Conectado com
VOZ DO COOP

Empresas

BTA, empresa com sede no oeste catarinense, reforça seu posicionamento no mercado e registra crescimento recorde em 2023.

SUPERAÇÃO: Transformando adversidade em novas oportunidades

Publicado em

em

Divulgação BTA

Sob um novo olhar”. É dessa forma que a BTA finaliza 2023, um ano que marcou a história da empresa para o futuro. A organização “abre suas portas” para falar sobre este triste capítulo de sua trajetória, as reações vivenciadas e o replanejamento de suas estratégias até 2035.

Se pudessem ser resumidos os últimos acontecimentos em uma série de fatos, certamente, haveria cinco episódios que marcaram a jornada trilhada pela BTA ao longo de 2023. Um ano desafiador e, ao mesmo tempo, transformador. Acompanhe:

Como tudo aconteceu

No dia 12 de março, por volta das 10h32, os bombeiros de Xanxerê (SC) receberam um chamado de um princípio de incêndio nas dependências da BTA Aditivos. A partir deste momento, uma nova história começa a ser escrita. O sinistro provocou não somente uma reação, mas também, ao longo do ano, importantes reflexões organizacionais e culturais na companhia.

CEO da BTA, José Valter Dornelles Mello

No dia seguinte ao incidente, o CEO José Valter Dornelles Mello reuniu todos os funcionários da BTA nos estabelecimentos da Apply, empresa do grupo. Neste momento, inicia o primeiro desafio. Motivar a todos. “O pior já aconteceu. Então, devemos focar no atendimento aos nossos clientes, pois temos um contrato a cumprir. Graças a Deus, não tivemos vítimas, mas temos a obrigação de cuidar uns dos outros. A nossa preocupação é em relação a nossa saúde mental. O restante será construído no menor tempo possível, pois é assim que é a nossa forma que pensar e agir”, encorajou.

O Mercado

Um dos maiores desafios, naquela altura, foi o atendimento ao mercado. Aqui, destacam-se dois pontos: a reação de toda a equipe na mobilização e o envolvimento de todas as áreas, como Comercial, PCP, Logística, Suprimentos, RH, Produção e financeiro para estabelecer um comportamento em que a responsabilidade é única.

Isso, somado ao fato de que há dois anos a empresa vinha se organizando para a formação de um grupo empresarial. A BTA faz parte do grupo Mianzi, o qual possui duas empresas – a BR Chemical e a Add Nutrition. Esses dois fatos foram determinantes para o sucesso das ações. No primeiro mês seguinte ao sinistro, a BTA teve um êxito de 98% de  atendimento ao mercado, no segundo mês de 100% e, no terceiro, já sinalizava taxa de crescimento nos negócios.

Desmembrando o sinistro

Outro pensamento latente era em relação à regulamentação do sinistro: desde o primeiro momento até a conclusão dos relatórios e suas ações, uma preocupação incondicional foram os stakeholders, isto é, as partes impactadas pelo negócio. Entre eles, vale ressaltar a própria população de Xanxerê e os órgãos regulamentadores.

De acordo com os laudos da Polícia Pericial (IGP) e dos Bombeiros, o sinistro foi considerado inconclusivo, ou seja, de causas desconhecidas. Poder público, comunidade, colaboradores e gestores: todos, de alguma forma, se envolveram no processo de retomada, que exigiu rapidez, empatia, sincronia e muita precisão nas atitudes e tomadas de decisão. Um dos pontos mais importantes de todo o trabalho foi voltado às questões ambientais. As práticas de ESG, que sempre foram cultivadas dentro da empresa, passaram a ser ainda mais relevantes.

“Eu cheguei para trabalhar a questão do incidente ambiental e começamos a pontuar as medidas necessárias”, conta a coordenadora ambiental do Grupo Mizani, Gerusa Panigalli. De acordo com a colaboradora, o episódio mostrou que a filosofia da empresa vai muito além de um quadro na parede.

A BTA tomou todas as medidas preventivas e corretivas em relação ao âmbito ambiental o que resultou no sucesso das ações e êxito junto ao Órgão Ambiental (IMA), Defesa Civil e o Corpo de Bombeiros, com destaque para a transparência e o profissionalismo dessas instituições na condução dos trabalhos.

A vida continua

Nove meses depois, o balanço é um só: estão todos mais fortes que nunca. A governança corporativa – aliada ao DNA resiliente da marca e ao conceito de sustentabilidade com foco nas pessoas – junto ao olhar para a inovação foram colocados à prova e demonstraram a força da cultura organizacional do negócio.

Zé Valter, como gosta de ser chamado, desempenhou o verdadeiro papel de um líder, reforçando o poder da governança e transmitindo a toda equipe uma mensagem de persistência e foco. Para ele, apesar de triste, o episódio trouxe reflexão, observação e ações para um novo horizonte. “Raras vezes olhei para trás. Isso me auxiliaria muito pouco com as ações futuras.

Tinha ciência que teríamos dias nebulosos pela frente, mas também sabia o que deveria ser realizado. Percebi o valor e a cultura da marca. Somos uma empresa comercial, em que todas as áreas da empresa devem estar focadas nos negócios. Um plano de gerenciamento foi colocado em prática, e, hoje, a sensação é de superação e aprendizado. Tudo isso é fruto da nossa filosofia empresarial, em que a ideia dos voos dos pássaros foi colocada em prática. Isto é, a força de um time”, destaca.

Apesar do susto e do rastro de destruição, o negócio não foi impactado. A produção não parou. As entregas foram realizadas, os prazos cumpridos e a credibilidade da empresa, fundada em 2015, foi ainda mais reforçada. “Não importa o que aconteceu no fatídico dia 12, o que importa foi como lidamos com isso. O que aprendemos e o que levamos para o nosso negócio. Não perdemos um cliente. Em três dias após o ocorrido, já estávamos retomando as entregas dos pedidos”, relembra o gestor.

Presença no segmento reforça a credibilidade do negócio

As chamas que queimaram parte da estrutura física da fábrica não são maiores que a paixão pelo negócio. A fumaça não foi capaz de manchar a reputação da empresa que é referência em aditivos para nutrição animal.

Presente em 87% do mercado de produção de frangos e suínos, a BTA tem em sua carteira os maiores produtores do Brasil, garantindo segurança e melhoria contínua nos processos fabris. Uma responsabilidade que impulsiona a equipe a buscar sempre as melhores soluções, conferindo resultados significativos tanto para o produto quanto ao processo produtivo, também no âmbito da biossegurança.

Além da avicultura e suinocultura, a marca está presente ainda nos segmentos de bovinocultura, aquicultura, no mercado pet, nas fábricas de ração e FFO’s e em indústrias de alimentos e bebidas. Um portfólio amplo e um time empenhado em trazer a solução ideal para cada necessidade apresentada pelos clientes estão entre os principais diferenciais.

A BTA registrou um crescimento recorde no último ano, e tem uma rota muito bem traçada, pautada em expansão até 2035. “Sabemos o que precisamos fazer para chegar lá e toda adversidade, para nós, sempre será vista como oportunidade. Oportunidade de olhar pra dentro e, novamente, encontrar o que faz nosso negócio pulsar”, enfatiza o CEO.

Outro indicador do bom momento vivenciado pela companhia está relacionado ao valor recentemente investido no negócio. Estima-se um aporte de R$ 95 milhões até 2027, para a nova estrutura da empresa, que conta com quatro plantas industriais, totalizando 15 mil m². Além disso, foram adquiridos equipamentos e softwares de última geração, no intuito de garantir ainda mais qualidade e precisão aos processos. Onde estará enquadrada na indústria 4.0, com uso de IA.

Diante do contexto, novas linhas e processos serão implementados resultando em tecnologias e produtos inovadores. O que fez acelerar alguns projetos que estavam programados para 2025 até 2027, e que já estão em andamento.

A empresa ampliará seu Centro Tecnológico, para uma área de 2mil m², contendo laboratórios próprios e exclusivos, com foco em Físico-Química, Química Analítica de precisão, Microbiologia, Sensorial e Patologia, além da construção de uma fazenda experimental com áreas distintas para setores da avicultura, suinocultura, aquicultura, abatedouro e laboratório de rações, numa área de 50 mil m².

Em agosto de 2023, houve ainda um novo marco para a BTA: foi inaugurada a Academia Mianzi, uma universidade corporativa que tem como objetivo a capacitação, o treinamento e o desenvolvimento da equipe. A proposta visa incentivar e promover um ambiente de aprendizado contínuo entre os colaboradores e promove programas de desenvolvimento que contemplam desde o processo de coaching até cursos em parcerias com instituições renomadas como Conquer, Fundação Fritz Muller e Fundação Dom Cabral.

Marca mira em novos mercados

Com dois horizontes muito bem desenhados, a BTA atende um mercado dinâmico e em constante transformação. Na divisão Agro, a empresa oferece aditivos para a nutrição animal que conferem resultados efetivos para os clientes, otimizando os diversos processos que envolvem essa complexa cadeia produtiva. Já na divisão Industrial, são ofertadas tecnologias para a higienização de ambientes, equipamentos e utensílios na indústria alimentícia e também para a desinfecção das estações de tratamento de água. Em ambas as frentes, a companhia investe constantemente em pesquisa, tecnologia e inovação.

Surgem ainda para a BTA novas oportunidades de mercado como o cultivo de peixes e camarões, os programas de higienização inteligente, entre outras soluções apresentadas por uma equipe técnica qualificada e certificada. Por isso, com o intuito de atender as demandas do mercado e acompanhar cada etapa desse processo, a empresa tem expandido a atuação e investido fortemente na ampliação e capacitação do time de vendas, reforçando sua atuação em todo o território nacional.

Outra novidade é o movimento em torno de novas oportunidades para além das fronteiras. O plano de expansão da marca prevê novos negócios, já mapeados, em países da América Latina como Chile, Paraguai, Colômbia, Equador e Venezuela. Além disso, há estudos de desenvolvimento de oportunidades na Ásia. Recentemente, representantes da BTA realizaram ainda visitas na Índia, Itália, Alemanha, Dinamarca, China e Canadá, em busca da ampliação de portfólio para o mercado de fitoterápicos, microencapsulação e extração de óleos.

Um dos compromissos da marca está em contribuir para a diminuição do uso de antibióticos e medicamentos por meio do uso de extratos naturais. Para isso, a empresa tem buscado parcerias estratégias em soluções de extrações de óleos para o mercado de aves, suínos e bovinos, com foco na melhoria do desempenho, bem-estar e saúde animal.

Finalizando as inovações, para a nova planta de aditivos nutricionais e zootécnicos, a companhia iniciará, ainda, novas linhas de aditivos zootécnicos, sendo pioneira na produção de alguns produtos específicos no mercado nacional. Recentemente, a BTA também firmou uma parceria com uma instituição de pesquisa para produção de bacteriófagos, um mercado mundial em ascensão. A empresa deve, mais uma vez, ficar na vanguarda neste cenário.

Em resumo, foi uma jornada árdua. Porém, uma fase superada com grandes aprendizados e avanços. Prova disso são alguns números recordes registrados pela organização. Ao longo de 2023, a BTA teve 79% de crescimento na linha de ácidos orgânicos, 30% de crescimento na linha de antioxidantes e 44% de crescimento na linha de re-hidratação e aglutinação, sendo líder na melhoria da qualidade física de rações e na performance das fábricas.

Se essa série de episódios tivesse ainda uma mensagem final, seria, nas palavras de Zé Valter: “nem tudo que acontece de catastrófico pode ser considerado ruim ou lamentável e, sim, o despertar para um novo olhar e uma forma de trazer mais clareza para as ações futuras. Nossa mente, e a nossa forma de pensar, é o que realmente determina nossos caminhos”.

 

Crescimento recorde em 2023 com destaque para:

  • 30% de crescimento na linha de antioxidantes
  • 79% de crescimento na linha de ácidos orgânicos
  • 44% de crescimento na linha de re-hidratação e aglutinação, sendo líder na melhoria da qualidade física de rações e na performance das fábricas.

 

 

Fonte: Ass. de Imprensa
Continue Lendo

Avicultura Avicultura

Estudo encontra 100% de resistência bacteriana para formaldeído e 50% para amônia quaternária

Em uma ampla avaliação realizada com amostras de campo, foi evidenciado a alta prevalência de APEC resistentes aos antimicrobianos e aos desinfetantes

Publicado em

em

Arquivo / OP Rural - shutterstock

Artigo escrito por Gleidson Salles, Médico-veterinário, gerente de produto da Zoetis, e Giulia Pilati, pesquisadora pós-graduanda da Universidade Federal de Santa Cararina*

A colibacilose aviária, uma doença naturalmente oportunista com manifestação local ou sistêmica, é causada pela Escherichia coli patogênica aviária (APEC). A doença está distribuída em todo o mundo e tem um grande impacto econômico, especialmente na indústria de frangos de corte, devido à mortalidade, morbidade, falta de uniformidade no rebanho, redução da produção e aumento da condenação no abate.

O agente é responsável por causar diversas condições clínicas em aves, como aerossaculite, celulite, coligranuloma, colisepticemia, pericardite, peritonite, pleuropneumonia, pneumonia, onfalite, salpingite, síndrome da cabeça inchada (LM), panoftalmia, osteomielite e sinovite.

Os antimicrobianos mais comumente usados no tratamento da colibacilose aviária são β-lactâmicos (penicilinas, cefalosporinas), fluorquinolonas, lincosamidas, macrolídeos, quinolonas, sulfonamidas e tetraciclinas. Atualmente, muitos dos antimicrobianos utilizados na produção avícola também são utilizados na medicina humana. Isto levantou preocupações sobre a potencial transferência de genes de resistência a antibióticos entre animais e humanos.

Além de serem utilizados no tratamento e profilaxia de infecções humanas e animais, os antibióticos são amplamente utilizados como agentes metafiláticos e promotores de crescimento na produção animal. Tais práticas, no entanto, aumentam a pressão seletiva e podem favorecer o desenvolvimento de resistência antimicrobiana.

O desenvolvimento da resistência antimicrobiana é um processo complexo. A resistência pode ser classificada como inerente ou adquirida. A resistência inerente é a capacidade natural de algumas bactérias de resistir a certos antibióticos devido a propriedades intrínsecas, como a estrutura da parede celular ou vias metabólicas. A resistência adquirida, por outro lado, é o resultado de alterações genéticas nas bactérias, como mutações ou transferência de genes de resistência de outras bactérias.

Nesse contexto, realizamos um estudo que avaliou 100 lotes de carcaças de frango ( Gallus gallus domesticus ), coletados no Brasil, com o objetivo de investigar o genoma completo de isolados de Escherichia coli patogênica aviária (APEC) de fêmures de frangos de corte brasileiros ( Gallus gallus domesticus ), a fim de investigar a presença de genes de resistência antimicrobiana associados a bacteriófagos.

Um total de 63 isolados característicos de Escherichia coli foram obtidos de fêmures. Todos os isolados foram confirmados como Escherichia coli por meio de sequenciamento. Dos 63 isolados, 58 (92%) tinham entre 3 e 5 dos genes considerados preditores mínimos e poderiam ser caracterizados como Escherichia coli patogênica aviária (APEC). Destes, 40 (63,4%) apresentaram os cinco genes, outros 14 (22,2%) apresentaram quatro genes. Quatro deles (6,3%) apresentaram três genes e outros quatro, (6,3%) apresentaram entre um gene e dois genes.

Na figura 1 é possível avaliar os perfis de resistência de diferentes classes de antimicrobianos e desinfetantes frente as APEC’s encontradas no estudo. A presença ou ausência de genes de resistência a antibióticos e desinfetantes foi avaliada em isolados de E. coli submetidos para sequenciamento. Cada linha no conjunto de dados corresponde a uma amostra única, enquanto as colunas representam os genes de resistência identificados e os antibióticos ou classes de antibióticos correspondentes.

Neste estudo, genes de resistência previstos contra β-lactâmicos foram encontrados em 63,49% dos isolados contendo um ou mais genes. 49,2% dos isolados abrigavam pelo menos um gene de resistência à tetraciclina. Um dos aminoglicosídeos mais comumente utilizados na medicina veterinária é a gentamicina. No presente estudo, 78,1% dos isolados APEC abrigavam um ou mais genes de resistência aos aminoglicosídeos. 74,6% dos isolados continham genes de resistência previstos contra sulfonamidas.

Além das classes dos antimicrobianos, foram avaliados alguns desinfetantes comumente utilizados na avicultura, como é o caso do formaldeído e amônia quaternária, onde 100% das amostras com presença de APEC’s apresentaram resistência para formol e 50% para amônia quaternária, evidenciando a capacidade das APEC’s resistirem ao uso desses produtos.

Esses resultados evidenciam uma alarmante situação quando olhamos para os perfis de resistência antimicrobiana e aos desinfetantes. Novas abordagens se fazem necessárias para prevenção de colibacilose aviária.

O estudo na integra pode ser solicitado ao autor: gleidson.sales@zoetis.com

Fonte: Assessorio com autores
Continue Lendo

Empresas

Período seco à vista: saiba como aumentar a imunidade e o desempenho dos bovinos com a suplementação adequada 

Publicado em

em

Divulgação Pearson - Unsplash
  • Durante o período seco, a redução de pasto verde pode diminuir a ingestão de nutrientes essenciais pelos bovinos
  • Investir no cuidado da saúde dos animais melhora a produtividade, a qualidade da carne e do leite

O outono traz consigo tempo período seco, com poucas chuvas, no Centro-Sul. Essas condições afetam o pasto e, consequentemente, interferem na nutrição dos animais que, se não bem suplementados, perdem peso. “Menos pasto verde à disposição diminui a ingestão de nutrientes essenciais pelos bovinos. Para enfrentar esse desafio, os produtores devem fornecer concentrados energéticos proteicos e complementação vitamínica nas dietas”, explica o médico-veterinário Thales Vechiato, gerente de produtos para grandes animais da Pearson Saúde Animal.

“Atenção à nutrição adequada dos bovinos é fundamental em todas as fases, desde a criação até a lactação ou o abate. Além de afetar o ganho de peso e a produção de leite, a deficiência nutricional afeta a fertilidade e a regularização do ciclo reprodutivo”, complementa Vechiato.

O especialista da Pearson ressalta que investir no cuidado da saúde dos animais, além de aumentar a produtividade, melhora a qualidade da carne e do leite. “Para enfrentar esses desafios, uma solução eficaz é o uso de suplementos que aumentam a imunidade dos animais e melhoram o aproveitamento dos nutrientes.” Um exemplo é Aminofort, da Pearson Saúde Animal, suplemento composto por hidrolisado de órgãos e glândulas, cinco aminoácidos sintéticos essenciais, três vitaminas e sete sais minerais. Ele proporciona melhor aproveitamento dos nutrientes, auxiliando a fertilidade, a regularização do cio, o crescimento e a produção de leite, além de potencializar a imunidade do gado. “Um produto que vai com tudo.”

“A utilização de suplementos, como Aminofort, é uma medida preventiva para enfrentar o período seco, garantindo a saúde e a produtividade do rebanho. O investimento agora evita gastos superiores nos próximos meses”, ressalta Thales. Vechiato.

Fonte: Ass. de Imprensa
Continue Lendo

Empresas

Salmonella: impacto na avicultura gera preocupação aos produtores

A contaminação, infelizmente, ocorre com facilidade

Publicado em

em

Foto e texto: Assessoria

O impacto das Salmoneloses assusta: a cada 10 carcaças de frangos congelados ou resfriados entre 3 e 5 podem estar contaminadas por bactérias do gênero Salmonella. De acordo com artigo do Centro Avançado de Pesquisa Tecnológica do Agronegócio Avícola (CAPTAA), do Instituto Biológico do Estado de São Paulo, o problema atinge praticamente todos países. No Brasil, segundo o estudo, a incidência de salmoneloses varia de 9,15% a 86,7%, o que evidencia a gravidade para a cadeia de produção avícola. “Quando falamos de Salmoneloses, estamos tratando de em um grupo de bactérias com mais de 2.500 espécies. A importância para a avicultura depende do tipo, mas o problema está aí e deve receber a atenção merecida”, explica a médica-veterinária Eva Hunka, gerente de produtos e serviços técnicos para vacinas da Phibro.

A especialista informa que “as salmonellas tíficas causam doença clínica nas aves e representam um desafio sanitário muito importante nas poedeiras comerciais, porém não causam doenças em humanos. É um problema que atinge diretamente a avicultura por conta de mortalidade, queda na produção de ovos e tratamentos. Já as salmonellas paratificas não provocam doenças nas aves, mas são importantes para a saúde humana. Elas são impactantes para os frangos de corte e para as matrizes. Nesse caso, o prejuízo está relacionado à condenação dos lotes positivos no abatedouro e às restrições à comercialização da carne contaminada.”

A contaminação, infelizmente, ocorre com facilidade. Por ser um micro-organismo presente em diferentes hospedeiros, inclusive no homem, em materiais e equipamentos e na alimentação, ela pode ocorrer de muitas formas, desde o contato com outros hospedeiros (roedores e insetos, por exemplo) até mesmo por meio de ração contaminada. De acordo com Eva, “um patógeno que tem tantos hospedeiros, tantas espécies e é tão resistente é praticamente impossível de se evitar. É preciso trabalhar em um programa integrado de controle com medidas de biosseguridade, programa de vacinação, controle de roedores e insetos e educação continuada dos trabalhadores, entre outras ações. Estas medidas dificultarão a entrada dos patógenos, mas nada disso é garantia de que o ambiente estará seguro”.

Sobre o tratamento, a gerente de negócios biológicos da Phibro,  explica que “no caso da doença clínica, podemos fazer tratamentos com antibióticos para melhorar os sintomas, porém uma vez positivo o lote é positivo para sempre! No caso das salmonellas paratificas, que não causam doença clínica, o tratamento objetiva reduzir a carga bacteriana no ambiente, mas o lote seguirá positivo por toda a vida. A depender da espécie de salmonellas encontrada, o lote precisa ser abatido. Aves reprodutoras não podem ser positivas para salmonellas tificas.”

Eva Hunka esclarece que “a salmonella é um patógeno muito complexo. Tem muitas espécies e as consequências da contaminação são diferentes, dependendo da espécie de patógeno e/ou do tipo de ave. Não existe fórmula mágica ou única para controlar. É preciso ter um programa de controle integral para minimizar o risco, mas ele não é eliminado.”

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
SIAVS 2024 E

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.