Conectado com
VOZ DO COOP

Suínos / Peixes

Circovírus suíno tipo 2: importância das novas variantes virais

É importante destacar que, nos últimos anos o PCV2d ganhou importância, pois é frequentemente identificado em casos suspeitos de falha vacinal

Publicado em

em

Artigo escrito por Cristian Postal, médico veterinário e assistente Técnico da Ceva Saúde Animal e William Costa, médico veterinário e gerente Técnico Suínos da Ceva Saúde Animal

O PCV2 é um dos patógenos mais importantes na suinocultura por causar perdas econômicas devido a elevada mortalidade, atraso na produção e pela ocorrência de infecções secundárias associadas ao vírus. Se expressa com sintomas respiratórios, enterite, dermatite, nefropatia e questões reprodutivas que foram denominadas como doenças associadas a Circovírus suíno (PCVAD). Além das infecções clínicas, o PCV2 pode desenvolver uma doença subclínica por longos períodos de tempo, o que resulta em um impacto variável na produção de suínos. Nestes casos são observados sinais clínicos inespecíficos (normalmente resultantes de infecções secundárias), seguidos de redução do GPD e piora na conversão alimentar.

O Circovírus suíno tipo 2 (PCV2) é um vírus pequeno (17nm), icosaédrico, não envelopado, que possui um genoma circular de DNA fita simples. Foi caracterizado inicialmente em 1988, após seu isolamento em órgãos de suínos acometidos por uma doença então emergente, denominada de Síndrome da Refugagem Multissistêmica dos suínos – SRMS (Postweaning Multisystemic Wasting Syndrome, PMWS).

Os genes do PCV2 estão dispostos em 11 quadros de leitura abertos (ORF, do inglês open reading frame) aparentes; entretanto, apenas a expressão proteica de quatro deles foi descrita:

  • ORF1 (gene de Replicação) codifica a reprodução do vírus, proteínas não estruturais
  • ORF2 (gene Capsídeo) codifica a única proteína estrutural
  • ORF3 participa da apoptose celular. Recentemente foi publicado que ao se inocular leitões com PCV2 mutante carente de OFR3, a virulência era menor se comparado ao vírus PCV2 normal.
  • ORF4 está incluído no ORF3, é também denominado um gene de supressão de apoptose, porque codifica uma nova proteína aparentemente capaz de anulá-la.

Variantes virais

O PCV2 está continuamente em evolução através de mutações pontuais e recombinações genômicas. O gene que codifica a ORF2 (capsídeo) possui a maior taxa de mutação dentro do genoma viral, o que tem levado a variações antigênicas.

Atualmente, cinco genótipos distintos foram descritos em suínos com base na sequência de ORF2, que foram classificadas como PCV2a, PCV2b, PCV2c, PCV2d e PCV2e.

O genótipo PCV2a era o que se encontrava em maior frequência até 2003, nos suínos que apresentavam doença clínica. Desde então, o mais frequente é o PCV2 b, onde essa troca coincidiu com aparecimento de casos mais graves de PCVAD. O PCV2c foi identificado apenas em amostras arquivadas da Dinamarca e uma recente amostra de suínos do Brasil. É considerada de menor importância.

A partir de 2012, uma nova variante ou estirpe de PCV2 (mPCV2 ou PCV2d) também foi detectado em suínos e tem sido associado a casos de falhas vacinais. Os animais vacinados contra o PCV2 apresentavam sinais clínicos típicos de PCVAD, sendo o vírus identificado nestes casos do genótipo b. Análises genômicas indicaram adições ou substituições de nucleotídeos gerando modificações no genoma do vírus, denominado mPCV2, e que por sua vez levaram a mudanças em aminoácidos localizadas em epítopos responsáveis pela ativação do sistema imune.

Recentemente, estudos filogeográficos sugerem que o PCV2b poderia estar mudando para PCV2d, produzindo outro deslocamento genotípico como o que ocorreu de PCV2a à PCV2b. No entanto, ainda não há evidências reais para explicar por que essa situação está ocorrendo. Uma das teorias que são cogitadas é que a vacinação massiva dos suínos contra o PCV2 tenha propiciado esta evolução. Em outras palavras, as vacinas poderiam ser mais eficazes frente a uns genótipos e menos frente a outros, o que facilitaria a replicação e difusão daqueles genótipos para os quais as vacinas atuais oferecem menos proteção.

É importante destacar que, nos últimos anos o PCV2d ganhou importância, pois é frequentemente identificado em casos suspeitos de falha vacinal. PCV2e é um novo grupo genético que foi recentemente identificado. Atualmente, PCV2a, O PCV2b e o PCV2d são encontrados globalmente, enquanto o PCV2c foi identificado apenas na Dinamarca e o Brasil.

Prevalência das variantes virais

Desde o início desta década quando um novo genótipo reconhecido, PCV2d, emergiu essencialmente em todas as grandes populações de suínos na América do Norte, América do Sul, Europa e Ásia, vários estudos indicam que essa variante está se tornando a estirpe predominante na população mundial de suínos, substituindo PCV2a e PCV2b. Frequentemente, a presença de PCV2d foi vinculada a surtos de PCVAD em rebanhos vacinados levando preocupações que as vacinas baseadas em cepas de PCV2a podem não proteger o suficiente contra cepas de PCV2d.

Na China, uma análise filogenética baseada na ORF2 mostrou que as cepas PCV2 foram classificadas em cinco subtipos, sendo a prevalência de cada cepa mostrou que 7,37% (7/95) das sequências corresponderam à PCV2a; 15,8% (15/95) à PCV2b; 72,6% (69/95) para PCV2d e 2,1% (2/95) para PCV2e. O PCV2e, um novo genótipo de PCV2, foi identificado nos EUA em 2015, a sequência ORF2 mostra aproximadamente 85% de identidade com outras sequências conhecidas de ORF2 de PCV2. Para determinar a patogenicidade do PCV2e, serão necessárias investigações mais aprofundadas. O DNA das cepas de PCV2e descritas pela primeira vez na China, foram interessantemente encontradas na água contaminada por suínos.

Os dados atuais indicam que a prevalência de PCV2d aumentou de 57,1% em 2013 para 87,5% em 2016, sugerindo que o PCV2d substituiu PCV2b e tornou-se o genótipo PCV2 predominante na China desde 2013.

Importância econômica das novas variantes virais

Atualmente, as vacinas contra PCV2 com base em diferentes genótipos causadores de PCVAD podem diminuir a prevalência do vírus e as cargas virais. Entretanto, o agente ainda ocorre com frequência em granjas vacinadas e não vacinadas de suínos.

Um estudo recente usando suínos, determinou que o PCV2d dos EUA era altamente virulento, induzindo 71,4% de mortalidade em suínos não vacinados co-infectado com vírus da Síndrome Reprodutiva e Respiratória Suína (PRRSV). Entre todos os suínos infectados, 47,6% (10/21) desenvolveu doença clínica grave, morreu ou teve que ser humanamente eutanasiado entre 11-20 dias após o desafio.

Desde 2009, surtos de PCVAD envolvendo suínos vacinados começaram a aparecer, culminando com a caracterização de uma nova estirpe de PCV2, denominada mPCV2. Ainda nesse ano, granjas de suínos no Meio Oeste dos EUA vacinadas para PCV2, apresentaram uma síndrome de edema pulmonar agudo, que foi posteriormente associada ao PCV2, com sinais clínicos de estresse e morte, em animais na fase de creche e crescimento. A mortalidade chegou a 20% em alguns grupos.

Nos EUA em 2012, um surto de PCVAD em animais de crescimento, também vacinados para PCV2, onde os animais apresentaram perda de peso, anorexia, dificuldade respiratória e lesões características da síndrome dermatite e nefropatia, teve diagnostico laboratorial de mutações no PCV2. O percentual de mortalidade durante esse surto apresentou crescimento de 100%, saindo de 5% para 10%.

Outro surto de PCVAD foi descrito nos EUA em 2012. Foram acometidos suínos em crescimento vacinados para PCV2, de duas granjas diferentes, produtoras de reprodutores, e a 100km de distância entre elas. A taxa de mortalidade na fase passou de um para 10%, e os sinais clínicos apresentados foram letargia, perda de peso e anorexia. Das 13 amostras sequenciadas, duas eram do genótipo PCV2b e 11 amostras apresentavam uma lisina (K) adicional na ORF2, depois denominada de mPCV2 e a primeira identificação nos EUA.

Mais informações você encontra na edição de Suínos e Peixes de outubro/novembro de 2018 ou online.

Fonte: O Presente Rural

Continue Lendo

Suínos / Peixes Homenagem

Presidente da Frimesa recebe título de “Cidadão Honorário” de Marechal Rondon na sexta-feira

Comenda será à Elias José Zydek em sessão solene no plenário da Casa de Leis.

Publicado em

em

No início de 2023, Elias Zydek foi alçado ao cargo de diretor presidente da Frimesa - Fotos: Divulgação/Frimesa

O Poder Legislativo de Marechal Cândido Rondon (PR) marcou para esta sexta-feira (23), no plenário da Casa de Leis, sessão solene para entrega de título de “Cidadão Honorário do Município” ao presidente  da Frimesa, Elias José Zydek.

A comenda é de autoria do vereador Juliano Oliveira. Segundo ele, o homenageado trabalhou intensamente pela implantação da fábrica de queijos da antiga Cooperativa Central Agropecuária Sudoeste (Sudcoop), atual Frimesa, em Marechal Cândido Rondon.

Comenda é de autoria do vereador Juliano Oliveira

Quando da inauguração, em 1990, a indústria foi reconhecida como uma das mais modernas da América Latina, promovendo a divulgação do município por todo o Brasil e países sul-americanos. Inclusive, no ano passado, o parmesão da Frimesa, produzido na cidade, foi o grande vencedor do Prêmio Queijos do Paraná. “Ressalta-se, ainda, que a implantação da fábrica de queijos também marcou o início do processo de industrialização no município, bem como gerou e continua gerando centenas de empregos diretos e indiretos e impulsionando a arrecadação de impostos”, destaca Juliano Oliveira.

Biografia

Elias Zydek nasceu nem Alecrim (RS), em 12 de junho de 1951. Filho de Francisco Zydek e Gentila Golfeto Zydek, casou-se com Dirce Zydek, com quem teve a filha Diele e o filho Diego.

É formado engenheiro agrônomo pela Universidade Federal de Santa Maria (RS) e especialista em Planejamento e Gestão de Negócios pela Faculdade de Administração e Economia da PUC-PR.

Iniciou suas atividades profissionais na Emater-PR em 1974, onde permaneceu até 1975, quando passou a atuar até 1978 na Copersabadi como gerente técnico.

Depois, assumiu como diretor executivo da Sudcoop, participando ativamente da fundação da empresa, a qual era formada por diversas cooperativas da região Oeste do Paraná, com a finalidade de incrementar e desenvolver a economia regional.

Em 1979, coordenou a equipe que projetou a aquisição pela Sudcoop do Frigorífico Frimesa, empresa que até então atuava apenas no abate de animais, mas que a partir de então passou para várias frentes de atuação, especialmente na área de laticínios.

Zydek trabalhou intensamente pela implantação da fábrica de queijos da antiga Cooperativa Central Agropecuária Sudoeste (Sudcoop), atual Frimesa, em Marechal Cândido Rondon (PR)

Como colaborador da Frimesa, Elias Zydek exerceu a função de superintendente industrial e, em 1997, foi promovido ao cargo de diretor-executivo, tendo participação decisiva na elaboração e implantação de projetos de expansão das unidades industriais da empresa, em especial em Marechal Cândido Rondon, transformando-a numa unidade modelo na fabricação de queijos.

Ainda na esteira de promover o desenvolvimento de Marechal Cândido Rondon através da geração de emprego e renda, Elias Zydek atuou junto à Frimesa para a aquisição da Unidade de Abate de Suínos da empresa Radar, localizada no distrito de Novo Horizonte, fato que gerou 700 novos postos diretos de trabalho.

Somados os 900 empregos gerados na unidade láctea instalada no município, a atuação da Frimesa em Marechal Cândido Rondon conta com 1.600 trabalhadores e proporciona outros milhares de empregos indiretos, promovendo o desenvolvimento do agronegócio local, especialmente nas atividades leiteira e suína.

A aquisição de bens e serviços do comércio local também é uma política da Frimesa, promovendo, assim, emprego e renda nesse segmento.

Após 45 anos, no início de 2023 Elias Zydek foi alçado ao cargo de diretor presidente da Frimesa.

Fonte: Assessoria Frimesa
Continue Lendo

Suínos / Peixes Consumo e exportação

Assim como em 2023, oferta de carne bovina deve continuar a influenciar preço do suíno em 2024

Apesar da expectativa de um menor volume de produção da safra brasileira, ocasionada pelas condições climáticas, o mercado internacional de commodities com cotações em baixa deve manter os custos de produção da suinocultura em patamares que permitam margens financeiras positivas ao longo do ano.

Publicado em

em

Foto: Ari Dias

O IBGE publicou no dia 09 de fevereiro os dados preliminares de abate de suínos, aves e bovinos do último trimestre de 2023. Conforme a tabela 1, comparado com 2022, o ano de 2023 foi marcado pelo aumento considerável do abate de bovinos, em toneladas de carcaça e em cabeças (11,23% e 13,17%, respectivamente), um pequeno crescimento na produção de frango (3,47% em ton. e 2,82% em cabeças) e uma relativa estabilidade na produção de suínos, com apenas 2,04% a mais em toneladas e incremento de 1,13% em cabeças abatidas.

Tabela 1 – Abate brasileiro de bovinos, aves e suínos em toneladas de carcaças e em cabeças (x 1.000) projetado para o ano de 2023, no 4º trimestre de 2023, comparado com o 3º trimestre/23 e com o mesmo período de 2022. *Dados do 4º trimestre/23 são preliminares. Elaborado por Iuri P. Machado com dados do IBGE

Quanto à disponibilidade interna, no somatório das três carnes, o consumo per capita do brasileiro foi recorde em 2023, atingindo 96,56 kg/habitante/ano (Tabela 2). Novamente a carne bovina se destaca pelo crescimento do consumo doméstico, com um aumento de 4,25 kg por habitante/ano, um incremento de 880 mil toneladas (+14,54%) em relação ao ano anterior. Já o frango e o suíno aumentaram seu consumo por habitante em somente 250 g (+0,59%) e 100g (+0,49%) respectivamente, com a carne suína atingindo o valor recorde de 20,65 kg per capita ano.

Tabela 2 – Produção brasileira, exportação e disponibilidade interna mensais (em toneladas) das três carnes em 2023 e consumo per capita (kg) e diferença para 2022. População brasileira considerada p/ o cons. per capita: 203.080.756 em 2022 e 203.596.906 em 2023. Elaborado por Iuri P. Machado com dados do IBGE e Secex.

Analisando o abate de suínos nos últimos dois anos (Tabelas 3), é possível observar um “freio” na produção no ano passado, ocasionado pela longa crise que se dissipou somente a partir da metade de 2023, com vários meses apresentando crescimento negativo ao longo do ano em relação ao mês anterior e com alguns meses de retração em relação ao mesmo período de 2022, algo que não acontecia há muitos anos.

Tabela 3 – Abate brasileiro mensal de suínos em cabeças e toneladas de carcaças em 2022 e 2023 e diferença percentual de cada mês em relação ao mês anterior e ao mesmo mês do ano anterior. Elaborado por Iuri P. Machado com dados do IBGE.

De fato, ao se analisar o balanço da carne suína brasileira dos últimos 10 anos, conforme a Tabela 4 a seguir, o ano de 2023 foi o de menor crescimento tanto no abate em cabeças, quanto em toneladas de carcaças. Também a disponibilidade interna de carne suína foi a de menor crescimento neste período, com apenas 0,75%, enquanto em 2021 e 2022 a disponibilidade interna cresceu 8,46% e 7,44%, respectivamente. Na ocasião, o grande incremento da oferta aliado a um custo de produção relativamente alto, determinaram uma das maiores crises da suinocultura brasileira.

Tabela 4 –  Evolução anual da produção (ton. carcaças e cabeças), disponibilidade interna e exportações nos últimos 10 anos (de 2014 a 2023). *Produção de 2023 sobre resultados preliminares publicados pelo IBGE. Elaborado por Iuri P. Machado com dados do IBGE e Secex.

Na mesma Tabela 4 é possível verificar que a exportação de carne suína ganhou maior peso na destinação da produção, com percentual ao redor de 20%, puxada fortemente pela China desde 2020, ano em que se aproximou de 1 milhão de toneladas. Depois de bater recorde de embarques em 2023, as vendas externas continuam em crescimento no início deste ano. Janeiro de 2024 fechou com 4,8% a mais (+3.800 toneladas de carne suína in natura) que janeiro de 2023 (Tabela 5). Já as receitas (em dólar) vêm reduzindo com uma queda de -7,65% em janeiro/24 em relação a jan/23 e de -14,6% em relação a dezembro/23.

Tabela 5 – Principais destinos da carne suína brasileira in natura exportada em janeiro de 2024, comparado com janeiro de 2023 e volumes e preços de dezembro de 2023. Ordem estabelecida sobre janeiro de 2024. Elaborado por Iuri P. Machado com dados do IBGE e Secex.

Um movimento que já vinha ocorrendo no ano passado e que continua neste início de ano, é a redução dos volumes adquiridos pela China, com aumento para outros destinos como Filipinas e Chile (Tabela 6).

Tabela 6 – Percentual de participação dos principais importadores da carne suína brasileira in natura em janeiro de 2024, janeiro de 2023 e média do ano de 2023. Ordem estabelecida sobre janeiro de 2024. Elaborado por Iuri P. Machado, com dados da Secex.

Quanto ao preço do suíno, ocorreu como era esperado um recuo nas cotações em relação a dezembro de 2023 (Gráfico 1), em função da sazonalidade da demanda doméstica e internacional, mais baixas nos primeiros meses do ano. Como fatores a serem considerados ao longo do ano para que o preço pago ao produtor permita margens positivas. Além das cotações dos principais insumos, temos em favor do suinocultor uma limitação do aumento de oferta de carne suína, pois os números de 2023 indicam estabilidade e até redução de planteis, determinado um tempo maior e uma conjuntura de mercado favorável pra que volte a crescer a níveis superiores a 5% ao ano.

Gráfico 1 – Cotação da carcaça suína especial em São Paulo/SP (R$/kg), nos últimos 12 meses, até dia 16/02/2024. Fonte: Cepea

Por outro lado, a concorrência com as outras carnes, especialmente a bovina, que em 2023 com alta oferta e queda de preço (Gráfico 2), limitou a subida de preço da carne suína, deve continuar determinando grande parte da dinâmica de mercado.

Gráfico 2 – Cotação do boi gordo (B3/CEPEA) em São Paulo-SP (R$/@), nos últimos 2 anos, até dia 16/02/2024. Fonte: Cepea

Andamento da segunda safra e novas projeções de produção

A Conab divulgou dia 08 de fevereiro o quinto levantamento da safra 2023/24 que traz nova redução da expectativa de safra de milho, com previsão de um total de 113,7 milhões de toneladas a serem colhidas (Tabela 7). Ainda segundo a Conab, deste total somente 23,6 milhões de toneladas de milho devem ser produzidas na safra verão, cuja colheita, segundo MBagro, até 12/02 já ultrapassou os 20% da área a ser colhida. Para a segunda safra de milho com mais de 28% da área plantada até dia 09/02 (MBagro), a Conab projeta pouco mais de 88 milhões de toneladas, 14 milhões a menos que no ano passado.

Tabela 7 – Balanço de oferta e demanda de milho no Brasil (em mil toneladas). Dados da safra 2022/23 atualizados em 08/02/2024, sendo estoque final estimado para 31 de janeiro. Fonte: Conab

Apesar da perspectiva de redução da safra brasileira para este ano, as cotações do milho continuam estáveis (Gráfico 3). Dois fatores explicam esta estabilidade: a baixa pressão de compra no mercado doméstico e a expectativa de alta produção mundial em 2024, com a safra Argentina a ser colhida no primeiro semestre evoluindo bem e a perspectiva de alta produção do cereal no hemisfério norte no segundo semestre, puxada por EUA e China.

Gráfico 3 – Preço do milho (R$/SC 60kg) em Campinas-SP, nos últimos 12 meses, até dia 16/02/2024. Fonte: Cepea

Com a soja não é muito diferente do que está acontecendo com o milho, pois mesmo com uma evidente quebra nos volumes a serem colhidos na safra brasileira (já com quase 30% da área colhida), observa-se recuo nas cotações do grão e do farelo que em algumas praças, baixou para R$ 1.800,00 por tonelada.

As cotações atuais destas commodities variam conforme mudam as condições climáticas e a oferta e demanda efetivas se concretizam no mercado doméstico e mundial, por isso uma tendência de hoje pode mudar em alguns meses, porém espera-se para o ano de 2024 uma condição melhor do que em 2023 em termos de custos para a suinocultura.

Considerações finais

O presidente da ABCS, Marcelo Lopes, explica que como normalmente existe aumento de produtividade de um ano para outro, pode-se considerar que este aumento relativamente pequeno no abate (1,13% em cabeças) é, na verdade, resultado de uma retração nos plantéis de matrizes. “Ou seja, será preciso um tempo para que o abate de suínos volte a taxas de crescimento anuais acima de 5%. Por este motivo, espera-se que a oferta de carne suína em 2024 esteja bem ajustada, permitindo preços melhores aos suinocultores”, expõe.

Ele conclui dizendo que apesar da expectativa de um menor volume de produção da safra brasileira, ocasionada pelas condições climáticas, o mercado internacional de commodities com cotações em baixa deve manter os custos de produção da suinocultura em patamares que permitam margens financeiras positivas ao longo do ano.

Fonte: Assessoria ABCS
Continue Lendo

Suínos / Peixes

ApexBrasil e Abipesca firmam convênio de mais de R$ 8 milhões para elevar Brasil a uma referência mundial na exportação de pescados

Com duração de dois anos, o Brazilian Seafood prevê ações de capacitação, promoção comercial e de imagem do setor no comércio internacional.

Publicado em

em

Foto: Divulgação/Arquivo OPR

Nesta terça-feira (20), às 15h30, na sede do Ministério da Pesca e Aquicultura, em Brasília, a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil) e a Associação Brasileira das Indústrias de Pescados (Abipesca) vão assinar convênio para o desenvolvimento do projeto setorial Brazilian SeaFood. O objetivo do projeto é elevar o Brasil a uma referência mundial na exportação de pescados. Na cerimônia de assinatura estarão presentes o ministro da Pesca e Aquicultura, André de Paula, o presidente da ApexBrasil, Jorge Viana, o presidente da Abipesca, Eduardo Lobo e outras autoridades.

Com duração de dois anos, o Brazilian Seafood prevê ações de capacitação, promoção comercial e de imagem do setor no comércio internacional. O investimento total é de pouco mais de R$ 8 milhões, sendo R$ 4,8 milhões (60%) de valor ApexBrasil e R$ 3,2 milhões (40%) de contrapartida da entidade.

Para este ano, o projeto prevê a participação em feiras internacionais, como Seafood Boston e Barcelona e a China Fisheries and Seafood Expo. Também estão previstos eventos estratégicos no Brasil com compradores internacionais, além de iniciativas de capacitação, branding e comunicação. De olho na inclusão de mulheres na exportação, durante o encontro Seafood Brasil, em agosto, o projeto promoverá ainda um Fórum Feminino da Pesca.

O convênio faz parte de um contexto de fortalecimento das iniciativas para internacionalização do setor. Em setembro de 2023, por exemplo, a ApexBrasil realizou o Exporta Mais Brasil Pescados, que promoveu rodadas de negócios entre empresas brasileiras com compradores internacionais. O resultado, após 36 reuniões de negócios, foi de mais de R$ 80 milhões em negócios gerados em até 12 meses.

Além disso, em janeiro de 2024, a Agência assinou um Acordo de Cooperação Técnica (ACT) com o Ministério da Pesca e Aquicultura. O ACT tem a finalidade de ampliar a internacionalização da cadeia produtiva do pescado brasileiro por meio de ações voltadas à qualificação de empresas, inteligência de mercado, promoção comercial e de imagem.

Fonte: Assessoria ApexBrasil
Continue Lendo

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.