Conectado com
VOZ DO COOP

Notícias

Desenvolvimento do agro enfrenta problemas tecnológicos

Produtores relatam falhas no sistema PRODES que alimenta a base de dados do Cadastro Ambiental Rural – CAR, acarretando no embargo indevido de áreas.

Publicado em

em

Advogada Érica Assunção - Foto: Divulgação/Prodes

O uso da tecnologia para a proteção ao meio ambiente com certeza é um avanço ao tema, considerando que esses sistemas possibilitam o monitoramento de áreas mais sensíveis. Contudo, ao que muito teria a contribuir, tem causado transtornos aos que são responsáveis pelo desenvolvimento agrícola. A região que mais tem expressado sua insatisfação com o sistema tem sido a de Rondônia.

Os produtores rurais relatam que o sistema Prodes – programa de monitoramento por satélite do desmatamento da Amazônia Legal, tem fornecido informações a base de dados do CAR que não refletem a realidade das propriedades, detectando desmatamento em regiões que não houve intervenção humana.

Segundo a advogada Érica Assunção, que têm se debruçado sobre o tema, elementos físicos podem estar atrapalhando o funcionamento do satélite. “Algumas áreas, no momento em que o satélite realiza a captura da imagem, estão com interferência de algum elemento físico (a exemplos de nuvens) e a sua sombra gera na área uma coloração mais escura, pressupondo um desmate naquela região.”, explica.

A especialista aponta que a falha não está exclusivamente na tecnologia, mas especialmente no tratamento das informações coletadas e transmitidas, pois os órgãos estão alimentando a base de dados do CAR sem realizar qualquer conferência ou confronto, pressupondo como 100% confiável.

A consequência da imperícia dos órgãos tem atingido diretamente as negociações de mercadorias como a soja – tendo ocorrido a incineração de quantia expressiva, em razão da restrição ou embargo da área face à suposta irregularidade. Muitas empresas como medidas de compliance exigem a documentação do CAR como parte da negociação e, por isso, o embargo da área afeta diretamente a economia da região, gerando prejuízos financeiros graves para esses produtores. O mesmo se aplica para transações bancárias para fins de investimento na área, através de financiamento bancário.

A situação tem se agravado, considerando que os produtores não estão sendo notificados quanto ao embargo, nem mesmo a suposta irregularidade tomando conhecimento somente no momento da negociação, gerando uma perda sem tamanho.

“Importante ressaltar a importância da tecnologia no desenvolvimento das medidas preventivas da Administração Pública, e esse fato é reconhecido pelo meio empresarial agro. Porém, o poder público precisa garantir que falhas não venham a prejudicar a economia local”, ressalta Érica.

No momento, o escritório estuda com os produtores as medidas preventivas e remediáveis para que as possíveis perdas sejam evitadas ou minimizadas.

Fonte: Assessoria

Notícias

Malásia habilita quatro novas plantas de carne de frango

Mercado com critérios halal passa a contar com 07 plantas brasileiras

Publicado em

em

Foto - DIVULGAÇÃO Vibra

A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) celebrou a informação divulgada hoje pelo Ministério da Agricultura e Pecuária sobre a autorização de quatro novas plantas para exportação de carne de frango para o mercado da Malásia.

A habilitação pelas autoridades sanitárias malásias alcança quatro plantas frigoríficas do Brasil – duas unidades da BRF, uma da JBS Aves e uma da Vibra Agroindustrial, que estão localizadas no Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná e Rio Grande do Sul. As unidades habilitadas se somarão às outras três plantas frigoríficas já autorizadas a embarcar produtos para a Malásia – duas da BRF e uma da Jaguafrangos, localizadas no Mato Grosso, Minas Gerais e Paraná.

A Malásia é reconhecida internacionalmente como um dos mercados com os mais elevados critérios para produtos halal entre as nações de maioria islâmica, e tem aumentado significativamente as suas importações de carne de frango do Brasil. No ano passado, o país importou 13,6 mil toneladas, volume 45,7% superior ao registrado no mesmo período do ano passado.

“Mais que dobramos o número de plantas habilitadas a atender o mercado malásio, que deverá registrar bons incrementos nos volumes embarcados ao longo de 2024. É uma importante notícia para o Brasil, que é o maior exportador global de carne de frango halal e tem visto sua presença aumentar no mercado islâmico”, avalia o presidente da ABPA, Ricardo Santin.

Conforme o diretor de mercados, Luís Rua, “a articulação de ações entre o Ministério da Agricultura e as demais pastas do Governo, como o Ministério das Relações Exteriores, vem conquistando grandes avanços para a ampliação da presença internacional das proteínas do Brasil, o que se reflete, por exemplo, nas novas habilitações para a Malásia.

 

Fonte: ABPA
Continue Lendo

Notícias

Demanda enfraquecida de farelo de soja mantém pressão sobre cotações

Na média das regiões acompanhadas pelo Cepea, as cotações do produto caíram 2% comparando-se a média da primeira quinzena de abril com a média de março. No comparativo anual, a queda foi de 19,8%, em termos reais.

Publicado em

em

Foto: Claudio Neves/Portos do Paraná

Os preços do farelo de soja seguiram em queda no mercado brasileiro na primeira quinzena de abril, refletindo a cautela de consumidores, sobretudo domésticos.

Indústrias esmagadoras também não mostraram grande interesse em negociar, por conta da valorização da matéria- -prima e da dificuldade no repasse para o derivado.

Também atentos à firme procura por óleo de soja, consumidores esperam pelo aumento no volume do grão esmagado e, consequentemente, por um excedente de farelo, em um contexto em que a recuperação na oferta da Argentina deve limitar as exportações brasileiras deste derivado.

Na média das regiões acompanhadas pelo Cepea, as cotações do farelo de soja caíram 2% comparando-se a média da primeira quinzena de abril com a média de março.

No comparativo anual, a queda foi de 19,8%, em termos reais (IGP-DI de março).

Em Campinas (SP), Mogiana (SP), Rondonópolis (MT), Santa Rosa (RS), Passo Fundo (RS), Ijuí (RS) e Chapecó (SC), os preços do derivado foram os menores desde setembro de 2019, também em termos reais.

Por outro lado, o movimento de baixa foi limitado pelas exportações intensas. Segundo dados da Secex, o Brasil embarcou volume recorde de farelo de soja no primeiro trimestre de 2024, somando 5,2 milhões de toneladas, 15% superior ao registrado há um ano.

Os principais destinos do derivado brasileiro foram Indonésia (18,6%) e Tailândia (12,7%).

Fonte: Por Débora Kelen Pereira da Silva, do Cepea.
Continue Lendo

Notícias

Asgav promove campanha de valorização da carne de frango produzida no Rio Grande do Sul

Por meio deste movimento, o setor avícola quer destacar a procedência e a qualidade do produto que é disponibilizado no mercado gaúcho.

Publicado em

em

Foto: Shutterstock

Incentivar o consumo de carne de frango produzida no Rio Grande do Sul. Este é o objetivo da 3ª etapa da Campanha de Valorização das Marcas produzidas no estado, promovida pela Associação Gaúcha de Avicultura (Asgav). Por meio deste movimento, o setor avícola quer destacar a procedência e a qualidade do produto que é disponibilizado no mercado gaúcho. Com o slogan “Carne de Frango do RS, a gente reconhece pelo sabor”, o intuito é reforçar o trabalho de divulgação em veículos de imprensa e redes sociais, como já ocorreu nos dois ciclos anteriores. A campanha começou nesta segunda-feira (22) e vai se estender até 30 de julho, com foco principal nas redes sociais e comunicação estratégica.

A continuidade desta ação da Asgav é fortalecer o consumo interno da carne de frango produzida no Rio Grande do Sul. O presidente executivo da Asgav, José Eduardo dos Santos, comenta que a ideia desta nova etapa é de uma campanha criativa e dinâmica para conscientizar a população sobre os benefícios de levar para as suas mesas um produto gaúcho. “Este é um movimento contínuo e proativo da Asgav em busca de alternativas para melhorar as condições de competitividade para o setor, pois valorizar a produção local é valorizar milhares de pessoas, famílias, produtores e trabalhadores do nosso Estado”, esclarece.

Raio x da avicultura

Atualmente, o Rio Grande do Sul é o terceiro maior produtor e exportador de carne de frango do Brasil. Tem 7,3 mil produtores e 21 frigoríficos.

A média de produção de carne de frango do estado é de 1,8 milhão de toneladas.

As vagas de trabalho criadas pelo setor são significativas. São 35 mil empregos diretos e 550 mil empregos indiretos.

Fonte: Assessoria Asgav
Continue Lendo
SIAVS 2024 E

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.