Conectado com

Avicultura

Ácidos orgânicos protegidos e microencapsulados: tecnologia eficiente no controle das salmonelas

Várias tecnologias têm sido desenvolvidas para reduzir a contaminação dos animais e seres humanos por essa bactéria

Publicado em

em

Artigo escrito pela doutora Marlene Schmidt, gerente Técnica Comercial da Tectron

A cadeia produtiva de frangos de corte ocupa posição de destaque no agronegócio brasileiro e mundial, constituindo-se no setor pecuário com maior índice de industrialização, progresso tecnológico, além de ser considerada forte geradora de empregos e de renda para a população brasileira.   

O Brasil destaca-se como maior exportador e segundo maior produtor de carne de frango do mundo. Entretanto, os países importadores têm aumentado significativamente o rigor na escolha dos fornecedores de carne, permitindo a entrada no país apenas de produtos com baixa ou nenhuma contaminação, principalmente por Salmonella. Apesar de todo o monitoramento realizado pelas indústrias visando segurança alimentar, ainda assim essas infecções têm sido frequentes. O embargo da União Europeia ao frango brasileiro em abril deverá gerar este ano perda de 30% sobre o total do produto exportado pelo Brasil para o bloco, formado por 27 países, conforme projeção da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA).

A Salmonella é uma bactéria gram negativa da família Enterobacteriaceae, que é dividida em duas espécies, Salmonella Entérica e Salmonella Bongori. Essas espécies da bactéria, por sua vez, são divididas em subespécies e mais de dois mil sorotipos. Os diversos sorotipos podem causar doenças restritas (salmoneloses) a determinadas espécies animais e até ao homem, como Salmonella entérica sorotipo Typhi (humanos), Salmonella entérica sorotipo Gallinarum (galinhas), entre outros. As salmonelas são frequentemente encontradas em alimentos com alto teor de umidade e alta concentração de proteína e, nas carnes in natura, podem ser resultado de ampla contaminação cruzada nas plantas industriais.

Diante do exporto, para que o Brasil se mantenha no topo do segmento das exportações, a indústria alimentícia vem buscando alternativas tecnológicas para reduzir a carga microbiana de Salmonella de seus produtos. Nesse sentido, várias tecnologias têm sido desenvolvidas para reduzir a contaminação dos animais e seres humanos por essa bactéria. Do ponto de vista nutricional, durante muitos anos o uso de antimicrobianos foi a única estratégia de controle da Salmonella. Porém, com o aumento no número de cepas resistentes a vários princípios ativos e das restrições de diversos países consumidores ao uso de antimicrobianos, tornou-se necessário o desenvolvimento de alternativas de controle destas bactérias patogênicas. Assim, o uso de aditivos como ácidos orgânicos na criação de aves vem crescendo consideravelmente nos últimos anos. 

Ácidos

Os ácidos orgânicos são substâncias naturalmente produzidas por plantas, animais e microrganismos com funções importantes no seu metabolismo. Os ácidos utilizados na nutrição animal são considerados fracos devido a sua composição química, com sua cadeia de carbono contendo não mais do que 7 átomos. São ácidos de difícil dissociação quando comparados aos ácidos inorgânicos, o que justifica sua utilização e funções no trato gastrointestinal (TGI) dos animais. Estes ácidos apresentam diversas funções no TGI como: regulação do pH, efeito antimicrobiano e capacidade aniônica tamponante com cátions de minerais das dietas, aumentando a digestibilidade e absorção desses. Além disso, auxiliam na manutenção da integridade intestinal.

Tendo em vista que as aves apresentam particularidades anatômicas e fisiológicas diferentes de outras espécies, como o proventrículo, por exemplo, com capacidade secretória de pepsinogênio e ácido clorídrico, sendo a primeira barreira para impedir ou reduzir a colonização de patógenos no TGI, o desenvolvimento de produtos compostos de ácidos orgânicos destinados para aves deve levar em consideração tais diferenças para obter a melhor efetividade deste aditivo.

Os principais ácidos orgânicos utilizados em dietas de aves são o acético, ascórbico, benzoico, cítrico, fórmico, fumárico, lático, málico, propiônico, entre outros, além de seus sais e/ou da combinação destes.

Com relação a forma de apresentação dos ácidos orgânicos utilizados na nutrição das aves, pode ocorrer na forma de ácidos livres, sais de ácidos, ácidos protegidos, ácidos microencapsulados ou em conjunto com outras substâncias que possam atuar sinergicamente com esses.

Os ácidos orgânicos na forma livre ou seus sais, em sua ampla maioria, são dissociados antes de chegar no intestino, tendo ação principalmente na regulação ou redução de pH do meio e controle de microrganismos patogênicos presentes no primeiro terço do TGI. Os ácidos livres apresentam efeito positivo sobre desempenho zootécnico, saúde do TGI e características de carcaça das aves, porém as dosagens empregadas são altas, variando entre 0,2 e 2% de inclusão. Estes ácidos apresentam também maior potencial corrosivo, maior volatilização e demandam maiores cuidados para serem manipulados nas fábricas de rações, por vezes resultando em acidentes operacionais.

Adicionalmente, sabe-se que a Salmonella é frequentemente encontrada nas porções mediais e distais do intestino, onde, grande parte dos ácidos orgânicos na forma livre não são capazes de agir de forma eficiente, principalmente por causa do pH encontrado. Dessa forma, a tecnologia de microencapsulação é mais consistente em atingir os objetivos esperados.

Os ácidos microencapsulados e seus sais, por estarem revestidos por uma camada lipídica, após ação de sais biliares e lipases, têm ação principal no intestino delgado, onde podem desempenhar função antimicrobiana, por meio de dissociação dentro da célula de bactérias pH-sensíveis como coliformes, Salmonella spp, Listeria spp, dentre outras. Essa dissociação do ácido orgânico dentro da célula das bactérias resulta em liberação de cátion de hidrogênio (H+), o qual reduz o pH intracelular, ocasionando uma demanda energética na tentativa de corrigi-lo.

Além disso, essa dissociação libera também o radical (RCOO-) o qual é impedido de sair pela membrana celular, inibindo o transporte de elétrons nas membranas da célula, interferindo assim na replicação de DNA e RNA, alterando a síntese proteica, resultando em desnaturação de proteínas, bloqueio de enzimas do metabolismo de carboidrato celular e ocasionando apoptose (morte celular bacteriana). Ainda, após o processo de microencapsulamento, um dos resultados positivos é a redução do seu potencial corrosivo e da volatilização, deixando o produto mais seguro para a manipulação e utilização.

Em resumo, as principais vantagens do uso de ácidos microencapsulados são: redução da dose incluída na ração, maior estabilidade ao passar por processamentos térmicos; facilidade e segurança na manipulação; e atuação nas diferentes condições do TGI das aves. Do ponto de vista físico, o microencapsulamento confere ao produto maior fluidez, resultando em melhor miscibilidade nas rações, quando comparado a ácidos não microencapsulados. Adicionalmente, o processo de microencapsulamento promove adensamento uniforme de partículas.

Estudo

Trabalho realizado no laboratório Mercolab, PR, com frangos de corte até os 28 dias de idade, inoculados com Salmonella Enteritidis, destacou a efetividade da utilização de ácidos orgânicos microencapsulados na redução de contagem deste patógeno nas aves e na cama.

Em suma, os ácidos orgânicos microencapsulados são uma eficiente tecnologia para controle de enterobactérias patogênicas, melhorando a saúde intestinal dos animais e, consequentemente, diminuem o risco de contaminação na carne e aumentam a segurança alimentar. Estes aditivos constituem uma ferramenta segura, de fácil manuseio nas fábricas de ração, apresentando maior fluidez e melhor miscibilidade em comparação com ácidos não microencapsulados.

Mais informações você encontra na edição de Aves de setembro/outubro de 2018 ou online.

Fonte: O Presente Rural

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

17 + sete =

Avicultura Mercado Internacional

China isenta de taxas 14 empresas do Brasil que exportam carne de frango

Brasil é o maior exportador mundial de carne de frango e o maior fornecedor estrangeiro para a China

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

A China isentará 14 empresas brasileiras, incluindo a BRF e a JBS, das tarifas antidumping sobre as importações de produtos de frango, desde que as vendas sejam feitas acima de um preço mínimo não divulgado. As isenções seguem-se a meses de negociações entre produtores brasileiros de carne de frango e a China, enquanto o Brasil buscava resolver uma questão antidumping lançada em agosto de 2017. O Brasil é o maior exportador mundial de carne de frango e o maior fornecedor estrangeiro para a China.

Uma determinação preliminar em junho do ano passado colocou impostos entre 18,8 e 38,4% sobre todas as importações chinesas de frangos de corte brasileiros. Sob uma decisão final emitida pelo Ministério do Comércio nesta sexta-feira (15), Pequim manterá tarifas entre 17,8 e 32,4% a partir de 17 de fevereiro por cinco anos.

No entanto, uma lista de empresas será excluída das tarifas como parte de um “compromisso de preço” acordado entre os dois lados, e divulgado pela Reuters no mês passado. O acordo estabeleceu preços mínimos para as vendas para a China, mas esses não foram publicadas nesta sexta. A decisão veio depois que os preços chineses da carne de frango atingiram níveis recordes de 11,2 iuanes (US$ 1,65) por kg no final do ano passado, devido ao aumento da oferta doméstica.

A China baniu as importações de aves reprodutoras de muitos fornecedores importantes por causa de surtos de gripe aviária, prejudicando a produção doméstica. O país é o segundo maior produtor e consumidor de frango do mundo. A demanda por carne de frango também parece ter aumentado após os surtos de peste suína africana.

Apesar dos resultados preliminares da investigação antidumping, as exportações brasileiras de frango para a China devem apresentar alta de cerca de 10% em 2018 em relação ao ano anterior. Mas a concorrência está aumentando, com a China no ano passado abrindo seu mercado para as importações da Rússia e suspendendo uma proibição de anos sobre a Tailândia. “Se o mercado cair e houver uma concorrência mais forte, alguns produtos de baixo preço não entrarão no mercado”, disse uma fonte do setor familiarizada com os preços acordados. A fonte recusou-se a ser identificada devido à sensibilidade do assunto.

O Brasil exporta principalmente pés, pernas e asas de frango para a China, produtos que estão com demanda em alta e escassos no mercado interno.

Fonte: Reuters
Continue Lendo

Avicultura De 2018

Produção de ovos bate recorde no quarto trimestre

Quantidade registrada representa alta de 1% sobre o trimestre anterior e de 8,2% em relação ao quarto trimestre de 2017

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

A produção de ovos de galinha atingiu 928,42 milhões de dúzias no quarto trimestre do 2018, a maior quantidade da série histórica, iniciada em 1987. A informação faz parte dos dados preliminares das Pesquisas Trimestrais da Pecuária, divulgados nesta terça-feira (12) pelo IBGE.

A quantidade registrada representa alta de 1% sobre o trimestre anterior e de 8,2% em relação ao quarto trimestre de 2017. “Esse aumento tem sido verificado a cada trimestre”, observa o gerente da pesquisa, Bernardo Viscardi. Ele completa que por “ser uma proteína barata e de fácil consumo, a demanda é cada vez maior”.

Além disso, a pesquisa registrou o abate de 1,42 bilhão de cabeças de frango no quarto trimestre, com quedas de 0,7% em relação ao terceiro trimestre e de 0,9% na comparação com o mesmo período de 2017.

Também foram abatidos 8,09 milhões de bovinos e 11,10 milhões de suínos, uma queda de 2,3% e de 4%, respectivamente, na comparação com o terceiro trimestre de 2018. Em relação ao quarto trimestre de 2017, houve pequeno aumento, de 0,4% tanto para os bovinos quanto para os suínos.

Os resultados completos das Pesquisas Trimestrais da Pecuária serão divulgados em 14 de março e, além dos dados definitivos do trimestre, trarão o fechamento do ano e os resultados por unidade da federação.

Fonte: IBGE
Continue Lendo

Avicultura Sanidade

Saiba as novas formas de controlar os cascudinhos em aviários

Em um aviário, o inseto costuma se localizar em áreas do pinteiro, ao redor de pilares e muretas e embaixo das linhas de comedouros

Publicado em

em

Divulgação

Artigo escrito por Maurício Marchi, médico veterinário e coordenador Técnico da Theseo Saúde Animal

O cascudinho (Alphitobius diaperinus), originário do continente Africano, é um inseto da ordem dos coleópteros pertencente à família Tenebrionidae. É uma espécie cosmopolita, e no Brasil encontrou nos aviários de frango de corte, matrizes e perus um ambiente ideal para proliferação.

Seu ciclo de vida varia de 50 a 70 dias. Em países quentes, como o Brasil, o inseto encontra, no verão, condições ideais de multiplicação. Seu ciclo de vida contempla as etapas: ovo, larva, pupa e adulto. Fêmeas adultas de A. diaperinus depositam em média 2.000 ovos durante a vida. Os insetos adultos podem viver até 400 dias.

Em um aviário, o inseto costuma se localizar em áreas do pinteiro, ao redor de pilares e muretas e embaixo das linhas de comedouros.

Consequências

O cascudinho é uma das principais pragas da avicultura de corte. Os prejuízos estão associados ao consumo do inseto pela ave, reduzindo o desempenho zootécnico do lote. Além disso, os cascudinhos são vetores de agentes patogênicos como Escherichia coli e Salmonella sp., vírus (doença de Gumboro e Marek), fungos e protozoários. Altas infestações da praga podem levar à prejuízos ao cortinado, sistema elétrico e desestabilização do solo.

Controle

O método de controle mais utilizado é o uso de inseticidas químicos. Os inseticidas mais utilizados pertencem às classes dos piretróides e dos organofosforados.  Dentre os ativos pertencentes à classe dos piretróides, encontra-se a Cipermetrina, inclusa na maioria dos produtos inseticidas contra cascudinho. Na literatura são relatados vários casos de resistência à Cipermetrina, pois além de ser um dos ativos mais utilizados no combate à praga, é, muitas vezes, empregado de forma irresponsável por produtores e técnicos.

Segundo pesquisadores que avaliaram a resistência de Cipermetrina, Diclorvós e Triflumuron em diferentes populações de cascudinho, verificaram que a suscetibilidade à Cipermetrina variou aproximadamente 10 vezes entre as diferentes populações. A população de cascudinho mais sensível à Cipermetrina foi coletada em granja que não recebeu inseticidas com o ativo nos últimos dois anos. Já as populações mais resistentes são oriundas de aviários que receberam inseticidas com o ativo nos últimos anos.

Alguns autores relataram a baixa efetividade de produtos comerciais à base de Cipermetrina no controle do A. diaperinus. Uma alternativa para este cenário, é a utilização de produtos cuja base não seja Cipermetrina. Produtos à base de Deltametrina, por exemplo, entram como uma ótima opção no controle do cascudinho.

Como no Brasil, a produção de frangos de corte se dá basicamente sob cama de reuso, o controle do inseto torna-se mais difícil. O alto custo para o produtor inviabiliza a troca de cama a cada lote, fazendo com que a reutilizem por até oito lotes consecutivos. Algumas agroindústrias e cooperativas agroindustriais chegam a reutilizar a cama por até 12 ou 15 lotes, realizando retirada gradual da cama. Em contrapartida, os produtores de frango da Europa não reutilizam a cama, e nos Estados Unidos utilizam a cama por até 30 lotes consecutivos.

Uma alternativa ao controle de cascudinhos sob cama de reuso tem sido o enlonamento de cama, realizado durante o intervalo sanitário. O enlonamento de cama pode ser realizado de duas formas: enlonamento sem enleiramento e o enlonamento com enleiramento. Tais métodos, além de promoverem redução da carga bacteriana na cama e melhora no desempenho das aves, podem contribuir para o controle de Alphitobius diaperinus.

O método fermentativo consiste basicamente na produção de calor devido ao metabolismo microbiológico da cama, sendo realizado no intervalo entre lotes, variando de 5 a 17 dias.  O método fermentativo atinge, na maioria das vezes 60oC, havendo dificuldade em alcançar temperaturas uniformes no envelope. Tais métodos exigem adição prévia de água sobre a cama.

O método fermentativo por enlonamento de cama é um método de tratamento mais viável para auxiliar o controle de cascudinhos, tanto em aviários de piso de concreto quanto em aviários de chão batido. Dois a três dias após o início do enlonamento recomenda-se aplicar inseticidas líquidos nas bordas da lona, pois é nesta hora que o inseto procura sair de dentro do envelope, fugindo do calor e gases tóxicos.

Outra método empregado no tratamento de cama é o uso de cal virgem. A dosagem média varia ao redor de 0,5kg/m². A adição de cal sobre cama resulta em aumento na mortalidade de adultos e larvas de cascudinho.

Conclusão

O controle de cascudinhos é dificultado por inúmeros fatores: resistência aos inseticidas, tipo de piso do aviário, reuso da cama por vários lotes consecutivos sem tratamento adequado, alto custo para aquisição de cama nova todo lote ou implantação de técnicas de enlonamento utilizando lona apropriada, mão de obra cada vez mais limitada no campo, bem como características intrínsecas ao inseto, como o ciclo de vida e comportamento. O manejo de limpeza dos galpões e a aplicação de inseticidas antes da reintrodução de um novo lote não são suficientes para controlar de forma adequada toda a população de cascudinhos.

É impossível eliminar 100% dos cascudinhos em um aviário. O controle deve ser feito utilizando inseticidas de forma racional e consciente para minimizar os problemas de resistência. Faz-se necessário combinar o uso de inseticidas químicos com novas moléculas, diferentes da Cipermetrina, e técnicas de tratamento de cama de reuso, como o método fermentativo.

Outras notícias você encontra na edição de Aves de janeiro/fevereiro de 2019.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
APA
Nucleovet 2
Conbrasul 2019
Facta 2019

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.