Conectado com
VOZ DO COOP

Notícias

Crise climática pode afetar a produção de alimentos?

A maneira como produzimos comida colaborou com a elevação da temperatura do planeta. Agora é preciso mudar o jeito de gerar alimentos para enfrentar as mudanças climáticas. O que podemos fazer? Especialistas dizem que há saída e indicam vários caminhos.

Publicado em

em

Foto: Divulgação/Arquivo OPR

Veículos movidos a combustíveis fósseis, queima de resíduos, uso de fertilizantes químicos, pecuária e outras atividades que compõem a maneira como a sociedade vive e se move economicamente estão entre as responsáveis por lançar na atmosfera gases com efeito de estufa.

Com temperaturas mais altas, há alterações nos padrões de chuvas, que são irregulares e excessivas, secas cada vez mais frequentes e acentuadas, tempestades e inundações que quebram safras, reduzem a produção e elevam o preço dos alimentos. Ou seja, a maneira como o mundo produz comida para se alimentar colaborou com o aumento da temperatura do planeta. E, por sua vez, a mudança climática atinge e afetará ainda mais a forma como a sociedade produz alimentos. O que vamos fazer?

Pesquisadora científica da APTA Regional de Piracicaba (SP), Mônica Sartori de Camargo: “Quando você protege o solo, você também protege a água, reduzindo o assoreamento dos rios” – Foto: Arquivo pessoal

Mônica Sartori de Camargo, pesquisadora científica da APTA Regional de Piracicaba (SP), instituição de pesquisa da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (Apta), vinculada à Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, reconhece que as temperaturas mais altas e as chuvas irregulares são um desafio para a agricultura. Doutora na área de Solos e Nutrição, Camargo diz que é importante manter áreas de proteção permanente em torno das fazendas, e defende que com planejamento e tecnologias geradas a partir de novas pesquisas é possível driblar as intempéries e não ser surpreendido por elas. “Manejar adequadamente o solo, oferecendo nutrientes em quantidades balanceadas para que a planta cresça com equilíbrio, escolher espécies adequadas ao local, fazer curvas de nível e terraços na agricultura são formas de proteger o solo”, explica, ampliando: “E quando você protege o solo, você também protege a água, reduzindo o assoreamento dos rios”.

É justamente a falta de água o principal impacto das mudanças climáticas nas plantações, que no jargão científico é chamado de déficit hídrico. “Com o calor, as plantas precisam de mais água para crescer e produzir. Somado a isso, há uma projeção de redução das chuvas em várias regiões do País, diminuindo a disponibilidade desse recurso. Precisamos nos preparar e adaptar nossos sistemas de produção a essa nova condição com práticas que ajudam a manter a água no solo e plantas mais resilientes”, diz o engenheiro florestal e pesquisador Giampaolo Pellegrino, presidente do Portfólio de Mudanças Climáticas da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e doutor em Água e Solo.

Um exemplo de planta resiliente é a mandioca, cultura escolhida pela FAO como o alimento do século 21. As pesquisas do doutor em Ciências Agrárias, Jailson Lopes Cruz, mostram que a planta se aproveita das altas concentrações de gás carbônico (CO2) na atmosfera para aliviar os efeitos da seca. Isso implica que há a possibilidade de incluir o cultivo da mandioca em novos territórios, como no semiárido, aumentando a oferta do produto. Camargo vê oportunidade de expandir a produção, mesmo com a crise climática, em terras agricultáveis no continente africano e no Brasil. “O clima favorável ao longo do ano para grande parte das culturas agrícolas pode sanar a produção de alimentos”, expõe.

Para Juliana Tângari, diretora do Instituto Comida do Amanhã, não há dúvidas de que o cenário é preocupante e defende como estratégia viável produzir comida em sistemas agroflorestais, sistemas agroecológicos que priorizem alimentos nativos ou adaptados ao clima local. “Também devemos apostar nos processos de encurtamento de cadeias e aproximar a produção de alimentos – principalmente os mais perecíveis – de onde está o consumidor, ou seja, dos centros urbanos, onde a maior parte da comida é consumida”, ressalta.

Pellegrino também destaca outras técnicas e sistemas sustentáveis, como a integração lavoura-pecuária-floresta. “São técnicas e práticas que já existem, já foram testadas e promovem a diversificação e a intensificação da produção, a melhoria de renda e a qualidade de vida do produtor, além de reduzir as emissões e aumentar a resiliência do sistema”, salienta.

Pesquisador Giampaolo Pellegrino, presidente do Portfólio de Mudanças Climáticas da Embrapa e doutor em Água e Solo – Foto: Lilian Alves/Embrapa

Segundo ele, os pesquisadores estudam formas de aumentar a produtividade das culturas, encontrando soluções para mitigar os efeitos do aquecimento global, reduzindo emissões e adaptando culturas para os cenários futuros. “Não fazemos previsões, fazemos projeções a partir de cenários de desenvolvimento plausíveis, isto é, o que pode vir a acontecer, e com bases nelas analisamos riscos e tendências”, afirma, enfatizando: “Pesquisas demonstram que não é necessário desmatar florestas para aumentar a produtividade de plantio, pois com técnicas, estudos e pesquisas conseguimos produzir muito mais num mesmo espaço de terra”, diz Pellegrino com entusiasmo.

O pesquisador reconhece que há uma certa resistência quando o assunto é mudar uma cultura. Como incentivo para que isso aconteça, ele cita o Programa ABC, uma linha de crédito criada em 2010 para agricultura de baixa emissão de carbono, com taxas de juro diferenciadas destinadas aos agricultores que aplicarem iniciativas e utilizarem métodos de produção que ajudem a diminuir as emissões de gases de efeito estufa e, ao mesmo tempo, aumentar a adaptação à mudança climática. Com o financiamento agrícola, o plano inclui estratégias para compartilhar conhecimento tecnológico, conduzir pesquisas e inovações, regularizar questões fundiária e ambiental, campanhas publicitárias informativas e capacitação de técnicos e produtores.

O pesquisador também cita o Zoneamento Agrícola de Risco Climático (Zarc), uma ferramenta importante na política agrícola e na administração de riscos ligados à agricultura. Seu propósito é reduzir os impactos advindos de condições climáticas adversas, possibilitando a cada município identificar o período mais propício para o cultivo de diferentes safras, levando em consideração variados tipos de solo e ciclos de crescimento das plantas. Esta abordagem, de fácil compreensão e aplicação, é acessível tanto para os agricultores quanto para instituições financeiras e demais usuários envolvidos no setor.

Estima-se que existam em torno de 390 mil tipos de plantas em todo o mundo. No Brasil, são aproximadamente 46 mil. Apesar dessa diversidade, ao longo da história, a humanidade utilizou apenas cerca de mil como fonte de alimento. Atualmente, são cultivadas mais ou menos 300 espécies para diversos propósitos, como alimentação, medicina, construção e outras utilidades. Dessas, somente 15 variedades (arroz, trigo, milho, soja, sorgo, cevada, cana-de-açúcar, beterraba, feijão, amendoim, batata, batata-doce, mandioca, coco e banana) correspondem a 90% da dieta alimentar global.

Juliana afirma que esse é um ponto crucial: “é o que chamamos de monotonia alimentar. A monotonia da forma como consumimos alimentos está relacionada à monotonia com a qual produzimos alimentos. O desastre de biodiversidade é incrível, sem falar nas dependências, na concentração de mercados, nas distorções dos verdadeiros custos (efeitos colaterais) dos nossos sistemas agroalimentares”, pontua.

Diretora do Instituto Comida do Amanhã, Juliana Tângari: “O alto consumo de ultraprocessados, além de gerar uma pandemia de obesidade e Doenças Crônicas Não Transmissíveis, está fazendo mal ao planeta” – Foto: Juliana Rossoni

Pensando no Brasil, Tângari afirma que a produção nacional ainda é diversificada ou diversificável e que há muitas espécies nativas pouco consumidas. “Temos com certeza espaço para reverter esse quadro. Temos também que passar por um processo de reeducação alimentar, reeducação nutricional, para entendermos que comer mais vegetais, vegetais do Brasil, será uma boa estratégia de resiliência. O alto consumo de ultraprocessados, além de gerar uma pandemia de obesidade e Doenças Crônicas Não Transmissíveis, está fazendo mal ao planeta”, relata.

“A gente precisa dar valor à produção de alimentos – ainda que em menor escala e em produtos mais restritos – nas cidades, no meio urbano. Aos quintais que podem e devem ser produtivos de comida e de segurança alimentar”, afirma Tângari, acrescentando: “Não vai existir uma solução única; precisamos aliar diversas estratégias e ter coerência nessas estratégias: elas precisam ser alinhadas com o reconhecimento de que a alimentação saudável é um direito universal, e com o fato de que a crise climática é causa e consequência da forma como nos alimentamos.”

Na opinião de Camargo, não vai faltar comida: “Acho que a questão da fome está mais relacionada à distribuição de alimentos e ao desperdício, do que a quantidade do que é produzido”, aponta.

Pellegrino confia que há motivos para ser otimista: “Estamos encontrando maneiras de nos adaptar às mudanças. Mas precisamos, sim, de um grande esforço para que a temperatura do planeta pare de subir”, evidencia.

Fonte: ANBA

Notícias No Rio Grande do Sul

Sefaz e Seapi reúnem atores do agronegócio para discutir modelagem de serviços digitais voltados ao setor

Iniciativa teve como objetivo coletar sugestões do mercado para assegurar que as novas soluções tecnológicas desenvolvidas para a plataforma digital SIGa Agro atendam às demandas desse segmento econômico.

Publicado em

em

Foto: Anna Paula Knewitz/Ascom Sefaz

Representantes de instituições gaúchas ligadas ao agronegócio estiveram na Secretaria da Fazenda (Sefaz), na última quarta-feira (28), para discutir oportunidades de novos serviços digitais que podem ser ofertados ao setor com base em dados públicos. A iniciativa, promovida conjuntamente pela Sefaz, pela Secretaria da Agricultura, Pecuária, Produção Sustentável e Irrigação (Seapi), pelo Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação do RS (Procergs) e pela Secretaria de Planejamento, Governança e Gestão (SPGG), busca coletar sugestões do mercado para assegurar que as novas soluções tecnológicas desenvolvidas para a plataforma digital SIGa Agro atendam às demandas desse segmento econômico.

A plataforma digital SIGa (Serviços de Informações Gaúchas), lançada em 2023 durante a South Summit, reúne serviços modelados com base em dados do Estado do Rio Grande do Sul, preservando o sigilo pessoal ou resguardado por lei. O SIGa Agro será um braço da plataforma que disponibilizará funcionalidades voltadas a atores do agronegócio.

Na abertura do evento, o subsecretário do Tesouro do Estado, Eduardo Lacher, explicou que o SIGa é um dos resultados pioneiros do Programa de Inovação do Tesouro (PIT), que congrega esforços cooperativos do Estado, do setor privado e de universidades do RS em prol da modernização. Integram o PIT aproximadamente 20 projetos, estando o SIGa vinculado ao projeto Design de Novos Negócios com Dados Governamentais.

“Nosso objetivo com o SIGa e com esta parceria é transformar dados públicos em serviços inovadores de alto valor agregado para a sociedade”, resumiu o gestor.

O coordenador de Assessoria de Gabinete da Seapi, Antonio Carlos Ferreira Neto, entende que a iniciativa suprirá uma demanda antiga do universo agro: a demanda por informação. Na sua visão, “a gestão inteligente dos dados pode orientar políticas públicas de atendimento às demandas do setor privado”.

Para Karen Lopes, diretora de Negócios e de Relacionamento da Procergs, o projeto atende ao propósito do governo de gerar produtos de impacto social e econômico. “Esse projeto é relevante e muito disruptivo. O conjunto de dados trazido pela Secretaria de Agricultura abre uma grande possibilidade não só para a esfera governamental, mas também para universidades e empresas”, avaliou.

Representando a Subsecretaria de Estratégia, Governança de TIC e Digital da SPGG, o subsecretário adjunto Lucas Bens reforçou o interesse do órgão em apoiar iniciativas transversais de uso de dados do Estado. “A gente se une a este projeto tanto para trazer novas possibilidades, ofertar novos serviços, quanto para garantir que a inteligência seja trabalhada dentro de casa”, afirmou.

Durante a oficina, a equipe do SIGa no Tesouro do Estado apresentou um compilado de informações debatidas durante o workshop de cocriação realizado em julho de 2023 com a Seapi, trazendo dados com potencial de uso no projeto. Em uma dinâmica conduzida pelo Núcleo de Engenharia Organizacional da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, os participantes puderam, na sequência, pensar sobre a utilidade dos dados propostos e também compartilhar outras necessidades de informação do setor produtivo.

Os próximos passos do projeto são a consolidação dos perfis de clientes, a definição da proposta de valor para cada perfil e a realização de entrevistas individuais com potenciais clientes. A ideia é que ao longo desse primeiro semestre de 2024 os primeiros produtos já possam ser modelados e disponibilizados à sociedade.

Foram convidados para o encontro representantes de diversos ramos que estabelecem interface com o agronegócio, como entidades financeiras, seguradoras, universidades, empresas de máquinas e equipamentos, empresas de tecnologia, sindicatos e federações. Participaram profissionais da Aon Corporativo, da Federação da Agricultura do Estado do Rio Grande do Sul (Farsul), do Fundo de Desenvolvimento e Defesa Sanitária Animal (Fundesa), do Sindicato das Indústrias de Produtos Suínos do Estado do RS (SIPS), da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e da WayCarbon.

Fonte: Assessoria Sefaz/RS
Continue Lendo

Notícias

Inscrições ao Encontro Regional Abraves-PR encerram dia 08 de março

Com o tema “Gerando valor: da produção à comercialização”, evento será realizado nos dias 13 e 14 de março no Teatro Municipal, em Toledo (PR).

Publicado em

em

Presidente da Abraves-PR, Luciana Diniz: "Uma das novidades deste ano é a inclusão de um painel dedicado à logística" - Foto: Divulgação/Abraves-PR

A Associação Brasileira de Médicos Veterinários Especialistas em Suínos (Abraves), regional Paraná, promove nos dias 13 e 14 de março a 18ª edição do Encontro Regional Abraves-PR. O evento, que será realizado no Teatro Municipal, em Toledo (PR), tem como objetivo reunir profissionais do setor e estudantes para discutir questões pertinentes à suinocultura, visando promover o desenvolvimento da cadeia suinícola. O Jornal O Presente Rural é mais  uma vez parceiro de mídia do evento.

Com o tema “Gerando valor: da produção à comercialização”, o encontro visa proporcionar uma experiência enriquecedora, repleta de conhecimento, networking e inovação. A proposta é transformar o conhecimento de cada participante em ações concretas que impulsionem o crescimento da suinocultura no Paraná.

A presidente da Abraves-PR, Luciana Diniz, conduz os preparativos finais para o Encontro Regional Abraves-PR, com a meta de repetir o sucesso do ano anterior e avançar ainda mais. Segundo ela, um dos destaques deste ano é enfatizar a geração de valor em todas as fases do sistema de criação de suínos, desde a produção até a comercialização. “Uma das novidades deste ano é a inclusão de um painel dedicado à logística, abordando o carregamento e transporte na produção, com perspectivas do produtor, agroindústria e transportadores, além de considerações sobre bem-estar animal. Esse painel reflete uma demanda identificada no mercado suinícola e visa melhorar a eficiência e a sustentabilidade do setor”, enfatiza.

Luciana diz que o objetivo principal é oferecer uma experiência única, rica em conhecimento técnico, que é a marca registrada da Abraves-PR, ao mesmo tempo em que proporciona oportunidades de networking e apresenta inovações para impulsionar a suinocultura em âmbito regional e nacional. “Nosso compromisso é manter o padrão de excelência como referência em eventos técnicos”, ressalta.

Durante os dois dias de evento, os participantes terão a oportunidade de participar de diversos painéis que vão abordar temas cruciais para o setor. Os painéis serão divididos em quatro áreas principais:

  • Agronegócio e economia: mercado e cenário político/econômico: Este painel discutirá as tendências atuais do mercado suinícola, bem como os impactos do cenário político e econômico no setor.
  • Logística e produção: transporte e produção: Serão abordadas questões relacionadas à logística e transporte de suínos, além de aspectos relevantes da produção suinícola.
  • Sanidade e imunidade: doenças respiratórias: Neste painel, serão discutidas medidas de prevenção e controle de doenças respiratórias que afetam a produção suinícola, visando garantir a saúde e o bem-estar dos animais.
  • Desafios Sanitários: impacto das doenças emergentes: Serão apresentados os desafios enfrentados pela indústria suinícola devido às doenças emergentes, bem como estratégias para enfrentar esses desafios de forma eficaz.

As inscrições para o evento estão abertas e podem ser feitas clicando aqui. O valor do ingresso para profissionais é de R$ 600,00, enquanto para estudantes é de R$ 300,00. O prazo final para inscrições é dia 08 de março. Confira a programação completa em www.eventoabravespr.com.br.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Notícias

Governo gaúcho anuncia mais de R$ 200 milhões para projetos de irrigação direto ao produtor

Aporte do recurso está previsto para quatro anos em pagamento por meio de subvenção econômica.

Publicado em

em

Fotos: Gustavo Mansur/Secom

O Governo do do Rio Grande do Sul anunciou, na quinta-feira (29), R$ 213,2 milhões para a subvenção de projetos de irrigação, com estimativa de investimentos por parte dos produtores na ordem de R$ 2 bilhões. Em quatro anos, espera-se aumentar a área irrigada em 100 mil hectares, um incremento de 33% das principais culturas de sequeiro, como milho e soja. A meta é mitigar os efeitos da estiagem no Rio Grande do Sul, aumentar a reservação de água e a irrigação (elevando a produtividade das culturas) e se aproximar da autossuficiência de grãos, principalmente do milho.

Governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite: “Em vez de fazer a equalização de juros – como ocorreu no passado, sem a geração de mobilização suficiente –, optamos por um caminho no qual o Estado paga uma espécie de prêmio ao produtor que faz o investimento em irrigação”

O anúncio foi feito durante o lançamento da etapa 2 do programa de irrigação do Rio Grande do Sul, que integra as ações do Supera Estiagem. O evento ocorreu no Palácio Piratini com a presença do governador Eduardo Leite e do titular da Secretaria da Agricultura, Pecuária, Produção Sustentável e Irrigação (Seapi), Giovani Feltes. Participaram ainda outras autoridades, prefeitos e lideranças municipais e produtores rurais.

O governador disse que o caminho da subvenção dos projetos busca mobilizar um número maior de produtores e garantir mais iniciativas de investimentos em irrigação. “Em vez de fazer a equalização de juros – como ocorreu no passado, sem a geração de mobilização suficiente –, optamos por um caminho no qual o Estado paga uma espécie de prêmio ao produtor que faz o investimento em irrigação, seja com seus recursos próprios ou com financiamento”, explicou. “Ao observar isso, o Estado paga até R$100 mil ou 20% do valor do investimento como uma forma de incentivar as ações para irrigação. Queremos fazer uma grande mobilização para que os produtores conheçam essa possibilidade e realizem a adesão, expandindo a irrigação.”

O Estado pagará a subvenção ao produtor rural em parcela única, após a execução do projeto (que pode ser financiado por instituições bancárias ou por recursos próprios) e a apresentação de laudos de conclusão e dos demais documentos comprobatórios exigidos no edital. O programa é destinado a todos produtores rurais (pessoas físicas) e busca apoiar projetos de implantação ou ampliação de sistemas de irrigação (por aspersão, localizada ou por sulcos); e construção, adequação ou ampliação de reservatórios de água para fins de irrigação.

Secretaria da Agricultura, Pecuária, Produção Sustentável e Irrigação (Seapi), Giovani Feltes: “O governo está apresentando uma política permanente baseada na reservação de água e na implantação de sistemas de irrigação”

Para iniciar o programa, em 2024 estão assegurados R$ 20 milhões destinados ao pagamento parcial dos projetos de irrigação. As regras para participação serão publicadas em edital no Diário Oficial do Estado, e os projetos deverão ser encaminhados até 30 de abril de 2025. Os critérios de seleção incluem a análise e a aprovação do projeto; a situação regular do produtor rural no Cadin/RS; e a regularidade fiscal. Será observada a ordem cronológica da emissão de Declaração de Enquadramento, até o limite de disponibilidade orçamentária.

Feltes destacou que apenas 4% da área de sequeiro é irrigada, o que corresponde a cerca de 310 mil hectares. Segundo ele, aumentar a área irrigada nas lavouras é estratégico para diminuir a importação de grãos. “O governo está apresentando uma política permanente baseada na reservação de água e na implantação de sistemas de irrigação. O objetivo é aumentar 25 mil novos hectares irrigados por ano em todas as regiões do Estado por meio de um programa que é de fácil compreensão por parte do produtor rural”, destacou o secretário. “Isso porque não envolve equalização de juros nem pagamento de parcelas do financiamento, mas dinheiro direto ao beneficiário, com previsibilidade do montante a receber, deixando-o livre para buscar crédito no operador bancário de sua preferência ou até mesmo com recursos próprios.”

Primeira etapa

A primeira etapa da subvenção econômica dos projetos de irrigação foi lançada pelo governo do Estado em agosto de 2023, com edital de adesão aberto por 60 dias. O programa compreendeu o repasse de 20% do valor do projeto de irrigação, limitado a R$ 15 mil por produtor.

Foram recebidos 281 projetos, sendo que 264 foram aprovados por atenderem aos requisitos do edital. O investimento por parte dos produtores é de aproximadamente R$ 17 milhões. O governo investirá cerca de R$ 2,4 milhões, uma média de R$ 9,2 mil por beneficiário, com repasse direto ao produtor rural assim que houver a prestação de conta do sistema de irrigação em funcionamento.

Entre as finalidades de irrigação estão as culturas de pastagens, milho, fruticultura, olericultura, soja, floricultura, hidroponia, feijão e

Foto: José Fernando Ogura

fumo. Com sistema de irrigação por aspersão convencional, localizado, autopropelido e pivô central. Entre as regiões do Rio Grande do Sul que mais apresentaram projetos estão Missões (22,7%), Serra (19,2%), Alto Uruguai (17,2%) e Planalto Médio (13,3%).

O produtor rural Andre Luis Trentin, de Cruz Alta, foi um dos que enviaram projeto na primeira etapa e viram melhorias na produção. “Eu sofria bastante e não conseguia produzir pastagem suficiente para as vacas de leite. Mas me inscrevi e consegui fazer o açude, que deu bastante água. Agora estou com projeto pronto para realizar a instalação da irrigação”, contou.

Outras ações do Supera Estiagem

Durante o evento, também foram apresentados os resultados de outras medidas estruturantes que estão sendo implementadas para garantir maior produtividade e renda aos produtores do Estado.

Foto: Divulgação/Arquivo OPR

O edital de poços, lançado em agosto de 2023, recebeu a adesão de 320 municípios para a perfuração de um poço por cidade – sendo possível reutilizar o saldo para a perfuração de outro quando possível. O recurso (entre R$ 117 mil e R$ 215 mil) foi disponibilizado conforme o tipo de rocha de cada localidade e contemplava a perfuração, a bomba, o revestimento e a outorga de água. O investimento do Estado é na ordem de R$ 41 milhões e deve beneficiar 19 mil famílias.

De forma simbólica, durante o evento foi assinado um dos convênios de poços com o município de Dois Lajeados, representando as cerca de 80 cidades que estão aptas a terem seus processos publicados. Os demais seguem tramitando para a publicação do convênio.

A instalação de cisternas em propriedades rurais auxiliou 219 municípios que se habilitaram para ter até três cisternas por cidade. São 650 produtores rurais beneficiados com estruturas de 60 mil litros. O investimento do governo do Estado é de R$ 13,1 milhões, sendo que em 2023 já foram empenhados R$ 8,7 milhões.

O programa de açudes beneficiou 433 municípios, sendo possível a execução de até 12 açudes por cidade. Serão mais de 4,5 mil açudes escavados no Estado, com investimento de R$ 46,2 milhões – R$ 44,7 milhões já foram empenhados.

Fonte: Assessoria Seapi
Continue Lendo

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.