Conectado com
VOZ DO COOP

Notícias

Copagril vai ampliar área de atuação no Mato Grosso do Sul

Projeto de expansão faz parte do planejamento estratégico elaborado para o período 2023/2027.

Publicado em

em

A Cooperativa Agroindustrial Copagril está se preparando para expandir sua área de atuação no Mato Grosso do Sul, que passa por uma mudança cultural significativa na área agrícola. Anteriormente, a economia da região era baseada principalmente na pecuária, com grandes áreas de pastagens para gado de corte. No entanto, muitos produtores estão migrando para a produção de grãos, que oferece maior rentabilidade e liquidez imediata.

A Copagril está fazendo as prospecções necessárias para ajudar seus associados a fazerem os investimentos adequados para a produção de grãos, através das equipes técnicas da cooperativa, que estão habilitadas e preparadas para orientar os produtores desde o plantio até a colheita, contribuindo com esta nova cultura agrícola no Mato Grosso do Sul.

O diretor-presidente da Copagril, Eloi Darci Podkowa, destaca a mudança cultural da região do Mato Grosso do Sul e reitera que a cooperativa está ajudando a mudar o cenário desta região e contribuindo para a geração de riquezas e rendas dos municípios. A pecuária tradicional, com o uso de grandes pastagens, vem sendo substituída por confinamento, em menores dimensões. Ou seja, estamos produzindo cada vez mais em menor espaço.

De acordo o diretor-secretário da Copagril, Ademir Luis Griep, o processo de ampliação só está sendo possível graças as empresas parceiras da cooperativa.      “Essas empresas estão desenvolvendo híbridos e cultivares adaptadas para aquela região, para aquele solo e clima. Na safra deste ano, muitos produtores estão alcançando bons resultados e vendo a viabilidade econômica da atividade na região”, comentou Griep.

Para que a migração de cultura aconteça e apresente o melhor desempenho possível, as áreas remanescentes estão recebendo correção de solo para a produção de soja e milho. “Felizmente, temos tecnologia disponível para a produção de grãos com ótimos resultados no Mato Grosso do Sul. O solo está sendo preparado para a obtenção do máximo potencial produtivo das cultivares que fornecemos e nossa assistência técnica está qualificada e especializada para prestar as recomendações adequadas aos produtores associados”, ressalta Podkowa.

Estudos de viabilidade

O projeto de expansão da Copagril para o Mato Grosso do Sul faz parte do planejamento estratégico elaborado para o período 2023/2027. De acordo com Podkowa, foram realizados estudos de viabilidade que direcionaram o projeto de expansão para os municípios de Ivinhema, Vicentina, Glória de Dourados e Fátima do Sul.

O primeiro município a receber uma unidade da Copagril será Ivinhema, com uma loja agropecuária já preparada para instalação. Para o futuro, já são planejadas estruturas para armazéns e colocação de silos.

Para que o projeto atenda as expectativas da cooperativa, a equipe técnica está à campo por toda a região ouvindo e conversando com associados e produtores, lideranças e prefeitos para avaliar possibilidade do projeto. “O Mato Grosso do Sul é um estado de suma importância para o crescimento da Copagril, e nós vemos a região como uma boa fronteira de expansão para a cooperativa, tanto no setor da pecuária quanto no agrícola”, afirmou Podkowa.

Ainda de acordo com ele, a Copagril quer fazer parte da mudança cultural do estado que está expandido sua área de produção de grãos.

Mesmo ainda não estando nos municípios previstos para a área de expansão, a cooperativa já possui produtores associados à cooperativa, isso demostra a importância da cooperativa na região e que o projeto será um sucesso.

Fonte: Assessoria Copagril

Notícias Últimos dias

Palestra sobre Nutrição Mineral e Doença de Planta é destaque do 10º Abisolo Fórum e Exposição

Apresentação integra circuito que debaterá inovação, sustentabilidade e inteligência de mercado nos dias 05 e 06 de junho, em Campinas (SP).

Publicado em

em

A 10ª edição da Abisolo Fórum e Exposição trará para a cidade de Campinas (SP) um circuito de palestras sobre inovação, sustentabilidade econômica e inteligência de mercado, nos dias 05 e 06 de junho. “Nutrição Mineral e Doença de Plantas” é destaque da programação do dia 06 e será apresentada pelo professor da Universidade Federal de Viçosa (UFV), Fabrício Ávila Rodrigues. Ele é engenheiro agrônomo e doutor em Fitopatologia pela Universidade da Flórida, Gainesville (EUA).

A apresentação abordará as relações entre doenças de plantas, os macro, micro e nano nutrientes benéficos, apresentando novas hipóteses e descobertas recentes sobre o assunto. Exemplo disso são os impactos positivos na redução do desenvolvimento das fitopatologias, por meio da interação entre selênio e elementos de terras raras.

O docente também vai propor reflexões sobre os novos desenvolvimentos em nanotecnologia, explicando como muitos nutrientes para plantas se comportam de maneira diferente quando aplicados em nanoescalas. O conteúdo da palestra é baseado na segunda edição atualizada do livro acadêmico “Nutrição Mineral e Doença de Plantas”, de Lawrence Datnoff e Wade Elmer, traduzido e editado pelo professor, com apoio da Abisolo. “Minha intenção é que os participantes ampliem a compreensão sobre nutrição vegetal e as estratégias inovadoras e sustentáveis para o manejo das doenças de plantas, esclarecendo os benefícios não apenas de toda a escala produtiva, mas o desenvolvimento econômico e social como um todo”, comenta Rodrigues.

Considerada a maior feira da indústria de fertilizantes da América Latina, a 10ª edição Abisolo Fórum e Exposição está dividida em quatro painéis para proporcionar trocas de informações, experiências e gerações de novos negócios para o segmento.

Painéis temáticos

A programação do 10º Abisolo – Fórum e Exposição está dividida em quatro painéis.  No dia 05 de novembro, primeiro dia do evento, o painel de abertura será dedicado ao tema “Ambiente de negócios e competitividade”, considerando a competitividade internacional do agronegócio, segurança jurídica, ambiente de negócios, sustentabilidade da produção agrícola brasileira e o mercado de carbono.

Em seguida, no período da tarde, o segundo painel vai tratar da “Sustentabilidade Econômica da Produção Agrícola”. As palestras nesse painel vão apresentar o cenário macroeconômico, político e geopolítico do setor de fertilizantes.

No dia 06, a programação da manhã será retomada com o terceiro painel, dedicado a mostrar a “Evolução tecnológica do setor”. Neste painel serão apresentadas pesquisas científicas recentes com temas relacionados aos aspectos fisiológicos da absorção foliar; interação entre a nutrição mineral e doença de planta; a mitigação de estresse abiótico e os microrganismos solubilizadores de nutrientes.

O quarto e último painel do evento será dedicado à Inteligência de Mercado, quando será apresentado o potencial de adoção de uso dos fertilizantes especiais nas culturas: soja, milho e cana-de-açúcar.

Para acompanhar a agenda do evento X Abisolo – Fórum e Exposição, conhecer outros palestrantes e efetuar inscrições, basta acessar o site do evento:  forum.abisolo.com.br

Fonte: Assessoria Abisolo
Continue Lendo

Notícias

Bem-estar animal e biosseguridade encerram debates do 24º SBSA

Zootecnista Victor Abreu de Lima e a médica-veterinária Isabella Lourenço dos Santos abordaram as temáticas, encerrando a programação técnica do evento.

Publicado em

em

Isabella Lourenço dos Santos apontou que a avicultura brasileira tem três grandes desafios pela frente: a abertura de novos mercados, a dinamização dos mercados existentes e a manutenção status sanitário dos plantéis - Fotos: Divulgação/MB Comunicação

O mundo passa por grandes mudanças em diversos setores e a avicultura, assim como outros sistemas de produção animal, apresenta desafios tanto imediatos quanto ao longo dos próximos dez anos.  Entre os debates em destaque na agropecuária mundial está o bem-estar animal, tema abordado pelo zootecnista Victor Abreu de Lima em sua palestra “implementação de indicadores de bem-estar animal como ferramenta de gestão da avicultura”, no 24º Simpósio Brasil Sul de Avicultura. A apresentação integrou o Bloco Manejo e ocorreu na quinta-feira (11), último dia do evento promovido pelo Núcleo Oeste de Médicos Veterinários e Zootecnistas (Nucleovet).

Zootecnista Victor Abreu de Lima abordou a implementação de indicadores de bem-estar animal como ferramenta de gestão da avicultura

Alguns exemplos de desafios emergentes na avicultura, segundo o especialista em Gestão de Projetos Inovadores, são o desenvolvimento de novas tecnologias e mudanças em prol de melhores práticas de manejo dos animais. “Um dos motivos dessas transformações está relacionado com a demanda dos consumidores. As novas gerações estão cada vez mais atentas aos processos de produção de aves. A facilidade para obtenção de informação na internet e nas redes sociais tem impulsionado cobranças por melhores práticas na produção animal”, destacou Victor ao introduzir sua explanação.

O zootecnista relatou que os indicadores de bem-estar animal começaram a ser produzidos no ano de 2009. “Esse é um grande avanço, um projeto que iniciou em 2009 e hoje fazem parte do dia a dia de empresas e auditorias de bem-estar”. Victor evidenciou que os indicadores permitem avaliar as condições dos animais como o conforto térmico, através da observação de comportamento, a limpeza e o manejo.

“Bem-estar animal é ciência e precisamos tratá-lo dessa maneira”. São aplicados atualmente, segundo o especialista, cinco domínios de avaliação de bem-estar animal. Estes interferem de forma conjunta no animal e não podem ser avaliados sem levar em consideração a influência que um tem sobre o outro. Baseado nesses elementos é possível desenvolver os indicadores de bem-estar, evidenciou. Os cinco domínios apresentados são nutrição, ambiente, saúde, comportamento e estado mental. “Para atender os domínios é necessário compreender os desafios, entender os pontos críticos e mensurar os indicadores”.

 Zootecnista Victor Abreu de Lima evidenciou que os indicadores permitem avaliar as condições dos animais como o conforto térmico, a limpeza e o manejo

De acordo com o especialista, se o manejo for feito inadequadamente, corre-se o risco de ter grande prejuízos no bem-estar animal, bem como prejuízos financeiros. Victor apresentou estatísticas que demonstraram como os treinamentos para manejo são capazes de transformar os resultados obtidos nas granjas.

Novas praticas na produção de aves estão sendo propostas por organizações envolvidas com o setor, como é o caso do Better Chicken Commitment (BCC), explanou o zootecnista. “O BCC é um compromisso voluntario adotado por algumas empresas que vem ganhando destaque nos últimos anos. O projeto tem como objetivo principal melhorar as condições de bem-estar dos frangos de corte nos sistemas produtivos”. Dentre as propostas sugeridas pelo BCC estão alojar as aves em uma densidade, fornecer enriquecimento ambiental, propor auditoria de terceiros e mudança das linhagens de criação buscando genéticas de crescimento mais lento. “O bem-estar animal é um grande desafio, mas temos a capacidade superá-lo”.

Biosseguridade e desempenho zootécnico

Sabe-se que a biosseguridade e o desempenho zootécnico estão associados. Mas como encontrar o equilíbrio entre eles? A questão foi discutida pela médica-veterinária Isabella Lourenço dos Santos nesta quinta-feira (11), durante o 24º Simpósio Brasil Sul de Avicultura.

A biosseguridade é a medida mais efetiva para controle e prevenção de doenças em aves e para a manutenção de um status sanitário adequado aos lotes. Porém, a especialista alertou sobre seus conceitos não serem levados em consideração da maneira como deveriam. “O problema é que o clima mudou, a ave mudou, o manejo mudou. Tudo está mais potencializado e muitas vezes a ferramenta é avaliada como uma questão de custo-benefício. E não pode ser assim. Biosseguridade é uma avaliação de risco. Até onde eu posso ir sem garantir risco à minha produtividade? Porque não existe nenhuma atividade com zero risco.”

A médica-veterinária Isabella Lourenço dos Santos destacou a importância da biosseguridade e do desempenho zootécnico

Segundo Isabella, somente o equilíbrio entre os fatores vai permitir uma produtividade com um custo de produção adequado, garantindo desempenho e condenação, e trabalhando a biosseguridade como uma ferramenta principal para a prevenção e o controle de doenças. Para exemplificar a importância do conjunto de procedimentos técnicos, a palestrante apresentou o entendimento da tríade epidemiológica, que afirma que a doença é o resultado das forças dentro de um sistema dinâmico e consiste de um sistema com agente da infecção, hospedeiro e meio ambiente.

Destacou ainda a equação da situação sanitária avícola que aponta como as falhas de manejo, de integridade intestinal, dos fatores imunossupressores e falhas respiratórias resultam significativamente em baixo desemprenho produtivo. “A equação é simples. Quanto maior for a pressão de contaminação do meu ambiente, maior será a pressão de infecção para a as aves, maior será o gasto energético e menor será o desempenho”, refletiu Isabella.

Ao finalizar sua exposição, a especialista apontou que a avicultura brasileira tem três grandes desafios pela frente: a abertura de novos mercados, a dinamização dos mercados existentes e a manutenção status sanitário dos plantéis. “Quando aplicamos os conceitos de biosseguridade, eles são traduzidos em desempenho técnico e, no final, esse é o objetivo. Se tivermos um programa estabelecido, um programa efetivo de biosseguridade, ele com certeza estará atrelado a melhores resultados. E talvez esse é o nosso principal foco hoje em dia como avicultura”.

 

Fonte: Assessoria SBSA
Continue Lendo

Notícias No Rio Grande do Sul

Prazo para adequação da área de biosseguridade das granjas de suínos esgota em 40 dias

Primeiro passo, cujo prazo está correndo, é preencher, na Plataforma de Defesa Sanitária Animal do Rio Grande do Sul, o questionário com o plano de ação, onde o próprio responsável técnico irá indicar os prazos para cumprimento de cada item de exigência.

Publicado em

em

Foto: Divulgação/Fundesa-RS

Dezenas de responsáveis técnicos de agroindústrias e de produtores independentes participaram essa semana de encontro virtual do Conselho Técnico Operacional da Suinocultura (CTOS) do Fundesa-RS. O objetivo foi esclarecer os profissionais sobre a Instrução Normativa nº 10 da Secretaria da Agricultura do Rio Grande do Sul que prevê ações na área de biosseguridade.

O primeiro prazo para o cumprimento das obrigações sanitárias previstas pela IN se esgota em 40 dias (22 de maio) e o produtor que não realizar poderá ficar impedido de alojar novos animais. “Neste encontro, esclarecemos sobre os itens que precisam ser cumpridos e cada prazo”, explica a coordenadora do Programa Nacional de Sanidade Suídea no Rio Grande do Sul , Gabriela Cavagni.

O primeiro passo, cujo prazo está correndo, é preencher, na Plataforma de Defesa Sanitária Animal do Rio Grande do Sul (PDSA-RS), o questionário com o plano de ação, onde o próprio responsável técnico irá indicar os prazos para cumprimento de cada item de exigência. Neste primeiro momento as exigências são básicas, não havendo necessidade de grandes investimentos. “Salientamos a importância da elaboração de um plano de ação com o cronograma de adequação da granja de acordo com os demais prazos estabelecidos na instrução normativa”, explica a consultora do Sindicato das Indústrias de Produtos Suínos, Ildara Vargas.

Encontros Regionais

Para alcançar o maior número de produtores nas principais regiões da suinocultura gaúcha, o Fundo de Desenvolvimento e Defesa Sanitária Animal do Rio Grande do Sul, em parceria com a Secretaria da Agricultura, Superintendência do Ministério da Agricultura no Rio Grande do Sul e a Universidade Federal de Santa Maria vão realizar no próximo mês uma rodada de capacitações.

Os encontros vão acontecer nos dias 27, 28 e 29 de maio em Estrela, Passo Fundo e Santa Rosa e vão contar com apresentações sobre a IN10, a PDSA e biosseguridade em granjas comerciais de suínos no Rio Grande do Sul.

27/05 – Estrela (tarde)
28/05 – Passo Fundo (manhã)
29/05 – Santa Rosa (manhã)

Fonte: Assessoria Fundesa-RS
Continue Lendo
SIAVS 2024 E

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.