Conectado com

Notícias

Alltech do Brasil completa 20 anos

Publicado em

em

Fundada há mais de 30 anos pelo irlandês – Pearse Lyons –, em Lexington, (Kentucky – EUA), a Alltech é conhecida pela qualidade e pioneirismo em tecnologia para nutrição animal. Hoje, é considerada uma das líderes mundiais e está entre as 10 maiores empresas do segmento no mundo.

A empresa fatura em torno de 700 milhões de dólares em todo o mundo e a América Latina é responsável por 38% do faturamento global. A perspectiva é que o grupo atinja cifras de US$ 1 bilhão em faturamento em 2013 e US$ 4 bilhões de dólares em vendas nos próximos cinco anos.

A Alltech comemorou 20 anos no Brasil neste ano, país que conta com o segundo maior mercado global. De acordo com Clodys Menacho, Diretor Comercial, a Alltech Brasil cresceu 30% em 2012 em relação a 2011. “Definitivamente 2013 está sendo muito desafiante, mas a perspectiva é crescer em torno de 25% a 35%. Temos estratégias para desenvolver e produzir novas tecnologias que possam otimizar este rendimento e nossa produtividade. Uma de nossas apostas é a alga – nova matéria-prima para o mercado, que promete conquistar bons mercados”, ressalta Clodys.

Investimentos em tecnologia
Em média, 7% a 10% do faturamento mundial/ano são investidos em pesquisa na área de nutrição para o desenvolvimento de soluções naturais inovadoras. A empresa tem focado os investimentos, nos últimos quatro anos, em nutrigenômica, algas e soluções diretas ao consumidor final.

Desde 2008, a Alltech dispõe de um laboratório de nutrigenômica, onde aplica as mais modernas tecnologias com o objetivo de gerar bases de dados que detalham os efeitos da nutrição sobre os perfis da expressão dos genes nos tecidos de várias espécies. Além da nutrigenômica, nos centros de pesquisa da Alltech são realizados estudos de glicômica funcional; fermentação em estado sólido; fermentação ruminal; emissão de gases de efeito estufa; aquicultura; microminerais orgânicos e algas.

“Nossa missão é melhorar a saúde e o rendimento animal, potencializando o valor nutricional do alimento e, consequentemente, a saúde e a nutrição animal”, diz o vice-presidente da empresa para a América Latina, Guilherme Minozzo.

Minozzo comenta que a fermentação de algas, que está entre as fontes de alimento e energia mais renováveis do mundo, irá desempenhar um papel importante na saúde e nutrição, tanto humana como animal em um futuro próximo. “Por esta razão que compramos uma das maiores unidades de fermentação de algas do mundo, em Winchester, Kentucky,  Estados Unidos,” conta.

No mercado brasileiro a Alltech lançou recentemente o SP1 – ingrediente em pó à base de algas. Este pode ser adicionado à ração e garante o nível desejável de DHA (Ômega 3). Para atender a esta necessidade, a Alltech possui um sistema de produção de algas heterotróficas, que utilizam açúcares como principal fonte de energia para se desenvolverem, sem a necessidade de luz solar. “A biomassa das algas pode conter inúmeros componentes disponíveis como proteína, ácidos graxos, vitaminas, pigmentos, óleos, minerais, além de serem substitutas potenciais de óleo e farinha de peixe e um antioxidante natural. Ambas podem ser encontradas em águas doce ou salgada”, explica Clodys Menacho.

Um dos programas que resultou dos investimentos em nutrigenômica foi a Nutrição Programada. O objetivo do projeto é fazer com que o animal atinja seu potencial máximo, aumente a lucratividade na produção de proteína animal e atenda a demanda de mercado.  O produtor busca esta eficiência para proporcionar proteína de melhor qualidade, mais nutritiva e macia ao consumidor.

Nos últimos três anos, a Alltech tem realizado importantes investimentos e após um período de joint venture com outros investidores, assumiu 100% do controle acionário da planta de biotecnologia do São Pedro do IVAÍ-PR – maior fábrica de biotecnologia dedicada à nutrição animal do Brasil – e da estrutura no México. No mundo, a Alltech tem realizado diversas aquisições de plantas de premixes (aditivos, vitaminas e minerais que  compõem as rações).

Apostando no segmento equino, a empresa é, pela segunda vez, a patrocinadora titular dos Alltech FEI World Equestrian Games 2014™ – Jogos Equestres Mundiais, que irão ocorrer entre os dias 23 de agosto e 7 de setembro de 2014, na Normandia, região noroeste da França.

Em torno de 1000 competidores, junto aos seus cavalos, deverão participar do evento. Mais de 60 países estarão representados nos jogos pelos concorrentes e também por aproximadamente 500 mil visitantes. A Alltech conta com a parceria de uma das maiores produtoras de ração animal – em todos os segmentos – do Brasil: a Guabi parceiro oficial dos jogos no país.

Esse campeonato resume os valores da Alltech: paixão, excelência e desempenho. O patrocínio oferecido aos esportes equestres dá vida à marca e agrega valor aos nossos parceiros, gerando fortes laços com o consumidor de nossas soluções nos momentos de grande emoção. Será um ano de muita organização e com muitas expectativas”, ressalta Dr. Pearse Lyons. Para obter mais sobre o evento, acesse o site www.alltechfeiweg2014normandy.com

Cronologia da Alltech Brasil
1993 – Inaugurada a unidade Brasil da Alltech – uma das mais importantes do mundo.

– Aidan Connolly, ex-gerente da Alltech França – iniciou as atividades no Brasil. Os primeiros clientes da Alltech foram Mogiana Alimentos, Cargill e Braswey. Atualmente, a Alltech cresce em torno de 20% ao ano.

1994 /1995– Guilherme Minozzo ingressa na Alltech como gerente de Vendas para região do Paraná; hoje ocupa o cargo de Vice Presidente da Alltech para América Latina. Em 1995 foram contratados: Maurício Rocha (hoje Gerente Nacional de Vendas para Petfood América Latina) e Simone Cavalli (atualmente Diretora de Operações para América Latina).

1994 a 2000 – Foi um período de investimentos para consolidar a empresa no mercado e aumentar a sua presença.

2000 a 2010 – Neste período, a Empresa focou em seu core business – Actigen; Bioplex; Mycosorb, Selplex e Bio-mos. A pecuária foi o segmento que mais cresceu neste período.

2011 – até hoje – A Alltech busca cada vez mais soluções  tecnológicas e sustentáveis para oferecer um melhor produto, pensando em melhor qualidade de vida para os humanos e animais. Hoje, a Alltech atua em todos os segmentos e sua atuação no mercado divide-se em: ruminantes (30%); avicultura (25%); suinocultura (20%); pets (20%); aquicultura e equinos (5%).

Alltech no Mundo 
Com mais de 33 anos de mercado, a Alltech é líder em nutrição animal natural do mundo e umas das principais em biotecnologia. Sediada em Lexington, Kentucky (EUA), possui 31 plantas e cinco centros de Biociência localizados nos EUA, Irlanda e China além de escritórios e distribuidores em 128 países. No Mundo, a Alltech conta com mais de 3.100 colaboradores.

A empresa é focada no desenvolvimento de soluções naturais para melhorar a saúde e o desempenho de peixes, camarões, aves, equinos, suínos, pets, bovinos de leite e corte. Esse é o negócio da Alltech e a rastreabilidade é prioridade. Todas as unidades estão sujeitas aos rigorosos sistemas de garantia de qualidade que excedem os padrões estabelecidos por órgãos regulatórios locais, regionais e internacionais. Para garantir a qualidade de todos seus processos a Alltech desenvolveu e implantou em todas as unidades produtivas o Alltech Quality System (AQS), um sistema próprio para garantir a excelência em qualidade.

Fonte: Ass. de Imprensa Alltech

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

treze + 2 =

Notícias Mercado Interno

Mercado de frango segue com firmeza nos preços, refletindo demanda

Mercado brasileiro de milho registrou uma semana bastante positiva em termos de demanda, fato que contribuiu para um novo cenário de valorização dos preços

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O mercado brasileiro de milho registrou uma semana bastante positiva em termos de demanda, fato que contribuiu para um novo cenário de valorização dos preços. De acordo com o analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Iglesias, outra notícia positiva foi o recuo dos preços do milho em alguns estados, o que trouxe um quadro de maior rentabilidade ao setor.

De acordo com levantamento de SAFRAS & Mercado, no atacado de São Paulo, os preços tiveram mudanças para os cortes congelados ao longo da semana na comparação com o fechamento anterior. O quilo do peito no atacado passou de R$ 5,50 para R$ 5,70, o quilo da coxa de R$ 4,30 para R$ 4,35 e o quilo da asa de R$ 7,10 para R$ 7,20. Na distribuição, o quilo do peito passou de R$ 5,70 para R$ 5,90, o quilo da coxa de R$ 4,40 para R$ 4,45 e o quilo da asa de R$ 7,25 para R$ 7,30.

Nos cortes resfriados vendidos no atacado, o cenário também foi de alta nos preços ao longo da semana. No atacado, o preço do quilo do peito passou de R$ 5,60 para R$ 5,80, o quilo da coxa de R$ 4,42 para R$ 4,47 e o quilo da asa de R$ 7,18 para R$ 7,28. Na distribuição, o preço do quilo do peito avançou de R$ 5,80 para R$ 6, o quilo da coxa de R$ 4,52 para R$ 4,57 e o quilo da asa de R$ 7,33 para R$ 7,38.

As exportações de carne de frango “in natura” do Brasil renderam US$ 277,5 milhões em março (9 dias úteis), com média diária de US$ 30,8 milhões. A quantidade total exportada pelo país chegou a 170,7 mil toneladas, com média diária de 19 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 1.625,70.

Na comparação com fevereiro, houve alta de 33,4% no valor médio diário da exportação, ganho de 30,9% na quantidade média diária exportada e alta de 1,9% no preço. Na comparação com março de 2018, houve alta de 20,9% no valor médio diário, ganho de 13,6% na quantidade média diária e alta de 6,4% no preço médio. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

O levantamento realizado por SAFRAS & Mercado nas principais praças de comercialização do Brasil indicou que, em Minas Gerais, o quilo vivo subiu de R$ 3,20 para R$ 3,30. Em São Paulo o quilo vivo avançou de R$ 3,10 para R$ 3,20.

Na integração catarinense a cotação do frango seguiu em R$ 2,56. No oeste do Paraná o preço continuou em R$ 3,05 na integração. Na integração do Rio Grande do Sul o quilo vivo subiu de R$ 2,80 para R$ 3.

No Mato Grosso do Sul o preço do quilo vivo do frango subiu de R$ 3,10 para R$ 3,20. Em Goiás o quilo vivo subiu de R$ 3,15 para R$ 3,25. No Distrito Federal o quilo vivo passou de R$ 3,20 para R$ 3,30.

Em Pernambuco, o quilo vivo passou de R$ 3,50 para R$ 4. No Ceará a cotação do quilo vivo avançou de R$ 3,50 para R$ 4 e, no Pará, o quilo vivo subiu de R$ 3,80 para R$ 4.

Fonte: Safras & Mercado
Continue Lendo

Notícias Mercado Interno

Mercado de milho volta a recuar com boa oferta interna

Após registrar um ritmo calmo nos negócios em grande parte da semana, a procura pelo cereal melhorou na quinta-feira (21)

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O mercado brasileiro de milho registrou mais uma semana de pressão nas cotações, em meio ao aumento da oferta disponível nos estados produtores. Segundo o analista de SAFRAS & Mercado, Allan Maia, após registrar um ritmo calmo nos negócios em grande parte da semana, a procura pelo cereal melhorou na quinta-feira (21), especialmente com relação às vendas antecipadas da safrinha nos Estados de Goiás, Mato Grosso e Paraná. A tendência para o curto prazo, contudo, é de que os preços possam seguir recuando em todo o país.

O analista salienta que as exportações de milho do Brasil seguem surpreendendo positivamente em março. De acordo com dados do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços, divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior, as exportações de milho do Brasil apresentaram receita de US$ 74,1 milhões em março (9 dias úteis), com média diária de US$ 8,2 milhões. A quantidade total de milho exportada pelo país ficou em 407,4 mil toneladas, com média de 45,3 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 182.

Na comparação com a média diária de fevereiro, houve uma retração de 46,8% no valor médio exportado, uma queda de 48,3% na quantidade média diária e ganho de 2,9% no preço médio. Na comparação com março de 2018, houve ganho de 64,1% no valor médio diário exportado, elevação de 57,1% na quantidade média diária de volume e valorização de 4,5% no preço médio.

No cenário internacional, Maia afirma que as tratativas de um acordo comercial entre Estados Unidos e China contribuíram para um melhor cenário de preços, assim como as preocupações em torno do clima desfavorável previsto para o cinturão produtor norte-americano, por conta da umidade excessiva e dos expressivos volumes de chuvas esperados para a região no curto prazo.

No balanço semanal de preços realizado por SAFRAS & Mercado, na Mogiana Paulista, o preço do milho caiu de R$ 39 para R$ 36 por saca na venda. Em Campinas/CIF, a cotação caiu de R$ 42,50 para R$ 38.

No Paraná, em Cascavel, o preço recuou de R$ 35 a saca para R$ 34 na venda. Já em Erechim, Rio Grande do Sul, o milho na base de venda baixou de R$ 38 para R$ 37. Em Rondonópolis, no Mato Grosso, a cotação permaneceu em R$ 31.

Em Rio Verde, Goiás, o valor do milho na venda subiu de R$ 33,50 para R$ 34,50 a saca. Uberlândia, Minas Gerais, o preço caiu de R$ 38 a saca para R$ 36.

Fonte: Safras & Mercado
Continue Lendo

Notícias Mercado

Oferta ajustada garante suporte aos preços do suíno

Bom ritmo das exportações contribuiu para trazer um ajuste na disponibilidade interna de carne suína

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O mercado brasileiro de carne suína registrou uma semana de firmeza nas cotações, em meio ao quadro de oferta de animais ajustado frente à demanda dos frigoríficos. De acordo com o analista de SAFRAS & Mercado, Allan Maia, a reposição entre o atacado e o varejo perdeu um pouco de força, com o menor apelo ao consumo, o que é natural levando em conta a segunda metade do mês.

Por outro lado, o bom ritmo das exportações contribuiu para trazer um ajuste na disponibilidade interna de carne suína, o que favoreceu também o movimento de alta nos preços.

Levantamento de SAFRAS & Mercado apontou que a média de preços do quilo do suíno vivo na região Centro-Sul do Brasil ficou em R$ 3,75 nessa semana, subindo 2,75% frente ao fechamento da anterior, de R$ 3,64. A média de preços pagos pelos cortes de pernil no atacado ficou em R$ 7,09 nessa semana, alta de 1,02% frente ao valor registrado na passada, de R$ 7,01. A carcaça registrou um valor médio de R$ 6,14 ao longo da semana, avanço de 2,50% frente ao valor praticado na anterior, de R$ 5,99.

O analista comenta ainda que o mercado de milho está cada vez mais pressionado, em diversas regiões do país. “Esse cenário remete a um menor custo relacionado a nutrição animal, alargando a margem operacional da atividade”, afirma.

As exportações de carne suína “in natura” do Brasil renderam US$ 51,4 milhões em março (9 dias úteis), com média diária de US$ 5,7 milhões. A quantidade total exportada pelo país no período chegou a 25,2 mil toneladas, com média diária de 2,8 mil toneladas. O preço médio ficou em US$ 2.044,40.

Em relação a fevereiro, houve alta de 26,2% na receita média diária, ganho de 22,0% no volume diário e avanço de 3,5% no preço. Na comparação com março de 2018, houve aumento de 16,7% no valor médio diário exportado, incremento de 19,8% na quantidade média diária e perda de 2,6% no preço. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

A análise de preços de SAFRAS & Mercado apontou que a arroba suína em São Paulo foi cotada a R$ 81 ao longo da semana, contra R$ 79 da semana anterior. Na integração do Rio Grande do Sul o quilo vivo seguiu em R$ 3,15. No interior a cotação subiu de R$ 3,70 para R$ 3,80. Em Santa Catarina o preço do quilo na integração passou de R$ 3,10 para R$ 3,20. No interior catarinense, a cotação avançou de R$ 3,80 para R$ 3,90. No Paraná o quilo vivo subiu de R$ 3,80 para R$ 3,85 no mercado livre, enquanto na integração o quilo vivo permaneceu em R$ 3,50.

No Mato Grosso do Sul a cotação na integração passou de R$ 3 para R$ 3,20, enquanto em Campo Grande o preço avançou de R$ 3,20 para R$ 3,35. Em Goiânia, o preço subiu de R$ 4,20 para R$ 4,30. No interior de Minas Gerais o quilo do suíno vivo teve alta de R$ 4,20 para R$ 4,40. No mercado independente mineiro, o preço avançou de R$ 4,20 para R$ 4,40. Em Mato Grosso, o preço do quilo vivo em Rondonópolis subiu de R$ 3,30 para R$ 3,40. Já na integração do estado a cotação avançou de R$ 3 para R$ 3,10.

Fonte: Safras & Mercado
Continue Lendo
Nucleovet 2
Conbrasul 2019
Biochem site – lateral
Facta 2019
Abraves
APA

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.