Conectado com
O Presente Rural Youtube

Notícias

Embrapa desenvolve metodologia inovadora para avaliar fatores de sucesso na piscicultura

Pelo método, será possível explicar quais as razões externas que afetam a produção

Publicado em

em

A Embrapa Pesca e Aquicultura (Palmas, TO) desenvolveu uma metodologia inovadora para identificar quais são os fatores determinantes para o sucesso ou não da piscicultura. Pelo método, será possível explicar quais as razões externas que afetam a produção. Com isso, será possível visualizar com clareza as demandas por políticas públicas e as melhores oportunidades para o piscicultor. O trabalho foi apresentado no maior evento do setor, o Congresso da Sociedade Mundial de Aquicultura – Aqua 2018, que ocorreu de 25 a 29 de agosto na França.

Atualmente, a chamada análise de cadeia de valor para a aquicultura é muito subjetiva. Na maioria dos casos esses estudos servem para comparar polos produtores de diferentes países. “São estudos interessantes, mas que não possuem o detalhamento em nível local. A gente está propondo uma metodologia para saber como funcionam as cadeias de valor localmente, analisando os polos de produção de maneira específica e detalhada”, explica o pesquisador Manoel Pedroza, da Embrapa Pesca e Aquicultura. A ideia é entender o que determina para um produtor ter desempenho melhor ou pior. “Por exemplo, até que ponto a infraestrutura do estado, a oferta de energia, a educação da população têm impacto na rentabilidade do produtor? Até agora isso é uma incógnita para a gente”, afirma. 

Cada polo receberá uma nota, composta por 49 indicadores, e cada indicador terá um peso diferente. Total da produção; taxa de processamento de pescado (quanto é processado e quanto é vendido diretamente); produtividade da mão de obra; infraestrutura; distância para o mercado; emprego de tecnologia; políticas públicas locais; engajamento dos produtores nas políticas locais são apenas alguns dos indicadores que serão avaliados. “É uma análise bem transversal, muito além da produtividade e faturamento. É saber o que tem fora da propriedade que impacta”, esclarece Pedroza, complementando que cada produtor será avaliado individualmente e depois será gerado um índice para cada polo. 

O levantamento vai começar com uma fase de mobilização entre os produtores para que eles respondam o questionário. Inicialmente, serão estudados três polos produtores de tilápia: o de Paulo Afonso, localizado na divisa entre Bahia e Pernambuco; o de Ilha Solteira, no Noroeste de São Paulo e do Oeste do Paraná. Os três são semelhantes na produção, aproximadamente 50 mil toneladas, mas cada um possui características bem distintas, tais como custo de produção, no preço final do produto e margem de lucro para o produtor. 

No Paraná, por exemplo, o custo de produção é o mais baixo, cerca de R$ 3 o quilo da tilápia. É também onde o consumidor final paga mais barato pelo filé. A Bahia, em contrapartida, apresenta o maior custo de produção, no entanto a margem de lucro também é maior, embora nesse caso os produtores vivam em insegurança jurídica e já sofram prejuízos financeiros por conta disso. “Os produtores de Paulo Afonso vendiam para o Ceará, até o dia em que o governo resolveu executar a lei e só permitir a entrada de peixe com selo de inspeção federal – algo que só é possível quando ele é processado. Como o peixe de Paulo Afonso é vendido in natura, os produtores deixaram de exportar para o Ceará”, explica Pedroza.

Segundo o pesquisador, a margem de lucro maior da Bahia ocorre porque o peixe não é vendido para a indústria, nem para o supermercado, que pagam menos pelo quilo do peixe. Ele é vendido inteiro em feiras livres e o atacadista só tem gasto com o transporte e o gelo, sem oferecer o produto em perfeitas condições de conservação e higiene para o consumidor. “Num quadro desses, como é que eu vou dizer que um polo é melhor do que o outro? É pelo volume de produção? Pelo número de indústrias? Pela margem de lucro? Foi daí que surgiu a ideia de criar um índice, com vários indicadores, para que por meio da econometria consigamos estabelecer um peso para cada indicador”, explica Pedroza. 

Caso a receptividade à pesquisa seja satisfatória, Manoel Pedroza pretende expandir o levantamento para outros polos produtivos de tilápia. O estudo faz parte do BRS Aqua, o maior projeto de pesquisa em aquicultura já desenvolvido no país. A iniciativa envolve 22 centros de pesquisa, 50 parceiros públicos e 11 empresas privadas – números que ainda devem aumentar ao longo de sua duração. Os investimentos chegam a R$ 57 milhões para quatro anos de trabalho. A maior parte – R$ 45 milhões – será aportada pelo BNDES Funtec – linha de crédito não reembolsável destinada a projetos de pesquisa aplicada, desenvolvimento tecnológico e inovação.

Fonte: Embrapa Pesca e Aquicultura

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

19 − seis =

Notícias Segundo CNA

Exportações do agro alcançam US$ 100,8 bilhões em 2020

Soja em grãos foi o principal produto da pauta exportadora do agronegócio brasileiro em 2020, com participação de 28,3% e receita de US$ 28,6 bilhões

Publicado em

em

Divulgação/AENPr

As exportações do agro em 2020 alcançaram US$ 100,8 bilhões, segundo maior valor em 10 anos e crescimento de 4,1% em relação a 2019, o que garantiu balança comercial positiva para o Brasil, com saldo recorde de US$ 87,8 bilhões. Os dados foram compilados pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) com base nas informações do Ministério da Economia.

De acordo com o documento, soja em grãos foi o principal produto da pauta exportadora do agronegócio brasileiro em 2020, com participação de 28,3% e receita de US$ 28,6 bilhões (9,6% a mais que em 2019).

Em seguida, completam a lista dos cinco produtos mais vendidos: carne bovina in natura (US$ 7,4 bilhões), açúcar de cana em bruto (US$ 7,4 bilhões), celulose (US$ 6 bilhões) e farelo de soja (US$ 5,9 bilhões).

Segundo o boletim da CNA, a China foi o principal destino dos produtos do agro brasileiro, respondendo por 33,7% do total das vendas externas no ano passado. Os itens mais embarcados para o país asiático foram soja em grãos, carne bovina in natura e celulose.

A União Europeia foi o segundo principal mercado, com participação de 16,2% dos embarques. Destaque para farelo de soja, soja em grãos e café verde. Os Estados Unidos tiveram a terceira colocação, com parcela de 6,9%. Celulose, café verde e álcool etílico foram os produtos mais embarcados para o território norte-americano.

Fonte: Assessoria CNA
Continue Lendo

Notícias Santa Catarina

Leite: consumo despenca, preço cai e produtor já está no prejuízo

Falta de pastagem e alto custo da ração (milho, soja e insumos) prejudicam produtores de leite em SC

Publicado em

em

Divulgação

O consumidor está feliz porque o preço do leite no supermercado baixou, mas o que parece uma boa notícia esconde, na verdade, uma série de distorções da cadeia produtiva de lácteos. Quem adverte é a Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (FAESC).

O preço do leite UHT (longa vida) no varejo situa-se entre R$ 2,50 e R$ 3,00, resultado de um movimento dos laticínios que estão super estocados e, por isso, vendendo aos supermercados com bons descontos.

O preço final ao consumidor está, hoje, em baixa porque o consumo nacional caiu muito. Motivo: a queda do nível de renda das famílias decorrente da crise econômica (e do consequente desemprego) e do fim do pagamento do auxílio emergencial

É notório que os produtores de leite e as indústrias de processamento estão amargando prejuízos. O vice-presidente da FAESC Enori Barbieri alerta que a situação dos criadores de gado leiteiro está entrando em um nível insustentável e eles não suportarão uma redução (de parte da indústria) do preço pago pela matéria-prima (leite).

Vários fatores associados encareceram muito os custos de produção de leite em território catarinense. A seca e as exportações excessivas reduziram a oferta interna de grãos que compõem a nutrição animal. O milho aumentou mais de 50% e custa agora R$ 85,00 a saca de 60 kg. O farelo de soja está cotado em R$ 3.000,00 a tonelada.

Não há milho em estoque, nem silagem seca e nem pastagens formadas, por isso os criadores terão que comprar milho e ração no mercado para alimentar seus planteis, cujos preços estão proibitivos.

Barbieri mostra que a falta de pastagem e o alto custo da ração (milho, soja e outros insumos) prejudicam fortemente os produtores de leite. A queda na produção foi brutal – cerca de 40%  – a ponto de derrubar Santa Catarina da quarta para a quinta posição no ranking nacional. O volume de 8 milhões de litros de leite diariamente produzido despencou para 5 milhões de litros.

Santa Catarina produz mais de três bilhões de litros de leite por ano, tem mais de 70 mil famílias envolvidas na atividade e 130 empresas (laticínios) que beneficiam o produto. O diretor da FAESC observa que “há um grande desânimo no setor porque os produtores rurais investiram fortemente em novas instalações, novos equipamentos, genética, treinamento e esperavam ganhos melhores ao longo desse ano.”

A Federação estuda um conjunto de medidas de apoio para apresentar ao Governo Federal através da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). Se a pecuária leiteira não recuperar em breve sua viabilidade, os produtores podem abandonar a atividade e criar, no futuro, um cenário de escassez e, aí então, de alta nos preços.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Mercado

Comércio do Brasil com Liga Árabe tem superávit de US$ 6 bi

Com pauta dominada por produtos do agronegócio, exportação brasileira ao bloco atingiu US$ 11,4 bilhões em 2020, queda de 6,3%, mas menor do que com outros parceiros do Brasil no exterior

Publicado em

em

Ivan Bueno/APPA

O comércio entre o Brasil e a Liga Árabe gerou US$ 6,1 bilhões de superávit para o lado brasileiro em 2020. O superávit é a diferença entre as exportações e importações. O resultado corresponde a 12,2% do superávit total recorde de US$ 50 bilhões alcançado pelo Brasil ao longo do ano. Representa ainda alta de 16,2% sobre o saldo positivo da balança Brasil-Liga Árabe de 2019, segundo dados da Câmara de Comércio Árabe Brasileira.

A entidade diz ainda que as exportações do Brasil para o bloco de 22 países no Oriente Médio e no Norte da África geraram receita de US$ 11,4 bilhões, 6,3% abaixo da de 2019. A queda, no entanto, é menor que a registrada em outras parcerias comerciais relevantes, como os Estados Unidos (-23,7%) e o Mercosul (-17,7%).

O desempenho das exportações mantém a Liga Árabe entre as três maiores parcerias comerciais do Brasil no exterior, atrás da China e dos Estados Unidos. Também confirma a região como o segundo destino das exportações do agronegócio, cujos produtos são novamente o destaque na pauta de exportações.

O açúcar brasileiro foi o produto mais demandado (receita de US$ 2,8 bilhões, alta de 32,5% sobre 2019), seguido pela carne de frango (US$ 1,9 bilhão, -11,7%), minério de ferro (US$ 1,4 bilhão, -22,3%), milho (US$ 1,1 bilhão, +3,1%) e carne bovina (US$ 968 milhões, -18,2%), destinados principalmente aos Emirados Árabes (comprou US$ 2 bilhões em 2020, redução de 8,7% sobre 2019), Arábia Saudita (US$ 1,8 bilhão, -6,7%) e Egito (US$ 1,7 bilhão, -4,0%).

Para o presidente da Câmara Árabe, Rubens Hannun, o avanço no superávit junto aos árabes e o desempenho relevante das vendas a esses países em 2020 reforçam a importância estratégica da Liga Árabe para o setor produtivo brasileiro. Hannun destaca que, apesar da queda de 6,3% na receita total, a demanda no bloco seguiu firme ao longo do ano.

O executivo afirma que a queda deve ser analisada num contexto em que a demanda global por alimentos, principalmente o brasileiro, foi exacerbada pela pandemia. Esse cenário de competição fez, inclusive, com que os árabes pagassem pelos produtos brasileiros o frete “livre a bordo” (FOB) com valor médio por tonelada ligeiramente maior em relação a 2019.

“Os países dependentes do alimento produzido fora dos seus territórios, caso dos árabes, tiveram de agir ativamente para manter seus estoques em 2020, enfrentando uma competição feroz com a China, a indisponibilidade de contêineres para o transporte de carnes, a interrupção de algumas cadeias de alimentos mundo afora, além de outras contingências”, pontua o dirigente.

No empenho de assegurar o acesso a alimentos, os árabes buscaram ativamente gêneros alimentícios pelo globo. Hannun destaca que, mesmo nesse cenário de forte competição, não houve ao longo do ano relatos de quebra de contrato por fornecedores brasileiros. A pandemia, no entanto, provocou uma reconfiguração significativa no comércio com a região, abrindo novos mercados e modificando a demanda em outros.

A Argélia, por exemplo, comprou US$ 1,1 bilhão em 2020, alta de 16,2% sobre 2019. O país do Norte da África historicamente possui uma relação comercial superavitária com o Brasil, que em 2020 se inverteu em favor do lado brasileiro. O Marrocos, que costuma figurar entre os dez maiores mercados, em 2020, comprou 43% mais em relação a 2019 (US$ 671,2 milhões) e agora está na sétima posição.

Já na pauta, o açúcar voltou a figurar como o produto mais demandado pelos parceiros árabes, desbancando o frango. Sozinha, a commodity foi responsável por 25% do total de receitas, US$ 2,8 bilhões, alta de 32,5% sobre 2019, indicativo que o setor sucroenergético, mais mecanizado que seus concorrentes na Índia e na Tailândia, conseguiu manter um fluxo comercial estável e acabou por tomar uma fatia maior do mercado árabe.

Houve ainda maior demanda por soja (US$ 323 milhões, +68,7%) e milho (US$ 1,1 bilhão, +3,1%), puxada pelos mercados do Golfo Arábico. A Câmara Árabe notou ainda que o fechamento do food service na maioria dos países árabes decorrentes do lockdown local levaram à adaptação de produtos porcionados vendidos a restaurantes para a comercialização em supermercados e para a entrega em domicílio, além da maior procura por frutas em todos os grandes mercados da região. Para Hannun, na perspectiva dos árabes, a pandemia exacerbou a necessidade de estreitar a cooperação com o Brasil na área de segurança alimentar.

Fonte: ANBA
Continue Lendo
Euro 2021

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.