Conectado com

Notícias

TecnoBov: Uma linha voltada para as diferentes fases e necessidades do rebanho.

Publicado em

em

A partir do reconhecimento do Brasil como importante produtor/exportador de carne bovina no mercado internacional, a Vaccinar Nutrição e Saúde Animal investiu no setor contratando uma equipe especializada e com total foco em bovinos de corte. A partir daí, o primeiro passo foi o desenvolvimento de uma linha completa de suplementos minerais com conceitos modernos de pecuária de alto desempenho. Surge assim, em 2012, a Linha Tecnobov.

Visando fazer frente à variação de clima, disponibilidade de chuvas, qualidade e disponibilidade de forragem do país, a empresa apostou em produtos para animais nas diferentes fases de cria, recria e engorda, suplementos para períodos de seca e águas, além de uma linha especializada para animais em sistemas de confinamento.

Segundo Anderson Vargas, gerente nacional de bovinos de corte e um dos idealizadores da proposta, animais em diferentes fases possuem diferentes níveis de exigências minerais. “Vacas em reprodução necessitam de níveis mais elevados de minerais do que animais em recria. Além de manter o bezerro, ela necessita conceber e emprenhar novamente.” 

Outro aspecto característico e que traz enormes prejuízos à produtividade brasileira são períodos bem definidos de alta disponibilidade de chuvas e de baixa disponibilidade. De acordo com Vargas, a queda na quantidade e qualidade das forrageiras geram a necessidade de produtos específicos. “Precisamos suprir não só a deficiência mineral, mas também níveis de proteína extremamente baixos nas secas”. Diante disso, a Vaccinar investiu nos produtos TecnoFort e TecnoGold, com objetivo de promover uma adequada suplementação protéico mineral para os rebanhos a pasto.

Por outro lado, com o avanço das fronteiras agrícolas, aumento da rentabilidade das lavouras comerciais e consequente redução das áreas de pecuária em algumas regiões, o sistema de confinamento foi impulsionado. “Na Vaccinar colocamos a toda prova o profissionalismo e a capacidade técnica da equipe em desenvolver produtos TecnoBov Confinamento. Como consequência, o resultado financeiro de alguns clientes avaliados foram da ordem de 15% a 20%, chegando em alguns casos a 25% de rentabilidade sobre a operação”, exemplificou o gerente.

O período inicial de um confinamento apresenta um enorme desafio para os animais nos primeiros 10 a 15 dias de cocho. Transporte, recepção, protocolos sanitários, socialização, adaptação a dietas com altas densidades energéticas impõem alto nível de estresse. Para esse caso, os técnicos da Vaccinar desenvolveram o TecnoBov Adapt. 

Ano passado, a Vaccinar atuou em 19 Estados da Federação. Na Região Nordeste, por exemplo, “um produto muito utilizado para engorda intensiva foi o Bovi Master Grão Inteiro, produto peletizado, ao qual é adicionado apenas o milho grão na mistura final”. De acordo com Vargas, a alternativa foi fundamental para os produtores da região castigada pela seca. 

Por fim, Anderson Vargas assinala que os resultados são decorrentes do investimento da empresa em pessoas. “Existe um foco na qualificação da equipe e investimento em treinamento”. Para isso, foram contratados consultores externos, que ministraram treinamentos nas mais diversas áreas. Assim, em perfeita sintonia com os objetivos da Vaccinar, os colaboradores são também responsáveis pelos resultados obtidos e pela satisfação do cliente. 

Fonte: Ass. Imprensa Vaccinar

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias Oportunidade de Negócios

Instituições financeiras oferecerão R$ 3 bi em crédito no Show Rural

Organizadores do evento estão otimistas e estimam movimentação financeira entre R$ 1,5 bilhão e R$ 2 bilhões

Publicado em

em

Divulgação

Os bancos e as cooperativas de crédito que estarão presentes no Show Rural Coopavel 2019 vão disponibilizar R$ 3 bilhões aos produtores rurais que desejarem financiar máquinas, implementos ou fazer outros investimentos em suas propriedades. As taxas e prazos oferecidos serão os melhores do mercado.

O 31º Show Rural Coopavel terá a presença do Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Bradesco, Santander,. BRDE e as principais cooperativas de crédito do País, entre elas Sicredi, Sicoob, Cresol e Credicoopavel. Os organizadores do evento estão otimistas e estimam movimentação financeira entre R$ 1,5 bilhão e R$ 2 bilhões.

O Show Rural Coopavel será de 4 a 8 de fevereiro e contará com 520 expositores. O público esperado é 250 mil pessoas. Uma das principais novidades desta 31ª edição é o Show Rural Digital, que contará com a participação de algumas das maiores empresas do mundo de tecnologia e inovação.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Tudo sobre avicultura

FACTA lança edição ampliada e revisada do livro “Produção de matrizes de frangos de corte”

Exemplar traz 15 capítulos com diversos elementos sobre o desenvolvimento das aves

Publicado em

em

Divulgação/Assessoria

A Fundação APINCO de Ciência e Tecnologia Avícolas (FACTA) lança a 3ª edição do livro “Produção de matrizes de frango de corte”, ampliada e com conteúdo revisado. A obra envolveu mais de 35 profissionais, sendo alguns colaboradores de empresas fortemente comprometidas com o setor avícola, bem como pesquisadores do mundo acadêmico.

O exemplar traz 15 capítulos com diversos elementos sobre o desenvolvimento das aves, como o entendimento dos aspectos fisiológicos dos machos e das fêmeas, o manejo alimentar, as principais doenças e formas de tratamento, a relevância da casca dos ovos, ambiência, biosseguridade, o dimensionamento e gerenciamento das granjas de produção, dentre outros assuntos, que são abordados com profundidade, mas de forma didática, com ilustrações, tabelas e figuras, que facilitam o entendimento do texto.

O livro foi editado pelos membros da FACTA: Marcos Macari, Elisabeth Gonzales, Inaldo Sales Patrocínio e Neyre Norie Shiroma, com apoio da FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) e das empresas Alltech do Brasil, Biocamp, Cargill Alimentos, Cobb-Vantress Brasil, Nutriquest Technofeed Nutrição Animal, Ceva Saúde Animal e Zoetis Indústria de Produtos Veterinários.

O livro pode ser adquirido no site da FACTA.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Mercado Externo

Cinco unidades de frango do Brasil são desabilitadas a exportar a sauditas

Entre as plantas que permanecem habilitadas a exportar para o país árabe estão BRF, JBS, Seara e a LAR Cooperativa Agroindustrial

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Na segunda-feira (21) o serviço sanitário da Arábia Saudita apresentou o relatório das empresas brasileiras habilitadas a exportar para o país. Segundo a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) a autorização se mantém para 25 plantas frigoríficas brasileiras de carne de frango. Atualmente, 58 plantas são habilitadas pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) a exportar, mas somente 30 embarcam produtos efetivamente.

A ABPA informou em nota oficial que o impacto da decisão, portanto, é sobre cinco plantas frigoríficas, que deixam de exportar para o país. “As empresas autorizadas constam em uma lista divulgada pelas autoridades sauditas. As razões informadas para a não-autorização das demais plantas habilitadas decorrem de critérios técnicos. Planos de ação corretiva estão em implementação para a retomada das autorizações”, diz a nota.

A Associação comunicou que está em contato com o Governo Brasileiro para que, em tratativa com o Reino da Arábia Saudita, sejam resolvidos os eventuais questionamentos e incluídas as demais plantas. “Além disto, as plantas que hoje não estão habilitadas contarão com o apoio do Ministério para obter a autorização para exportar a este mercado”, afirma a ABPA.

Segundo o MAPA, o grupo habilitado respondeu no ano passado por 63% do volume das exportações brasileiras de carne de frango – porcentagem que correspondeu a 437 mil toneladas – para a Arábia Saudita.

Além do mais, o Ministério ainda está examinando o relatório e encaminhará aos estabelecimentos as recomendações apresentadas.

Entre as plantas que permanecem habilitadas a exportar para o país árabe estão BRF, JBS, Seara e a LAR Cooperativa Agroindustrial.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
APA
Nucleovet 2

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.