Conectado com
VOZ DO COOP

Avicultura

Brasil reforça medidas para evitar surto iminente de gripe aviária

Com o segundo maior plantel avícola do mundo e principal exportador da carne de frango, comercializando para mais de 150 países, o país está vigilante para manter o território livre de doenças, evitando restrições comerciais e impactos negativos na cadeia produtiva.

Publicado em

em

Foto: Shutterstock.

Líder mundial na exportação de carne de frango, o Brasil é o único entre os grandes produtores mundiais a nunca registrar Influenza aviária em seu território. No entanto, desde outubro de 2022 o país redobrou a atenção e os cuidados sanitários nas granjas avícolas com as notificações dos primeiros focos de Influenza aviária de Alta Patogenicidade (IAAP) na América do Sul, identificada nas áreas litorâneas do Equador, Venezuela e de países fronteiriços como da Colômbia, Peru e Chile. A iminente possibilidade de entrada do vírus no plantel brasileiro acendeu um alerta e fez com que a cadeia avícola e os órgãos nacionais de defesa sanitária intensificassem as medidas de prevenção à doença viral.

Conforme organismos internacionais, surtos da gripe aviária já foram registrados em países dos continentes africano, americano, asiático, europeu e na Oceania, se configurando como a maior epidemia já ocorrida no mundo, com a maioria dos casos relacionados ao contato de aves silvestres migratórias com aves de subsistência, de produção industrial ou de aves silvestres locais.

Com o período migratório das aves do Hemisfério Norte para a América do Sul de novembro a abril, o atual momento é ideal para aumentar as ações de vigilância pelo serviço veterinário oficial e órgãos ambientais, reforçando as medidas de biosseguridade pelos avicultores a fim de mitigar os riscos de ingresso e disseminação da enfermidade no Brasil.

A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) recomendou em dezembro a suspensão de visitas em aviários, frigoríficos e demais estabelecimentos da avicultura no Brasil para garantir a segurança sanitária do plantel brasileiro, permitindo apenas o acesso para quem trabalha diretamente e exclusivamente na unidade produtiva.

Entre os protocolos recomendados pela entidade estão a higienização das mãos e troca de roupas e sapatos antes de adentrar as granjas, desinfecção de todos os veículos que acessam a propriedade e evitar o contato da granja com outras aves, em especial aves silvestres.

Em entrevista ao Jornal O Presente Rural, a zootecnista, coordenadora do Grupo de Trabalho em Sustentabilidade do Conselho Mundial de Avicultura e diretora técnica da ABPA, Sula Alves, enfatizou que a blindagem das unidades produtoras é fundamental neste momento, uma vez que a circulação de pessoas entre regiões e países é muito grande e como há surtos em várias nações é essencial realizar o controle de acesso às granjas para evitar possíveis vetores da doença. “O Brasil trabalha na vigilância passiva e ativa, além de acompanhar e monitorar as aves silvestres migratórias para detecção precoce da doença. Esse isolamento das granjas diz respeito ao controle de acesso de pessoas e de veículos, os quais podem ser carreadores do vírus nos calçados, bolsas, roupas, pneus do carro ou até mesmo em equipamentos transportados para dentro da propriedade. Tudo que for possível para evitar o trânsito livre é preciso fazer nas granjas, porque é melhor pecar pelo excesso de medidas do que responder pela falta delas”, ressalta.

A Influenza aviária Altamente Patogênica (vírus H5N) é exótica no país, mas pode ser carreada por aves migratórias ou até mesmo por pessoas que estiveram em países onde a doença está ocorrendo. A transmissão pode acontecer por meio do ar, água, alimentos e materiais contaminados, além do contato com aves doentes e o acesso de pessoas externas às criações comerciais. A responsabilidade na prevenção é compartilhada por todos os elos da cadeia produtiva.

Riscos econômicos

Com o segundo maior plantel avícola do mundo e principal exportador da carne de frango, comercializando para mais de 150 países, o Brasil está vigilante para manter o território livre de doenças, evitando restrições comerciais e impactos negativos na cadeia produtiva.

Zootecnista, coordenadora do Grupo de Trabalho em Sustentabilidade do Conselho Mundial de Avicultura e diretora técnica da ABPA, Sula Alves: “Não queremos deixar o setor em pânico, nosso objetivo é reforçar as medidas sanitárias para que a cadeia não minimize o problema e deixe de tomar os cuidados necessários” – Foto: Mario Castello/ABPA

A IAAP traz consequências econômicas devastadoras, podendo acarretar prejuízos entre 10% a 20% do valor bruto da produção aos países afetados, conforme estimativas da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO). A doença causa alta taxa de mortalidade, possíveis restrições ao comércio exterior e desequilíbrio no mercado interno.

Sula afirma que as perdas econômicas são bastante dependentes do cenário e do momento da ocorrência. De acordo com ela, alguns países importadores exigem que a carne exportada seja oriunda de animais de países livres de Influenza aviária, enquanto outros países determinam a regionalização de áreas livres, estabelecendo uma extensão a partir da zona do foco para comercialização da carne. “Em caso de notificação no Brasil, os mercados que exigem país livre representariam o maior impacto para o setor produtivo, porque esses mercados deixariam de comprar nossa proteína, causando alguns transtornos e desequilíbrio no mercado interno”, afirma.

Por outro lado, muitos países, como da União Europeia, mercado com exigência regulatória de qualidade, segurança e saúde animal, delimitam um raio de 10 km do local de ocorrência do foco para comercialização do produto. “Depois de se estabelecer a zona de contenção da doença e demais medidas da área livre, o setor retorna com uma organização rápida, porém até o reconhecimento por parte do país importador isso geraria um impacto imediato no setor, uma vez que estamos lidando com um produto perecível, que depende de estocagem frigorífica e do período de abate dos animais que estão no campo. Nossa cadeia é muito dinâmica, por isso precisamos tomar os cuidados nos mínimos detalhes com relação aos prazos para não acarretar em transtornos maiores à cadeia”, menciona Sula.

Mitigação de risco

A fim de reduzir o risco de ingresso e disseminação do vírus causador da doença no Brasil, Sula diz que são frequentemente recomendadas aos produtores algumas medidas sanitárias como garantir a blindagem da água, oferecer às aves água clorada, não usar água de fontes abertas, como rios e açudes, vedar bem todos os galpões para impedir a entrada de pássaros, garantir uso de tela 2×2 centímetros, garantir portas, beirais e telhados completamente fechados, garantir ausência de outras aves na propriedade, isolamento dos lotes de produção comercial (poedeiras e corte), proibição de visitas, além de seguir demais procedimentos de biosseguridade.

A primeira linha de defesa contra a Influenza aviária é a detecção precoce e a notificação oportuna de suspeita da doença para permitir uma resposta rápida, a fim de evitar a disseminação. Conforme informações do Mapa, no Brasil 53,7% dos estabelecimentos avícolas são de aves de corte (frangos e perus), 39,8% de aves de reprodução (matrizeiras), 3,4% de aves de postura comercial, 0,1% de aves ornamentais e 2,9% de outras aves. Com base nesses números, as medidas de prevenção e vigilância se tornam cada vez mais importantes e necessárias, uma vez que o sistema produtivo precisa fornecer evidências consistentes para certificar a sanidade dos animais e dos produtos comercializados.

Fotos: Shutterstock

Com vigilância permanente para IAAP e demais agentes etiológicos em todo o território nacional, incluindo em portos, aeroportos internacionais, correios, postos de fronteira e estações aduaneiras do interior, o Mapa publicou em julho passado um novo Plano de Vigilância para Influenza Aviária e Doença de Newcastle, contemplando a revisão de diretrizes para o atendimento e identificação de casos suspeitos e para a vigilância permanente da doença, por parte do Serviço Veterinário Oficial, monitoramento que vai permitir maior rapidez na tomada de decisão em caso de notificação em território nacional. “O Plano de Vigilância é um estudo epidemiológico contínuo, realizado por meio de vigilância ativa e passiva para detecção precoce de casos de Influenza aviária e Doença de Newcastle em aves domésticas e silvestres, para demonstração de ausência dessas doenças na avicultura industrial, de acordo com as diretrizes internacionais de vigilância para fins comerciais”, expõe Sula.

A intensificação das ações de vigilância adotadas pelo Serviço Veterinário Oficial para evitar um surto local inclui testagem de amostras coletadas de aves de subsistência, criadas em locais próximos a sítios de aves migratórias, para monitorar a circulação viral e permitir a demonstração de ausência de infecção, apoiando a certificação do Brasil como país livre da Influenza Aviária de Alta Patogenicidade e de Influenza Aviária de Baixa Patogenicidade.

Sula destaca que as barreiras naturais formadas pela Cordilheira dos Andes e pela Floresta Amazônica são importantes para manter o Brasil livre da doença viral, bem como a distância entre o Sul do Brasil, área com maior produção comercial, dos países sul-americanos que já registraram casos também funciona como uma barreira de proteção geográfica, atrelado aos controles feitos pelos órgãos federais e estaduais de defesa agropecuária, além dos protocolos de biosseguridade adotados pelos produtores nas granjas.

Plano de contingência

A partir da suspeita é obrigatório notificar imediatamente o Serviço Veterinário Oficial, que fará a coleta do material, encaminhará para laboratório para que seja feita uma investigação cronológica, bem como será preciso fazer o sacrifício preventivo das aves suspeitas, isolar o local do foco e uma área com um raio de 10 km no entorno do foco para evitar disseminação da doença. “É declarado estado de emergência sanitária quando da confirmação do foco, em se definindo isso várias ações emergenciais devem ser realizadas mobilizando a coordenação do Serviço Veterinário Oficial”, relata Sula.

De acordo com a coordenadora do Grupo de Trabalho em Sustentabilidade do Conselho Mundial de Avicultura, em caso de entrada do vírus no país, o governo federal possui um Plano de Contingência robusto, com o papel de cada elo do setor avícola bem desenhado, seguindo as diretrizes da Organização Mundial de Saúde Animal (OMSA), visando ações rápidas para eliminação do foco e evitar disseminação da doença. “Dispomos de um Plano de Contingência muito bem desenhando, que graças a Deus só precisamos usar em momentos de simulação porque nunca tivemos nenhum foco da doença no país”, relata.

Investigação de suspeita

Entre as medidas que devem ser aplicadas em investigação de suspeita de foco de Influenza aviária estão isolamento e identificação do agente ou detecção do RNA viral específico do vírus da Influenza, eliminação de todos os suscetíveis na unidade epidemiológica, destruição das carcaças e todos os produtos e subprodutos, além de resíduos do sistema de produção, desinfecção, vazio sanitário, aplicação de medidas estritas de biosseguridade, utilização de animais sentinelas e comprovação de ausência de circulação viral, vigilância dentro da zona de proteção e da zona de vigilância.

Para isso, o corpo técnico do Mapa e dos órgãos estaduais passaram nos últimos meses por treinamentos, reuniões e discussões a fim de fazer uma reciclagem de conhecimento sobre todas as doenças sanitárias, bem como realizaram duas simulações de emergência sanitária, uma voltada para febre aftosa em bovinos no Mato Grosso do Sul e outra em Peste Suína Africana, promovida em Santa Catarina, ações executadas que também se aplicam para as demais cadeias produtivas, uma vez que os protocolos seguem as mesmas diretrizes. Conforme Sula, o preparatório com a simulação de emergência sanitária para Influenza aviária está previsto para março deste ano.

Suspeitas descartadas

Nas suspeitas descartadas para Influenza aviária de Alta Patogenicidade e Influenza aviária de Baixa Patogenicidade a investigação pode ser concluída imediatamente. Já nos casos prováveis de Síndrome Respiratória e Nervosa em aves a investigação pode ser encerrada após diagnóstico final negativo de Influenza aviária e Doença de Newcastle. “Um foco de Influenza aviária somente será encerrado após a eliminação dos animais suscetíveis na unidade epidemiológica, comprovação de ausência de circulação viral e conclusão dos procedimentos de vigilância nas zonas de emergência sanitária, conforme o Plano de Contingência para Influenza Aviária e Doença de Newcastle”, salienta Sula.

Como identificar Influenza aviária no plantel

São considerados casos suspeitos quando são identificados mortalidade maior ou igual a 10% em até 72 horas, em quaisquer estabelecimentos de aves domésticas ou em um único galpão do núcleo de estabelecimentos avícolas comerciais ou de reprodução; mortalidade súbita e elevada em populações de aves de subsistência, de exposição, de ornamentação, de companhia e silvestres ou de sítios de aves migratórias; presença de sinais clínicos ou lesões neurológicos, respiratórios ou digestórios compatíveis com Síndrome Respiratória e Nervosa, em quaisquer tipos de aves; queda súbita ou maior a 10% na produção de ovos e aumento de ovos malformados, em aves de reprodução ou aves de postura; resultado positivo de ensaio laboratorial em amostras colhidas durante quaisquer atividades de pesquisa não oficiais; resultado positivo em testes sorológicos de vigilância ativa ou certificação em laboratórios credenciados.

Os sintomas mais comuns são tosse, espirro, secreção nasal, sinais nervosos, penas arrepiadas, inapetência, queda de postura, prostração e morte súbita sem sinais aparentes.

Riscos à exportação

Sobre o impacto nas exportações, a OMSA afirma que notificações de Influenza aviária de Alta Patogenicidade em aves silvestres, ou outras que não sejam de produção comercial, e de aves domésticas ou de cativeiro com Influenza aviária de Baixa Patogenicidade, não afetam o status sanitário do país e não devem gerar banimento ou imposições de mercado. Ou seja, mesmo que seja registrado algum caso em aves silvestres ou domésticas, o status sanitário do Brasil não sofre alteração, contudo, se o caso é registrado na produção industrial, as regras vigentes bloqueiam o comércio somente nas áreas afetadas.

A suspenção de carne de frango brasileira por países importadores depende dos acordos definidos previamente e que constam no certificado sanitário, que acompanha o carregamento. “Alguns mercados exigem no certificado sanitário que a carne precisa que ser proveniente de um país livre de Influenza aviária, ou seja, está estabelecido que esse país importador, no momento que ocorrer um caso, mesmo que seja em uma pequena propriedade, em uma região que tenha produção em larga escala ou em uma atividade agrícola que não seja comercial, ele pode deixar de comprar do Brasil enquanto a doença não for erradicada”, esclarece Sula.

Por outro lado, há uma compreensão de outros países que não exigem o país livre, mas a região livre, estabelecendo um raio de 10 km da origem do foco para comercialização. “Grandes países trabalham com a regionalização, o que diminui um pouco os impactos econômicos da doença, que devem gerar perdas econômicas do tamanho da nossa pujança na exportação. Não queremos deixar o setor em pânico, nosso objetivo é reforçar as medidas sanitárias para que a cadeia não minimize o problema e deixe de tomar os cuidados necessários”, frisa.

Vacinação

No que diz respeito a vacinação, Sula afirma que existem vacinas contra a Influenza aviária, inativadas e recombinantes, no entanto o imunizante é proibido no Brasil. A vacinação das aves somente é indicada em países onde a doença ocorre e assim mesmo, em alguns desses países somente na região do foco. “Mas é algo que precisamos ter no radar como ferramenta de controle”, menciona.

Pior cenário no Brasil

Sula é enfática ao dizer que o pior cenário já começa pela entrada do vírus no Brasil, lembrando que o maior patrimônio do setor produtivo nacional é o status sanitário.
Outros fatores apontados pela especialista estão relacionados ao fechamento de mercados, retenção de produtos no mercado interno e alteração da oferta e demanda, com elevação dos preços não só da carne de frango como das demais proteínas animais. “Pode ocorrer de mercados se aproveitarem da ocorrência para banir as exportações brasileiras, deixando de cumprir com as regras de comércio internacional da Organização Mundial do Comércio. Não estamos livres disso, porque, apesar de existirem regras, têm muitos países que acabam não cumprindo e criam obstáculos disfarçados de barreiras sanitárias para controlar o comércio. Então esse é um cenário ruim que nos preocupa muito”, saliente Sula.

Melhor cenário no Brasil

Grande entusiasta da avicultura brasileira, Sula assegura que o melhor cenário previsto para o Brasil é a erradicação do foco tão logo sua notificação, com isolamento da área, colocando em prática com rapidez e excelência o Plano de Contingência para reafirmar o compromisso do Brasil com a segurança alimentar mundial. “Agilidade na tomada de decisão vai comprovar mais uma vez que a avicultura brasileira ‘não está a passeio’, que somos uma cadeia profissional, que sabemos fazer o nosso trabalho bem feito e com seriedade. Eu sou uma entusiasta da nossa avicultura, porque sei que estou lidando com as pessoas comprometidas, com os governos federal e estaduais alinhados, com técnicos de campo competentes, o que me faz ser uma pessoa confiante, porque conheço a nossa realidade e sei como é feito lá fora. Além do mais, estamos bem preparados em caso de ocorrência”, reforça Sula.

A zootecnista enaltece que a estrutura da avicultura brasileira pelo sistema de integração oferece uma capacidade de controle sobre a cadeia muito grande, o que é essencial no enfrentamento de uma crise sanitária. “O sistema de integração é favorável a vários fatores e a sanidade é uma delas. Não é só porque Deus é brasileiro que devemos deixar de fazer a nossa parte”, chama atenção.

O que é possível fazer

Sula sustenta que cada elo da cadeia tem um papel no processo de evitar a entrada do vírus no país, o governo federal com o Plano de Vigilância e o Plano de Contingência, as empresas e o setor produtivo com a biosseguridade na prevenção da entrada da doença e na notificação precoce. “As pessoas que viajam também precisam ter o cuidados ao transportar produtos de outros países, os quais podem ser uma forma de introduzir doenças no país, assim como o dono da propriedade ou o produtor precisa fazer a restrição do acesso nas instalações das granjas e dos frigoríficos”, menciona.

A diretora técnica da ABPA também ressalta a importância de melhorar e intensificar a comunicação da cadeia para que a sociedade civil organizada conheça as ações do setor, bem como possa também contribuir com a identificação de agentes etiológicos. “A comunicação e a educação é o começo de tudo. Não é hora de relaxar, mas sim de cuidar mais ainda, ser zeloso com aquilo que não é novidade, porque já é orientado há muito tempo”, reforça.

Fonte: O Presente Rural

Avicultura Rio Grande do Sul

Exportação gaúcha de carne de frango fecha primeiro semestre com queda de 4,7%

Setor atribui redução ao impacto das enchentes que afetaram o Rio Grande do Sul

Publicado em

em

Foto: José Fernando Ogura/AEN

A Organização Avícola do Rio Grande do Sul (O.A/RS) fechou o primeiro semestre deste ano com embarques de carne de frango in natura e processada na faixa de 354,5 mil toneladas, o que representa um recuo de 4,7% na comparação com igual período de 2023. O mês de junho acompanhou o movimento de queda e exportou cerca de 58,8 mil toneladas, 6,5% abaixo do volume enviado para o exterior há 12 meses. A receita foi afetada pela redução das vendas internacionais, somando US$ 630,2 milhões no primeiro semestre do exercício contra US$ 757,8 milhões na mesma janela de 2023, diferença de 16,8% para baixo na relação entre os dois intervalos de tempo.

Já a comercialização de ovos apresentou um contraponto no tocante ao mercado de carne de frango, consolidando comportamento altista, em volumes. O setor da indústria e produção de ovos do Rio Grande do Sul, destinou 969,8 toneladas no sexto mês do ano, 9,1% acima do total em junho de 2023. No acumulado semestral, foram exportadas 3,7 mil toneladas, avanço de 19,2% sobre o primeiro semestre do ano passado. Apesar do aumento de produtos verificados, o faturamento acusou baixa de 28,7% caindo de US$ 3,2 milhões em junho do ano passado para US$ 2,2 milhões para o mesmo mês neste ano. No balanço do semestre, o faturamento despencou 24,2%, saindo do valor de aproximadamente US$ 11,8 milhões faturados no primeiro semestre de 2023 para US$ 8,9 milhões no acumulado no primeiro semestre do ano corrente.

O presidente executivo da Organização Avícola do Rio Grande do Sul (O.A/RS), José Eduardo dos Santos, explica que os embarques no período apurado, tanto de carnes, quanto de ovos, ainda acusam o impacto da catástrofe climática que prejudicou a logística de escoamento e a operacionalização de parte das exportações. “Algumas indústrias tiveram muitos problemas e foram diretamente afetadas pelas enchentes, situação que retardou as nossas exportações. Além disso, também sentimos a consequência do desempenho no mercado externo, do movimento global das exportações de alimentos que sofre interferências das crises (guerras) na Europa e Oriente Médio” comentou Santos.

A O.A/RS é formada pelas entidades membros Associação Gaúcha de Avicultura (Asgav) e Sindicato da Indústria de Produtos Avícolas no Estado Rio Grande do Sul (Sipargs).

Entrada de produtos avícolas de outros estados no Rio Grande do Sul

O mercado interno também foi abalado pelas enchentes que chegaram ao Estado no começo de maio. Diante da previsão de baixa ocasionado pelas perdas dos estoques, material genético, aves e infraestrutura, o setor avícola do Rio Grande do Sul já tinha puxado o freio e reduzido a produção, adequando-se à situação econômica do Estado e fatores de competitividade instável com a entrada excessiva de produtos avícolas de outros estados no Rio Grande do Sul, com previsão de, pelo menos, alta de 50% dos produtos à base de frango que circulam no Rio Grande do Sul serem de outras unidades federativas. Dados da Secretaria Estadual da Fazenda (Sefaz) relativos a janeiro deste ano mostraram que 52% dos cortes de carne de frango comercializados no Rio Grande do Sul foram provenientes de outros estados, o que indica que esse contexto é anterior à crise climática e vai ao encontro da estimativa da entidade avícola.

A queda nos abates também já havia sido mensurada pela O.A/RS, oscilando entre 5% e 10%. Os valores também coincidem com a apuração do Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE) no primeiro trimestre do ano. Dados apurados pela entidade avícola identificaram recuo de 5,8% no primeiro semestre, caindo de 416 milhões de cabeças em 2023 para 392 milhões de cabeças de aves abatidas neste ano. Segundo Santos, mantendo-se as movimentações de retomada, há uma possibilidade de recuperação gradativa do mercado, desde que se conserve “coerência e assertividade nas tomadas de decisões”.

Outro ponto levantado pelo dirigente da O.A/RS é a reivindicação permanente ao acesso menos burocrático e mais célere aos recursos emergenciais para indústrias e produtores atingidos pelas enchentes. “Dar acesso rápido ao crédito para os atingidos não ajuda apenas indústrias e produtores, mas também as atividades ligadas indiretamente com o setor, refletindo uma visão inteligente, pois continuará a geração de divisas e atividades para Municípios, Estado e União” avaliou Santos.

No que se refere a outras ações com uma linha proativa e atuante, a O.A/RS dá ênfase à campanha da valorização das marcas de carne de frango que produzem no RS, que em apenas dois meses chegou ao alcance de 2,9 milhões nas redes sociais, jornais e rádios, além do movimento “Recupera Avicultura RS”, que traz mensagens de retomada, superação e união para reerguer aqueles atingidos pelas enchentes e ajudar o Rio Grande do Sul.

Embarques nacionais de carne de frango alcançam 451,6 mil toneladas em maio

O Brasil exportou 435 mil toneladas de carne de frango in natura e processada em junho deste ano, queda de 2,3% comparado ao mesmo mês do ano passado. As receitas totais obtidas com as exportações de junho chegaram a US$ 793,6 milhões, queda de 10,6% comparado ao mesmo mês do ano passado, com US$ 887,5 milhões. Em relação ao fechamento do primeiro semestre de 2024, as exportações computadas alcançaram 2,5 milhões de toneladas, volume 1,6% abaixo do saldo acumulado do mesmo período de 2023, com 2,6 milhões de toneladas. No mesmo período, a receita acumulada alcançou US$ 4,6 bilhões, 10,3% abaixo do que o total registrado no primeiro semestre de 2023, que ficou em US$ 5,1 bilhões.

Indústria e produção de ovos nacional

As exportações de junho atingiram 1,6 mil toneladas de ovos, gerando uma receita de US$ 4,02 milhões. Os dois indicadores demonstram queda em relação aos períodos do ano passado, com percentuais de 65,8% e 65,3% respectivamente. A movimentação do 1º semestre, com uma exportação de 8,5 mil de toneladas de ovos, acusou retração de 48,8% comparada com as 16,6 mil toneladas exportadas no mesmo período de 2023. No que se refere aos resultados de faturamento, no período apurado constata-se de janeiro a junho deste ano, US$ 18,2 milhões, diminuição de 55,7% comparado ao mesmo período do ano passado, quando a cifra atingiu o patamar de US$ 41,2 milhões.

Fonte: Assessoria Comunicação ASGAV/SIPARGS - O.A.RS
Continue Lendo

Avicultura

Revolucionando a avicultura: avanços e impactos da vacinação na saúde e produtividade nas granjas

Vacinação pode ajudar também na redução da excreção de patógenos na granja. Saiba o que deve acontecer para um programa vacinal ser realmente eficaz.

Publicado em

em

Foto: Divulgação/Arquivo OPR

É de conhecimento geral as funções das vacinas. Se perguntarmos a qualquer profissional da veterinária, a resposta estará na ponta da língua: para proteger os animais do adoecimento. Sim, essa é a função primária e mais importante de uma vacina, proteger contra o adoecimento e a morte. No entanto, uma vacina ou programa de vacinação possuem várias outras funções de extrema importância.

Existem três resultados básicos de um plano de vacinação que devem sempre ocorrer para que seja verdadeiramente e plenamente eficaz: proteção contra doenças clínicas e consequente mortalidade e perda de desempenho; redução da suscetibilidade à infecção, ou seja, é necessária uma dose infectante muito maior para infectar as aves vacinadas; e redução significativa na excreção do patógeno de campo quando as aves vacinadas são desafiadas.

O terceiro ponto é considerado crucial em termos de epidemiologia, disseminação da doença e permanência/persistência da infecção em sistemas de produção infectados com o Vírus da Doença de Newcastle, Bronquite Infecciosa, Gumboro e Influenza aviária. Ou seja, a vacinação pode levar a uma excelente proteção clínica e até mesmo a uma redução na suscetibilidade à infecção; no entanto, se as aves infectadas não apresentarem uma diminuição na excreção viral pós-desafio, a pressão de infecção ambiental do sistema continuará alta, e lote após lote, as aves continuarão a ser infectadas e a doença persistirá no sistema de produção.

Figura 2. Sequência de eventos após infecção viral das aves (Quadro 1) e objetivos de um plano efetivo de vacinação (Quadro 2).

Ampliando a visão, as vacinas têm um papel não somente de curto prazo, ao resolver o adoecimento do animal que recebe a vacina, mas também a médio e longo prazo. Isso ocorre porque lotes adequadamente imunizados funcionam como uma barreira para a replicação e disseminação do patógeno para outros animais e para o ambiente. Algumas funções mais abrangentes das vacinas incluem: prevenir infecções, protegendo continuamente os animais; diminuir os sinais clínicos da doença; reduzir a disseminação do vírus no ambiente; diminuir a possibilidade de mutações e recombinações dos agentes infecciosos; e contribuir para a preservação do bem-estar dos animais.

A capacidade de uma vacina reduzir a excreção é variável e influenciada pela tecnologia vacinal utilizada. Além disso, entre produtos que têm a mesma tecnologia também existem diferenças significativas, dependendo da habilidade de cada fabricante de desenvolver vacinas que se adequem às necessidades técnicas impostas pelo agente infeccioso e suas interações com o hospedeiro e o ambiente. Um exemplo são as vacinas para controle do vírus da doença de Gumboro, em que o programa baseado em vacinas recombinantes HVT apresenta limitações importantes no controle da excreção do patógeno em aves vacinadas. As aves, mesmo vacinadas adequadamente, continuam excretando quantidades significativas do vírus de Gumboro quando desafiadas em estudos controlados. Na realidade de lotes comerciais de frangos, este fenômeno é confirmado pela maior prevalência de vírus de campo, variantes detectadas nas bursas.

Tabela 1. Características biológicas dos diferentes conceitos de vacinas Gumboro.

Tabela 1 . Características biológicas dos diferentes conceitos de vacinas Gumboro.
Vacina  Parar o ciclo de Gumboro  Afetada por anticorpos Maternos  Lugar da Vacinação  Comentários
Complexo-imune (Vírus IBD vivo)  ⦁ Sim, em laboratório
⦁ Sim, no campo  Não  Incubatório(in ovo e SC)  ⦁ Bloqueia muito rapidamente a infecção por qualquer cepa de Gumboro, não há replicação e excreção pós-desafio no campo
⦁ Vacinação no incubatório permite excelente uniformidade de vacinação e proteção
Vacina Vetorizada (rHVT-IBD)  ⦁ Não, em laboratório
⦁ Não, no campo  Não  Incubatório (in ovo e SC)  ⦁ Não bloqueia a infecção, replicação e excreção viral (não possui vírus IBD vacinal)
⦁ Não protege completamente contra infecção e não há prevenção dos próximos lotes alojados
Convencional Intermediária  (Vírus IBD vivo)  ⦁ Não,em laboratório
⦁ Não, no campo  Sim  Granja (água de bebida)  ⦁ Não bloqueia a infecção
⦁ Baixa proteção
⦁ Ruim uniformidade de vacinação pela via água de bebida (aves não vacinadas/suscetíveis)
Convencional Intermediária “plus” ou forte (Vírus IBD vivo)  ⦁ Sim, em laboratório
⦁ Não,  no  campo  Sim  Granja (água de Bebida)  ⦁ Em laboratório bloqueia a infecção por qualquer cepa de vírus IBD
⦁ Ruim uniformidade de vacinação pela via água de bebida (aves não vacinadas/suscetíveis)
⦁ Erros na idade correta de vacinação não uniforme em todas as aves
⦁ Erros humanos nos procedimentos de preparação e aplicação da vacina

Esses resultados para o controle de Gumboro não são iguais para outros patógenos, cada agente, devido às suas características biológicas e interações com o hospedeiro, exige abordagens específicas, que podem ser convergentes em alguns aspectos e divergentes em outros. Por exemplo, no controle de Newcastle, as vacinas vetorizadas apresentam uma excelente resposta no controle da excreção, ativando mecanismos imunológicos efetivos que reduzem significativamente a excreção do vírus desafio em aves vacinadas, conforme evidenciado em diversos estudos controlados.

Controle total

É crucialmente importante do ponto de vista epidemiológico que o programa vacinal utilizado promova um controle total das doenças virais incidentes na indústria avícola moderna. Este programa deve ser capaz não só de proteger contra sinais clínicos e mortalidade, mas também de diminuir significativamente a excreção do vírus de campo que desafia as aves vacinadas, conseguindo assim uma redução da pressão de infecção dos sistemas de produção e eliminando perdas clínicas e subclínicas.

Para ficar atualizado e por dentro de tudo que está acontecendo no setor avícola acesse a versão digital de Avicultura de Corte e Postura clicando aqui. Boa leitura!

Fonte: Por Tharley Carvalho, gerente de Marketing Aves de Ciclo Curto da Ceva Saúde Animal Brasil
Continue Lendo

Avicultura

Média de exportações de carne de frango indica resultado positivo para 2024

Volume médio embarcado neste ano segue em patamares acima dos registrados em 2023.

Publicado em

em

Fotos: Divulgação/Arquivo OPR

A média de exportações brasileiras de carne de frango (considerando todos os produtos, entre in natura e processados) em 2024 indica resultados positivos para o ano de 2024, analisa a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA). Conforme a análise comparativa, a média das exportações registradas neste ano foi de 431,4 mil toneladas, número 0,8% superior ao registrado na média dos doze meses do ano passado, com 428,2 mil toneladas.

No levantamento mensal, as exportações de carne de frango do mês de junho totalizaram 435,9 mil toneladas, número 2,3% menor que as 446,2 mil toneladas embarcadas no mesmo período do ano passado. A receita obtida no período chegou a US$ 793,6 milhões, saldo 10,6% menor que o total registrado em junho de 2023, com US$ 887,5 milhões.

Presidente da ABPA, Ricardo Santin: “A oscilação levemente negativa nos embarques comparativos de junho não é suficiente para comprometer o momento positivo vivido pelas exportações de carne de frango”

Já na análise do semestre, as exportações de carne de frango totalizaram até aqui 2,588 milhões de toneladas, número 1,6% menor que o total registrado nos seis primeiros meses de 2023, com 2,629 milhões de toneladas. A receita acumulada no período chegou a US$ 4,636 bilhões, saldo 10,3% menor que o acumulado no ano anterior, com US$ 5,168 bilhões. “A oscilação levemente negativa nos embarques comparativos de junho não é suficiente para comprometer o momento positivo vivido pelas exportações de carne de frango. O fato da média do primeiro semestre superar a média geral de 2023, aliada ao fato de que o segundo semestre é, tradicionalmente, o melhor período para as exportações, apontam para novos resultados positivos para o ano de 2024”, destaca o presidente da ABPA, Ricardo Santin.

De acordo com o levantamento, a China, principal destino das exportações, importou 276,1 mil toneladas no primeiro semestre, número 29% menor que o total registrado no mesmo período do ano passado. Em seguida estão os Emirados Árabes Unidos, com 240,1 mil toneladas (+20%), Japão, com 214,2 mil toneladas (-3%) e Arábia Saudita, com 206 mil toneladas (+17%).

Diretor de mercados da ABPA, Luís Rua: “Incremento dos volumes destinados aos países latino-americanos tem permitido ao Brasil se reposicionar em mercados estratégicos para produtos como perna e peito de frango”

No levantamento por Estado, o Paraná segue como principal exportador, com 1,076 milhão de toneladas exportadas no primeiro semestre deste ano, número 1,1% menor do que o registrado em 2023.

Em seguida estão Santa Catarina, com 563,6 mil toneladas (+3,4%), Rio Grande do Sul, com 354,3 mil toneladas (-4,74%), São Paulo, com 136,9 mil toneladas (-9,4%) e Goiás, com 125,7 mil toneladas (+4,6%). “Vale destacar positivamente para o incremento dos volumes destinados aos países latino-americanos nestes últimos meses, no momento em que o principal concorrente do Brasil no mercado internacional, os EUA, apresenta redução significativa de suas exportações. Isto tem permitido ao Brasil se reposicionar em mercados estratégicos para produtos como perna e peito de frango, auxiliando na segurança alimentar dos parceiros comerciais. Por sua vez, os países do Oriente Médio mantêm elevada demanda pelo produto brasileiro”, comentou o diretor de mercados da ABPA, Luís Rua.

Fonte: Assessoria ABPA
Continue Lendo
AJINOMOTO SUÍNOS – 2024

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.