Conectado com

Notícias Durante o Show Rural

BRDE libera R$ 112 milhões a cooperativas, empresas e produtores rurais

Montante foi liberado para financiamentos a empresas inovadoras, cooperativas, prestadores de serviços e produtores rurais

Publicado em

em

Divulgação/Assessoria

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) liberou R$ 112,6 milhões em financiamentos a empresas inovadoras, cooperativas, prestadores de serviços e produtores rurais das regiões Oeste e Sudoeste do Paraná na quarta-feira (06), durante o Show Rural Coopavel 2019, em Cascavel.

“Solenizamos hoje, reunindo grandes parceiros, o volume de R$ 2,36 bilhões contratados pelo BRDE em 2018, nos três estados do Sul”, disse o diretor-presidente do Banco, Orlando Pessuti. O presidente adiantou que a previsão para 2019 é investir em torno de R$ 2,5 bilhões na Região Sul, dos quais R$ 1 bilhão no Paraná.

A liberação dos financiamentos aconteceu no estande do BRDE no Show Rural, com a assinatura dos contratos e a entrega de cheques simbólicos no valor dos investimentos. O diretor de Operações do BRDE, Guilherme Guerra, também participou do evento, ao lado de gerentes e técnicos do Banco.

“O BRDE faz um papel que temos de aplaudir, que é o de incentivar o desenvolvimento de empresas e o crescimento dos produtores rurais. Sem esse apoio, o sistema cooperativo não teria dinheiro para investir e crescer”, afirmou o diretor-presidente da Cooperativa Frimesa, Valter Vanzella.

A Cooperativa Frimesa investirá os recursos contratados no BRDE, no valor de R$ 1 milhão, na modernização das atividades da unidade de suínos da cooperativa no município de Medianeira, incluindo a aquisição de equipamentos.

“BRDE e Sicoob são duas entidades fortes, que estão de mãos dadas fazendo a diferença no cooperativismo de crédito, sempre inovando, para benefício dos cooperados, do pequeno produtor”, disse o Guido Bresolin Junior, do Conselho Administrativo da Cooperativa Sicoob Credicapital Cascavel.

Com o Sicoob Credicapital foi assinado um convênio de R$ 10 milhões, para investimentos em projetos de energias renováveis, com recursos do Fundo Nacional sobre Mudança do Clima (Fundo Clima), do governo federal, e demais linhas de financiamento disponibilizadas pelo BRDE.

A empresa Innova Ltda – Fábrica de Fertilizantes Líquidos, de Foz do Iguaçu, contratou R$ 7 milhões no BRDE para dar início a um novo projeto – a produção de fertilizantes biológicos. “O BRDE está nos apoiando nessa ideia, que representa um mercado promissor” disse o diretor da empresa Marco Casagrande.

Investimentos

Dos financiamentos liberados, R$ 4 milhões são destinados a produtores associados às cooperativas Credi Coopavel, Cresol, C Vale, Copacol e Sicredi, com recursos de linhas voltadas à inovação, para as áreas de avicultura, suinocultura e piscicultura, e do programa Pronaf-Trator Solidário.

Investimentos de empresas representam R$ 39,2 milhões dos contratos assinados. São financiamentos para empresas dos setores hoteleiro, de tecnologia, inovação, comércio e prestação de serviços.

Para as cooperativas de produção Coasul, Copacol, Tradição, Coprossel e Frimesa foram liberados R$ 59,7 milhões, destinados à ampliação e à construção de unidades de recepção, beneficiamento e armazenagem de grãos; modernização de atividades e melhorias em unidades industriais.

Inovação

O BRDE trouxe ao Show Rural linhas de financiamento voltadas ao agronegócio, à inovação e a projetos de desenvolvimento sustentável. Além do estande tradicional, o Banco participa da feira com um segundo espaço no Show Rural Digital, para um atendimento diferenciado ao setor da inovação.

O presidente do BRDE, Orlando Pessuti, destacou a importância do Show Rural para o agronegócio paranaense, lembrando que a chamada agroeconomia representa entre de 65% e 70% das operações do Banco na Região Sul. Atualmente, o BRDE tem R$ 14 bilhões aplicados nos três estados, dos quais perto de R$ 6 bilhões no Paraná.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 × 3 =

Notícias Pandemia

Coronavírus instabilizou mercado de carne bovina em março

Mercado físico de boi gordo teve um mês marcado por severa instabilidade em março

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O mercado físico de boi gordo teve um mês marcado por severa instabilidade em março. “Os frigoríficos reagiram na medida em que a pandemia de coronavírus causou transtornos, tanto no âmbito doméstico como no cenário internacional”, disse o analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Henrique Iglesias.

Segundo ele, os grandes frigoríficos brasileiros enfrentaram dificuldade para escoar a produção para a União Europeia, com os confinamentos adotados lá e cá afetando drasticamente os padrões de consumo. “Com restaurantes e outros estabelecimentos fechados, os cortes nobres de carne bovina sofreram um baque. No Brasil, o consumidor se voltou aos cortes de menor qualidade e também para a carne de frango”, disse Iglesias

Com isso, os preços a arroba do boi gordo na modalidade à vista nas principais praças de comercialização do País estavam assim no dia 02 de abril:

  • São Paulo (Capital) – R$ 201 a arroba, contra R$ 200 a arroba em 28 de fevereiro, subindo 0,5%.
  • Goiás (Goiânia) – R$ 188 a arroba, ante R$ 190 a arroba (-1%).
  • Minas Gerais (Uberaba) – R$ 195 a arroba, contra R$ 192 a arroba (+1,5%).
  • Mato Grosso do Sul (Dourados) – R$ 190 a arroba, estável.
  • Mato Grosso (Cuiabá) – R$ 178 a arroba, ante R$ 185 a arroba (-3,7%).

Para o mês de abril, com as políticas de isolamento social mantidas, o viés é incerto para o mercado de carne bovina, em meio à queda nas vendas internas e externas. Assim, é bastante provável que os frigoríficos comecem a pressionar os pecuaristas por preços mais baixos para a matéria-prima, assinalou Iglesias.

Exportações

As exportações de carne bovina “in natura” do Brasil renderam US$ 555,4 milhões em março (22 dias úteis), com média diária de US$ 25,2 milhões. A quantidade total exportada pelo país chegou a 125,9 mil toneladas, com média diária de 5,7 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 4.410,50.

Na comparação com fevereiro, houve baixa de 8% no valor médio diário da exportação, perda de 6,9% na quantidade média diária exportada e queda de 1,3% no preço. Na comparação com março de 2019, houve ganho de 8,8% no valor médio diário, queda de 8,2% na quantidade média diária e ganho de 18,6% no preço médio. Os dados são da Secretaria de Comércio Exterior (Secex).

Fonte: Agência Safras
Continue Lendo

Notícias Mercado

Impacto do coronavírus deixa mercado de frango acomodado em março

Mercado brasileiro de frango registrou em março um cenário de pressão nas cotações

Publicado em

em

Divulgação

O mercado brasileiro de frango registrou em março um cenário de pressão nas cotações, tanto no quilo vivo pago ao produtor, quanto nos cortes negociados no atacado. Segundo o analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Iglesias, apesar do isolamento social determinado pela pandemia de coronavírus, o aumento na demanda foi insuficiente para a sustentação dos preços, que cederam ao longo do mês, denotando o efeito econômico da enfermidade.

Iglesias revela que o excedente de oferta presente no mercado doméstico neste momento é o grande fator que vem impedindo um cenário melhor para os preços, em meio ao crescente aumento nos custos de produção dado o descolamento de preços do milho. “O cenário para o curto prazo está indefinido. Ainda que o isolamento social altere sensivelmente o padrão de consumo, elevando a demanda por carne de frango e ovos, o quadro econômico agravado pela pandemia gera preocupação ao setor”, avalia.

De acordo com levantamento de SAFRAS & Mercado, no atacado de São Paulo os preços tiveram algumas alterações para os cortes congelados de frango ao longo do mês. O quilo do peito no atacado caiu de R$ 5,50 para R$ 4,85, o quilo da coxa seguiu em R$ 5,30 e o quilo da asa retrocedeu de R$ 7,50 para R$ 7,05. Na distribuição, o quilo do peito baixou de R$ 5,60 para R$ 4,95, o quilo da coxa permaneceu em R$ 5,50 e o quilo da asa recuou de R$ 7,70 para R$ 7,15.

Nos cortes resfriados vendidos no atacado, o cenário também foi de alterações ao longo de março. No atacado, o preço do quilo do peito baixou de R$ 5,60 para R$ 4,95, o quilo da coxa seguiu em R$ 5,40 e o quilo da asa recuou de R$ 7,60 para R$ 7,15. Na distribuição, o preço do quilo do peito passou de R$ 5,70 para R$ 5,05, o quilo da coxa continuou em R$ 5,60 e o quilo da asa baixou de R$ 7,80 para R$ 7,25.

As exportações de carne de frango “in natura” do Brasil renderam US$ 501,4 milhões em março (22 dias úteis), com média diária de US$ 22,8 milhões. A quantidade total exportada pelo país chegou a 324,6 mil toneladas, com média diária de 14,8 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 1.544,50.

Na comparação com fevereiro, houve perda de 18,8% no valor médio diário da exportação, baixa de 18,1% na quantidade média diária exportada e queda de 0,8% no preço. Na comparação com março de 2019, houve recuo de 14,8 no valor médio diário, declínio de 11,7% na quantidade média diária e baixa de 3,5% no preço médio. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

O levantamento mensal realizado por SAFRAS & Mercado nas principais praças de comercialização do Brasil indicou que, em Minas Gerais, o quilo vivo baixou de R$ 3,60 para R$ 3,25. Em São Paulo o quilo vivo retrocedeu de R$ 3,05 para R$ 2,81.

Na integração catarinense a cotação do frango seguiu em R$ 2,51. No oeste do Paraná o preço caiu de R$ 3,39 para R$ 3,23. Na integração do Rio Grande do Sul o quilo vivo baixou de R$ 2,95 para R$ 2,75.

No Mato Grosso do Sul o preço do quilo vivo do frango recuou de R$ 3,35 para R$ 3,20. Em Goiás o quilo vivo baixou de R$ 3,50 para R$ 3,25. No Distrito Federal o quilo vivo retrocedeu de R$ 3,60 para R$ 3,25.

Em Pernambuco, o quilo vivo subiu de R$ 3,80 para R$ 4,50. No Ceará a cotação do quilo vivo aumentou de R$ 3,80 para R$ 4,50 e, no Pará, o quilo vivo avançou de R$ 4,00 para R$ 4,60.

Fonte: Agência Safras
Continue Lendo

Notícias Mercado Interno

Preocupação com abastecimento aumenta procura por trigo em março

Preocupações com o abastecimento em meio à pandemia de coronavírus geraram um aumento da procura pelo trigo

Publicado em

em

Divulgação

As preocupações com o abastecimento em meio à pandemia de coronavírus geraram um aumento da procura pelo trigo, por parte da indústria brasileira em março. Isso resultou na elevação dos preços. O analista de SAFRAS & Mercado, Jonathan Pinheiro, observa que já há problemas de logística – ainda pouco significativos – na Argentina.

“No mercado interno brasileiro, a oferta continua reduzida, com boa parte dos agentes ainda negociando as safras de verão. Além disso, quem tem trigo espera valorizar ainda mais para vender. Ainda existe espaço para novas altas, levando em conta o dólar elevado e a escassez da oferta”, resumiu.

O câmbio elevado aumenta os custos de importação e favorece novas altas no mercado interno, levando preocupação à indústria quanto ao abastecimento até o final do ano comercial. “Apesar de estoques relativamente confortáveis para os próximos 45 dias, estes ainda terão de voltar as compras até lá”, disse.

Conforme o analista, basicamente, em março, o dólar alto e a procura pelo trigo puxaram os preços para cima – alta mensal de aproximadamente 6%. Por outro lado, o volume de negócios não teve crescimento significativo. “As pontas seguem separadas, com o produtor elevando suas pedidas e a indústria ainda relutando em pagar mais, pelo menos por enquanto”, finalizou.

No mercado internacional, outros fatores colaboram para a elevação, como, por exemplo, a quebra de safra em importantes países produtores como a Austrália, e mais recentemente a indicação de uma estimativa de menor área plantada da história nos Estados Unidos.

Fonte: Agência Safras
Continue Lendo
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.