Conectado com
OP INSTAGRAM

Notícias Safra de inverno

Trigo: começa movimentação para safra de inverno

Trigo deve continuar sendo a opção mais atrativa após alcançar a maior produção dos últimos 20 anos

Publicado em

em

Diogo Zanatta

A safra de soja ainda nem acabou e os produtores começam a movimentação na procura por sementes para os cultivos de inverno. O trigo deve continuar sendo a opção mais atrativa após alcançar a maior produção dos últimos 20 anos.

Na última safra, a área de trigo cresceu 14,8% no Brasil com relação ao ano anterior, com uma produtividade 5,4% maior, resultando no maior volume de produção desde o ano 2000. O preço também favoreceu a triticultura com crescimento constante ao longo de 2020, fechando o ano próximo a R$ 70,00 a saca de 60kg.

De acordo com a Apassul (Associação dos Produtores de Sementes e Mudas do RS), hoje já são mais de 89 mil hectares aprovados para a produção de sementes de trigo no Rio Grande do Sul (dados do SIGEF – Sistema de Gestão da Fiscalização do MAPA), um aumento de 18% em comparação à safra anterior. “Estes números demonstram o sentimento do produtor de sementes para incrementar o trigo no portfólio. Mesmo que nem toda a produção de sementes seja comercializada, certamente o mercado está aquecido, principalmente em função dos preços que tornam o trigo uma opção rentável além das vantagens no sistema de produção”, avalia o diretor administrativo da Apassul, Jean Cirino.

No Paraná, maior estado produtor do cereal nas últimas safras, os produtores aguardam a colheita da soja para decidir se investem no trigo ou optam pelo plantio tardio do milho safrinha. Mas segundo a Apasem (Associação Paranaense dos Produtores de Sementes e Mudas) o setor já observa a antecipação pela procura de sementes de trigo: “Estamos vendo uma antecipação no mercado de sementes. A procura pelo trigo, que antes acontecia no mês de março, neste ano começou em janeiro”, conta o Diretor Executivo da Apasem, Jhony Möller. Ele acredita que o Paraná deverá repetir a área de trigo do ano passado, acima de um milhão de hectares.

Acompanhando o aumento nas cotações do trigo, o valor da semente também sofreu alteração: conforme números do Deral/PR, os preços recebidos pelo produtor de trigo no Paraná tiveram alta de 30,5% de janeiro a novembro de 2020, enquanto o preço da semente subiu 16% no mesmo período.

Cultivares

Na publicação Informações Técnicas para Trigo e Triticale – safra 2020 estão indicadas 230 cultivares de trigo para as diferentes regiões produtoras no Brasil. Como escolher? O pesquisador da Embrapa Trigo, Pedro Scheeren, recomenda que o produtor avalie as cultivares direto na propriedade, reservando uma área para experimentar algumas opções disponíveis no mercado, já que o desempenho das cultivares pode variar nas diferentes regiões produtoras. “Na escolha da cultivar é preciso observar primeiro suas características agronômicas e a resistência às doenças. Mas devemos considerar sempre onde e como será cultivada a variedade escolhida, desde o ambiente, clima e solo, até a capacidade de investimento na lavoura, bem como o potencial de rendimento esperado na área com o manejo planejado, sem esquecer da liquidez daquela cultivar no mercado regional” explica o pesquisador. Segundo ele, apesar do momento de preços em alta nos grãos, o produtor deve garantir o equilíbrio da lavoura, priorizando cultivares com melhor sanidade e uso eficiente de nutrientes, fatores que permitem economizar em fertilizantes e fungicidas, que representam os principais custos da lavoura.

A Embrapa dispõe de um portfólio variado de cultivares de trigo para todo o Brasil. Para a Região Tritícola Centro-sul (PR e Sul de SP) são indicadas as cultivares BRS Sanhaço, BRS Gralha-Azul, BRS Sabiá e BRS Atobá. Na Região do Cerrado, com irrigação, são recomendadas as cultivares BRS 254, BRS 264 e BRS 394, enquanto para o Cerrado no sequeiro, são indicadas as cultivares BRS 404 e BRS 264 (somente para MG). Na Região Sul (RS, SC e Sul do PR), são indicados os trigos: BRS Reponte e BRS Belajoia, para a produção de grãos; BRS Pastoreio e BRS Tarumã para produção de forragem animal. O pesquisador da Embrapa Trigo lembra que os triticultores estão com bons materiais para alcançar os melhores resultados no campo: “O volume de produção de trigo no Brasil cresceu na última safra tanto em função do clima, quanto do potencial produtivo das cultivares. Por exemplo o trigo BRS Reponte, que tem alcançado sucessivos recordes de produtividade em sistema de sequeiro no Rio Grande do Sul, ou o trigo irrigado BRS 264 que foi recorde nacional pelo segundo ano em Goiás”, ressalta Pedro Scheeren.

Experiência do produtor

A expectativa de preços altos levou o produtor Gean Bender a trocar a cobertura de aveia pelo trigo na última safra, investindo em 550 hectares na Granja Ouroverde que administra com a família em Giruá, RS. O escalonamento contou com três cultivares de ciclos diferentes, o que evitou perder toda a lavoura para a geada no mês de agosto. Uma das apostas foi a cultivar BRS Reponte, cultivada em 180 hectares (ha), resultando no rendimento de 61 sacos por hectare na média das lavouras. “Mesmo em anos de intempéries, o produtor consegue uma boa produtividade com cultivares mais rústicas e de alto rendimento”, explica o assistente técnico Vicente Victor, da Sementes Victor, com sede em Giruá, RS, e destaca: “Sem dúvidas, no cenário atual, investir no trigo é um negócio muito mais vantajoso do que deixar apenas uma cultura de cobertura no inverno”.

No norte do Rio Grande do Sul, a família Rigon reserva, no mínimo, 50% da lavoura para o cultivo de trigo, aumentando a área todos os anos: nos anos 70 era 100 ha; anos 80 passou para 500 ha; anos 90 foram 1.000 ha; anos 2000 subiu para 1.800 ha; 2010 foram 2.500 ha; e em 2020 atingiu os 4.500 ha com trigo. “Nunca deixamos de plantar trigo, independente do mercado. Se não retornar dinheiro com a venda dos grãos, a palhada com certeza vai gerar lucro no verão”, avalia o produtor Roberto Rigon, de Seberi, RS.

Por que plantar trigo?

Observando a série histórica da Conab é possível considerar que a cotação do trigo no mercado nacional nem sempre é atrativa para o produtor. Contudo, o investimento no cereal de inverno não deve ser calculado de forma isolada e sim avaliado no sistema de produção verão/inverno. Um estudo da Embrapa, conduzido nas safras 2017/18 e 2018/19 em Londrina, no PR, mostrou que o cultivo de trigo no inverno pode resultar em um aumento superior a 50% na produtividade da soja em relação ao pousio. “A palhada do trigo reduziu o estresse hídrico na soja durante o enchimento de grãos, além de reduzir a temperatura do solo, enquanto que as raízes da cultura de inverno permitiram maior infiltração de água no solo”, explica o pesquisador da Embrapa Soja Henrique Debiasi.

Na Embrapa Trigo, em Passo Fundo, RS, o cultivo do trigo foi a base de um experimento para avaliar a infiltração de água no solo. “Após dois anos de intervenção física e química no solo, a taxa de infiltração de água passou de 13 mm/hora para 80 mm/hora. Em 120 dias de implantação da cultura do trigo, as raízes já alcançavam 1,3 metros de profundidade, melhorando a estrutura do solo para disponibilidade de água às plantas em período de estiagem”, explica o analista de transferência de tecnologia Jorge Lemainski. “Isso prova que a melhor safra de verão começa no inverno”, conclui.

Fonte: Embrapa Trigo
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

14 − 2 =

Notícias Paraná

Adapar intensifica fiscalização da colheita da soja

Fiscalização neste momento se faz de extrema importância para verificar a utilização dos agrotóxicos e produção de soja com qualidade

Publicado em

em

Divulgação/Adapar

A Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (ADAPAR) iniciou as fiscalizações da pré-colheita da cultura da soja 20/21 cultivada na região extremo oeste paranaense. A fiscalização neste momento se faz de extrema importância face a retirada do agrotóxico Paraquate pela ANVISA, herbicida que era amplamente utilizado na agricultura, mas considerado danoso a saúde pública, e também pelos problemas no fornecimento de agrotóxicos registrados para dessecação da cultura em função da pandemia do COVID-19. Esses e outros fatores podem possibilitar a utilização de agrotóxicos não registrados ou proibidos no território paranaense.

 Diante disso, os Fiscais Agropecuários da ADAPAR Unidade Regional de Toledo irão atuar nas fiscalizações do trânsito, comércio, recomendações de agrotóxicos pela assistência técnica e utilização de agrotóxicos nas propriedades agrícolas. Para subsidiar as ações, a Agência conta com um banco de dados informatizado (SIAGRO) que possibilita planejar as ações antecipadamente, bem como, checar no local da colheita todos os agrotóxicos utilizado pelo agricultor. Em caso de indícios de irregularidade na aplicação ou origem de um agrotóxico, serão realizadas coletas fiscais de grãos de soja no momento da colheita para análise de multiresíduos de agrotóxico.

De acordo com o supervisor Regional da ADAPAR de Toledo, Antonio Carlos Dezaneti, a produção agropecuária aumentou nos últimos anos e mesmo em meio a pandemia do COVID-19 os trabalhos da Defesa Agropecuária não pararam, seja na área sanidade vegetal ou animal, bem como da inspeção dos produtos de origem animal. “No caso da soja, o nosso objetivo é resguardar a Legislação Federal e Estadual de agrotóxicos, proteger os comerciantes, profissionais da agronomia e agricultores que atuam dentro da lei e promover a produção de grãos de soja dentro da norma legal, tanto para o consumo doméstico, quanto para a exportação da soja paranaense”.

Constatado irregularidade, a Agência irá iniciar os processos de responsabilização administrativos que podem culminar com a aplicação de multas, interdições e até destruição da cultura conforme gravidade da infração. Além disso, os fatos serão comunicados ao Ministério Público do Estado do Paraná para as responsabilizações civis e criminais cabíveis.

Fonte: Adapar
Continue Lendo

Notícias Avicultura

Avicultura do MT renova seguro pioneiro no Brasil

Ao todo, 300 milhões de aves para corte e 10,5 milhões de aves de postura foram asseguradas

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

A Associação Matogrossense de Avicultura (AMAV-MT) renovou seguro avícola do estado – o primeiro implantado no setor avícola mundial – assinado em conjunto com a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) e as seguradoras Proposta e FairFax. A solenidade ocorreu ontem na sede da associação nacional, em São Paulo (SP).

Ao todo, 300 milhões de aves para corte (produção de carne) e 10,5 milhões de aves de postura (produção de ovos) foram asseguradas contra eventuais ocorrências de Influenza Aviária e Doença de Newcastle, com um montante de R$ 22 milhões para fundo indenizatório, além de R$ 2 milhões para fins de contenção de eventuais foco.

A apólice se transformou em um diferencial para a produção avícola, de acordo com Lindomar Rodrigues, presidente da AMAV-MT. Ele ressalta que o seguro dá tranquilidade para as cinco plantas avícolas e 16 granjas de ovos que operam no estado.

“Este seguro gerou mais tranquilidade para investirmos em defesa sanitária, e é visto com bons olhos pelos importadores de nossos produtos. É uma vantagem nas negociações para abertura de mercados, como também para a implantação de novas instalações avícolas em nosso estado”, avalia o presidente da AMAV-MT.

De acordo com o presidente da ABPA, Ricardo Santin, há expectativa que o modelo de seguro em vigor no Mato Grosso seja implantado em outras regiões, para fortalecer ainda mais a estratégia setorial em crises sanitárias.

“Como nação livre de Influenza Aviária e de Doença de Newcastle, o Brasil tem empenhado esforços para fortalecer sua defesa agropecuária, bem como a sua capacidade de reação diante de crises, e o seguro avícola é um grande diferencial, reforçando o papel dos fundos indenizatórios privados e públicos que temos hoje nos estados. Por outro lado, a assinatura comprova a transparência e a seriedade do setor em trabalhar com dados claros e ações efetivas de prevenção, que possibilitaram a assinatura de um seguro”, avalia.

Além de Santin e Rodrigues, participaram da assinatura do documento o membro do conselho consultivo da ABPA e um dos idealizadores do seguro, Ariel Antônio Mendes, e o representante das seguradoras, Ricardo Sassi.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Agronegócio

Empresas brasileiras relatam otimismo com participação na Gulfood

Clima geral após a feira é de otimismo com a perspectiva de retomada de negócios na região

Publicado em

em

Divulgação

As 42 empresas brasileiras que participaram da feira de alimentos Gulfood, que se encerra nesta quinta-feira (25) em Dubai, nos Emirados Árabes, fazem uma avaliação positiva do evento, que este ano foi realizado num formato bem menor devido à pandemia de covid-19.

Segundo Rafael Solimeo, chefe do escritório internacional da Câmara Árabe em Dubai, o clima geral após a feira é de otimismo com a perspectiva de retomada de negócios na região. Isso porque muitos empresários, há meses realizando contatos apenas por meios virtuais, puderam ter interações pessoais no evento com compradores e finalmente avançar nas negociações.

“As empresas relataram até alívio, porque é muito difícil vender alimentos sem a possibilidade de o comprador degustar o produto e atestar ele mesmo a qualidade. Mesmo com a feira menor este ano, o objetivo de avançar nas negociações foi alcançado”, relata o executivo da Câmara Árabe, que participou da mostra em apoio à Apex-Brasil.

Após muita incerteza sobre a realização da Gulfood devido à pandemia de covid-19, a feira foi confirmada no início de fevereiro, às vésperas da realização, apesar das restrições de viagens internacionais ainda em vigor naquele momento.

Os Emirados Árabes, que até fevereiro já tinham imunizado quase metade da população, haviam permitido o ingresso no país apenas de pessoas com teste PCR negativo para covid-19 feito até 72 horas antes da chegada no aeroporto. As autoridades sanitárias emírates impuseram ainda barreiras adicionais a viajantes vindos da África do Sul, onde foi registrada uma nova cepa mais contagiosa do novo coronavírus.

No caso dos viajantes brasileiros, embora não houvesse restrições oficiais, a participação de empresas brasileiras foi comprometida pelo cancelamento dos voos diretos partindo de São Paulo e Rio de Janeiro com destino à Dubai até 28 de fevereiro. Mesmo assim, 42 organizações que já tinham representação no mundo árabe fizeram questão de ir à mostra.

“Tivemos uma participação brasileira expressiva. Das 42 empresas participantes, 15 eram associadas da Câmara Árabe. Conduzimos várias rodadas de matchmaking entre as empresas participantes e potenciais compradores no nosso escritório em Dubai. A sensação é de que há muitos contatos promissores”, relata o executivo.

Nas reuniões de intermediação comercial, chamadas por Solimeo de matchmakings, o executivo notou uma mudança importante na demanda árabe. Segundo ele, os compradores estavam mais dispostos a conhecer novos fornecedores e a trabalhar com um leque maior de produtos importados do Brasil.

“Importadores que antes atuavam só com soja ou açúcar estavam considerando importar, também, produtos como carne e alimentos industrializados, sinal de demanda aquecida e de oportunidades”, relata o executivo.

A demanda por alimento no mundo árabe, que sempre foi relevante dadas as limitações da região em solos aráveis e água para produção agroindustrial, ficou ainda mais intensa com o risco de desabastecimento gerado na pandemia nos países tradicionalmente fornecedores de commodities alimentares como o Brasil.

Segundo dados da Câmara Árabe, em 2020 as exportações brasileiras de produtos do agronegócio para os 22 países da Liga Árabe tiveram um aumento de 16% em volume em relação ao ano anterior, reflexo do movimento dos governos árabes para reforçar os estoques de alimentos.

A entidade também relatou que em julho do ano passado foi contatada por importadores árabes sem histórico de atuação no Brasil para ajudá-los a encontrar no país fornecedores capazes de atender ordens de compras adicionais, encomendadas por governos da Liga Árabe.

O chefe do escritório da Câmara Árabe em Dubai afirma ainda que a pandemia acelerou os projetos dos países árabes para diminuir a dependência de alimentos do exterior, a exemplo da Visão 2030, da Arábia Saudita, que pretende atender até 2030 60% da demanda saudita de frango halal (frango produzido em respeito às tradições do islã) apenas com produção local.

Solimeo afirma que essa contingência tornou mais favorável o cenário para empresas brasileiras de alimentos dispostas a ampliar sua atuação no mundo árabe, especialmente com investimentos produtivos nesses países.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
CONBRASUL/ASGAV

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.