Conectado com

Pet Vigiagro

Viagens internacionais com pets exigem certificado veterinário emitido pelo Mapa

A emissão do documento pode ser feita de forma eletrônica para o trânsito internacional de cães e gatos com destino a 11 países.

Publicado em

em

iStock/Mapa

Quem pretende viajar para fora do país com seu animal de estimação precisa obter o Certificado Veterinário Internacional (CVI), emitido gratuitamente pelo Sistema de Vigilância Agropecuária Internacional (Vigiagro), do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). O documento atesta as condições e o histórico de saúde do animal de estimação e comprova que o cão ou gato atende às exigências sanitárias do país de destino.

Os donos de animais devem planejar a viagem com antecedência, a fim de conhecer as exigências do país de destino. Cada país tem seus procedimentos para autorizar a entrada de animais domésticos: alguns aceitam o CVI ou o passaporte para a entrada do animal, outros países só permitem a entrada de cães e gatos exclusivamente por meio do CVI.

O passaporte pode ser usado durante toda a vida do animal, desde que seja acompanhado de comprovante de vacinação atualizado, e não tem prazo de validade. Já o CVI deve ser emitido antes de cada viagem. Atualmente, a emissão do passaporte está suspensa, devido à pandemia de Covid-19.

O Ministério da Agricultura já disponibiliza a emissão do CVI para trânsito internacional de cães e gatos para 11 países de forma eletrônica: Argentina, Bolívia, Canadá, Chile, Colômbia, Estados Unidos, Japão, México, Paraguai, Uruguai e Venezuela. Nesses casos, é possível solicitar o Certificado por meio do Portal GOV.br

Para os demais países com o CVI presencial, o passageiro deve contatar uma unidade do Vigiagro com, no mínimo, 30 dias de antecedência.

Estados Unidos 

Desde o dia 1º de dezembro, o Center for Disease Control and Prevention (CDC), órgão de controle e prevenção de doenças dos Estados Unidos, alterou as regras de entrada de cães no país. Os animais que chegam de países classificados como de alto risco para raiva, que inclui o Brasil, só poderão ingressar nos Estados Unidos por um dos 18 pontos de entrada aprovados. A decisão inclui cães que estiveram em países com alto risco nos últimos seis meses.

A exigência de documentos aumentou. Antes, era exigido apenas o comprovante de vacina de raiva, agora é preciso apresentar um comprovante de microchip e o laudo de sorologia da raiva, se a vacina atual tiver sido aplicada fora dos Estados Unidos. A idade mínima para o ingresso de cães passou de 4 meses para 6 meses de idade.

Segundo o CDC, as medidas são necessárias para proteger a saúde pública contra a reintrodução da variante do vírus da raiva canina nos Estados Unidos.

Fonte: Mapa
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 × cinco =

Pet Doença é mais comum no verão

Saiba como cuidar da Otite em pets

Férias e passeios com piscina, banhos frequentes e até parasitas podem ocasionar a inflamação no ouvido dos cães, relata veterinária, que explica como prevenir e tratar.

Publicado em

em

Divulgação/Pexels

O mês de janeiro é sempre agitado, seja pelas férias ou pela maior frequência de passeios ao ar livre. Por esse motivo, é um período que demanda maior atenção aos problemas nos ouvidos dos pets, já que banhos e contato com a água de piscina e praia, além do contato com parasitas, são mais frequentes e podem ocasionar otite, inflamação no ouvido semelhante a humana e que causa dor e estresse no animal.

Segundo dados do Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária, essas infecções representam de 8 a 15% dos casos atendidos nas clínicas veterinárias no Brasil e a externa crônica (OEC) corresponde a até 76,7% dos casos de otopatias em cães e 50% em gatos. Por isso, Silvana Badra, médica-veterinária e gerente de produto pet da MSD Saúde Animal, explica como prevenir e tratar a infecção.

O que é?

A otite é uma inflamação no ouvido, mais especificamente uma infecção no canal da orelha, que acomete cães e gatos por diversos motivos, como a inserção de corpos estranhos como grama, pelos, dermatite atópica ou alergia alimentar, calor e umidade, informa Silvana Badra. “Independente da causa, o quadro de otite é sempre marcado por um profundo processo inflamatório e pode ser complicado por fatores perpetuantes, entre os quais destacamos os fungos e as bactérias, o que certamente causa dor, stress e desconforto ao pet”, explica.

De acordo com uma pesquisa norte-americana da Vet Clinics of North America: Small Animal Practice, essa é uma doença bastante comum, que afeta um em cada cinco cães.

Coçar os ouvidos, dor e a presença de secreção são alguns dos sintomas

A otite causa vermelhidão na orelha, desconforto por coceira persistente (muitas vezes o animal chega a chorar enquanto coça a orelha), odor desagradável e até secreção com cores diversas como amarelo e marrom. Esses são os principais sinais que mostram que o pet está com otite. Silvana alerta que, se houver algum sinal de inflamação, o tutor deve levar o animal ao veterinário, para que ele faça uma avaliação e oriente em relação ao tratamento.

Já dizia o ditado: prevenir é melhor que remediar

Para prevenir, a médica-veterinária afirma que é muito importante sempre manter os ouvidos do animal limpos e protegê-los antes de qualquer prática aquática. Após o banho e a realização da atividade, é preciso secar bem as orelhas do pet. E acrescenta que é importante seguir as orientações do veterinário para a limpeza e deve-se evitar o uso de hastes flexíveis para isso, que podem ferir o cão ou gato.

 Tratamento

A inflamação requer muita atenção e cuidado porque, se não tratada, pode avançar e se tornar uma otite crônica mais difícil de curar e ainda deixar sequelas no animal, como o estreitamento do canal auditivo.

“O tutor deverá administrar no pet medicamentos de uso tópico dentro do ouvido do pet, que serão prescritos pelo veterinário e receberá deste, as orientações para a aplicação correta. Esses produtos devem sempre ser utilizados sob a orientação do médico-veterinário”, finaliza Silvana.

Vale lembrar que um pet saudável é fundamental para uma família saudável! Quando cuidamos do animalzinho também estamos protegendo toda a família.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Pet Cuidados com os animais

Especialista tira dúvidas sobre tosa ideal, protetor solar e quantidade de água recomendada para os pets no verão

Muitas famílias que possuem pets os levam juntos para curtir as praias e outros destinos bastante populares durante esse período como sítios e pousadas, porém, são necessários certos cuidados com os mascotes para evitar acidentes ou mesmo lesões

Publicado em

em

Divulgação/Botupharma

Janeiro é conhecido por ser o período em que as pessoas costumam viajar para aproveitar as férias de verão. Muitas famílias que possuem pets os levam juntos para curtir as praias e outros destinos bastante populares durante esse período como sítios e pousadas. Porém, é necessário ter certos cuidados com os mascotes para evitar acidentes ou mesmo lesões. “Assim como nós temos de ficar atentos e tomar algumas precauções durante o verão, os animais também necessitam de alguns cuidados”, explica a médica-veterinária da Botupharma, Bruna Fabro.

O primeiro tópico que surge em mente quando falamos sobre a estação mais quente do ano é a hidratação. Assim como os humanos, os pets também precisam ingerir uma quantidade significativa de água durante o verão. E quem pensa que colocar um pote com água em um local específico é o suficiente para mantê-los hidratados está enganado.

“O ideal é espalhar diversos potes com água pela casa, para facilitar o consumo e incentivá-los a tomar água com maior frequência para se manterem hidratados durante os dias quentes”, explica Bruna. Trocar a água, no mínimo, uma vez por dia e adicionar cubos de gelo no pote deixa a água mais fresca para eles.

Já a quantidade de água recomendada por dia pode variar de acordo com a espécie, idade e peso do animal. “Cães saudáveis devem beber em média 50 ml de água para cada kg de peso vivo ao longo do dia, o que seria em torno de 500 ml para um cão de 10 kg. Para os gatos, o ideal é ingerir cerca de 100 ml a cada 2,5 kg, diariamente”, ressalta a médica-veterinária.

Existem alguns produtos que são capazes de manter a água fresca durante todo o dia, como os bebedouros. Por mais que seja recomendado ingerir bastante água no verão para se manter hidratado, não é todo tipo de água que os pets podem tomar, como é o caso da água salgada do mar. “Os cuidados na praia incluem evitar a ingestão de água salgada, pois altas quantidades de cloreto de sódio – o sal de cozinha, presente na água do mar, podem causar episódios de diarreia e vômitos e até intoxicações, se ingerida em grande quantidade. No caso de viagens é indicado sempre levar um probiótico para auxiliar a regular a flora intestinal dos pets. Se o seu pet gosta de nadar, não se esqueça de dar um banho com água doce após os mergulhos para evitar que a água salgada resseque a pele e os pelos e cause coceiras ou alergias”, diz Bruna.

Mas não são só esses os únicos cuidados que se devem ter ao levá-los à praia. Apesar dos cães serem ótimos nadadores, o ideal é ficar sempre perto deles quando for entrar na água e usar uma coleira peitoral ou até mesmo um colete próprio para cães a fim de garantir o máximo de segurança. A regra de passar protetor solar também vale para os pets, porém, é preciso usar produtos produzidos especificamente para eles. “É preciso ficar atento também se a areia está muito quente para evitar queimaduras nas patas”, afirma a médica-veterinária.

No caso de cães braquicefálicos como o pug ou buldogue francês, o cuidado precisa ser redobrado, já que eles não conseguem fazer uma termorregulação efetiva, que é a capacidade de controlar a temperatura corporal média independentemente da temperatura ambiental. Se a ideia for passear com o animal no asfalto, é necessário se atentar à temperatura no momento do passeio, de preferência antes das nove da manhã ou após às 18h.

“A perda de calor ou refrigeração do animal acontece durante a respiração, por isso, os braquicefálicos por terem o focinho mais curto, têm maior dificuldade para eliminar o excesso de calor e demandam mais cuidados. Diferente de nós humanos, os cães não transpiram pela pele e perdem o calor principalmente pelos coxins- as almofadinhas das patas e pela língua. O ideal é levar os pets para caminhar em locais com árvores e gramas, para que eles possam fazer paradas e ficarem na sombra, bem como evitar passeios muito longos sem períodos de descanso”, pontua Bruna.

Outra dúvida comum nessa estação do ano é a questão da tosa. Muitos acreditam que durante esse período é importante cortar os pelos do cachorro com frequência para evitar que ele sinta muito calor. Porém, é importante se atentar ao tipo de tosa indicado para a raça ou tipo de pelo do seu pet, já que deixar a pelagem muito baixa na estação mais quente do ano pode trazer alguns riscos.

“A ausência de pelos faz com que a pele fique muito exposta ao sol e isso pode aumentar os riscos de queimaduras na pele, podendo favorecer o desenvolvimento de tumores. O ideal é aparar a pelagem, pois também é um cuidado que promove bem-estar aos pets, mas sempre respeitando as particularidades de cada cão ou raça. Cães como Chow Chow e Husky Siberiano podem aparentar que sofrem por conta da camada densa de pelos, mas eles lhes conferem proteção e a tosa pode causar a alopecia pós-tosa, que é uma falha no crescimento ou até mesmo a ausência do crescimento dos pelos, quando o folículo piloso é lesado”, acrescenta a médica-veterinária.

Vale ressaltar também o cuidado com pets caso precisem aguardar dentro do carro. “Nunca os deixe sozinhos com o vidro fechado e procure estacionar apenas em vagas cobertas e pelo menor tempo possível, para evitar acidentes”, finaliza Bruna.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Pet Formato híbrido

Congresso CBNA Pet acontece em maio simultaneamente à Feira Fenagra

Evento está marcado para os dias 11 e 12 de maio no Centro de Convenções Expo Dom Pedro, em Campinas (SP). 

Publicado em

em

Divulgação/CBNA

O Colégio Brasileiro de Nutrição Animal (CBNA) realiza entre os dias 11 e 12 de maio o 21º Congresso CBNA Pet, no formato híbrido (presencial e virtual). Um dia antes do início do evento, dia 10 de maio, será promovido o 5º Workshop sobre Nutrição e Nutrologia de Cães e Gatos e o 4º Workshop sobre Nutrição em Aquacultura. Os três eventos acontecem simultaneamente à Feira Fenagra, no Centro de Convenções Expo Dom Pedro, em Campinas (SP).

Conforme o coordenador do Congresso CBNA Pet, professor doutor Aulus Cavalieri Carciofi, todos os protocolos sanitários serão seguidos à risca a fim de garantir a segurança de todos os participantes. “Em razão do cenário de pandemia ainda existente, informamos que seguiremos as determinações ditadas pelos órgãos competentes para a realização de eventos presenciais. Se na data agendada para o Congresso Pet e os workshops houver qualquer impedimento de ordem sanitária para encontros presenciais, os eventos serão automaticamente migrados para o formato exclusivamente on-line”, afirmou Carciofi.

A agenda de trabalhos científicos, com as normas, datas e premiações, serão divulgadas pela organização em breve. Para mais informações, os interessados podem entrar em contato pelo e-mail cbna@cbna.com.br

 Quem faz acontecer

O Congresso CBNA Pet e os workshops contam com patrocínio das empresas Diana Pet Food, Ferraz Máquinas, Hill’s, Kemin Nutrisurance, PremieRpet, Royal Canin, Special Dog Company e Waltham.

Fonte: Assessoria CBNA
Continue Lendo
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.