Conectado com
O Presente Rural Youtube

Notícias 1º Dia de Cocho Digital

Como o trigo aumenta a produtividade e gera mais lucro na propriedade pecuária

1º Dia de Cocho Digital discute utilização do trigo para otimizar áreas no inverno, reduzir custos da dieta e produzir alimento de qualidade

Publicado em

em

Divulgação Biotrigo/Rafael Czamanski

O trigo vem ganhando espaço em propriedades pecuárias. O crescimento está relacionado com uma das grandes preocupações dos produtores: a alimentação dos animais durante o vazio outonal e no inverno, quando se reduz a disponibilidade de alimentos para os animais em produção. Cultivado nesses períodos do ano, especialmente no Sul do Brasil, o trigo por suas características nutricionais, seja na forma de pastejo, silagem ou pré-secado, potencializa a engorda de gado e aumenta a produção de leite, além de reduzir custos e tornar a propriedade mais eficiente, produzindo matéria seca de qualidade e em quantidade durante todo o ano.

As estratégias de manejo na produção de silagem e pastagem de trigo e os novos cenários para a pecuária de leite e de corte visando a produção de alimento durante o inverno são os temas do 1º Dia de Cocho Digital Biotrigo. O evento acontece no dia 29 de outubro, a partir das 19h00, com transmissão ao vivo, inscrições abertas ao público e acesso gratuito. Um dos painéis do evento vai mostrar como a pastagem de trigo contribui para aumentar a produtividade do leite e gerar mais lucro na propriedade.

Melhores resultados

O trigo para pastejo chega a alcançar 100 kg de matéria seca/ha/dia e o resultado à pasto aumenta a produção de leite em 1 a 3 litros/dia. Na palestra “Resultados práticos na pecuária de leite com o uso do trigo para pastejo”, o agrônomo Juliano Alarcon Fabrício, o Dr. Pastagem, vai trazer casos práticos de tecnologias de trigo que alcançaram os melhores resultados. “O trigo tem um posicionamento superinteressante e a qualidade é excepcional. Junto com os produtores a gente tem conseguido um aumento na produtividade de leite”, relata.

Mais nutrição e redução de custos

Já o trigo para silagem tem como benefício importante reduzir o custo da dieta volumosa principalmente em relação a outros alimentos volumosos conservados, proporcionando uma alimentação mais nutritiva e equilibrada para os animais. Segundo o técnico em agropecuária e proprietário da Nutritambo, Deomir Martini, a maior dificuldade para a produção de alimento tem sido a falta de chuva. “No verão se acaba produzindo menos alimento em função da estiagem e aí entra muito bem a silagem de trigo. Ele é produzido no inverno, quando se tem área ociosa nas propriedades e menos períodos sem chuvas, e oferecido aos animais nesses períodos de escassez de alimento. Essa é uma alternativa muito importante”, comenta.

Deomir também comenta sobre a qualidade nutricional da silagem, a vantagem de liberar área de verão para a produção de grãos e ainda sobre os custos de alimentação. “A silagem de trigo tem mais proteína que a de milho e mais amido que a de aveia. No fechamento de uma dieta o trigo terá um valor muito maior”, explica Deomir.

Na palestra “Boas práticas de ensilagem de cereais de inverno”, ele vai trazer dicas fundamentais para manter a qualidade na conservação do alimento. “A produção é a fase mais fácil. O armazenamento e a retirada dependem muito mais do produtor do que qualquer outro fator. É preciso cuidado e capricho para chegar no cocho com uma silagem de qualidade”, adianta.

Exemplos que deram certo

A “Rodada de resultados em pecuária com trigo forrageiro” trará produtores que são referência nas suas regiões, com a experiência de produção de trigo. O painel terá a mediação do zootecnista da Biotrigo, Ederson Henz, e do gerente de nutrição animal da Biotrigo, Tiago de Pauli. Para Tiago, os avanços em melhoramento genético permitiram a entrada no campo de cultivares de trigo exclusivas para nutrição animal. “Conseguimos abranger todos os perfis de trabalho com pecuária, seja gado de corte ou de leite, assim como outras categorias animais. Vamos mostrar no Dia de Cocho o que a pesquisa está desenvolvendo para ampliar ainda mais o leque de opções para o pecuarista. As novas cultivares que devem chegar no próximo ano são ainda mais superiores, mais produtivas, com melhor desempenho na abertura de semeadura e na colheita e com mais segurança e tolerância às doenças”, comenta.

Dia de Cocho

O Dia de Cocho da Biotrigo será o sexto evento digital da empresa em 2020. Focado em tecnologia, recomendações técnicas e tendências para nutrição para a pecuária de leite e de corte, a transmissão acontece diretamente do Centro de Pesquisa da Biotrigo, em Passo Fundo/RS e de forma interativa em áreas experimentais e em campos de trigo de diversas regiões do Rio Grande do Sul.

Para mais informações sobre a programação e para fazer a inscrição antecipada e gratuita basta acessar o site da Biotrigo e, no dia 29 de outubro, às 19h, conectar-se ao link da transmissão que será enviado por email aos inscritos. O Dia de Cocho conta com o patrocínio das empresas Cotribá, Sementes Estrela, Nutritambo, MilkSeeds Sementes e Yara.

O evento tem a mediação do gerente comercial para a América Latina da Biotrigo, Fernando Michel Wagner e a participação do gerente de nutrição animal, Tiago De Pauli, do zootecnista, Ederson Luis Henz, e ainda dos produtores Sidiclei Risso (Marmeleiro/PR) e Fernando Henrique Stedile (Coxilha/RS).

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × cinco =

Notícias Mercado

Preço do leite captado em outubro e pago em novembro cai 11 centavos/litro

Redução das cotações no campo esteve mais atrelada à pressão dos canais de distribuição sobre as negociações de lácteos com as indústrias em outubro

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O preço do leite no campo recuou em novembro, interrompendo, portanto, o movimento de alta que vinha sendo verificado desde junho. De acordo com levantamento do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP, a “Média Brasil” líquida do leite captado em outubro e recebido por produtores em novembro caiu para R$ 2,0434/litro, baixa de 5,3% (ou de 11 centavos/litro) frente ao mês anterior.

É importante lembrar que os preços do leite no campo são influenciados pelos mercados de spot e derivados, com atraso de um mês nesse repasse de tendência. Assim, o preço do leite captado em outubro que é pago em novembro é influenciado pelo desempenho dos mercados de derivados e spot de outubro.

Por conta da sazonalidade da produção, é esperado que, a partir de outubro, ocorra a desvalorização do leite no campo, uma vez que as chuvas da primavera e do verão elevam a disponibilidade de pastagem. Porém, em 2020, a retomada da produção não tem ocorrido de forma intensa, já que as condições climáticas foram menos favoráveis. Além disso, a elevação dos custos de produção prejudica a atividade. Mesmo assim, nas primeira e segunda quinzenas de outubro, houve maior oferta de leite spot (negociado entre indústrias) em Minas Gerais, de modo que a média mensal caiu 16,8% frente à de setembro/20, indo para R$ 2,23/litro.

Nesse sentido, de acordo com agentes consultados pelo Cepea, a redução das cotações no campo esteve mais atrelada à pressão dos canais de distribuição sobre as negociações de lácteos com as indústrias em outubro. Isso porque o consumo esteve enfraquecido naquele mês, em função dos altos patamares de preços atingidos pelos derivados em meses anteriores. Como consequência, em outubro, houve a diminuição dos preços médios de derivados importantes para a formação do preço ao produtor, como leite longa vida (UHT), muçarela e leite em pó. É importante destacar que, mesmo com estoques enxutos de lácteos, a valorização intensa de vários gêneros alimentícios nos últimos meses tem pesado sobre a decisão de consumo do brasileiro, o que também resulta em maior competição entre redes varejistas para atrair clientes com preços baixos.

Perspectivas

A grande dificuldade para o setor neste final de ano está em equalizar a demanda, sensível aos elevados patamares de preços dos lácteos, com a oferta que deve seguir restrita, já que a ocorrência de La Niña deve impactar negativamente a atividade leiteira nos próximos meses. Além disso, as expressivas altas dos custos de produção (atreladas, sobretudo, à valorização dos grãos) impossibilitam investimentos na atividade, além de já comprometerem as margens dos produtores, visto que ocorrem em um momento muito sensível de redução da receita. Outro agravante para a situação é a valorização da arroba ao longo deste ano, que acaba estimulando o abate de fêmeas. Assim, a produção de leite pode não se recuperar no verão, como em outros anos, o que pode frear o movimento de queda no campo.

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Notícias Cooperativa

Castrolanda completa 69 anos com faturamento recorde e nova estrutura corporativa

A data também marca a reinauguração da sede administrativa

Publicado em

em

Divulgação - Presidente Willem Berend Bouwman em frente a nova sede administrativa em Castro-Pr.

A Cooperativa Castrolanda nesta segunda-feira, 30, completa 69 anos de história. A data remonta a chegada dos primeiros grupos de imigrantes holandeses que vieram ao país e deram início ao desenvolvimento da Cooperativa no Estado do Paraná. Os pilares da fé, educação e cooperação, que compõe o tripé da imigração, tem sido a base e a sustentação para toda Castrolanda.

Ressaltar e perpetuar a nossa cultura é essencial. Ano após ano temos conseguido superar nossas expectativas, além disso, mostramos a importância do agronegócio para a economia brasileira, gerando emprego, renda e fazendo com que as regiões em que atuamos se desenvolvam com sustentabilidade”, destaca o Diretor Presidente da Castrolanda, Willem Berend Bouwman.

Nestas quase sete décadas de história, e como resultado de investimentos assertivos e trabalho de cooperados e colaboradores, a Castrolanda tem alcançado resultados expressivos. Neste mês de novembro, pela primeira vez na história, a Cooperativa superou a barreira dos R$ 4 bilhões de faturamento.

“Apesar da pandemia e todas as questões inerentes à Covid-19, tem sido um ano muito bom para o agro e, especialmente, para a gente. Todo esse resultado é fruto do trabalho em conjunto e bases sólidas construídas por nossos pioneiros durante esses anos”, afirma o Diretor Executivo Seung Lee.

Nova Estrutura Corporativa

A estrutura tem um estilo único, com uma mistura de elementos que remetem às construções na Holanda.

A data também marca a reinauguração da sede administrativa, em Castro/PR. Após um ano e nove meses de trabalho, o ambiente foi desenhado com um mix de culturas e texturas com objetivo de reestruturar e melhorar o local, oferecendo acessibilidade e otimizando os espaços.

“O projeto nasceu de um anseio e desejo para que tenhamos um local apropriado e que pudéssemos conectar a imagem da Castrolanda ao mercado. Tenho certeza que atingimos a expectativa, ao entregar um produto muito especial, conectado a história e a essência da Cooperativa”, destaca o Coordenador de Engenharia, Gustavo Viganó.

“Somos movidos por pessoas. Por isso, em todos os ambientes, buscamos levar conforto, bem-estar e funcionalidade dos espaços para os nossos cooperados, colaboradores e parceiros”, ressalta Willem.

Todo o projeto é contemplado por elementos, texturas, design, paisagismo e que estão ligados aos tripé da imigração: fé, educação e cooperação

Fonte: Ass. de Imprensa Castrolanda.
Continue Lendo

Notícias Mercado

Semeio da soja avança e preços recuam, mas baixa umidade preocupa

Avanço do semeio de soja na América do Sul pressionou os valores domésticos da oleaginosa na semana passada

Publicado em

em

Divulgação

O avanço do semeio de soja na América do Sul pressionou os valores domésticos da oleaginosa na semana passada, de acordo com informações do Cepea. No Brasil, o semeio segue para a reta final, chegando a 79%, segundo dados divulgados pela Conab no dia 23 de novembro.

Porém, o baixo índice pluviométrico preocupa sojicultores, que se ausentam de novas vendas. O Indicador CEPEA/ESALQ Paraná caiu 1,76% entre 20 e 27 de novembro, indo para R$ 161,1/sc de 60 kg.

O Indicador ESALQ/BM&FBovespa Paranaguá (PR) cedeu 0,8% no mesmo comparativo, indo para R$ 162,31/sc de 60 kg na sexta-feira (27).

Fonte: Cepea
Continue Lendo
Dia Estadual do Porco – ACSURS

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.