Conectado com
VOZ DO COOP

Bovinos / Grãos / Máquinas

Conheças as estratégias do Paraná para a evolução da cadeira leiteira

Estado tem boas perspectivas para crescimento na produção de leite com vacas produzindo 40 litros de leite e 4% de gordura.

Publicado em

em

Fotos: Shutterstock

A produção leiteira no Brasil vem crescendo anualmente e é uma importante fonte de renda para centenas de produtores em todo o país. No Paraná, que é o segundo maior produtor nacional, o pecuarista tem aproveitado as oportunidades de mercado e se destacado na atividade. “Isso se deve principalmente por conta de três fatores: a genética dos animais, o sistema cooperativista e a pesquisa”, afirma o superintendente da Associação Brasileira de Criadores de Bovinos da Raça Holandesa (APCBRH), Timotheo Silveira.

De acordo com ele, a genética é um diferencial importante. “Os produtores paranaenses têm investido em melhoramento genético, selecionando animais com características produtivas e adaptadas às condições locais. Historicamente, a cultura europeia registra os animais e controla o pedigree de raças puras. Isso resulta em animais mais selecionados para a produção de leite e com maior eficiência em produção, principalmente na produção por hectare, quando pensamos em animais fechados em free-stall”, comenta.

Superintendente da Associação Brasileira de Criadores de Bovinos da Raça Holandesa, Timotheo Silveira – Foto: Arquivo Pessoal

Silveira explica que o segundo ponto citado, o sistema cooperativista, desempenha um papel fundamental na atividade paranaense. “No Paraná, existem diversas cooperativas que promovem a união e a colaboração entre os produtores. Elas oferecem suporte técnico, infraestrutura e assistência na comercialização do leite, possibilitando uma produção mais organizada e competitiva”.

Já quando o assunto é pesquisa, o superintendente afirma que este tem sido um elemento chave para o sucesso dos produtores. “O Estado conta com instituições de pesquisa que desenvolvem estudos e tecnologias voltadas para o setor. Essas pesquisas auxiliam os produtores na adoção de práticas mais eficientes, no manejo nutricional, no controle sanitário e na implementação de novas técnicas de produção. Estudos na área de produção vegetal impactam diretamente a produção de leite. A divulgação e disseminação de tecnologias atraem os produtores a buscar por novas tecnologias”, explica.

Para o superintendente da associação, a combinação da genética dos animais, do sistema cooperativista e da pesquisa fortalece a atividade leiteira, permitindo que os produtores enfrentem os desafios e prosperem nesse setor tão exigente. “Existem diversos fatores que contribuem para os bons retornos na pecuária leiteira. Primeiramente, a demanda por produtos lácteos tem se mantido estável e, em muitos casos, tem apresentado crescimento. Isso garante um mercado consumidor consistente e oportunidades de comercialização para os produtores”, afirma.

Outro ponto apresentado é que a produção de leite tem um ciclo mais curto em comparação com a agricultura, permitindo uma geração de renda mais rápida. “Enquanto a agricultura depende do ciclo de plantio, crescimento e colheita das culturas, a produção de leite ocorre diariamente, possibilitando uma receita constante ao longo do ano. O que para muitos produtores em sistema de produção é interessante para a diversificação da renda a partir da produção. Podemos inclusive pensar que a proteína produzida no vegetal, ao transformar em animal, agrega valor. De forma indireta, a cultura do produtor do Paraná é o de diversificar com a criação de animais, principalmente aqueles de cultura europeia, que gostam do trabalho com animais”, diz.

Silveira comenta ainda que outro detalhe importante é a diversificação de produtos. Segundo ele, os produtores de leite têm a possibilidade de diversificar sua produção, explorando a fabricação de queijos, iogurtes, leite condensado e outros derivados lácteos. “Isso agrega valor ao leite e proporciona oportunidades adicionais de negócio”.

Além disso, a adoção de tecnologias e boas práticas de manejo tem contribuído para aumentar a eficiência e a produtividade na pecuária leiteira. “A utilização de sistemas de ordenha automatizados, controle de qualidade do leite, manejo nutricional adequado e aprimoramento genético são exemplos de práticas que ajudam os produtores a obter melhores resultados econômicos”, comenta.

Produzindo mais

cow on a white background isolated

O superintendente afirma que o Paraná ainda tem boas possibilidades de crescimento na atividade leiteira. “Apesar de já ser o segundo maior produtor de leite do país, o Paraná ainda tem potencial para crescer e os produtores podem aumentar sua produtividade. Existem algumas oportunidades e desafios que podem impulsionar o setor lácteo no Estado”, afirma. Ele explica que em relação às oportunidades, o Paraná possui uma base genética sólida de animais leiteiros, o que permite melhorar a produtividade do rebanho. Através da seleção e do melhoramento genético, os produtores podem buscar animais mais produtivos e resistentes a doenças, resultando em maior eficiência na produção. “A produção de leite em rebanhos com 40 litros e 4% de gordura já é uma realidade. Falamos de qualidade altíssima e a possibilidade de rebanhos cada vez maiores”.

Ele comenta que investimentos em pesquisas voltadas para nutrição animal, manejo eficiente, melhoramento genético e tecnologias aplicadas à produção de leite podem trazer avanços significativos para os produtores paranaenses. No entanto, também há desafios a serem enfrentados. “Um deles é a infraestrutura rural, como estradas de qualidade para facilitar o escoamento da produção e o acesso aos insumos. Além disso, é importante o apoio governamental na forma de políticas públicas e incentivos para a modernização das propriedades e para a capacitação dos produtores”, argumenta.

Outro ponto levantado por Silveira é sobre a proteção do setor, que vem sendo discutida muito. “A localização geográfica do Estado possibilita a exportação para outros países da América Latina. O que nesse momento é um ponto crucial, tendo em vista a entrada (no Brasil) de muito leite em pó.

Temos que pensar no Brasil como exportador e não como importador. Primeiro precisamos tornar a competição interna melhor em preços ao produtor, para que então possamos ter mais desenvolvimento e aí sim poder ser competitivo lá fora”.

O especialista afirma ainda que a pecuária leiteira segue o caminho de produzir mais com menos, assim como outras atividades do agronegócio nacional. “A busca pela eficiência produtiva e sustentabilidade é uma realidade no setor. Margens sempre apertadas pela alta dos insumos, ao mesmo tempo em que se busca minimizar o impacto ambiental e otimizar os recursos disponíveis pela pressão ambiental dos grandes centros e países europeus”, conta.

Ele explica que uma das principais estratégias adotadas na pecuária leiteira é o uso de tecnologias avançadas de manejo e genética. “Por meio da seleção criteriosa de animais e programas de melhoramento genético é possível obter animais mais produtivos, com melhor conversão alimentar e maior produção. Falamos aqui de melhorias em reprodução e saúde animal ligados ao bem-estar. Isso resulta em uma produção de leite mais eficiente, com um maior rendimento por animal”, explica.

Além disso, a adoção de práticas de manejo adequadas também é essencial. Segundo Silveira, isso inclui boas práticas de ordenha, controle sanitário eficiente, manejo adequado do pasto, bem-estar animal e cuidados com a reprodução. “Essas práticas visam maximizar a produtividade do rebanho, garantindo o bem-estar dos animais, que são temas diretos voltados aos mercados consumidores”, diz. Ele comenta ainda que a combinação de avanços genéticos, nutrição animal adequada, práticas de manejo eficientes e uso de tecnologias de automação contribui para produzir mais leite com menor impacto ambiental, garantindo a sustentabilidade e a competitividade do setor no agronegócio.

Desafios e oportunidades

De acordo com o superintendente, atualmente os produtores paranaenses enfrentam alguns desafios significativos em relação a atividade leiteira. Alguns dos principais são: custo de produção, rentabilidade, competitividade sustentabilidade ambiental. “O aumento dos custos de insumos, como alimentação, energia, mão de obra e insumos veterinários, representa um desafio para os produtores. É essencial buscar estratégias para reduzir custos sem comprometer a qualidade e a produtividade do rebanho”, avalia.

Ele comenta ainda que os produtores precisam encontrar maneiras de aumentar a eficiência produtiva, melhorar a gestão financeira e encontrar nichos de mercado que valorizem o produto e proporcionem margens de lucro mais atraentes.

Sobre sustentabilidade ambiental, Silveira defende que a preocupação é cada vez mais importante. “Os produtores enfrentam desafios relacionados à gestão de resíduos, conservação do solo e da água, redução das emissões de gases de efeito estufa e preservação da biodiversidade. É fundamental adotar práticas sustentáveis que garantam a viabilidade do setor a longo prazo, principalmente atendendo a pressões dos mercados externos”, afirma.

E quando se fala em perspectivas, o especialista afirma que a atividade leiteira no Paraná também apresenta oportunidades para os produtores, como mercado interno em expansão, exportações, valorização da genética e o cooperativismo. Quanto ao primeiro ponto, ele diz que o mercado consumidor de produtos lácteos no Brasil continua em crescimento, oferecendo oportunidades para os produtores paranaenses atenderem à demanda crescente por leite e seus derivados. “Os recentes aumentos na importação de lácteos demonstram que espaço para crescimento existe”, comenta.

Ele acrescenta ainda que o mercado internacional também representa uma oportunidade para os produtores paranaenses. “A diversificação de produtos, como leite em pó, queijos e leites especiais, pode ser uma estratégia para aproveitar essas oportunidades, principalmente devido ao posicionamento geográfico do Estado na América do Sul”, avalia. Além disso, ele reforça que a genética dos animais é um diferencial. “A valorização da genética é uma oportunidade que a cada dia está mais próxima. Entre os 10 melhores touros genéticos do mundo está um animal do Paraná, demonstrando a qualidade genética do Brasil e do Estado alinhado a animais do mundo”, afirma.

Silveira reitera que o sistema cooperativista tem desempenhado um papel fundamental na organização dos produtores e no fortalecimento da cadeia produtiva do leite. “A união e cooperação entre os produtores é uma oportunidade para superar desafios e obter resultados melhores na coordenação da cadeia, principalmente na defesa do produtor sobre as oportunidades de negócio e mercado”. Ele afirma ainda que com planejamento estratégico, inovação e compromisso com a qualidade, os produtores paranaenses podem prosperar na atividade, contribuindo para o desenvolvimento sustentável do agronegócio e suprindo a demanda por lácteos, tanto no mercado interno quanto no externo.

 

Fonte: O Presente Rural

Bovinos / Grãos / Máquinas

Suplementação com Vitamina A contribui para melhoria da reprodução em bovinos

Deficiência de Vitamina A pode levar a transtornos reprodutivos em machos e fêmeas.

Publicado em

em

Foto: Divulgação/Arquivo OPR

A pecuária nacional vem se modificando aos longos dos anos notando-se uma evolução nos processos produtivos, resultando no aumento da produção e produtividade dos nossos rebanhos. A mudança do perfil do produtor, que pressionado por questões mercadológicas e outros fatores (econômicos, produtivos) fizeram com que adotassem inovações tecnológicas que segundo Wedekin, (2017), levaram a melhorar a eficiência produtiva em termos de quantidade e qualidade da carne bovina.

Artigo pelo médico-veterinário, PhD em História das Ciências e professor e coordenador dos cursos da Plataforma EAD VeteAgroGestão/Farmácia na Fazenda, Guilherme Augusto Vieira – Foto: Divulgação

Entre as inovações tecnológicas destacam-se a utilização da produção intensiva para engorda (confinamento e semiconfinamento) na pecuária de ciclo curto, e no campo da reprodução um avanço nos sistemas reprodutivos nas fazendas brasileiras com a IATF (inseminação artificial em tempo fixo), aperfeiçoamento da monta natural e outras técnicas como transplante de embriões e fertilização in vitro, tudo isso com o objetivo no aumento da eficiência reprodutiva e a produção de um bezerro por ano. Todas as inovações tecnológicas desenvolvidas visam atender as exigências dos animais de alta performance.

Entretanto, apesar dos avanços da produção pecuária, Pires et al (2010), enfatiza que há necessidade de aumentar a eficiência da produção bovinos corte (engorda em pastagens), mas também o aumento da eficiência reprodutiva dos rebanhos.

De acordo com os autores, vários fatores influenciam na eficiência reprodutiva dos rebanhos, dentre eles as deficiências nutricionais.

Vários autores enfatizam a relação entre a nutrição e a reprodução. De acordo com Robinson et al (1996, 2006) apud Almeida (2024) et al, há uma estreita relação entre fertilidade, condição corporal e estado nutricional nas fêmeas de ruminantes, onde a nutrição influencia a fertilidade, desenvolvimento dos folículos, ovulação, maturação oocitária, fertilização, sobrevivência embrionária e a gestação. Nos machos também a nutrição interfere na reprodução como na espermatogênese, produção de hormônios, condição corporal entre outros fatores (Neiva, 1996).

Corroborando com Neiva (1996), Robinson et al (2006), Maggioni et al (2008), enfatizam que a alimentação e os nutrientes exercem influência na reprodução, sendo que os níveis nutricionais afetam o desenvolvimento e a função dos órgãos reprodutivos tanto nas fêmeas quanto nos machos.

Segundo Maggioni (2008) e Pires (2010), ao serem absorvidos no organismo, os nutrientes apresentam escalas de prioridades orgânicas em sua rota metabólica, entre elas: metabolismo basal, atividades (andar, deitar, entre outros), crescimento, reservas corporais, lactação, engorda, reservas corporais, ciclo estral e início da gestão. Entretanto, conforme demonstrado, o organismo animal só direcionará nutrientes para as atividades reprodutivas quando todas as prioridades anteriores estiverem atendidas, ressaltando que uma dieta deficiente em nutrientes e com suplementação inadequada irá prejudicar os órgãos com baixa prioridade.

Conforme Maggioni et al (2008) e Pires et al (2010) são vários os nutrientes que interferem na reprodução, destacando-se a energia, proteínas, gorduras, vitaminas (A e E), minerais (fósforo, cobre, zinco, manganês e selênio). Contudo, os autores esclarecem que embora os nutrientes sejam estudados separadamente, eles agem de forma conjunta para determinar a fertilidade dos animais. Portanto, ao analisar as questões nutricionais ligados a infertilidade dos machos ou fêmeas, devem ser analisados um ou mais fatores nutricionais.

As vitaminas são substâncias orgânicas, que mesmo em pequenas quantidades, são essenciais para a saúde, o crescimento, a reprodução e a manutenção das espécies animais. As deficiências de vitaminas são denominadas de hipovitaminoses ou avitaminoses, que podem ser resultantes de uma nutrição inadequada e desequilibrada. Entretanto, os animais podem requerer uma maior quantidade de vitaminas em situações específicas durante o crescimento, lactação, prenhez, estresse, infecções, manejo reprodutivo entre outras ocasiões especiais (Medeiros & Paulino, 2011).

Neste contexto, a deficiência de Vitamina A e sua interpelação com a reprodução será analisada neste artigo assim como as formas de suplementação para contribuir no seu ajuste nutricional.

Vitamina A: funções fisiológicas e deficiências nutricionais

A vitamina A é uma vitamina lipossolúvel, segundo Fontaine & Cadoré (2001), a vitamina A só existe na sua forma mais pura nos alimentos de origem animal ou no estado de molécula sintética. As fontes naturais mais importantes são os óleos de certos peixes marinhos (bacalhau e tubarão). Também está presente no fígado de todos os animais, na gema de ovo, leite e seus derivados.

Nos vegetais, a vitamina A se encontra na forma de provitaminas (precursores). Essas provitaminas são pigmentos carotenoides que são transformados em retinol no organismo animal. O principal precursor (mais ativo) da vitamina A é o betacaroteno, que é encontrado nos alimentos, tais como vegetais de cor amarela, laranja ou verde (frutas, legumes e verduras). O pasto verde é considerado uma fonte rica em betacaroteno, sendo que o pasto seco e o feno apresentam baixos teores de betacaroteno (Teixeira, 1996; Fontaine & Cadoré, 2001; Medeiros & Paulino, 2011).

No organismo, o betacaroteno é transformado em vitamina A em duas vias: na mucosa do intestino delgado onde é absorvido e transportado pela corrente sanguínea; no fígado por hidrólise enzimática, onde é armazenado nas células de Kupfer, a qual é liberado na forma de álcool livre para ser transportado para outros tecidos (Teixeira, 1996; Medeiros & Paulino, 2011).

Quanto as suas funções fisiológicas, a vitamina A intervém no mecanismo da visão, permitindo a síntese dos pigmentos fotossensíveis do olho (rodopsina e iodopsina), sendo importante para a visão. Quanto a ação na reprodução, atua na síntese de hormônios esteroidais a partir do colesterol orgânico, nas gônadas, placenta e adrenais.

Outra grande função fisiológica é a sua participação de modo importante na síntese das glicoproteínas, na regulação da síntese da queratina, no metabolismo das lipoproteínas, na síntese do colesterol e na síntese do RNA mensageiro (Teixeira, 1996; Fontaine & Cadoré, 2001; Medeiros & Paulino, 2011).

Os autores afirmam que tais ações fisiológicas explicam seu papel fundamental como a vitamina do crescimento ósseo (síntese da condroitina) e muscular, na manutenção dos epitélios queratinizados e não queratinizados (mucosas digestiva, respiratória, ocular e geniturinária), além da sua atuação na reprodução e desenvolvimento embrionário.

A deficiência de vitamina A ocorre devido ao consumo de dieta pobres em retinol ou betacaroteno, no caso dos herbívoros, ingestão de pasto seco ou feno. Afecções hepáticas, fatores de estresse, problemas intestinais ou outros fatores que dificultam a absorção da vitamina A, levando a quadros de avitaminose ou hipovitaminose (Teixeira,1996; Fontaine & Cadoré, 2001; Pires et al,2010; Medeiros & Paulino, 2011).

Os mesmos autores explicam que a deficiência de vitamina A acarreta uma série de problemas no organismo devido a quantidades insuficientes para manter suas funções normais. Como consequência da carência da vitamina A ocorre uma degeneração da mucosa de diversos órgãos (tecidos do trato respiratório, urogenital, rins, glândulas salivares e olhos) debilitando o epitélio normal, tendo como resultado a baixa resistência às infecções, levando a incidência de doenças bacterianas e parasitárias.

Os quadros mais comuns de deficiência de vitamina A observados em todos os animais são afecções cutâneas e pelos sem brilho, quanto a visão são a cegueira noturna, ceratoconjuntivites, xeroftalmia. Podem ser observados ainda como resultante da carência de vitamina A: cálculos urinários, atrofia glandular, modelagem incorreta dos ossos, diminuição do apetite, ganho de peso e do crescimento.

Vitamina A e a Reprodução

Valentim et al (2019) destaca a importância da vitamina A na reprodução animal, no qual a sua deficiência pode levar a sérios distúrbios reprodutivos.

Segundo Pires et al (2010), a deficiência de vitamina A leva a baixas taxas de fertilidade e concepção nas fêmeas, redução na duração da gestação, abortos, aumento na incidência de retenção de placenta. Os autores citam trabalhos realizados na Alemanha em que os pesquisadores associaram altos níveis de betacaroteno no corpo lúteo de vacas leiteiras com um melhor desempenho reprodutivo, caracterizado por diminuição no tempo de serviço, menor número de serviços por concepção e uma reduzida incidência de cio silencioso e ovário cístico.

Também são observados reabsorção e malformação fetal (Medeiros & Paulino, 2011).

Nos machos, os quadros carenciais apontam uma diminuição na habilidade e atividade sexual, espermatozoides anormais com reduzida motilidade, degeneração dos túbulos seminíferos nos bovinos jovens e injúrias testiculares gerais, tudo isso se deve ao fato da supressão da liberação de gonadotropinas hipofisárias e noutros casos, a espermatogênese é impedida e as funções das células de Sertoli e de Leydig são alteradas (Teixeira, 1996; Silva, 2020).

Suplementação de vitamina A

Teoricamente, as forragens consideradas de alta qualidade, devem ser capazes de fornecer os nutrientes necessários para atender as exigências dos animais em pastejo, quais sejam energia, proteína, vitaminas e minerais (Paulino, 2004).

Entretanto, a qualidade das pastagens no Brasil tem na sazonalidade climática (pastagens verdes na época das chuvas e secas nas épocas de estiagem) um dos fatores limitantes para o desenvolvimento produtivo dos animais, comprometendo a reprodução, engorda, recria e demais índices produtivos (Vieira, 2019).

Diante do exposto, Paulino et al (2004) sugere que nos locais produtivos onde não há possibilidade de produção e fornecimento contínuo de pastagens de qualidade ao longo do ano, o uso de sistemas de alimentação combinando pastagens, fornecimento de silagens, feno, suplementos alimentares adicionais, são requeridos para viabilizar o ajuste nutricional necessário e com isso atender as necessidades nutricionais dos animais.

No caso da vitamina A, além do fornecimento de silagens, fenos de boa qualidade (mais econômico), a suplementação pode ser por meio de rações concentradas, suplementos alimentares em pó e suplementos injetáveis.

No mercado encontram-se suplementos injetáveis a base de vitamina A e suplementos injetáveis múltiplos que contem além da vitamina A, outros nutrientes. A grande vantagem do uso dos suplementos injetáveis é que eles são absorvidos de forma mais rápida pelo organismo, adentram na corrente sanguínea promovendo ações mais rápidas, no que tange a prevenção e na correção dos sintomas carenciais.

Diante do exposto demonstrou-se a importância da nutrição em relação a reprodução animal, no qual a deficiência nutricional interfere sobre maneira nos processos reprodutivos, levando a sérios transtornos reprodutivos. Evidenciou-se a gravidade da deficiência de vitamina A, no qual leva a uma série de intercorrências reprodutivas em fêmeas e machos bovinos.

De acordo com o enfatizado por Pires et al (2010) os nutrientes agem em conjunto para determinar a fertilidade do animal. Portanto ao serem analisados casos de infertilidades, devem-se considerar outras carências nutricionais presentes no rebanho, assim como outras causas multifatoriais que acometem os processos reprodutivos.

A principal fonte de betacaroteno (precursor da vitamina A) para os bovinos são as pastagens verdes. Entretanto, devido a importância da vitamina A e de outros nutrientes na produção e reprodução animal, os produtores e técnicos de ciências agrárias devem considerar o uso de suplementos na prevenção e correção dos sinais carenciais, principalmente em função sazonalidade climática no Brasil.

É muito importante alertar sobre mais um fator que interfere na reprodução animal, pois cada vez mais a pecuária caminha para a produção de excelência.

As referências bibliográficas estão com o autor. Contato pelo e-mail guilherme@farmacianafazenda.com.br.

Fonte: Por Guilherme Augusto Vieira, médico-veterinário, PhD em História das Ciências e professor e coordenador dos cursos da Plataforma EAD VeteAgroGestão/Farmácia na Fazenda 
Continue Lendo

Bovinos / Grãos / Máquinas

Produção brasileira de carne bovina bate recorde em 2023

Pesquisadores do Cepea avaliam números preliminares do IBGE e apontam a concordância com o que preços mostraram ao longo de 2023: a oferta superou a demanda

Publicado em

em

Foto: Wenderson Araujo/CNA

A produção de carne bovina foi recorde em 2023. Na avaliação de pesquisadores do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Esalq/USP, a divulgação de dados, ainda preliminares, do IBGE sobre os abates em 2023 confirma a percepção de oferta acima da demanda ao longo do ano, fator que determinou o comportamento predominantemente em queda dos preços do boi e da carne no atacado ao longo do ano passado.

Segundo dados preliminares do IBGE, foram produzidas 8,91 milhões de toneladas, 11,2% a mais que em 2022 e 8,6% acima do recorde anterior, obtido em 2019. Pesquisadores do Cepea destacam que, em termos absolutos, o volume de carne aumentou em 900 mil toneladas frente a 2022, ao passo que a exportação foi ampliada em apenas 22,8 mil toneladas, para 2,29 milhões de toneladas – absorveu 25,7% da produção nacional.

O “excedente” ficou no mercado interno, exigindo redução dos preços para que fosse atingido o ponto de equilíbrio com a demanda. Ao longo de 2023, o Indicador do Boi Gordo Cepea/B3 recuou 12%, e a carcaça casada de boi no atacado da Grande São Paulo se desvalorizou 9%.

O volume de carne foi histórico, mas a produtividade média do rebanho nacional (boi, vaca, novilho e novilha), na marca de 262,97 kg/animal, ou de 17,5 arrobas, ficou ligeiramente abaixo da obtida nos últimos dois anos. Na avaliação de pesquisadores do Cepea, os motivos não são “estruturais” – são de conjuntura. Refletem a combinação de estiagem em muitas regiões produtoras com certa desaceleração dos confinamentos diante dos preços altos dos grãos.

Segundo os dados do IBGE, a produtividade de 2023 foi 1,7% menor que a de 2022 e 2,7% inferior ao recorde de 2021. O número de cabeças abatidas no ano em que se obteve a máxima produtividade (2021) foi o menor desde 2004, mas o peso médio (incluindo todos os bovinos abatidos) chegou a 270,2 kg/animal (18 arrobas); no quarto trimestre/21, atingiu 281,60 kg/animal (18,8 arrobas).

Pesquisadores do Cepea lembram que produtividade recorde de 2021 refletiu uma conjuntura bem particular. Naquele ano, a oferta de animais diminuiu em função dos abates de fêmeas em 2018 e 2019 ao mesmo tempo em que a China vinha intensificando suas compras e puxando os preços para cima, motivando pecuaristas a reforçar os investimentos – principalmente em genética e nutrição. Houve também aumento do volume confinado – foi o boom do confinamento!

Analisando-se apenas os dados do quarto trimestre de 2023 (de outubro a dezembro), foram produzidas 2,407 milhões de toneladas de carne bovina, o melhor trimestre do ano, superando em 1,1% o anterior e em 1,8% o de um ano atrás. Em termos de produtividade, o quarto trimestre teve média 266,04 kg/animal, a oitava maior marca para um trimestre, no compasso consistente dos meses anteriores.

Animais abatidos 

Os dados ainda preliminares do IBGE mostram que foram abatidos no ano passado 33,9 milhões de cabeças (machos e fêmeas), total que se aproxima do recorde de 2013, na marca de 34,4 milhões de animais. No comparativo com 2022, o aumento é de 13,2%. Especificamente no 4º trimestre do ano, os números de abates ultrapassaram ligeiramente as 9 milhões de cabeças, número recorde para um trimestre, superando em 20% o resultado do 4º trimestre de 2022.

Chama atenção a participação das fêmeas. Ao longo de 2023, segundo o IBGE, vacas e novilhas representam mais de 40% do total em vários meses, chegando a 49% em março, período em que sazonalmente ocorre o maior descarte de vacas. Muitos criadores têm optado por descartar fêmeas por estarem desanimados com os preços dos bezerros. Dados do Cepea mostram que esses animais estão em tendência de desvalorização há cerca de três anos. De fevereiro/21 até agora, o Indicador do Bezerro ESALQ/BM&FBovespa caiu quase 30%.

O abate de novilhas especificamente está relacionado à demanda chinesa por animais jovens – independentemente de macho ou fêmea. Segundo o IBGE, de abril a maio de 2023, novilhas chegaram a representar 14% do total de abates.

Melhora na produtividade 

Numa perspectiva mais ampla, avalia a equipe Cepea, o peso dos animais vem aumentado em resposta aos investimentos que muitos pecuaristas têm feito em aprimoramento da genética, em pastagens, suplementação e sanidade. A elevação da produtividade média tem sido favorecida também por animais de confinamentos, geralmente abatidos em torno de 20 arrobas.

De acordo com as pesquisas do Cepea, a expansão dos confinamentos e a profissionalização dessas estruturas têm alterado o perfil da pecuária nacional. São encontrados confinamentos com animais apenas da própria empresa e também aqueles que prestam serviço de engorda ou só de terminação a dezenas/centenas de pecuaristas, os chamados “boitéis”.

Segundo os levantamentos do Cepea, os grandes confinamentos contam com profissionais de primeira linha responsáveis por oferecer alimentação bem balanceada, manejo eficiente e comercialização tanto dos insumos (comprados) quanto da produção final (vendida) com os melhores instrumentos de mercado. Os pesquisadores ressaltam que a própria robustez da demanda por insumos quanto da oferta de bois que os confinamentos detêm elevam a eficiência de suas negociações.

O Cepea aponta que essas estruturas costumam produzir lotes mais padronizados e com boa qualidade, envolvendo grande número de animais e a um custo de custo de transação e logístico menor para os frigoríficos. O esforço que os compradores tinham para negociar com dezenas de pecuaristas, sobretudo para formar lotes destinados à exportação, diminui bastante quando negociam com alguns grandes confinadores. Ao mesmo tempo, comentam os especialistas em mercado, esses ofertantes adquirem maior poder de negociação que um pecuarista tradicional.

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Bovinos / Grãos / Máquinas

Lançamento do Index Asbia 2023 ressalta importância do zebu para o cenário do melhoramento genético

Levantamento permite ao pecuarista interpretar os números e planejar os próximos passos de investimento em seu rebanho para obter melhores resultados.

Publicado em

em

Foto: Divulgação/Arquivo OPR

A Associação Brasileira de Inseminação Artificial (Asbia) divulgou, na última semana, o Index referente ao mercado de genética bovina no ano de 2023. Elaborado em parceria com o Centro de Estudos em Economia Aplicada (Cepea), o relatório traz informações sobre produção, importação, exportação e de uso da inseminação artificial no rebanho leiteiro e de corte nacional. “Mais de 83% dos municípios brasileiros fecharam nosso relatório de 2023, utilizando a inseminação artificial. E, mais do que isso, produziram no mesmo espaço e em maior volume, tanto carne como leite”, destaca o executivo da Asbia, Cristiano Botelho.

O levantamento permite ao pecuarista interpretar os números e planejar os próximos passos de investimento em seu rebanho para obter melhores resultados. “É importante pontuar o baixo custo para investir em genética e o valor agregado que ela proporciona a um projeto de pecuária. Especialmente, o último trimestre de 2023 mostra uma inflexão na curva. Houve um abate muito grande de fêmeas e, com isso, haverá menor oferta de bezerros na próxima estação. Isso mostra que o produtor tem que inseminar agora para produzir bons bezerros, porque o preço vai valer a pena”, ressalta o Diretor de Marketing da Asbia, Sérgio Saud.

Além de Saud e Botelho, participaram da transmissão o Diretor Operacional da Asbia, Luís Adriano Teixeira; o Pesquisador do Cepea, Thiago Carvalho; o Analista de Custos do Cepea, Giovanni Penazzi; o Presidente da ABCGil (Gir Leiteiro), Evandro Guimarães; o Gerente Comercial da Alta, Eduardo Cavalin; e o Gerente de Fomento do Programa de Melhoramento Genético de Zebuínos da ABCZ (PMGZ), Ricardo Abreu, que enfatizou a importância do Zebu PO para o melhoramento genético dos rebanhos. “O Zebu PO melhorador anda sempre ao lado da genética via inseminação artificial, porque o criador utiliza touros melhoradores na IA e ainda faz o repasse da inseminação com touro Zebu PO melhorador. Lembrando que isso reflete no Programa de Melhoramento Genético de Zebuínos da ABCZ, o PMGZ”, comenta Ricardo Abreu.

Fonte: Assessoria ABCZ
Continue Lendo

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.