Conectado com
VOZ DO COOP

Empresas Bovinos

Engorda intensiva a pasto nas águas e seca

Os sistemas de produção de bovinos no Brasil vêm enfrentando mudanças significativas nos últimos anos, com uma participação cada vez maior de sistemas de produção mais intensificados

Publicado em

em

Foto: O Presente Rural

Por Eduardo Batista, Consultor Regional de Bovinos de Corte da Cargill Nutrição Animal – Nutron

Os sistemas de produção de bovinos no Brasil vêm enfrentando mudanças significativas nos últimos anos, com uma participação cada vez maior de sistemas de produção mais intensificados. Entre os quase 40 milhões de animais abatidos anualmente, a estratificação por sistema de produção é:

– 72% produção extensiva (pouca ou nenhuma tecnificação);

– 7% suplementação estratégica (uso de suplemento proteico ou energética);

– 11% semi-confinamento (uso de ração acima de 0.8% do peso vivo dos animais);

– 10% confinamento;

Estima-se que nos próximos anos haverá uma mudança significativa nesse cenário, com a engorda em semi-confinamento passando para 19% do total de bovinos abatidos, algo em torno de 8 a 9 milhões de cabeças por ano até 2026 (Figura 1).

O semi-confinamento tradicional é realizado especialmente na época seca do ano, devido aos preços mais elevados na venda do boi gordo e aos preços mais atrativos das matérias-primas que compõe os concentrados. No entanto, nos últimos anos observou-se um aumento no uso do semi-confinamento nas águas, onde o fornecimento de concentrado de 0,8 a 1,5% do PV, somado as pastagens de melhor qualidade e maior quantidade, resultam em aumento dos resultados zootécnicos e financeiros. Além disso, o nível de suplementação também mudou, e alguns sistemas fornecem concentrado na casa de 2% do PV.

Figura 1 – Porcentagem de cada sistema de engorda no número total de bovinos abatidos em 2016 e expectativa para 2026 (fonte: Rabobank, 2016)

A decisão da quantidade de concentrado oferecido aos bovinos de corte depende de alguns fatores, como a qualidade e oferta de forragem, época do ano, taxa de lotação, estrutura de cocho e de distribuição de ração, disponibilidade de mão de obra, capacidade de investimento e desempenho animal esperado.

BOVINOS: SEMI-CONFINAMENTO TRADICIONAL

No sistema de semi-confinamento tradicional (0.8 a 1.0% PV), os pastos destinados a engorda são “vedados” ou diferidos entre março e maio para servirem como fonte de volumoso e suportar a lotação desejada para cada lote. Os animais entram no semi-confinamento entre maio e junho e são abatidos entre setembro e outubro, onde historicamente obtém-se melhores preços por arroba. Porém, com o fornecimento de concentrado na faixa de 0,8 a 1,0% PV em MS, os animais devem consumir 1,4 a 1,6% do PV em MS proveniente do pasto para complementar a dieta. Sabe-se que no período seco do ano as pastagens, mesmo que diferidas, tem limitado valor nutritivo (mais fibra, menos proteína e carboidratos prontamente disponíveis). Essa realidade normalmente traduz-se em resultados zootécnicos e financeiros abaixo do potencial produtivo dos animais.

Vamos exemplificar essa situação com um cálculo simples de exigência de nutrientes dos animais usando o BR-CORTE:

Para um animal zebuíno, não castrado, de 475 Kg de PV, alcançar ganhos de 1,4 Kg/dia, a exigência de energia e proteína bruta é de aproximadamente 6.910 gramas de NDT e 1.370 gramas de proteína bruta por dia. O fornecimento de uma ração a base de milho e farelo de soja a 1% do PV, somado a um pasto de capim Brachiaria decumbens, fornece 5.980 gramas de NDT e 920 gramas de proteína bruta, bem abaixo da exigência mínima para o desempenho almejado. Visando maiores ganhos por animal, duas mudanças principais ocorreram no semi-confinamento tradicional nos últimos anos, possibilitando a maximização dos resultados zootécnicos e financeiros e sendo fundamentais para que o sistema fosse usado com maior intensidade.

 

CONFINAMENTO A PASTO DE BOVINOS

A primeira grande mudança foi a transformação do semi-confinamento em confinamento a pasto, ou seja, aumentando o consumo de ração de 0.8 a 1.0% do PV para 2,0% do PV em MS. Com isso, o consumo do pasto de baixa qualidade fica em torno de 0,2 a 0,4% do PV. Isso permite o aumento da ingestão de energia e, consequentemente, melhoria nos resultados de ganho de peso e rendimento de carcaça. Além disso, a técnica permite um aumento da taxa de lotação devido a um efeito substitutivo de pasto mais pronunciado.

Porém, a migração do semi-confinamento tradicional para o confinamento a pasto não é tão simples quanto parece, sendo necessário a introdução de novas tecnologias nas áreas de nutrição, sanidade, manejo e instalações para que esse grande volume de ração possa ser fornecido da forma eficaz.

No confinamento a pasto, um gado de 450 kg chega a consumir entre 9 – 10 kg de MS de ração. Esse volume tão elevado de concentrado aumenta o risco de distúrbios metabólicos dos animais. Isso acontece pela maior produção de ácidos orgânicos no rúmen, o que pode reduzir o pH ruminal e levar o gado a um quadro de acidose. Nesse sentido, o uso de aditivos modulares da fermentação ruminal, além de tamponantes específicos, se torna fundamental para minimizar os riscos de acidose.  Aliados ao uso de aditivos, uma adaptação correta e um manejo de cocho bem conduzido são fatores indispensáveis para o sucesso do sistema.

Durante a adaptação dos bovinos de corte a dieta, algumas práticas de manejo são fundamentais, como:

·         Introdução gradativa do volume de ração nas primeiras duas semanas;

·         Fornecimento do concentrado nos mesmos horários todos os dias;

·         Respeito à recomendação de espaçamento de cocho de 40 cm por cabeça;

·         Formação de lotes com animais de pesos homogêneos;

·         Bebedouros com água adequada para consumo (qualidade e quantidade);

·         Disponibilidade de forragens (quantidade e qualidade) para a engorda dos animais.

Outro ponto de atenção para a implantação do confinamento a pasto é a logística. Por exemplo, projetos para tratar acima de 1.000 animais podem se deparar com uma dificuldade logística para movimentar grandes quantidades de concentrado por dia, que pode ultrapassar 10 toneladas, dependendo do peso dos animais. Hoje em dia há equipamentos de trato que distribuem de forma mecanizada a ração aos animais (Figuras 2 e 3), o que melhora muito a logística e aumenta a possiblidade de engordar mais animais nesse tipo de sistema. Porém, mesmo com a mecanização, algumas características da propriedade são importantes para determinar a quantidade de animais a se introduzir no sistema, bem como a quantidade de concentrado a ser ofertada, como o relevo da propriedade, a distância entre os pastos e o depósito/fábrica de rações e as condições das estradas.

Figura 2 – Exemplo de fornecimento mecanizado

Fonte: equipe Cargill

A grande maioria dos semi-confinadores ainda não distribui o concentrado em equipamentos mecanizados, o que aumenta a dependência da mão de obra. Tanto o confinamento a pasto quanto o semi-confinamento requerem distribuição diária do concentrado e algumas propriedades podem ter limitação de mão de obra para executar tal tarefa. Portanto, a consistência no fornecimento do concentrado é fator crucial para o sucesso do sistema, ou seja, os animais precisam receber todos os dias a mesma quantidade de ração e no mesmo horário. Variações na quantidade e horário de fornecimento resultam em pior desempenho e maior risco de distúrbios metabólicos.  Para garantir consistência, as propriedades precisam de estruturas de depósitos de concentrado que possibilite o armazenamento o mais próximo dos cochos possível (Figura 4 e 5).

Figura 4 – Deposito de concentrado

Fonte: equipe Cargill

 

Figura 5 – Exemplo de cocho coberto para semi-confinamento nas águas, aproveitando a estrutura já existente na propriedade

Fonte: equipe Cargill

Nesses sistemas, também é comum encontrarmos animais dominantes consumindo mais ração que os demais e em uma velocidade maior, o que pode predispô-los a distúrbios metabólicos. Nesse sentido, algumas técnicas que auxiliem um consumo mais homogêneo do concentrado entre todos os animais podem ser aplicadas. Primeiramente, o espaçamento de cocho precisa ser suficiente para atender todos os animais. O recomendado é 40 centímetros linear de cocho por animal. Espaçamentos menores podem gerar disputas e brigas, aumentando o risco de acidose por consumo excessivo de concentrado, além de tirar do padrão a performance dos animais. Geralmente recomenda-se fornecer o concentrado uma vez ao dia, no início da manhã, para facilitar o manejo e diminuir os custos operacionais. É também recomendado uma área de circulação entre as linhas de cocho. Por exemplo, a cada 3 a 4 metros de cocho, deixar uma área livre para circulação dos animais. Essa técnica reduz as brigas e disputas e melhora a conservação dos cochos (Figura 6).

 

Figura 6 – Espaçamento de cocho correto com área para circulação dos animais

Fonte: Equipe Cargill

 

CONFINANDO O ANO TODO

A segunda grande mudança ocorrida no sistema tradicional de semi-confinamento é com relação a sazonalidade no uso do sistema. Antes, essa atividade era exclusivamente executada no período da seca. Essa técnica passou cada vez mais a ser utilizada também no período das águas. Apesar das mudanças de manejo e estrutura necessários, os resultados encontrados foram surpreendentes. A possibilidade de utilizar concentrado de semi-confinamento em um período onde os pastos têm valor nutritivo elevado, possibilitou aumento nos ganhos zootécnicos e financeiros da atividade.

Muitas propriedades variam o fornecimento de ração ao longo do período de engorda em função de vários fatores, como a época do ano, qualidade nutricional da planta forrageira, peso inicial dos animais, velocidade da engorda ou ganho de peso diário planejado, taxa de lotação desejada, etc. Com isso, é possível trabalhar com oferta de concentrado mais baixos (0,5 a 1,0% do PV) nas águas, por exemplo, época do ano em que as pastagens têm seu maior valor nutritivo, e ir aumentando o fornecimento do concentrado à medida que as pastagens começam a perder qualidade e disponibilidade.

Para o sistema de semi-confinamento no período das águas, geralmente se adota o manejo de pesagem dos bovinos na vacinação de novembro, e, na sequência, são estabelecidas as metas para cada lote, como a data de abate, peso final e o ganho de peso diário. O passo seguinte é a observação da quantidade e qualidade do pasto disponível, o que possibilita estabelecer a taxa de lotação para cada pasto, bem como o tipo de concentrado que será fornecido.

 

COMPOSIÇÃO DA DIETA

Os níveis nutricionais de uma ração de semi-confinamento ou confinamento a pasto podem variar, dependendo de fatores já citados anteriormente como: qualidade e disponibilidade de planta forrageira, taxa de ganho, lotação etc. Na maioria das rações de semi-confinamento trabalhamos com níveis de proteína bruta entre 18 e 21 % e NDT entre 74 a 78%. Já no caso de uma ração para confinamento a pasto, os valores de proteína bruta ficam entre 14 e 16% e NDT entre 72 a 76%.

Independentemente dos níveis nutricionais, aditivos melhoradores de eficiência são uma parte importante da dieta, sejam eles ionóforos ou não ionóforos. Além disso, aditivos tamponantes ajudam a garantir menores variações no pH ruminal e minimizam os riscos de acidose.  Leveduras vivas e extratos de levedura também podem ser adicionados para melhorar a digestão de FDN vinda da forragem. Vale lembrar que quanto maior o nível de produção, maior será o nível de exigência dos animais em micro, macro-minerais e vitaminas, portanto, o nutricionista deve estar atento as adequações desses níveis nas formulações para não comprometer o desempenho.  O lançamento de núcleos específicos para confinamento a pasto, como o Probeef Confinal 15 CR, contribui para o sucesso dessa atividade, pois fornece micro e macrominerais na quantidade adequada além de um pacote de aditivos que aumenta a segurança e o controle de distúrbios metabólicos.

Em rações formuladas para consumo de 2% do PV, alguns alimentos podem nos ajudar a controlar o pH ruminal, como a casquinha de soja, polpa cítrica, torta e caroço de algodão. Esses ingredientes, além do benefício no auxílio da manutenção da saúde ruminal, podem ser uma boa alternativa de redução de custo da formulação, especialmente em regiões produtoras de grãos como Mato Grosso e Goiás. Na época das águas, podemos ter uma maior oferta de alguns coprodutos ou subprodutos do milho como o DDG, WDG, gérmen de milho etc. Esses ingredientes podem reduzir o custo da formulação, bem como ser uma boa fonte de nutrientes como proteína, gordura e energia.

 

OUTROS BENEFÍCIOS DO SISTEMA

A saúde dos bovinos na engorda em semi-confinamento ou confinamento a pasto é um diferencial desse sistema quando comparado com o confinamento convencional. Como são mantidos a pasto, os animais estão submetidos a um ambiente com menos fatores de estresse, como alta lotação, poeira e lama. Doenças respiratórias são muito comuns no confinamento, sendo considerada a principal causa de mortalidade, e os fatores de estresse acima citados são os principais desencadeadores dessa enfermidade. Permanecendo a pasto, os bovinos têm menores chances de contrair doenças respiratórias.

Além disso, outra vantagem para esse tipo de sistema seria quanto ao bem-estar animal e contaminação do meio ambiente. A utilização e o destino correto dos dejetos de um confinamento convencional são itens de bastante preocupação atualmente, e órgãos fiscalizadores têm atuado de forma mais constante para garantir o destino adequado dos mesmos. Na engorda em semi-confinamento ou confinamento a pasto não há essa preocupação, pois, os dejetos são distribuídos mais uniformemente nos pastos. Consumidores cada vez mais exigentes, especialmente no mercado externo, tem demostrado uma preocupação maior com relação ao bem-estar animal, inclusive estando dispostos a pagar mais por alimentos produzidos em sistemas que não agridam o meio ambiente e que garantam o bem-estar animal. Nesse sentido, a engorda a pasto nos sistemas acima citados pode se tornar um grande diferencial para abastecer esse tipo de mercado consumidor, uma vez que os bovinos são criados em harmonia com o ambiente.

O Brasil é um dos maiores produtores de carne bovina do mundo e os sistemas de produção com base em pastagens tropicais continuam sendo nosso carro chefe. O aumento da eficiência na criação de bovinos em pastagens é fundamental para que esta atividade continue exercendo papel relevante no nosso setor, e técnicas modernas de semi-confinamento ou confinamento a pasto podem ajudar o produtor a potencializar os resultados técnicos e financeiros em sua propriedade, além de melhorar a qualidade da carne que estamos produzindo. Nesse sentido, sistemas como o semi-confinamento e o confinamento a pasto podem ser um grande diferencial pois podem gerar maiores rentabilidades ao produtor e maior volume de carne produzida com maior qualidade, de forma sustentável e respeitando os conceitos de bem-estar animal.

Eduardo Batista, Consultor Regional de Bovinos de Corte da Cargill Nutrição Animal – Nutron- Foto: Divulgação

Fonte: Assessoria

Empresas Solução inovadora Fiproline duo

Controle estratégico dos principais ectoparasitas do rebanho aumenta a produtividade e o bem-estar animal

FIPROLINE DUO® revoluciona o controle de carrapatos, moscas dos chifres, berne, bicheira e moscas dos estábulos, oferecendo uma solução inovadora aos pecuaristas.

Publicado em

em

Foto: Divulgação

Os ectoparasitas representam uma ameaça significativa ao rebanho bovino brasileiro, causando impactos econômicos substanciais, com perdas estimadas em US$6,8 bilhões anuais (GRISI et al., 2014). Entre os principais ectoparasitas que afetam o gado estão o carrapato (Rhipicephalus microplus), a mosca dos chifres (Haematobia irritans), o berne (larvas da mosca Dermatobia hominis), a bicheira (larvas da mosca Cochliomyia hominivorax) e a mosca dos estábulos (Stomoxys calcitrans).

Os prejuízos determinados por esses ectoparasitas resultam tanto de sua ação direta, como irritação, espoliação de sangue e tecidos nos animais parasitados, quanto dos efeitos indiretos, relacionados aos custos de tratamento, transmissão de doenças e danos ao couro. A irritação dos animais parasitados promove menor bem-estar, dispêndio de energia, menor ingestão de alimentos, interferindo negativamente no desempenho. Na tentativa de se livrarem das infestações os bovinos gastam energia, com movimentos constantes da cabeça, cauda, pernas – coices e batidas dos pés no solo – e até mesmo devido a maior atividade do sistema imune. Aliado a isso, a menor ingestão de alimentos prejudica o desempenho reprodutivo e produtivo, afetando diretamente a rentabilidade da pecuária.

Desta forma, o primeiro passo para combater esse desafio no campo é conhecer melhor como se comportam estes ectoparasitas. Com relação ao ciclo de vida de vida, eles possuem uma fase que ocorre nos animais (hospedeiros) denominada Fase Parasitária, e outra fase que ocorre no ambiente chamada Fase Não Parasitária.

“No caso do carrapato, a Fase Parasitária se inicia quando os estágios jovens (larvas) se instalam e fixam-se nos hospedeiros para se alimentarem e desenvolverem os estágios adultos machos e fêmeas. As fêmeas adultas são denominadas teleóginas (no campo são costumeiramente chamadas de mamonas ou jabuticabas). Ao final da fase parasitária, que tem duração média de 21 dias em condições normais, as teleóginas repletas de sangue e ovos, destacam-se dos hospedeiros e caem no solo, onde buscam locais protegidos da luz solar direta, iniciando a fase não parasitária do ciclo de vida que culmina com o surgimento no ambiente de novas larvas infestantes. Assim, após chegarem ao solo as teleóginas passam por um período de descanso antes de iniciar a postura dos ovos que futuramente originarão novas larvas infestantes. Como toda a fase não parasitária ocorre no ambiente a mesma é fortemente influenciada pelas condições climáticas, especialmente a temperatura e a umidade relativa do ar médias. Assim, o período de descanso antes do início da postura pode ser tão curto quanto 2 dias ou tão longo quanto 90 dias. O período de incubação dos ovos também pode variar tremendamente, ocorrendo entre 15 a 201 dias. Uma vez incubados, os ovos eclodirão e surgirão as larvas infestantes, que necessitam de um determinado período para adquirirem a capacidade de infestar os animais. A sobrevivência dessas larvas no ambiente também é impactada pelas condições climáticas, sendo mais curta durante épocas quentes e mais longa em temperaturas amenas. Então de acordo com as variações climáticas durante o ano teremos variações na intensidade das infestações.” explica Marcos Malacco, médico-veterinário gerente de serviços veterinários para bovinos da Ceva Saúde Animal.

Como citado, a fase não parasitária é fortemente impactada pelas condições ambientais. Quando estas condições são mais favoráveis ocorrem picos de infestações chamados gerações ou ondas de carrapatos e no Brasil, de maneira geral, ocorre de três a quatro destes eventos durante o ano. Em algumas regiões onde a umidade relativa do ar e as temperaturas médias são mais altas podem surgir até cinco destas gerações.

“Devemos ter em mente que na análise global da população de parasitos, incluindo os carrapatos, pelo menos 95% das fases encontram-se no ambiente e apenas 5% encontram-se nos animais. Então, medidas que visem reduzir ao máximo possível a população parasitária no ambiente devem ser tomadas e elas fazem parte do que chamamos de controle estratégico integrado de parasitos” afirma o profissional

As estratégias integradas incluem o uso de antiparasitários específicos de acordo com o parasito alvo, em épocas específicas e práticas de manejo que busquem a redução dos estágios não parasitários encontrados no ambiente. Dentro dessas práticas podemos empregar a rotação das áreas de pastagens entre animais de raças zebuínas e taurinas ou seus mestiços, uma vez que os zebuínos possuem certa maior resistência natural as infestações pelo carrapato que os taurinos. Desta forma quando os zebuínos ocupam as áreas ocupadas pelos taurinos, ajudam a reduzir as infestações nas áreas que eram ocupadas pelos taurinos e assim sucessivamente, sendo os zebuínos chamados como “animais aspiradores” de larvas infestantes, que terão dificuldade em se fixar e dar continuidade à fase parasitária do ciclo de vida ou originarão teleóginas de menor diâmetro, mais leve e, consequentemente, com menor número de ovos viáveis. Outro ponto importante é a identificação no rebanho dos animais mais susceptíveis às infestações (no campo denominados animais de sangue doce), pois estes são os focos de altas infestações (fábricas de carrapatos) para o ambiente e consequentemente para o restante do rebanho. Estes animais carregam consigo mais do que a metade do total de carrapatos do rebanho. Uma vez identificados devem ser descartados pois esta característica passa facilmente aos seus descendentes ou, pelo menos, isolados do restante o rebanho. Outras práticas como o controle de invasoras, a roçagem e limpeza das pastagens também auxiliam, pois reduzem os locais para refúgio dos carrapatos no ambiente.

Já a mosca dos chifres tem um ciclo de vida rápido, de 7 a 11 dias em condições favoráveis, permitindo até 30 gerações anuais. As infestações costumam ser mais intensas nas épocas do ano com temperatura média em torno dos 25ºC e UR ≥60%, sem excesso de chuvas mais intensas, como costuma ocorrer no início e no final das épocas mais chuvosas do ano nas regiões tropicais. Assim poderemos considerar como momentos estratégicos para controle da mosca dos chifres estas épocas, mas não prescindindo de outros tratamentos, denominados táticos, quando forem necessários. Tal necessidade deve ser avaliado de acordo com o nível de incômodo e estresse dos animais (movimentos constantes da cabeça e cauda buscando espantar as moscas.

O berne, causado pela larva da mosca Dermatobia hominis, é outro ectoparasita que necessita de atenção por parte dos pecuaristas em algumas regiões. É prevalente em regiões úmidas e quentes, porém com momentos de temperatura mais amena (noite por exemplo). Seu ciclo de vida inclui uma fase parasitária que pode durar entre 30 e 60 dias nos animais, onde as larvas se desenvolvem até o estágio final, e uma fase não parasitária no solo, que dura cerca de 30 dias em condições favoráveis. “As fêmeas da Dermatobia hominis utilizam outros insetos, denominados foréticos, colocando ovos sobre a superfície corporal destes insetos. Após um período de cerca de sete dias, no interior dos ovos aderidos aos foréticos temos surgimento da larva de primeiro estágio do berne. Estão quando esse forético pousa sobre animais de sangue quente, a larva do berne deixa o voe e ganha a pele do animal, perfurando-a e chegando ao tecido subcutâneo onde s einstala e inicia o ciclo parasitário. Vários insetos podem funcionar como foréticos para o berne como a mosca doméstica, a mosca dos chifres, os pernilongos e a mosca dos estábulos, por exemplo. Quando s moscas dos estábulos são os foréticos mais importantes podemos notar altas infestações por bernes nas partes baixas do corpo dos bovinos (membros, barriga, peito), locais preferidos de parasitismo por estas moscas” explica Malacco.

A bicheira, ocorre por infestações de larvas da mosca Cochliomyia hominivorax, quando a mesma coloca seus ovos em ferimentos acidentais ou cirúrgicos recentes. A fase parasitária é bastante rápida e pode haver grande destruição dos tecidos parasitados (enzimas proteolíticas produzidas pelas larvas). A destruição tecidual gera toxinas que podem levar os animais parasitados a morte.

Por fim, a mosca dos estábulos, costuma ser um problema comum em propriedades próximas a fontes de matéria orgânica, como usinas sucroalcooleiras e culturas de café. Seu ciclo não parasitário se desenvolve em matéria orgânica como restos de cochos de alimentação (silagens, cana ou capim picado), palhas ou cascas de culturas, esterco, camas da avicultura, por exemplo. A vinhaça, um resíduo da produção sucroalcooleira, é extremamente atrativa. Em condições favoráveis a fase não parasitária do ciclo de vida ocorre rapidamente, entre 15 e 30 dias. Portanto para o controle das infestações, além do emprego de mosquicidas, a gestão adequada da matéria orgânica é crucial para controlar essa infestação.

Como visto, o controle eficaz dos ectoparasitas no rebanho bovino requer uma abordagem integrada, combinando o uso estratégico de antiparasitários com práticas de manejo que visem a redução da infestação ambiental.

Com o propósito de auxiliar os pecuaristas no combate a esses vilões da produtividade, a Ceva Saúde Animal desenvolveu Fiproline duo®, um ectoparasiticida polivalente com características exclusivas que proporcionam benefícios ímpares, melhorando o bem-estar animal e servindo com ótima opção para auxiliar o desempenho produtivo do rebanho brasileiro quando desejamos o controle das infestações pelos principais ectoparasitos dos bovinos.

Fiproline Duo

Fiproline duo® é o único ectoparasiticida não combinado à base de Fipronil na concentração de 3%, ou seja, é três vezes mais concentrado. Esta alta concentração permite que um frasco de Fiproline duo® trate pela via pour on três vezes mais animais do que os produtos à base de Fipronil 1%, resultando em uma solução mais econômica e eficiente para os produtores.

Indicado para o controle dos principais ectoparasitas dos bovinos, como o carrapato do boi (Rhipicephalus microplus), a mosca dos chifres (Haematobia irritans), bicheiras (larvas da mosca Cochliomyia hominivorax), berne (larvas da mosca Dermatobia hominis) e a mosca dos estábulos (Stomoxys calcitrans), sendo esta última uma exclusividade quando comparado a outros produtos à base de fipronil. O produto pode ser aplicado tanto pela via Pour On quanto pela via Spot On, oferecendo maior comodidade e economia de tempo e mão de obra. Quando aplicado pela via pour on a dose é de 1 mL/30 quilos de peso vivo (trêss vezes mais peso vivo tratado quando comparado a produtos com fipronil 1%). Já pela via spot on a dose indicada é de 1 mL/15 quilos de peso vivo que deve ser aplicada em um ponto sobre a superfície corporal do animal, preferencialmente na parte média superior logo atrás da escápula (paleta). Independentemente do peso vivo do animal, não há dose máxima por nenhuma das duas vias de aplicação.

O Fiproline duo® está disponível nas apresentações: frascos de 250 mL (outra exclusividade), um litro e bombonas de cinco litros, todas prontas para uso e adequadas para diferentes necessidades de aplicação. A validade do produto é de dois anos após a data de fabricação, com um período de uso de até seis meses após a abertura da embalagem.

“Outro diferencial importante do Fiproline duo® é o menor período de carência para o abate dos animais tratados, sendo de apenas 67 dias. Isso torna o produto uma excelente opção para o controle de infestações por ectoparasitos no início da fase de engorda e terminação. Além disso, o Fiproline duo® é eficaz contra todos os estágios parasitários do carrapato e impacta negativamente, de forma significativa, os índices reprodutivos de alguma teleógina que porventura escape ao tratamento. Portanto haverá redução na postura, na eclodibilidade dos ovos e, consequentemente, no surgimento de novas larvas infestantes no ambiente. Adicionalmente, sua formulação exclusiva proporciona rápido início de controle das infestações pelas moscas dos chifres e dos estábulos, além de proporcionar a prevenção e o tratamento das bicheiras, melhorando o bem-estar animal e a produtividade” detalha Malacco.

O Fiproline duo® é o único Fipronil que pode ser usado via pour on e spot on representando uma solução inovadora e eficaz para o controle dos principais ectoparasitas, oferecendo vantagens econômicas, operacionais e ambientais, sendo um aliado indispensável na lida diária com o gado e um componente essencial nos programas de controle estratégico integrado.

Fonte: Assessoria Ceva Saúde Animal
Continue Lendo

Empresas Noite de imersão

Qualidade Técnica do I Encontro Técnico de Avicultura Polinutri atraiu grande público em São Bento do Una (PE)

Quase uma centena de profissionais da avicultura participaram do evento

Publicado em

em

Equipe Polinutri durante o evento realizado para avicultores em São Bento do Una (PE) / Divulgação

No dia 4 de julho, aconteceu o I Encontro Técnico Polinutri na Câmara de Vereadores de São Bento do Una (PE), reunindo quase uma centena de profissionais da área para uma noite de imersão no conhecimento das mais recentes pesquisas, atualizações, soluções tecnológicas e experiências voltadas para a nutrição de aves.

“O evento superou nossas expectativas, comprovando o grande interesse dos profissionais presentes na busca por informações técnicas que possam gerar valor nos resultados zootécnicos e econômicos em seus estabelecimentos”, exaltou o Representante Regional da Polinutri, Lídio Cintra.

Para Lídio, a iniciativa também reflete um grande pilar de atenção da Polinutri na região, enaltecido por ele como “um reforço do compromisso da Polinutri no desenvolvimento sustentável da cadeia de produção da avicultura nordestina.”

A programação contou com palestras de respeitados especialistas, autoridades em seus respectivos campos de estudo, que apresentaram respostas para os principais gargalos identificados entre os avicultores regionais. “Contamos com a apresentação do professor Perazzo, uma das maiores autoridades do Brasil em nutrição, atuando ao lado do Prof. Dr. Horácio Rostagno (Universidade Federal de Viçosa, UFV), membro responsável pela confecção das tabelas brasileiras de nutrição para aves”, sublinhou Lídio.

Além disso, os presentes acompanharam informações valiosas nas palestras de Everton Muro, Coordenador Técnico de Nutrição da Polinutri; Fernando Perazzo, Professor de Zootecnia na UFPB; e Sérgio Carrer, Gerente Regional de Nutrição e Formulação da companhia, que trataram dos seguintes temas: a avaliação de ovos de poedeiras comerciais, a qualidade dos ingredientes e seus impactos na produção das aves, e a importância da qualidade da mistura em fábricas de rações sobre a qualidade da casca e o desempenho das aves.

“O retorno foi muito positivo, dada a qualidade das palestras que trouxeram considerações técnicas aprofundadas, possibilitando uma visão holística das necessidades e desafios de nossa região”, completou o Representante Regional da Polinutri.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas Saúde animal

Ceva Saúde Animal reuniu mais de 50 profissionais na etapa Maringá (Paraná) da Rota da Sanidade Ceva Aves de Corte

Foi uma grande oportunidade para debater os desafios de saúde animal no inverno, com foco nos problemas respiratórios por meio de uma programação dirigida ao perfil e características da produção avícola local

Publicado em

em

Rota da Sanidade levou para Maringá informações de alto nível e reuniu mais de 50 profissionais Fotos: Divulgação/Ceva

A Ceva Saúde Animal promoveu mais uma etapa do seu projeto itinerante, a Rota da Sanidade Ceva – Aves de Corte, em Maringá (Paraná). O evento, realizado na manhã do dia 27 de junho, contou com a presença de especialistas convidados, autoridades do setor e do time de Serviços Veterinários da Ceva. O encontro proporcionou uma imersão completa, com palestras e debates focados na saúde animal, especialmente em temas relacionados ao inverno, período crítico para problemas respiratórios na avicultura de corte. “Os profissionais puderam acompanhar palestras do Prof. Dr. Antonio Piantino e do Dr. Jorge Chacón, duas grandes autoridades nas áreas de doenças respiratórias em aves” comentou Tharley Carvalho, Gerente de Marketing Aves de Ciclo Curto da Ceva Saúde Animal Brasil.

Tharley Carvalho, Gerente de Marketing Aves de Ciclo Curto da Ceva Saúde Animal Brasil

Para ele, a etapa da Rota da Sanidade Ceva em Maringá foi mais um grande êxito. “Reunimos diversos profissionais de uma região do país que é referência na produção avícola para discutir problemas tão relevantes que podem prejudicar seus negócios em um momento muito crítico da criação: as baixas temperaturas”. Isso porque é no inverno que os desafios respiratórios se intensificam e as empresas precisam estar preparadas para lidar com esses desafios. “A etapa teve uma ótima adesão, onde os presentes puderam acompanhar palestras de suma importância para o controle estratégico e efetivo de enfermidades que acometem sobremaneira as aves nesta época do ano” detalhou Tharley Carvalho, Gerente de Marketing Aves de Ciclo Curto da Ceva Saúde Animal Brasil.

Guilherme Eiji Barboza, Gerente de Contas Chaves da região Sul, deixou suas observações sobre outra característica marcante do evento, que foram as trocas de informações entre palestrantes e participantes. “É muito gratificante saber que estamos apoiando o dia a dia desses profissionais. Muitos questionamentos foram sanados e houve a possibilidade de acessar o conhecimento desses dois grandes nomes do setor avícola que ficaram à disposição dos participantes. Isso demonstra que estamos no caminho certo” considerou.

Dr. Jorge Chacón

Dentre os principais pontos de debate na etapa Maringá, destacaram-se: a predominância das cepas de bronquite a campo; a importância do uso de uma vacina segura e sem reação a campo; os danos causados às aves pelo uso de vacinas com cepas agressivas; e os impactos nas condenações por aerossaculite relacionados à bronquite e fatores ambientais.

Ao todo, a etapa da Rota da Sanidade Ceva – Aves de Corte em Maringá reuniu mais de 50 profissionais da indústria avícola regional. O projeto Rota da Sanidade Ceva tem como objetivo promover uma discussão regionalizada sobre os desafios locais, trazendo conhecimentos e fomentando debates profundos e pertinentes sobre os assuntos de maior relevância na produção avícola.

Prof. Dr. Antonio Piantino

“Reunimos um grupo de profissionais altamente qualificados, e isso reforça a importância do projeto de levar um evento itinerante, nos dando mais certeza de continuar o projeto para outros lugares, tendo como novas paradas o estado de São Paulo e o Nordeste nos próximos meses” anunciou o Gerente de Marketing.

Fonte: Assessoria Ceva
Continue Lendo
AJINOMOTO SUÍNOS – 2024

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.