Conectado com

Notícias Durante o Show Rural

BRDE libera R$ 112 milhões a cooperativas, empresas e produtores rurais

Montante foi liberado para financiamentos a empresas inovadoras, cooperativas, prestadores de serviços e produtores rurais

Publicado em

em

Divulgação/Assessoria

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) liberou R$ 112,6 milhões em financiamentos a empresas inovadoras, cooperativas, prestadores de serviços e produtores rurais das regiões Oeste e Sudoeste do Paraná na quarta-feira (06), durante o Show Rural Coopavel 2019, em Cascavel.

“Solenizamos hoje, reunindo grandes parceiros, o volume de R$ 2,36 bilhões contratados pelo BRDE em 2018, nos três estados do Sul”, disse o diretor-presidente do Banco, Orlando Pessuti. O presidente adiantou que a previsão para 2019 é investir em torno de R$ 2,5 bilhões na Região Sul, dos quais R$ 1 bilhão no Paraná.

A liberação dos financiamentos aconteceu no estande do BRDE no Show Rural, com a assinatura dos contratos e a entrega de cheques simbólicos no valor dos investimentos. O diretor de Operações do BRDE, Guilherme Guerra, também participou do evento, ao lado de gerentes e técnicos do Banco.

“O BRDE faz um papel que temos de aplaudir, que é o de incentivar o desenvolvimento de empresas e o crescimento dos produtores rurais. Sem esse apoio, o sistema cooperativo não teria dinheiro para investir e crescer”, afirmou o diretor-presidente da Cooperativa Frimesa, Valter Vanzella.

A Cooperativa Frimesa investirá os recursos contratados no BRDE, no valor de R$ 1 milhão, na modernização das atividades da unidade de suínos da cooperativa no município de Medianeira, incluindo a aquisição de equipamentos.

“BRDE e Sicoob são duas entidades fortes, que estão de mãos dadas fazendo a diferença no cooperativismo de crédito, sempre inovando, para benefício dos cooperados, do pequeno produtor”, disse o Guido Bresolin Junior, do Conselho Administrativo da Cooperativa Sicoob Credicapital Cascavel.

Com o Sicoob Credicapital foi assinado um convênio de R$ 10 milhões, para investimentos em projetos de energias renováveis, com recursos do Fundo Nacional sobre Mudança do Clima (Fundo Clima), do governo federal, e demais linhas de financiamento disponibilizadas pelo BRDE.

A empresa Innova Ltda – Fábrica de Fertilizantes Líquidos, de Foz do Iguaçu, contratou R$ 7 milhões no BRDE para dar início a um novo projeto – a produção de fertilizantes biológicos. “O BRDE está nos apoiando nessa ideia, que representa um mercado promissor” disse o diretor da empresa Marco Casagrande.

Investimentos

Dos financiamentos liberados, R$ 4 milhões são destinados a produtores associados às cooperativas Credi Coopavel, Cresol, C Vale, Copacol e Sicredi, com recursos de linhas voltadas à inovação, para as áreas de avicultura, suinocultura e piscicultura, e do programa Pronaf-Trator Solidário.

Investimentos de empresas representam R$ 39,2 milhões dos contratos assinados. São financiamentos para empresas dos setores hoteleiro, de tecnologia, inovação, comércio e prestação de serviços.

Para as cooperativas de produção Coasul, Copacol, Tradição, Coprossel e Frimesa foram liberados R$ 59,7 milhões, destinados à ampliação e à construção de unidades de recepção, beneficiamento e armazenagem de grãos; modernização de atividades e melhorias em unidades industriais.

Inovação

O BRDE trouxe ao Show Rural linhas de financiamento voltadas ao agronegócio, à inovação e a projetos de desenvolvimento sustentável. Além do estande tradicional, o Banco participa da feira com um segundo espaço no Show Rural Digital, para um atendimento diferenciado ao setor da inovação.

O presidente do BRDE, Orlando Pessuti, destacou a importância do Show Rural para o agronegócio paranaense, lembrando que a chamada agroeconomia representa entre de 65% e 70% das operações do Banco na Região Sul. Atualmente, o BRDE tem R$ 14 bilhões aplicados nos três estados, dos quais perto de R$ 6 bilhões no Paraná.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × 4 =

Notícias Mercado

Preços do boi gordo passam por correção após disparada

Dificuldade em repassar altos custos no mercado doméstico resultou na necessidade dos frigoríficos de reavaliar preços de venda no atacado

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O mercado físico de boi gordo teve preços expressivamente mais baixos nas principais regiões produtoras do país na primeira semana de dezembro, em movimento de correção após os recordes registrados nos últimos meses. “O singular aumento nos preços superou todas as expectativas, e movimentos tão agressivos assim sugerem uma correção. E foi isso o que exatamente ocorreu nessa primeira semana do mês”, disse o analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Henrique Iglesias.

Segundo ele, a dificuldade em repassar os altos custos no mercado doméstico resultou na necessidade dos frigoríficos de reavaliar seus preços de venda no atacado, mudando também a postura na compra de gado. Apesar disso, os negócios seguiram fluindo com bom volume, ao mesmo tempo que o pecuarista continuou trabalhando com boas margens apesar da queda nos preços

Os preços a arroba do boi gordo na modalidade à vista nas principais praças de comercialização do País estavam assim no dia 05 de dezembro:

  • São Paulo (Capital) – R$ 205 a arroba, contra R$ 233 a arroba em 28 de novembro, caindo 12%.
  • Goiás (Goiânia) – R$ 199 a arroba, ante R$ 220 a arroba (-9,5%).
  • Minas Gerais (Uberaba) – R$ 204 a arroba, contra R$ 230 a arroba (-11,2%).
  • Mato Grosso do Sul (Dourados) – R$ 198 a arroba, ante R$ 221 a arroba (-10,3%).
  • Mato Grosso (Cuiabá) – R$ 196 a arroba, ante R$ 217 a arroba (-9,6%).

Exportações

As exportações de carne bovina “in natura” do Brasil renderam US$ 755,8 milhões em novembro (20 dias úteis), com média diária de US$ 37,8 milhões. A quantidade total exportada pelo país chegou a 155,6 mil toneladas, com média diária de 7,8 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 4.857,60.

Na comparação com outubro, houve alta de 14% no valor médio diário da exportação, ganho de 4,9% na quantidade média diária exportada e alta de 8,6% no preço. Na comparação com novembro de 2018, houve ganho de 45% no valor médio diário, alta de 19,3% na quantidade média diária e ganho de 21,6% no preço médio.

Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo

Notícias Safra de inverno

Com fim da colheita de trigo em novembro, agentes avaliam qualidade

Levando em conta a menor produtividade e o pouco volume de melhor qualidade, há necessidade de importações

Publicado em

em

Divulgação/SECS

Com a colheita do trigo já encerrada no Paraná e quase finalizada no Rio Grande do Sul, o mercado avalia a qualidade do grão colhido. Esta é bastante variada devido às oscilações climáticas ao longo da safra.

Levando em conta a menor produtividade e o pouco volume de melhor qualidade, há necessidade de importações, buscando atender à demanda interna. Segundo o analista de SAFRAS & Mercado, Jonathan Pinheiro, em paralelo a isso, o mercado volta suas atenções ao câmbio atualmente elevado, que aumenta representativamente os custos de aquisição do trigo no mercado externo, pelas paridades de importação. “Isso gera um ganho de competitividade ao trigo nacional, frente ao importado, abrindo espaços para maiores elevações no mercado doméstico, além do fator de oferta reduzida, devido as quebras de produtividade”, disse.

Paraná

O Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento do Paraná, informou, em seu relatório semanal, que a colheita do trigo no Paraná foi finalizada na área, estimada em 1,023 milhão de hectares, contra 1,102 milhão de hectares em 2018, queda de 7%.

A safra 2019 de trigo do Paraná deve registrar uma produção de 2,132 milhões de toneladas, abaixo das 2,808 milhões de toneladas colhidas na temporada 2018. A produtividade média é estimada em 2.208 quilos por hectare, abaixo dos 2.567 quilos por hectare registrados na temporada 2018.

Rio Grande do Sul

A colheita do trigo no Rio Grande do Sul atinge 98% da área. Os trabalhos avançaram 7 pontos percentuais na semana. Em igual período do ano passado, cobriam 96%. A média para o período é de 96%. Restam apenas algumas lavouras, principalmente na região serrana. A área implantada com o cereal nesta safra é de 757.320 hectares.

Argentina

A colheita da safra 2019 de trigo da Argentina atinge 31,1% da área. Os trabalhos avançaram 10,9 pontos percentuais desde a semana passada e estão 0,9 pontos atrasados em relação ao ano passado.

A superfície total é estimada em 6,6 milhões de hectares, 400 mil hectares acima do ano passado e a maior área em 18 anos. A área apta para colheita é de 6,547 milhões de hectares. A projeção para a produção fica em 18,5 milhões de toneladas. Em números absolutos, foram colhidas 5,255 mil toneladas em 2,034 milhões de hectares.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo

Notícias Segundo Safras

Produção brasileira de soja deve romper 125 mi de t em 2019/20

No relatório anterior, divulgado em outubro, SAFRAS apostava em produção de 125,754 milhões de toneladas

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Apesar de alguns problemas pontuais, o plantio e o desenvolvimento inicial da safra brasileira de soja vão ocorrendo de forma satisfatória. Até o momento, as perspectivas são extremamente favoráveis e a produção deverá romper 125 milhões de toneladas, consolidando a primeira posição do Brasil no ranking mundial.

Os produtores brasileiros de soja deverão colher 125,465 milhões de toneladas em 2019/20, com crescimento de 5,2% na comparação com o ano anterior, quando a safra ficou em 119,306 milhões de toneladas. A projeção faz parte do mais recente levantamento de SAFRAS & Mercado.

No relatório anterior, divulgado em outubro, SAFRAS apostava em produção de 125,754 milhões de toneladas.

SAFRAS trabalha com área de 37,032 milhões de hectares, com aumento de 1,8% sobre o ano anterior e batendo novo recorde. No ano passado, a área ocupou 36,384 milhões de hectares. A produtividade está estimada em 3.405 quilos por hectare, superando o rendimento médio de 3.296 quilos obtido no ano passado.

Segundo o analista de SAFRAS, Luiz Fernando Roque, foram feitos apenas alguns ajustes pontuais em estimativas de áreas e produtividades estaduais. “Apesar de haver registros de problemas devido ao clima irregular em alguns estados, ainda é cedo para se falar em perdas relevantes”, avalia Roque.

Foram feitos ajustes negativos pontuais nas produtividades médias esperadas para os estados do Mato Grosso do Sul, Goiás e Bahia. Em contrapartida, alguns estados tiveram suas estimativas de produtividades elevadas, caso de São Paulo e Minas Gerais. “Daqui para frente, se o clima for positivo, entendemos que os problemas serão superados”, disse.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo
Biochem site – lateral
Mais carne

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.