Conectado com
VOZ DO COOP

Suínos / Peixes Suinocultura

Diagnóstico de cio e o uso de feromônios

Falha em detectar o cio, ou erros no manejo de diagnóstico de cio, são duas principais causas de mau desempenho reprodutivo na suinocultura tecnificada

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Artigo escrito por André Buzato, médico veterinário/M.Sc e gerente de Serviços Técnicos Suínos da Vetoquinol

O diagnóstico de cio ou estro é um dos manejos mais importantes em qualquer sistema de criação de suínos. É através deste manejo que determinamos o intervalo-desmame-cio (IDC) que já foi identificado como o fator chave da duração do estro (DE) e do intervalo estro-ovulação (IEO).

O manejo deficiente em estimulação sexual, combinado com uma avaliação inadequada da reposta de imobilização da fêmea, resulta num baixo nível de detecção do cio e consequentemente em momento inadequado de inseminação artificial. A falha em detectar o cio, ou os erros no manejo de diagnóstico de cio, são as duas principais causas de mau desempenho reprodutivo na suinocultura tecnificada.

O diagnóstico de cio requer a presença de um macho que proporcione adequados estímulos sexuais para a fêmea. Os principais aspectos que trazem êxito no manejo de diagnóstico de cio são: macho sexualmente maduro, macho que apresente salivação abundante com alto nível de feromônios para estimulação olfatória; manejo que permita um adequado contato entre focinho-focinho entre macho e fêmea; equipe treinada e capacitada para observar os comportamentos de cio.

Os procedimentos de rotina para a detecção do estro envolvem o teste de pressão dorsal ou teste de monta na presença de um macho. As fêmeas que reagem à pressão em seu dorso exibindo o reflexo de imobilidade ou a resposta de lordose por, pelo menos, 10 segundos são, em geral, classificadas como sexualmente receptivas.

Fatores de risco na detecção do cio

Certos fatores podem levar à falha na detecção do estro:

  • Níveis reduzidos de feromônios liberados pelo macho por conta de imaturidade sexual ou variações individuais.
  • Dimuição da libido, cansaço ou interesse pelo alimento.

Por que é imprescindível melhorar o desempenho da detecção do cio?

O melhor desempenho da detecção do cio diminui o risco de perdas reprodutivas que podem representar enormes prejuízos financeiros ao sistema de produção:

Nem todos os estímulos são iguais

A importância do odor 

Um macho sexualmente maduro produz uma ampla variedade de estímulos. Dentre eles, os estímulos olfatórios desempenham um papel importante no comportamento do estro.

Nos casos em que há o risco de comprometimento dos estímulos olfatórios, análogos sintéticos de feromônios da saliva do macho podem ajudar a garantir o máximo nível de estimulação.

Por muitas décadas, havia a crença de que o sinal das moléculas olfatórias do macho, capazes de estimular os sinais comportamentais de estro em fêmeas da espécie suína, era produzido apenas por dois feromônios salivares: androstenol e androstenona.

Pesquisas recentes revelaram que uma terceira molécula volátil denominada quinolina também está presente na saliva do macho e exerce um efeito de feromônio, atuando de forma sinérgica com o androstenol e a androstenona para obter o máximo comportamento sexual em fêmeas no cio.

O gatilho olfatório

O macho sexualmente maduro emite três moléculas de feromônios em sua saliva.

Essas moléculas são transferidas para a fêmea por meio de contato próximo.

Os feromônios alcançam o epitélio olfatório principal, um conjunto de células sensoriais dentro da cavidade nasal, onde são reconhecidos por receptores específicos.

Os neurônios sensoriais olfatórios transformam os sinais químicos em um sinal elétrico que é rapidamente transmitido para o sistema nervoso central.

Cada receptor reconhece especificamente uma determinada estrutura química. Desse modo, a mensagem sexual máxima é transmitida ao cérebro se todos os três tipos de receptor forem estimulados.

O uso de feromônios: uma nova tecnologia para a detecção do cio

Uma nova tecnologia contém uma combinação de análogos sintéticos das três moléculas de feromônios presentes na saliva do macho suíno (Androstenona, Androstenol e Quinolina). A atuação sinérgica dessas moléculas desencadeia o comportamento sexual máximo em fêmeas no cio mimetizando o efeito do macho (cachaço). Esta tecnologia incorpora um corante azul para fácil aplicação e já vem pronto para uso até a manifestação do cio na fêmea. Um recente estudo demonstrou que a combinação dos três feromônios presentes na tecnologia desencadeou uma resposta comportamental sexual máxima em fêmeas no estro quando comparação com a aplicação isolada de cada feromônio, sendo 64% mais eficiente que os demais.

Como a tecnologia pode beneficiar seu rebanho 

Resultados de um estudo a campo em uma granja comercial, comparando o desempenho de combinação de análogos sintéticos das três moléculas de feromônios presentes na saliva do macho suíno (Androstenona, Androstenol e Quinolina)  + áudio de grunhido e um macho sexualmente maduro para a detecção do cio.

O uso da tecnologia foi capaz de detectar 9 em cada 10 fêmeas no cio sem o auxílio de um macho sexualmente maduro, isto traz novas perspectivas para o manejo de diagnóstico de cio; mais rapidez, otimização e maximização através de uma exposição consistente e confiável aos feromônios sexuais na rotina de detecção do cio.

A tecnologia pode auxiliar nos protocols de inseminação artificial, pois ajuda a identificar a melhor janela de fertilização (> 90% de fertilização), ou seja, durante um período de 24 horas antes da ovulação.

Ajuda a detectar o estro nos locais onde o macho não pode estar

Os atuais modelos de produção, a eficiência do trabalho ou as regras de biossegurança podem impedir que os machos sejam levados até as fêmeas; no entanto, a produtividade da granja certamente se beneficiaria do diagnóstico do cio. Os exemplos de benefícios da tecnologia incluem diagnóstico do cio pós-inseminação, diagnóstico do cio em casos de quarentena e rápido diagnóstico do cio quando há pouco tempo disponível.

Outras notícias você encontra na edição de Suínos e Peixes de julho/agosto de 2021 ou online.

Fonte: O Presente Rural

Suínos / Peixes

Minas Gerais celebra Dia da Carne de Porco em 30 de abril

Na mesma data é comemorado o aniversário da Associação dos Suinocultores do Estado de Minas Gerais (Asemg), que neste ano comemora 52 anos de atividade. 

Publicado em

em

Você sabia que no dia 30 de abril é celebrado o Dia da Carne Suína Mineira? A data foi instituída pela Assembleia Legislativa do Estado de Minas Gerais (ALMG) através da LEI 21125, de 03/01/2014, com o objetivo de valorizar a cadeia produtiva da carne suína e sua representatividade econômica, social e cultural no Estado. Na mesma data é comemorado o aniversário da Associação dos Suinocultores do Estado de Minas Gerais (Asemg), que neste ano comemora 52 anos de atividade.

Em Minas, esta é uma proteína que está presente no dia a dia e nos momentos de confraternização, ela faz parte da vida e da cultura alimentar local, não por acaso, estrelam entre os nossos pratos tradicionais e mundialmente reconhecidos: torresmo, leitão à pururuca, costelinha com canjiquinha, lombo com tutu, barriga à pururuca entre tantos outros mais e todo este cenário nos leva ao primeiro lugar no ranking de consumo da carne suína no Brasil. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2023, a estimativa é que cada mineiro consuma 27,1 kg per capita.

Minas Gerais não é referência apenas no consumo, mas também na produção da carne de porco. Segundo o IBGE somos o quarto maior produtor de suínos do Brasil, com destaque para as regiões do Triângulo Mineiro, Vale do Piranga, Centro-Oeste Mineiro e Sul de Minas.

Em 2023 passado, foram comercializadas 5,3 milhões de toneladas de carne. Para o presidente da associação, João Carlos Bretas Leite, Minas é um caso à parte em consumo e qualidade da produção e somos mundialmente conhecidos por estes feitos. É muito gratificante garantir proteína saudável, a preço justo e sabor inigualável na mesa dos mineiros e saber que ela faz parte do dia a dia e da história desse povo”, disse.

Fonte: Divulgação/HB Audiovisual

Além de garantir carne de saudável e saborosa aos consumidores mineiros, a Associação que representa estes produtores pretende dar dicas das melhores e mais saborosas formas de preparo da proteína, por isso há alguns anos criou o projeto Cozinhando com a Asemg, conheça o projeto:

Cozinhando com Asemg: com porco é melhor

A Asemg lançou neste mês de abril a quarta edição do projeto “Cozinhando com a Asemg”, que traz o tema: “Com Porco é melhor”. Serão apresentadas uma série de receitas, tradicionais na cozinha do brasileiro, mas com substituições que trazem muito mais sabor aos pratos. Nelas conterão a carne de porco no lugar de outras proteínas já conhecidas tradicionalmente.  Receitas como strogonoff de carne de porco, salpicão de carne de porco e muito mais.

O presidente da Asemg João Carlos Bretas Leite conta que: “Estamos na quarta edição do projeto, que vem a cada ano trazendo novidades e surpreendendo a todos mostrando o quanto a nossa proteína é versátil. As receitas são disponibilizadas no Instagram @asemg_mg, receitas fáceis e muito saborosas.’’ comenta o presidente.

Conheça a Asemg

A Associação dos Suinocultores do Estado de Minas Gerais foi criada em 30 de abril de 1972 com o objetivo de representar a classe suinícola no estado mineiro e vem cumprindo este papel desde então.

Hoje a entidade tem como missão construir e fortalecer relacionamentos estratégicos, prover informações assertivas e fomentar soluções para a competitividade e o desenvolvimento sustentável da suinocultura, agregando valor para os associados, filiadas regionais, parceiros e comunidades.

A Asemg atua diretamente em áreas como: sanidade, bem-estar animal, política, conhecimento, marketing, meio ambiente, inovação e mercado de compra e venda de suínos.

Fonte: Assessoria Asemg
Continue Lendo

Suínos / Peixes

Preços do suíno vivo e da carne recuam; poder de compra cai frente ao farelo

Esse cenário força frigoríficos paulistas a reajustarem negativamente o preço negociado, em busca de maior liquidez e de evitar o aumento dos estoques.

Publicado em

em

Foto: Ari Dias

Os preços do suíno vivo e da carne caíram nos últimos dias, conforme apontam levantamentos do Cepea.

Para o animal, pesquisadores deste Centro explicam que a pressão vem da demanda interna enfraquecida e da oferta elevada.

No atacado, o movimento de baixa foi observado para a maioria dos produtos acompanhados pelo Cepea e decorre da oferta oriunda da região Sul do Brasil (maior polo produtor) a valores competitivos.

Esse cenário, segundo pesquisadores do Cepea, força frigoríficos paulistas a reajustarem negativamente o preço negociado, em busca de maior liquidez e de evitar o aumento dos estoques.

Diante da retração dos valores pagos pelo vivo no mercado independente em abril, o poder de compra do suinocultor paulista caiu frente ao farelo de soja; já em relação ao milho, cresceu, uma vez que o cereal registra desvalorização mais intensa que a verificada para o animal.

Fonte: Assessoria Cepea
Continue Lendo

Suínos / Peixes

Brasil conquista dois novos mercados para pescados na Índia

Agronegócio brasileiro alcançou a 30ª abertura comercial internacional apenas neste ano. Nos últimos 16 meses, foram abertos 108 novos mercados em 50 países.

Publicado em

em

Foto: Shutterstock

A missão do ministro da Agricultura e Pecuária, Carlos Fávaro, à Índia em novembro do ano passado segue gerando resultados positivos para o Brasil. Após encontros com Shri Parshottam Rupala, ministro da Pesca, Pecuária e Lácteos da Índia e Kamala V Rao, CEO da Autoridade de Segurança dos Alimentos da Índia, o Brasil obteve, na última sexta-feira (19), a confirmação da abertura de dois novos mercados: pescado de cultivo (aquacultura) e pescado de captura (pesca extrativa).

O anúncio se soma a expansões recentes da pauta agrícola do Brasil para o país asiático. Nos últimos 12 meses, o governo indiano autorizou a importação de açaí em pó e de suco de açaí brasileiros.

Em 2023, a Índia foi o 12º principal destino das exportações agrícolas brasileiras, com vendas de US$ 2,9 bilhões. Açúcar e óleo de soja estiveram entre os produtos mais comercializados.

Segundo o Agrostat (Estatísticas de Comércio Exterior do Agronegócio Brasileiro), nos três primeiros meses deste ano, o Brasil exportou mais de 12 mil toneladas de pescado para cerca de 90 países, gerando receitas de US$ 193 milhões. Esse valor mostra um aumento de mais de 160% em relação ao mesmo período do ano anterior, quando as vendas foram de US$ 74 milhões.

“Seguimos comprometidos em ampliar a presença dos produtos agrícolas brasileiros nas prateleiras do mundo. Essa estratégia não apenas abre mais oportunidades internacionais para nossos produtos e demonstra a confiança no nosso sistema de controle sanitário, mas também fortalece a economia interna. Com as recentes aberturas comerciais estamos gerando mais empregos e elevando a renda dos produtores brasileiros”, ressaltou o secretário de Comércio e Relações Internacionais do Mapa, Roberto Perosa.

Com estes novos mercados, o agronegócio brasileiro alcançou a 30ª abertura comercial internacional apenas neste ano. Nos últimos 16 meses, foram abertos 108 novos mercados em 50 países.

Fonte: Assessoria Mapa
Continue Lendo
SIAVS 2024 E

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.