Conectado com
O Presente Rural Youtube

Suínos / Peixes

Escassez de grãos específicos barra mercado de carne suína orgânica

Sem milho e soja orgânicos para a dieta, não há como fazer a produção natural. Brasil produz só 40 mil toneladas de milho nesse sistema por ano

Publicado em

em

A produção orgânica de alimentos no Brasil foi regulamentada em 2011, mas esse setor vem crescendo desde o fim dos anos 1990. Hoje é possível encontrar não somente frutas e verduras produzidos da forma mais natural possível, mas também carnes, ovos e leite, entre tantos outros itens. No entanto, a produção de carne suína nesse sistema, com animais fora de galpões, sem rações que contenham grãos transgênicos e sem o uso de qualquer medicamento, ainda é um desafio no país. O maior problema é a falta de grãos orgânicos usados na alimentação animal.

Ao menos para uma das mais especializadas empresas de produção de alimentosa orgânicos do Brasil, a Korin. Pioneira na produção de ovos e frangos livres de antibióticos, é também a primeira empresa brasileira a receber o selo de certificação de bem-estar animal (Certified humane). Por conta de notória capacidade de atuar nesse segmento, o case da empresa foi parar no Congresso Abraves (Associação dos Médicos Veterinários Especialistas em Suínos) Paraná, que aconteceu em Toledo, em meados de março.

O encarregado de falar sobre a “produção e mercado de suínos com atributos de qualidade diferenciada: criação de cadeias de valor” foi Luiz Carlos Demattê Filho, doutor em Ecologia Aplicada, com 20 anos em experiência em alimentos orgânicos. Ele explica que a empresa, além de produzir alimentos livres de agroquímicos, está embasada na teoria de Mokiti Okada, que integra em sua produção valores ecológicos e sociais. Ele cita os bons exemplos já alcançados em aves e bovinos e que alcança um nicho de mercado em franca expansão.

“O encadeamento produtivo tem aspectos negativos, como a depedência de fármacos, uso de hormônios em suínos, ocorrência de epizódios zoonóticos, a logística produtivista gera dúvida quanto à qualidade dos proudutos, impactos na saúde pública, impacto nos parâmetros de bem estar animal. Exatamente por isso existem os sistemas ligados à produção ecológica. Especialmente pela saúde a gente ganha consumidores. As questões ambientais também são importantes, mas as pessoas migram para esses alimentos mais por conta dos ciodados com a saúde”.

Ele citou estudos que indicam a relação do Glifosato usado nas lavouras a doenças neurológicas, como autismo e Alzhaimer. “Essas doenças têm relação íntima com o Glifosato”, sustenta. Ele entende que o “o uso de antibióticos pode fazer com que doenças hoje consideradas menores podem voltar a se tornar mortais. A estrutura genômica vem mudando. De todos os problemas, a perda da biodiversidade é o pior. Isso gera perda da microbiodiversidade humana, além das consequências ambientais”, alerta.

Exemplos

A empresa cria bovinos do pantanal sul-matrogrossense e vende sob esta marca, identificando no produto de onde ela veio e como foi produzida. Até redução de impostos a empresa consegue por agregar a região à marca. “o Programa de Avanços na Pecuária de Mato Grosso do Sul (Proape) dá incentivos. Bovinos originados no Pantanal têm 50% de desconto nos impostos”, cita.

Assim, fazem com as tilápias na barranca do Rio Paraná, entre Mato Grosso do Sul e São Paulo, com o arroz, mel, café, camarão. “A gente dá ênfase ns territórios, na cultura, nas pessoas, etc.Tudo orgânico e intimamente ligado à egião onde é produzido”, cita. As aves, criadas sem uso de antibióticos e sem gaiolas, têm alimentação 100% vegetal, sem farinha animal. O mercado é farto para esse produto, aponta Demattê Filho.

No entanto, a empresa ainda não consegue colocar no mercado a carne suína com esses atributos. “Fizemos experiências, porém não conseguimos com suínos, seja orgânico, seja com protocolos diferenciados. Um dos problemas, em sua opinião, é a falta de grãos orgânicos para produção de ração. “O gargalo para a produção de suínos é que temos pouco milho e pouca soja orgânicos”, cita. De acordo com o doutor, o Brasil produz hoje apenas 40 mil toneladas de milho orgânico e que a dificuldade está em controlar as plantas invasoras. “O maior problema de grãos orgânicos não é sanitário, são as plantas invasoras, que reduzem a produção”, aponta.

Mais informações você encontra na edição de Suínos e Peixes de maio/junho de 2018 ou online.

Fonte: O Presente Rural

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

9 + 5 =

Suínos / Peixes Segundo ABPA

Mercados Asiáticos e EUA fortalecem embarques de carne suína em 2020

Vendas para o mercado asiático foram principal destaque, representando 80% do total das exportações da suinocultura brasileira

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

No ano em que as exportações brasileiras de carne suína registraram recorde histórico – com 1,02 milhão de toneladas (+36%), número já divulgado pela Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) – as vendas para o mercado asiático foram o principal destaque, representando 80% do total das exportações da suinocultura brasileira.

Ao todo, a Ásia importou 800,2 mil toneladas em 2020, volume que superou em 66,9% o desempenho registrado ao longo de 2019. A China, líder entre os países importadores (com 50,7% de participação das exportações totais do Brasil) foi destino de 513,5 mil toneladas, volume 106% superior ao exportado em 2019. Vietnã, com 40,3 mil toneladas (+198%), Cingapura, com 52,1 mil toneladas (+50%) e Japão, com 11,5 mil toneladas (+91%) também apresentaram alta nas vendas no ano passado.

Os países da África também se destacaram entre os destinos, com 60,9 mil toneladas (+5,3%). O mercado angolano é o maior destino da região, com 28,4 mil toneladas (+5,6%).

Para os destinos das Américas foram exportadas 128,1 mil toneladas (-5,9%). Os Estados Unidos importaram, no período, 7,9 mil toneladas (+30,4%).

“Os impactos da Peste Suína Africana na Ásia, que determinaram o ritmo das vendas de 2020, devem continuar a influenciar as vendas dos exportadores brasileiros no mercado internacional em 2021”, avalia o diretor de mercados da ABPA, Luís Rua.

Conforme os levantamentos da ABPA, foram habilitadas 15 novas plantas exportadoras de carne suína, para destinos como Chile, Filipinas, Singapura, Vietnã e África do Sul.

Fonte: Assessoria ABPA
Continue Lendo

Suínos / Peixes Segundo Cepea

Setor suinícola pode registrar mais um ano favorável

Para 2021, a expectativa é de que, mesmo com o custo de produção elevado, o balanço positivo se repita

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Apesar das dificuldades provocadas pela pandemia de covid-19, a suinocultura brasileira encerrou o ano de 2020 com preços, abate e embarques recordes. Para 2021, a expectativa é de que, mesmo com o custo de produção elevado, o balanço positivo se repita.

De acordo com pesquisadores do Cepea, a demanda externa por carne suína deve continuar firme, sustentada pelas compras chinesas, ao passo que a procura interna deve ser favorecida pela possível retomada econômica.

Os custos de produção, contudo, devem continuar sendo um grande gargalo ao setor em 2021. Isso porque os valores dos dois principais componentes da ração, o milho e o farelo de soja, devem se manter altos neste ano, tendo em vista as aquecidas demandas interna e externa por esses grãos.

Esse cenário tende a pressionar, por mais um ano, o poder de compra dos suinocultores.

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Suínos / Peixes Segundo ABPA

Exportações de carne suína confirmam recorde em 2020

Vendas internacionais de carne suína totalizaram 1,021 milhão de toneladas

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O resultado consolidado das exportações brasileiras de carne suína e de carne de frango confirmam as previsões feitas pela Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) para 2020.

As vendas internacionais de carne suína (incluindo todos os produtos, entre in natura e processados) totalizaram 1,021 milhão de toneladas nos 12 meses, número 36,1% superior ao registrado em 2019, quando foram exportadas 750,3 mil toneladas.

A receita cambial das vendas chegou a US$ 2,270 bilhões, resultado 42,2% maior que o alcançado em 2019, com US$ 1,597 bilhão.

Em carne de frango, as vendas de 2020 alcançaram 4,230 milhões de toneladas, superando em 0,4% o total embarcado em 2019, com 4,214 milhões de toneladas.

A receita das exportações do ano chegou a US$ 6,123 bilhões, desempenho 12,5% menor em relação aos 12 meses de 2019, com 6,994 bilhões.

“Seja pelo recorde de exportações de suínos, superando 1 milhão de toneladas pela primeira vez na história, como pela alta nos embarques de aves, as projeções setoriais estabelecidas pela ABPA e confirmadas nas vendas finais reforçam o bom momento para o Brasil no mercado internacional, a despeito de um ano desafiador em todos os sentidos. A perspectiva é que o ritmo positivo se mantenha em 2021, com a esperada retomada econômica internacional”, avalia Ricardo Santin, presidente da ABPA.

Embarques de dezembro

As exportações de carne suína totalizaram 80,3 mil toneladas em dezembro, volume 5,6% maior em relação às 76 mil toneladas embarcadas no mesmo período de 2019.

Em receita, a alta é de 4,1%, com US$ 191,2 milhões no último mês de 2020, contra US$ 183,6 milhões em dezembro de 2019.

No mesmo período comparativo, as vendas de carne de frango chegaram a 380,8 mil toneladas, volume 2,8% menor em relação ao mesmo período de 2019, com 391,9 mil toneladas. A receita das exportações de dezembro chegou a US$ 579,6 milhões, número 8,9% menor em relação ao saldo do último mês de 2019, com US$ 636,1 milhões.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.