Conectado com
OP INSTAGRAM

Avicultura Avicultura

Você sabia que a qualidade do ar da sua granja pode interferir nos seus ganhos?

Sabemos que existem diversos fatores contraproducentes que interferem na vida diária dos produtores de qualquer ramo do agronegócio. As condições climáticas, ambientais, econômicas, tecnológicas, entre tantas outras, fazem parte deste cenário.

Publicado em

em

OP Rural

Sabemos que existem diversos fatores contraproducentes que interferem na vida diária dos produtores de qualquer ramo do agronegócio. As condições climáticas, ambientais, econômicas, tecnológicas, entre tantas outras, fazem parte deste cenário. Junto a isso, a má qualidade do ar prejudica fortemente os resultados de granjas de aves, suínos e de outros animais, pois o contato direto de gases nocivos com o plantel, podem causar perdas irreversíveis no desempenho dos lotes, impactando na produtividade da sua granja.

Diariamente, presenciamos granjas novas e antigas passando por reformas e modernizações, na busca de inovações que facilitem o trabalho cotidiano. A implantação de tecnologias, possibilita o gerenciamento e o controle de variáveis de climatização, alimentação e consumo, pesagem e iluminação. Logo, a granja torna-se um ambiente favorável ao bem-estar dos animais, proporcionando melhor desempenho da produção e mais qualidade de vida para as pessoas que nela trabalham direta e indiretamente.

“Atualmente, o termo “bem-estar” está amplamente difundido, não só visando as melhores condições humanitárias de criação, mas também o aumento da produtividade do rebanho, ou seja, animais em adequadas condições de ambiente, são animais que possuem ambiente e instalações com ótimas condições de temperatura e umidade, além de um adequado convívio social”.

Isso tudo traz grandes benefícios para as atividades de criação. Novas soluções em tecnologia e automatização possibilitam colocar mais animais na granja, melhorar os índices de conversão alimentar, apurar com mais precisão o ganho de peso, a idade do abate, entre outros. Garantindo assim melhor eficiência e mais rendimento na produção.

Elementos primordiais

Existem elementos primordiais para o bom funcionamento da granja, pois com a modernização e a climatização, esta torna-se um ambiente mais suscetível ao acúmulo de gases dentro de suas instalações. Muitas vezes, de maneira equivocada, o produtor acredita ser possível fazer o manejo da forma tradicional, ou seja, “como sempre foi feito” até então, herança do tempo em que as granjas eram totalmente abertas. Os manejos de cortinas eram feitos manualmente, a renovação do ar acontecia nos momentos em que era fornecida a ração aos animais, hora em que também era feita a limpeza e o processo de movimentação de cama, no caso dos avíários. Atualmente, estes processos tornaram-se obsoletos.

Na produção de suínos, a qualidade do ar é um risco de atenção constante e está diretamente relacionada ao metabolismo dos animais. Estes liberam calor, umidade e dióxido de carbono, provenientes de sua respiração, gases oriundos da sua digestão e poeira, além de outros gases provenientes de dejetos. Desta forma, a exposição constante a altos níveis de concentração de substâncias tóxicas pode reduzir consideravelmente o desempenho zootécnico dos animais.

Uma solução indispensável para amenizar este fator de risco é ter um sistema de ventilação e troca de ar que mantém a concentração de partículas suspensas em níveis adequados para não prejudicar os animais.

Pesquisadores destacam que os gases mais presentes nas instalações para suínos são amônia, sulfeto de hidrogênio (ou ácido sulfídrico) e dióxido de carbono. No inverno, quando a ventilação é reduzida para manter o calor, a concentração desses gases aumenta dentro das instalações.

Riscos e oportunidades para avicultura

Na produção de aves, a atenção aos riscos com gases nocivos, principalmente, o dióxido de carbono (CO2) também deve ser contínua. Seus níveis devem ser monitorados com frequência, pois muitos são inodoros e incolores, dificultando a sua percepção no ambiente. A desatenção por parte do produtor para a renovação do ar pode elevar os índices de concentração desses gases rapidamente dentro das instalações. Lotes de animais sem uniformidade e de baixo rendimento são consequências de um processo de monitoramento ineficiente.

Estudos realizados em campo comprovam que a alta concentração de CO2 é prejudicial ao desempenho dos animais. Com a saúde debilitada, estes não conseguem expressar seu máximo potencial de desenvolvimento, o que resulta em carne de má qualidade e até mesmo no aumento do índice de mortalidade.

Diante disto, é evidente que o controle adequado do nível de CO2 nos galpões auxilia no melhor desenvolvimento dos animais e consequentemente, torna a produção mais eficiente e mais rentável.
Executar práticas de manejo conforme as orientações sugeridas pelo departamento técnico que atende a granja e, principalmente, estar atento às novas tecnologias ofertadas no mercado para fazer a troca do ar e uniformizar a ventilação dentro dos galpões são medidas que podem ser tomadas para evitar que o CO2 afete e prejudique o desempenho biológico dos animais.

As referências bibliográficas estão com o autor. Contato via: gustavo@inobram.com.br.

Fonte: OP Rural
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três + vinte =

Avicultura

Produtos comerciais a base de parede celular de levedura melhoram desempenho de frangos de corte com baixo desafio sanitário

Para a manutenção dos altos índices de performance, associasse a necessidade de adição de outras substâncias que mantenham o desempenho e a saúde das aves. Produtos prebióticos, a base de parede celular de levedura, mostram-se eficazes para avicultura tanto de corte como de postura.

Publicado em

em

Divulgação
Por Marcio Oro, médico-veterinário, pós-graduado em Ciência Avícola e coordenador técnico regional de Aditivos da Phileo by Lesaffre; e Marcos Aronovich, zootecnista PhD e gerente de Serviços Técnicos Brasil da Phileo by Lesaffre.

A parede celular da levedura Saccharomyces cerevisiae (PCSc) é um prebiótico que tem despertado um grande interesse devido ao seu potencial de utilização em rações animais. Produtos à base de parede celular de levedura têm sido utilizados como aditivos melhoradores do desempenho, proporcionando benefícios aos animais, especialmente em sistemas de produção em que seja necessária a redução dos antimicrobianos. Nestes casos, para a manutenção dos altos índices de performance, associasse a necessidade de adição de outras substâncias que mantenham o desempenho e a saúde das aves. Produtos prebióticos, a base de parede celular de levedura, mostram-se eficazes para avicultura tanto de corte como de postura.

Pesquisa conduzida na Universidade Federal de Lavras em 2020, no Centro de Pesquisa em Tecnologia Avícola (CPTA/Ufla) para avaliação de três produtos comerciais obtiveram resultados diferentes. As principais diferenças com relação a um produto denominado Premium, de fermentação primária, proveniente de uma cepa específica, produzido de forma padronizada e controlada desde o seu início até a sua finalização.

Foram utilizados pintos de corte machos de uma linhagem comercial com 1 dia até os 42 dias de idade, no sistema convencional de cama, com maravalha nova com 8 cm de espessura. O manejo foi seguido conforme as designações específicas da linhagem. A ração foi fornecida na forma farelada em comedouros tubulares, sendo ad libitum ração e água (bebedouros tipo nipple) durante todo o período experimental.

Ao final da fase de criação das aves, os dados foram analisados mediante análise de variância (Anova), utilizando o pacote computacional Sisvar (2016) sendo utilizado o teste de SNK (Student-Newman-Keuls) ao nível de 5% de probabilidade para comparação das médias dos tratamentos experimentais.

Os resultados de consumo de ração, ganho de peso e conversão alimentar, podem ser observados na tabela 1.

Para o ganho de peso foi observado que o tratamento controle negativo, sem inclusão de AMD, proporcionou o menor ganho de peso (P<0,05). A suplementação com a Parede Premium proporcionou maior ganho de peso em relação aos demais tratamentos.

Para a conversão alimentar foi observado que a suplementação da Parede Premium possibilitou melhor índice de conversão comparado aos demais tratamentos.

“A escolha de um produto premium pode levar ao sucesso de seu criatório”

Os resultados de ganho médio diário (GMD, g), viabilidade criatória (VC, %) e índice de eficiência produtiva (IEP), podem ser observados na tabela 2.

Houve efeito (P<0,05) sobre o GMD e VC dos frangos de corte. Para o GMD foi observado que o tratamento controle negativo, sem inclusão de AMD, proporcionou o menor ganho de peso dos frangos de corte. A suplementação com a Parede Premium a dieta proporcionou um melhor GMD.Para a VC foi observado que o tratamento controle negativo proporcionou o menor valor (P<0,05), sendo o maior encontrado com a suplementação da Parede Premium a dieta dos animais (P>0,05).

Com relação aos valores de IEP, os maiores valores foram observados para a suplementação com a Parede Premium.

Conclusões

Os aditivos melhoradores de desempenho devem ser suplementados às dietas para frangos de corte, pois as aves analisadas sem a adição de equilibradores da microbiota intestinal apresentaram resultados insatisfatórios de desempenho, como ganho de peso, viabilidade criatória, índice de eficiência produtiva e conversão alimentar.

A suplementação com Parede Celular de Levedura Premium, mesmo em condições de baixo desafio sanitário, demonstrou-se eficaz em promover melhores índices zootécnicos em comparação aos demais produtos analisados.

Fonte: Phileo by Lesaffre
Continue Lendo

Avicultura

Biosseguridade como ferramenta no controle das infecções por Campylobacter

Consumo de carne de frango é apontado como uma das principais fontes de contaminação por Campylobacter spp. em humanos, assim sendo, o controle deste patógeno deve estar entre as principais preocupações dos que constituem a cadeia produtiva desta proteína.

Publicado em

em

Divulgação/Lanxess
Por Gustavo Camacho Paschoalin, zootecnista da Msc. Produção Animal Sustentável e assistente técnico em Desinfecção da Lanxess

A campilobacteriose é a principal causa de gastroenterites de origem alimentar

Gustavo Camacho Paschoalin, zootecnista da Msc. Produção Animal Sustentável e assistente técnico em Desinfecção da Lanxess.

em humanos, causando quadros de enterites agudas e, em casos mais severos, resultando em sequelas graves como Síndrome de Guillain-Barré, artrite reativa, Síndrome de Miller-Fisher e morte. Estima-se que anualmente 37.600 mortes são causadas mundialmente por infecções por Campylobacter spp. Estudos apontaram que na Europa os custos anuais relacionados ao tratamento da campilobacteriose e das sequelas por ela gerada estão estimados em 2,4 bilhões de Euros, ao passo que nos Estados Unidos, este custo é estimado em 2,9 bilhões de Dólares.

O consumo de carne de frango é apontado como uma das principais fontes de contaminação por Campylobacter spp. em humanos, assim sendo, o controle deste patógeno deve estar entre as principais preocupações dos que constituem a cadeia produtiva desta proteína.

Sabe-se que existe uma correlação entre a contaminação das aves durante o período produtivo e das carcaças após o processamento, no entanto, é fundamental entendermos o fato de que nenhuma planta de processamento pode evitar a contaminação quando lhe são entregues aves contaminadas, dessa forma, as ações de prevenção de contaminação dos lotes dentro da granja são fundamentais no controle das infecções por Campylobacter spp. e, conforme demonstrado em vários estudos, práticas de biosseguridade estão entre as mais efetivas ferramentas de controle, principalmente devido ao fato de que a principal forma de propagação é a contaminação horizontal.

Oportunidades de controle de contaminação por Campylobacter spp.

A limpeza e desinfecção exerce importante papel no controle de Campylobacter spp.. Sempre que possível deve-se contemplar o processo completo de limpeza e desinfecção do aviário incluindo a limpeza seca, limpeza úmida com a utilização de detergente apropriado, visando maior remoção de matéria orgânica e desinfecção do ambiente e dos equipamentos.

Nessa questão, a escolha do desinfetante é fundamental para o êxito no processo. Deve-se optar por desinfetantes com formulação estável, principalmente frente a desafios de campo como água dura e presença de matéria orgânica, que sejam seguros aos aplicadores, biodegradáveis e que apresentem eficácia não somente contra o patógeno em questão, mas também contra os principais patógenos que acometem as aves, já que o estado imune destes animais tem papel fundamental na propagação de Campylobacter spp.

A higiene dos trabalhadores é apontada como uma das principais ferramentas no controle da propagação de Campylobacter spp. Granjeiros e outros funcionários adentram os aviários cerca de 150 vezes durante o período produtivo do lote, assim sendo, constituem um risco significante de introdução e propagação da Campylobacter spp. Estudos indicam que práticas como banho, lavagem das mãos, troca de calçados e utilização de pedilúvios resultaram em redução significativa (>50%) nas contaminações por Campylobacter. Pesquisas indicaram que uma das principais formas de introdução do patógeno nos aviários são as botas dos trabalhadores, assim sendo a utilização de pedilúvios é fundamental. Deve-se atentar à remoção da matéria orgânica das botas com a utilização de escovas ou lava-botas antes de mergulhá-las nos pedilúvios e a solução desinfetante deve ser trocada diariamente ou sempre que houver acúmulo de matéria orgânica. O desinfetante utilizado deve possuir indicação para este tipo de utilização e ser estável mesmo na presença de matéria orgânica. É importante que o descarte proveniente da troca das soluções seja realizado de forma responsável.

O controle de pragas também é essencial nas estratégias de controle de Campylobacter spp. Várias pesquisas apontam que moscas, principalmente a Musca domestica e cascudinhos (Alphitobus diaperinus) podem atuar como reservatórios e vetores de Campylobacter. Assim sendo, estratégias de controle integrado como tratamento adequado de cama, uso de telas e utilização de inseticidas eficazes, seguros e devidamente registrados no Mapa são indispensáveis. Roedores também podem carrear Campylobacter em seu trato intestinal e excretá-lo pelas fezes, aumentando o risco de introdução do patógeno, assim sendo, como demonstram alguns estudos, um controle efetivo de roedores pode reduzir significativamente os índices de contaminação.

Veículos de transporte de ração e de aves também podem introduzir ou propagar o patógeno, dessa forma, é essencial que sejam adotadas práticas de higienização e desinfecção efetivas, atentando à pneus, para-lamas e partes inferiores do veículo. As gaiolas de transporte também devem ser devidamente higienizadas e desinfetadas, já que a Campylobacter pode sobreviver por longos períodos nas fezes secas, gerando risco de as aves serem contaminadas durante o transporte para o abatedouro.

O tratamento de água também é crucial na prevenção da introdução e propagação de Campylobacter spp. Estudos indicam que a utilização de ácidos orgânicos via água de bebida pode ser uma medida estratégica para reduzir a contaminação horizontal entre as aves. Seu uso no pré-abate também pode reduzir a contaminação das carcaças no frigorífico. A limpeza e desinfecção das linhas de água também é essencial para garantir a qualidade e a higiene da água fornecida às aves, evitando a propagação do patógeno. Em estudo desenvolvido na Noruega a utilização de desinfetantes via água de bebida se mostrou como a medida preventiva que mais impactou na prevalência de

Campylobacter nos lotes estudados. Porém, é importante ter em mente que para que se faça este tipo de utilização, o desinfetante tenha indicação de rótulo específica para este tipo de uso.

Conforme exposto, as medidas de biosseguridade exercem significativa influência no controle de O consumo de carne de frango é apontado como uma das principais fontes de contaminação por Campylobacter spp. em humanos, assim sendo, o controle deste patógeno deve estar entre as principais preocupações dos que constituem a cadeia produtiva desta proteína e, associadas a outras estratégias de controle integrado, podem garantir máxima segurança alimentar aos mercados consumidores.

As referências bibliográficas estão com o autor. Contato via: giovanna.souza@lanxess.com.

Fonte: Lanxess
Continue Lendo

Avicultura Melhor aproveitamento dos nutrientes

Lisofosfolipídeos: eficiência de bioemulsificantes em poedeiras

Dentre as estratégias, os bioemulsificantes compostos por lisofosfolipídeos têm lugar de destaque no que tange o melhor aproveitamento dos nutrientes da dieta baseado no melhor custo-benefício.

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural
Por: Marco Monteiro de Lima, zootecnista e assistente técnico da Biogenic.

O custo das matérias-primas tem impactado no aumento do custo das rações de poedeiras, sendo que o potencial de aproveitamento dos nutrientes das rações pode ser melhor explorado com o uso de estratégias capazes de otimizar a digestibilidade e a absorção destes nutrientes, garantindo, assim, a redução do custo final das formulações e/ou otimização do potencial produtivo das aves.

Marco Monteiro de Lima, zootecnista e assistente técnico da Biogenic. – Foto: Divulgalção/Biogenic

Dentre as estratégias, os bioemulsificantes compostos por lisofosfolipídeos têm lugar de destaque no que tange o melhor aproveitamento dos nutrientes da dieta baseado no melhor custo-benefício.

Os lisofosfolipídeos são fosfolipídeos que sofreram o processo de hidrólise enzimática (fosfolipase A2), conferindo-lhes propriedade hidrofílicas aumentadas (HLB – Hydrophilic-Lipophilic Balance), ou seja, redução mais eficiente da tensão superficial entre a gordura e a água, estimulando a formação de micelas menores e a absorção de gordura. Considerando que, apenas uma quantidade limitada de gordura encontra-se no lúmen intestinal, um bioemulsificante com HLB mais elevado é mais eficiente para maior aproveitamento da gordura na digesta.

Além do seu papel de emulsificação (Figura 1), aumento da superfície ativa (redução de gotículas e formação de micelas) para atuação da lipase e digestão das gorduras, os lisofosfolipídeos funcionais (Lisofosfatidilcolina, Lisofosfatidiletanolamina, Lisofosfatilinositol e Ácido lisofostídico) têm alta capacidade de modular a membrana celular (Figura 2), acelerando a absorção, o que resultará na melhoria no desempenho.            

Figura 1: Efeito do lisofosfolipídeos na emulsificação

Figura 2: Efeito do lisofosfolipídeos na modulação da fluidez da membrana celular

Respostas na melhoria do desempenho são demonstradas pesquisas ao utilizarem diferentes níveis de lisofosfolipídeos em rações de poedeiras com diminuição energética de 75 kcal EM/kg (Gráfico 1).

Gráfico 1. Desempenho de poedeiras alimentados com diferentes níveis de lisofosfolipídeos em dietas com redução energética.

Respostas na melhoria da qualidade dos ovos também foram observadas por pesquisadores ao suplementarem as aves com lisofosfolipídeos em dietas com redução energética de 100 kcal/kg (Gráfico 2).

Gráfico 2. Qualidade de ovos de poedeiras alimentados com diferentes níveis de lisofosfolipídeos em dietas com redução energética.

Com eficácia cientificamente comprovada, o uso de bioemulsificantes a base de lisofosfolipídeos é capaz de promover o melhor aproveitamento dos lipídios presentes na ração, melhorando a produção e a qualidade de ovos de poedeiras, constituindo uma estratégia eficaz na redução dos custos com a alimentação.

As referências bibliográficas estão com o autor. Contato via: marco@biogenic.com.br.

Fonte: Biogenic
Continue Lendo
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.