Conectado com
VOZ DO COOP

Empresas

Cobb-Vantress defende equilíbrio entre cálcio e fósforo em dietas de frangos de corte

É importante notar que uma boa nutrição é parte da capacidade de atingir todo o potencial genético do frango Cobb

Publicado em

em

*Vitor Hugo Brandalize é especialista Mundial em Nutrição e Serviços Técnicos da Cobb-Vantress. - Foto: Assessoria

Vitor Hugo Brandalize*

Através do melhoramento genético, a taxa de crescimento de um frango de corte e o peso corporal ideal aceleraram ao longo dos anos, o que requer uma revisão regular das formulações nutricionais. Além disso, a pesquisa está fornecendo mais informações sobre as interações complexas dos componentes da alimentação nos níveis macro e molecular no trato gastrointestinal. Na formulação de rações, considerando as interações sinérgicas e antagônicas dos ingredientes, pode otimizar as formulações para promover o desempenho e apoiar a saúde e o bem-estar animal.

Cinco dos minerais (Cálcio, Fósforo, Sódio, Cloro e Potássio) que são suplementados nas dietas de frangos de corte são importantes reguladores da homeostase e envolvidos na sinalização celular. O cálcio e o fósforo também são importantes no desenvolvimento, força e manutenção do esqueleto.

Ca e P estão amplamente localizados nos ossos e são dois dos minerais mais abundantes no corpo. As consequências de proporções desequilibradas ou deficiências de Ca ou P em dietas de frangos de corte incluem desempenho de crescimento reduzido, eficiência alimentar aumentada, mineralização óssea deficiente ou, em casos graves, morte (5,15,16). A digestibilidade de aminoácidos e a disponibilidade de P também podem diminuir quando o excesso de Ca está presente na dieta (1).

Estudos indicam que o excesso de Ca pode ter um impacto negativo na digestão porque se complexa com ácidos graxos para formar sabões, reduzindo a disponibilidade dessas fontes de energia (30). O Ca também pode ser perdido porque se complexa com o Fitato (fonte orgânica de P) e, sem enzimas exógenas para liberar os minerais, o Ca e o P serão excretados (21,22,25). O calcário, uma fonte comumente usada de Ca, pode tamponar os ácidos aumentando o pH na moela, o que afeta a disponibilidade potencial de P e nitrogênio.

Uma razão pela qual os níveis de inclusão de Ca não foram enfatizados é porque o Ca é barato, em relação ao P. No entanto, os impactos negativos do desequilíbrio desses minerais estão sendo compreendidos e a necessidade de otimizar os níveis está sendo priorizada.

DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO

Durante o desenvolvimento embrionário, o P é armazenado principalmente na gema, enquanto o Ca é armazenado na gema e na casca do ovo. Foi relatado que as concentrações de P na gema no Dia 0 são reduzidas pela metade no Dia 17 (6,12,13). Por outro lado, as concentrações de Ca na gema quase dobram no mesmo tempo. O aumento do Ca ocorre porque ele é absorvido da casca do ovo para o sistema circulatório embrionário e então depositado na gema (Figura 1). No entanto, P está limitado à quantidade que foi depositada na gema. Vale ressaltar que outros minerais, além do P, são limitados em oferta, o que torna a nutrição das galinhas um fator importante para o bom desenvolvimento do pintinho (32,34).

O embrião usa as reservas de Ca e P para a construção óssea durante a incubação. Na eclosão, apenas os depósitos vitelinos desses minerais estão disponíveis. Além da mineralização óssea, Ca e P também são necessários para outros processos celulares e metabólicos. Se os estoques de gema forem insuficientes ou os pintinhos forem privados de ração por muito tempo, os ossos podem ser enfraquecidos, pois esses minerais são preferencialmente alocados para a homeostase, enquanto a formação óssea é secundária. As formulações para dietas pré-inicial e inicial devem considerar a disponibilidade de Ca e P no nascimento (14), pois agravar o desequilíbrio desses dois minerais pode causar mau desenvolvimento, baixo desempenho e problemas metabólicos (ou seja, hipercalcemia e hipofosfatemia).

CRESCIMENTO

Durante a incubação, os ossos esqueléticos longos crescem rapidamente em largura e comprimento.  (A tíbia mais que dobra de comprimento do dia 15 ao 20!). Como a taxa de crescimento embrionário excede o processo de mineralização, os ossos são amplamente esponjosos na eclosão.

Após a eclosão, os ossos da perna se alongam e se expandem radialmente muito rapidamente. O córtex (osso externo compacto) torna-se poroso porque a deposição de colágeno supera a taxa de mineralização. No entanto, a espessura do córtex e a mineralização atingem o máximo por volta de 4 a 5 semanas de idade (27).

Os ossos continuam a crescer ao longo da vida do frango e requerem um fornecimento constante de Ca e P na dieta. No entanto, a taxa de crescimento e a necessidade de Ca e P em diferentes fases devem ser consideradas (7,11,18). Para uma boa base e desenvolvimento esquelético, os nutricionistas concordam que Ca e P devem ser os mais altos nos alimentos pré-iniciais e iniciais.

CRESCIMENTO ÓSSEO: MODELAGEM E REMODELAÇÃO

Tanto a modelagem quanto a remodelação requerem Ca e P para mineralizar e endurecer os ossos. Sem níveis suficientes de Ca e P, os ossos não irão endurecer! A deficiência crônica de P e/ou Ca causa mineralização esquelética prejudicada, uma característica comum do Raquitismo.

A modelagem óssea é o processo fisiológico de crescimento ósseo em forma e tamanho. A modelagem óssea é predominante em aves jovens e em desenvolvimento. Os ossos crescem longitudinalmente e radialmente. A modelagem óssea ocorre em resposta a impactos mecânicos ou fisiológicos, como ganho de peso.

A remodelação óssea ocorre ao longo da vida e é a substituição ou renovação do osso antigo (Figura 2). O processo é necessário para que os ossos possam manter a força e reparar as microfraturas. Além disso, a remodelação é necessária para liberar os estoques de Ca e P quando os níveis sanguíneos estão baixos e esses minerais são necessários para outras funções celulares.

DISPONIBILIDADE

O Ca e o P da dieta são absorvidos no trato intestinal. O P de fontes inorgânicas é geralmente considerado como 100% disponível (embora o P de qualquer fonte deva ser minuciosamente avaliado quanto à disponibilidade). As fontes orgânicas de P na alimentação de frangos de corte também incluem grãos de cereais, mas grande parte do P está ligado ao fitato (26). Este P ligado ao fitato não pode ser liberado para absorção sem enzimas exógenas (22,25,28,29). Além disso, minerais, incluindo Ca, Mg, Fe e Zn, complexam com fitato, reduzindo a disponibilidade desses minerais (Figura 3). Sem a adição de enzimas exógenas, os minerais ligados ao fitato não estão disponíveis para absorção.

A principal fonte de cálcio nas dietas de frangos de corte é o calcário. A disponibilidade de Ca no calcário varia consideravelmente de acordo com a fonte. Análises laboratoriais indicam que o cálcio digestível no calcário pode variar de 20% a 70%. Considerando a importância do cálcio, recomenda-se analisar o calcário para determinar a disponibilidade digestível.

ABSORÇÃO, SECREÇÃO E REGULAÇÃO

Os níveis de cálcio e fosfato no corpo são controlados equilibrando a absorção intestinal com a excreção renal. Ambos são absorvidos no trato intestinal. No entanto, a disponibilidade também é regulada pela reabsorção e excreção nos rins. Quando os estoques corporais são baixos, a absorção gastrointestinal, a reabsorção óssea e a reabsorção renal aumentam. Por outro lado, excretar e diminuir a absorção gastrointestinal pode reduzir os níveis.

ABSORÇÃO GASTROINTESTINAL

Fatores que favorecem a absorção de cálcio:

྆        Proporção correta de Ca para P (não mais que 2:1)

྆        Trato intestinal saudável

྆        pH ácido (previne formações complexas e precipitação)

྆        Presença de ácidos orgânicos

྆        Dieta rica em proteínas (Lisina e Arginina promovem absorção)

྆        Presença de vitamina D

 

Fatores que inibem a absorção de cálcio

྆        Proporção incorreta de Ca para P (1:2 inibe a absorção de Ca)

྆        Saúde intestinal ruim

྆        pH alcalino (Ca vai complexar e precipitar)

྆        Alta ingestão de gordura na dieta (forma sabões de cálcio que são excretados)

Os rins são os principais reguladores das concentrações sanguíneas de fosfato (3), embora a regulação também seja ajustada pela absorção intestinal. O fósforo é transportado ativamente e se difunde livremente pelas células do intestino delgado. Para o transporte ativo, um cotransportador acoplado ao sódio é a via principal. A expressão e atividade deste cotransportador é regulada pela disponibilidade de fósforo (8). Quando o fósforo é restrito, há um aumento na atividade e prevalência de transportadores na membrana apical das células do intestino delgado. Se a demanda por Pi diminui, o excesso é removido pelos rins.

INTERAÇÕES SINÉRGICAS E ANTAGONÍSTICAS

A absorção de P e Ca é regulada pela forma ativa da vitamina D (2,16,23). As deficiências de vitamina D estimulam a liberação de Ca dos ossos. Por esta razão, os suplementos de vitamina D podem promover a absorção de cálcio.

A deficiência de Ca está frequentemente associada a deficiências de Mg. O magnésio converte a vitamina D de uma forma inativa para uma forma ativa. Essa forma ativa de vitamina D aumenta então a absorção gastrointestinal de Ca. A relação entre P e M é o inverso; à medida que os rins aumentam a reabsorção de Mg, eles também excretam mais P.

Muitas enzimas envolvidas na síntese de colágeno e na reticulação da matriz óssea orgânica requerem cobre (Cu). As deficiências de cobre podem fazer com que o córtex (parte externa do osso) fique mais fino. Quando os níveis teciduais de Ca estão baixos, é comum encontrar baixos níveis teciduais de cobre.

Em conjunto com sódio (Na) e cloro (Cl), o potássio(K) participa da homeostase, incluindo equilíbrio ácido-base, transporte celular, regulação da pressão osmótica, potenciais através das membranas celulares e ativação de cascatas intracelulares. O equilíbrio de cátions (K+ e Na+) com ânions (Cl-) é chamado de equilíbrio eletrolítico. O equilíbrio correto entre Na, K e Cl é necessário para um bom desempenho, uso de aminoácidos e desenvolvimento ósseo. No entanto, altos níveis de Na podem aumentar a excreção de Ca e a reabsorção óssea.

Nem todas as interações entre as inclusões alimentares são totalmente compreendidas. Há uma grande quantidade de pesquisas sendo conduzidas para investigar as relações entre minerais, vitaminas e outras inclusões alimentares. É importante notar que o corpo regula altamente a absorção das necessidades alimentares. Por esta razão, formular a dieta deve ser uma ciência precisa. A inclusão excessiva pode desperdiçar ingredientes, pois eles serão excretados, o que diminui os lucros. A baixa inclusão pode levar a um desempenho ruim, problemas de saúde e bem-estar ou até mesmo à mortalidade.

RECOMENDAÇÕES BASEADAS NA CIÊNCIA CÁLCIO E FÓSFORO

As necessidades nutricionais de uma ave são dinâmicas e, como tal, as formulações de rações podem fornecer mais ou menos alguns componentes da ração, dependendo da idade e das necessidades da ave. Uma solução é usar a alimentação multifásica para que, à medida que o número de formulações de ração aumenta, a capacidade de fornecer com precisão as necessidades nutricionais corretas aumentem, também (10). Nosso suplemento para frangos de corte Cobb500 2022 fornece 5 recomendações de dietas diferentes (Inicial, Crescimento 1, Crescimento 2, Finalizador 1, Finalizador 2) para atender às necessidades nutricionais baseadas na idade com mais precisão.

Em comparação com a pesquisa de aminoácidos e nutrição energética, há consideravelmente menos informações sobre nutrição mineral. Além disso, a maioria dos nutricionistas reconhecem que existem oportunidades e necessidades para um melhor entendimento do efeito do Ca e do P no desempenho dos frangos de corte. A Cobb-Vantress tem pesquisado ativamente os requisitos desses minerais em frangos de corte. Com base nesses estudos de pesquisa, em 2022, publicamos novas recomendações de Ca e P disponível para nossos frangos de corte Cobb500 (https://www.cobb-vantress.com/resource/product-supplements).

SÓDIO, POTÁSSIO E CLORETO

O sódio é muito importante para o metabolismo basal. Este elemento também regula a ingestão de água, a pressão osmótica celular e a permeabilidade celular. A deficiência de sódio pode levar a uma redução na absorção de aminoácidos e açúcares no intestino. Quando os níveis de sódio aumentam, as aves tendem a beber mais, o que pode levar à cama molhada.

O potássio é muito importante no desempenho do crescimento e no desenvolvimento ósseo. É muito importante estabelecer um nível mínimo de potássio nas dietas de frangos de corte. O carbonato de potássio tem sido reconhecido como uma fonte muito boa de K em dietas de frangos de corte. Fornecer níveis adequados é muito importante, pois a hipocalemia (deficiência de potássio) pode causar fraqueza muscular, tônus intestinal ruim, inflamação intestinal, fraqueza cardíaca, fraqueza muscular respiratória e morte.

O cloro suporta a função muscular adequada e, com K e Na, equilibra a pressão osmótica nas células e tecidos. O Cl também é usado para sintetizar o ácido clorídrico, usado para quebrar a alimentação no proventrículo.

EQUILÍBRIO DE SÓDIO, POTÁSSIO E CLORETO

Sódio, Potássio e Cloreto desempenham papéis importantes e integrados na regulação osmótica e na manutenção do equilíbrio ácido-base no corpo. Recomenda-se uma combinação de eletrólitos com níveis mais altos de cátions e níveis mais baixos de ânions. O balanço eletrolítico nas dietas (BED) pode ser expresso como a soma de cátions menos ânions (Na + K – Cl). Para frangos de corte, uma inclusão de BED de 250 mEq/Kg é ótimo para funções fisiológicas normais (19). O BED é convertido em unidades padrão (mEq/kg) pela multiplicação de fatores que são derivados do peso elementar de cada eletrólito pela porcentagem desse eletrólito:

Os principais ingredientes na alimentação de aves são o Farelo de Soja e o Milho. Neste caso, o nível do cátion Potássio pode ser facilmente alcançado, pois a soja contém altos níveis de Potássio. No entanto, os substitutos do Farelo de Soja, como Produtos de Origem Animal (Farinha de Carne e Ossos, Farinha de Subprodutos de Aves, etc.), DDGS, são fontes pobres de Potássio.

RESUMO

Por meio da seleção genética, o crescimento e o peso corporal alvo dos frangos Cobb aceleraram nos últimos anos. Além disso, a pesquisa forneceu mais informações sobre as interações de cálcio e fósforo e seu impacto no desempenho. Por essas razões, a Cobb publicou novas diretrizes para a inclusão desses componentes na dieta.

É importante notar que uma boa nutrição é parte da capacidade de atingir todo o potencial genético do frango Cobb. Um bom programa de manejo deve estar em vigor. Nosso suplemento para frangos Cobb fornece todas as diretrizes de nutrição e desempenho. O Guia de Manejo de Frangos Cobb também está disponível, projetado para ajudá-lo a desenvolver seu programa de manejo. Esses recursos e outros estão disponíveis em www.cobb-vantress.com.

Nossas recomendações são baseadas no conhecimento científico atual e na experiência prática de todo o mundo. Você deve estar sempre ciente da legislação local, que pode influenciar as práticas de manejo que você decidir adotar. Como sempre, nossas equipes técnicas estão disponíveis para ajudá-lo.

Fonte: Assessoria

Empresas Probiótico

Maximize a Produção de Carne e Leite: Benefícios das Leveduras para uma Pecuária Eficiente e Sustentável

O desafio da indústria pecuária é otimizar a produção animal de forma a garantir a lucratividade dos produtores, respeitando a saúde, o bem-estar e o ambiente animal, enquanto oferece aos consumidores a qualidade e a segurança dos produtos e seus derivados. 

Publicado em

em

Divulgação Lallemand

Na Lallemand Animal Nutrition vemos uma fazenda como vários ecossistemas microbiológicos. Desde a forragem até o rúmen da vaca, tudo possui uma microbiota natural. O balanço destes ecossistemas é essencial para a saúde, o bem-estar e o desempenho do rebanho. Manejando estes ecossistemas microbiológicos, os produtores podem otimizar o desempenho, a qualidade e segurança, enquanto contribui para uma produção leiteira sustentável.

Os probióticos são organismos vivos compostos por cepas específicas de leveduras ou bactérias que influenciam positivamente a função digestiva e a saúde do animal. A inclusão de probióticos na dieta melhora a digestibilidade da ração, promove maior proteção contra microrganismos nocivos e fornece suporte à imunidade dos animais.

Como pioneira e líder em seleção, desenvolvimento e produção de leveduras e bactérias, a Lallemand Animal Nutrition oferece uma linha completa de probióticos para ruminantes, monogástricos e aquicultura com uma base substancial de evidências científicas.

LEVEDURA ESPECÍFICA DO RÚMEN, COM MAIS DE 70 PUBLICAÇÕES CIENTÍFICAS

A levedura viva Saccharomyces cerevisiae CNCM I-1077 é uma cepa identificada e exclusiva da Lallemand, reconhecida cientificamente por regular o pH ruminal, aumentar a anaerobiose e otimizar o aproveitamento da dieta por meio da melhor digestibilidade da fibra. Todos os produtos da linha LEVUCELL SC possuem a cepa CNCM I-1077 como componente principal e cada um dos produtos possui suas especificidades.

Levucell® SC maximiza o aproveitamento da dieta e o retorno sobre os custos com alimentação, com eficiência comprovada em todas as categorias de animais de produção:

LEITE

– Melhora a digestibilidade da fibra e ajuda a otimizar o pH ruminal*.
– Melhora a eficiência alimentar: mais leite por kg de ração consumida (ex para leite: + 50g* a 120g de leite para cada kg de matéria seca ingerida)

CARNE

– Melhora a eficiência alimentar: mais carne por kg de ração ingerida (ex. para carne, 4 a 6%** mais carne por kg de ração)
– Melhora digestibilidade da fibra e ajuda a otimizar o pH ruminal*

Levucell® SC maximiza a eficiência alimentar e, portanto, ajuda a manter o rúmen saudável. Sua eficácia foi validada por Centros de Pesquisa líderes (mais de 70 publicações científicas internacionais).

Apresentação em duas formas para se adequar às formulações de rações:
– Forma concentrada para rações não peletizadas
– Forma microencapsulada para rações peletizadas

Se você é indústria de ração animal e procura soluções específicas e quer oferecer o melhor para seus clientes, conheça o portfólio da Lallemand em nosso site.

* Meta-analysis (De Ondarza et al., 2010)        ** Meta-analysis (Erasmus et al., 2009) 

Fonte: Comunicação Lallemand
Continue Lendo

Empresas

Dia Mundial da Vacinação Animal: A Ceva Saúde Animal destaca os benefícios da medicina preventiva

Além da ampla gama de imunizantes disponíveis no mercado, a Ceva se tornou líder mundial no campo das vacinas personalizadas, conhecidas como vacinas autógenas.

Publicado em

em

Foto e texto: Assessoria

No Dia Mundial da Vacinação Animal(20/04), a Ceva, a quinta maior empresa de saúde animal do mundo, presente em 110 países, reafirma a contribuição da imunização animal e seu papel essencial no manejo da prevenção de doenças.

 

A vacinação animal, um pilar da produção sustentável de alimentos e do #OneHealth

A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), estima atualmente que 783 milhões de pessoas sofrem de fome severa e estão cronicamente subnutridas, ou seja, incapazes de acessar alimentos suficientes, especialmente proteínas animais, regularmente. O impacto dessa deficiência pode ser ainda maior, especialmente para o desenvolvimento saudável das crianças, para a saúde das mulheres grávidas e dos idosos.

A saúde animal está, portanto, diretamente ligada à segurança alimentar. De fato, a Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que 20% dos rebanhos do mundo são descartados a cada ano, devido ao adoecimento dos animais. Segundo a consultoria internacional Oxford Analytica, esse fato representa perdas equivalentes às necessidades de consumo anuais de 1,6 bilhão de pessoas em todo o mundo. As estimativas mostram que, em breve, cerca de 10 bilhões de pessoas viverão em nosso planeta, desta forma é essencial tomar medidas para garantir que a população tenha acesso a uma fonte segura de proteínas.

Comprometida com o futuro do planeta, a Ceva investe constantemente em soluções inovadoras que contribuem com a manutenção da saúde e do bem-estar dos animais. A medicina preventiva é essencial evitar que os animais adoeçam, e consequentemente, auxilia na segurança alimentar, criando um sistema produtivo, mais eficiente e sustentável.

Além disso, essa prevenção tem outro benefício-chave: permite o uso racional de antibióticos e, assim, contribui para diminuir a resistência aos antimicrobianos. Entre 2017 e 2019, o uso global de antimicrobianos em animais diminuiu 13%.

Finalmente, à medida que as zoonoses – doenças que afetam animais e humanos – aumentam, a vacinação animal se mostra, mais uma vez, uma necessidade de saúde pública crescente. De fato, segundo a OMS, 70% das novas doenças emergentes em humanos são de origem animal, sendo que dois terços delas vêm da vida selvagem. Portanto, é indispensável investimentos contínuos para fornecer o melhor cuidado preventivo para os animais e, consequentemente, para os humanos.

 

Ceva, a empresa de saúde animal mais inovadora em tecnologias de vacinas

Por mais de 20 anos, a Ceva tem a convicção de que vacinar animais é uma necessidade. É por isso que a empresa francesa investe continuamente em medicina preventiva, para se preparar para futuras pandemias, contribuir com o controle de zoonoses e proporcionar mais saúde e bem-estar aos animais. Hoje, mais de 50% dos investimentos em P&D da empresa são destinados ao desenvolvimento de vacinas.

Com 14 centros de P&D no mundo, dedicados ao desenvolvimento de soluções e serviços voltados ao mercado de saúde animal, a Ceva é uma das empresas mais inovadoras. Até o momento, o grupo conta com seis tecnologias projetadas para atender às necessidades dos médicos veterinários. A mais recente é uma plataforma de nucleotídeos de ponta, um banco de dados que permite a resposta rápida a novos vírus emergentes. Um exemplo da aplicabilidade da ferramenta é a produção de uma vacina para patos contra influenza aviária, aprovada em março passado pelo governo francês.

 

Ceva, uma expertise mundial em vacinas autógenas

Além da ampla gama de imunizantes disponíveis no mercado, a Ceva se tornou líder mundial no campo das vacinas personalizadas, conhecidas como vacinas autógenas.

Essa tecnologia pode ser usada para desenvolver soluções em escala, para atender a demanda de fazendas ou grandes rebanhos, ou até mesmo, para espécies de animais menores (perus, patos, galinhas-d’angola, entre outros). Desta forma, é possível atender novas demandas do mercado.

As vacinas autógenas desempenham um papel fundamental na preservação das espécies e contribuem para o uso racional de antibióticos. A Ceva possui uma rede dedicada à produção dessas soluções (Canadá, França, Alemanha, Reino Unido, EUA), reforçando a estratégia preventiva da multinacional.

 

Marc Prikazsky, Presidente e CEO da Ceva, afirmou:

“A insegurança alimentar é um desafio real, e nós queremos fazer a nossa parte. É por isso que estamos desenvolvendo soluções inovadoras, como vacinas, para garantir a manutenção da saúde dos animais e apoiar todas as formas sustentáveis de agricultura.
A prevenção também é uma ferramenta essencial na luta contra futuras pandemias globais. As zoonoses só podem ser controladas por meio da vacinação. Portanto, é imperativo continuar inovando para desenvolver plataformas de imunização que nos permitam responder rapidamente e de forma eficaz à ameaça representada por novas doenças que poderiam se espalhar globalmente. Até o momento, desenvolvemos mais de 50 vacinas contra 19 doenças zoonóticas. É por meio do desenvolvimento de soluções de saúde inovadoras e do acompanhamento próximo de doenças emergentes que poderemos limitar os riscos de propagação e preservar a saúde de nossos animais, e, portanto, nossa própria saúde.”

 

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas Aminoácidos sulfurados

Evonik foi destaque no 5º Simpósio das Tabelas Brasileiras para Aves e Suínos, em Viçosa, MG

Debate sobre melhor desempenho de aves com aminoácidos sulfurados, lançamento do Relatório de Matérias-Primas e coquetel de abertura entre os destaques da empresa

Publicado em

em

Divulgação Evonik

Um debate sobre a otimização no uso de aminoácidos sulfurados em dietas de aves para melhor desempenho, saúde e lucratividade; o lançamento do Relatório de Matérias-Primas de 2023, a realização do coquetel de abertura e a participação da equipe técnica foram alguns dos destaques da Evonik durante o 5º Simpósio das Tabelas Brasileiras para Aves e Suínos, que aconteceu na Universidade Federal de Viçosa (UFV) no último mês de março.

gerente de Negócios de Essencial Nutrition no Brasil, Felipe Chagas.

Tradicional apoiadora do evento realizado pela UFV, a Evonik é uma das patrocinadoras desde a sua primeira edição. O objetivo é incentivar e promover o desenvolvimento de pesquisas na área de nutrição a fim de desenvolver o setor, defende o gerente de Negócios de Essencial Nutrition no Brasil, Felipe Chagas.

“Aqui temos a oportunidade de estar em sintonia com a universidade e com a ciência. É um evento muito alinhado com o nosso posicionamento de mercado e a liderança no setor. Quando falamos do Atlas MetAMINO e do Relatório de Matérias-Primas, por exemplo, são temas que trazem ciência, pesquisa e muito estudo”, comenta Chagas.

Ele destaca a importância dos estudos científicos para a evolução dos setores avícola e suinícola. “Aqui vemos profissionais com muitos anos de carreira e também aqueles que estão chegando, é um encontro de várias gerações. Então, vemos a evolução científica da cadeia produtiva como um todo, conseguimos chegar até aqui, no ponto em que estamos, porque tivemos muita ciência e essa harmonia entre as gerações”, afirmou.

Pré-Simpósio

No dia 25 foi a realização do Seminário Professor Luiz Albino. Com foco em “Atualizações nutricionais para a produção de alta performance”, a Evonik ministrou palestra em uma ação conjunta com outras empresas do segmento. Neste seminário, o diretor Técnico da Evonik nas Américas, Victor Naranjo, defendeu a “Otimização de aminoácidos sulfurados em dietas de aves para melhor desempenho, saúde e lucratividade”.

Chagas salienta a participação massiva de convidados. “Foi impressionante a adesão do público a este encontro. Tivemos a sala cheia, muita procura pelo debate e as palestra todas foram muito bem conduzidas”, disse explicando o nome do seminário em homenagem ao Professor Luiz Albino, falecido poucos dias antes da realização do evento. “No encerramento tivemos uma homenagem ao professor com a presença da família dele”.

Coquetel de abertura

O coquetel de abertura marcou o lançamento das Tabelas Brasileiras de Aves e Suínos, referência mundial em nutrição de monogástricos. Com 500 participantes, o coquetel foi um momento de confraternização com a presença de líderes da cadeia produtiva e nutricionistas das principais empresas do país. “Pensamos em proporcionar um momento de confraternização. Foi muito prestigiado, tivemos ali desde estudantes, passando por pesquisadores, cientistas, empresários, nutricionistas em um grande encontro da cadeia produtiva de todo o país. Vieram profissionais de norte a sul, então, foi muito importante”.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
SIAVS 2024 E

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.