Conectado com
VOZ DO COOP

Notícias

Combate à fome é prioridade de força-tarefa, afirma CEO da JBS em evento do G20

Gilberto Tomazoni expressa apoio à Aliança Global por segurança alimentar, prioridade do Brasil na presidência do grupo que reúne as maiores economias do mundo

Publicado em

em

Na busca de aprimorar os sistemas alimentares, os países terão como desafios erradicar a fome, ampliar a produtividade, melhorar a vida das pessoas que fazem parte dos processos de produção, promover a sustentabilidade e tornar o alimento acessível. Para que tudo isso ocorra, será necessário enfrentar o desafio das barreiras comerciais, que elevam os preços dos alimentos em algumas regiões do mundo, apontou o CEO Global da JBS, Gilberto Tomazoni, na segunda-feira (29).

CEO Global da JBS, Gilberto Tomazoni: “Nosso agronegócio moderno adota tecnologia de ponta, mas ainda temos uma enorme oportunidade de levar essas inovações aos pequenos produtores” – Fotos: Divulgação/JBS

Os pontos foram trazidos na apresentação de Tomazoni como head da força-tarefa de Sistemas Alimentares Sustentáveis e Agricultura no lançamento do B20 Brasil – braço empresarial da G20 – no evento organizado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) na Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan). Tomazoni disse que a força-tarefa que coordena pretende considerar o comércio internacional com práticas justas como um mecanismo para sistemas alimentares inclusivos e como incentivo para produtores adotarem tecnologias modernas e sustentáveis.

Tomazoni expressou total apoio ao enfrentamento da fome como a principal prioridade da presidência do G20 pelo Brasil neste ano e à criação da Aliança Global em torno do tema. O CEO da JBS, uma das maiores empresas de alimentos do mundo, é o líder de uma das oito forças-tarefas definidas pelo B20, que conecta a comunidade empresarial aos governos do grupo que reúne as maiores economias do mundo, o G20.

A missão de cada força-tarefa é elaborar sugestões do setor privado que influenciem o processo de tomada de decisões nas pautas prioritárias dos respectivos governos. Todos os trabalhos serão orientados pelo tema “crescimento inclusivo para um futuro sustentável” e pelos seguintes pilares: promover o crescimento inclusivo e combater a fome, a pobreza e as desigualdades; promover uma transição justa para uma economia net zero; aumentar a produtividade por meio da inovação; promover a resiliência das cadeias globais de valor; e valorizar o capital humano.

Tomazoni destacou que o restabelecimento da força-tarefa de Sistemas Alimentares Sustentáveis e Agricultura, que esteve ativa pela última vez em 2018, é um marco no compromisso do B20. Os sistemas alimentares representam 10% do PIB global e 35% dos empregos em todo o mundo. A essa importância inconteste há contrastes intensos: 2,3 bilhões de pessoas enfrentam insegurança alimentar no mundo, o setor, contribui com 30% das emissões de gases do efeito estufa e são responsáveis por 80% da perda de biodiversidade.

Tecnologia de ponta para pequenos produtores

A força-tarefa que Tomazoni lidera tem como principais objetivos, neste primeiro momento, identificar as ações mais críticas para empresas e governos transformarem os sistemas alimentares e agrícolas globais e recomendar políticas que possam apoiar as comunidades empresariais globais a acelerar as mudanças necessárias.

Entre as possíveis ações apresentadas por Tomazoni estão aumentar a produtividade e eficiência, possibilitar práticas comerciais mais justas que visem alcançar a segurança alimentar global, promover métodos de produção mais sustentáveis e fomentar um quadro global-local público-privado para coordenar esforços de financiamento para a transformação.

O líder da força-tarefa de Sistemas Alimentares Sustentáveis e Agricultura disse que o Brasil está em posição privilegiada para contribuir para essa agenda e catalisar seu impacto. “Nosso agronegócio moderno adota tecnologia de ponta, mas ainda temos uma enorme oportunidade de levar essas inovações aos pequenos produtores, recuperar terras degradadas, adotar práticas regenerativas e ser uma ferramenta para ajudar o mundo a alcançar uma maior segurança alimentar.”

Como o terceiro maior produtor de alimentos do mundo, segundo maior produtor de biocombustíveis e um dos principais países em tecnologia agrícola, o Brasil deve fazer o máximo para proteger seus recursos naturais não somente para alcançar seus objetivos locais, mas também para contribuir para a transformação dos sistemas alimentares globais e para enfrentar o desafio da fome e garantir que os objetivos do B20 sejam alcançados.

Na abertura da reunião no Rio, o vice-presidente e ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços, Geraldo Alckmin, corroborou o papel do país em relação aos sistemas alimentares. “O Brasil pode fazer toda a diferença nesse momento, de pós-pandemia, alta de inflação e guerra. Segurança alimentar, segurança energética, a agenda do clima são temas em que o Brasil é protagonista e para os quais podemos dar grandes contribuições para o mundo”, disse.

Alckmin elogiou o formato de B20, em que a sociedade civil propõe soluções para uma série de desafios. “Vamos tratar de transição enérgica, alimentação sustentável, emprego e educação, comércio, desenvolvimento, compliance, transformação digital, finanças e infraestrutura, além de inclusão e diversidade”, afirmou.

O painel de apresentação das forças-tarefas e do conselho de ação do B20 Brasil também contou com  Francisco Gomes Neto, CEO da Embraer (força-tarefa de Comércio e Investimentos); Walter Schalka, CEO da Suzano (Emprego e Educação); Ricardo Mussa, CEO da Raízen (Transição Energética e Climática); Fernando de Rizzo, CEO da Tupy (Transformação Digital); Luciana Antonini Ribeiro, sócia-fundadora da EB Capital (Finanças e Infraestrutura); Claudia Sender, integrante do Conselho de Administração de várias empresas de capital aberto (Compliance e Integridade); Paula Bellizia, presidente de Pagamentos Globais na EBANX (Mulheres, Diversidade e Inclusão nos Negócios); e Constanza Negri, gerente de Diplomacia Empresarial e Competitividade Comercial na CNI, sherpa (facilitadora) do B20.

Fonte: Assessoria JBS

Notícias

Atual situação política do Brasil abre espaço para o protagonismo da sociedade organizada

Ao analisar a atual conjuntura política nacional e a ação do Congresso Nacional, o consultor João Henrique Hummel ressaltou o empoderamento da sociedade por meio da ação parlamentar.

Publicado em

em

Fotos: Divulgação/ABRASS

A abertura do Encontro Nacional dos Produtores de Sementes de Soja (ENSSOJA 2024) reuniu representantes do setor, pesquisadores, produtores, empresários, consultores e deputados federais que integram a Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA). O evento começou na quinta (23) e termina nesta sexta-feira (24), no Bourbon Cataratas do Iguaçu Thermas Eco Resort, em Foz do Iguaçu (PR).

Consultor político e sócio da Action Consultoria, João Henrique Hummel

O Consultor político e sócio da Action Consultoria, João Henrique Hummel, falou sobre a evolução e o fortalecimento do Legislativo e da democracia brasileira e destacou a importância da ação das instituições representativas como a Associação Brasileira dos Produtores de Sementes de Soja (ABRASS), por exemplo, no sentindo de apresentar e cobrar dos parlamentares a implantação de políticas públicas relevantes para o setor. “Isso representa a participação efetiva da sociedade nesse processo democrático no qual vivemos atualmente”, destacou Hummel, que falou também da necessidade do fortalecimento da cultura participativa da cidadania nesse cenário político no qual a última palavra é do Congresso Nacional.

Frente Parlamentar

Deputado federal e presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária, Pedro Lupion (PP-PR): “Nós já conseguimos um avanço importante reunindo mais de 330 votos em favor do direito da propriedade e isso é o que justifica o nosso trabalho e a nossa bancada”

A participação ativa das instituições também foi enaltecida pelo deputado federal e presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária, Pedro Lupion (PP-PR), que destacou a defesa dos interesses da agropecuária, seja em questões ambientais ou tributárias, e o trabalho para garantir o direito de propriedade no Brasil. “Nós já conseguimos um avanço importante reunindo mais de 330 votos em favor do direito da propriedade e isso é o que justifica o nosso trabalho e a nossa bancada, que funcionam porque têm o fomento e a articulação de todos aqui presentes. É a integração pelo desenvolvimento da agropecuária brasileira”, afirmou.

Mercado e desafios

Presidente da ABRASS, Gladir Tomazelli: “Apesar da busca constante por novas tecnologias, inovação e aumento da produtividade, ainda enfrentamos grandes desafios como, por exemplo, atingir os espaços onde atualmente ainda prevalecem as sementes salvas e as piratas”

O presidente da ABRASS, Gladir Tomazelli, lembrou que a Associação reúne hoje os principais multiplicadores do país, responsáveis por mais de 50% da demanda nacional de sementes. “Apesar da busca constante por novas tecnologias, inovação e aumento da produtividade, ainda enfrentamos grandes desafios como, por exemplo, atingir os espaços onde atualmente ainda prevalecem as sementes salvas e as piratas que representam entre 20% e 25% das sacas no país. Nesse contexto, o principal papel da Associação é a representatividade política, buscando uma legislação e uma tributação que auxiliem no desenvolvimento do setor”, disse.

Tomazelli também ressaltou que “tudo começa pela semente e uma semente certificada e de qualidade determina uma lavoura de potencial produtivo que, aliado a outros fatores como solo e clima, beneficia toda a cadeia”.

Durante a abertura do ENSSOJA 2024, Tomazelli também reforçou, em nome da ABRASS, a campanha de arrecadação para auxiliar o Rio Grande do Sul.

Fonte: Assessoria de Comunicação da ABRASS
Continue Lendo

Notícias

Cadeia de sementes de soja movimentou R$ 33,6 bilhões na safra 2022/23

Panorama do setor está sendo debatido no Encontro Nacional dos Produtores de Sementes de Soja.

Publicado em

em

Foto: Divulgação/ABRASS

Com um mercado em constante crescimento, a cadeia de sementes de soja movimentou cerca de R$ 33,6 bilhões no ciclo 2022/23 no Brasil. Neste montante estão contabilizados os royalties de biotecnologia e o tratamento da semente industrial que cada vez mais vem ganhando espaço no setor.

Os números foram apresentados nesta quinta-feira, 23, pelo engenheiro agrônomo e CEO da Blink Inteligência Aplicada, Lars Schobinger, no painel Panorama do Mercado de Sementes de Soja – Relevância e Desafios que abriu o Encontro Nacional dos Produtores de Sementes de Soja (ENSSOJA). O evento segue até essa sexta-feira, 24, no Hotel Bourbon, em Foz do Iguaçu (PR).

Engenheiro agrônomo e CEO da Blink Inteligência Aplicada, Lars Schobinger, no painel Panorama do Mercado de Sementes de Soja – Relevância e Desafios

Conforme Lars, o mercado de sementes das principais culturas do Brasil vem evoluindo de modo consistente nos últimos anos. A movimentação que em 2015/16 era de R$ 14,8 bilhões chegou a um volume de faturamento de R$ 44,4 bilhões na safra 2022/23. Neste total, o mercado de soja representa R$ 24,5 bilhões.

A soja, ainda segundo Lars, vem todos os anos representando mais da metade do mercado de sementes do Brasil que também produz milho, algodão, trigo e arroz. Esse crescimento constante começou a acelerar a partir de 2020/21 no período da pandemia.

O avanço médio anual de área plantada de sementes de soja no Brasil foi de 3.9%, saindo de 32,4 milhões de hectares na safra 2015/16 para 42,5 milhões de hectares na safra 2022/23, um aumento de mais de 30%.

Já o volume de sementes passou de 43 milhões de sacas para 55 milhões, mostrando um crescimento médio anual de 3.4%. Nesse mesmo período, o preço do quilo da semente que era R$ 2.9 avançou até R$ 7,40 por quilo representando um aumento da qualidade da semente ofertada ao produtor.

Esse panorama ajudou a trazer um crescimento de 17% ao ano em valor de mercado, saindo R$ 8,1 bilhões e avançando até R$ 24,4 bilhões na última safra. “São números expressivos, consistentes que refletem a força do setor e a importância da atividade dentro do agro nacional”.

Quando se trata da produção regional, o estado Mato Grosso continua sendo o principal estado brasileiro, mostrando um aumento de 2,5 bilhões de sacos por consumo ao longo de 2 anos. Na safra 2022/23, o estado consumiu mais de 16 milhões de sacos, representando quase 30% do mercado nacional.

Os estados do Rio Grande do Sul e o Paraná, juntos chegam ao patamar de 30% do mercado, seguidos por Goiás com 5,2 milhões, 10% do mercado, e Mato Grosso do Sul com 4,5 milhões de sacos e Minas Gerais 2,5 milhões. Os 6 estados ultrapassam 80% do mercado brasileiro.

A produção de sementes gera mais de 10 mil empregos no Brasil e são 369 produtores de sementes de soja certificadas.

Fonte: Assessoria de Comunicação da ABRASS
Continue Lendo

Notícias

Incertezas do mercado do trigo nacional e internacional refletirão diretamente nos preços praticados ao consumidor final

Webinar promovido pelo Sindustrigo destacou a volatilidade do cenário atual do trigo e destacou a importância da atenção redobrada dos moinhos para evitar prejuízos futuros.

Publicado em

em

Foto: Gilson Abreu

Em meio a um cenário atual de incertezas e baixas expectativas para a próxima safra, o Sindicato da Indústria do Trigo no Estado de São Paulo (Sindustrigo) promoveu, na quinta-feira (23), um webinar para debater o panorama do cereal, que tem operado em alta no mercado, gerando o aumento nos custos dos moinhos, que refletirá em um ajuste significativo dos preços da farinha e seus derivados já nos próximos meses.

Como analisou o consultor em Gerenciamento de Riscos de Trigo na StoneX Brasil, Jonathan Pinheiro, o cenário global do trigo enfrenta um dos seus momentos mais emblemáticos que, mesmo com um crescimento de safra de 10 milhões de toneladas anteriormente, os estoques são menores, fazendo com que se vivencie um aperto de oferta na transição de temporadas – com recuos consideráveis nas últimas cinco.  Ao que se refere unicamente a 2024, o setor contabiliza o menor estoque de passagem nos últimos 15 anos, quando comparado ao consumo mundial do cereal. “Mesmo que a produção global apresente um crescimento gradual, o consumo tem mais que compensado esse movimento, ou seja: há uma demanda muito maior do que a capacidade de crescimento da produção atual”, explicou Pinheiro.

Fotos: Arquivo/OP Rural

Neste cenário, a América do Norte como um todo apresenta um bom desempenho produtivo nas regiões dos Estados Unidos e do Canadá. Já a Europa enfrenta problemas climáticos que podem ocasionar novos ajustes no montante global, com a Rússia e a Ucrânia resultando em produções menores em decorrência da temporada de chuvas.  “Ao que diz respeito à Rússia e à Ucrânia, o restante do mundo já olha para as produções menores desses dois países com preocupação, pois há uma dependência de oferta e de preços mais competitivos, que sobem continuamente, fazendo com que todos as outras regiões produtoras tenham que fazer o mesmo”, frisa o profissional.

Já no hemisfério Sul, até o momento, o resultando tende a ser mais positivo que negativo. A Austrália apresenta uma boa safra e a Argentina, apesar de não contar com um crescimento de área, se destaca pelos bons índices de produtividade e um potencial de safra maior, o que beneficiará o consumo interno brasileiro.

Brasil: um cenário incerto

Como também explicou o consultor, espera-se um cenário desafiador para a produção de trigo em território brasileiro, uma vez que, com a pressão do cenário externo, potencializada pela Europa, o país também enfrentará a baixa rentabilidade da última safra, os preços pressionados no momento de decisão, as dificuldades no acesso a oferta de sementes e maior competição com outras culturas de inverno.

No Rio Grande do Sul, por exemplo, há um cenário muito incerto, fator que pode pressionar ainda mais o mercado, que já se encontra em um momento de atenção. Com um clima considerado arriscado e produtores descapitalizados, o recolhimento da safra de trigo na região apresenta uma tendência de ser mais prejudicado, ao contrário do Paraná, que deve aproveitar a recuperação internacional e se favorecer da situação enfrentada pelo Estado parceiro, se destacando na produção. “Estamos enfrentando um momento muito delicado para a indústria moageira nacional, que tem assistido um aumento quase que diário de sua principal matéria-prima, evidenciando assim a discrepância entre o preço de compra da commodity, o trigo, e o produto final, a farinha de trigo, que não tem acompanhado o mesmo movimento de subida nos preços”, destacou o diretor de Suprimentos da Correcta e Moinho Cruzeiro do Sul, Maurício Ghiraldelli, que moderou o webinar.

A necessidade por importação pelos moinhos brasileiros nesse cenário é cada vez maior. “O mercado doméstico já não tem uma oferta tão abundante e basicamente o que temos lá fora para comprar está um pouco mais caro, ou seja, o aumento nos custos dos moinhos é real e vai resultar no repasse aos consumidores, com o aumento de preços dos derivados de farinha aos consumidores”, frisou o consultor.

Para o presidente do Sindustrigo, João Carlos Veríssimo, “neste momento de transição entressafras, temos que tomar decisões sobre precificação de produto hoje e expectativa de reposição de produtos para o futuro. Tudo o que enfrentamos hoje e enfrentaremos nos próximos meses não representa uma situação simples para o mercado e as perspectivas são complexas”.

“É preciso cautela, pois o resultado de uma política comercial desajustada ou menos conectada com os custos de reposição pode acarretar prejuízos bastante significativos para o setor”, destacou ele.

O webinar completo está disponível no canal do Sindustrigo no Youtube e a apresentação com os dados da Stonex está disponível aqui.

Fonte: Assessoria Sindustrigo
Continue Lendo
CBNA – Cong. Tec.

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.