Conectado com
VOZ DO COOP

Notícias Santa Catarina

Boletim Agropecuário de abril traz recuperação na produção de milho e incremento nas exportações catarinenses

Em maio o IBGE divulgará os primeiros resultados da Pesquisa Trimestral do Leite, com a quantidade de leite cru adquirida pelas indústrias inspecionadas do Brasil.

Publicado em

em

Foto: Divulgação/Epagri

A safra 2022/23 de milho em Santa Catarina deve ser satisfatória, após dois anos de frustração. A soja mantém a expectativa de ótima colheita no Estado e os produtores catarinenses de trigo estão estimulados para o próximo ciclo agrícola. A produção catarinense de banana se recuperou, retomando patamares de 2019, enquanto os preços seguem em elevação. Exportações em alta no arroz, frangos e suínos.

Confira estas e outras análises no Boletim Agropecuário de abril, documento mensal em que os técnicos da Epagri/Cepa apresentam uma análise econômica da agropecuária catarinense.

Milho

Após dois anos de frustração, em função da estiagem, a safra catarinense de milho 2022/23 pode ser considerada satisfatória, com perdas localizadas nas áreas adjacentes ao Rio Uruguai no extremo Oeste. Já foram colhidos 76% do total cultivado, com estimativa de produção de 2,69 milhões de toneladas.

Os preços estão nos menores valores desde outubro de 2020, com recuo de 5,7% entre fevereiro e março e de 18,1% entre março de 2022 e deste ano.

Soja

Os números estão apontando para uma ótima safra de soja no Estado, possivelmente a maior da série histórica levantada pela Epagri/Cepa, com estimativa de colheita de 2,74 milhões de toneladas na primeira safra 2022/23.

O avanço da colheita da safra recorde no país empurra os preços para baixo. Em março, o preço médio pago ao produtor chegou a R$157,52 a saca, menor valor em mais de dois anos. Entre fevereiro e março a retração foi de 7,93% e entre março de 2022 e o mesmo mês deste ano chegou a 21,8%.

Bovinos

Os preços do boi gordo em Santa Catarina mantiveram-se estáveis nas duas primeiras semanas de abril em relação ao mês anterior, registrando-se apenas leve variação de -0,05%. Com a retomada das exportações de carne bovina para a China, a expectativa é de que nas próximas semanas sejam novamente observadas variações positivas nos preços do boi gordo. Na comparação entre o valor de abril e o do mesmo mês de 2022 observou-se queda de 9,2% no preço médio estadual.

De acordo com dados da Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc), sistematizados pela Epagri/Cepa e divulgados no Observatório Agro Catarinense, no primeiro trimestre deste ano foram produzidos em Santa Catarina e destinados ao abate cerca de 146 mil bovinos, queda de 3,8% em relação à produção do mesmo período de 2022.

Frangos

Santa Catarina alcançou os melhores resultados das exportações de frangos desde maio de 2019, tanto em valor quanto em quantidade. Em março o Estado exportou 104,7 mil toneladas de carne de frango (in natura e industrializada), alta de 32% em relação às exportações do mês anterior e de 17,8% na comparação com as de março de 2022. As receitas foram de US$219,5 milhões, aumento de 28,1% em relação às do mês anterior e de 27,3% na comparação com as de março de 2022.

No 1º trimestre, Santa Catarina exportou um total de 279,3 mil toneladas, com receitas de US$602,2 milhões, altas de 13,1% em quantidade e de 27,6% em valor na comparação com as do mesmo período do ano passado. O estado foi responsável por 23,8% das receitas geradas pelas exportações brasileiras de carne de frango nos três primeiros meses do ano.

De acordo com dados da Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc), sistematizados pela Epagri/Cepa e divulgados no Observatório Agro Catarinense, no primeiro trimestre deste ano foram produzidos no Estado e destinados ao abate 212,8 milhões de frangos, queda de 0,3% em relação ao mesmo período de 2022.

Suínos

Santa Catarina exportou 57,5 mil toneladas de carne suína (in natura, industrializada e miúdos) em março, alta de 34,8% em relação às exportações do mês anterior e de 10,9% na comparação com as de março de 2022. As receitas foram de US$137,0 milhões, crescimento de 33,8% em relação às do mês anterior e de 25,2% na comparação com as de março de 2022.

Durante o 1º trimestre, o estado exportou 150,2 mil toneladas de carne suína, com receitas de US$ 362,7 milhões, altas de 11,2% e 25,3%, respectivamente, em relação às do mesmo período de 2022. Santa Catarina respondeu por 56,6% das receitas e por 55,5% do volume de carne suína exportada pelo Brasil este ano. Os cinco principais destinos das exportações catarinenses foram responsáveis por 82,7% das receitas dos três primeiros meses do ano, com destaque para a China e Hong Kong, que responderam por 51,8% dos embarques do período.

De acordo com dados da Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc), sistematizados pela Epagri/Cepa e divulgados no Observatório Agro Catarinense, no primeiro trimestre deste ano foram produzidos em Santa Catarina e destinados ao abate 4,40 milhões de suínos, alta de 4,2% em relação ao mesmo período de 2022. Dos animais produzidos no período, 91,7% foram abatidos em Santa Catarina, sendo o restante destinado a frigoríficos localizados em outros estados.

Trigo

Os produtores de trigo de Santa Catarina se mostram motivados com os bons resultados alcançados na safra 2022/23, concluída em janeiro. Neste cenário, a Epagri/Cepa espera um incremento na área plantada no estado para a safra 2023/24, expectativa reforçada pelo crescimento de 10% ao ano na produção, registrado nos últimos 10 anos.

Em março, o preço médio mensal pago ao produtor de trigo recuou 1,42%, fechando em R$84,53 a saca de 60 kg. Na comparação anual, em termos nominais, os preços recebidos neste mês estão 13,47% abaixo dos registrados no mesmo mês de 2022.

Banana

A banana catarinense está com preços e oferta em alta. Nos primeiros três meses do ano, o valor negociado da banana de Santa Catarina nas centrais de abastecimento nacionais foi de R$41,2 milhões, aumento de 50% em relação ao mesmo período do ano anterior. O volume foi de 16,7 mil toneladas, o que representa 10% do total comercializado. O crescimento é reflexo da elevação da demanda.

A oferta de banana catarinense está acima de 5 mil toneladas por mês, voltando aos patamares de 2019. No final de fevereiro, fortes ventos e chuvas atingiram os municípios de Luiz Alves, Massaranduba e São João do Itaperiú, danificando bananais na região. No entanto, o aumento da produção ao longo de março manteve a oferta da fruta no mercado.

Arroz

O aumento das exportações e a expectativa de problemas na safra gaúcha elevaram o preço do arroz. De janeiro a março, as exportações somaram US$8,06 milhões, aproximadamente o dobro do total exportado em todo o ano de 2022. O principal destino foi a Venezuela. Com a queda do dólar observada nos últimos dias, é possível que o grão brasileiro perca competitividade e, com isso, haja redução no ritmo de embarque.

Até o momento, 90,5% da área semeada no Estado foi colhida, no Litoral Norte está praticamente finalizada. A estimativa inicial da Epagri/Cepa aponta para uma produção de 1.235.230 toneladas na safra 2022/23, pequena queda de -1,34% em relação à safra passada, quando a produtividade esteve acima da média.

Feijão

Até o final do mês de março, 93% das áreas plantadas com feijão primeira safra em Santa Catarina haviam sido colhidas. Esta safra foi marcada por atraso nos plantios, em função de condições climáticas adversas, o que resultou num encurtamento da janela de plantio. Em virtude disso, muitos produtores reduziram suas áreas. Outros substituíram o feijão por outra cultura de verão.

Com relação ao feijão segunda safra, aproximadamente 67% da área plantada no Estado se encontra em fase de floração, com 98% das lavouras em boas condições e apenas 2% ruins.

Em março, a saca do feijão-carioca estava 10,86% acima do que foi pago no mesmo mês do ano passado, em termos nominais. Para o feijão-preto, a redução anual foi de 13,38%.

Alho

A safra catarinense de alho está em processo de comercialização, porém lenta e com preços abaixo do custo de produção, em geral. Situação semelhante está ocorrendo em outros países, entre eles Espanha, China e Itália.

Em março foram importadas 12,07 mil toneladas de alho, redução de 7,79% na quantidade em relação a fevereiro. Na comparação entres os primeiros trimestres de 2022 e 2023, há um aumento de 4,02% na quantidade importada. Os principais fornecedores da hortaliça ao Brasil foram Argentina (88,62% do total) e China (1,19%).

Cebola

Santa Catarina já comercializou mais de 85% da sua produção de cebola. Com o final da colheita, a Epagri/Cepa consolidou os números da safra 2022/23, fechando numa safra de 551.225 toneladas, o que mantém o Estado como o maior produtor nacional da hortaliça.

No primeiro trimestre de 2023, a importação foi de 17.007 mil toneladas, volume 48,57% menor que no mesmo período do ano passado.
Em março os cebolicultores catarinenses receberam entre R$1,80/kg e R$2,00/kg, na praça de Rio do Sul, o que indica cotações em baixa.

Leite

Em maio o IBGE divulgará os primeiros resultados da Pesquisa Trimestral do Leite, com a quantidade de leite cru adquirida pelas indústrias inspecionadas do Brasil. O cenário mais provável é de uma quantidade superior à do mesmo período do ano passado, comprometido por adversidades climáticas e questões de rentabilidade.

No primeiro trimestre de 2023, as importações brasileiras de lácteos atingiram 65,6 milhões de quilos, 174% a mais que no primeiro trimestre de 2022 (23,9 milhões de quilos). Convertidas em equivalentes litros de leite, as importações atingiram 506,3 milhões de litros, o que representa um aumento de 204% em relação aos 166,8 milhões de litro importados no primeiro trimestre de 2022. A manutenção de preços internos de lácteos mais elevados do que os preços de importação provenientes da Argentina e do Uruguai, combinada com as recentes valorizações do real frente ao dólar, tende a manter as importações em patamares relativamente elevados nos próximos meses.

O mercado de lácteos deu sinais de recuperação entre a segunda quinzena de março e os primeiros dias de abril, o que se refletiu nos preços aos produtores. Pelos dados parciais dos levantamentos da Epagri/Cepa, o preço médio de abril aos produtores catarinenses pode ficar em R$2,72 o litro, seis centavos acima do preço médio de março, de R$2,66 o litro.

Fonte: Assessoria Epagri/Cepa

Notícias

Otimização de processos é desafio à indústria de aves e suínos no Brasil

Cerca de 150 profissionais, pesquisadores e especialistas de sete estados brasileiros participaram no auditório do Show Rural Coopavel, em Cascavel (PR), na quarta (19) e quinta-feira (20), do Simpósio de Otimização do Abate e Processamento de Aves e Suínos, organizado pela Fundação de Apoio à Ciência e Tecnologia Avícolas.

Publicado em

em

Foto: Divulgação/Coopavel

Cerca de 150 profissionais, pesquisadores e especialistas de sete estados brasileiros participaram no auditório do Show Rural Coopavel, em Cascavel (PR), na quarta (19) e quinta-feira (20), do Simpósio de Otimização do Abate e Processamento de Aves e Suínos, organizado pela Fundação de Apoio à Ciência e Tecnologia Avícolas. A abertura oficial da programação foi feita pela diretora de Projetos Especiais da Facta, Eva Hunka.

Eva lembrou que a indústria de aves e suínos é um pilar fundamental da economia agropecuária brasileira, contribuindo para o abastecimento alimentar, a geração de empregos e o desenvolvimento tecnológico. Mas para que o País siga crescendo na área, de maneira sustentável, deve-se buscar a otimização dos processos de abate e processamento. O apontamento feito por Eva Hunka foi aprofundado em painéis e oficinas nos dois dias de evento.

Do Brasil ao mundo

O presidente da Coopavel, Dilvo Grolli, fez a palestra de abertura do Simpósio e destacou o papel estratégico e essencial do Brasil como um dos grandes provedores de alimentos sustentáveis para o mundo. A previsão que deve se confirmar em alguns anos é de o País se consolidar como o maior exportador de grãos e proteínas do planeta. Atualmente, o Brasil já atende as necessidades alimentares de um bilhão de pessoas e esse número deverá crescer ainda mais.

A safra atual deverá colher entre 297,5 milhões de toneladas, mas em dez anos o Brasil deverá alcançar as 400 milhões anuais, fazendo do país “o maior supermercado do mundo”, como o governador do Paraná, Ratinho Júnior, tem afirmado em eventos dedicados ao agronegócio. Dilvo apresentou números que mostram o bom posicionamento do Paraná na produção de proteínas, principalmente de frangos e suínos, e do País como referência verde ao planeta.

Eva Hunka destacou que o objetivo da Facta ao promover esse Simpósio foi proporcionar um ambiente de aprendizado e troca de experiências, no qual cada participante pudesse adquirir novos conhecimentos e insights capazes ser aplicados em suas respectivas áreas de atuação. A diretora de Projetos Especiais da Fundação também agradeceu aos patrocinadores (Ceva e Phibro), ao apoio da Coopavel, e da Comissão Organizadora, moderadores, corpo técnico, mantenedores e equipe da Facta.

O evento contou com a participação de veterinários, agrônomos, zootecnistas, técnicos agrícolas, produtores rurais, empresários e executivos do segmento de aves e suínos, bem como professores, pesquisadores da área e outros profissionais. Os participantes são de cidades do Paraná, Santa Catarina, São Paulo, Rio Grande do Sul, Distrito Federal, Mato Grosso do Sul e Minas Gerais.

Fonte: Assessoria Coopavel
Continue Lendo

Notícias

Competitividade é pauta de encontro multidisciplinar no Siavs 2024

Segmentos diversos debatem perspectivas e gargalos para a capacidade competitiva do Brasil.

Publicado em

em

Foto: Divulgação/Arquivo ABPA

Os desafios competitivos para a manutenção da liderança global da proteína animal brasileira é tema de debate programado durante o Salão Internacional de Proteína Animal (Siavs), maior evento dos setores no Brasil, que acontecerá entre os dias 06 e 08 de agosto no Distrito Anhembi, em São Paulo (SP).

Programado para o último dia do evento (08), o painel “desafios conjunturais para a competitividade sustentável” reunirá representantes do governo, órgãos de pesquisa e empresas do setor para abordar vertentes distintas que impactam diretamente a capacidade competitiva da cadeia agroindustrial, como logística ferro-portuária, oferta e comercialização de grãos e entraves tributários

O secretário Nacional de Portos, Alex Sandro de Ávila, abrirá o painel com desafios e perspectivas sobre os avanços da logística portuária e acesso ferroviário aos portos do Brasil. Em seguida, o pesquisador da Embrapa Suínos e Aves, Dirceu Talamini, abordará pontos estratégicos do abastecimento de grãos e a investida setorial nas culturas de inverno como alternativas ao abastecimento.

Presidente da Câmara de Assuntos Legislativos e Tributários da ABPA e membro da Seara Alimentos, Fernando Zupirolli apresentará pautas atuais que representam desafios tributários para a produção e competitividade do Brasil.

Mediado pelo coordenador do grupo de Logística da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), José Perboyre, o painel contará ainda com uma análise das oportunidades de desafios do mercado internacional para a proteína animal do Brasil, que serão apresentadas pelo Consultor Guillermo Henderson. “Reuniremos diversas frentes de atuação competitiva para construir insights sobre os problemas e soluções possíveis para a cadeia de proteína animal que buscamos para o futuro, com mais competitividade e capacidade de superação de obstáculos, focada na manutenção de sua posição como líder global”, destaca Perboyre.

Fonte: Assessoria ABPA
Continue Lendo

Notícias

ABPA e Apex Brasil promovem seminário com foco no apoio à segurança alimentar dominicana

Evento realizado em Santo Domingo contou com ampla participação de autoridades e stakeholders locais.

Publicado em

em

Foto: Divulgação/ABPA

Terminou bem sucedida a ação organizada pela Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil) e a Embaixada Dominicana no Brasil, com a realização de um seminário sobre integração e promoção de segurança alimentar, realizado na última semana, em Santo Domingo (RD).

O Encontro Agropecuário Dominico Brasileiro – como foi nomeada a ação – contou com ampla cobertura da imprensa local e a presença de autoridades dominicanas – incluindo o Ministro de Agricultura, Limber Cruz Lopez – e brasileiras – como o Secretário-adjunto de Comércio e Relações Internacionais do Ministério da Agricultura, Julio Ramos.

Mais de 80 importadores e stakeholders locais estiveram presentes, juntamente com representantes brasileiros, com o objetivo reforçar a ampliação de laços entre Brasil e República Dominicana, com foco na segurança alimentar do país caribenho.

Durante o evento organizado pela equipe de marketing e promoção comercial da ABPA – representado pela coordenadora Nayara Dalmolin – o diretor de mercados da ABPA, Luís Rua, reforçou características relevantes da produção brasileira para o fortalecimento desta parceria – por meio das marcas setoriais Brazilian Chicken e Brazilian Pork.

Entre os pontos destacados estiveram o perfil sustentável da produção, os mais elevados critérios sanitários empregados pelo Brasil e ampla oferta de produtos de alta qualidade embarcados pela avicultura e pela suinocultura do Brasil para mais de 150 nações em todo o mundo. “Tivemos uma sólida interação com as lideranças dominicanas e com a sociedade.  Foi um momento ímpar para reforçarmos a nossa principal mensagem:  somos parceiros e queremos auxiliar a segurança alimentar dos dominicanos.  É dentro deste perfil de ação que o Brasil se construiu como grande player global das proteínas, e assim seguiremos com os parceiros caribenhos”, ressalta Rua.

Fonte: Assessoria ABPA
Continue Lendo
SIAVS 2024 E

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.