Conectado com
VOZ DO COOP

Empresas

Doenças respiratórias: um desafio para a suinocultura

Pneumonia enzoótica, circovirose e pleuropeneumonia são responsáveis por perdas econômicas significativas na suinocultura mundial

Publicado em

em

Foto e texto: Assessoria

As doenças respiratórias representam uma preocupação significativa na suinocultura, englobando patologias de origem multifatorial que geram redução no ganho de peso, piora na conversão alimentar, aumento nos custos e mortalidade nas mais diversas fases produtivas. No Brasil, destacam-se as infecções causadas pelos agentes, Mycoplasma hyopneumoniae, Circovírus suíno tipo 2 (PCV2) e Actinobacillus pleuropneumoniae (APP).

O Mycoplasma hyopneumoniae é o agente causador da pneumonia enzoótica, uma doença respiratória crônica. Este patógeno compromete o sistema respiratório dos suínos, resultando em lesões nos pulmões e bronquíolos. A infecção geralmente ocorre em animais jovens, afetando principalmente os suínos nas fases de crescimento e engorda. Estudos de prevalência demonstram que o agente está presente em mais de 65% das granjas examinadas (Andrade, 2018; Holst et al., 2015; Vangroenweghe et al., 2015)

O M. hyopneumoniae coloniza as vias respiratórias, desencadeando uma resposta inflamatória que causa tosse, dispneia e diminuição do ganho de peso. Além disso, a infecção por PE predispõe os suínos a infecções secundárias por agentes bacterianos, como Actinobacillus pleuropneumoniae e Pasteurella multocida, exacerbando os sintomas clínicos e os prejuízos econômicos.

Os impactos da pneumonia enzoótica na produtividade incluem o aumento da taxa de refugagem, menor conversão alimentar e atrasos no crescimento. Estudos demonstraram que a PE pode reduzir o ganho diário de peso em até 33% e aumentar o custo de produção em cerca de 10%.

“O acompanhamento clínico dos lotes é uma ferramenta importante para o diagnóstico proativo das doenças respiratórias. A identificação da pneumonia enzoótica em suínos pode ser realizada observando sinais como tosse persistente, dificuldade respiratória, letargia, perda de peso e lesões pulmonares visíveis. No entanto, para confirmar o diagnóstico e diferenciá-lo de outras enfermidades, é essencial realizar testes laboratoriais específicos, como a avaliação das lesões pulmonares que podem ser detectadas em suínos abatidos durante a inspeção post-mortem. Essas lesões geralmente incluem áreas de consolidação e inflamação nos pulmões”, esclarece Marcio Dahmer, médico-veterinário gerente de marketing da linha de suínos da Ceva Saúde Animal.

Como já citado, o Circovírus Suíno tipo 2 (PCV2) é outro desafio inerente das granjas. Responsável pela circovirose suína, o agente afeta suínos de todas as idades, resultando em uma variedade de manifestações clínicas, incluindo sintomas respiratórios, falhas reprodutivas e síndrome multissistêmica do definhamento suíno.

O PCV2 compromete o sistema imunológico dos suínos, aumentando sua susceptibilidade a infecções secundárias, incluindo infecções respiratórias bacterianas. Além disso, o PCV2 pode levar à falha reprodutiva em porcas gestantes, resultando em abortos, natimortos e leitões fracos.

O PCV2 é um dos patógenos mais importantes para os suínos, causa perdas econômicas devido a elevada mortalidade, atraso na produção ou pela ocorrência de infecções secundárias associadas ao vírus, que faz parte do complexo de doenças respiratórias dos suínos, agravando o quadro de pneumonias. A síndrome multissistêmica do definhamento suíno (SMD) é uma das manifestações clínicas mais prevalente e severa da infecção pelo PCV2. Os impactos econômicos da circovirose suína na suinocultura são significativos, incluindo perdas na produção de carne suína, aumento da mortalidade de leitões e custos adicionais com tratamento e controle da doença.

Já a pleuropneumonia suína é conhecida como uma das mais importantes doenças respiratórias dos suínos. A patologia caracteriza-se pelo desenvolvimento de broncopneumonia necrosante e hemorrágica, com exsudação de fibrina, causando pleurite. A apresentação severa e, muitas vezes, fatal determina prejuízos à indústria suinícola (MORES et al., 1984; FENWICK & HENRY, 1994; DESROSIERS, 1998).

A contaminação pela bactéria Actinobacillus pleuropneumoniae acontece por meio do contato direto com secreções respiratórias de animais infectados e pela dissipação de aerossóis a curta distância, pois o agente é capaz de permanecer alguns dias no ambiente se estiver protegido por muco ou outro material orgânico. A enfermidade acomete animais de todas as idades, mas os leitões são mais vulneráveis e severamente impactados. Em surtos ocasionados por uma cepa virulenta, a morbidade pode exceder a 50%, com índices de mortalidade variando entre 1 a 10% (FENWICK & HENRY, 1994).

Estudos mostram que os suínos afetados por doenças respiratórias podem experimentar uma redução significativa no ganho de peso. Por exemplo, em casos de pneumonia enzoótica, a diminuição no ganho diário de peso pode variar de 10% a 33%, dependendo da gravidade da infecção e no caso da pleuropneumonia suína estima-se que as perdas financeiras possam chegar a 38%.

“As doenças respiratórias representam desafios significativos para a suinocultura, afetando a saúde e a produtividade dos suínos. Essas patologias causam sintomas clínicos graves, reduzem o ganho de peso e aumentam os custos de produção. Portanto, é essencial implementar estratégias de manejo adequadas, como a implementação de medidas de biosseguridade, o uso de vacinas e o monitoramento constante da saúde dos animais. Com a implementação de um programa de sanidade adequado  é possível reduzir a incidência e os prejuízos associados a essas enfermidades garantindo uma produção suína mais eficaz e sustentável”, afirma Marcio.

 

Ceva: Referência na prevenção das doenças respiratórias dos suínos

Em busca de tecnologias que agreguem à suinocultura, a Ceva é referência na prevenção das doenças respiratórias dos suínos. A companhia oferece ao mercado soluções robustas e eficazes, como a DUO® uma combinação das vacinas Hyogen® (Pneumonia Enzoótica) e Circovac® (Circovirose Suína), capaz de promover dupla proteção dos leitões com uma única aplicação. A combinação destes dois imunizantes potencializa a resposta imune e é capaz de conferir proteção por até 26 semanas de vida dos leitões.

Para proteger os suínos contra a pleuropneumonia suína, a Ceva conta com a Coglapix®, uma vacina inativada que protege contra os principais sorotipos da doença existentes no Brasil, estimulando a imunidade e evitando efeitos pirogênicos. A tecnologia empregada na vacina, estimula a imunidade dos leitões e fortalece seus pulmões, resultando em uma redução significativa dos custos de tratamento e da mortalidade dos suínos.

Outra iniciativa da empresa é o Ceva LUNG PROGRAM (CLP), um programa que permite o monitoramento do status sanitário da granja através de dados obtidos no momento do abate. Informações relevantes que auxiliam os suinocultores na adoção de programas de biosseguridade mais precisos para a granja e seus arredores.

“Muitas informações encontradas por meio da observação dos pulmões dos suínos abatidos, incluindo a diferenciação de lesões e suas localidades, são essenciais para melhorar o status das doenças respiratórias dos suínos no Brasil. Hoje temos tecnologias gratuitas, como o Ceva Lung Program (CLP), que é uma ferramenta de alto valor para o suinocultor com um banco de dados alimentado por granjas de todo o mundo e que, combinado com as informações da granja local traz sugestões específicas para aquela propriedade com abordagens mais específicas para as doenças respiratórias que acometem aquele plantel”, explica Marcio.

Ter uma visão 360º sobre a saúde pulmonar da granja orienta de forma precisa o que deve ser melhorado é essencial na suinocultura moderna. “Com as ferramentas certas e o conhecimento direcionado, é possível melhorar o status sanitário das granjas e garantir suínos mais saudáveis, reduzir as perdas com descarte de carcaças no frigorífico e fornecer ao consumidor uma proteína suína de maior qualidade”, finaliza.

 

Referencias bibliográficas com: Gisele Assis – gisele@assiscomunicacoes.com.br

Fonte: Assessoria Ceva

Empresas Reforço de equipe

Agrifirm fortalece sua estrutura de Supply Chain e Operações na América Latina com nova liderança

Renato Borges Pinheiro é o novo Gerente de Integrated Supply Chain e Operações da multinacional holandesa

Publicado em

em

Renato Borges Pinheiro / Divulgação Agrifirm

Rodrigo Miguel, CEO da Agrifirm LATAM.

Para reforçar mais uma vez a sua equipe de liderança regional, a Agrifirm LATAM anuncia Renato Borges Pinheiro como Gerente de Integrated Supply Chain e Operações. “A visão da Agrifirm é de uma empresa comprometida com a excelência no atendimento ao cliente, e as áreas de suporte que compõem a cadeia de Supply são fundamentais para a garantia da satisfação. A chegada do Renato traz um grande reforço a esta área e mostra na prática que estamos todos comprometidos com a entrega”, destaca Rodrigo Miguel, CEO da Agrifirm LATAM.

Com 33 anos de experiência nas áreas, Renato Borges Pinheiro terá uma participação ativa e contribuirá para processos ainda mais eficientes e estratégicos em toda a cadeia de suprimentos e operações, possibilitando assim tanto a prosperidade dos negócios de cada um dos clientes atendidos e das operações da multinacional em toda a região.

Graduado em Zootecnia pela FAZU (Uberaba/MG), com especialização em Agronegócios na UFLA e MBA em Negócios na FGV, o gestor traz consigo sua bagagem em posições de liderança em diferentes categorias e modelos de negócios no Brasil, América Latina e Caribe, aliada ao seu foco em eficiência operacional, inovação e transformação digital e liderança. Uma trajetória que inclui agregação de valor a toda a cadeia, envolvendo processos de sourcing, procurement, planejamento de demanda, capacidade, produção, processos de exportação, importação, logística e atendimento ao cliente.

“Chego entusiasmado em integrar o time Agrifirm. Espero colaborar tendo como missão a agregação de valor por meio de estratégias alinhadas que possibilitem ainda mais eficiência e agilidade operacional de forma perceptível que elevem a satisfação dos nossos clientes, contribuindo assim para uma cadeia de suprimentos inovadora”, afirma Renato Borges Pinheiro.

Renato é também reconhecido por seu trabalho no desenvolvimento, execução e gestão de processos e projetos transformacionais, sempre com foco na garantia de suprimentos, melhoria contínua e satisfação dos clientes. Sua chegada reforça ainda mais o compromisso da Agrifirm com a excelência e a melhoria contínua.

Rodrigo Miguel, CEO da Agrifirm LATAM conclui: “Melhoria contínua é a chave para sermos a prova de futuro! Este é um momento muito importante para nosso time de operações que festeja a nova liderança com a certeza de que seguimos cada vez mais próximos e relevantes para os nossos clientes.”

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas Comunidades, Animais e Planeta

Destaques do relatório de sustentabilidade da Zoetis

Em 2023, mais de 30% do consumo total de eletricidade da empresa, líder mundial em saúde animal, foi fornecido por fontes renováveis, aproximando a companhia de seu objetivo de usar eletricidade 100% renovável até 2030

Publicado em

em

Divulgação Zoetis

A Zoetis, líder mundial em saúde animal, publicou seu relatório de sustentabilidade de 2023, denominado “Avanço da Sustentabilidade na Saúde Animal para um Futuro Melhor”, para destacar o progresso da empresa no avanço rumo as suas aspirações de sustentabilidade de longo prazo.

O relatório mostra as ações realizadas em três pilares: Comunidades, Animais e Planeta. Incluídos no relatório estão o Sustainability Accounting Standards Board (SASB) e o Índice ESG da empresa, que fornecem indicadores de desempenho relevantes, incluindo aqueles identificados pelo SASB para a indústria de saúde, biotecnologia e farmacêutica. Este índice também inclui o compromisso da Zoetis em divulgar o progresso alinhado com o Grupo de Trabalho sobre Divulgação Financeira Relacionada ao Clima (TCFD), além de um link para o Questionário de Mudanças Climáticas do Carbon Disclosure Program – CDP 2023.

“Nossas aspirações de sustentabilidade são uma extensão do nosso propósito na Zoetis, e continuamos a fazer progressos significativos ao incorporar a estratégia de sustentabilidade em nossos negócios, na medida que construímos um futuro mais saudável para nossas comunidades, animais e o planeta que compartilhamos”, disse Jeannette Ferran Astorga, vice-presidente executiva de assuntos corporativos, comunicações e sustentabilidade da Zoetis e presidente da Fundação Zoetis. “A saúde animal emergiu como uma solução climática clara com a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura a identificar medidas – incluindo genética, vacinações e melhor acesso a cuidados veterinários – que podem, em última análise, melhorar a saúde e a produtividade dos animais e reduzir as emissões globais de gases com efeito de estufa do gado.”

Alguns destaques do relatório:

  • Mais de 30% do consumo total de eletricidade da empresa foi fornecido por fontes renováveis, o que inclui painéis solares instalados no local em sete instalações – levando a Zoetis em direção ao seu objetivo de usar eletricidade 100% renovável até 2030
  • Substituição de plástico por papelão para embalagens de vacinas antirrábicas, reduzindo o uso de plástico PVC em oito toneladas métricas e as embalagens em geral em cerca de 2,5 toneladas métricas anuais
  • Através de doações de 8,3 milhões de dólares, a Fundação Zoetis apoiou 28 iniciativas que impactaram 19 países para promover oportunidades para veterinários e criadores de gado através de iniciativas de educação, bem-estar e meios de subsistência
  • A empresa lançou no mercado diagnósticos, vacinas e parasiticidas inovadores para apoiar as metas de saúde animal e produtividade dos produtores pecuários
  • O aumento do trabalho voluntário relatado por colegas em 81%, para 16.611 horas

Animais – Inovação em Saúde Animal

Em 2023, a companhia iniciou um projeto com a Dairy Management Incorporated (DMI) e a equipe de modelagem Ruminant Farm Systems (RuFaS) para aumentar o desenvolvimento e os testes do modelo de emissões na fazenda RuFaS. A Zoetis contribui com dados de saúde animal e genética para o projeto, bem como experiência em pesquisa de apoio para permitir a modelagem abrangente das pegadas de carbono das fazendas leiteiras. O trabalho continua em 2024 e representa uma oportunidade para compreender as alavancas que podem melhorar a eficiência e o impacto ambiental da produção de leite. No âmbito da iniciativa de Produtividade Pecuária Africana e Avanço da Saúde (A.L.P.H.A.), em 2023, com o apoio contínuo da Fundação Bill & Melinda Gates (BMGF), a Zoetis lançou uma nova iniciativa de cinco anos que visa aumentar o acesso a um portfólio alargado de produtos e serviços veterinários, incluindo diagnósticos, e melhorar a escala das redes de distribuição para os criadores de gado na África Subsariana.  Até o fim de 2023, a Zoetis treinou mais de 35 mil agricultores, profissionais veterinários, distribuidores e pessoal de laboratório, e tratou 12,7 milhões de vacas e 260 milhões de galinhas na região – superando as metas em 27% e 30%, respectivamente.

 Planeta – o impulso para proteger nosso planeta

Focada nas emissões de Escopo 1 e 2 de suas operações de fabricação, distribuição e pesquisa e desenvolvimento (P&D), escritórios e frota de veículos, a Zoetis continua a progredir em direção à neutralidade de carbono em suas próprias operações até 2030:

  • Expandir seu portfólio de energia renovável, que inclui programas de serviços públicos, sete painéis solares fotovoltaicos instalados nos principais locais de fabricação e P&D, e agora dois contratos virtuais de compra de energia (VPPAs) que deverão entrar em operação nos próximos dois anos,
  • Reportar 32,6% de eletricidade renovável fornecida até ao final de 2023, alinhado com o seu compromisso RE100. Mais de um terço das unidades de produção da empresa operam com eletricidade 100% renovável,
  • Concluir 38 projetos de eficiência energética e outros projetos de redução de carbono em locais importantes em 2023, e
  • Aumentar os veículos híbridos e elétricos para representar 12,1% e 3,1%, respetivamente, da sua frota total de veículos.

Coletivamente, esses investimentos, combinados com as mudanças operacionais realizadas desde 2021, reduziram as emissões de Escopo 1 e 2 da empresa em 18,9%.

Como parte da sua estratégia de embalagem, a Zoetis continuou a tomar medidas substanciais para melhorar o impacto ambiental dos seus produtos nas formas mais importantes para os clientes e para a empresa. Em uma de suas principais unidades de fabricação, em Lincoln, Nebraska, EUA, as embalagens plásticas foram substituídas por caixas de papelão para embalagens de vacinas contra a raiva distribuídas no mercado estadunidense, reduzindo o uso de plástico PVC em cerca de oito toneladas métricas e as embalagens em geral em cerca de 2,5 toneladas métricas anualmente.

Comunidades – Cuidado e Colaboração

A Zoetis investiu US$ 7 milhões em comunidades por meio de iniciativas de doações corporativas em 2023. Isso incluiu a parceria com a Adopt a Pet para melhorar o acesso a recursos para animais de estimação, abrigos, resgates e equipes de saúde veterinária nos Estados Unidos; uma iniciativa na Indonésia para vacinar cães e gatos contra raiva e esforços de socorro ao terremoto para apoiar o resgate e cuidado de cavalos em Marrocos. No total, os programas comunitários da empresa alcançaram aproximadamente 202 mil donos de animais de estimação necessitados e aproximadamente 91 mil animais afetados pelo desastre. Por seu lado, a Fundação Zoetis distribuiu 8,3 milhões de dólares  apoiando 28 iniciativas em 19 países em 2023, incluindo doações de 3 milhões de dólares a organizações que concederam bolsas de estudo a mais de 500 estudantes de veterinária. Isto eleva o apoio cumulativo da Fundação para 14,9 milhões de dólares do seu compromisso de 35 milhões de dólares em subvenções de 2021 até ao final de 2025.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas

Topigs Norsvin inaugura a Delta Noruega, seu novo centro de pesquisa e avaliação de reprodutores com capacidade para avaliar 5 mil animais por ano

Nova infraestrutura impulsionará programa genético com maior disponibilidade de animais de altíssimo valor genético

Publicado em

em

Adauto Canedo, diretor de Negócios e Marketing da Topigs Norsvin; Marcos Lopes, Diretor Técnico da Topigs Norsvin; e André Costa, diretor regional América Central e do Sul da Topigs Norsvin.

A Topigs Norsvin, empresa especializada em genética suína, inaugurou oficialmente, em 14 de junho, a Delta Noruega, seu novo Centro de Pesquisa e avaliação de reprodutores de alto padrão genético. A inauguração da Delta Noruega finaliza o plano estratégico da Topigs Norsvin, desenhado há oito anos, para melhorar sua estrutura de desenvolvimento genético e produção.

Outros passos importantes na estratégia da empresa incluíram a centralização do núcleo de melhoramento genético da linha Z no Canadá, e a construção do centro de avaliação de reproduções e pesquisa Delta Canadá, assim como a granja núcleo Innova no Canadá e a granja núcleo INOVARE no Brasil.

As inovações e uma infraestrutura projetada para a captura de dados em grande escala na Delta Noruega irão impulsionar significativamente o programa genético da Topigs Norsvin. Por exemplo, a tecnologia de câmeras e sensores para observar os suínos permitirá a seleção de novas características que melhoram o bem-estar animal e o comportamento social.

A Delta Noruega irá testar 5 mil machos TN Duroc e Norsvin Landrace por ano. Número que representa um acréscimo de 2 mil animais a atual estação de testes, que será convertida em uma unidade para alojar suínos destinados à exportação. A maior capacidade da estação de testes permitirá uma maior disponibilidade de animais com altíssimo valor genético para atender à crescente demanda pela genética Topigs Norsvin em todo o mundo.

Continue Lendo
AJINOMOTO SUÍNOS – 2024

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.