Conectado com
FACE

Notícias 1º Dia de Cocho Digital

Como o trigo aumenta a produtividade e gera mais lucro na propriedade pecuária

1º Dia de Cocho Digital discute utilização do trigo para otimizar áreas no inverno, reduzir custos da dieta e produzir alimento de qualidade

Publicado em

em

Divulgação Biotrigo/Rafael Czamanski

O trigo vem ganhando espaço em propriedades pecuárias. O crescimento está relacionado com uma das grandes preocupações dos produtores: a alimentação dos animais durante o vazio outonal e no inverno, quando se reduz a disponibilidade de alimentos para os animais em produção. Cultivado nesses períodos do ano, especialmente no Sul do Brasil, o trigo por suas características nutricionais, seja na forma de pastejo, silagem ou pré-secado, potencializa a engorda de gado e aumenta a produção de leite, além de reduzir custos e tornar a propriedade mais eficiente, produzindo matéria seca de qualidade e em quantidade durante todo o ano.

As estratégias de manejo na produção de silagem e pastagem de trigo e os novos cenários para a pecuária de leite e de corte visando a produção de alimento durante o inverno são os temas do 1º Dia de Cocho Digital Biotrigo. O evento acontece no dia 29 de outubro, a partir das 19h00, com transmissão ao vivo, inscrições abertas ao público e acesso gratuito. Um dos painéis do evento vai mostrar como a pastagem de trigo contribui para aumentar a produtividade do leite e gerar mais lucro na propriedade.

Melhores resultados

O trigo para pastejo chega a alcançar 100 kg de matéria seca/ha/dia e o resultado à pasto aumenta a produção de leite em 1 a 3 litros/dia. Na palestra “Resultados práticos na pecuária de leite com o uso do trigo para pastejo”, o agrônomo Juliano Alarcon Fabrício, o Dr. Pastagem, vai trazer casos práticos de tecnologias de trigo que alcançaram os melhores resultados. “O trigo tem um posicionamento superinteressante e a qualidade é excepcional. Junto com os produtores a gente tem conseguido um aumento na produtividade de leite”, relata.

Mais nutrição e redução de custos

Já o trigo para silagem tem como benefício importante reduzir o custo da dieta volumosa principalmente em relação a outros alimentos volumosos conservados, proporcionando uma alimentação mais nutritiva e equilibrada para os animais. Segundo o técnico em agropecuária e proprietário da Nutritambo, Deomir Martini, a maior dificuldade para a produção de alimento tem sido a falta de chuva. “No verão se acaba produzindo menos alimento em função da estiagem e aí entra muito bem a silagem de trigo. Ele é produzido no inverno, quando se tem área ociosa nas propriedades e menos períodos sem chuvas, e oferecido aos animais nesses períodos de escassez de alimento. Essa é uma alternativa muito importante”, comenta.

Deomir também comenta sobre a qualidade nutricional da silagem, a vantagem de liberar área de verão para a produção de grãos e ainda sobre os custos de alimentação. “A silagem de trigo tem mais proteína que a de milho e mais amido que a de aveia. No fechamento de uma dieta o trigo terá um valor muito maior”, explica Deomir.

Na palestra “Boas práticas de ensilagem de cereais de inverno”, ele vai trazer dicas fundamentais para manter a qualidade na conservação do alimento. “A produção é a fase mais fácil. O armazenamento e a retirada dependem muito mais do produtor do que qualquer outro fator. É preciso cuidado e capricho para chegar no cocho com uma silagem de qualidade”, adianta.

Exemplos que deram certo

A “Rodada de resultados em pecuária com trigo forrageiro” trará produtores que são referência nas suas regiões, com a experiência de produção de trigo. O painel terá a mediação do zootecnista da Biotrigo, Ederson Henz, e do gerente de nutrição animal da Biotrigo, Tiago de Pauli. Para Tiago, os avanços em melhoramento genético permitiram a entrada no campo de cultivares de trigo exclusivas para nutrição animal. “Conseguimos abranger todos os perfis de trabalho com pecuária, seja gado de corte ou de leite, assim como outras categorias animais. Vamos mostrar no Dia de Cocho o que a pesquisa está desenvolvendo para ampliar ainda mais o leque de opções para o pecuarista. As novas cultivares que devem chegar no próximo ano são ainda mais superiores, mais produtivas, com melhor desempenho na abertura de semeadura e na colheita e com mais segurança e tolerância às doenças”, comenta.

Dia de Cocho

O Dia de Cocho da Biotrigo será o sexto evento digital da empresa em 2020. Focado em tecnologia, recomendações técnicas e tendências para nutrição para a pecuária de leite e de corte, a transmissão acontece diretamente do Centro de Pesquisa da Biotrigo, em Passo Fundo/RS e de forma interativa em áreas experimentais e em campos de trigo de diversas regiões do Rio Grande do Sul.

Para mais informações sobre a programação e para fazer a inscrição antecipada e gratuita basta acessar o site da Biotrigo e, no dia 29 de outubro, às 19h, conectar-se ao link da transmissão que será enviado por email aos inscritos. O Dia de Cocho conta com o patrocínio das empresas Cotribá, Sementes Estrela, Nutritambo, MilkSeeds Sementes e Yara.

O evento tem a mediação do gerente comercial para a América Latina da Biotrigo, Fernando Michel Wagner e a participação do gerente de nutrição animal, Tiago De Pauli, do zootecnista, Ederson Luis Henz, e ainda dos produtores Sidiclei Risso (Marmeleiro/PR) e Fernando Henrique Stedile (Coxilha/RS).

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezesseis − treze =

Notícias Pecuária

Mercado de boi gordo acelera ritmo de negócios e preços começam a se estabilizar

Frigoríficos encontraram espaço para pressionar os pecuaristas diante da maior disponibilidade de boiadas

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O mercado físico de boi registrou preços de estáveis a mais baixos ao longo da semana nas principais praças de produção e comercialização do país. Segundo o analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, o mercado apresentou bom ritmo de negócios no decorrer da semana. Os frigoríficos encontraram espaço para pressionar os pecuaristas diante da maior disponibilidade de boiadas. Com as pastagens desgastadas por conta da prolongada estiagem, a capacidade de retenção por parte do pecuarista foi bastante reduzida.

“No entanto, já são evidenciadas dificuldades em reduzir de maneira ainda mais agressiva as indicações de preços, com indicações de negócios saindo acima das referências médias em muitos estados, incluindo São Paulo”, disse Iglesias.

Para o início da entressafra, a expectativa é de maior propensão a reajustes, em linha com a potencial redução do confinamento de primeiro giro, resultado da forte elevação dos custos pecuários no decorrer de 2021.

“Em relação à demanda doméstica de carne bovina, há uma grande expectativa pelo avanço da vacinação contra a Covid-19, permitindo uma retomada ordenada da atividade econômica, incorrendo em um menor risco de colapso do sistema de saúde”, assinalou.

Com isso, os preços a arroba do boi gordo na modalidade a prazo nas principais praças de comercialização do País estavam assim no dia 13 de maio:

  • São Paulo (Capital) – R$ 303,00 a arroba, contra R$ 307,00 a arroba na comparação com 06 de maio (-1,3%).
  • Minas Gerais (Uberaba) – R$ 297,00 a arroba, ante R$ 300,00 (-1%).
  • Goiânia (Goiás) – R$ 290,00 a arroba, estável.
  • Mato Grosso do Sul (Dourados) – R$ 295,00 a arroba, inalterado.
  • Mato Grosso (Cuiabá) – R$ 303,00 a arroba, contra R$ 308,00 a arroba (-1,62%).

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo

Notícias Mercado

USDA indicou estoques americanos de milho 2021/22 acima das expectativas

Para o milho, a safra americana ficou levemente abaixo da expectativa do mercado, mas os estoques finais para 2021/22 ficaram acima do esperado

Publicado em

em

Divulgação

O relatório de maio de oferta e demanda do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), divulgado na quarta-feira (12) trouxe os primeiros indicativos para a temporada 2021/22. Para o milho, a safra americana ficou levemente abaixo da expectativa do mercado, mas os estoques finais para 2021/22 ficaram acima do esperado.

Os Estados Unidos deverão colher 14,990 bilhões de bushels na temporada 2021/22, abaixo da estimativa do mercado, que previa uma produção de 15,071 bilhões de bushels. A produtividade média em 2021/22 deve atingir 179,5 bushels por acres. A área a ser plantada deve ficar em 91,1 milhões de acres e  a área a ser colhida em 83,5 milhões de acres.

Os estoques finais de passagem da safra 2021/22 foram estimados em 1,507 bilhão de bushels, acima dos 1,354 bilhão de bushels previstos pelo mercado. As exportações em 2021/22 foram indicadas em 2,45 bilhões de bushels e o uso de milho para a produção de etanol em 5,2 bilhões de bushels.

Para a temporada 2020/21, a produção nos Estados Unidos foi mantida em 14,182 bilhões de bushels e a produtividade média em 172 bushels por acre. A área a ser plantada segue prevista em 90,8 milhões de acres e a área a ser colhida em 82,5 milhões de acres.

Os estoques finais de passagem da safra 2020/21 foram estimados em 1,257 bilhão de bushels, abaixo dos 1,352 bilhão de bushels indicados em abril. O mercado previa estoques de 1,26 bilhão de bushels. As exportações em 2020/21 foram elevadas de 2,675 bilhões de bushels para 2,775 bilhões de bushels. O uso de milho para a produção de etanol foi mantido em 4,975 bilhões de bushels

Mundo

A safra global 2021/22 foi projetada em 1.189,85 milhão de toneladas. O USDA estimou estoques finais da safra mundial 2021/22 em 292,3 milhões de toneladas, acima dos 284,1 milhões de toneladas previstos pelo mercado.

A estimativa de safra brasileira é de 118 milhões de toneladas. A produção da Argentina deve atingir 47 milhões de toneladas. A Ucrânia teve sua projeção de safra indicada em 37,5 milhões de toneladas. A África do Sul teve a safra prevista em 17 milhões de toneladas. A China teve sua estimativa de produção apontada em 268 milhões de toneladas.

Para a temporada 2020/21, os estoques finais da safra mundial foram indicados em 283,53 milhões de toneladas, levemente abaixo dos 283,85 milhões de toneladas indicados no mês passado, enquanto mercado apostava em um número de 279,4 milhões de toneladas. A safra global 2020/21 foi reduzida de 1.137,05 milhão de toneladas para 1.128,46 milhão de toneladas.

A estimativa de safra brasileira é de 102 milhões de toneladas, abaixo das 109 milhões de toneladas previstas no mês passado, enquanto o mercado esperava safra de 103,4 milhões de toneladas. A produção da Argentina deve atingir 47 milhões de toneladas, sem alterações ante abril, enquanto o mercado previa safra de 47,4 milhões de toneladas. A Ucrânia teve sua projeção de safra elevada de 29,5 milhões de toneladas para 30,3 milhões de toneladas. A África do Sul teve a safra mantida em 17 milhões de toneladas. A China teve sua estimativa de produção apontada em 260,67 milhões de toneladas, sem alterações.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo

Notícias Mercado

Relatório do USDA centrou atenções do mercado de soja na semana

USDA indicou esmagamento em 2,225 bilhões de bushels e exportação de 2,075 bilhões

Publicado em

em

Divulgação

As atenções do mercado internacional de soja na semana estiveram voltadas para o relatório de maio do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), divulgado na quarta-feira (12), e que trouxe os primeiros números para a temporada 2021/22. No Brasil, não foi diferente. Poucos negócios foram registrados e os preços, nominais, variaram conforme as fortes oscilações dos contratos futuros em Chicago.

O relatório indicou que a safra norte americana de soja deverá ficar em 4,405 bilhões de bushels em 2021/22, o equivalente a 119,88 milhões de toneladas. O mercado esperava safra de 4,441 bilhões ou 120,86 milhões.

Os estoques finais estão estimados em 140 milhões de bushels ou 3,81 milhões de toneladas. O mercado apostava em carryover de 132 milhões ou 3,59 milhões de toneladas.

O USDA indicou esmagamento em 2,225 bilhões de bushels e exportação de 2,075 bilhões.

Em relação à temporada 2020/21, o USDA manteve os estoques de passagem projetado em 120 milhões de bushels, o equivalente a 3,27 milhões de toneladas. O mercado apostava em estoques de 118 milhões de bushels ou 3,21 milhões de toneladas.

O Departamento projetou safra mundial de soja em 2021/22 de 385,53 milhões de toneladas. Os estoques finais estão estimados em 91,1 milhões de toneladas. O mercado esperava por estoques finais de 88,8 milhões de toneladas.

A projeção do USDA aposta em safra americana de 119,88 milhões de toneladas. Para o Brasil, a previsão é de uma produção de 144 milhões de toneladas. A safra da Argentina está estimada em 52 milhões de toneladas. As importações chinesas deverão ficar em 103 milhões de toneladas.

Para a temporada 2020/21, a estimativa para a safra mundial ficou em 362,95 milhões de toneladas. Os estoques de passagem estão projetados em 86,55 milhões de toneladas. O mercado apostava em estoques de 86,9 milhões de toneladas.

A produção do Brasil foi mantida em 136 milhões de toneladas, dentro do esperado pelo mercado. Já a safra argentina foi cortada de 47,5 milhões para 47 milhões de toneladas. O mercado apostava em safra de 46,7 milhões de toneladas. A previsão para as importações chinesas foi mantida em 100 milhões de toneladas.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo
Encontro Nacional de Micotoxinas – RJ

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.