Conectado com
VOZ DO COOP

Notícias

Em encontro da APCBRH, Darci Piana defende busca por investimentos nos subprodutos do leite

Paraná é o segundo maior produtor de leite do Brasil, com 4,5 bilhões de litros por ano. Para o vice-governador, é essencial que, de toda essa produção, parte continue sendo aproveitada no desenvolvimento de subprodutos. Ele participou de encontro de produtores em Maringá.

Publicado em

em

O governador em exercício Darci Piana destacou o potencial da produção leiteira paranaense para expandir mercado por meio da venda de subprodutos. Ele participou, na sexta-feira (12), de um evento em comemoração aos 70 anos da Associação Paranaense de Criadores de Bovinos da Raça Holandesa (APCBRH), realizado na Expoingá.

O Paraná é o segundo maior produtor de leite do Brasil, com 4,5 bilhões de litros anualmente e tem algumas das regiões mais expressivas na produção brasileira, como é o caso do Oeste, Sudoeste e Campos Gerais. Os principais municípios em rendimento são, respectivamente, Castro, Carambeí, Arapoti, Francisco Beltrão e Palmeira. O volume gera um Valor Bruto da Produção (VBP) de R$ 9,1 bilhões, segundo o Departamento de Economia Rural (Deral).

Darci Piana defende aproveitamento de subprodutos do lei para expansão do mercado – Fotos: Camila Tonett/Vice-Governadoria

Para Piana, é essencial que, de toda essa produção, parte continue sendo aproveitada no desenvolvimento de subprodutos provenientes da cadeia, em busca de novos mercados. “Precisamos aproveitar esse volume expressivo e gerar mais valor agregado, como na produção de queijo e outros subprodutos. Temos uma grande fábrica de manteiga, duas indústrias de queijo, além de uma terceira que será instalada ainda este ano, um negócio que está atraindo cada vez mais interessados”, declarou Piana.

“Cerca de 90% do soro que advém do leite é jogado fora no Paraná. Eu fui pessoalmente à República Tcheca visitar empresas que retiram nove subprodutos do soro do queijo. Queremos fazer com que essas empresas venham investir no Paraná”, acrescentou.

Segundo ele, isso faria com que o setor potencializasse os ganhos financeiros. “Os subprodutos acabam gerando mais emprego e renda. E é função do Estado aproximar aqueles que produzem daqueles que têm tecnologia, fazendo com que todos ganhem”, disse.

Apoio de Estado

Para potencializar a produção leiteira paranaense, o Estado também oferece apoio ao setor por meio de entidades como a Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar), programas estaduais, incentivos fiscais para a industrialização do leite, entre outros.

Secretário estadual de Agricultura e Abastecimento, Norberto Ortigara: “Nós estamos qualificando o leite paranaense mirando o mercado internacional”

De acordo com o secretário estadual de Agricultura e Abastecimento, Norberto Ortigara, o incentivo serve para expandir cada vez mais a produtividade dos derivados do leite. “Nós estamos qualificando o leite paranaense mirando o mercado internacional. O Governo tem procurado atrair cada vez mais investimentos nesse setor visando exportar derivados de leite. É assim com o soro de leite que gera nove subprodutos de alto valor”, disse. “O IDR-PR tem um trabalho diário dando suporte a milhares de agricultores para melhorar o desempenho desse setor que é tão importante”, complementou.

O Governo do Estado também contribui indiretamente para a produção leiteira com uma série de programas, como o Trator Solidário, que possibilita o financiamento com preços mais acessíveis de tratores, pulverizadores e colhedoras para pequenos produtores, e o Leite das Crianças, com objetivo de auxiliar na redução da deficiência nutricional infantil, com a distribuição de leite pasteurizado enriquecido com vitaminas A e D, zinco e ferro.

“O leite é o quarto produto que mais gera valor no meio rural paranaense. São quase 100 mil famílias dedicadas a produzir leite com cada vez mais qualidade, investindo em genética, sistema de alimentação e sanidade, que é o tripé que sustenta uma boa produção leiteira. Estamos crescendo cada vez mais e nos qualificando”, reforçou Ortigara.

Rebanhos leiteiros

Anfitriã do evento, a APCBRH é uma entidade sem fins lucrativos que, desde sua fundação em 27 de março de 1953, que tem como objetivo promover o melhoramento genético e a qualidade dos rebanhos leiteiros, valorizando os criadores, monitorando e disponibilizando informações e indicadores da qualidade do leite em benefício dos produtores, indústrias e consumidores.

O presidente da associação, João Guilherme Brenner, ressaltou a parceria com entidades governamentais, cooperativas e iniciativa privada, na busca por resultados cada vez melhores no setor. “O Estado sempre nos apoiou e nós sempre conseguimos trabalhar e dar frutos para o Paraná, gerando empregos, criando indústrias. A associação, as cooperativas do Paraná, a indústria e o governo são fundamentais no desenvolvimento da cadeia do leite no Paraná”, disse.

A entidade coordena o Programa de Análise de Rebanhos Leiteiros (Parleite), iniciativa que auxilia produtores na avaliação dos animais com indicadores de produção, qualidade do leite, reprodução e nutrição.

Prêmios

Durante o jantar, foi realizada uma cerimônia de premiação para os criadores que se destacaram em 2022 com animais e rebanhos em produção, qualidade, genética e saúde. Na ocasião, o criador de raça holandesa destaque em 2022 foi Edilson Yasuhiro Komagome, de Floresta, na região Noroeste. Já o  produtor João Luiz Borgio, de Nova Cantu, na região Centro-Oeste, recebeu um prêmio por ter a maior produção vitalícia de leite, com 119.030,49 quilos, além de 3.989,16 quilos de gordura e 3.647,77 quilos de proteína.

Presenças

Participaram da cerimônia o presidente do BRDE, Wilson Bley Lipski; os diretores-presidentes da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar), Otamir Cesar Martins, e do Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (IDR-PR), Natalino de Souza; o diretor da APCBRH, Armando Rabbers; o reitor da Universidade Estadual de Maringá, Leandro Vanalli; a vice-reitora, Gisele Mendes de Carvalho; o procurador Jurídico da universidade, Geovanio Rossato; além dos presidentes do Sindicato Rural de Maringá, José Antônio Borghi, e da Sociedade Rural de Maringá, Maria Iraclézia de Araújo.

Fonte: AEN-PR

Notícias

Malásia habilita quatro novas plantas de carne de frango

Mercado com critérios halal passa a contar com 07 plantas brasileiras

Publicado em

em

Foto - DIVULGAÇÃO Vibra

A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) celebrou a informação divulgada hoje pelo Ministério da Agricultura e Pecuária sobre a autorização de quatro novas plantas para exportação de carne de frango para o mercado da Malásia.

A habilitação pelas autoridades sanitárias malásias alcança quatro plantas frigoríficas do Brasil – duas unidades da BRF, uma da JBS Aves e uma da Vibra Agroindustrial, que estão localizadas no Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná e Rio Grande do Sul. As unidades habilitadas se somarão às outras três plantas frigoríficas já autorizadas a embarcar produtos para a Malásia – duas da BRF e uma da Jaguafrangos, localizadas no Mato Grosso, Minas Gerais e Paraná.

A Malásia é reconhecida internacionalmente como um dos mercados com os mais elevados critérios para produtos halal entre as nações de maioria islâmica, e tem aumentado significativamente as suas importações de carne de frango do Brasil. No ano passado, o país importou 13,6 mil toneladas, volume 45,7% superior ao registrado no mesmo período do ano passado.

“Mais que dobramos o número de plantas habilitadas a atender o mercado malásio, que deverá registrar bons incrementos nos volumes embarcados ao longo de 2024. É uma importante notícia para o Brasil, que é o maior exportador global de carne de frango halal e tem visto sua presença aumentar no mercado islâmico”, avalia o presidente da ABPA, Ricardo Santin.

Conforme o diretor de mercados, Luís Rua, “a articulação de ações entre o Ministério da Agricultura e as demais pastas do Governo, como o Ministério das Relações Exteriores, vem conquistando grandes avanços para a ampliação da presença internacional das proteínas do Brasil, o que se reflete, por exemplo, nas novas habilitações para a Malásia.

 

Fonte: ABPA
Continue Lendo

Notícias

Demanda enfraquecida de farelo de soja mantém pressão sobre cotações

Na média das regiões acompanhadas pelo Cepea, as cotações do produto caíram 2% comparando-se a média da primeira quinzena de abril com a média de março. No comparativo anual, a queda foi de 19,8%, em termos reais.

Publicado em

em

Foto: Claudio Neves/Portos do Paraná

Os preços do farelo de soja seguiram em queda no mercado brasileiro na primeira quinzena de abril, refletindo a cautela de consumidores, sobretudo domésticos.

Indústrias esmagadoras também não mostraram grande interesse em negociar, por conta da valorização da matéria- -prima e da dificuldade no repasse para o derivado.

Também atentos à firme procura por óleo de soja, consumidores esperam pelo aumento no volume do grão esmagado e, consequentemente, por um excedente de farelo, em um contexto em que a recuperação na oferta da Argentina deve limitar as exportações brasileiras deste derivado.

Na média das regiões acompanhadas pelo Cepea, as cotações do farelo de soja caíram 2% comparando-se a média da primeira quinzena de abril com a média de março.

No comparativo anual, a queda foi de 19,8%, em termos reais (IGP-DI de março).

Em Campinas (SP), Mogiana (SP), Rondonópolis (MT), Santa Rosa (RS), Passo Fundo (RS), Ijuí (RS) e Chapecó (SC), os preços do derivado foram os menores desde setembro de 2019, também em termos reais.

Por outro lado, o movimento de baixa foi limitado pelas exportações intensas. Segundo dados da Secex, o Brasil embarcou volume recorde de farelo de soja no primeiro trimestre de 2024, somando 5,2 milhões de toneladas, 15% superior ao registrado há um ano.

Os principais destinos do derivado brasileiro foram Indonésia (18,6%) e Tailândia (12,7%).

Fonte: Por Débora Kelen Pereira da Silva, do Cepea.
Continue Lendo

Notícias

Asgav promove campanha de valorização da carne de frango produzida no Rio Grande do Sul

Por meio deste movimento, o setor avícola quer destacar a procedência e a qualidade do produto que é disponibilizado no mercado gaúcho.

Publicado em

em

Foto: Shutterstock

Incentivar o consumo de carne de frango produzida no Rio Grande do Sul. Este é o objetivo da 3ª etapa da Campanha de Valorização das Marcas produzidas no estado, promovida pela Associação Gaúcha de Avicultura (Asgav). Por meio deste movimento, o setor avícola quer destacar a procedência e a qualidade do produto que é disponibilizado no mercado gaúcho. Com o slogan “Carne de Frango do RS, a gente reconhece pelo sabor”, o intuito é reforçar o trabalho de divulgação em veículos de imprensa e redes sociais, como já ocorreu nos dois ciclos anteriores. A campanha começou nesta segunda-feira (22) e vai se estender até 30 de julho, com foco principal nas redes sociais e comunicação estratégica.

A continuidade desta ação da Asgav é fortalecer o consumo interno da carne de frango produzida no Rio Grande do Sul. O presidente executivo da Asgav, José Eduardo dos Santos, comenta que a ideia desta nova etapa é de uma campanha criativa e dinâmica para conscientizar a população sobre os benefícios de levar para as suas mesas um produto gaúcho. “Este é um movimento contínuo e proativo da Asgav em busca de alternativas para melhorar as condições de competitividade para o setor, pois valorizar a produção local é valorizar milhares de pessoas, famílias, produtores e trabalhadores do nosso Estado”, esclarece.

Raio x da avicultura

Atualmente, o Rio Grande do Sul é o terceiro maior produtor e exportador de carne de frango do Brasil. Tem 7,3 mil produtores e 21 frigoríficos.

A média de produção de carne de frango do estado é de 1,8 milhão de toneladas.

As vagas de trabalho criadas pelo setor são significativas. São 35 mil empregos diretos e 550 mil empregos indiretos.

Fonte: Assessoria Asgav
Continue Lendo
SIAVS 2024 E

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.