Conectado com
VOZ DO COOP

Bovinos / Grãos / Máquinas

Especialistas enumeram estratégias para evitar erros na escolha dos aditivos para a dieta dos bovinos

Cada raça de ruminante e cada sistema de produção possuem exigências específicas, por isso a introdução de novos alimentos na propriedade deve ser feita de forma criteriosa, levando em conta a disponibilidade, o custo e a qualidade do alimento.

Publicado em

em

Foto: Arquivo OP Rural

Desde a produção de carne até a produção de leite, o manejo nutricional adequado na pecuária é um dos pilares centrais para garantir a eficiência produtiva e a qualidade dos produtos finais. Uma dieta equilibrada garante o desenvolvimento saudável dos bovinos e deve ser formulada com base nas necessidades específicas de cada fase da vida do animal. Nutrientes essenciais, como proteínas, carboidratos, lipídios, vitaminas e minerais, devem ser fornecidos em quantidades adequadas para garantir o crescimento adequado, a produtividade e a saúde geral do rebanho.

Doutor em Nutrição de Ruminantes, zootecnista, médico-veterinário, pesquisador e coordenador da área de produção animal no IDR-Paraná, Vanderlei Betti: “Muitos produtores não têm plena consciência do valor agregado de sua produção e do capital investido, o que pode dificultar a gestão eficaz da propriedade” – Foto: Jaqueline Galvão/OP Rural

Além de garantir que as dietas sejam balanceadas, é fundamental oferecer alimentos de alta qualidade para os bovinos, uma vez que influenciam diretamente na digestibilidade, na absorção de nutrientes e na saúde gastrointestinal dos animais. Isso inclui forragens frescas, silagem bem conservada, grãos de qualidade e suplementos nutricionais adequados. “Um animal bem nutrido não apenas apresenta um melhor desempenho produtivo, mas também possui um sistema imunológico mais robusto, reduzindo assim a incidência de doenças e problemas de saúde”, ressalta o doutor em Nutrição de Ruminantes, zootecnista, médico-veterinário, pesquisador e coordenador da área de produção animal no Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (IDR-Paraná), Vanderlei Betti, em entrevista exclusiva concedida ao Jornal O Presente Rural.

De acordo com o especialista, a formação de dietas balanceadas considera os recursos disponíveis, como pastagens e silagens, fornecidos pelo produtor, para verificar a necessidade de suplementação. “Uma análise do pasto e da silagem fornecida é essencial para determinar a quantidade necessária de nutrientes, garantindo que o animal receba as exigências nutricionais específicas para alcançar seu máximo potencial de produção, seja de leite ou carne, que é influenciado pela genética e pela adequada nutrição fornecida pelo produtor”, pontua.

No contexto da pecuária de corte, Betti frisa a importância de adequar a dieta para lotes maiores de animais, levando em consideração a homogeneidade do grupo e as diferentes exigências nutricionais de cada categoria animal. Ao garantir uma alimentação balanceada e específica para cada grupo, os produtores podem otimizar a produção do rebanho. “É importante monitorar de perto o desempenho individual dos animais. Variações dentro do rebanho podem indicar a necessidade de ajustes na alimentação e na gestão do lote, visando manter a homogeneidade e atender melhor às exigências nutricionais de cada animal”, pondera.

O profissional destaca dois erros comuns cometidos na nutrição de ruminantes. O primeiro é colocar mais nutrientes do que o necessário para atender as exigências de um determinado lote ou categoria animal, resultando em desperdício. “Além de jogar recursos fora, isso aumenta os custos sem trazer benefícios adicionais, impactando negativamente a rentabilidade da propriedade”, frisa.

E o segundo é balancear uma dieta deficiente em nutrientes, o que compromete o desempenho do animal e o retorno financeiro esperado. “Por isso que é tão importante fazer a anotação zootécnica detalhada do rebanho, considerando peso, idade, categoria do animal, entre outros dados, para garantir a formação de lotes homogêneos e maximizar a rentabilidade da atividade pecuária”, enaltece Betti.

Fotos: Shutterstock

Custos com alimento substituto

Cada raça de ruminante e cada sistema de produção possuem exigências específicas, por isso a introdução de novos alimentos na propriedade deve ser feita de forma criteriosa, levando em conta a disponibilidade, o custo e a qualidade do alimento. “Ao considerar o caroço de algodão como alimento substituto é essencial garantir sua disponibilidade em quantidade suficiente e por um período prolongado, além de avaliar se o preço é competitivo em relação a alternativas locais, como o farelo de soja”, menciona o pesquisador.

Outro fator que deve ser levado em consideração é o tempo de adaptação do rúmen do animal a novos alimentos, que, em média, pode ser de pelo menos 15 dias.  “É essencial garantir a disponibilidade do alimento por um período que permita essa adaptação. Além disso, o custo do nutriente substituto deve ser mais baixo em comparação com os alimentos padrão da região, como o farelo de soja, para garantir sua viabilidade como substituto”, considera Betti, contato que na pesquisa são usados o farelo de soja e o milho como os padrões para alimentos proteicos e energéticos. “Ao considerar um alimento substituto, é necessário avaliar se ele apresenta um custo inferior ou igual aos alimentos padrões estabelecidos, garantindo eficiência econômica e nutricional na formulação da dieta dos ruminantes”, pondera Betti.

Qualidade nutricional

O zootecnista salienta que os alimentos de melhor qualidade fornecem mais nutrientes disponíveis, o que permite uma redução na quantidade de alimento fornecido, resultando em economia para o produtor sem comprometer o desempenho planejado para os animais. “Para garantir uma resposta eficaz, é essencial conhecer os dados nutricionais de cada alimento fornecido na propriedade aos animais, seja forragem, concentrado ou ração formulada. A análise química desses alimentos é fundamental para assegurar que a formulação da dieta atenda às necessidades específicas dos animais, promovendo o desempenho esperado”, evidencia.

Quanto às raças, Betti é enfático ao afirmar que todas têm grande potencial, desde que sejam criadas, alimentadas e manejadas de forma adequada. “O sucesso na produção de carne ou leite começa desde o nascimento do animal. É fundamental manejar as vacas prenhes para garantir uma gestação saudável e um parto sem complicações, proporcionando um bom começo de vida para o bezerro ou a novilha. Além disso, é preciso nutrir adequadamente esses animais para que expressem todo o potencial genético herdado, porque erros na criação e recria podem resultar em perdas significativas de produção, especialmente na pecuária leiteira, onde o desenvolvimento do sistema produtivo ocorre nas fases iniciais da vida do animal”, esclarece.

Maximizando potencial de produção com uso de aditivos

O médico-veterinário menciona que os produtores que já dominam a produção de forragem com qualidade e quantidade adequadas ao longo do ano, os ajustes finos na dieta se tornam essenciais. Nesses casos, o uso de aditivos e suplementos de última geração, como aminoácidos limitantes, torna-se prioritário para maximizar o desempenho dos animais, que já estão próximos do seu potencial genético máximo.

Gerente de P&D Ruminantes da Trouw Nutrition, Marco Aurélio Porcionato: “Existem diversos aditivos que melhoram o desempenho zootécnico dos animais, de forma que sua ação resulte em maior ganho de peso, mais carne depositada nas carcaças, aumento da produção e de sólidos do leite” – Foto: Divulgação

Existe uma vasta gama de soluções nutricionais disponível para bovinos de corte e leite, permitindo a incorporação de diversos aditivos de acordo com a raça, sistema de produção, categoria, fase e estratégia nutricional. “Utilizamos diversos moduladores da microbiota ruminal, tais como ionóforos e leveduras, além de reguladores de pH ruminal, como tamponantes e alcalinizantes. Também empregamos adsorventes de micotoxinas, hidroxi-minerais, complexos vitamínicos e nutracêuticos, como ácidos graxos by-pass, e proteção contra chuvas, visando agregar valor ao negócio dos produtores”, destaca o zootecnista, mestre em Produção Animal, doutor em Zootecnia e pós-doutor em Nutrição e Produção Animal, Marco Aurélio Porcionato.

De acordo com ele, os aditivos podem aprimorar a eficiência alimentar do rebanho de duas maneiras distintas: através da incorporação de aditivos que atuam diretamente nos alimentos, ou seja, nas matérias-primas que compõem os produtos ou a dieta dos animais, auxiliando na digestão – um exemplo disso são as enzimas. E uma segunda maneira é de forma indireta, por meio do uso de aditivos que regulam a flora ruminal ou intestinal, promovendo a seleção dos microrganismos que aproveitam os alimentos de maneira mais abundante e eficaz.

Em relação aos aditivos conhecidos por promover a saúde intestinal dos ruminantes, Porcionato destaca que há duas categorias distintas: os probióticos, que consistem principalmente em microrganismos vivos que conferem benefícios à saúde, e os prebióticos, substâncias que servem como alimento para o crescimento e atividade dos microrganismos benéficos ao hospedeiro.

No que tange ao papel dos probióticos e prebióticos na saúde intestinal, o gerente ressalta que os probióticos favorecem a colonização e a restauração da flora intestinal, fortalecendo a barreira de defesa e equilibrando o fluxo de nutrientes através das células intestinais. Por outro lado, os prebióticos regulam o crescimento dessa flora, atuando como fonte de alimento para as bactérias benéficas que habitam esse ambiente intestinal.

 Benefícios da suplementação

Porcionato frisa que é fundamental que os animais recebam suplementação mineral e vitamínica que atendam suas exigências nutricionais complementando a dieta basal, que, em sua grande maioria, são as pastagens. “Os minerais e vitaminas participam de quase todos os processos bioquímicos no organismo, desempenhando papéis importantes na estrutura dos tecidos, modulações hormonais, no equilíbrio dos fluídos intra e extracelulares, além de serem catalisadores enzimáticos. Em resumo, contribuem para a manutenção, saúde, crescimento, produção e reprodução dos animais”, salienta.

O profissional afirma que existem aditivos específicos para melhorar a qualidade da carne e do leite, atuando como prebióticos ou probióticos, que resultam de forma direta ou indireta na qualidade da carne e leite, tais como: ionóforos, tamponantes, enzimas, complexos vitamínicos, sais e extratos naturais, que melhoram o marmoreio, os sólidos do leite, a composição e características desses produtos de origem animal. “É possível encontrar no mercado diversos aditivos que melhoram o desempenho zootécnico dos animais, de forma que sua ação resulte em maior ganho de peso, mais carne depositada nas carcaças, aumento da produção e de sólidos do leite, que impactam positivamente a remuneração dos pecuaristas”, informa.

 Como incorporar aditivos na dieta do gado

Quanto à incorporação de aditivos na dieta do gado, Porcionato explica que geralmente as doses desses aditivos são muito pequenas, na ordem de gramas, micro ou miligramas. “A recomendação é que se faça uma pré-mistura menor, ou seja, o aditivo com algum alimento de maior quantidade, antes de adicioná-los ao misturador ou vagão de alimentação com os demais alimentos que compõem a dieta”, menciona, ampliando: “Tanto na indústria quanto no campo, o objetivo dessa prática é garantir uma mistura mais homogênea, para que todos os animais possam ter a oportunidade de ingerir as proporções corretas de cada ingrediente da dieta”, explica.

O profissional enfatiza que não há risco associado ao uso de aditivos na alimentação do rebanho bovino. No entanto, ele ressalta a importância de garantir que o aditivo tenha sido testado e validado cientificamente e, principalmente, que possua registro e autorização do Ministério da Agricultura e Pecuária para comercialização no mercado. “Devemos seguir à risca as recomendações dos fabricantes para uso consciente e responsável de cada aditivo dentro de sua funcionalidade”, ressalta.

Quanto à escolha dos aditivos, esta pode variar de acordo com a idade, peso e condição de saúde do gado. Porcionato ressalta que a criação animal é dinâmica em seus diferentes sistemas de produção. “Nos rebanhos encontramos diferentes categorias, como de bezerros, novilhas, vacas e touros, em várias fases do ciclo produtivo. Isso nos leva a fazer escolhas de aditivos e doses mais adequadas para cada etapa, visando obter os melhores resultados zootécnicos. A adaptação das estratégias nutricionais conforme as necessidades específicas de cada categoria de animais contribui para maximizar o desempenho zootécnico e a saúde do rebanho como um todo”, evidencia.

Toque final da dieta

Porcionato ainda destaca que cada aditivo, em sua função específica, é considerado o ‘toque final’ de uma boa dieta formulada. No entanto, ele enfatiza que isso não substitui a necessidade de atender às exigências nutricionais preconizadas para cada categoria animal, ao longo das diferentes fases do ciclo produtivo nos rebanhos de corte ou leite. “Os aditivos devem ser vistos como complementos que aprimoram a dieta, mas é fundamental garantir que todas as necessidades nutricionais específicas de cada animal sejam atendidas de forma adequada para garantir sua saúde e desempenho zootécnico”, reforça.

Desafios comuns à atividade

Existem muitos produtores que enfrentam desafios na produção de forragem, seja pela escassez ou pela baixa qualidade. Para esses casos, o foco inicial deve ser na melhoria da quantidade e qualidade da forragem disponível. “Isso inclui produzir uma silagem de boa qualidade em quantidade suficiente para suprir as necessidades durante os períodos de escassez de pasto ou para atender ao confinamento completo dos animais”, aponta Betti.

O médico-veterinário diz ainda que é importante que o técnico responsável pela assistência técnica compreenda as necessidades específicas de cada produtor e sua posição dentro do sistema de produção. “Isso permite que os ajustes na dieta sejam feitos de forma eficaz, visando garantir a rentabilidade do negócio”, afirma Betti.

Segundo o doutor em Nutrição de Ruminantes, os produtores ainda enfrentam resistência para implementar práticas de registro sistemáticas para o acompanhamento zootécnico diário dos animais, seja devido à cultura arraigada, ao nível de escolaridade ou à escassez de mão de obra. “Produtores com menor nível de educação tendem a encontrar mais dificuldades em fazer anotações zootécnicas, o que ressalta a importância do papel do técnico para incentivá-los e, às vezes, até mesmo realizá-las em seu lugar”, pontua o pesquisador, ampliando: “Especialmente no sistema leiteiro, onde o trabalho é intenso, os produtores tendem a priorizar outras tarefas em detrimento das anotações. No entanto, para fazer a gestão adequada da propriedade é preciso ter informações precisas e atualizadas do rebanho”.

Por outro lado, Betti conta que produtores com maior nível educacional tendem a ter mais facilidade em realizar a gestão da propriedade, compreendendo a importância das anotações para a tomada de decisões.

Outro desafio apontado por Betti é fazer com que os produtores entendam que são empresários, com um capital investido em suas propriedades. “Terra e gado representam investimentos consideráveis, e a produção e criação de animais de alta qualidade envolvem custos substanciais. Muitos produtores não têm plena consciência do valor agregado de sua produção e do capital investido, o que pode dificultar a gestão eficaz da propriedade”, enfatiza.

Para ficar atualizado e por dentro de tudo que está acontecendo no setor de bovinocultura de leite e na produção de grãos acesse a versão digital de Bovinos, Grãos e Máquinas, clique aqui. Boa leitura!

Fonte: O Presente Rural

Bovinos / Grãos / Máquinas

Setor lácteo da região Sul apresenta plano de competitividade

Obetivo é que setor produtivo e a indústria atinjam um padrão máximo de eficiência e acessem o mercado externo. Reunião também empossou novos dirigentes da CT de Bovinocultura de Leite da Faep.

Publicado em

em

O setor lácteo dos três Estados da região Sul deve concentrar esforços, ao longo dos próximos anos em superar dois desafios: atingir um padrão máximo de eficiência e acessar o mercado externo de forma considerável. As diretrizes fazem parte do “Plano de Desenvolvimento da Competividade Global do Leite Sul-Brasileiro”, da Aliança Láctea Sul Brasileira (ALSB). O projeto foi apresentado por Airton Spies, consultor da ALSB, em reunião da Comissão Técnica (CT) de Bovinocultura de Leite da Faep, realizada na terça-feira (28), na sede do Sistema Faep/Senar-PR, em Curitiba (PR).

Fotos: Divulgação/Faep

“A cadeia do leite é importantíssima, por ser um alimento de máxima importância a todos os seres humanos, e por sua importância social, já que não temos um local em que não haja produção leiteira”, disse o diretor-secretário do Sistema Faep/Senar-PR, Livaldo Gemin, na abertura do evento. “Temos aqui representantes do governo, da indústria e dos produtores, dos três Estados do Sul. Temos que concentrar esforçar para superar essa condição, de ter que vencer uma crise a cada ano. Temos que nos unir, com foco na competitividade do nosso setor”, completou Ronei Volpi, então presidente da CT de Bovinocultura de Leite da Faep.

O plano apresentado é resultado de nove anos de debates e ideia surgidas ao longo de reuniões da ALSB. Alguns alertas fizeram com que os elos da cadeia produtiva se mobilizassem. O primeiro deles diz respeito à estagnação da produção. Entre 2000 e 2014, a produção de leite no Sul aumentou 104%, chegando a 25 bilhões de litros processados pela indústria. Desde então, no entanto, a produção vem andando de lado. Além disso, nos últimos anos, o setor tem enfrentado sucessivas crises. A mais recente, relacionada à importação maciça de leite de países do Mercosul. Acesse o documento na íntegra

Hoje, o Sul produz 40,7% do leite consumido no país, embora a região contenha 15% da população brasileira. Ou seja, boa parte dos lácteos produzidos por Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul já são destinados a outras regiões. O problema é que o mercado interno já está saturado. Outro problema é que a produção de outros países também é uma ameaça. Países como Uruguai e Argentina, por exemplo, conseguem que seus produtos cheguem ao Brasil a preços até 10% menores, mesmo com o custo logístico da exportação. “Nosso grande desafio é ampliar a competitividade do nosso produto e ganhar mais mercados. Se produzirmos um litro de leite a mais, esse litro terá que ir para fora. Isso é um dilema para nós. Temos a necessidade de chegar ao mercado global, porque só o mercado interno não representa o nosso potencial”, aponta o consultor da ALSB, Airton Spies.

Entre os gargalos identificados pela ALSB estão a baixa eficiência agronômica e zootécnica no campo, o baixo rendimento industrial do leite, a alta volatilidade nos preços e entraves logísticos, desde a questão energéticas até a infraestrutura rodoviária. Por isso, o plano se foca na superação desses gargalos, com foco na eficiência. Para Spies, esse cenário vai fazer com que apenas produtores e empresas eficientes permaneçam na atividade. Outro ponto decisivo é que o setor se debruce sobre os próprios números, com objetivo de otimizar processos e reduzir os custos de produção. Só a partir da excelência é que os lácteos da região Sul poderão se impor no mercado internacional e rechaçar o produto estrangeiro.

“Para sermos competitivos temos que ser eficientes para baixar custos e termos uma logística eficaz”, resumiu Spies. “Precisamos de união, continuar sentados e conversando. A cada reunião, damos um passo à frente. Ainda temos um degrau para chegar ao mercado internacional, que é a redução de 20% dos custos de produção. Precisamos resolver isso. Mas quando resolvermos, o céu será o limite”, concluiu.

Aliança Láctea Sul Brasileira

A Aliança Láctea Sul Brasileira foi criada em 2014, para se constituir num fórum público-privado para harmonizar e fomentar o desenvolvimento produtivo, industrial e comercial do setor lácteo do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. O colegiado surgiu a partir de esforços conjuntos dos três Estados, que, juntos, se consolidam como a principal bacia leiteira do país.

Novos dirigentes tomam posse
Durante a reunião, um momento solene marcou a posse dos novos dirigentes da CT de Bovinocultura de Leite da Faep. Eduardo Lucacin, médico veterinário e produtor em Mariluz, assume a presidência, e Roger van der Vinne, médico veterinário e produtor em Carambeí, a vice-presidência. Além disso, a composição do colegiado ganhou novos membros, com destaque para um aumento significativo na representação feminina. Antes, havia apenas uma mulher no grupo, agora são sete.

Ronei Volpi, Lisiane Rocha Czech, Eduardo Lucacin e Roger van der Vinne durante a posse dos novos dirigentes

“Em 27 anos de profissão, esse é o cargo que mais me honra. É uma função de grande responsabilidade, principalmente depois do Dr. Ronei, que nos deixa um exemplo de vida e dedicação pela cadeia do leite. Por outro lado, é um desafio que fiquei honrado e feliz em aceitar. Vamos trazer renovação e manter esse padrão de trabalho feito até hoje”, afirmou Lucacin.

Após 30 anos à frente da CT, Ronei Volpi deixa o cargo e passa a ser consultor do colegiado, com intuito de ajudar na transição dos novos dirigentes. Volpi é reconhecido como uma grande liderança do setor de leite no Paraná e no Brasil. Ele foi um dos idealizadores do Conselho Paritário de Produtores/Indústrias de Leite do Paraná (Conseleite-PR), primeiro colegiado do tipo no país, e teve papel fundamental na criação da Aliança Láctea Sul-Brasileira, que reúne representantes dos três Estados da região. Atualmente, Volpi é presidente da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Leite e Derivados do Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa) e da Comissão Nacional de Bovinocultura de Leite da Confederação Nacional da Agricultura (CNA).

Características da cadeia do leite
O gerente de Cadeias Produtivas do Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (IDR-Paraná), Hernani Alves, apresentou os resultados preliminares de um levantamento realizado pela instituição sobre a caracterização socioeconômica e tecnológica dos estabelecimentos leiteiros no Paraná. O trabalho foi uma demanda da Aliança Láctea.

Hoje, o Paraná é o segundo maior produtor de leite do país, com 4 bilhões de litros de leite por ano, o que equivale a 13% da produção brasileira. A pecuária de leite é a principal atividade em 32 mil propriedades rurais do Paraná – número que serviu de embasamento para a pesquisa realizada com os produtores rurais. O nível de confiança do levantamento realizado pelo IDR-Paraná é de 95%.

Segundo os dados apresentados na reunião, 80% dos estabelecimentos produzem até 500 litros de leite por dia, enquanto 20% das propriedades produzem 76% do leite do Paraná. Na avaliação de Alves, esses números ratificam o que foi dito por Spies em sua apresentação, sobre as exigências do setor que farão com que apenas produtores e empresas eficientes permaneçam na atividade.

Praticamente não há mais sazonalidade na produção de leite paranaense, da qual 49% são entregues nas cooperativas e 44% em laticínios privados. Até mil litros por dia, é uma atividade majoritariamente familiar. Além disso, 54% dos produtores de leite são membros efetivos de alguma cooperativa, enquanto 28% participam de associações de produtores.

Os produtores de leite que participaram da pesquisa também apontaram o que consideram serem os principais desafios da atividade nos próximos cinco anos. As questões mais citadas foram o alto custo de produção (75%), baixa lucratividade (70%) e falta de valorização da atividade leiteira (48%).

Entre os planos para a propriedade leiteira elencados pelos produtores, estão o aumento da produção diária (55%), melhoramento genético do rebanho (44%), aumento do rebanho (35%) e investimento em novos equipamentos e automação (20%).

Fonte: Sistema Faep/Senar-PR
Continue Lendo

Bovinos / Grãos / Máquinas Em Castro

Cooperativas vão investir mais de R$ 450 milhões em nova fábrica de leite em pó no Paraná

Investimento será feito pelo grupo Unium, que reúne as cooperativas Castrolanda, Frísia e Capal, e tem como objetivo atender ao crescimento na produção de leite no Estado. A previsão é que a unidade processe mais de 1 milhão de litros de leite para a produção de leite em pó por dia

Publicado em

em

O grupo Unium, que reúne as cooperativas Castrolanda, Frísia e Capal, vai investir mais de R$ 450 milhões em uma nova fábrica de produtos lácteos em pó, em Castro, nos Campos Gerais. O anúncio foi feito em reunião de representantes do grupo com o governador Carlos Massa Ratinho Junior nesta segunda-feira (27).

A previsão é que a unidade processe mais de 1 milhão de litros de leite para a produção de leite em pó por dia. “Este é um investimento importante que fomenta a geração de emprego, sobretudo na região de Castro, fortalece a agricultura familiar e consolida o papel do Paraná como este supermercado do mundo, processando o produto e agregando valor a ele fazendo leite em pó e outros produtos”, afirmou Ratinho Junior.

Fotos: Gabriel Rosa/AEN

O investimento atende ao aumento na produção de leite dos cooperados do grupo, que cresce entre 8% e 10% ao ano. Em 2023, o grupo Unium ultrapassou a marca de 1 bilhão de litros de leite captados ao longo de todo o ano, o que significa uma produção diária de cerca de 2,8 milhões de litros, sendo o segundo maior produtor do Brasil. “Com muito conhecimento e tecnologia, os produtores têm aumentado suas produções ano a ano. Nós, como cooperativas, precisamos estar à frente deste crescimento, nos preparando para receber esta produção, por isso estamos liderando este desafio de ampliar nossas indústrias com uma nova planta de leite em pó”, afirmou o presidente da Castrolanda, Willem Bouwman, que compõe o grupo Unium.

De todo o investimento, cerca de R$ 14,5 milhões já foram realizados pelo grupo para o projeto da planta. Outros R$ 450 milhões devem ocorrer até 2028, quando está prevista para entrar em operação.

Atualmente, o grupo Unium já conta com fábricas em Castro e Ponta Grossa, ambas com capacidades produtivas de cerca de 1,5 milhão de litros diários cada, além de uma unidade em Itapetininga, no interior de São Paulo, com capacidade de produção diária de 1,3 milhão de litros de leite.

As unidades produzem leite em pó, leite em caixa, queijos, creme de leite, leite condensado e produto concentrado proteico, entre outros.

Esta produção envolve mais de 700 produtores de leite em dezenas de municípios da região, além de gerar quase 1,2 mil empregos diretos e três mil indiretos.

Protagonismo

O Paraná é o segundo maior produtor de leite do Brasil, atrás apenas de Minas Gerais. Em 2023, foram 3,6 bilhões de litros produzidos no Estado, o que representa quase 15% de toda a produção nacional. Já

Castro é a cidade com a maior bacia leiteira do País, com mais de 400 milhões de litros de leite produzidos anualmente. “Castro é uma referência na produção de leite. Por isso é motivo de muito orgulho ver um investimento como este, fortalecendo a vocação local do município e da região”, disse o governador.

Presenças

Também estiveram presentes na reunião os secretários de Fazenda, Norberto Ortigara, e da Agricultura e do Abastecimento, Natalino de Souza; o diretor-presidente da Invest Paraná, Eduardo Bekin; o deputado estadual Moacyr Fadel; o superintendente de Operações Lácteas da Castrolanda, Edmilton Aguiar Lemos; o gerente contábil da Castrolanda, Junior Zub; o gerente da Expo Center Castrolanda, Gustavo Vigano, entre outros membros da diretoria da cooperativa.

Fonte: AEN-PR
Continue Lendo

Bovinos / Grãos / Máquinas

“Protocolo Natural” reúne desempenho e lucratividade no confinamento

Técnica consiste na utilização organizada de aditivos naturais com função específica e efeito fisiológico conhecido.

Publicado em

em

Foto: Divulgação/Salus

Produzir de forma sustentável é a grande demanda da atualidade. Nesse contexto, a produção de carne bovina está atravessando um momento de grandes mudanças. Além dos desafios com os quais o setor já está acostumado a lidar, como o ciclo pecuário, desafios de remuneração da atividade e eventos climáticos, por exemplo, adicionam-se às pressões a redução do impacto ambiental e a produção sem o uso de antibióticos.

Para alcançar patamares cada vez mais altos de exigências de desempenho, bem como conciliá-los ao bem-estar sanitário dos animais que são desafiados a dietas altamente energéticas, uma série de aditivos e estratégias nutricionais vêm sendo usadas. Que o boi não é só rúmen, a gente já sabe, mas fica nítido cada vez mais a importância de analisarmos o intestino destes incríveis seres vivos que são máquinas de transformar coprodutos em carne (graças ao rúmen). Afinal, esse boi tem exigências e necessidades intestinais que precisam ser atendidas para se alcançar os incríveis parâmetros de eficiência biológica que almejamos.

Fotos: Shutterstock

A pesquisa acadêmica associada ao trabalho dos técnicos de campo, que retroalimentam o sistema de informações, vem cada vez sendo mais importante para avaliarmos os resultados do que chamamos de “Protocolo Natural”.

O “Protocolo Natural” consiste na utilização organizada de aditivos naturais com função específica e efeito fisiológico conhecido. A utilização sinérgica destes produtos na concentração e momento certo proporciona um incremento de desempenho espetacular, provando que mesmo quando confrontado com os tradicionais protocolos de ionóforos e antibióticos, o uso arquitetado das tecnologias não antibióticas pode ser mais eficiente zootecnicamente e financeiramente.

O “Protocolo Natural” aqui apresentado, na grande maioria dos casos é composto por três ferramentas tecnológicas:

1.       Fitogênicos (carvacrol e capsaicina) que atuam orientando e estimulando a microbiota ruminal. Através da redução das bactérias gram-positivas, culminando no controle da cinética de produção de ácidos graxos voláteis, limitando os distúrbios digestivos e garantindo o aumento da energia disponível.

2.       Enzimas fibrolíticas para ruminantes desenvolvidas para aumentar a digestibilidade de alimentos. As enzimas fibrolíticas (B-glucanase, xilanase e celulase) atuam na hidrólise dos carboidratos estruturais presentes nas forragens. Após a hidrólise, polissacarídeos solúveis são liberados, aumentando assim, a digestibilidade e o aproveitamento de todo o substrato da dieta.

3.       Taninos hidrolisáveis: polifenóis com alta bioatividade no aparelho digestório tendo tanto um efeito local quanto fisiológico. Observa-se uma série de benefícios como melhoria da sanidade intestinal, maior passagem de proteínas não degradas do rúmen para o intestino, prevenção de distúrbios diarreicos, efeito antioxidante.

Adaptação

Este conjunto de tecnologias normalmente é utilizado associando-se os óleos essenciais e as enzimas nas dietas de adaptação, tanto de confinamentos quanto na transição para sistemas mais intensivos, o que promove uma rápida adaptação no coxo e da microbiota neste período.

Com os animais já adaptados, resta a manutenção dos bons resultados e o equilíbrio do trato gastrointestinal, portanto escolhem-se entre as ferramentas disponíveis, aquelas que continuarão a ter efeito sinérgico de acordo com o ambiente, como o tanino e os demais fitogênicos. As enzimas podem ser utilizadas continuamente no confinamento, sendo que temos observados efeitos muito marcantes na fase de adaptação dos animais.

Uma fase de adaptação eficiente, aliada ao bom desempenho nas fases finais, resulta em animais com maior ganho de peso, melhor eficiência biológica e conversão em carcaça produzida, possibilitando a retirada total do ionóforo regularmente utilizado. Esses resultados foram observados e comprovados em um dos grandes utilizadores do “Protocolo Natural”, o grupo MFG.

A Marfrig, uma das maiores empresas de proteína bovina do mundo, vem buscando soluções alternativas aos antibióticos e ionóforos, uma vez que seu maior comprometimento é ser um efetivo agente de transformação da cadeia produtiva. Essas diretrizes se expandem para seus fornecedores, que é o caso da MFG, confinamento responsável por uma parcela significativa de todo o gado que a Marfrig recebe.

Sinergia

Segundo o zootecnista, Heitor Brandt, “enquanto temos os óleos essenciais controlando e selecionando a população microbiana ideal e desejável, visando manutenção de um ambiente ruminal ótimo, as enzimas trabalham disponibilizando os nutrientes e melhorando a digestibilidade da dieta. Essa relação conjunta dos aditivos, aliados obviamente a um bom manejo, promove desempenhos superiores aos obtidos com dietas tradicionais”. O resultado? Animais com ótimo desempenho zootécnico, maior ganho de carcaça e uma melhor eficiência biológica.

A sinergia entre esses produtos promoveu melhores desempenhos, principalmente na adaptação. O benchmarking da MFG Agropecuária mostrou que o “Protocolo Natural” obteve os melhores resultados dentro das 8 plantas de confinamento que a MFG possui espalhadas pelo Brasil.

A velha máxima persiste de que “não existe receita de bolo”. Para cada sistema é necessário uma ferramenta diferente, mas o que é definitivo é que o “Protocolo Natural” e os aditivos não antibióticos vieram para ficar. Ainda com a certeza de que a pesquisa e a melhoria das tecnologias são contínuas, o fato é que já temos hoje uma alternativa segura, eficaz, sustentável e economicamente eficiente.

Para ficar atualizado e por dentro de tudo que está acontecendo no setor de bovinocultura de leite e na produção de grãos acesse a versão digital de Bovinos, Grãos e Máquinas, clique aqui. Boa leitura!

Fonte: Por Fabrizio Oristanio, zootecnista especializado em Produção de Ruminantes e Nutrição Animal e gerente de Especialidades da MixScience no Brasil. 
Continue Lendo
SIAVS 2024 E

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.