Conectado com
VOZ DO COOP

Notícias

Comitiva chinesa conhece o sistema de defesa sanitária e visita frigoríficos paranaenses

A GACC é a agência do governo chinês que supervisiona registros de produtos importados e coordena as inspeções de entrada e saída

Publicado em

em

Foto: Divulgação/Adapar

Auditores da Administração-Geral de Alfândega da China (GACC) estão no Paraná para colher informações sobre o trabalho de sanidade animal e visitar frigoríficos que têm interesse em manter relação comercial com o país. A GACC é a agência do governo chinês que supervisiona registros de produtos importados e coordena as inspeções de entrada e saída.

Eles passaram a quarta-feira (06) em reunião na Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar) e na quinta-feira (07) visitaram algumas estruturas frigoríficas no Estado que pleiteiam o direito de exportar para a China. Além do Paraná, a comitiva teve reuniões e visitas no Rio Grande do Sul. Antes de retornarem à República Popular da China, eles conhecerão o laboratório de referência do Ministério da Agricultura e Pecuária em Minas Gerais.

“A vinda da comitiva é muito importante para o nosso Estado, que produz a melhor agricultura do Brasil, uma agricultura muito diversificada, líder na produção de proteínas animais e grande produtor de grãos”, afirmou o secretário estadual da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara.

Ele destacou ser a China o principal cliente dos produtos agropecuários do Paraná. “Nós temos elevado interesse em estreitar ainda mais as relações, porque a agricultura e a agroindústria são o nosso principal negócio”, disse.

Um dos objetivos dos auditores é buscar informações sobre o que tem sido feito para manter o status de área livre de febre aftosa sem vacinação, que o Paraná conquistou em 2021 com o certificado da Organização Mundial de Saúde Animal (OMSA).

O presidente da Adapar, Otamir Cesar Martins, apresentou também a chancela de zona livre de peste suína clássica independente e o gerente de Saúde Animal da Adapar, Rafael Gonçalves Dias, apresentou aos chineses como a vigilância é feita em casos de notificação por suspeita, em locais de eventos agropecuários, em abatedouros e nos próprios estabelecimentos rurais.

REBANHOS – Atualmente o Estado tem 155 mil fazendas que produzem 8,8 milhões de cabeças de gado, além de 6,8 milhões de suínos em cerca de 6 mil propriedades, 40 mil búfalos, 450 mil ovelhas e 38 mil caprinos. Anualmente os proprietários são obrigados a cadastrar seus rebanhos nos meses de maio e junho. Para o atendimento, a Adapar tem 227 médicos veterinários e 260 assistentes veterinários, além de mais de 3 mil da iniciativa privada que ajudam no trabalho de controle de doenças. Nas divisas interestaduais há 33 postos fixos de fiscalização.

AFTOSA – A Divisão de Defesa Sanitária Animal (DAS) do Ministério da Agricultura e Pecuária apresentou à comitiva um panorama da situação da aftosa no País, em que Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Acre, Rondônia e partes do Amazonas e do Mato Grosso têm a certificação de livre de aftosa sem vacinação. O Ministério pretende apresentar em agosto à OMSA a petição para que os outros 17 estados produtores de bovinos tenham o mesmo status declarado na próxima reunião.

VISITA – A convite do Sindicarne-PR e da Federação das Indústrias do Paraná (FIEP), a missão chinesa do GACC (Administração Geral de Aduanas da China), que está percorrendo o Brasil, visitou nesta quarta – feira (06) a FIEP onde participou de um almoço e assistiu a um documentário sobre o potencial da indústria paranaense.

O GACC é o principal órgão do governo chinês encarregado do registro de estabelecimentos para a exportação de alimentos para a China e da segurança de alimentos importados e exportados por aquele país. A missão, chefiada pelo auditor Jiang Hongqi, foi recebida pelo Presidente do Sindicarne-PR, Ângelo Setim Neto, diretor do frigorífico Argus e vice coordenador do Conselho Setorial de Alimentos da FIEP.

Segundo ele, os técnicos chineses irão encontrar no estado “uma cadeia suinícola e bovina em excelentes condições para exportação de seus produtos e uma eficiência superior dos sistemas de controle da Defesa Sanitária Animal (Adapar)”. O objetivo da missão é a verificação dos protocolos dos controles sanitários paranaenses com vistas a uma futura ampliação das habilitações de empresas exportadoras de carnes bovinas e suínas.

Segundo Ângelo Setim Neto, a China já é o principal mercado comprador dos produtos cárneos do Paraná e, após a visita da missão ao estado, “essa relação comercial pode até ser ampliada, agregando novas empresas exportadoras e elevando as exportações das que já operam no mercado chinês”. Estava presente também o Presidente da Adapar, Otamir Martins e a gerente dos Conselhos Temáticos e Setoriais da FIEP, Ariane Hinca Schneider. Além de reuniões na agência para conhecer a defesa sanitária local, a missão fará uma visita técnica hoje (7), ao abatedouro do Frigorífico Alegra, em Castro.

Fonte: Adapar

Notícias

Malásia habilita quatro novas plantas de carne de frango

Mercado com critérios halal passa a contar com 07 plantas brasileiras

Publicado em

em

Foto - DIVULGAÇÃO Vibra

A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) celebrou a informação divulgada hoje pelo Ministério da Agricultura e Pecuária sobre a autorização de quatro novas plantas para exportação de carne de frango para o mercado da Malásia.

A habilitação pelas autoridades sanitárias malásias alcança quatro plantas frigoríficas do Brasil – duas unidades da BRF, uma da JBS Aves e uma da Vibra Agroindustrial, que estão localizadas no Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná e Rio Grande do Sul. As unidades habilitadas se somarão às outras três plantas frigoríficas já autorizadas a embarcar produtos para a Malásia – duas da BRF e uma da Jaguafrangos, localizadas no Mato Grosso, Minas Gerais e Paraná.

A Malásia é reconhecida internacionalmente como um dos mercados com os mais elevados critérios para produtos halal entre as nações de maioria islâmica, e tem aumentado significativamente as suas importações de carne de frango do Brasil. No ano passado, o país importou 13,6 mil toneladas, volume 45,7% superior ao registrado no mesmo período do ano passado.

“Mais que dobramos o número de plantas habilitadas a atender o mercado malásio, que deverá registrar bons incrementos nos volumes embarcados ao longo de 2024. É uma importante notícia para o Brasil, que é o maior exportador global de carne de frango halal e tem visto sua presença aumentar no mercado islâmico”, avalia o presidente da ABPA, Ricardo Santin.

Conforme o diretor de mercados, Luís Rua, “a articulação de ações entre o Ministério da Agricultura e as demais pastas do Governo, como o Ministério das Relações Exteriores, vem conquistando grandes avanços para a ampliação da presença internacional das proteínas do Brasil, o que se reflete, por exemplo, nas novas habilitações para a Malásia.

 

Fonte: ABPA
Continue Lendo

Notícias

Demanda enfraquecida de farelo de soja mantém pressão sobre cotações

Na média das regiões acompanhadas pelo Cepea, as cotações do produto caíram 2% comparando-se a média da primeira quinzena de abril com a média de março. No comparativo anual, a queda foi de 19,8%, em termos reais.

Publicado em

em

Foto: Claudio Neves/Portos do Paraná

Os preços do farelo de soja seguiram em queda no mercado brasileiro na primeira quinzena de abril, refletindo a cautela de consumidores, sobretudo domésticos.

Indústrias esmagadoras também não mostraram grande interesse em negociar, por conta da valorização da matéria- -prima e da dificuldade no repasse para o derivado.

Também atentos à firme procura por óleo de soja, consumidores esperam pelo aumento no volume do grão esmagado e, consequentemente, por um excedente de farelo, em um contexto em que a recuperação na oferta da Argentina deve limitar as exportações brasileiras deste derivado.

Na média das regiões acompanhadas pelo Cepea, as cotações do farelo de soja caíram 2% comparando-se a média da primeira quinzena de abril com a média de março.

No comparativo anual, a queda foi de 19,8%, em termos reais (IGP-DI de março).

Em Campinas (SP), Mogiana (SP), Rondonópolis (MT), Santa Rosa (RS), Passo Fundo (RS), Ijuí (RS) e Chapecó (SC), os preços do derivado foram os menores desde setembro de 2019, também em termos reais.

Por outro lado, o movimento de baixa foi limitado pelas exportações intensas. Segundo dados da Secex, o Brasil embarcou volume recorde de farelo de soja no primeiro trimestre de 2024, somando 5,2 milhões de toneladas, 15% superior ao registrado há um ano.

Os principais destinos do derivado brasileiro foram Indonésia (18,6%) e Tailândia (12,7%).

Fonte: Por Débora Kelen Pereira da Silva, do Cepea.
Continue Lendo

Notícias

Asgav promove campanha de valorização da carne de frango produzida no Rio Grande do Sul

Por meio deste movimento, o setor avícola quer destacar a procedência e a qualidade do produto que é disponibilizado no mercado gaúcho.

Publicado em

em

Foto: Shutterstock

Incentivar o consumo de carne de frango produzida no Rio Grande do Sul. Este é o objetivo da 3ª etapa da Campanha de Valorização das Marcas produzidas no estado, promovida pela Associação Gaúcha de Avicultura (Asgav). Por meio deste movimento, o setor avícola quer destacar a procedência e a qualidade do produto que é disponibilizado no mercado gaúcho. Com o slogan “Carne de Frango do RS, a gente reconhece pelo sabor”, o intuito é reforçar o trabalho de divulgação em veículos de imprensa e redes sociais, como já ocorreu nos dois ciclos anteriores. A campanha começou nesta segunda-feira (22) e vai se estender até 30 de julho, com foco principal nas redes sociais e comunicação estratégica.

A continuidade desta ação da Asgav é fortalecer o consumo interno da carne de frango produzida no Rio Grande do Sul. O presidente executivo da Asgav, José Eduardo dos Santos, comenta que a ideia desta nova etapa é de uma campanha criativa e dinâmica para conscientizar a população sobre os benefícios de levar para as suas mesas um produto gaúcho. “Este é um movimento contínuo e proativo da Asgav em busca de alternativas para melhorar as condições de competitividade para o setor, pois valorizar a produção local é valorizar milhares de pessoas, famílias, produtores e trabalhadores do nosso Estado”, esclarece.

Raio x da avicultura

Atualmente, o Rio Grande do Sul é o terceiro maior produtor e exportador de carne de frango do Brasil. Tem 7,3 mil produtores e 21 frigoríficos.

A média de produção de carne de frango do estado é de 1,8 milhão de toneladas.

As vagas de trabalho criadas pelo setor são significativas. São 35 mil empregos diretos e 550 mil empregos indiretos.

Fonte: Assessoria Asgav
Continue Lendo
SIAVS 2024 E

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.