Conectado com
VOZ DO COOP

Notícias Pecuária

Tecnologias digitais e cuidado com pastos estão entre os desafios da produção de carne bovina

O rebanho nacional deve aumentar e as áreas de pastagem, não

Publicado em

em

Rodrigo Alva

Em um provável cenário de mais cabeças de gado sem ampliação das áreas de pastagem, a busca por forrageiras mais produtivas e pela recuperação de pastos degradados deverá ser intensificada. Essa é apenas uma das previsões traçadas por cientistas para o setor brasileiro de produção de carne bovina para os próximos 20 anos. As percepções dos especialistas integram o documento “O futuro da cadeia produtiva da carne bovina: uma visão para 2040”, elaborado pelo Centro de Inteligência da Carne Bovina (Cicarne) da Embrapa Gado de Corte (MS), em parceria com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Com lançamento previsto para o próximo dia 2, a publicação tem como objetivo subsidiar a definição de agendas estratégicas para formulação de políticas públicas e privadas, bem como a agenda programática de inovação para as instituições de pesquisa científica e tecnológica.

O estudo entrevistou 153 especialistas em duas rodadas usando a técnica Delphi. Foram identificados 745 drivers de futuro e 96 eventos possíveis de ocorrer até 2040. Também foram traçados os cenários mais prováveis de ocorrer para cada um dos oito tópicos do trabalho: saúde e genética; nutrição e forrageiras; manejo e gestão; estrutura; frigorífico; consumo; comercialização; e regulamentação. “É como se tivéssemos feito oito trabalhos em um”, conta Fernando Dias, pesquisador da Embrapa em modelagem de sistemas produtivos.

Dividido em oito capítulos, o relatório com quase 150 páginas descreve os cenários para a cadeia em 2040 nas áreas de insumos (saúde-genética e nutrição), produção (manejo-gestão e estrutura), frigorífico, comercialização, consumo e regulamentação. Há também o delineamento das tendências para cada uma dessas áreas, a consolidação das tendências em megatendências e, por fim, a definição de temas a serem priorizados nas agendas de inovação de instituições de pesquisa até 2040: tipologia de sistemas de produção e desenvolvimento de pacotes tecnológicos; transferência de tecnologia em plataformas digitais; controle biológico de parasitas; redução de gases de efeito estufa; bem-estar animal; rastreabilidade; cultivares forrageiras mais produtivas; manejo e recuperação de pastagens; sistemas integrados; pecuária 4.0; e biotecnologia.

“A evolução da pecuária de corte brasileira trouxe uma nova realidade que induz as instituições públicas e privadas aos desafios de desenvolverem novos processos, métodos, sistemas, produtos e serviços que aumentem a eficiência e a competitividade da cadeia produtiva”, afirma o pesquisador da Embrapa Guilherme Cunha Malafaia, um dos responsáveis pelo Cicarne. “Os desafios são de grande complexidade e demandarão uma enorme capacidade de adaptação das organizações e um ajuste cada vez mais fino de agendas programáticas de pesquisa, desenvolvimento e inovação e de transferência de tecnologia,” prevê o cientista.

O pesquisador ressalta que a bovinocultura de corte no País corresponde hoje a 27,3% das propriedades rurais brasileiras, com concentração de mais de 30% da produção nacional nos estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Goiás. “É uma força não somente econômica, mas social.”

Para chegar aos temas, Malafaia e os pesquisadores Fernando Dias e Paulo Henrique Biscola, também participantes do Cicarne, tiveram a contribuição de especialistas do setor, entre eles cientistas, auditores fiscais governamentais, pecuaristas e consultores.

O Centro de Inteligência ainda definiu como prioridade a sistematização das práticas operacionais em sistemas produtivos (protocolos), a qualificação de mão de obra, a racionalização do uso de recursos naturais, as ferramentas de comunicação, o desenvolvimento de pecuária sustentável de baixo custo de implantação, os parâmetros objetivos na avaliação de carcaça, a carne orgânica, a monetização de valores intangíveis na bovinocultura de corte e a necessidade de pautar políticas públicas alinhadas às tendências.

Sistemas de produção heterogêneos no país

Os dois primeiros temas a serem priorizados nas agendas de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) – tipologia de sistemas de produção e desenvolvimento de pacotes tecnológicos – se complementam. No País, há uma pluralidade de sistemas de produção de pecuária de corte. Sistemas (extensivos, intensivos e semi-intensivos), escalas (pequena, média ou grande), práticas sustentáveis de manejo e nível tecnológico são aspectos que influenciam qualquer tomada de decisão quando se fala em adoção de tecnologias, assim como os aspectos sociais, econômicos e culturais.

No Brasil, os sistemas extensivos são praticados em todo o território nacional, com destaque para o Cerrado de Roraima e Amapá, os campos inundáveis da Ilha de Marajó, do baixo Amazonas e Maranhão, a Caatinga do Semiárido, o Pantanal e o sul da Campanha Gaúcha. Já os semi-intensivos estão concentrados no centro-sul e em pequenos núcleos das regiões Norte e Nordeste. Os intensivos, por sua vez, predominam nos estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Bahia, Rio Grande do Sul, Paraná, Santa Catarina, Tocantins e Pará.

Essa diversidade de sistemas de produção deve ser considerada no desenvolvimento de pacotes tecnológicos adequados a cada situação. Especialista em cadeias produtivas do agronegócio, Malafaia salienta que “a pecuária de corte brasileira é heterogênea, com diversidade de sistemas produtivos, característicos de cada Bioma. É preciso entender a complexidade desse setor, identificando as prioridades e demandas produtivas de forma regionalizada. Isso permitirá a construção de agendas programáticas mais assertivas, alinhadas com os reais desafios da pecuária de corte em cada Bioma”.

Integração dos resultados

Pesquisador da Embrapa em transferência de tecnologia, Paulo Biscola defende que, uma vez identificados e priorizados os desafios tecnológicos para os sistemas produtivos, os resultados das pesquisas necessitam de uma combinação entre si, o que gera complementaridade e potencializa o impacto da solução. “Possuímos inúmeras soluções tecnológicas para os sistemas de produção de pecuária de corte, o que está faltando é entender como elas interagem entre si e com os diversos sistemas produtivos,” declara.

Ele frisa que ter esse entendimento possibilita criar pacotes tecnológicos aderentes às realidades, desenvolver os protocolos produtivos e, em determinadas situações, até mesmo buscar certificações. O protocolo Carne Carbono Neutro é um exemplo. “A forma de disponibilizar esses pacotes tecnológicos precisa levar em consideração a transformação digital que mudará substancialmente a forma de acesso ao conhecimento”, recomenda Malafaia.

O cientista, por fim, frisa que os cenários são dinâmicos e sujeitos a ajustes ao longo do tempo. “Os estudos de futuros apresentam alto grau de incerteza e complexidade, não sendo possível saber o que de fato vai ocorrer, principalmente quando se trabalha com horizontes temporais distantes. Tendências podem ser alteradas e eventos podem, de forma inusitada, surgir e mudar de forma substancial tudo aquilo que foi desenhado. Entretanto, é importante sempre olhar para o futuro com o objetivo de subsidiar decisões no presente.”

Fonte: Embrapa Gado de Corte

Notícias São Paulo

22º Congresso APA de Produção e Comercialização de Ovos 2025 anuncia novo local

Após a aprovação de mais de 80% do público participante da edição deste ano e o anúncio da descontinuidade das operações do Centro de Convenções de Ribeirão Preto, a Comissão Organizadora tem o prazer de anunciar o novo ponto de encontro para a realização do congresso em 2025.

Publicado em

em

José Roberto Bottura anuncia o novo local do XXII Congresso APA de Produção e Comercialização de Ovos 2025. Foto: Divulgação/APA

Após inúmeras reuniões e consultas para encontrar locais para dar sequência ao maior evento dos profissionais da indústria de ovos do país, a Comissão Organizadora informa que o 22º Congresso APA de Produção e Comercialização de Ovos 2025 permanecerá em Ribeirão Preto (São Paulo), mas em um novo e moderno espaço para recepcionar os congressistas e empresas apoiadoras. “O 22º Congresso APA de Produção e Comercialização de Ovos 2025 permanecerá em Ribeirão Preto e será realizado no Multiplan Hall, anexo ao Ribeirão Shopping, um ambiente projetado para acomodar diferentes tipos de eventos e considerado um dos mais inovadores e modernos centros de eventos do país” anuncia José Roberto Bottura, Diretor Técnico da Associação Paulista de Avicultura (APA, São Paulo/São Paulo) e Coordenador do Congresso.

Após o sucesso do congresso realizado este ano, que contou com mais de 900 congressistas e foi aprovado por mais de 80% dos participantes, a Comissão Organizadora dará sequência aos próximos passos para um temário ainda melhor para o congresso. “Estamos na fase de desenvolvimento da programação da edição de 2025 e o nosso objetivo é que seja um evento à altura desta nova fase. Para isso, contamos com o apoio de todos os profissionais e empresas do meio para receber sugestões de temas para a programação” inclui o Dr. Prof. Lúcio Francelino Araújo, integrante da Comissão Organizadora e responsável pela programação do 22º Congresso APA de Produção e Comercialização de Ovos 2025.

Os interessados em contribuir com o temário do 22º Congresso APA de Produção e Comercialização de Ovos 2025 poderão encaminhar suas sugestões para o e-mail atendimento@apa.com.br com a palavra ‘Sugestão de temas 2025’ no campo do assunto do e-mail.

José Roberto Bottura antecipa que o 22º Congresso APA de Produção e Comercialização de Ovos 2025 acontecerá de 24 a 27 de março de 2025, com o primeiro dia (24) destinado ao Pré-Congresso da Ceva Saúde Animal para dar boas-vindas aos congressistas.

Vale ressaltar que o evento seguirá com o apoio da Coordenadoria de Defesa Agropecuária (CDA) da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo (SAA-SP).

Sobre o Multiplan Hall no Ribeirão Preto

O espaço é considerado um dos mais inovadores e modernos centros de eventos do país e em 2023 completou 10 anos. Eventos, shows, palestras e congressos foram realizados com sucesso, acumulando mais de 1,2 milhões de visitantes. Com localização privilegiada, o Multiplan Hall fica dentro do Ribeirão Shopping, que está no bairro Jardim Califórnia, zona sul de Ribeirão Preto, uma das áreas mais seguras e dinâmicas da cidade.

Fonte: Assessoria APA
Continue Lendo

Notícias De soja a seda

Em cinco anos, Paraná exporta US$ 1,3 bilhão para França, sede da Olimpíada

Ao todo, 164 produtos cultivados, processados ou industrializados no Estado foram vendidos para os franceses entre o início de 2019 e o final do primeiro semestre de 2024.

Publicado em

em

Foto: Jonathan Campos/AEN

Em cinco anos, o Paraná exportou mais de US$ 1,3 bilhão em produtos para a França, a sede dos Jogos Olímpicos de 2024, cuja abertura será na próxima sexta-feira (26) com a participação de atletas apoiados pelo Estado no programa Geração Olímpica e Paralímpica. Ao todo, 164 produtos cultivados, processados ou industrializados no Estado foram vendidos para os franceses entre o início de 2019 e o final do primeiro semestre de 2024. Os dados são do Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC).

A variedade de produtos enviados à França, que movimenta principalmente as agroindústrias locais e os setores automotivo, têxtil e madeireiro, por exemplo, mostra o dinamismo e a solidez da economia paranaense.

No pódio dos produtos paranaenses mais exportados neste período, a medalha de ouro fica com o farelo de soja. Com liderança folgada, o produto, que é usado principalmente para a alimentação animal, foi responsável por US$ 999 milhões em exportações aos franceses no período. Foram mais de 2,4 milhões de toneladas exportadas no período.

Na sequência, o segundo produto que mais movimentou as exportações paranaenses para a França foi a seda em fios. Como é um produto de maior valor agregado, as 576 toneladas comercializadas entre o Estado e o país europeu no período representam US$ 49,8 milhões na balança comercial paranaense. Quase metade disso, US$ 20 milhões, foi comercializado ao longo de 2023 e nos primeiros meses de 2024.

O Paraná é reconhecido na produção no campo e na indústria. O Estado conta com mais de 1,8 mil produtores de casulo de seda em mais de 170 municípios, que ocupam 4.700 hectares de plantação de amoreiras (que são alimentos para os bichos). São 2,2 mil toneladas produzidas anualmente, o que representa mais de 80% de toda a seda do País. Na indústria, uma empresa de Londrina (Bratac) atua no segmento de fiação de seda natural e garante o abastecimento do mercado europeu, principalmente para grandes grifes globais.

Com a medalha de bronze, estão os produtos trabalhados de madeira, como dormentes em madeira e madeira para assoalhos, móveis e construção civil. A comercialização destes produtos com a França ao longo de cinco anos rendeu US$ 35,5 milhões aos produtores paranaenses, com 20 mil toneladas exportadas.

Ainda entre os dez produtos mais exportados pelo Paraná à França estão os aparelhos elétricos, como tomadas e interruptores (US$ 26,9 milhões); peças de veículos (US$ 25,9 milhões); amidos e matérias albuminóides (US$ 23,3 milhões); bombas para líquidos e fluidos para motores (US$ 21,1 milhões); folheados e placas de madeira (US$ 18,9 milhões), manufaturas de madeira (US$ 15,8 milhões); e aparelhos contadores, como indicadores e tacômetros de velocidade (US$ 14,3 milhões).

Ranking

Os valores totais em dólar em exportações fazem da França o 20º principal destino dos produtos paranaenses entre 2019 e o primeiro semestre de 2024. Entre os europeus, o país fica atrás da Holanda (US$ 3 bilhões), da Alemanha (US$ 2 bilhões) e da Itália (US$ 1,5 bilhões). No geral, os dois principais destinos são a China (US$ 28,8 bilhões) e Estados Unidos (US$ 7,3 bilhões).

Já em toneladas exportadas, a França é o 11º principal destino dos produtos paranaenses. Os 10 primeiros são China (59 milhões de toneladas), Irã (6,2 milhões de toneladas), Holanda (6 milhões de toneladas), Estados Unidos (5,9 milhões de toneladas), Paraguai (5,3 milhões de toneladas), Japão (5,2 milhões de toneladas), Coreia do Sul (4,8 milhões de toneladas), Vietnã (3,3 milhões de toneladas), Bangladesh (2,6 milhões de toneladas) e Alemanha (2,6 milhões de toneladas).

Fonte: AEN-PR
Continue Lendo

Notícias Em São Paulo

16º Congresso ABMRA aborda futuro do marketing no agro em mais de 10 horas de programação

Evento deste ano trará palestrante internacional para explorar a construção de caminhos para uma marca forte gerar impacto mundial.

Publicado em

em

Congresso de Marketing do Agro ABMRA terá mais de 10h de programação. Fotos: Divulgação

A edição do 16º Congresso de Marketing do Agro ABMRA já tem data marcada. O evento, que é considerado o maior encontro de comunicação e marketing no Agro do país, será realizado no dia 19 de setembro, das 08 horas às 18h30, no Blue Tree Transatlântico, em São Paulo. Para este ano, o tema central será “O Próximo Passo do Marketing No Agro: O Que Nos Espera No Futuro?”, com uma programação envolvendo debates e trocas entre os participantes sobre os principais eixos que envolvem a comunicação do Agro.

Ao longo de mais de 10 horas de evento, passarão pelo auditório 15 palestrantes que serão divididos em cinco painéis. Após os talks, os três convidados de cada sessão participarão de uma mesa redonda que será mediada por um convidado. A programação até o momento está logo abaixo.

“O Congresso de Marketing do Agro ABMRA é uma referência no setor para os profissionais de comunicação se atualizarem das melhores práticas e cases do mercado. É um momento único de trocas de experiências com executivos de grandes empresas e autoridades. Por isso, ano após ano temos a responsabilidade de entregar aos congressistas os melhores conteúdos” comenta Cristina Bertelli, Diretora do Congresso de 2024.

A edição do Congresso de Marketing do Agro ABMRA terá entre os destaques a palestra da CEO da marca de café colombiana Juan Valdez, Camila Escobar Corredor. O produto é um case mundial de marketing de como a marca se transformou em um patrimônio para a Colômbia. A palestra terá tradução simultânea para os congressistas e convidados.

Na edição deste ano, os convidados poderão conhecer a evolução do Projeto Marca Agro do Brasil, iniciativa que visa aproximar o Agro da população urbana, mudar a sua imagem e, assim, torná-lo uma paixão nacional. Nesse sentido, o presidente da ABMRA, Ricardo Nicodemos, destaca que o Congresso de Marketing do Agro ABMRA é uma excelente ocasião para trocas de experiências e a capacitação de todo o setor na conquista deste objetivo.

Ricardo Nicodemos, presidente da Associação Brasileira de Marketing Rural e Agro (ABMRA)

“É claro que a ABMRA tem um plano de ações com o Marca Agro do Brasil, e para transformar a relação da população brasileira, que tem mais de 200 milhões de pessoas, com o setor não é uma missão simples. Para de fato termos uma evolução nesse quesito, o único caminho possível é conquistar uma comunicação clara e eficiente do setor como um todo. Por isso, o 16º Congresso de Marketing do Agro ABMRA é tão importante, considerado um MBA em um único dia. Nós precisamos de um espaço de troca, com profissionais qualificados e que trabalhem em diferentes partes desse setor tão poderoso que move a nossa economia. Com certeza será um espaço de muito diálogo e aprendizado para todos os participantes” explica Nicodemos.

O Congresso de Marketing do Agro ABMRA é reconhecido como um espaço essencial para troca de conhecimento, networking e inspiração, que carrega a experiência de 45 anos de atuação da Associação. “O Congresso da ABMRA é fundamental para aprofundar a comunicação do agronegócio brasileiro para dentro e fora da porteira. Durante o evento temos a oportunidade de construir networking, compartilhar experiências e discutir estratégias que impulsionam a criação de um marketing forte para o setor agrícola”, avalia Wanderson Tosta, Diretor de Marketing da Jacto, que foi patrocinadora do Congresso do ano passado e confirmou a parceria para 2024.

Os interessados em participar do evento podem realizar a compra dos ingressos e conferir o calendário de lotes no site oficial (clique aqui). Os Associados da ABMRA têm condições especiais.

Programação

Painel 1: “Times de alta performance ganham campeonatos”, com moderação do jornalista Divino Onaldo e do repórter da TV Cultura Bruno Pinheiro Faustino

Palestrantes:

Renato Seraphim, CEO da Ciarama Máquinas John Deere e Conselheiro na FEARP-USP;

Santiago Franco Jaramillo, CEO da Cibra Fertilizantes;

Vânia Pajares, Diretora Musical e Regente.

Painel 2: “Informações e dados: amigos ou vilões”, com moderação do jornalista da Revista Oeste Artur Piva

Palestrantes:

Dirceu Ferreira Júnior, sócio da PwC Brasil liderando o time de Inovação Aberta, no Agtech Innovation;

Henrique Rodrigues, líder da área de Negócios & Insights da BB Media Brasil;

Eduardo Alves Pereira, Business Development Director.

Painel 3: “O poder da economia verde para as marcas”, com moderação de Lilian Munhoz, jornalista e Sócia da Comunicativas

Palestrantes:

Ricardo Esturaro, CEO da IkiGaia;

Ana Doralina, produtora rural indicada pela revista Forbes como uma das 100 Mulheres mais poderosas do Agro e especialista em Gestão em Agronegócios e Produção, Higiene e Inspeção de Produtos de Origem Animal;

Marcello Brito, Secretário Executivo do Consórcio da Amazônia Legal, Conselheiro e Professor.

*Painel 4: “Construindo marcas fortes”, com moderação da editora-chefe do Notícias Agrícolas Carla Mendes

Palestrante:

Camila Escobar Corredor, CEO na Juan Valdez Café;

*Novos palestrantes a serem confirmados.

Painel 5: “O poder da comunicação 360º”, com moderação do jornalista e radialista Otávio Ceschi Júnior

Palestrantes:

Rodolfo Schneider, Diretor Geral e de Conteúdo do Grupo Bandeirantes

Felipe Viante, Presidente da Associação Brasileira Mídia Out Of Home (ABOOH)

Essio Floridi, Diretor Sênior de Vendas e Operações de Samsung Ads para América Latina

Serviço 16º Congresso de Marketing do Agro ABMRA

Quando: 19/09/24 (quinta-feira), das 8 horas às 18h30

Onde: Blue Tree Transatlântico – Av. Cecilia Lottenberg, 130 – Chácara Santo Antônio, São Paulo.

Mais informações: (Clique aqui).

Fonte: Assessoria ABMRA
Continue Lendo
SIAVS 2024 E

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.