Conectado com
OP INSTAGRAM

Notícias Safra de inverno

Trigo paulista espera nova safra recorde para 2021

Reunião da Câmara Setorial apontou estimativa de 340 mil toneladas e aumento de até 15% da área do grão no estado

Publicado em

em

Divulgação/AENPr

A cadeia produtiva do trigo de São Paulo se encontrou, de forma remota, na manhã de 03 de março, para a primeira reunião da Câmara Setorial do grão no estado para avaliar os números alcançados em 2020, o mercado do cereal e estimar a safra deste ano.

De acordo com o levantamento feito com base nos reportes das maiores cooperativas paulistas, o estado prevê um aumento de área de até 15%, com um novo recorde de produção. “Se tivermos um ano positivo em relação ao clima e as expectativas dos produtores se concretizarem, teremos uma produção de aproximadamente 340 mil toneladas em São Paulo”, afirmou o presidente da Câmara Setorial de Trigo, Victor Oliveira.

A reunião, que contou com a participação de diferentes elos da cadeia, debateu, além das estimativas da safra deste ano, os números de 2020 e o cenário do mercado nos primeiros dois meses de 2021. “De acordo com os números levantados no final do ano, junto as cooperativas e as movimentações de trigo registradas nesses últimos meses, podemos dizer que São Paulo bateu a casa de 300 mil toneladas produzidas. Parte do trigo produzido no estado, de acordo com as cooperativas ainda está em estoque e será comercializado ao longo dos próximos dias”, destacou Oliveira.

Da parte dos moinhos, o momento é de grandes incertezas, com muita volatilidade, fator que dificulta a vida das indústrias moageiras, por conta da complexidade de precificar o produto no mercado. “Podemos afirmar que este foi um dos inícios de ano com menor volume de vendas, com números muito baixos no estado. Fatores como a greve na Argentina e o alto preço do trigo resultam em uma queda representativa na moagem de São Paulo, que tem perdido participação no cenário nacional”, ressaltou o presidente.

Panorama do mercado

O Wheat Head Sales – Brazil da Sodrugestvo, Douglas Araujo, foi convidado pela Câmara para apresentar aos participantes da reunião um panorama do mercado de trigo no mundo, destacando as oportunidades e as estimativas para o grão no Brasil.

Segundo ele, o mundo tem passado por um ciclo de alta das commodities, fato observado sempre após um período de recessão como o que está sendo vivenciado com a pandemia. “Observamos um movimento de alta no milho, que reflete diretamente nos preços do trigo. Os fretes marítimos, por exemplo, que estavam estabilizados, sofreram um aumento de 80%, neste início do ano, quando comparados com dezembro de 2020, elevando em até 15$ a tonelada. Não vemos um alívio deste cenário em curto prazo”.

A apresentação ainda apontou a possibilidade da comercialização do trigo Lituânio no estado, que diferente do Russo, pode ser moído no interior de São Paulo, sem restrições fitossanitárias. “Os dois trigos, da Rússia e da Lituânia chegam ao mercado no mesmo período do produzido em São Paulo. Temos a certeza de que os produtores paulistas podem apostar na produção do grão pois, o que não for absorvido pelos moinhos pode ser facilmente comercializado com outros estados ou, até mesmo, fora do país”, afirmou.

Ao final da reunião, a Embrapa Trigo apresentou um sistema de alerta da Brusone do trigo, doença que acarreta em prejuízos e frustações na safra contaminada. Segundo a apresentação, esse sistema, que foi desenvolvido pela entidade, analisa as condições da lavoura do grão, sinalizando se o cenário é favorável ou não para o desenvolvimento da doença na área analisada.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

10 − seis =

Notícias

Clima favorável e possível oferta elevada pressionam valores da soja

Ambiente de otimismo em relação à oferta e certo pessimismo sobre a demanda pressionam contratos futuros na Bolsa de Chicago (CME Group).

Publicado em

em

Foto: AEN

A combinação de clima favorável à colheita nos Estados Unidos e à semeadura da oleaginosa em grande parte das regiões brasileiras, de estimativas de maior relação estoque/consumo final na safra 2021/22, em termos mundiais, do ambiente de otimismo em relação à oferta e certo pessimismo sobre a demanda pressionou os contratos futuros na Bolsa de Chicago (CME Group) nos últimos dias.

Com isso, segundo informações do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), compradores brasileiros se afastaram das aquisições no spot, na expectativa de adquirir lotes a preços menores nas próximas semanas.

Entre 08 e 15 de outubro, os Indicadores ESALQ/BM&FBovespa – Paranaguá e CEPEA/ESALQ – Paraná caíram 2,3% e 1,7%, com respectivos fechamentos de R$ 168,55/sc e de R$ 166,48/sc de 60 kg na última sexta-feira (15).

Fonte: ESALQ
Continue Lendo

Notícias Grãos

Comprador afastado mantém preço do milho em queda

Indicador ESALQ/BM&FBovespa caiu 0,93%, fechando na última sexta-feira (15) a R$ 90,18/saca de 60 kg.

Publicado em

em

Divulgação

Os preços do milho seguem em queda na maioria das regiões brasileiras, de acordo com dados do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea). Entre os dias 08 e 15 de outubro, o Indicador ESALQ/BM&FBovespa (Campinas – SP) caiu 0,93%, fechando a R$ 90,18/saca de 60 kg na última sexta-feira, 15.

Apesar da quebra de produção na safra 2020/21, consumidores mantêm baixo o interesse de aquisição de novos lotes, atentos à melhora do clima, que tem favorecido a temporada de verão brasileira, e nas exportações desaquecidas.

Parte dos vendedores nacionais, por sua vez, precisam liberar armazéns para limpeza e organização da safra verão ou, em algumas regiões, para a entrada do trigo.

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Notícias Avicultura

Preços dos ovos se mantêm estáveis

Bom ajuste entre oferta e demanda sustentou as cotações, no entanto, agentes do setor estão apreensivos, uma vez que o mercado já começa a dar sinais de enfraquecimento.

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Os preços dos ovos se manteve praticamente estável nos últimos dias nas praças acompanhadas pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea).

Segundo colaboradores, o bom ajuste entre oferta e demanda sustentou as cotações. Mesmo assim, agentes do setor estão apreensivos, uma vez que o mercado já começa a dar sinais de enfraquecimento, levando à necessidade de concessão ou intensificação de descontos.

Fonte: Cepea
Continue Lendo
CONBRASUL/ASGAV

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.