Conectado com
VOZ DO COOP

Notícias Triticultura

14ª Reunião de trigo e triticale aprova novas recomendações e cultivares

Mais de 300 pesquisadores participaram do evento realizado on-line pela primeira vez na história. Comissão aprovou 13 novas cultivares de trigo e triticale

Publicado em

em

Arquivo / OP Rural

Pela primeira vez em mais de 50 anos de história, a Reunião da Comissão Brasileira de Pesquisa de Trigo e Triticale (RCBPTT) aconteceu de forma on-line. Entre os dias 27 e 29 de julho foram realizadas as plenárias que discutiram os avanços nas pesquisas, receberam novas demandas e atualizaram as recomendações para as culturas. O evento foi gratuito e com transmissão pelo YouTube. Ao todo, foram aprovadas 13 novas cultivares e quatro extensões.

No ano passado a reunião foi cancelada por conta da pandemia. Para André Cunha Rosa, presidente da edição anterior e melhorista da Biotrigo Genética, o evento é importante para atualizar as informações de pesquisa e indicações para o agricultor. “Foi uma lástima não podermos fazer isso no ano passado. Neste ano, para que os produtores não ficassem sem essas informações por mais tempo decidimos fazer on-line”. Durante a abertura, André contou um histórico das reuniões, que ocorrem desde 1969 e passou a gestão para o novo presidente: Luis Henrique Penckowski, Gerente Técnico de Pesquisa da Fundação ABC.

Também durante a abertura foi apresentada a proposta para a atualização do Zoneamento Agrícola de Risco Climático (ZARC). Entre as mudanças, estão o maior detalhamento no cultivo de trigo tropical, avaliação de risco de frustrações pelo excesso de chuva no final de ciclo, além da inserção de diferentes tipos de solo e ciclo de cultivares na base de dados. A apresentação foi feita pelo agrometeorologista da Embrapa Trigo, Gilberto Cunha.

Na avaliação final do evento, o presidente da 14ª RCBPTT, Luis Henrique Penckowski destacou que os objetivos de discutir os avanços nas culturas de trigo e triticale foram cumpridos. “A nossa expectativa era bem grande. A gente tinha um pouco de receio de como ia ser porque sempre foi presencial. A reunião se desenvolveu de uma forma tão boa e ficou claro que todas as comissões trabalharam de forma muito produtiva para atualizar as recomendações”.

Durante o evento, um grupo foi formado para discutir o manejo de plantas daninhas na cultura do trigo, com uma especificidade maior para o azevém. Outro destaque é que as subcomissões reuniram características técnicas para avançar num estudo de viabilidade e gestão financeira na cultura do trigo, um tema discutido recorrentemente. “Propor um modelo de avaliação da gestão financeira da cultura do trigo reforça que o trigo se for bem gerido traz rentabilidade além de agronômica, também financeira. Subimos a régua do ponto de vista das discussões. Foi uma reunião focada e produtiva. Obviamente gostaríamos de estar todos juntos de forma presencial, mas não deixamos nada a desejar nesse formato virtual”, avalia o presidente.

A 14ª Reunião da Comissão Brasileira de Pesquisa de Trigo e Triticale (RCBPTT) foi promovida pela Fundação ABC e Biotrigo Genética, com apoio da Embrapa Trigo e contou com o patrocínio das empresas Adama, Agrária, Apasem, Apassul, Bayer, Basf, Coamo, Cocamar, FMC, Helm, Ihara, Integrada Cooperativa, Syngenta, Unium e UPL. As transmissões das plenárias estão disponíveis na página da Reunião de Trigo no YouTube . A próxima edição, a 15ª RCBPTT, que acontece no início de julho de 2022, a Embrapa Trigo será a realizadora e contará com o apoio da Biotrigo Genética.

Cultivares aprovadas

Ao todo, foram apresentadas 13 novas cultivares. A Biotrigo Genética lançou três variedades: TBIO Blanc (ciclo médio-tardio, branqueador), TBIO Trunfo (ciclo precoce, trigo pão) e TBIO Calibre (ciclo superprecoce, trigo pão). A Embrapa Trigo apresentou uma cultivar de trigo para pastejo BRS Tarumaxi (ciclo tardio, classe outros usos) e uma cultivar de triticale BRS Zênite (ciclo precoce). Já a Tamona Agropecuária, lançou três variedades de trigos: RBO Crescente (ciclo precoce, melhorador); RBO Chimoio (ciclo médio, melhorador); RBO Combatente (ciclo médio, melhorador). As outras cultivares aprovadas foram: FPS Luminus (ciclo precoce, branqueador) da Fundação Pró-Sementes; ORSFeroz (ciclo precoce, melhorador); ORSSenna (ciclo superprecoce, melhorador); ORS Destak (ciclo médio precoce, trigo pão) e ORS Guardião (ciclo médio precoce, trigo pão), da OR Sementes.

Outras quatro cultivares tiveram aprovação para extensão de uso: ORS Madrepérola – extensão de cultivo irrigado para a região 3 do Mato Grosso do Sul; ORS Agile para os estados de SP, MS, MG, GO e PR; ORS 1403 na macrorregião 3 do estado de Mato Grosso do Sul e BRS Pastoreio: extensão de indicação de cultivo para Santa Catarina.

Trabalhos destaque

No total, foram inscritos 118 trabalhos e seis deles foram escolhidos como os melhores pelas subcomissões. São eles: Subcomissão de Ecologia, Fisiologia e Práticas Culturais: Rotação e sucessão de culturas: impacto da prática cultural sobre o trigo, por Salathiel Antunes Teixeira. Subcomissão de Entomologia: Oscilação populacional e risco de surtos de afídeos em diferentes localidades sul-brasileiras, por Eduardo Engel. Subcomissão de Fitopatologia: Caracterização molecular do vírus da espiga branca do trigo no Brasil, por Fernando Sartori Pereira. Subcomissão de Melhoramento, Aptidão Industrial e Sementes: Tamanho amostral para determinação da classe comercial indicativa de cultivares de trigo – período amostrado 2011-2020, por Eliana Maria Guarienti. Subcomissão de Solos e Nutrição Vegetal: Modelo para aplicação de Nitrogênio em taxa variável na cultura do trigo baseado em NDVI, por Maicon Andreo Drum. Subcomissão de Transferência de Tecnologia: Lacunas do rendimento de grãos de trigo na área de atuação de cooperativas do Brasil, por Adão Acosta.

Livro de recomendações

Todas as recomendações serão unidas e publicadas no livro “Indicações técnicas para trigo e triticale – safra 2022. A publicação, que será distribuída gratuitamente na forma impressa e disponibilizada também no site da Reunião de Trigo, terá informações técnicas desde a semeadura até a colheita, com dados atualizados sobre quantidade de sementes, adubação, controle de pragas e doenças, manejo de plantas daninhas, entre outros. A previsão é que a publicação esteja disponível para o setor produtivo até o final de 2021.

Homenageado

Neste ano, a Comissão Brasileira de Pesquisa de Trigo e Triticale homenageou o engenheiro agrônomo e doutor em Ciência e Tecnologia de Sementes, Ivo Marcos Carraro. O pesquisador reconhecido como referência técnica no setor sementeiro e no cooperativismo, faleceu no último dia 10 de julho, vítima de câncer. A homenagem aconteceu durante a transmissão da plenária final da 14ª Reunião de Trigo com a presença virtual dos familiares. Diversos depoimentos lembraram sua incansável dedicação e incentivo à pesquisa, à evolução da produtividade e ao fortalecimento do agronegócio. Os relatos também ressaltaram que Carraro era uma referência não apenas técnica, mas de uma pessoa generosa, de bom convívio e respeito na sua vida familiar, como nas relações amizade e de trabalho.

Carraro foi diretor executivo da extinta Coodetec (Cooperativa Central de Pesquisa Agrícola) por 39 anos. Participou ativamente das reuniões da Comissão Brasileira de Pesquisa de Trigo e Triticale e ocupou diversos cargos em importantes entidades ligadas à pesquisa e produção de sementes do país. Foi diretor da Abrasem (Associação Brasileira de Sementes e Mudas e do Centro de Pesquisas) e da Ocepar (Organização das Cooperativas do Estado do Paraná) e, ainda, presidiu a Braspov (Associação Brasileira de Obtentores Vegetais).

Fórum Nacional do Trigo 2021

No Fórum Nacional do Trigo , realizado na véspera da 14ª RCBPTT, as temáticas das palestras trouxeram uma visão ampla sobre o consumo do trigo num cenário pós-pandemia, contemplando desde os desafios e oportunidades para o setor produtivo até o consumidor final. O evento foi promovido pela Embrapa Trigo com o apoio da Biotrigo Genética e Fundação ABC.

Durante os 3 dias de evento, os participantes participaram de plenárias e reuniões pelo YouTube e salas do Zoom.

Fonte: Assessoria

Notícias

Lar Cooperativa lança o programa Jovem Aprendiz Agro

Um projeto inédito, moldado por vários profissionais com o objetivo de desenvolver habilidades dos jovens, fortalecer laços e promover a sucessão familiar.

Publicado em

em

Fotos: Divulgação/Lar

Foi lançado na última quarta-feira (17), o programa Jovem Aprendiz Agro, uma iniciativa idealizada pela Lar Cooperativa destinada exclusivamente para filhos de associados. Um projeto inédito, moldado por vários profissionais com o objetivo de desenvolver habilidades dos jovens, fortalecer laços e promover a sucessão familiar. Uma reunião, com pais e os primeiros 30 jovens selecionados, marcou o lançamento do programa.

“A Lar tem o dever de proporcionar o caminho da educação aos seus associados e funcionários e com esse programa, cumprimos com a legislação brasileira e ao mesmo tempo com o nosso papel de ser uma cooperativa educadora. Uma iniciativa que partiu da Cooperativa, foi aprovada no Ministério do Trabalho e tem tudo para ser um sucesso”, destacou o diretor-presidente da Lar, Irineo da Costa Rodrigues em sua fala aos pais e jovens presentes.

Nesta primeira etapa, as inscrições foram limitadas aos municípios de Serranópolis do Iguaçu (PR) e Missal (PR), onde foi selecionado o primeiro grupo composto por 30 jovens entre 14 e 22 anos, que deverão iniciar as atividades no dia 19 de abril. O programa é uma parceria entre a Lar Cooperativa, o Sescoop/PR e o Semear, instituição responsável por aplicar o conteúdo. As aulas serão via internet, com práticas na propriedade de cada participante, sob a supervisão dos pais e remotamente por professores.

“Os jovens terão contrato de trabalho com duração de 23 meses, com todos os direitos que qualquer outro trabalhador possui. Moldamos esse programa para se encaixar com a rotina que já existe na propriedade e com isso buscamos não só uma contribuição para a formação pessoal e profissional, mas também um projeto de vida”, explicou o superintendente Administrativo e Financeiro da Lar, Clédio Marschall, também presente na reunião de lançamento do programa.

Os benefícios profissionais e pessoais são muitos, com disciplinas variadas, que vão desde matemática comercial até empreendedorismo, informática, gestão de custos, mercado agrícola, entre outros. As áreas de Gestão de Pessoas e Assessoria de Ação Educativa da Lar Cooperativa serão responsáveis por monitorar a evolução e o resultado do programa. A expectativa é ampliar o número de participantes, com abertura de vagas inclusive para outros municípios.

A Lar é a cooperativa singular que mais emprega no Brasil, encerrando o ano de 2023 com mais de 23.500 funcionários. A legislação brasileira diz que 5% do quadro de funcionários de uma empresa deve ser composto por jovens aprendizes, mas atender essa cota se tornou um desafio. Até a primeira quinzena do mês de abril de 2024, a Lar estava com cerca de 300 vagas a serem preenchidas por jovens aprendizes. Essa dificuldade na contratação foi um dos fatores que motivaram o desenvolvimento do programa Jovem Aprendiz Agro, que promete impulsionar o futuro do agronegócio.

 

 

Fonte: Assessoria Lar
Continue Lendo

Notícias

Considerada maior feira da avicultura e suinocultura capixaba, Favesu acontece em junho

Evento reunirá produtores, profissionais e especialistas do setor em dois dias de intensa troca de conhecimento, networking e exposição das mais recentes inovações do segmento.

Publicado em

em

Fotos: Divulgação/Favesu

Os preparativos para a 7ª edição da Feira de Avicultura e Suinocultura Capixaba (Favesu) estão em ritmo acelerado. O Centro de Eventos Padre Cleto Caliman (Polentão) é o local escolhido para o evento, que acontece de 05 e 06 de junho, e reunirá produtores, profissionais e especialistas do setor em dois dias de intensa troca de conhecimento, networking e exposição das mais recentes inovações do segmento.

O município de Venda Nova do Imigrante (ES) mais uma vez vai sediar o evento bienal que é organizado pela Associação de Suinocultores do Espírito Santo (ASES) e Associação dos Avicultores do Estado do Espírito Santo (AVES).

A programação inclui palestras com conteúdos técnicos e também palestras empresariais, painéis, apresentação de trabalhos científicos e reunião conjuntural, além da Feira de Negócios que reunirá, na área de estandes, grandes empresas nacionais e multinacionais apresentando seus produtos e serviços voltados aos segmentos.

O evento também é momento de avaliações do panorama atual para a avicultura e a suinocultura no contexto dos cenários econômicos brasileiro e mundial. O Presidente da ABCS, Marcelo Lopes e o Presidente da ABPA, Ricardo Santin farão a apresentação de painéis que abordarão os números,os desafios e as perspectivas para os segmentos.

Dentre os temas das palestras técnicas, a Favesu trará assuntos de suma importância na área de avicultura de corte, de postura e suinocultura, ambiência, exportação, influenza aviária, inspeção de produtos de origem animal, lei do autocontrole, modernização, entre outros temas.

Uma programação de alto nível que visa oferecer uma troca de conhecimentos e experiências fundamentais para impulsionar o crescimento e a inovação nos setores.

Mais informações sobre o evento entre em contato pelo telefone (27) 99251-5567.

Fonte: Assessoria Aves/Ases
Continue Lendo

Notícias

Produtores rurais podem renegociar dívidas do crédito rural até dia 31 de maio

Conforme a proposta do Mapa, poderão adiar ou parcelar os débitos os produtores de soja, de milho e da pecuária leiteira e de corte, que sofreram com efeitos climáticos e queda de preços.

Publicado em

em

Foto: Marcelo Casal Jr/Agência Brasil

Os produtores rurais que foram afetados por intempéries climáticas ou queda de preços agrícolas poderão renegociar dívidas do crédito rural para investimentos. A medida é uma proposta do Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa), apoiada pelo Ministério da Fazenda (MF), e aprovada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), em março. O prazo limite para repactuação é até 31 de maio.

Com a iniciativa, as instituições financeiras poderão adiar ou parcelar os débitos que irão vencer ainda em 2024, relativos a contratos de investimentos dos produtores de soja, de milho e da pecuária leiteira e de corte. Neste contexto, as operações contratadas devem estar em situação de adimplência até 30 de dezembro de 2023.

A resolução foi necessária diante do fato de que, na safra 2023/2024, o comportamento climático nas principais regiões produtoras afetou negativamente algumas lavouras, reduzindo a produtividade em localidades específicas. Além disso, os produtores rurais também têm enfrentado dificuldades com a queda dos preços diante do cenário global.

“Problemas climáticos e preços achatado trouxeram incertezas para os produtores. Porém, pela primeira vez na história, um governo se adiantou e aplicou medidas de apoio antes mesmo do fim da safra”, destacou o ministro da Agricultura e Pecuária, Carlos Fávaro.

O ministro ainda explicou o primeiro passo para acessar a renegociação. “Basta, então, que qualquer produtor, que se enquadre na medida, procure seu agente financeiro com o laudo do seu engenheiro agrônomo, contextualizando a situação. Com isso, será atendido com a prorrogação ou o parcelamento do débito”, reforçou.

Alcance

A renegociação autorizada abrange operações de investimento cujas parcelas com vencimento em 2024 podem alcançar o valor de R$ 20,8 bilhões em recursos equalizados, R$ 6,3 bilhões em recursos dos fundos constitucionais e R$ 1,1 bilhão em recursos obrigatórios.

Caso todas as parcelas das operações enquadradas nos critérios da resolução aprovada pelo CMN sejam prorrogadas, o custo será de R$ 3,2 bilhões, distribuído entre os anos de 2024 e 2030, sendo metade para a agricultura familiar e metade para a agricultura empresarial. O custo efetivo será descontado dos valores a serem destinados para equalização de taxas dos planos safra 2024/2025.

Confira abaixo as atividades produtivas e os estados que serão impactados pela medida:

  • soja, milho e bovinocultura de carne: Goiás e Mato Grosso;
  • bovinocultura de carne e leite: Minas Gerais;
  • soja, milho e bovinocultura de leite: São Paulo, Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina;
  • bovinocultura de carne: Rondônia, Roraima, Pará, Acre, Amapá, Amazonas e Tocantins;
  • soja, milho e bovinocultura de leite e de carne: Mato Grosso do Sul;
  • bovinocultura de leite: Espírito Santo e Rio de Janeiro.

Para enquadramento, os financiamentos deverão ter amparo do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural (Pronamp) e dos demais programas de investimento rural do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), bem como das linhas de investimento rural dos fundos constitucionais.

Fonte: Assessoria Mapa
Continue Lendo
SIAVS 2024 E

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.