Conectado com

Empresas Nutrição

Como otimizar o custo da ração quando o preço das matérias-primas estiver alto?

Nesse período, é comum ver empresas em busca de produtos de baixo custo e alternativas aos aditivos padrões. Entretanto, não é o momento de arriscar

Publicado em

em

Divulgação

Um problema que ganhou força ao longo da pandemia do Corona vírus e ameaça globalmente o desempenho das empresas produtoras de aves e suínos disparada nos preços de diversas matérias-primas utilizadas em rações. No Brasil, a alta dos preços das matérias-primas ocorreu de forma ainda mais brusca por conta da desvalorização cambial. Parte da matéria-prima produzida no país foi direcionado para o mercado internacional, que oferecia maior rentabilidade para os produtores, gerando um aumento expressivo no custo das rações. A demanda está aquecida nos países afetados por condições climáticas desfavoráveis ou pela própria pandemia, empurrando as cotações de commodities para cima. A China, por exemplo, vem recompondo seus estoques e pressionando os preços de commodities como a soja. Os Estados Unidos em entre safra importam soja brasileira.

Os últimos levantamentos de preços das matérias-primas mostram um aumento drástico. Em comparação com o preço na mesma época do ano passado, temos cerca de + 95% no milho (figura 1), +48% na soja (figura 2) e + 41% na carne bovina (figura 3), os preços batem recordes em vários momentos, nos portos e no mercado interno. O grão mais caro vira ração mais cara, que vira carne mais cara. Desta forma, tudo vai na mesma direção e sinaliza mais inflação à frente, e a pergunta que fica é: como os produtores devem lidar com os altos preços da matéria-prima? Vamos propor nas seções seguintes algumas soluções práticas que ajudarão a reduzir, tanto quanto possível, o impacto destes altos preços.

Figura 1: Histórico do preço do milho nos últimos 12 meses, R$/saca de 60 kg (Fonte: Cepea)

Figura 2: Histórico do preço da soja nos últimos 12 meses, R$/saca de 60 kg (Fonte: Cepea)

Figura 3: Histórico do preço da carne bovina nos últimos 12 meses, R$/@ (Fonte: Cepea)

Possíveis estratégias para reduzir o custo da ração

Durante os períodos em que os custos das matérias-primas aumentam desproporcionalmente, é hora de ter certeza que estamos extraindo o máximo da formulação da ração, de olhar mais profundamente para o valor nutricional desses ingredientes, de procurar novos ingredientes e de ajustar os níveis nutricionais, para reestabelecer uma nova relação custo/benefício da ração que será consumida.

Este também é um bom cenário para procurar novas estratégias nutricionais, como níveis mais baixos de proteína bruta nas fórmulas de ração, usar o sistema de energia líquida em caracterização de ingredientes, usar o valor máximo de seus aditivos, e focar nos aspectos fundamentais da digestibilidade das rações. Nesse período, é comum ver empresas em busca de produtos de baixo custo e alternativas aos aditivos padrões. Entretanto, não é o momento de arriscar; um erro pode custar muito caro. É hora de adotar novas tecnologias, baseadas em conceitos confiáveis já demonstrados por ensaios científicos em condições semelhantes.

Garanta o equilíbrio dos aminoácidos digestíveis e evite excessos

Durante anos, as dietas das aves foram formuladas com base na proteína bruta.  Esta formulação pode resultar em uma oferta excessiva de aminoácidos devido à falta de correlação estrita entre a proteína e os aminoácidos digestíveis. É importante ressaltar que a oferta de aminoácidos em níveis acima do requerido pelo animal não trará valor extra, e esse excesso será catabolizado. Consequentemente, altos níveis de proteína bruta na dieta invariavelmente levam a alto custo da fórmula e não necessariamente refletem em melhor desempenho das aves e suínos.

Desta forma, é importante ter um entendimento claro sobre os valores de digestibilidade inerentes dos aminoácidos na ração, e formular dietas com base nos aminoácidos digestíveis e não nos valores totais. Dados confiáveis sobre a digestibilidade de aminoácidos não só permitirão uma formulação de ração mais eficiente e econômica, como também reduzirão o impacto das fórmulas de ração no meio ambiente pela redução da excreção de nitrogênio.

A escolha de usar esses valores de digestibilidade de aminoácidos é impulsionada principalmente pelo método de formulação de dietas. Formular dietas com o menor custo possível, usando programação linear e valores de aminoácidos digestíveis, é o método mais adequado para garantir o fornecimento de aminoácidos limitantes ao crescimento animal e, portanto, diminuir os custos com proteínas. Lembre-se de que 0,1% de metionina digestível de um farelo de soja a US$ 507/tonelada custaria US$ 99, em comparação com aproximadamente US$ 3 formulando com uma das fontes de metionina sintética mais disponíveis no mercado; ver Tabela 1.

Tabela 1: Comparação do preço da metionina digestível proveniente do farelo de soja e da metionina sintética:

Farelo de soja 48 (gordura<5%) DL-Metionina OH-Metionina líquida
Metionina total (g / 100g) 0,66 99 88
Metionina digestível – suínos (g/100g) 0,6 99 88
Metionina digestível – aves (g/100g) 0,59 99 88
Preços de fontes de farelo de soja e metionina (US$/t 507 3.200 2.840
Preço de 0,1% (1 kg/ton) de metionina digestivel (US$) 99 3,23 3,23

O conhecimento da composição da matéria-prima, incluindo os aminoácidos digestíveis deve ser completado aplicando-se uma avaliação precisa das necessidades do animal na formulação da ração. Substituir a proteína bruta de farelo de soja por aminoácidos cristalinos 100% digestíveis é uma boa estratégia para reduzir o impacto no custo da matéria-prima.

Em 2002, a equipe de P&D da Adisseo propôs uma abordagem inovadora de modelo fatorial para determinar as necessidades de aminoácidos de acordo com o ganho de peso de animais em crescimento ou massa de ovos de galinhas poedeiras. O mesmo tipo de modelagem está disponível para o crescimento de suínos do desmame ao abate. Esses modelos foram obtidos a partir de uma extensa pesquisa na literatura publicada sobre os requisitos de aminoácidos. O banco de dados e os modelos foram atualizados em 2013, considerando os últimos requisitos de aminoácidos de aves, suínos e espécies aquáticas. O Rhodimet® Nutrition Guide (RNG) propõe modelos dinâmicos que permitem ajustes específicos em relação aos objetivos de desempenho (ou seja: ganho de peso; conversão alimentar ou rendimento de peito). Mais importante ainda, esta abordagem dinâmica permite ajustar as necessidades de acordo com os períodos de crescimento específicos, permitindo maior precisão na disponibilidade de nutrientes, e assim, evitando o desperdício.

Economize usando uma fonte de metionina líquida (OH-Met), como Rhodimet® AT88

Os aminoácidos sulfurados totais (TSAA), como outros aminoácidos, estão diretamente envolvidos na síntese de proteínas. Eles servem como blocos de construção importantes para as proteínas do tecido e seu suprimento insuficiente invariavelmente leva à redução da síntese proteica. A metionina é, por exemplo, o primeiro aminoácido limitante nas dietas clássicas a base de milho e farelo de soja usadas para o crescimento de frangos, principalmente devido ao baixo teor de metionina no farelo de soja e ao alto requerimento de TSAA, seja para deposição de penas, musculo, ou metabolismo basal. Globalmente, para atender às necessidades de metionina das aves, fontes sintéticas de metionina são comumente adicionadas às dietas.

No mercado há diferentes fontes de metionina disponíveis, de L-Met a OH-Met, também conhecida como HMTBA. Vários estudos comparando fontes de metionina apresentam números diferentes que podem confundir os nutricionistas, mas várias evidências também são fatos:

1) As maiores integrações do mundo usam a OH-Met;

2) Resultados recentes obtidos em condições comerciais envolvendo mais de um milhão de aves demonstram claramente a equivalência das fontes (Tabela 2).

Este ensaio de campo confirma os resultados obtidos e publicados pela Schothorst Feed Research, de Agostini et al., em 2016.

Tabela 2: Um total de 57 granjas, representando 1.189.000 frangos de corte machos, participaram deste estudo. Consulte o Short Report N ° 23 para detalhes.

MÉDIAS PONDERADAS DL-METIONINA OH-METIONINA ANOVA P-VALOR
GRANJA TRATAMENTO
PESO CORPORAL FINAL, kg 2,234 2,283 0,972 0,578
CONSUMO DE RAÇÃO DIÁRIO, g/d 98,18 99,67 0,874 0,464
GANHO DE PESO DIÁRIO, g/d 62,67 63,82 0,927 0,606
CONVERSÃO ALIMENTAR 1,568 1,563 0,971 0,844
MORTALIDADE, % 4,716 4,169 0,92 0,531

As diferentes soluções apresentadas neste artigo, com boa avaliação das matérias-primas, extração do máximo teor nutricional da ração e fornecimento preciso de nutrientes ajudam objetivamente a limitar o impacto negativo da disparada dos preços dos insumos, e aumentam a lucratividade das empresas produtoras de aves e suínos.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

catorze + 1 =

Empresas Equipe Vetanco

Setor de Qualidade da Vetanco recebe reforço

Karina já atuou na área de qualidade em empresas de nutrição animal

Publicado em

em

Karina Pereira da Silva / Divulgação

A Vetanco Brasil anuncia reforço no Setor de Qualidade com a contratação da analista de Qualidade Karina Pereira da Silva.

A profissional tem Ensino Técnico em Química pela Diocesano La Salle – São Carlos/SP e está cursando Tecnologia em Processos Gerenciais.

Já atuou na área de qualidade em empresas de nutrição animal e de produtos terapêuticos para uso veterinário, onde participou com a implantação e elaboração de manual de Boas Práticas de Fabricação (BPF); de indicadores de qualidade, controle e acompanhamento de programação de produção, treinamento e capacitação de colaboradores, desenvolveu e avaliou processos de trabalho, equipamentos e ferramentas com o objetivo de melhorar a produtividade e a qualidade, entre outras atividades.

Karina iniciou na Vetanco do Brasil no mês de abril.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas Quimtia

Descubra 3 estratégias para escolher o premix ideal para sua ração

Personalização, certificação e controle de qualidade são vitais para produto de alta qualidade

Publicado em

em

Divulgação

As rações comerciais destinadas a animais de produção são compostas basicamente por milho e soja. Mas será que apenas esses dois ingredientes são suficientes para garantir uma boa nutrição? A resposta é não! Apesar de se tratarem de fontes essenciais e acessíveis de proteína e carboidrato, esses ingredientes precisam ser acrescidos de outros nutrientes complementares.

A mestre em zootecnista da Quimtia, Lidiane Domingues, explica que vitaminas e minerais são de suma importância para estruturar uma dieta balanceada. “Esses ingredientes farão com que o animal expresse todo seu potencial genético e ainda direcione os nutrientes para aumentar seu desempenho e produção, seja de ovos, carne ou leite”, explica.

A Instrução Normativa 15/2009 do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) descreve o premix como a pré-mistura de aditivos e veículo ou excipiente que facilita a dispersão em grandes misturas e que não pode ser fornecida diretamente aos animais. Por ter uma porcentagem baixa de inclusão na ração animal – de 0,5 a 10kg/tonelada –, ainda é preciso manter alguns cuidados no momento da escolha do premix.

Lidiane conta que “o fornecimento do premix ideal vai garantir que o animal não apresente problemas metabólicos e evita quadros clínicos graves por deficiência ou excesso de alguns nutrientes”. Este cuidado aliado a escolha de um bom fornecedor, minimiza as chances de um produto chegar ao campo com problemas de mistura ou presença de contaminantes no processo. Conheça três dicas para escolher o premix ideal:

Personalização

Cada espécie exige um perfil e nível de nutrientes diferenciados. Por isso, é necessário dar preferência a premixes personalizados, especificados de acordo com cada fase da vida do animal. “Para uma ave em fase de produção de ovos, a exigência de Cálcio pode chegar a ser duas a quatro vezes maior do que para uma ave da mesma categoria em sua fase inicial. Esses pontos devem ser observados com atenção”, salienta a especialista

Certificação

Como o premix é basicamente uma pré-mistura de aditivos em baixas concentrações é imprescindível que o fabricante garanta que o processo de mistura seja eficiente, e esse controle acontece por meio da escolha de fornecedores com testes validados de mistura. Essa avaliação pode ser feita com base em testes de Microtracer e outros que buscam medir a qualidade da mistura durante o processo de produção. Uma boa mistura no premix evita que o animal tenha perdas por ingestão excessiva ou pela deficiência de algum componente essencial para seu desempenho.

Controle de qualidade

Um bom controle de qualidade no processo de fabricação dos premixes também é fundamental. A mestre expõe que “para o produto ter sucesso no campo é preciso se atentar a sua qualidade desde o recebimento das matérias-primas até a expedição do produto final”. Isso pode ser conferido pelas certificações de qualidade e processos de rastreabilidade que a fabricante oferece.

Fonte: Ass. de imprensa
Continue Lendo

Empresas Avicultura

Aliado estratégico para a plataforma Nutron Poultry

Com mais de 30 anos de atuação profissional na área, Ishi é médico veterinário, formado pela Universidade Federal do Paraná

Publicado em

em

Mark Ishi - Foto: Divulgação

A Cargill Nutrição Animal está em constante busca para proporcionar o melhor para os clientes e ajudá-los a desenvolver e prosperar em seus negócios. Com esse intuito, traz um importante reforço para o time da plataforma Nutron Poultry.

Mark Ishi, um profissional muito experiente, grande conhecedor do mercado e de toda cadeia de produção de frango, atuará como consultor com foco em nutrição, manejo e sanidade, sendo um aliado estratégico para dar suporte aos clientes no estado de São Paulo.

 

Alinhado aos valores da Nutron

Com mais de 30 anos de atuação profissional na área, Ishi é médico veterinário, formado pela Universidade Federal do Paraná. Já trabalhou como gerente técnico de frangos de corte na Frango Sertanejo, sendo responsável pelo planejamento de estratégias para produção com foco em rentabilidade.

Também foi gerente técnico na Granja Walkyria e, por 22 anos, médico veterinário na Fatec Indústria de Nutrição e Saúde Animal.

Atuou também por quase 7 anos como gerente da plataforma de tecnologia e inovação na Trouw Nutrition, elaborando e monitorando estratégias nutricionais e de manejo para melhorar o desempenho zootécnico e financeiro de empresas parceiras, além de desenvolver a plataforma Tecnologia & Inovação em frangos de corte.

Nosso novo consultor chega alinhado aos nossos valores, pois compartilha do mesmo objetivo da Nutron, que é estar sempre presente nos clientes.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.