Conectado com

Notícias Santa Maria de Jetibá

Vencedores dos concursos de qualidade de ovos da 5ª Favesu são homenageados

Cerimônia de entrega das homenagens aconteceu durante uma Sessão Solene da Câmara de Vereadores

Publicado em

em

Divulgação

A entrega e o trabalho dos vencedores do 3º Concurso de Qualidade de Ovos Capixaba e do 5º Concurso de Qualidade de Ovos Coopeavi, que foram realizados durante a 5ª Feira de Avicultura e Suinocultura Capixaba (FAVESU), foram mais uma vez reconhecidos por meio de uma homenagem prestada na Câmara dos Vereadores de Santa Maria de Jetibá, no último dia 1º de julho.

A Casa do Poder Legislativo do município abriu espaço para a entrega das Moções de Congratulações aos avicultores santa-marienses que ocuparam os três primeiros lugares nas categorias ovos vermelhos e ovos brancos do Concurso de Qualidade de Ovos Capixaba – realizado pela Associação dos Avicultores do Estado do Espírito Santo (AVES), além dos três primeiros colocados no Concurso de Qualidade de Ovos Coopeavi – realizado pela Cooperativa Agropecuária Centro Serrana (Coopeavi).

A cerimônia de entrega das homenagens, que tiveram como autor o vereador Nelson Miertschink, aconteceu durante uma Sessão Solene da Câmara e reuniu diversos representantes do setor aviário municipal e estadual, além dos familiares e amigos dos avicultores homenageados.

Receberam as moções de congratulações os avicultores Carlos Magnus Caliman Berger (1º lugar na categoria ovos vermelhos e 3º lugar na categoria ovos brancos), Waldemar Lemke (2º lugar na categoria ovos brancos), Halecson Stinguel (1º lugar na categoria ovos brancos e 2º lugar na categoria ovos vermelhos), Dolores Bromerschenkel (3º lugar na categoria ovos vermelhos), Erguener Foesh (1º lugar no concurso da Coopeavi), Edson Krüger (2º lugar no concurso da Coopeavi) e Adelino Guilherme (3º lugar no concurso da Coopeavi).

Também foram homenageados os avicultores de Santa Maria de Jetibá que ocuparam os três primeiros lugares na categoria Produção de Ovos do 19º Prêmio Líder Empresarial do Espírito Santo de 2018, organizado pela Rede Vitória. Receberam as moções: Denilson Potratz (1º colocado), Igor Kerckhoff (2º colocado) e Everdan Berger (3º colocado).

Além disso, Denilson Potratz também foi homenageado por ter vencido a competição empresarial na categoria Cooperativismo com a Cooperativa Agropecuária Centro Serrana (Coopeavi).

O vereador Nelson Miertschink reforçou que as entregas das moções são uma forma de homenagear a todos os avicultores do município de Santa Maria de Jetibá. “A homenagem feita aos avicultores santa-marienses além de muito merecida, devido à tamanha dedicação deles na produção de ovos, serve para impulsionar a atividade diante de um mercado desafiador. Santa Maria de Jetibá recentemente foi reconhecida como o maior produtor de ovos do Brasil e para chegar a esta importante posição existe muito trabalho envolvido e muita dedicação de cada avicultor do município”, enfatizou o parlamentar.

Presente no evento, o diretor-executivo da Associação dos Avicultores do Estado do Espírito Santo (AVES), Nélio Hand, destacou a importância de homenagens como essas para a valorização e o reconhecimento da produção avícola capixaba. “O objetivo dos concursos de qualidade de ovos é estimular o produtor capixaba a cada vez mais buscar melhorias em seu sistema de produção, ajustar sempre mais a sua atividade junto ás legislações vigentes e com isso ofertar um produto de qualidade superior ao consumidor. Percebemos que essa qualidade do ovo capixaba vem melhorando cada vez mais, isso é refletido nas amostras que são enviadas para concurso. Parabenizamos e agradecemos a todos que participam e apoiam essa iniciativa da AVES e Coopeavi”, finalizou Hand.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois × 5 =

Notícias Mercado

Câmbio e prêmios recuam e prejudicam negócios com soja

Mercado brasileiro de soja teve uma semana de escassos negócios e de preços sob pressão

Publicado em

em

Divulgação/MAPA

O mercado brasileiro de soja teve uma semana de escassos negócios e de preços sob pressão. Apesar da reação de Chicago, o recuo do dólar frente ao real e a baixa nos prêmios de exportação determinaram a queda nas cotações domésticas.

A saca de 60 quilos recuou de R$ 91 para R$ 89 em Passo Fundo (RS) nessa semana. A cotação de Cascavel (PR) caiu de R$ 84,50 para R$ 83 no período. No Porto de Paranaguá, o preço baixou de R$ 89,50 para R$ 88.

Em Rondonópolis (MT), a saca caiu de R$ 84 para R$ 82. Na região de Dourados (MS), o preço passou de R$ 82 para R$ 81. Em Rio Verde (GO), a cotação subiu de R$ 82,50 para R$ 84.

Na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT), os contratos com vencimento em janeiro apresentaram valorização de 0,98%, passando de US$ 8,89 ½ para US$ 8,98 ¼ por bushel. A proximidade de um acordo comercial entre China e Estados Unidos assegurou a recuperação dos preços, diante da perspectiva de retomada das compras chinesas de oleaginosa americana.

A iminência de um acordo de primeira fase nas negociações melhorou o sentimento em todo mercado financeiro. Com isso, o dólar se desvalorizou frente ao real, recuando 1,25% na semana a R$ 4,094 no fechamento da quinta. O comportamento do câmbio e o recuo nos prêmios nos portos brasileiros impediram uma melhora no ritmo da comercialização interna.

Produção

Os produtores brasileiros de soja deverão colher 125,465 milhões de toneladas em 2019/20, com crescimento de 5,2% na comparação com o ano anterior, quando a safra ficou em 119,306 milhões de toneladas. A projeção faz parte do mais recente levantamento de SAFRAS & Mercado.

No relatório anterior, divulgado em outubro, SAFRAS apostava em produção de 125,754 milhões de toneladas.
SAFRAS trabalha com área de 37,032 milhões de hectares, com aumento de 1,8% sobre o ano anterior e batendo novo recorde. No ano passado, a área ocupou 36,384 milhões de hectares. A produtividade está estimada em 3.405 quilos por hectare, superando o rendimento médio de 3.296 quilos obtido no ano passado.

Segundo o analista de SAFRAS, Luiz Fernando Roque, foram feitos apenas alguns ajustes pontuais em estimativas de áreas e produtividades estaduais. “Apesar de haver registros de problemas devido ao clima irregular em alguns estados, ainda é cedo para se falar em perdas relevantes”, avalia Roque.

Foram feitos ajustes negativos pontuais nas produtividades médias esperadas para os estados do Mato Grosso do Sul, Goiás e Bahia.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo

Notícias Mercado

USDA indica safra de milho dos EUA 2019/20 em 13,66 bi bushels

Exportações foram indicadas em 1,850 bilhão de bushels, mesmo número esperado no mês passado

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O relatório de oferta e demanda de dezembro do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), divulgado na última terça-feira (10), indicou que os Estados Unidos deverão colher 13,661 bilhões de bushels do cereal na temporada 2019/20, mesmo volume previsto no mês anterior.

A produtividade média foi indicada em 167 bushels por acre, sem alterações. A área a ser plantada foi mantida em 89,9 milhões de acres e a área a ser colhida em 81,8 milhões de acres.

O USDA prevê que os estoques finais da safra 2019/20 ficarão em 1,910 bilhão de bushels, sem alterações ante novembro, enquanto o mercado esperava um número de 1,859 bilhão de bushels.

As exportações foram indicadas em 1,850 bilhão de bushels, mesmo número esperado no mês passado. O uso de milho para a produção de etanol foi indicado em 5,375 bilhões de bushels, também sem mudanças antes o mês anterior.

Mundo

A safra global 2019/20 foi estimada em 1.108,62 milhão de toneladas, contra 1.102,16 milhão de toneladas em novembro. Os estoques finais da safra mundial 2019/20 foram projetados em 300,56 milhões de toneladas, contra as 295,96 milhões de toneladas apontadas em novembro, enquanto mercado apostava em um número de 295,6 milhões de toneladas.

Para a temporada 2018/19, os estoques finais de passagem foram indicados em 319,17 milhões de toneladas, contra uma expectativa do mercado de 319,6 milhões de toneladas.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo

Notícias Sanidade

Santa Catarina reduz para 30 dias o tempo para indenização de produtores rurais

Estado é um dos únicos do país que indeniza integralmente os criadores pelo abate sanitário de animais doentes

Publicado em

em

Divulgação

Santa Catarina reduz o tempo de espera para indenizações do Fundo Estadual de Sanidade Animal (Fundesa) e amplia o número de produtores rurais beneficiados. O Estado é um dos únicos do país que indeniza integralmente os criadores pelo abate sanitário de animais doentes e o pagamento, que antes levava até 150 dias para ser concluído, agora está disponível em um tempo médio de 30 dias.

“Agilidade. Essa foi a palavra de ordem no Fundesa. Ser uma referência no cuidado com os animais é também preservar a saúde dos produtores rurais e dos consumidores. Estamos muito contentes com os resultados alcançados este ano porque a indenização dá ao produtor a chance de recomeçar, de adquirir animais sadios e seguir com sua produção”, destaca o secretário de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural, Ricardo de Gouvêa.

Os catarinenses querem manter a liderança no cuidado com a saúde dos animais, para isso o Estado aumentou os esforços para erradicar a brucelose e tuberculose. Santa Catarina já tem uma das menores prevalências dessas doenças do país e segue indenizando os produtores rurais pelo abate sanitário de animais contaminados. De janeiro a novembro deste ano, o Fundesa investiu aproximadamente R$ 8 milhões na indenização de mais de 650 criadores.

O produtor rural Eron Paulo Baldissera, de Chapecó, é um dos beneficiários do Fundesa e hoje comemora as conquistas após a indenização e o recomeço. “Quando uma doença bate numa propriedade é uma coisa triste e a indenização é muito importante e nos ajudou muito. Na época estava demorando de oito a 10 meses para receber e agora eu tive uma notícia de que o prazo das indenizações já caiu para 30 dias”. Quando detectou que seus animais estavam com brucelose, Baldissera produzia 10 mil litros de leite por mês e com o abate sanitário dos animais a produção passou para 1,5 mil litros por mês. “Agora estamos voltando e acredito que até março nós já retomamos os 10 mil litros que produzíamos antes. A Cidasc abraçou a causa para erradicar a brucelose e a tuberculose em Santa Catarina e agora nós queremos a certificação como propriedade livre de brucelose e tuberculose”, afirma.

Em 2019, a Secretaria de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural aumentou em quase 70% o recurso disponível para a indenização dos produtores, o que deu mais agilidade no pagamento.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Biochem site – lateral
Mais carne

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.