Conectado com

Notícias Iniciativa global

BRF assume compromisso global para ser net zero até 2040

Companhia reforça comprometimento com agenda sustentável de suas operações e na cadeia produtiva e adere à Science Based Targets initiative (SBTi) para validação de suas metas

Publicado em

em

Lorival Luz, CEO global da BRF - Fotos: Divulgação

A BRF, uma das maiores companhias de alimentos do mundo, assume, a partir de hoje, o compromisso em ser Net Zero em emissões de gases de efeito estufa (GEE) até 2040, tanto em suas operações como em sua cadeia produtiva. Serão implementadas ações para reduzir, até 2030, 35% das emissões diretas geradas pelas operações da empresa (Escopo 1) e indiretas originadas pelo consumo de energia elétrica ou térmica (Escopo 2) e 12,3% das emissões indiretas e que não pertencem à Companhia (Escopo 3), além de neutralizar emissões residuais até 2040.  Estas metas foram traçadas tendo como referência as emissões de 2019 e 2020, respectivamente. Com o avanço desta jornada, a BRF aderiu à Science Based Targets (SBTi) por meio da Carta de Ambição para 1,5º C. A SBTi é uma iniciativa global que oferece diretrizes para a construção de metas baseadas em ciência.

O compromisso foi divulgado durante a segunda edição do ESG Fórum, promovido pela BRF, na tarde de hoje. O evento reuniu especialistas renomados do setor, promovendo debates de alto nível. “O fórum foi importante não só pelo teor das discussões, mas também por representar mais um marco na nossa jornada de sustentabilidade. A mudança climática é um desafio global urgente e todos precisam fazer sua parte para reverter esse quadro. Com as novas metas, reforçamos o nosso comprometimento com a agenda ESG, mostrando que é possível seguir com a Visão 2030, estratégia de crescimento da Companhia, e ao mesmo tempo, garantir que nossas ações sejam feitas de forma responsável, inovadora e que impactem positivamente o meio ambiente, a cadeia produtiva e as comunidades em que estamos inseridos”, esclarece Lorival Luz, CEO global da BRF.

A sustentabilidade está na cultura da BRF e norteia sua estratégia de negócios. Ao assumir o compromisso de ser Net Zero até 2040, a Companhia identificou um conjunto de iniciativas em quatro frentes prioritárias para a sua cadeia de valor, que incluem a compra sustentável de grãos, fomento à agricultura de baixo carbono, aumento do uso energia renovável e incremento da eficiência operacional.

Todo processo de compra de grãos passará por novas diretrizes, visando uma cadeia livre de desmatamento. Desta forma, a empresa também não originará grãos do bioma amazônico de propriedades onde tenha sido praticado desmatamento.

A BRF também investirá em fontes de energia renovável, como a eólica e a solar, para que mais de 50% da energia elétrica consumida pela operação seja proveniente de fontes limpas até 2030. Para implementar agricultura de baixo carbono nas cadeias de aves e suínos, a BRF dará escala à utilização de energia solar aos mais de 9,5 mil produtores integrados, bem como em incubatórios e granjas próprias. Outra tecnologia que também terá impacto nas granjas será utilização de biogás para geração de energia.

Nas operações industriais, onde ficam estabelecidas as atividades de manufatura, a empresa utilizará novas tecnologias para o tratamento eficaz de efluentes e resíduos, a fim de reduzir as emissões de gases de efeito estufa. Na área de logística, recentemente, a BRF anunciou a construção de um novo centro de distribuição (CD) no Espírito Santo, que ocupará uma área de 13 mil metros quadrados e será o mais sustentável de suas operações, contando com painéis solares com capacidade para gerar até 1,5 megawatts de energia. Além da geração solar, a nova instalação terá reaproveitamento de água, inovações na geração de frio e veículos com zero emissão de gás carbônico. Esse conceito de CD sustentável vai nortear melhorias nas instalações atuais e será um modelo para a construção de novas estruturas, aliada ao fomento de eficiência logística em transportes e do uso de combustíveis alternativos.

Inovação e sustentabilidade têm grande sinergia para encontrar novas soluções para grandes desafios. A partir dessa combinação, ainda em 2021, a BRF irá implementar uma linha de produto neutro em carbono.

“Nossas ambições refletem a responsabilidade em preservar o meio ambiente, ser ecoeficiente e inovar para obtermos soluções sustentáveis para desafios globais. Dentre as nossas principais iniciativas, podemos destacar a redução das emissões de gases de efeito estufa como um dos aspectos mais relevantes na agenda ESG da Companhia”, afirma Grazielle Parenti, vice-presidente global de Relações Institucionais e Sustentabilidade da BRF. “O compromisso em ser Net Zero até 2040 reforça nossa seriedade e engajamento de toda nossa cadeia produtiva para nos tornarmos referência dentro da agenda climática no Brasil e no mundo”, finaliza.

Jornada sustentável da BRF

A Companhia já implementou uma série de iniciativas sustentáveis em suas operações. Atualmente, cerca de 90% do consumo de energia elétrica em nível global já são provenientes de fontes renováveis. Em 2020, aproximadamente 3% dessa energia vinham de fontes não somente renováveis, mas também limpas. Até o final deste ano, a expectativa é que 25% da energia consumida sejam geradas por fontes limpas.

Em outra frente de atuação, a BRF deu início à implementação de testes com carros elétricos em sua frota comercial, o que reduz significativamente a emissão de gases de efeito estufa e foi a primeira empresa brasileira, em parceria com a Aleph Farms, a desenvolver carne cultivada até 2024, que contribui para a produção de alimentos mais sustentáveis e amplia o leque de escolhas dos consumidores.

Com foco em seus produtores, já firmou um convênio em parceria com o Banco do Brasil, que disponibilizará R$ 200 milhões em limites de crédito para financiar investimentos na instalação de painéis de energia solar nas granjas dos integrados. A expectativa é de chegar 700 granjas até o próximo ano.

Como membro fundador do Programa Brasileiro GHG Protocol e com o Inventário de GEE Selo Ouro concedido pela iniciativa, a Companhia segue há mais de 10 anos sua metodologia para o cálculo do inventário anual de gases de efeito estufa. O comprometimento com a transparência de relato das emissões e a busca por uma economia de baixo carbono rendeu à BRF a inclusão no Índice de Carbono Eficiente (ICO2) da B3. Ainda em sintonia com sua estratégia de sustentabilidade e com a redução dos impactos potenciais da questão climática sobre o negócio, a empresa vem buscando aumentar a eficiência no uso de recursos naturais e no controle de emissões da cadeia produtiva.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

19 − 10 =

Notícias Desempenho

Exportações de carne suína totalizam 93,5 mil toneladas em junho

Resultado é 14% menor que os embarques registrados no mesmo período de 2021, com 108,8 mil toneladas. No semestre, os embarques totalizaram 510,2 mil toneladas, número 9,3% menor que o acumulado nos seis primeiros meses de 2021, com 562,7 mil toneladas.

Publicado em

em

Foto: Arquivo/OP Rural

As exportações brasileiras de carne suína (considerando todos os produtos, entre in natura e processados) alcançaram 93,5 mil toneladas em junho, informa a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA). O resultado é 14% menor que os embarques registrados no mesmo período de 2021, com 108,8 mil toneladas.

As vendas internacionais do setor geraram receita de US$ 219,1 milhões em junho, número 18,9% menor que o registrado no sexto mês do ano passado, com US$ 270,2 milhões.

No semestre, as exportações de carne suína totalizaram 510,2 mil toneladas, número 9,3% menor que o acumulado nos seis primeiros meses de 2021, com 562,7 mil toneladas.

A receita acumulada este ano alcançou US$ 1,115 bilhão, número 17,4% menor que o registrado no primeiro semestre do ano passado, com US$ 1,349 bilhão.

“Após o desempenho ocorrido em 2021, vemos as exportações de carne suína manterem patamares de estabilidade nos últimos meses, com volumes superiores ao período anterior às crises sanitárias de Peste Suína Africana em importantes nações produtoras. Os novos patamares de exportações mantidos pelo Brasil neste primeiro semestre estão 230 mil toneladas maiores que o desempenho registrado em 2018, período anterior aos efeitos da enfermidade”, analisa Ricardo Santin, presidente da ABPA.

Entre os principais destinos das exportações de carne suína estão a China, com 37,2 mil toneladas (-36,7%), Filipinas, com 9,4 mil toneladas (+229,2%), Hong Kong, com 7,9 mil toneladas (-5,9%) e Vietnã, com 4,3 mil toneladas (+14,9%).

“As nações asiáticas seguem protagonistas entre os destinos das exportações brasileiras de carne suína. Há tendência de alta nas vendas no médio prazo, face ao incremento contínuo do consumo de proteína animal nesta região. Exemplo disso são as Filipinas, que neste mês ganhou forte presença nos dados dos embarques, assumindo o segundo posto. O Brasil tem se posicionado como parceiro estável e confiável para atender esta demanda adicional da Ásia”, destaca Luís Rua, diretor de mercados da ABPA.

Fonte: Assessoria ABPA
Continue Lendo

Notícias

Everton Gubert explana sobre capacitação de equipes de granjas no 14º SBSS

Palestra será no dia 16 de agosto, às 14h05, durante a programação científica do Simpósio Brasil Sul de Suinocultura, promovido pelo Nucleovet.

Publicado em

em

Everton Gubert palestrará no dia 16 de agosto - Foto: Divulgação/Nucleovet

O Brasil é um dos principais produtores de carne suína do mundo, com sanidade, nutrição e genética avançados. Além do acompanhamento técnico, diversos profissionais atuam nas granjas para aprimorar, cada vez mais, a produção e aumentar a produtividade. Integram esse trabalho o desenvolvimento dos processos de gestão e a capacitação das pessoas.

“Capacitar as equipes de granjas, esse é o caminho para o sucesso?” é o tema de palestra do CEO da Agriness, Everton Gubert, no painel Gestão de Pessoas, no 14º Simpósio Brasil Sul de Suinocultura (SBSS), no dia 16 de agosto, às 14h05.

O presidente da Comissão Científica, Paulo Bennemann, frisa que a seleção dos temas e a escolha dos palestrantes obedecem aos mais rigorosos critérios de atualidade, relevância e vanguardismo, sintonizados com o objetivo de difusão tecnológica e interpretação das novas tendências da suinocultura industrial mundial. “Cinco eixos estão estabelecidos e envolvem gestão de pessoas, sanidade, biosseguridade, gestão da informação, nutrição e reprodução. Everton Gubert é uma referência nos temas que aborda e não poderia ficar de fora do SBSS”, realça.

Gubert é sócio-fundador e CEO da Agriness, empresa referência em inovação e inteligência para produção de proteína animal e que tem a Cargill, líder global em agronegócios, como sócia. É autor do livro e da metodologia de aceleração de produtividade chamado Pensamento+1, e é umas das lideranças do ecossistema de inovação no Brasil, em especial, uma das grandes referências em inovação para o agronegócio. Tem como filosofia o desenvolvimento de negócios de propósito e de relações que proporcionam expansão de consciência.

Sobre o SBSS

O 14º SBSS ocorrerá entre os dias 16 e 18 de agosto próximo. Paralelamente acontecerá a 13ª Brasil Sul Pig Fair. Os eventos são promovidos pelo Núcleo Oeste de Médicos Veterinários e Zootecnistas (Nucleovet) e serão realizados no Parque de Exposições Tancredo Neves, em Chapecó (SC), de forma presencial e com transmissão on-line ao vivo.

A programação científica iniciará na terça-feira (16), às 14 horas, e a palestra de abertura ocorrerá no mesmo dia, às 18h40. Na quarta-feira (17), as palestras iniciam às 08 horas e encerram no fim da tarde, seguidas de happy hour. Na quinta-feira (18), a programação será das 08 às 12 horas.

Inscrições

As inscrições para o 14º SBSS estão abertas. O investimento para o primeiro lote, que encerra nesta quarta-feira (06), é de R$ 440 para o evento presencial e R$ 4000 para o virtual para profissionais, R$ 330 (presencial) e R$ 300 (virtual) para estudantes. A partir desta quinta-feira (07) inicia a venda do segundo lote com reajuste no valor das inscrições.

Até o dia 10 de agosto os valores serão de R$ 530 (presencial) e R$ 440 (virtual) para profissionais e R$ 400 (presencial) e R$ 340 (virtual) para estudantes. Após essa data e durante o evento o investimento será de R$ 600 (presencial) e R$ 500 (virtual) para profissionais e R$ 460 (presencial) e R$ 400 (virtual) para estudantes.

Na compra de pacotes a partir de dez inscrições serão concedidos códigos-convites. Nessa modalidade há possibilidade de parcelamento em até três vezes. O acesso para a 13ª Brasil Sul Pig Fair é gratuito, tanto presencial quanto virtual, assim como para o pré-evento.

As inscrições podem ser feitas no site www.nucleovet.com.br.

Quem faz acontecer 

O 14º SBSS tem apoio da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), do Conselho Regional de Medicina Veterinária de Santa Catarina (CRMV/SC), da Embrapa Suínos e Aves, da Prefeitura de Chapecó e da Sociedade Catarinense de Medicina Veterinária (Somevesc).

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Aquicultura e pesca

Pintado entra na lista nacional de espécies ameaçadas de extinção

A proibição de captura refere-se apenas ao peixe da espécie Pseudoplatystoma corruscans, que ocorre nas Bacias Hidrográficas do Rio São Francisco, Paraguai, Paraná e Uruguai.

Publicado em

em

Foto: Divulgação/Mapa

A Portaria do Ministério do Meio Ambiente nº 148, de 7 de junho de 2022, incluiu a o Pseudoplatystoma corruscans, popularmente conhecido como “Pintado”, na Lista Oficial das Espécies Brasileiras Ameaçadas de Extinção, na categoria Vulnerável (VU).

Pseudoplatystoma corruscans refere-se apenas ao peixe da espécie de Pintado que ocorre nas Bacias Hidrográficas do Rio São Francisco, Paraguai, Paraná e Uruguai. No entanto, as proibições se aplicam para todo o território nacional.

Para outras espécies popularmente conhecidas como Pintados e Surubins (Pseudoplatystoma punctifer e Pseudoplatystoma tigrinum) não houve proibição de pesca, devendo ser respeitados apenas as legislações vigentes quanto ao defeso e ao tamanho mínimo de captura.

As espécies constantes da Lista ficam protegidas de modo integral, incluindo, entre outras medidas, a proibição de captura, transporte, armazenamento, guarda, manejo, beneficiamento e comercialização. A nova Lista, bem como as proibições associadas, entra em vigor a partir de 06 de setembro de 2022.

Fonte: Mapa
Continue Lendo
PORK 2022

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.