Conectado com

Notícias

VIII CLANA anuncia programação

Evento vai reunir principais especialistas em nutrição animal de vários países para debater as principais tendências e pesquisas e qualidade e regulatórios

Publicado em

em

As mais recentes pesquisas e tendências da nutrição animal serão debatidas pelos principais especialistas de vários países durante o VIII Congresso Latino-Americano de Nutrição Animal (CLANA), que vai acontecer de 16 a 18 de outubro, em Campinas, no interior de São Paulo. Para estimular a vinda dos profissionais da América Latina o Congresso terá tradução para o espanhol de todas as palestras apresentadas em português. As palestras apresentadas em inglês serão traduzidas para o português.

Nutrição animal para a máxima longevidade e produtividade, para a produção 4.0, para o bem-estar animal, para fortalecer o sistema imunológico dos animais e para minimizar o impacto ambiental da produção serão alguns dos temas em destaque durante o encontro, realizado pelo Colégio Brasileiro de Nutrição Animal (CBNA).

Com o tema "Nutrição Animal e Produção Sustentável de Alimentos", o evento vai debater nutrição animal e qualidade dos alimentos de aves poedeiras, frangos de corte, suínos, vacas leiteiras e gado de corte, explicou o presidente do CBNA, Godofredo Miltenburg.

A expectativa é de reunir mais de 700 participantes nesta edição, entre médicos veterinários, zootecnistas, produtores, profissionais da agroindústria, pesquisadores, empresários e representantes das principais empresas do setor. Outras informações sobre o VIII CLANA estão disponíveis no site do evento, através dos e-mails cbna@cbna.com.br ou cbna@lexxa.com.br ou pelo telefone (19) 3232-7518.

Programação

A secretaria do evento começa a atender os participantes a partir das 8h30 do dia 16 de outubro para a realização de inscrições e entrega de material aos inscritos. A partir das 9h30 haverá um café de boas-vindas e às 10h o Chefe Adjunto de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa Pecuária Sudeste, Alexandre Berndt, abre o programa científico do encontro com uma apresentação sobre "Produção sustentável de alimentos".

Na sequência, começa o Painel Saúde Intestinal e Imunidade com um debate sobre "Nutrição e produção sustentável de alimentos", que será encabeçado pelo mestre e doutor em Nutrição Animal pela Georg-August University, na Alemanha e pós-doutorado na Universidade de Alberta, no Canadá, John Htoo.

Às 12h, o PhD em Nutrição Animal pela Universität Hohenheim, na Alemanha, Stefan Jakob, vai debater "Saúde intestinal, nutrição e imunidade". A partir das 14h30 as salas serão divididas em quatro: Aves, Suínos, Bovinos e Garantia da Qualidade. Nas salas de aves e suínos, a programação segue com um Painel de Saúde Intestinal e Imunidade.

Dia 16 de outubro

Na sala de Aves: O professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Sérgio Vieira, abre a programação, a partir das 14h30, com um debate sobre "Alterações de formulações das dietas para frangos de corte que impactam a saúde intestinal". Na sequência, o professor da faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos da USP – Campus de Pirassununga (FZEA/USP), Lúcio Araújo, vai discutir "Imunonutrição em aves". E a partir das 17h haverá Espaço Promocional, com palestras simultâneas realizadas nestas quatro salas, pelas empresas Adisseo, APC, Evonik e Trouw Nutrition.

Na sala de Suínos: A programação científica começa às 14h30 com um debate sobre "O estresse da desmama e a permeabilidade intestinal", encabeçado pelo pesquisador da Iowa State University, nos Estados Unidos, Joy Campbell. Em seguida, o professor da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Geraldo Alberton, vai discutir "Nutrição e imunidade: saúde intestinal em suínos".

Na sala de Bovinos: Uma apresentação sobre "Manejo alimentar de vacas leiteiras em sistemas de produção com ordenha robotizada" vai abrir o programa desta sala, às 14h30, realizada pelo nutricionista de bovinos leiteiros com doutorado em Ciência Animal e Pós-Doutorado em Nutrição de Ruminantes pela Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" (Esalq/USP), Alexandre Pedroso. A partir das 15h30, o debate segue sobre "Nutrição de vacas leiteiras para máxima longevidade e produtividade", encabeçado pela pesquisadora da Universidade Federal de Lavras (UFLA), Marina Danes.

Na sala Garantia da Qualidade e Regulatório: Especialista em nutrição animal, Ricardo Utishiro, vai abrir a programação desta sala, às 14h30, com a palestra "Evolução da nutrição animal: da bancada para a produção animal 4.0”. Em seguida. O especialista em NIR, Robson Patto, vai apresentar o tema “Desvendando a tecnologia NIR e suas aplicações em Nutrição Animal”.

Dia 17 de outubro

A programação desta quarta-feira começa às 8h com visitação aos trabalhos científicos. Nas salas de aves e suínos haverá um Painel Nutrição 4.0 a partir das 9h.

Na sala de Aves: O pesquisador da Purdue University, nos Estados Unidos, Layi Adeola, abre o programa científico às 9h com um debate sobre "Fósforo e cálcio digestível em aves". Logo depois, o pesquisador da Universidade Federal de Goiás (UFG), Regis Kamimura, vai abordar "Novas proteínas: insetos". E, na sequência, o nutricionista Vitor Hugo Brandalize vai destacar a "Influência da nutrição animal na qualidade da carne". No período da tarde, a programação volta às 14h, com uma discussão sobre "Suplementação de vitaminas na avicultura: o que a indústria está fazendo?", realizada pelo doutor em nutrição animal Michael B. Coelho.

A partir das 15h, a programação será aberta para a apresentação de trabalhos científicos. Às 16h30, o médico veterinário pela Universidad de Zaragoza, na Espanha, Xabier Arbe, vai ministrar a palestra "Como preparar nutricionalmente a poedeira para chegar a 100 semanas de idade em produção".

A partir das 17h30 as quatro salas terão palestras simultâneas do Espaço Promocional realizado pelas empresas: Adisseo, Basf, DuPont e Evonik.

Na sala de Suínos: O pesquisador da Embrapa Suínos e Aves, Gustavo Lima, vai abrir a programação às 9h com um debate sobre "Imunocastração e ractopamina". Em seguida, as discussões seguem com o tema "Suplementação de vitaminas na suinocultura: o que a indústria está fazendo?", com o doutor em nutrição animal, Michael B. Coelho. Logo depois, o pesquisador da Purdue University, Layi Adeola, vai falar sobre "Fósforo e cálcio digestível em suínos". A partir das 14h, o tema "Novas proteínas: insetos" será abordado pelo pesquisador da Universidade Federal de Uberlândia, Regis Kamimura.

A programação do encontro será aberta, a partir das 15h, para a apresentação de trabalhos científicos. A partir das 16h30, o pesquisador da Aarhus University, na Dinamarca, Bach Knudsen, vai destacar "Uso de fibra na nutrição de suínos".

Na sala de Bovinos: O programa técnico será aberto às 9h com um debate sobre "Aminoácidos para vacas leiteiras no período de transição: benefícios para a saúde e desempenho", encabeçado pelo pesquisador Antonio Estefan Garcia. Logo depois, o especialista em ciência animal pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), em Portugal, Leonel Leal, vai destacar "LifeStart: influência da nutrição na fase jovem e o impacto no desempenho de vacas leiteiras". Em seguida, o professor da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Rodrigo de Almeida, apresentará "Nutrição de precisão em gado de leite". A partir das 14h, o especialista com pós-doutorado em Ciência da Carne pela Iowa State University, nos estados Unidos, Pedro Veiga, vai debater "Nutrição de precisão em gado de corte".

A partir das 15h haverá apresentação de trabalhos científicos. E a partir das 16h30, o pesquisador da Embrapa Pecuária Sudeste, Alexandre Berndt, ministrará a palestra "Emissão de metano: uma revisão".

Na sala Garantia da Qualidade e Regulatório: O especialista em nutrição animal, Felipe Corrêa Soares, abre o programa científico a partir das 9h, com um debate sobre "NIR in line". Em seguida, o pesquisador da Embrapa Pecuária Sudeste, Gilberto de Souza, vai abordar "Ferramentas estatísticas de aplicação no laboratório: por que os laboratórios erram?". Logo depois, o pesquisador da Embrapa Pecuária Sudeste, Gilberto de Souza, vai discutir "Análises bromatológicas de produtos de origem vegetal e animal: quais os métodos, como interpretar e utilizar resultados, vantagens e desvantagens de métodos e análises e interferências nos resultados". A partir das 14h, o tema "Variação analítica" será debatido pela Oneida Vieira, química pela UNAERP, e pela farmacêutica especialista em controle de qualidade Valéria Rodrigues. Às 15h, a programação segue com a coordenadora da unidade de Alimentos do Serviço Agrícola e Pecuário (SAG) do Chile, Mônica Contreras, com uma apresentação sobre o "Cenário regulatório para importação e exportação: visão Chile". A coordenadora de Fiscalização de Produtos para Alimentação Animal do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Fernanda Tucci, encerra a programação desta quarta-feira com a palestra "Cenário regulatório para importação e exportação – visão Mapa".

Dia 18 de outubro

O programa técnico começa às 9h, com um Painel Nutrição e Bem-estar nas salas de Aves e Suínos.

Na sala de Aves: O zootecnista e gerente de nutrição do Grupo Mantiqueira, André Carreira Carlos, abre a programação do último dia desta sala com um debate sobre "Nutrição para frangas de postura Cage Free". Em seguida, o médico veterinário pela Universidad Nacional Autónoma de México com doutorado pela University of Guelph, no Canadá, Ricardo Esquerra, vai destacar "Stress calórico e aminoácidos para aves". Logo depois, o médico veterinário pela Universidad de Zaragoza, na Espanha, e especialista em nutrição animal, Xabier Arbe, vai discutir "Fibra na nutrição de aves".

Na sala de Suínos: O consultor do OPP Group, na Espanha, Carlos Martinez, abre os debates, às 9h, com o tema "Nutrição de fêmeas em baias coletivas". Na sequência, o pesquisador da Unesp – Campus de Jaboticabal, Luciano Hauschild, vai abordar "Stress calórico e aminoácidos para suínos". Logo depois, o professor da University of Minnesota, nos Estados Unidos, Jerry Shurson, vai ministrar a palestra "Uso de DDGS na alimentação de suínos".

Na sala de Bovinos: O professor da Universidade de Buenos Aires, na Argentina, Darío Colombatto, vai abrir a programação com um debate sobre o "Uso de modificadores da função ruminal". Em seguida, o professor da Unesp – Campus de Jaboticabal, Ricardo de Andrade Reis, vai discutir "Como a pecuária pode contribuir com a redução no desmatamento e mitigação de gases do efeito estufa". O programa técnico será encerrado pelo professor da Faculdade de Engenharia de Alimentos da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), Pedro Eduardo de Felício, com a palestra "Qualidade da carcaça e da carne bovina no Brasil".

A partir das 12h30 haverá entrega de Prêmios de Trabalhos Científicos e Encerramento.

Fonte: Assessoria

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 × 1 =

Notícias Mercado

Oferta ajustada de suínos garante nova alta de preços no Brasil

Mercado brasileiro de suína registrou mais uma semana de elevação nos preços

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O mercado brasileiro de suína registrou mais uma semana de elevação nos preços. Segundo o analista de SAFRAS & Mercado, Allan Maia, a oferta de animais continua ajustada frente à demanda dos frigoríficos, fator que leva os granjeiros a buscarem correções nos preços do suíno vivo.

Ele afirma, contudo, que o ambiente de negócios está acirrado. “As indústrias tentam barrar movimentos agressivos nos preços, avaliando que grandes repasses para a carne podem dificultar o escoamento no mercado doméstico no decorrer da segunda quinzena, período onde tipicamente as famílias estão menos capitalizadas”, comenta.

O alto custo de produção, devido ao preço do farelo de soja e do milho, também leva os produtores a pleitearem por altas. “Há um forte ritmo de exportações de carne suína, por conta dos volumes de compras dos chineses, o que ajuda a manter a disponibilidade enxuta. Além disso, os animais continuam leves em vários estados, o que também contribui para ajustes da oferta da carne”, pontua.

Levantamento de SAFRAS & Mercado apontou que a média de preços do quilo do suíno vivo na região Centro-Sul do Brasil avançou 0,71% ao longo da semana, de R$ 6,66 para R$ 6,71. A média de preços pagos pelos cortes de pernil no atacado passou de R$ 11,87 para R$ 12,01, aumento de 1,20%. A carcaça registrou um valor médio de R$ 11,10, ante os R$ 10,96 praticados na última semana, com valorização de 1,25%.

As exportações de carne suína fresca, refrigerada ou congelada do Brasil renderam US$ 76,422 milhões em setembro (8 dias úteis), com média diária de US$ 9,552 milhões. A quantidade total exportada pelo país no período chegou a 32,985 mil toneladas, com média diária de 4,123 mil toneladas. O preço médio ficou em US$ 2.316,80.

Na comparação com setembro de 2019, houve avanço de 54,35% no valor médio diário exportado, ganho de 54,61% na quantidade média diária e queda de 0,17% no preço. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

A análise semanal de preços de SAFRAS & Mercado apontou que a arroba suína em São Paulo seguiu em R$ 152,00. Na integração do Rio Grande do Sul o quilo vivo passou de R$ 4,55 para R$ 4,60. No interior do estado a cotação aumentou de R$ 7,15 para R$ 7,20.

Em Santa Catarina o preço do quilo na integração permaneceu em R$ 4,70. No interior catarinense, a cotação avançou de R$ 7,60 para R$ 7,65. No Paraná o quilo vivo aumentou de R$ 7,35 para R$ 7,50 no mercado livre, enquanto na integração o quilo vivo passou de R$ 4,80 para R$ 4,90.

No Mato Grosso do Sul a cotação na integração se manteve em R$ 4,80, enquanto em Campo Grande o preço seguiu em R$ 6,60. Em Goiânia, o preço seguiu em R$ 7,80. No interior de Minas Gerais o quilo do suíno se manteve em R$ 8,30. No mercado independente mineiro, o preço prosseguiu em R$ 8,20. Em Mato Grosso, o preço do quilo vivo na integração do estado continuou em R$ 4,70. Já em Rondonópolis a cotação seguiu em R$ 6,60.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo

Notícias Safra de inverno

Incerteza na Argentina sustenta preços do trigo no Brasil

Até o momento, os preços são sustentados acima do esperado, mesmo com o gradual ingresso de safra

Publicado em

em

Divulgação/AENPr

Os preços do trigo tanto no Brasil como na Argentina devem sentir os reflexos do deficit hídrico enfrentado pelas lavouras do país vizinho. Até o momento, os preços são sustentados acima do esperado, mesmo com o gradual ingresso de safra. Já houve um reajuste na projeção da safra argentina e, segundo o analista de SAFRAS & Mercado, Jonathan Pinheiro, “caso as perdas sigam se intensificando, a possibilidade de inversão do viés não é descartada”.

Paraná

O Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento do Paraná, informou, em seu relatório semanal, que a colheita da safra 2020 de trigo no Paraná atinge 23% da área cultivada de 1,113 milhão de hectares. Ela deve crescer 8% frente aos 1,028 milhão de hectares plantados em 2019.

Conforme o Deral, as lavouras seguem piorando de qualidade. Nesse momento, 62% das lavouras de trigo do estado estão em boas condições, 28% em situação média e 10% em condições ruins. As lavouras se dividem entre as fases de crescimento vegetativo (5%), floração (11%), frutificação (24%) e maturação (60%).

A produção de trigo deve atingir 3,474 milhões de toneladas, 62% acima das 2,140 milhões de toneladas colhidas na temporada 2019. A produtividade média é estimada em 3.122 quilos por hectare, acima dos 2.205 quilos por hectare registrados na temporada 2019.

Rio Grande do Sul

A semana se caracterizou por nebulosidade e pancadas de chuva no Rio Grande do Sul, alternando com dias ensolarados e temperaturas de amenas a elevadas durante a tarde. As condições do tempo beneficiaram o desenvolvimento do trigo, principalmente pela presença de adequada umidade no solo, que permitiu a absorção dos nutrientes.

Até o momento, 3% das lavouras estão em maturação, 43% em enchimento de grãos, 36% em floração e 18% em desenvolvimento vegetativo. Na semana passada, os percentuais ficavam em 2, 27, 42 e 29, respectivamente. O desenvolvimento está em linha com a média dos últimos cinco anos.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo

Notícias Mercado Interno

Mercado de milho tem cotações pouco alteradas na semana

No balanço da semana, o preço do milho na base de compra no Porto de Santos subiu de R$ 58,50 para R$ 60,00 a saca

Publicado em

em

Divulgação

Após períodos de altas e depois períodos em que o mercado recuou, esta última semana foi de poucas alterações no mercado brasileiro de milho. Em uma ou outra praça houve uma mudança mais significativa, mas em linhas gerais ocorreu acomodação nas cotações.

Segundo o consultor de SAFRAS & Mercado, Paulo Molinari, o mercado esteve um pouco confuso na semana, com preços variando muito em cada negócio realizado e com dispersão entre compradores e vendedores. Assim, o comportamento foi heterogêneo, variando de região para região, mas sem grandes oscilações.

No balanço da semana, o preço do milho na base de compra no Porto de Santos subiu de R$ 58,50 para R$ 60,00 a saca.

Já no mercado disponível, o preço do milho em Campinas/CIF caiu na base de venda na semana de R$ 61,00 para R$ 60,00 a saca de 60 quilos. Na região Mogiana paulista, o cereal passou de R$ 60,00 para R$ 59,00 a saca no comparativo.

Em Cascavel, no Paraná, no comparativo semanal, o preço se manteve em  R$ 56,00 a saca na base de venda. Em Rondonópolis, Mato Grosso, a cotação se manteve em R$ 52,00 a saca.  Já em Erechim, Rio Grande do Sul, houve avanço de R$ 62,00 para R$ 64,00.

Em Uberlândia, Minas Gerais, as cotações do milho recuaram na semana de R$ 57,00 para R$ 56,00 a saca. Em Rio Verde, Goiás, o mercado ficou estável em R$ 54,00 a saca.

Exportações

As exportações de milho não moído, exceto milho doce, do Brasil apresentaram receita de US$ 511,110 milhões em setembro (8 dias úteis), com média diária de US$ 63,888 milhões. A quantidade total de milho exportada pelo país ficou em 3,074 milhão de toneladas, com média de 384,260 mil toneladas. O preço médio por tonelada ficou em US$ 166,30.

Na comparação com a média diária de setembro de 2019, houve alta de 25,98% no valor médio diário exportado, avanço de 25,26% na quantidade média diária de volume e ganho de 0,58% no preço médio Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo
ALLFLEX – Novo Site

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.