Conectado com

Notícias

1º Fórum de Discussões da Suinocultura do Centro-Oeste estreia com sucesso na Abraves

Publicado em

em

Mais de 1 mil participantes do Brasil e de outros países marcaram presença no XVI Congresso da Associação Brasileira de Veterinários Especialistas em Suínos (Abraves), realizado em Cuiabá de terça-feira (5) até esta quinta-feira (7), no Centro de Eventos do Pantanal. Em meio a vasta programação científica do Congresso, os estados do Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás e o Distrito Federal em parceria com a Associação Brasileira dos Criadores de Suínos (ABCS) realizaram o 1º Fórum de Discussão da Suinocultura no Centro-Oeste. 
O encontro buscou discutir temas a respeito da cadeia produtiva de suínos, como os desafios de políticas públicas para o setor, a relação do setor com o meio ambiente, a política sanitária como estratégia de desenvolvimento do segmento, além de estratégias de infraestruturas e o cenário do mercado para os próximos anos.
O objetivo principal do fórum foi reunir a cadeia de suinocultores das Associações dos Estados que compõem a região (ACRISMAT, AGS, ASUMAS e DFSUIN) e discutir a formatação de políticas públicas que atendam aos interesses do setor, além de discutir as principais diretrizes na economia brasileira e os avanços tecnológicos a nível nacional e internacional do
setor.
Na tarde de terça-feira, o painel conjuntural “Desafio de Políticas Públicas para a Suinocultura do Centro-Oeste” expôs demandas do setor produtivo, em especial com relação ao governo federal. As principais demandas levantadas pelos produtores foram com relação à sanidade dos animais, e foi demonstrada uma preocupação especial devido ao posicionamento geográfico de Mato Grosso.
O Estado faz fronteira com outros países e, segundo os produtores, a fiscalização com relação aos suínos ainda não garante que contaminações não ultrapassem a divisa.
“Os recursos federais para defesa sanitária foram reduzidos, e isto nos preocupa. Os países que recebem a carne de Mato Grosso possuem regras rígidas com relação à sanidade animal, por isso é preciso que se tenha cuidado. A Associação de Criadores de Suínos de Mato Grosso (Acrismat) tem feito seu papel de colocar isto para o Estado e cobrar medidas para que evitar que ocorra problemas futuros”, disse o presidente da Acrismat, Paulo Lucion.
O Secretário de Política Agrícola do MAPA, Neri Geller, – um dos debatedores
do Painel –, destacou que a suinocultura é importante para o país, e que o Ministério busca resguardar a continuidade das atividades do setor através de mecanismos que garantam a prática de preços mínimos de venda ao produtor.
De acordo com dados apresentados pelo secretário, entre 2004 e 2012 Mato Grosso teve um crescimento de 171% na suinocultura, um registro muito superior à maioria dos estados brasileiros, passando de uma produção anual de 79,1 mil toneladas de carne suína por ano para 214,7 mil toneladas.
Para o presidente da ABCS, Marcelo Lopes, – que foi o mediador do painel de debates que abriu o 1º Fórum –, o estado começa a despontar no cenário nacional no que diz respeito à suinocultura. “Mato Grosso e seus vizinhos da região Centro-Oeste são, sem dúvida nenhuma, o futuro da suinocultura brasileira”, disse. Para Lopes, o estado ainda tem muito a crescer na atividade, principalmente pela disponibilidade de grãos. 
No dia 6 de novembro, a programação contou com o 2º Painel – “Meio Ambiente e Suinocultura, que discutiu soluções, desafios, oportunidades, sustentabilidade e entraves burocráticos. O engenheiro agrônomo, doutor em Solos e pesquisador da Embrapa Suínos e Aves, Rodrigo da Silveira Nicoloso, falou sobre a dinâmica de nutrientes e manejo de dejetos da suinocultura. 
Já no 3º painel que tratou do tema “Política sanitária como estratégia de desenvolvimento da suinocultura”, foram discutidas estratégias para que a carne suína brasileira seja aceita em mercados mais exigentes, como Europa e Estados Unidos. Países desenvolvidos apresentam maior consumo de carnes, mas é preciso que sejam respeitados os critérios de sanidade animal exigidos.  
O chefe da Divisão de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, Agropecuária e Abastecimento (Mapa) no Rio Grande do Sul e médico-veterinário Bernardo Todeschini falou sobre os caminhos que devem ser percorridos para o reconhecimento como zona livre de enfermidades, em especial febre aftosa (FA) e peste suína clássica (PSC). 
Com destaque para as “Estratégias de infraestrutura para o desenvolvimento da suinocultura”, o 4º Painel focou nas discussões acerca de assuntos como macro-logísticas, logística, transportes, armazenamento e grãos. O secretário executivo da Câmara Temática de Infraestrutura e Logística do Agronegócio do Ministério da Agricultura, Carlos Alberto Nunes Batista, destacou as dificuldades de escoamento da produção brasileira. Hoje 70% do volume de cargas são transportados via rodovias, o que gera problemas e alto custo. Segundo Batista, a meta é que se chegue a 50% de transporte rodoviário, e 50% divididos entre ferrovias e hidrovias. “Precisamos buscar uma equalização da matriz de transportes do país”, avaliou.
O Fórum se encerrou com o 5º Painel sobre “Ações de desenvolvimento do mercado interno e externo: cenário para a suinocultura para os próximos anos”, com a palestra do diretor-executivo da ABCS, Fabiano Coser, que falou sobre demanda do mercado interno, sua importância na sustentação do aumento da produção de carne suína no Brasil e também dos desafios a serem enfrentados pelos suinocultores, após a crise de 2012, que refletiu no desempenho do setor neste ano. “O bom momento pelo qual passa o setor da suinocultura no Brasil, não tem poupado nosso setor dos entraves provocados pela falta de atuação do governos na construção de políticas públicas de apoio ao desenvolvimento da produção de carne suína. O aumento do milho, políticas públicas mal elaboradas e a elevada carga tributária, por exemplo, ainda comprometem o crescimento sustentável da atividade”, comenta. 
Frente Parlamentar da Suinocultura do Mato Grosso
O 1º Fórum de Discussão da Suinocultura no Centro-Oeste também foi palco do lançamento da Frente Parlamentar da Suinocultura de Mato Grosso (FPS/MT). O presidente da Associação dos Criadores de Suínos de Mato Grosso (Acrismat), Paulo Lucion, acredita que a atuação da Frente será primordial, principalmente, na regulamentação da política de defesa sanitária.
“A suinocultura passa por momento de recuperação. Sofremos por dois anos com a crise e agora estamos nos recuperando. E, por isso, precisamos que o Governo do Estado e o Governo Federal nos vejam como uma cadeia importante para o estado e para o país”, ponderou Lucion.
O lançamento oficial da FP foi feito pelo deputado estadual Zeca Viana (PDT), que será o vice-presidente da Frente Parlamentar da Suinocultura. O projeto de resolução que criou a Frente foi apresentado pelo deputado Romoaldo Junior (PMDB) – que ocupará o cargo de presidente da FPS.
Alavancar a atividade e apoiar os criadores de suínos nas horas de crise, garantiu o parlamentar ruralista, serão atribuições dos deputados que vão compor a FPS. “Com os parlamentares atentos e acompanhando a atividade será possível buscar mecanismos para impulsionar ainda mais o setor da suinocultura em Mato Grosso”, falou.
Por este motivo, acrescentou, que a FPS/MT tem fundamental e importância e papel-chave. “Temos que trabalhar a regulamentação, mudar a legislação, baixar a carga tributária e incentivar ações”, apontou.
O secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Neri Geller, que também participou do lançamento da FPS, disse que o Governo Federal está incentivando a produção suína. De prático, o Governo Federal incluiu a atividade no Plano Safra que oferece incentivos aos produtores na ordem de R$ 136 bilhões.
Na oportunidade, o presidente da ABCS, Marcelo Lopes, destacou a importância da inclusão da suinocultura na Política de Garantia de Preços Mínimos (PGPM) como principal base para a sustentabilidade da cadeia, sobretudo em momentos de crise.
Sobre o assunto, Geller informou que esta também é uma das ações do Governo
Federal. “Estamos atuando para colocar a suinocultura, ainda este ano, sob o voto do Conselho Monetário Nacional. Assim, a atividade entrará em vigor já no próximo ano”, conclui o secretário.

Fonte: ABCS com informações da assessoria ACRISMAT

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × 3 =

Notícias Rebanho bovino e bubalino

Adapar alerta sobre importância da vacinação contra a brucelose

Doença é endêmica no Paraná e as perdas econômicas são expressivas. Ocorre queda da produtividade, ou seja, menor produção de leite, baixos índices reprodutivos, aumento no intervalo entre partos, morte de bezerros precocemente e perda de animais.

Publicado em

em

Divulgação/Adapar
A Adapar (Agência de Defesa Agropecuária do Paraná) alerta sobre a necessidade de vacinar o rebanho bovino e bubalino contra a brucelose. A doença é causada pela bactéria B. abortus e pode ser transmitida para seres humanos.

O abortamento é o principal sinal, e, ocorre geralmente no último terço da gestação. Outros sinais indicativos da doença é o nascimento de bezerros fracos, retenção de placenta, corrimento vaginal, inflamação das articulações e inflamação dos testículos.

A brucelose bovina é endêmica no Paraná e as perdas econômicas são expressivas. Ocorre queda da produtividade, ou seja, menor produção de leite, baixos índices reprodutivos, aumento no intervalo entre partos, morte de bezerros precocemente e perda de animais.

“Assim como a campanha de atualização de rebanhos é necessária para melhor conhecimento, rastreabilidade e análises de risco no Estado do Paraná, a comprovação da vacinação contra brucelose é necessária e obrigatória para a manutenção da sanidade do rebanho bovino e bubalino e para a diminuição da prevalência da doença”, disse a coordenadora do programa, médica veterinária Elenice Amorim.

Vacinação

Uma das principais medidas de controle da brucelose bovina é a vacinação. Fêmeas, entre três e oito meses de idade, devem ser vacinadas obrigatoriamente (Portaria nº 305/2017) e deve ser comprovada a aplicação, uma vez por semestre. No Brasil, é permitida a utilização das vacinas B-19 ou RB-51 (Vacina Não Indutora de Anticorpos Aglutinantes). A B-19 é atualmente a mais utilizada devido ao menor custo. A vacinação deve ser realizada corretamente sob a responsabilidade de um médico veterinário cadastrado na Adapar.

O uso de equipamento de proteção individual (EPI) é fundamental para o vacinador, para evitar acidentes vacinais.

Propriedades não regulares com a vacinação contra brucelose ficam impedidas de movimentarem seus animais (GTA) para qualquer finalidade.

Transmissão 

A brucelose bovina é transmitida principalmente pela ingestão de pastagem contaminada pela urina de bovinos doentes, restos fetais e restos de placenta. A doença pode ser introduzida em um rebanho sadio, pela aquisição de bovinos infectados. Por esse motivo, é importante a realização de quarentena e de novos exames para que os animais possam ser incorporados ao rebanho.

Exames periódicos fazem parte da estratégia de controle da doença. Para fêmeas que receberam vacina B19, os exames podem ser realizados com idade superior a 24 meses. A bezerras vacinadas com a RB-51 e os animais machos podem ser submetidos ao exame a partir dos oito meses de idade, quando não apresentarão anticorpos colostrais, que podem influenciar no resultado dos exames ocasionando falsos positivos.

Notificação 

Nos casos de animais reagentes no teste de triagem, a Adapar deve ser imediatamente notificada para tomada de medidas de confirmação e controle. A notificação deve ser feita pelo médico veterinário habilitado que realizou os testes diagnósticos, em até 24 horas após a leitura.

Fonte: Adapar
Continue Lendo

Notícias Apreensão

Frente fria deixa produtores de milho em alerta no Brasil

Preços domésticos foram influenciados pela apreensão de agentes com a chegada de uma frente fria em parte das regiões produtoras, que pode trazer geadas e, consequentemente, prejudicar o atual bom desenvolvimento das lavouras.

Publicado em

em

Arquivo/Gilson Abreu/AEN

Apesar da expectativa de safra recorde no Brasil, os valores do milho voltaram a subir na semana passada, interrompendo, portanto, o movimento de queda diária consecutiva que vinha sendo verificado desde o encerramento de abril.

Segundo pesquisadores do Cepea, os preços domésticos foram influenciados pela apreensão de agentes com a chegada de uma frente fria em parte das regiões produtoras, que pode trazer geadas e, consequentemente, prejudicar o atual bom desenvolvimento das lavouras. Esse cenário tem limitado o ritmo de negócios internos.

Além disso, as cotações também foram impulsionadas pelas altas externas do cereal, que, por sua vez, subiram diante de estimativas oficiais indicando possível queda na produção mundial do cereal, devido ao clima desfavorável nos Estados Unidos e a dificuldades diante da guerra na Ucrânia.

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Notícias Análise Cepea

Valorização do dólar eleva preço da soja em grão no Brasil

Cenário atraiu importadores para o país, o que resultou em aumentos no prêmio de exportação e nos preços domésticos da soja.

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Os preços da soja em grão subiram no Brasil na semana passada.  Segundo pesquisadores do Cepea, a valorização do dólar frente ao real atraiu importadores para o Brasil, resultando em aumentos no prêmio de exportação e nos preços domésticos da soja.

Agora, as atenções de agentes estão voltadas à temporada 2022/2023 no Hemisfério Norte.

Segundo o USDA – Departamento de Agricultura dos Estados Unidos -, a área mundial a ser cultivada com soja é estimada em 134,93 milhões de hectares, 3,65% maior que na temporada passada e um novo recorde.

A produção também é apontada para ser recorde, de 394,69 milhões de toneladas, 13% superior à safra passada.

Para o Brasil, a área de soja é prevista pelo USDA em 42 milhões de hectares, um novo recorde, resultando em produção de 149 milhões de toneladas, 19,2% a mais que o estimado para a safra 2021/2022 (125 milhões de toneladas).

Fonte: Cepea
Continue Lendo
suinfair 2022

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.