaúcho.

As informações de suinocultores independentes, suinocultores independentes com parceria agropecuária entre produtores, cooperativas e agroindústrias foram coletadas pela equipe da entidade, que neste ano aperfeiçoou a metodologia de pesquisa.

Através do levantamento, estima-se que no Rio Grande do Sul existam 388.923 matrizes suínas em todos os sistemas de produção. Em comparação com o ano de 2023, o rebanho teve um aumento de 5%.

O presidente da entidade, Valdecir Luis Folador, analisa cenário de forma positiva, mesmo com a instabilidade no mercado registrada ainda no ano passado. “Em 2023, tivemos suinocultores independentes e cooperativas que encerraram suas produções. Apesar disso, a produção foi absorvida por outros sistemas e ampliada em outras regiões produtoras, principalmente nos municípios de Seberi, Três Passos, Frederico Westphalen e Santa Rosa”, explica.

O levantamento, assim como outros dados do setor coletados pela entidade, está disponível aqui.

Fonte: Assessoria Acsurs
Continue Lendo

Suínos / Peixes

Preços maiores na primeira quinzena reduzem competitividade da carne suína

Impulso veio do típico aquecimento da demanda interna no período de recebimento de salários.

Publicado em

em

Foto: Divulgação/Arquivo OPR

Os preços médios da carne suína no atacado da Grande São Paulo subiram comparando-se a primeira quinzena de abril com o mês anterior

Segundo pesquisadores do Cepea, o impulso veio do típico aquecimento da demanda interna no período de recebimento de salários.

Já para as proteínas concorrentes (bovina e de frango), o movimento foi de queda em igual comparativo. Como resultado, levantamento do Cepea apontou redução na competitividade da carne suína frente às substitutas.

Ressalta-se, contudo, que, neste começo de segunda quinzena, as vendas da proteína suína vêm diminuindo, enfraquecendo os valores.

 

Fonte: Assessoria Cepea
Continue Lendo
SIAVS 2024 E

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.