Conectado com
OP INSTAGRAM

Notícias G20

Brasil defende revisão de barreiras comerciais e critica subsídios durante a pandemia

Em evento virtual do G20 com ministros da Agricultura, Tereza Cristina propõe “nova mentalidade” para combater escassez de alimentos no mundo

Publicado em

em

Divulgação/MAPA

Em videoconferência com ministros da Agricultura dos países do G20 para discutir o impacto do Coronavírus sobre o setor, a ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) alertou para a necessidade de rever neste momento barreiras comerciais injustificáveis e subsídios que premiam a ineficiência e podem afetar o abastecimento de alguns países.

“O Covid-19 nos oferece a oportunidade de repensar nosso comportamento coletivo. Vamos vencer a luta contra o Covid-19 juntos e emergir dele com uma mentalidade para finalmente alcançar segurança alimentar global estável e meios de vida decentes para toda a humanidade”, disse a ministra, no evento virtual de terça-feira (21). A posição do Brasil foi convergente com a de outros países como Estados Unidos, China, Alemanha e Emirados Árabes.

Organizado pela presidência temporária do G20, a videoconferência teve como objetivo aprimorar a cooperação global e garantir o fluxo de produtos agrícolas para proteger a segurança e nutrição alimentar global durante a pandemia. Para a ministra, felizmente, a curto prazo, há comida suficiente para todos. Mas é preciso trabalhar os desafios de abastecimento mundial impostos pelo Covid-19.

Segundo Tereza Cristina, o Brasil é um parceiro confiável no fornecimento de alimentos e tem demonstrado capacidade para suprir as necessidades de mais de um bilhão de pessoas em todo o mundo. “Demonstramos por nossas ações que o Brasil é um parceiro confiável, responsável e solidário. Por reciprocidade, também queremos ter um forte compromisso do resto da comunidade internacional. A confiança é uma via de mão dupla: estabilidade e previsibilidade no lado da oferta exigem estabilidade e previsibilidade no lado da demanda”.

Por isso, alertou a ministra na videoconferência do G20, as barreiras comerciais não devem ser levantadas apenas quando ocorrer uma calamidade, sempre que for conveniente para combater o medo da escassez de alimentos. “Abandonaremos a retórica, tomando medidas efetivas para realmente melhorar a subsistência dos mais vulneráveis? Ou admitiremos a armadilha de usar a pandemia como uma desculpa para manter os interesses paroquiais enraizados, através da perpetuação do protecionismo?”, disse a ministra.

A ministra também criticou o uso de subsídios neste momento da crise, pois acabam criando uma concorrência desleal para países em desenvolvimento e afetam as condições de vida no campo. “O comércio agrícola justo permitiria a disseminação de melhores condições nas áreas rurais, onde a maior parte da pobreza do mundo está concentrada”.

Para Tereza Cristina, o Brasil está preparado para fazer sua parte e se compromete não apenas como um dos protagonistas na produção agrícola mundial, mas também como defensor da transformação positiva em benefício das gerações futuras.

A reunião virtual contou com a participação do diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, do diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), Roberto Azevêdo, e do diretor-geral da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), Qu Dongyu.

Fonte: MAPA
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × 4 =

Notícias Avicultura

Especialista aponta as mega tendências para a avicultura global

O professor David Hughes elencou os motivos do crescimento no consumo mundial de ovos e carne de frango

Publicado em

em

Foto: Divulgação

O professor David Hughes atendeu a Boehringer Ingelheim Saúde Animal e elencou os motivos do crescimento no consumo mundial de ovos e carne de frango

O consumo de ovos e carne de frango vem aumentando no mundo de forma consistente nas últimas décadas, principalmente por serem alimentos de fácil acesso, baratos e versáteis. Porém, o preço não é o único fator determinante para essa maior busca de proteína animal em todo o planeta. A divisão de Saúde Animal da Boehringer Ingelheim global convidou David Hughes, professor emérito de Food Marketing no Imperial College, em Londres, para apontar as três principais tendências que estão alavancando a avicultura ao redor do planeta. Confira:

 

Procura por adjetivos

O professor Hughes explica que, no passado, os preços eram determinantes para o consumo de carne de frango. Citando a China como exemplo, ele explica que, nos últimos cincos anos, o mercado local mudou drasticamente. Os consumidores procuram agora produtos derivados. Segundo ele, “frango é apenas o substantivo, e há pouca margem no substantivo. São os adjetivos que as pessoas procuram: frango caipira, de alguma região específica, frango de crescimento lento, uma raça específica, frango de dieta vegetariana, frango orgânico, frango amigo do ambiente. Em todo o mundo, os consumidores procuram adjetivos e estão dispostos a pagar por isso”.

 

Alimentos ecologicamente corretos: uma megatendência

O impacto da nossa alimentação no meio ambiente traz um debate que ganha cada vez mais relevância, pelo bom desempenho que o frango apresenta neste aspecto. O Prof. Hughes acredita que isso se tornará um fator cada vez mais importante no futuro. “Algumas empresas já listam o impacto do carbono de seus produtos nas embalagens. Para o frango, com sua pegada de carbono relativamente baixa em comparação com outras carnes, essa tendência pode ser um benefício”.

 

Menos é mais

O Prof. Hughes aponta para a tendência da busca por objetivos: cada vez mais, os consumidores exigirão alimentos “livres de”. Sem antibióticos, sem aditivos, sem escravidão e sem desmatamento. Esses fatores sociais, de saúde e preocupações ambientais estão se tornando cada vez mais importantes para quem compra carne de frango e ovos. “E os consumidores vão esperar progressivamente que esses adjetivos ‘livres de’ tenham um preço de varejo normal”, afirma.

As questões sociais continuarão a ser uma tendência-chave após a pandemia de Covid-19. Qualquer pessoa que trabalhe na indústria avícola deve ficar de olho nesses desenvolvimentos e se adaptar às mudanças na demanda dos clientes.

 

Qual será o futuro da avicultura?

“O futuro do frango parece bem definido!” aponta o Prof. Hughes. “A mudança demográfica global pode levar à abertura de novos mercados para aves. Os desafios a serem observados serão pandemias zoonóticas relacionadas a aves e ovos, a mudança social acelerada e a aceitação de substitutos de carne baseados em células ou vegetais. No entanto, o crescimento do consumo de carne é frequentemente impulsionado pelo aumento da renda. Com as pessoas atingindo padrões de vida mais elevados, as aves continuarão em alta”, conclui.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Avicultura

Instituto Ovos Brasil tem nova diretoria

A nova composição dos Conselhos Deliberativo e Fiscal e da Diretoria do Instituto Ovos Brasil completa 06 meses de atividade

Publicado em

em

Divulgação

A nova composição dos Conselhos Deliberativo e Fiscal e da Diretoria do Instituto Ovos Brasil foi oficializada no mês de fevereiro, por meio da Assembleia Geral Extraordinária da entidade, que foi realizada de forma virtual, contando com a participação de associados e conselheiros.  Iniciando a pauta da reunião, os participantes aprovaram o novo estatuto do IOB, que possui premissas como: atender aos preceitos do novo Código Civil, implementar uma nova metodologia de gestão do Instituto e trazer mais agilidade e dinamismo às decisões que serão executadas no dia a dia da entidade.

No decorrer no encontro, Edival Veras de Barros foi empossado como o novo presidente do Instituto, enquanto Ricardo Santin, que presidiu o IOB por oito anos e atualmente desempenha a função de presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), assumiu a presidência do Conselho Deliberativo da entidade.

Em sua fala, Edival Veras agradeceu o apoio de todos, destacou a importância dos feitos alcançados pelo IOB, e frisou as dificuldades relacionadas aos custos de produção e as melhorias necessárias para aumentar o consumo de ovos no país. “Os desafios não serão fáceis e o trabalho em conjunto será fundamental para enfrentarmos todos esse cenário”, completou.

Ricardo Santin enalteceu o apoio e a dedicação dos associados, conselheiros e diretores nos últimos anos, especialmente na reestruturação da área financeira do Instituto. “Tenho muita satisfação em ter sido eleito para presidir o Conselho Deliberativo. Agradeço a confiança e conto com o apoio de todos”, encerrou.

Conheça o novo presidente do Instituto

Natural de Recife, Pernambuco, Edival Veras é Engenheiro Agrônomo formado pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), especializado em nutrição animal, vice-presidente administrativo da Associação Avícola de Pernambuco (Avipe) e atua no setor avícola do Estado que é o maior produtor de aves da Região Nordeste do país.

Presidente da Avipe por duas gestões, o pernambucano que também atua como Conselheiro da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), participou da fundação do Instituto Ovos Brasil e exerceu a função de diretor comercial da entidade nos últimos dois anos.

Agora, à frente da presidência do IOB, Edival destaca a importância e os desafios deste cargo. “Nunca é uma tarefa muito simples assumir a presidência de uma entidade que esteve sob a condução de uma pessoa tão competente, como é o caso do Ricardo Santin. A história do Instituto Ovos Brasil foi construída com base no trabalho de equipe, que tem como marca a dedicação aguerrida e fiel ao desenvolvimento deste setor”, completa.

Entre outros agradecimentos, Edival enalteceu Francisco Turra que, enquanto presidente da ABPA, sempre apoiou de forma incondicional o setor de ovos brasileiro e os trabalhos do IOB. “O departamento administrativo do Instituto hoje funciona no mesmo local da ABPA, o que beneficiou a convergência dos trabalhos realizados em prol do setor de postura comercial.

Ricardo Santin assume presidência do Conselho Deliberativo

Com um misto de agradecimentos e reconhecimento pelo trabalho desempenhado no Instituto Ovos Brasil, o gaúcho Ricardo Santin assumiu a presidência do Conselho Deliberativo do IOB, no último mês de fevereiro, após permanecer durante oito anos à frente da presidência da entidade.

Formado em Direito, especialista em Processo Civil, mestre em Ciências Políticas e com diversas participações decisivas nos avanços dos setores de aves e suínos do país nos últimos 12 anos, desde o ano passado Santin também exerce a função de presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA).

Desta forma, atuando como diretor de mercados e diretor-executivo da ABPA, já visitou mais de 50 países em busca de novas oportunidades para as exportações brasileiras. Esteve à frente das ações internacionais e de mercado interno ao longo da gestão de Francisco Turra na associação.

Durante todo esse período, adquiriu grande reconhecimento do setor e foi um dos grandes responsáveis pela conquista de novos mercados e do crescimento no número de negócios e na promoção do ovo brasileiro.

Agora com o novo desafio de presidir o Conselho Deliberativo do Instituto, ao ser empossado durante a Assembleia Geral Extraordinária da entidade, Ricardo mencionou sua satisfação, agradeceu a confiança – principalmente nos momentos mais adversos – e destacou que continuará contando com o apoio de todos. “A importância da produção de ovos para o país, especialmente durante este período de pandemia, é a mostra de que devemos seguir unidos, fortalecendo cada vez mais o setor, produzindo um alimento nutritivo, que é acessível a todas as classes sociais”, declarou Santin.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Agronegócio

Conectividade é desafio gigantesco para o agro, afirma presidente da Embrapa

Apesar dos bons resultados, o agro brasileiro tem um longo caminho a percorrer

Publicado em

em

Divulgação

O agronegócio brasileiro é um dos maiores setores da economia e teve um crescimento recorde de 24,31% no PIB do último ano, além de responder por um terço dos novos empregos no Brasil. A Embrapa, que completou 48 anos recentemente, tem grande contribuição para este cenário: A Empresa publica anualmente o chamado Balanço Social que mostrou, em 2020, a geração de R$61,85 bilhões em lucro social, ou seja, para cada R$1 aplicado na Embrapa, a Empresa devolveu R$17,77 para a sociedade brasileira, contribuindo para a geração de 41.475 empregos diretos.

Os dados foram apresentados pelo presidente da Embrapa, Celso Moretti, no 7º Encontro Nacional do Ecossistema Brasil 5.0 em Ação, realizado nesta segunda (14). Ele destacou que, apesar dos bons resultados, o agro brasileiro tem um longo caminho a percorrer. Em sua visão, o Brasil tem um conjunto de desafios sociais, econômicos, científicos e tecnológicos a vencer, como a necessidade da redução do custo das tecnológicas digitais. “A agricultura digital avançou muito. Hoje, mais de 84% dos produtores utilizam pelo menos uma tecnologia digital, mas só 30% das propriedades rurais estão conectadas à internet. Há um descompasso e esse é um desafio gigantesco para o nosso setor”, afirmou o presidente da Embrapa.

Celso Moretti, convidado para o painel “Contribuições do Agro na Economia Digital”, afirmou que o país deve buscar soluções que visem a expansão da conectividade: “não podemos continuar pensando em expandir o agro e desenvolver tecnologias de base digital se continuarmos com essa limitação brutal de conectividade. Existem propriedades onde há sinal internet apenas na casa sede e não em toda extensão da propriedade, por exemplo. Precisamos de soluções para derrubar a barreira da restrição de conexão para que o agro tenha todo o potencial que precisa no Brasil”, defendeu.

Participante do primeiro dia de evento, Moretti apresentou a evolução da transformação digital na cadeia do agro e o impacto dessa evolução no crescimento do PIB brasileiro, alinhado à agenda ESG (Environmental, Social and Governance – em português: Governança Corporativa, Ambiental e Social) da Embrapa. “Somos uma Empresa de inovação tecnológica focada na geração de conhecimentos, tecnologias e soluções para a agropecuária brasileira. O negócio da Embrapa é prover soluções para os problemas do agro brasileiro”, destacou.

A Embrapa, que, segundo Moretti, tem a missão de viabilizar soluções de pesquisa, desenvolvimento e inovação para a sustentabilidade da agricultura, em benefício da sociedade brasileira, tem a agenda ESG como peça central no desenvolvimento de soluções. “A sustentabilidade está no DNA da nossa Empresa. Desde o início trabalhamos de forma muito focada, vinculando nossa agenda aos objetivos do desenvolvimento sustentável, e a transformação digital está na base desse desenvolvimento recente do agro brasileiro”, confirmou.

A expectativa até 2030, conforme o presidente Moretti, é que as transformações digitais, junto à bioinformática e à biotecnologia, promovam ainda mais avanços para impactar as diversas áreas da produção animal e vegetal, resultando em produtos mais sustentáveis, com melhor qualidade nutricional e segurança. E a Empresa tem promovido um avanço muito forte no que diz respeito a transformação digital no campo. “A maioria dos nossos 43 centros de pesquisa está atuando em inovações voltadas para soluções digitais, na pré-produção, produção e pós-produção da agricultura. Não tenho dúvidas que o Brasil, até 2030, será um dos maiores protagonistas na produção de alimentos, fibras e bioenergia, avançando também nas questões de agricultura de baixo carbono”, declarou.

Celso Moretti também apresentou exemplos de soluções da Embrapa na agricultura digital: aplicativos para informações do Zoneamento Agrícola de Risco Climático (Zarc), que permite que o produtor brasileiro saiba o que, quando e onde plantar com segurança; análise e gerenciamento de dados de sequenciamento biológico de grande volume; plataforma tecnológica sobre os solos brasileiros, o PronaSolos; uso de drones e veículos aéreos não tripulados para contagem de plantas e gado; e o desenvolvimento de ferramentas digitais para valoração ESG.

Outro exemplo de solução tecnológica mencionada pelo presidente foi o Radar Agtech, uma parceria da Embrapa com SP Ventures e a Homo Ludens Research & Consulting . Trata-se de um mapeamento das startups do agro brasileiro e a principal fonte de informações para quem quer conhecer o segmento. O levantamento feito pelo Radar entre 2019 e 2021 apontou um crescimento de 40% de startups voltadas para o agro no Nordeste. “Se tem uma agricultura no mundo que está bem aparelhada, do pronto de vista tecnológico, é a agricultura brasileira. Tudo isso não seria possível se não tivéssemos todo um aparato de ferramentas de transformações digitais vinculado a essa realidade”, disse Moretti.

O evento online foi realizado pelo Instituto MicroPower para Transformação Digital e contou com a presença do diretor de Ensino e Pesquisa do Hospital Sírio Libanês, Luiz Reis; do Major-Brigadeiro do Ar, Luiz Ricardo, Conselheiro do Brasil 5.0; e outros representantes do Instituto. “É uma satisfação participar de um evento tão importante e relevante para a transformação digital global e poder compartilhar um pouco do que fazemos”, afirmou o presidente da Embrapa.

Para assistir ao Encontro, acesse: https://www.youtube.com/watch?v=8gnS1jO2dqA.

Fonte: Embrapa
Continue Lendo
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.