Conectado com
VOZ DO COOP

Notícias

Apesar de resultados modestos, sojicultores brasileiros garantem 17º ano consecutivo de renda positiva em 2023

Levando em consideração os preços médios praticados, lucratividade bruta e rentabilidade da soja, apenas a lucratividade registrou desempenho positivo.

Publicado em

em

Foto: Divulgação/Arquivo OPR

Análise da Datagro Grãos mostra que o desempenho econômico dos sojicultores brasileiros em 2023 foi bem mais limitado do que nos anos anteriores, mas com renda positiva na maioria dos casos, o que resultou em aumento de quase 2% na área cultivada com a oleaginosa na safra 2023/24.

Levando em consideração os preços médios praticados, lucratividade bruta e rentabilidade da soja – os três principais indicadores da saúde financeira dos produtores –, o levantamento da consultoria aponta que apenas a lucratividade registrou desempenho positivo. “O clima amplamente favorável trouxe produtividades recordes em grande parte da região produtora – exceto no Rio Grande do Sul –, anulando a elevação nos custos de produção e o forte recuo nos preços”, comenta Flávio Roberto de França Junior, economista e líder de conteúdo da Datagro Grãos.

Apesar de resultados aquém dos observados em 2022, o ano passado registrou o décimo sétimo ano consecutivo de renda positiva para os produtores de soja do Brasil.

O comportamento dos preços, o mais visível dos indicadores, atuou “muito negativamente ao ganho de renda do setor”. Em 2023, os preços ficaram abaixo das médias de 2022 em todos os meses. “As melhores épocas para venda, pelo menos na ótica dos preços, aconteceram entre janeiro e março, com pico anual em janeiro. Ritmo bem parecido ao de 2022, onde os melhores momentos de venda também aconteceram no primeiro semestre, com o pico acontecendo em março”, diz França Junior.

Já a lucratividade bruta, o segundo grande indicador econômico, que mede a relação entre a receita média obtida e o custo de produção unitário, apresentou resultados médios novamente positivos para a renda dos sojicultores, embora inferiores às bases de 2022. “Em linha com o que vem sendo observado desde 2007, ou seja, 17 anos seguidos de renda positiva”, ressalta França Junior.

O último indicador, a rentabilidade – acompanhamento da variação mensal acumulada do preço, descontada a taxa de inflação –, assim como nos anos de 2011, 2013, 2014, 2016, 2017 e 2022, não foi interessante aos produtores. “Em linha parecida com os anos citados, a variação acumulada do ano foi negativa em termos nominais, o que somada à variação da inflação, voltou a contabilizar perdas reais, com o quadro piorando durante o período de colheita. Depois do fundo de poço de junho, os preços reagiram parcialmente no segundo semestre e aliviaram essas perdas, mas sem conseguir evitá-las”, analisa França Junior.

Perspectivas para 2024 

As projeções para este ano, levando em conta os indicadores citados, apontam para cenário ainda mais apertado para a média dos produtores brasileiros de soja. Assim como em 2023, em função do resultado negativo em parte da região produtora em termos de produtividade, o desempenho será heterogêneo na temporada para parte dos sojicultores – notadamente no caso do Mato Grosso, que lidera as perdas de produção na temporada.  “Com custos menores, mas preços maiores, a variável que determinará se o produtor irá ou não conseguir a 18ª safra com renda positiva será exatamente a produtividade”, comenta França Junior.

Fonte: Assessoria Datagro Grãos

Notícias Dia do Churrasco

ABPA inicia campanha por mais carnes de aves e de suínos na grelha

Em parceria com a Asgav e o SIPS, entidade realizou uma ação durante a ExpoChurrasco, em que foram servidos mais de 200 quilos de cortes assados, incluindo pratos especiais preparados pelo chef Marcelo Bortolon. A iniciativa continuará com a divulgação de vídeos nas redes sociais da ABPA, destacando a variedade e o potencial dessas carnes para grelha.

Publicado em

em

Foto: Shutterstock

Às vésperas do Dia Nacional do Churrasco, comemorado em 24 de abril, a ABPA deu início a uma mobilização para estimular a adoção de mais cortes de carne de frango e de carne suína no cardápio das confraternizações que envolvam preparos na churrasqueira.

No último fim de semana, a ABPA promoveu, em parceria com a Associação Gaúcha de Avicultura (Asgav) e o Sindicato das Indústrias de Produtos Suínos do Rio Grande do Sul (SIPS) uma grande ação em meio à ExpoChurrasco, em Porto Alegre (RS).

Foram mais de 200 quilos de cortes de aves e de suínos assados e servidos ao longo das seis horas de evento, incluindo o preparo de pratos especiais sob a batuta do chef Marcelo Bortolon – um verdadeiro convite à degustação de cortes diferenciados para a grelha.

E a promoção dos cortes para churrasco não terminou no evento gaúcho. A partir das imagens capturadas na ação, uma série de vídeos ilustrativos e informativos sobre cortes diferenciados para o churrasco será difundida nas redes sociais institucionais e de consumo da ABPA.  O primeiro deles chegou às redes da ABPA hoje, e pode ser conferido no link https://www.instagram.com/reel/C6Hdy_wxgw-/?igsh=MWg1aDQwbTh4Z3E5dw%3D%3D.

“Queremos despertar a criatividade do público para mais cortes de carnes suínas e de aves nos churrascos. Além da praticidade e do sabor que casam muito bem com as grelhas, são produtos acessíveis e que tem todo o potencial para ganhar ainda mais protagonismo. Vamos focar nossa campanha nessas características, que são diferenciais nestas proteínas”, ressalta o presidente da ABPA, Ricardo Santin.

Fonte: Assessoria ABPA
Continue Lendo

Notícias

Quarenta empresas de nutrição animal participam do SIAVS 2024

Maior feira dos setores no Brasil reunirá diversas soluções para a cadeia produtiva

Publicado em

em

Foto O Presente Rural

Cerca de quarenta empresas fornecedoras em diversos segmentos da área de nutrição animal já confirmaram participação na exposição do Salão Internacional de Proteína Animal (SIAVS), maior evento dos setores no Brasil, que acontecerá entre os dias 06 e 08 de agosto, no Distrito Anhembi, em São Paulo (SP).

De acordo com a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) – entidade organizadora do evento – empresas com variados perfis estarão no espaço de exposição do evento, de empresas brasileiras a grandes multinacionais, com focos variados dentro da nutrição animal.

As empresas se somam às outras centenas de marcas presentes no SIAVS, de agroindústrias produtoras e exportadoras de carne de frango, carne suína, carne bovina, ovos e peixes de cultivo, além de fornecedores de equipamentos, genética, insumos farmacêuticos e outros elos da cadeia produtiva que estarão nos mais de 22 mil metros quadrados destinados apenas à área de exposição.

“Temos presença massiva de segmentos inteiros dentro da exposição do SIAVS, que cresceu já 50% em relação à edição passada. Esta forte expansão é um marco importante do que se espera para a edição deste ano, com novos recordes registrados”, avalia o diretor da feira do SIAVS, José Perboyre.


Informações sobre expositores, credenciamento e detalhes da programação estão disponíveis no site do evento.

Fonte: ABPA
Continue Lendo

Notícias

Porto de Paranaguá bate recorde de movimentação em 24 horas: 146 mil toneladas

Foram mais de 146 mil toneladas movimentadas no corredor de exportação em três navios com destino à China e Espanha. O número representa um aumento de 5% em relação à marca anterior, registrada entre os dias 29 e 30 de agosto de 2019 (138.988,98 toneladas).

Publicado em

em

Foto: Claudio Neves/Portos do Paraná

Mais de 146 mil toneladas de soja foram movimentadas no Corredor de Exportação Leste do Porto de Paranaguá entre os dias 20 e 21 de abril, o que significa um recorde operacional em 24 horas (entre todos os produtos). O número também representa um aumento de 5% em relação à marca anterior, registrada entre os dias 29 e 30 de agosto de 2019 (138.988,98 toneladas).

“Três berços movimentaram mais de 146 mil toneladas de grãos e farelos de soja com destino à China e Espanha. A movimentação com excelência na operação de três navios permitiu mais um recorde histórico para a Portos do Paraná”, disse o diretor-presidente da Portos do Paraná, Luiz Fernando Garcia. “Estes números são resultados dos investimentos em gestão portuária dos portos paranaenses”. Três embarcações receberam o produto: Nikolas D, Guo Yuan 32 e Guo Yuan 82.

Ele cita como fatores responsáveis pelo recorde a manutenção de equipamentos e estratégias logísticas para melhor aproveitamento dos berços e das equipes da operação, além da demanda mundial pela commodity. “A movimentação total também trouxe resultados importantes para as empresas envolvidas. Oito terminais embarcaram mais de mil toneladas/hora por equipamento. É um número impressionante alcançado devido às manutenções anuais e à inteligência logística portuária”, enfatizou Garcia.

Este trabalho de planejamento operacional e de engenharia rendeu aos portos paranaenses quatro prêmios de gestão portuária pelo governo federal. Atualmente os portos paranaenses são reconhecidos pela melhor administração do Brasil. Os portos de Paranaguá e Antonina alcançaram a nota máxima no Índice de Gestão das Autoridades Portuárias (IGAP) na principal categoria entre os portos públicos brasileiros.

Recordes

Além dos números expressivos em movimentação diária, os portos de Paranaguá e Antonina registraram oito recordes seguidos de produtividade mensal, desde agosto de 2023. O mais recente foi em março deste ano, com 5.968.934 toneladas movimentadas, 11% a mais que em 2023 (5.357.799 toneladas).

Além dos oito meses de recordes seguidos, os números gerais revelam um crescimento significativo em 2024. No primeiro trimestre houve aumento de 16% em comparação ao ano passado. Foram mais de 16 milhões de toneladas movimentadas só este ano. Na exportação, os destaques vão para as commodities de soja e açúcar, já na importação o fertilizante é o produto mais movimentado.

Fonte: AEN-PR
Continue Lendo
SIAVS 2024 E

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.