Conectado com
VOZ DO COOP

Bovinos / Grãos / Máquinas

Aprosoja acredita em preços mais elevados em 2024

Em entrevista exclusiva, o presidente da Aprosoja Brasil, Antonio Galvan, fala sobre o desempenho no ano passado e o que esperar da produção e mercado da soja em 2024.

Publicado em

em

Foto: Shutterstock

Com uma produção estimada em 162,4 milhões de toneladas pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) na safra 2023/2024, a soja continua na liderança da produção agropecuária do Brasil. Esse número, se confirmado, deve consolidar o país como o maior produtor mundial da oleaginosa. Em entrevista exclusiva, o presidente da Aprosoja Brasil, Antonio Galvan, fala sobre o desempenho no ano passado e o que esperar da produção e mercado da soja em 2024.

O Presente Rural – Como o presidente avalia o desempenho do setor da soja em termos de produção e receitas em 2023?

Presidente da Aprosoja Brasil, Antonio Galvan – Foto: Divulgação/Aprosoja

Antonio Galvan – Tivemos problemas climáticos ao longo do ano. A região Sul veio de três safras com grandes perdas por causa da seca e agora enfrentam excesso de chuvas. As outras grandes regiões produtivas, como o Centro-Oeste e o Matopiba, estão com problema sério de atraso nas chuvas, que vai prejudicar a safra de soja. Mato Grosso, por exemplo, deixará de cultivar 100 mil hectares de soja. O atraso no plantio espremeu a janela da safra de milho, o que pode ficar comprometida na safra verão. Além dos problemas climáticos, tivemos a volta da insegurança jurídica, com algumas invasões de terras por parte do MST.

O Presente Rural – Com relação ao VPB de 2023 que estima que o faturamento de soja seja de R$ 332 bilhões. Esse número foi recebido com alguma surpresa para vocês?

Antonio Galvan – A produção, em geral, sempre traz cada vez mais ganhos de produtividade. Mas do ponto de vista do produtor, sempre há elevação dos custos de produção, o que tira a rentabilidade. Como se trata de uma atividade a céu aberto, o produtor rural sabe dos riscos, principalmente climáticos. Então é sempre importante ter cautela e saber a hora de comprar os insumos e de aproveitar as melhores oportunidades para vender a sua lavoura.

O Presente Rural – Um dos gargalos do Brasil é a infraestrutura de transporte. Quais as alternativas?

Antonio Galvan – A Aprosoja e o Movimento Pro-logística tem trabalhado para buscar alternativas que garantam a redução do custo do frete. Uma das nossas principais apostas é trabalhar para viabilizar o escoamento da produção pelos portos do Arco Norte, englobando portos como Porto Velho (RO), Miritituba, Santarém e Barbacena (PA), Itacoatiara e Itaqui (MA) e Manaus (AM). O Arco Norte fica a uma distância menor dos portos da Europa e Ásia e tem recebido mais infraestrutura de transporte e instalação de terminais nos últimos anos.

O Presente Rural – Como a criação da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva da Soja, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, tem impactado a atuação da Aprosoja BR? Houve conquistas específicas em 2023?

Antonio Galvan – Até 2008 era a indústria que discutia as políticas públicas para a soja no Brasil. Enquanto o produtor estava preocupado em pagar contas, os temas do setor eram debatidos pela Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove), na extinta Câmara Setorial do Biodiesel. Com o surgimento da Aprosoja Brasil, a partir de 2007, a recém-criada Câmara Setorial da Soja, vinculada ao Ministério da Agricultura, passou a ser o local onde o produtor pode demandar e propor políticas públicas para o setor. Neste ano trabalhamos intensamente para evitar o avanço da Moratória da Soja no bioma Cerrado e, também, outra pauta importantíssima, que é a classificação de grãos, que traz prejuízos enormes para os produtores.

Foto: Geraldo Bubniak

O Presente Rural – Quais são as perspectivas da Aprosoja BR para o mercado internacional de soja em 2024?

Antonio Galvan – A perspectiva é de aumento da demanda por alimentos, que é ocasionada pelo crescimento populacional e pela melhora da renda de famílias em muitos países. O mercado de soja é um mercado consolidado, que tem o Brasil como maior produtor e maior exportador. As perspectivas são boas para a soja brasileira.

O Presente Rural – Como a entidade está incentivando a adoção de tecnologias e inovações na agricultura? Houve alguma novidade notável nesse aspecto em 2023?

Antonio Galvan – Depois de tramitar por 24 anos, o Congresso Nacional aprovou em 2023 o Projeto de Lei que moderniza o registro dos pesticidas no Brasil. Com isso, há a expectativa de que pesticidas mais eficientes e menos tóxicos estejam à disposição dos produtores em menor tempo. Hoje em dia um novo produto leva até oito anos para ter seu registro aprovado pelo Ministério da Agricultura, Ibama e Anvisa, enquanto em outros países o processo é muito mais rápido, o que nos deixa menos competitivos. O registro vai continuar a ter as avaliações da Anvisa e do Ibama, mas teremos um processo mais ágil. Estamos trabalhando também para aprovar em 2024 o Projeto de Lei que regulariza o uso e a produção de bioinsumos nas propriedades rurais. Este projeto dos bioinsumos é extremamente importante porque pode reduzir a dependência em relação aos fertilizantes e defensivos químicos, que têm custo em dólar.

O Presente Rural – Com relação a 2024, qual a expectativa da Aprosoja para este importante setor?

Antonio Galvan – Apesar das perdas por fatores climáticos, a expectativa é positiva. Em função do aumento de demanda e da quebra de safra em algumas regiões do Brasil, a expectativa é que a soja garanta uma melhor remuneração aos produtores que entregarem seus produtos, em razão da redução da oferta e do aumento de demanda.

Para conferir o desempenho das principais atividades agropecuárias de 2023 e as expectativas para 2024 acesse a versão on-line do Anuário do Agronegócio Brasileiro clicando aqui. Boa leitura e um excelente 2024!

 

Fonte: O Presente Rural

Bovinos / Grãos / Máquinas

“Protocolo Natural” reúne desempenho e lucratividade no confinamento

Técnica consiste na utilização organizada de aditivos naturais com função específica e efeito fisiológico conhecido.

Publicado em

em

Foto: Divulgação/Salus

Produzir de forma sustentável é a grande demanda da atualidade. Nesse contexto, a produção de carne bovina está atravessando um momento de grandes mudanças. Além dos desafios com os quais o setor já está acostumado a lidar, como o ciclo pecuário, desafios de remuneração da atividade e eventos climáticos, por exemplo, adicionam-se às pressões a redução do impacto ambiental e a produção sem o uso de antibióticos.

Para alcançar patamares cada vez mais altos de exigências de desempenho, bem como conciliá-los ao bem-estar sanitário dos animais que são desafiados a dietas altamente energéticas, uma série de aditivos e estratégias nutricionais vêm sendo usadas. Que o boi não é só rúmen, a gente já sabe, mas fica nítido cada vez mais a importância de analisarmos o intestino destes incríveis seres vivos que são máquinas de transformar coprodutos em carne (graças ao rúmen). Afinal, esse boi tem exigências e necessidades intestinais que precisam ser atendidas para se alcançar os incríveis parâmetros de eficiência biológica que almejamos.

Fotos: Shutterstock

A pesquisa acadêmica associada ao trabalho dos técnicos de campo, que retroalimentam o sistema de informações, vem cada vez sendo mais importante para avaliarmos os resultados do que chamamos de “Protocolo Natural”.

O “Protocolo Natural” consiste na utilização organizada de aditivos naturais com função específica e efeito fisiológico conhecido. A utilização sinérgica destes produtos na concentração e momento certo proporciona um incremento de desempenho espetacular, provando que mesmo quando confrontado com os tradicionais protocolos de ionóforos e antibióticos, o uso arquitetado das tecnologias não antibióticas pode ser mais eficiente zootecnicamente e financeiramente.

O “Protocolo Natural” aqui apresentado, na grande maioria dos casos é composto por três ferramentas tecnológicas:

1.       Fitogênicos (carvacrol e capsaicina) que atuam orientando e estimulando a microbiota ruminal. Através da redução das bactérias gram-positivas, culminando no controle da cinética de produção de ácidos graxos voláteis, limitando os distúrbios digestivos e garantindo o aumento da energia disponível.

2.       Enzimas fibrolíticas para ruminantes desenvolvidas para aumentar a digestibilidade de alimentos. As enzimas fibrolíticas (B-glucanase, xilanase e celulase) atuam na hidrólise dos carboidratos estruturais presentes nas forragens. Após a hidrólise, polissacarídeos solúveis são liberados, aumentando assim, a digestibilidade e o aproveitamento de todo o substrato da dieta.

3.       Taninos hidrolisáveis: polifenóis com alta bioatividade no aparelho digestório tendo tanto um efeito local quanto fisiológico. Observa-se uma série de benefícios como melhoria da sanidade intestinal, maior passagem de proteínas não degradas do rúmen para o intestino, prevenção de distúrbios diarreicos, efeito antioxidante.

Adaptação

Este conjunto de tecnologias normalmente é utilizado associando-se os óleos essenciais e as enzimas nas dietas de adaptação, tanto de confinamentos quanto na transição para sistemas mais intensivos, o que promove uma rápida adaptação no coxo e da microbiota neste período.

Com os animais já adaptados, resta a manutenção dos bons resultados e o equilíbrio do trato gastrointestinal, portanto escolhem-se entre as ferramentas disponíveis, aquelas que continuarão a ter efeito sinérgico de acordo com o ambiente, como o tanino e os demais fitogênicos. As enzimas podem ser utilizadas continuamente no confinamento, sendo que temos observados efeitos muito marcantes na fase de adaptação dos animais.

Uma fase de adaptação eficiente, aliada ao bom desempenho nas fases finais, resulta em animais com maior ganho de peso, melhor eficiência biológica e conversão em carcaça produzida, possibilitando a retirada total do ionóforo regularmente utilizado. Esses resultados foram observados e comprovados em um dos grandes utilizadores do “Protocolo Natural”, o grupo MFG.

A Marfrig, uma das maiores empresas de proteína bovina do mundo, vem buscando soluções alternativas aos antibióticos e ionóforos, uma vez que seu maior comprometimento é ser um efetivo agente de transformação da cadeia produtiva. Essas diretrizes se expandem para seus fornecedores, que é o caso da MFG, confinamento responsável por uma parcela significativa de todo o gado que a Marfrig recebe.

Sinergia

Segundo o zootecnista, Heitor Brandt, “enquanto temos os óleos essenciais controlando e selecionando a população microbiana ideal e desejável, visando manutenção de um ambiente ruminal ótimo, as enzimas trabalham disponibilizando os nutrientes e melhorando a digestibilidade da dieta. Essa relação conjunta dos aditivos, aliados obviamente a um bom manejo, promove desempenhos superiores aos obtidos com dietas tradicionais”. O resultado? Animais com ótimo desempenho zootécnico, maior ganho de carcaça e uma melhor eficiência biológica.

A sinergia entre esses produtos promoveu melhores desempenhos, principalmente na adaptação. O benchmarking da MFG Agropecuária mostrou que o “Protocolo Natural” obteve os melhores resultados dentro das 8 plantas de confinamento que a MFG possui espalhadas pelo Brasil.

A velha máxima persiste de que “não existe receita de bolo”. Para cada sistema é necessário uma ferramenta diferente, mas o que é definitivo é que o “Protocolo Natural” e os aditivos não antibióticos vieram para ficar. Ainda com a certeza de que a pesquisa e a melhoria das tecnologias são contínuas, o fato é que já temos hoje uma alternativa segura, eficaz, sustentável e economicamente eficiente.

Para ficar atualizado e por dentro de tudo que está acontecendo no setor de bovinocultura de leite e na produção de grãos acesse a versão digital de Bovinos, Grãos e Máquinas, clique aqui. Boa leitura!

Fonte: Por Fabrizio Oristanio, zootecnista especializado em Produção de Ruminantes e Nutrição Animal e gerente de Especialidades da MixScience no Brasil. 
Continue Lendo

Bovinos / Grãos / Máquinas

Negócios envolvendo boi gordo seguem lentos e preços em queda

Com clima mais seco na maior parte das regiões, pecuaristas consultados pelo Cepea que ainda têm lotes prontos para venda têm tido dificuldade para resistir aos valores menores propostos pela indústria.

Publicado em

em

Foto: Divulgação/Arquivo OPR

O ritmo de negócios envolvendo boi gordo no mercado físico nacional está lento, e a pressão sobre os valores de animais para abate se mantém, resultando em novas baixas diárias nos preços da arroba nas diferentes praças acompanhas pelo Cepea.

Com clima mais seco na maior parte das regiões, pecuaristas consultados pelo Cepea que ainda têm lotes prontos para venda têm tido dificuldade para resistir aos valores menores propostos pela indústria.

Na parcial de maio (até o dia 21), o Indicador do Boi Gordo Cepea/B3, que tem como referência o mercado paulista, acumula queda de 1,85%.

Quanto às exportações de carne bovina in natura, estas vêm registrando bom desempenho neste mês de maio, conforme apontam dados da Secex.

Os embarques diários apresentam média de 10,694 mil toneladas até o dia 17 deste mês, totalizando 128,33 mil toneladas no período.

O atual ritmo de escoamento está acima do observado em abril/24, quando os embarques diários tiveram média de 9,456 mil toneladas, e também do de maio do ano passado, quando esteve em 7,656 mil toneladas.

Fonte: Assessoria Cepea
Continue Lendo

Bovinos / Grãos / Máquinas

Embrapa Pecuária Sul contribui para lançamento de livro “Mulheres na Pecuária”

Publicação destaca importantes dados sobre a participação das mulheres nas mais variadas áreas do setor pecuário, apresentando discussões sobre seu envolvimento no processo de agregação de valor, participação em organizações e na geração, difusão e adoção de tecnologias, bem como na sucessão das propriedades e no pioneirismo na atividade pecuária.

Publicado em

em

Com o objetivo de contextualizar a participação de mulheres e promover a igualdade de gênero na agricultura, a Embrapa através da plataforma Observatório Mulheres Rurais, disponibilizou, gratuitamente, o livro “Mulheres na Pecuária”. O material está acessível de forma gratuita clicando aqui. A ação atende ao quinto objetivo de desenvolvimento sustentável proposto pela Organização das Nações Unidas, que trata sobre igualdade de gênero.

Por meio da contribuição de autores de diferentes unidades de pesquisa da Embrapa, o livro destaca importantes dados sobre a participação das mulheres nas mais variadas áreas do setor pecuário, apresentando discussões sobre seu envolvimento no processo de agregação de valor, participação em organizações e na geração, difusão e adoção de tecnologias, bem como na sucessão das propriedades e no pioneirismo na atividade pecuária.

O capítulo “Sucessão nas propriedades: jovens mulheres na pecuária”, escrito pelo pesquisador da Embrapa Pecuária Sul, Jorge Sant’Anna, explica como uma nova geração de mulheres está desempenhando papéis proeminentes na pecuária do Rio Grande do Sul. Tendo sido criadas em ambientes rurais, essas mulheres vêm ganhando destaque em uma área tradicionalmente liderada por homens. Segundo Sant’Anna, isso se torna possível através de dois fatores centrais: a dedicação aos estudos, através do ingresso no ensino superior, inclusive para formação em carreiras como engenharia agronômica, engenharia civil, engenharia de produção, medicina veterinária, zootecnia e administração; além disso, as mulheres estão abraçando o progresso tecnológico, o que muda a forma como a produção agrícola é conduzida e como as propriedades rurais são gerenciadas. “Tal processo tende a ser cada vez mais bem-sucedido, a medida em que houver o incentivo pela família”, completa o pesquisador.

Para ilustrar isso, o capítulo escrito por Sant’Anna apresenta três mulheres como exemplo. A primeira reside em uma propriedade de 301 hectares (ha) no município de Ijuí (Agropecuária São Joaquim), dedicada à produção de leite e plantio de soja, milho, trigo e cevada. Mariele Cezimbra Lopes, formada em agronomia aos 25 anos, trouxe grandes mudanças à propriedade de seu pai ao apresentar novas ideias para a gestão do negócio, entre elas a transição do sistema produtivo familiar de gado de leite para gado de corte. Em 2020, a propriedade trabalhava com 150 cabeças de gado, e a gestora havia comprado um caminhão e mais 8 ha de terra, entusiasmada com o resultado da utilização de uma forrageira de verão, o capim-sudão BRS Estribo, lançado pela Embrapa Pecuária Sul e Sulpasto. Nesse momento, seu pai praticamente já havia lhe entregado a gestão de toda a propriedade.

O segundo exemplo se passa no município de Bagé, RS. Lieli Borges Severo Pereira estava concluindo seus estudos em medicina veterinária quando começou a se envolver com o trabalho na fazenda de seu pai, que pouco tempo depois precisou se afastar devido a uma doença. Conciliando os novos encargos na fazenda com a chegada da formatura, Lieli precisou assumir totalmente a gestão da fazenda após a morte prematura do pai, marcando sua transição integral da cidade para o campo.

O terceiro caso fala sobre Lucy de Fátima Araújo de Armas, pequena produtora rural no município de Jaguarão, RS, que junto a seu marido trabalha em uma propriedade de 140 ha. Em seu estabelecimento rural, criam gado de corte e ovinos. Lucy assumiu a criação e comercialização de cordeiros, após se interessar pela introdução de um gene no rebanho de ovinos (gene Booroola, tecnologia importada da Austrália, adaptada às condições dos campos do Sul do Brasil pela Embrapa Pecuária Sul), que possibilita um aumento na prolificidade das ovelhas, permitindo maior repetição de partos múltiplos. Durante a safra de 2022, Lucy já possuía um rebanho de 66 ovinos adultos e 80 cordeiros.

Fonte: Assessoria Embrapa Pecuária Sul
Continue Lendo
CBNA – Cong. Tec.

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.