Conectado com

Suínos / Peixes

Técnica pós-cervical muda padrões de inseminação artificial

Publicado em

em

1)
Como funciona a técnica da inseminação artificial pós-cervical? Qual a
diferença da IA intracervical?

A
técnica de inseminação artificial tradicional utilizada em suínos permite a
deposição da dose inseminante na porção proximal a média da cérvix, por isso é chamada
de deposição intracervical.

A
inseminação artificial pós-cervical (IAPC) foi possível pela adição de um novo
instrumento ao processo: o cateter. Os cateteres utilizados atualmente permitem
uma extensão de aproximadamente 20 cm além da pipeta tradicional, ultrapassando
assim a barreira da cérvix e alcançando o corpo do útero e a porção inicial dos
cornos uterinos (figura 1).

            Uma das perguntas mais frequentes
nas granjas talvez seja: “Como uma extensão de apenas 20 cm permite uma
alteração tão significativa no número de espermatozóides utilizados e no volume
das doses?”.

A
cérvix representa um ambiente hostil ao espermatozoide, com saliências e
reentrâncias (aneis cervicais), muco, pH e células de defesa, onde uma porção
significativa dessas células de fato pode ser perdida.

Além
dessas considerações a respeito da cérvix, os “apenas” 20 cm significam quase 5.000
vezes o tamanho do espermatozóide (que tem aproximadamente 50µ). Comparando com
uma pessoa de 1,80m, significariam 9.000 metros. Apesar do transporte
espermático nessa fase praticamente não depender da motilidade da célula (e sim
das contrações uterinas e da fluidez do muco na cérvix), a IAPC permite a não
exposição a esse ambiente e coloca os espermatozoides já no ambiente uterino,
diminuindo significativamente as perdas.

2)
 Por que se fala tanto hoje em dia de inseminação
artificial pós-cervical?

 A
Inseminação artificial tradicional é uma técnica que foi desenvolvida na década
de 30, no Japão e Rússia e os primeiros registros da tentativa de modificar
esse processo e utilizar a IAPC em suínos datam do final dos anos 50, portanto,
não é uma ideia que possamos chamar de “nova”.


em 1959, um pesquisador utilizou um equipamento que dispunha de um cateter para
realizar a deposição intrauterina do sêmen, muito parecido com o que utilizamos
hoje. 
Os resultados desse autor foram
excelentes, com aproximadamente 100% de taxa de prenhez e 95% de oócitos
fecundados. Nas pesquisas bibliográficas que realizamos, não está claro porque
essa ideia tão promissora foi abandonada na época.

            O assunto foi retomado na comunidade
científica da suinocultura no início de 2000, com a realização de uma série de
trabalhos já em condições de campo e com os equipamentos que utilizamos
atualmente. Os resultados desses trabalhos estão resumidos na tabela abaixo.

 

Autor

Tratamento

Bilhões de sptz/dose

Volume (mL)

Taxa de Prenhez (%)

No de fetos ou embriões

Watson e Behan, 2002

IAPC

1,0

80

86,9

12,1

IAT

3,0

80

92,5

12,2

Dallanora et al.,
2004*

IAPC

1,5

60

94,9

11,5

IAT

3,0

90

94,4

11,8

Bennemann et al, 2004*

IAPC

0,5

20

92,7

11,3

IAT

3,0

90

95,1

12,1

*trabalhos
realizados no Brasil.

 

Concomitantemente,
enquanto alguns trabalhos comprovavam que era possível utilizar a técnica e
reduzir o número de espermatozoides, outros trabalhos testavam qual poderia ser
o número mínimo seguro de espermatozoides/dose para ser utilizado em condições
comerciais.

 

Autor

Tratamento

Bilhões de sptz/dose

Volume (mL)

Taxa de Prenhez (%)

No de embriões

Mezalira et al., 2003*

IAPC

1,0

20

84,7

13,3

0,5

20

85,5

14,3

Bennemann et al., 2004*

IAPC

1,0

60

82,1

15,9

2,0

60

96,5

14,9

*trabalhos
realizados no Brasil

 

Nos
dados de pesquisa, ficou estabelecido que é possível utilizar até 1,0 bilhão de
espermatozoides/dose e 25 mL de volume total, porém, baseado no conhecimento do
aparelhamento das centrais de inseminação daquela época, optou-se por trabalhar
com um pouco mais de cautela, o que é mantido até hoje.

Tabela
3
. Número de espermatozoides e volume de dose inseminante ideais para o uso de
IA tradicional e IAPC, em condições de campo no Brasil.

Dados da inseminação

IA Tradicional

IA Pós-cervical

No
de espermatozoides

3-4
bilhões

1,5
bilhão

Volume
da dose

80-100
mL

40-60
mL

 

Apesar
do estabelecimento completo da metodologia e dos resultados já consolidados há
mais de 10 anos, o custo do conjunto pipeta/cateter ainda era muito alto e
tornava a inviável a aplicabilidade em condições comerciais, tanto no Brasil
como em qualquer outro local do mundo. Em 2002, uma pipeta de IAPC custava mais
de 10 vezes o valor da pipeta de IA tradicional.

Nos
últimos anos, especialmente na Espanha, essa técnica passou a ser utilizada em
condições comerciais e, no Brasil, com a chegada de equipamentos de custo
razoável, o uso passou a ganhar uma importância significativa.

 3) Quais são as vantagens REAIS da IAPC?

            As possíveis vantagens na
utilização dessa técnica estão relacionadas ao aumento do número de nascidos,
diminuição do tempo de inseminação, redução do consumo de diluente e redução do
número de machos no plantel. É fundamental avaliar essas possibilidades com cautela
em cada granja.

            O aumento do número de nascidos não
deve ser considerado uma verdade absoluta. Todos os trabalhos são claros em
provar que, quando a IA tradicional é bem conduzida, os resultados da IAPC são
semelhantes, ou seja, é possível MANTER o desempenho reprodutivo utilizando 50%
a menos de espermatozoides e de volume de dose. É um erro dizer que a técnica
por si só melhora o desempenho das granjas, quando o manejo reprodutivo é
adequado.

            O segundo ponto muito discutido é o
tempo de inseminação nas granjas. Esse benefício vem ao encontro de toda a
discussão de otimização de mão de obra as granjas e também não é uma verdade
absoluta. Quando cronometramos o tempo de inseminação total, desde a passagem
do macho para confirmar o cio até o final da infusão da dose, não há diferença
significativa.

            Os dois benefícios reais estão
relacionados à redução de 50% no número de espermatozoides e volume de dose,
permitindo uma economia em diluente e um aumento no número de fêmeas atendidas
por um mesmo macho.

            A IAPC permite a aceleração da
difusão de características desejáveis nos planteis
. Os machos são
responsáveis por 50% do melhoramento genético que chega ao plantel e são
selecionados para características produtivas (conversão alimentar, ganho de
peso, carne magra), as quais possuem uma maior herdabilidade que as
características reprodutivas. Com a redução na necessidade de machos, pode ser
tomada a decisão de utilizar machos de maior valor e melhorar algumas
características no rebanho com maior velocidade.

OS
relatos mais recentes indicam uma relação de 1 macho: 350 matrizes,
considerando que aproximadamente 20% das coberturas serão realizadas com doses
tradicionais (leitoas) e 80% das inseminações com doses de IAPC.

 4)
Implementação, protocolos, cuidados
(A IAPC exige protocolos diferenciados
de execução? Quais os principais cuidados? Somente profissionais especializados
podem realizar a IAPC na propriedade? A indução do cio é necessária para o uso
da IA Pós-cervical? Ou qual protocolo seria o mais recomendado?)

 Não
há mais dúvidas sobre a aplicabilidade prática dessa tecnologia nas condições comerciais
das granjas brasileiras, o que há, de fato, é a necessidade de
cuidados na
produção das doses inseminantes e especialmente em relação a lesões ao trato reprodutivo
da matriz durante a IAPC
.

            Para o manejo reprodutivo em si, não
há alterações na dinâmica de indução/diagnóstico de cio e também não há
necessidade de nenhuma manipulação hormonal do ciclo estral.

            Um ponto que vendo sendo trabalhado
com alguma diferença entre as granjas é a questão da presença ou não do macho
na frente das fêmeas no momento da infusão das doses inseminantes. Algumas
granjas preferem continuar trabalhando da forma tradicional (com a presença do
macho) e não tem sido observada maior dificuldade por causa disso. Lembrando
que o macho precisará permanecer na frente das leitoas que continuarão sendo
inseminadas pela técnica tradicional.

            A dinâmica ideal da realização da
IAPC é a introdução e alocação da pipeta na cérvix de 4 a 5 matrizes ao mesmo
tempo, sendo seguida pela passagem do cateter nas mesmas 4 a 5 matrizes e
posterior infusão da dose. Dessa forma, a fixação da pipeta promove o
relaxamento da cérvix, preparando para a passagem do cateter. 
Nos
casos de dificuldade de passagem do cateter, as alternativas são esperar alguns
instantes, fazer a infusão de uma pequena quantidade de sêmen para haver alguma
lubrificação e até mesmo fazer a tentativa de realocar a pipeta.

No
protocolo de inseminação, são utilizadas doses de sêmen com 24 h, ou seja, uma
dose inseminante/dia, o que já era feito em diversos sistemas de produção,
mesmo utilizando IA tradicional. 
Tanto a produção das doses
inseminantes quanto a realização da inseminação podem ser conduzidas pelas
mesmas pessoas que trabalham com a IA tradicional, porém não podemos subestimar
os riscos de erros nesses processos e perdas de produtividade. Ë essencial
realizar treinamentos teóricos, práticos, sérios e detalhados, capacitando
realmente às pessoas. Em alguns casos, o que estamos vendo no campo atualmente
é a banalização/simplificação excessiva dos procedimentos, o que não é
desejável em nenhuma atividade e abre portas para “queimar a tecnologia”.

4.1) Produção de doses de sêmen para
IAPC

            Pelo uso de um número menor de
espermatozoides, é fundamental que o processo de determinação da concentração
seja o mais preciso e o menos subjetivo possível. 
Como sabemos, a câmera de Neubauer é
o método mais preciso para determinar a concentração do ejaculado (número de
espermatozoides/mL), porém, pela riqueza de detalhes na sua execução, é também
a técnica que está sujeita ao maior risco de erro e ao maior tempo, o que
inviabiliza seu uso na rotina das centrais de produção de sêmen. Pela
subjetividade da avaliação visual, também não recomendamos o uso de
espermodensímetro.

Os
sistemas de avaliação computadorizada são considerados os métodos mais
precisos. Pelo seu custo, isso ficaria limitado, atualmente, às centrais de
grande porte. Em centrais de porte médio, os fotômetros são a ferramenta que
produz, na prática, o maior custo/benefício, especialmente se forem
frequentemente auditados através da contagem na câmara de Neubauer.

Além
da escolha do método de determinação da concentração, todo o procedimento
precisa ser cuidadosamente realizado. Em geral, não utilizamos mais que 0,5 mL
de sêmen (na maioria das vezes muito menos que isso) para estimar o número de
espermatozoides em 300 a 400 mL de sêmen. Então, essa amostra precisa ser muito
bem coletada.

Durante
a coleta, as células tendem a se acumular em maior concentração no fundo do
recipiente, então, se coletarmos do fundo estaremos superestimando e, se
coletarmos muito superficialmente, estaremos subestimando. É fundamental a
homogeneização do ejaculado antes de coletá-la. Essa homogeneização também deve
ser realizada com cuidado, pois os movimentos de centrífuga acabam lançando os
espermatozoides para as paredes do copo, prejudicando a avaliação.

O
volume do ejaculado também deve ser estimado através do peso, evitando
recipientes graduados em mL, os quais, na maioria das vezes, não são precisos.

 4.2) Desperdício de espermatozóides

 É
preciso tomar alguns cuidados em relação a três momentos que podem ser fonte de
desperdício/perda de espermatozóides: o uso do sêmen para lubrificar a pipeta, o
residual de sêmen que pode ficar dentro do cateter após o final da IA e o
refluxo no momento da inseminação.

As
duas primeiras situações podem gerar perdas de até 10 mL e significar 20% dos
espermatozóides que deveriam ser infundidos. 
A
questão do refluxo não é comum na IAPC e pode ser um indicador de que os
equipamentos estejam mal posicionados no trato reprodutivo.

 

4.3) Lesões no trato reprodutivo
feminino

 Nos
trabalhos realizados no Brasil, a taxa de sucesso na passagem do cateter pela
cérvix é próxima de 100%, nas matrizes multíparas, ou seja, não há grandes
dificuldades na realização da técnica. A IAPC tem restrição de uso nas leitoas
e exige um pouco mais de cuidado nas primíparas. 
A lesão ao trato reprodutivo (cérvix
e/ou útero) é avaliada pela presença de sangue no momento da retirada da pipeta
e tem consequências sobre o desempenho reprodutivo.

 

 

 

Figura
5. Pipeta com e sem presença de sangue logo após a sua retirada do trato
reprodutivo. (foto: grupo de Suínos da Unoesc)

Autores

% de fêmeas

com presença de sangue

Consequências

Dallanora
et al., 2004

9,5

13,8%
x 2,6% de retorno ao cio nas matrizes que tiveram e não tiveram sangue,
respectivamente.

Bennemann
et al., 2005

8,4

2,6
leitões a menos nas matrizes que tiveram sangramento.

 

Como
pode ser visto, o impacto é bastante significativo e a passagem do cateter
merece toda a atenção. Temos trabalhado com treinamento em peças de frigorífico
para simular a dificuldade de passagem do cateter pelos aneis cervicais, para
depois passar para as matrizes em cio. Deve ser uma preocupação de todos,
também pelas questões de bem estar e não sofrimento das matrizes.

 5)
Qual a importância da qualidade de fertilidade do reprodutor no processo?
Podemos falar em padrões de reprodutor mais recomendado para a técnica?

 Com
o aumento do número de matrizes atendidas/ macho na IAPC, o reprodutor ganha
uma importância ainda maior.

Apesar
disso, não há um padrão de reprodutor que seja mais indicado para ser doador de
sêmen para a IAPC. Há uma indicação de realização de exame de morfologia
espermática a cada 60 dias, como rotina de machos em Centrais de produção de
sêmen e as avaliações de motilidade espermática de sêmen in natura e sêmen
diluído. Os limites mínimos para esses parâmetros continuam os mesmos, sendo
< 20% de defeitos totais e >70% de motilidade.

A
fertilidade individual dos machos é muito importante. Praticamente não há uso
de pool de sêmen na suinocultura brasileira e trabalhos recentes têm indicado
que, mesmo quando utilizado o pool, na maioria das vezes não permite a devida compensação
dos problemas.


aproximadamente 15-20% dos machos que se apresentam subférteis ao longo do ano,
mesmo sem sinais clínicos e sem alteração nas avaliações de rotina citadas
acima (Alm et al., 2006). Essa constatação ganha importância à medida que
reduzimos o número de células/dose, como no caso da IAPC.

É
preciso implantar um programa de controle de qualidade nas centrais de produção
de sêmen de forma garantir a estabilidade da qualidade das doses produzidas ao
longo do ano (pelo menos bacteriologia de água e sêmen, concentração
espermática, morfologia e motilidade).

            Com relação aos indicadores de
subfertilidade, infelizmente ainda não existem testes simples e de
aplicabilidade prática que estimem com alto grau de confiabilidade que indiquem
essa situação.

 6) É uma tecnologia mais cara?  Por que compensa? Pode ser utilizada por todo
produtor?

 A
decisão de implementação da técnica de IAPC num sistema de produção deve ser
avaliada individualmente. Sob o ponto de vista de disseminação de
características desejáveis no rebanho, as vantagens são evidentes. Apesar
disso, os critérios abaixo devem ser observados.

 6.1)  Custo da inseminação das matrizes

Atualmente,
a definição por utilizar a IAPC não significa necessariamente aumento no custo
de inseminação das matrizes. O custo do conjunto pipeta/cateter que era o
principal entrave de 10 anos atrás não é mais significativo.

Algumas
estimativas de valor/matriz foram realizadas ao longo dos anos, mas é preciso
considerar a realidade de cada sistema de produção. A definição do valor dos
machos utilizados será o principal fator a influenciar, já que esses representam
60-70% do custo de produção das doses inseminantes.

 6.2) Escala de produção e nível de
tecnologia utilizada na produção de sêmen:

O
número de machos utilizados em cada sistema de produção apresenta um limite
máximo de redução, ou seja, não podemos simplesmente utilizar as relações
divulgadas de 1 macho para mais de 300 matrizes deliberadamente.

Considerando
o risco de subfertilidade já 
comentado
anteriormente, não recomendamos um número menor que 5 machos em uma central de
produção de sêmen, ou seja, não seria possível reduzir o número de machos num
plantel menor que 1.500 matrizes.

Em
unidades de produção de pequeno porte, o indicado é que, no caso de definição
pelo usa da IAPC, as doses sejam adquiridas de centrais com estrutura adequada
para produção das mesmas. 
Em
unidades de maior porte, mesmo assim, é preciso considerar o nível de
tecnologia e qualidade no processamento das doses ou buscar a adequação dos
mesmos.

Consideramos
também fundamental que sejam realizados treinamentos e que o procedimento seja
conduzido com bastante cuidado dentro da granja, para evitar lesões ao aparelho
reprodutivo das matrizes.

 *Por Djane Dallanora, consultora da Integrall Soluções em Produção Animal e professora da Unoesc 

Fonte: O Presente Rural

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × 1 =

Suínos / Peixes Suinocultura

Abraves Paraná discute alternativas para um velho problema: a destinação de animais mortos

A visão de vários atores da cadeia produtiva foi apresentada no Encontro Regional Abraves-PR com o objetivo de lançar mão das melhores possibilidades de destinação, nos diferentes cenários da suinocultura brasileira. No Brasil, a pecuária precisa dar destinação a 1,6 milhão de tonadas de carcaças todos os anos.

Publicado em

em

Fotos: Giuliano De Luca/OP Rural

O Encontro Regional Abraves (Associação de Medicos Veterinários Especialistas em Suínos) Paraná, que em março reuniu congressistas em dois dias de palestras técnicas sobre as atuais necessidades da suinocultura, promoveu um amplo debate sobre a destinação de animais mortos no setor produtivo. A visão de vários atores da cadeia produtiva foi apresentada no evento com o objetivo de lançar mão das melhores possibilidades de destinação, nos diferentes cenários da suinocultura brasileira. No Brasil, a pecuária precisa dar destinação a 1,6 milhão de tonadas de carcaças todos os anos.

O produtor rural Eloi Favero, da Associação Paranaense de Suinocultores (APS), falou sobre o destino de animais mortos nas granjas na visão do suinocultor. A visão da agroindústria e cooperativas foi abordada por Valdecir Mauerwerk, da Frimesa.

Já os desafios sanitários relacionados ao destino das carcaças de animais mortos foi o tema da palestra do presidente da Otamir Cesar Martins, da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar). O impacto ambiental da destinação dos animais mortos também foi abordado em apresentação de Rodrigo da Silveira Nicoloso, pesquisador da Embrapa.

Ainda da Embrapa, o pesquisador Luizinho Caron falou dos riscos inerentes à remoção de animais mortos das granjas para centrais de transformação, uma prática que está sendo ventilada para o setor, mas sofre muita resistência de profissionais do setor por conta dos altos riscos sanitários que apresenta.

As palestras abordaram ainda a utilização de animais mortos para produção de biogás, com o pesquisador Airton Kunz, da Embrapa, centrais para destinação de animais mortos, com o chefe geral da Embrapa Suínos e Aves, Everton Luis Krabbe, destino de carcaças de animais mortos no Paraná: aspectos legais, desafios estruturais e o que fazer para solucionar esse problema, com o presidente do Instituto Água e Terra (IAT Paraná), Volnei Bisognin, e demandas necessárias para elaboração de um programa nacional de destinação de animais mortos, novamente com o pesquisador Everton Krabbe.

Visão do suinocultor

Eloi Favero, da Associação Paranaense de Suinocultores

Favero, da APS, destacou que a ampla maioria dos produtores de suínos têm pequenas áreas de terra, composta basicamente com área de granja e lagoas, moradia de funcionários, pátios para caminhões, área de reserva legal e mata ciliar e uma parcela de área agricultável. Ele destacou que uma propriedade com mil matrizes gera cerca de 15 toneladas de animais mortos por ano.

Ele destacou que a primeira dificuldade é retirar os animais mortos das instalações, especialmente em granjas mais antigas, que não projetadas sem prestar atenção a isso. “Quando morre um animal dentro da sela parideira é muito difícil”, exemplificou.

Ele destacou as dificuldades da compostagem vivenciadas na propriedade, como falta de mão de obra para a tarefa. “As pessoas preferem pedir demissão do que ficar picando porco morto. Além disso, é uma tarefa repugnante, especialmente para mulheres. A gente houve relatos de que quando a pessoa vai para a composteira não consegue mais comer carne de porco”.

Ele destacou pontos importantes que devem ser considerados. “Temos que dar um destino adequado às carcaças sem correr nenhum risco sanitário, de estar disseminando doenças em nossos planteis, comprometendo a sustentabilidade da cadeia de produção. Precisamos de novos sistemas que otimizem o processo e o tempo de compostagem, mas que o custo seja acessível a todos os produtores. As empresas integradoras precisam se engajar para encontrar uma solução, já que os animais são de sua propriedade”, destacou, arrematando: “O atual sistema de compostagem está se tornando um problema social, na questão ambiental e na questão humana”.

Visão da agroindústria

Valdecir Mauerwerk, da Frimesa

O médico-veterinário Valdecir Mauerwerk, da Frimesa, destacou que o aumento de produtividade ano após ano nas granjas e do crescimento na produção previsto para os próximos anos vão aumentar ainda mais esse desafio. “Nossos clientes exigem cada vez mais onde estamos tratando esse material. Não podemos deixar de tratar desse assunto. Por outro lado, temos que pensar no bem-estar do produtor. A gente precisa olhar pra ele”, apontou.

Valdecir citou o caso da Frimesa, que hoje conta com 114 mil matrizes em seu processo produtivo. Somente a cooperativa gera cerca de 8.650 toneladas de animais mortos todos os anos, o equivalente a 24 toneladas por dia. “Detalhe: estamos falando de uma única integração. Veja a imensidão disso”, ressaltou.

Desse total, a ampla maioria é no processo de terminação dos suínos. São cerca de 1.140 toneladas de matrizes, 275 toneladas de leitões em maternidade, 1.235 toneladas de leitões em creche e 6 mil toneladas em suínos em terminações. “A destinação de carcaças de animais mortos e placentas ainda apresenta grandes dificuldades”, disse, citando as alternativas existentes, como “compostagem, rotoacelerador, triturador + tratamento térmico + biodigestor, desidratador de carcaças e enterrio”, mas também disse que “há necessidade de novas alternativas para a destinação”.

Entre as alternativas para o problema, citou “estratégias para redução de mortalidade, conscientização das pessoas envolvidas, necessidade de otimização de processos e a busca por novas tecnologias ou melhorarmos as já existentes”.

Desafios sanitários da destinação

Os desafios sanitários para a destinação de animais mortos foi o tema da palestra do presidente da Adapar, Otamir Cesar Martins. “Nós temos que pensar que temos aves, suínos e bovinos. Somos um Estado (Paraná) pequeno, com base na agricultura. Somos os maiores produtores de alimentos do Brasil. Somos o primeiro Estado em produção de aves, o segundo em suínos, o segundo maior produtor de leite, primeiro em piscicultura, segundo em ovos e décimo em carne bovina. Isso traz consequências, como aumento da população de animais, o aumento do risco sanitário, especialmente porque retiramos a vacina contra aftosa, necessidade de aumento da vigilância e destinação de dejetos e carcaças”, frisou. “Há no Paraná essa grande concentração de animais e temos que pensar na destinação de animais mortos”, ampliou.

Martins destacou que o Serviço Veterinário Oficial precisa da participação dos serviços veterinários não oficiais. “Isso é uma recomendação da OIE (Organização Mundial de Saúde Animal)”, orientou.

Presidente da Adapar, Otamir Cesar Martins

Em um ponto polêmico, Martins destacou a possibilidade de fazer o transporte de animais para fora das fazendas, em centrais de recebimentos desses resíduos, que seriam locais adequados para a destinação e eliminação de riscos. No entanto, frisou que a atividade, mesmo que autorizada por normativa de 2019 do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, gera riscos no transporte. “O recolhimento de carcaças por empresa credenciada pode ocorrer quando houver morte natural do animal, morrer por doenças de produção, acidente de manejo, acidente no transporte, intempéries ou, com autorização da Adapar, em casos de doenças de programa”.

Ele destacou que os produtos gerados a partir desse processamento podem ser usados como insumos para as indústrias química e energética, adubo, biodiesel e insumos para produtos de higiene e limpeza.

“O recolhimento de carcaças é uma alternativa, porém há um risco sanitário. A disseminação de doenças, como a Peste Suína Africana, a Peste Suína Clássica e a Febre Aftosa, no transporte de animais vivos ou mortos é um ponto de risco, deve ser executado com muita responsabilidade por todos os envolvidos”, frisou.

Impacto ambiental da destinação

Rodrigo Nicoloso, da Embrapa

O engenheiro agrônomo Rodrigo da Silveira Nicoloso, pesquisador da Embrapa Suínos e Aves, destacou a importância de dar fim a esses resíduos orgânicos causando impacto de maneira controlada, especialmente usando esse material para produzir fertilizantes e usar nas lavouras. É preciso uma gestão integrada dos resíduos nas propriedades rurais”, pontuou.

Ele destacou uma nova forma de fazer leiras para a compostagem, que está sendo validada pela Embrapa, com animais inteiros. “É uma tecnologia que dá menos trabalho para o produtor com custo acessível”, pontuou.

Nesse sistema, destacou Nicoloso, é para todos, de pequenas a grandes propriedades. “Tem um baixo investimento, basicamente a cerca de contenção e isolamento, com tempo de compostagem de aproximadamente 60 dias, dependendo do tamanho do animal, e pode ser usado depois como adubo orgânico para áreas de grãos ou reflorestamento”, sustentou. Ele destacou que a tecnologia de compostagem com animais inteiros funciona melhor com cobertura de 60 centímetros. Isso evita o chorume e aumenta a temperatura nas leiras que inativa os microrganismos.

Ele destacou outras tecnologias, como compostagem tradicional, compostagem acelerada e biodigestão anaeróbia. Nicoloso destacou, no entanto, que cada é usada de acordo com o tamanho das propriedades.

Riscos de remoção de animais

Luizinho Caron, da Embrapa

Luizinho Caron, da Embrapa, demonstrou estudo sobre os riscos que a remoção das fazendas dos suínos mortos oferece. Ele recomenda mais estudos como a simulação da Embrapa apresentada por ele para garantir qualidade nesse tipo de serviço. No estudo foram listados perigos microbiológicos, dos quais 49 agentes bacterianos e 45 agentes virais. Desses, 46 agentes bacterianos e 24 agentes virais foram identificados em rebanhos brasileiros. O estudo da Embrapa, envolveu três cenários.

“As incertezas podem ser reduzidas caso mais dados científicos dos agentes infecciosos sejam obtidos”, destacou, lembrando que a Embrapa disponibiliza suas publicações que tratam da remoção de animais mortos e riscos microbiológicos envolvidos para toda a cadeia suinícola.

Carcaça produz mais biogás que o dejeto

“Eu começo com uma premissa. Para mim, (animal morto) não é resíduo, para mim é substrato. Esse material tem muita energia guardada e uma capacidade muito grande de geração de biogás”, introduziu o também pesquisador da Embrapa Airton Kunz, que destacou a oportunidade de transformar o passivo em um ativo.

Ele destacou que todos os dejetos e carcaças podem produzir energia. “Temos os dejetos, com diferentes composições e concentrações, em função dos diferentes tipos de sistemas produtivos, temos resíduos como placentas e natimortos e temos os animais mortos não abatidos, que não são uma novidade”, destacou, lembrando que a composição.

Airton Kunz, da Embrapa

No entanto, destacou que estudo da Embrapa demonstra que as carcaças são melhores substratos para a produção do gás. “A digestão anaeróbia é uma alternativa promissora. Se fizer manejo correto, a carcaça é excelente substrato para produção de biogás. A carcaça animal possui um potencial de produção de biogás cinco vezes maior do que os dejetos”, apontou Kunz. “Se você oferece carcaça para o biodigestor eu fico feliz”, emendou. No entanto, o excesso de carcaças nos biodigestores pode atrapalhar. “A gente faz uma codigestão, com dois substratos”, destacou, alertando para o equilíbrio do pH. “.

A trituração das carcaças também precisa ser feita para melhorar o processo de biodigestão, assim como a o tratamento térmico é indicado para inativação de patógenos. “A gente pode usar o calor do grupo motogerador. A gente perde calor dos nossos sistemas de geração de energia elétrica”, orientou. “Calor é energia, é dinheiro”, ampliou, destacando que todos esses processos, de trituração, higienização e alimentação do biodigestor precisam ser automatizados.

Outro desafios 

Centrais para destinação de animais mortos, com o chefe geral da Embrapa Suínos e Aves, Everton Luis Krabbe, e destino de carcaças de animais mortos no Paraná: aspectos legais, desafios estruturais e o que fazer para solucionar esse problema, com o presidente do Instituto Água e Terra (IAT Paraná), Volnei Bisognin, encerraram a programação sobre a destinação de animais mortos do Encontro Abraves Paraná.

Para ficar atualizado e por dentro de tudo que está acontecendo no setor suinícola e da piscicultura acesse gratuitamente a edição digital Suínos e Peixes.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Suínos / Peixes Risco sanitário

O impacto do javali na biosseguridade da produção suína

Com a diversidade e abundância de recursos naturais associadas à reprodução descontrolada e à ausência de predadores naturais, essa espécie se proliferou e se disseminou amplamente pelo território nacional, acendendo um alerta para a defesa sanitária do país.

Publicado em

em

Divulgação/Pixabay

Introduzido há sete décadas no Brasil para exploração comercial, os javalis se tornaram uma grande dor de cabeça para muitos setores produtivos, especialmente a suinocultura, quando passaram a viver livremente na natureza. Com a diversidade e abundância de recursos naturais associadas à reprodução descontrolada e à ausência de predadores naturais, essa espécie se proliferou e se disseminou amplamente pelo território nacional, acendendo um alerta para a defesa sanitária do país.

Pesquisadora da Embrapa Suínos e Aves, Virgínia Santiago Silva: “Em razão da espécie não ter predadores na natureza e de estar amplamente distribuída em território brasileiro é difícil sua erradicação” – Foto: Jaqueline Galvão/OP Rural

Com foco em aprimorar o manejo e a vigilância desses animais asselvajados em território brasileiro, com adoção de medidas de biosseguridade para garantir a segurança dos plantéis de suínos, a pesquisadora Virgínia Santiago Silva, da Embrapa Suínos e Aves, abordou os impactos do javali na suinocultura em palestra realizada no Fórum de Sanidade de Aves e Suínos, que aconteceu em fevereiro na cidade de Cascavel, no Oeste do Paraná.

Segundo ela, por ser uma espécie exótica invasora é considerada nociva à pecuária, à agricultura, ao meio ambiente, aos seres humanos e à saúde pública, por isso o seu controle populacional é regulamentado e autorizado no Brasil. E como são “ancestrais” do suíno doméstico, ou seja, pertencem à mesma espécie, o estímulo reprodutivo ocorre, o que aumenta ainda mais a chance de contato entre as duas populações e possível transmissão de patógenos/doenças.

Em dezembro de 2018, segundo dados da Embrapa e do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), haviam registros em 22 unidades da federação e mais de 1,5 mil municípios brasileiros com presença de javalis. “Isso já avançou, lamentavelmente, porque é uma espécie que vem aumentando muito rápido no país. Por causa dessa expansão acelerada, desde 2017 dispomos de um Plano Nacional de Prevenção, Controle e Manejo de Javali”, menciona Virgínia.

População de javalis no Brasil

A pesquisadora diz que não é possível mensurar a quantidade real de javalis existentes no Brasil porque a população é dinâmica, e como vivem livremente na natureza não há como fazer um controle de quantos animais nascem anualmente. “Esse é um dado que dificilmente alguém vai poder responder de forma imediata, porque o número total de javalis vai estar sempre oscilando, até em razão disso é fundamental que haja um sistema de controle”, expõe Virgínia.

Segundo a profissional, os indicadores com que os órgãos de defesa sanitária do mundo todo trabalham são baseados em informações cadastradas por diferentes atores autorizados que fazem o controle populacional da espécie exótica. “Na Europa trabalham com bolsas de abate, de caça; é uma atividade sinérgica, não é o que acontece no Brasil, porque lá eles têm uma quantidade de animais abatidos em áreas conhecidas, isso só é possível em nosso país com dados registrados e monitorados de abate. E para isso já contamos hoje com o Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis), que através do Sistema de Informação de Manejo da Fauna (Simaf), faz a gestão do manejo de animais abatidos no país, em que todo cidadão que deseja abater esses animais para proteger a sua propriedade tem condições, direito e autonomia para obter o registro de autorização. Essa gestão do Ibama é fundamental para que consigamos reduzir o avanço populacional de javalis no Brasil”, ressalta Virgínia.

Mais de 300 mil javalis abatidos

A partir da informatização desses dados do manejo, implementado em abril de 2019 pelo Ibama, é possível gerar estatísticas de animais abatidos no país. Desde o início do programa de controle até agosto de 2021 foram declarados oficialmente o abate de 333 mil javalis, o que não significa que haja um aumento populacional da espécie, apenas confirma que o controle está sendo realizado. “Esse número é decorrente dos abates informados ao Ibama, antes não havia esse controle, por isso não há registros, os animais eram abatidos sem que tivéssemos noção de quando, como, onde e por quem eram abatidos, agora através deste serviço do Ibama, conseguimos ter estatísticas, números esses que podem orientar as nossas próximas ações”, justifica a pesquisadora.

Por que o javali é um problema?

A pesquisadora afirma que os javalis representam uma ameaça à suinocultura porque em vida livre não possuem qualquer cuidado veterinário, com isso não há como fazer o controle sobre os locais que circulam, como se alimentam, onde bebem água, com quais patógenos têm contato e com que outras espécies de animais se relacionam. “Dado a esses fatores, o javali pode ser um transmissor de doenças e pela afinidade com a própria espécie, ora com estímulo reprodutivo, ora por busca de alimentos, vão se aproximar principalmente de locais onde tem criação de suínos. Neste contato pode transmitir doenças ou mesmo se infectar com patógenos comuns dos sistemas de criação intensiva e se tornarem reservatórios, mantendo a circulação desses patógenos nas populações asselvajadas como uma constante ameaça aos suínos”, pontua Virgínia.

Justamente por ser uma espécie que se relaciona de diversas formas diferentes com o meio em que está inserida, ressalta a pesquisadora, é que se tem a necessidade de contabilizar todos os riscos que pode expor tanto aos seres humanos quanto aos suínos a partir do momento que há contato direto ou indireto. “Como os javalis têm uma condição sanitária desconhecida, não é o funcionário da granja que está em contato com os suínos que deve abater ou manipular a carcaça do javali”, aponta.

Virgínia explica que algumas das doenças que podem circular nessas populações são zoonoses – Leptospira, vírus de Hepatite E, Toxoplasma gondi – que podem acometer o homem, por isso medidas de biosseguridade são primordiais no abate, uma vez que quando o javali é abatido não apresenta qualquer sinal ou sintoma que está infectado. “Muitas vezes o javali não vai apresentar sintomas ou lesões, e quem faz esse abate consome (a carne desse animal), então ainda tem um risco de saúde pública gravíssima”, relata.

Risco sanitário

Conforme Virgínia, o javali pode arruinar todo um programa sanitário se uma doença chega a atingir as populações asselvajadas, visto a dificuldade de controlar, conter e erradicar nestas condições a disseminação de uma doença. “Por isso é muito importante conhecer a realidade fora e dentro da granja para que o produtor possa se precaver e esses animais exóticos não venham a ter contato com a suinocultura”, frisa.

Doenças transfronteiriças

A ameaça sanitária pelo contato entre criações domésticas e comerciais com populações de vida livre tem fundamental importância quando se trata de doenças transfronteiriças, de notificação oficial internacional e que podem resultar em restrições ao comércio internacional, como a Peste Suína Clássica (PSC), Peste Suína Africana (PSA), entre outras. O Brasil é livre de PSA, mas a situação da doença na Europa e na Ásia é um alerta para que os países livres invistam em vigilância e em biosseguridade das criações comerciais, bem como em controle populacional, monitoramento e vigilância de javalis de vida livre, para detecção e contenção de doenças.

Como detectar a presença de javalis?

Por onde passam, os javalis deixam vestígios típicos da espécie, que caracterizam seus hábitos e comportamentos, como pegadas robustas, áreas fuçadas, marcação em árvores e predação em lavouras, especialmente de milho.

Outra forma de identificar a evidência desses animais é através do cruzamento com matrizes suínas. “Muitos produtores acreditam que a prole gerada desse cruzamento é mais robusta, resistente a doenças ou que sua carne é melhor, nada disso é comprovado, além de ser proibida a criação em nosso país, portanto deve ser coibido para que não volte a ocorrer”, enfatiza Virgínia.

Biosseguridade

A adoção de biosseguridade em granjas de suínos consiste em medidas para evitar a entrada e propagação de doenças nos rebanhos. Desde forma, para impedir a introdução de patógenos por animais selvagens, Virgínia orienta que seja evitado o contato entre as populações domésticas e as de vida livre.

Entre os recursos mais eficazes para impedir o acesso de javalis asselvajados às criações de suínos estão as barreiras físicas, como as cercas de proteção, isolando a propriedade de invasores. Virgínia salienta que os javalis são animais fortes e por isso a cerca deve ser resistente para garantir que não seja rompida.

Recomenda-se a instalação de cercas de 1,8 metro de altura, com tela malha 7 e fio 12 mm, sendo que a cada 40 centímetros de altura é preciso usar um fio de sustentação de 5mm. Para oferecer maior segurança, a parte inferior deve ser reforçada, podendo ser dupla, e deve-se enterrar 40 centímetros de mureta de alvenaria ou tela para evitar que os javalis cavem para passar por baixo da cerca. Sobre a extremidade superior é indicado colocar de três a quatro fios de arame farpado.

É possível erradicar os javalis?

A pesquisadora da Embrapa Suínos e Aves diz que em razão da espécie não ter predadores na natureza e de estar amplamente distribuída em território brasileiro é difícil sua erradicação, sendo apenas possível fazer o controle para minimizar ao máximo os impactos que causam e adotar medidas preventivas para que os javalis não se proliferem ainda mais.

E para isso a detecção precoce e a comunicação ao órgão de controle do Estado são essenciais para reduzir sua população. “Essa é a única espécie que o abate é autorizado no Brasil, quando é comunicado ao órgão que faz essa gestão do controle populacional passam a ser adotadas, na área de identificação de presença de javalis, medidas de biosseguridade”, ressalta Virgínia.

Para ficar atualizado e por dentro de tudo que está acontecendo no setor suinícola e da piscicultura acesse gratuitamente a edição digital Suínos e Peixes.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Suínos / Peixes

Suinocultura é mais que suinocultor e agroindústria

A cadeia de valor da suinocultura é formada muito mais do que por suinocultores e agroindústrias. Produtores de grãos, técnicos, médicos veterinários, zootecnistas, empresas de equipamentos para os galpões, caminhoneiros, criadores de softwares, pesquisadores… A própria imprensa especializada, como O Presente Rural. A suinocultura envolve centenas de milhares de pessoas, todos os dias, direta e indiretamente no Brasil.

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

A cadeia de valor da suinocultura é formada muito mais do que por suinocultores e agroindústrias. Produtores de grãos, técnicos, médicos veterinários, zootecnistas, empresas de equipamentos para os galpões, caminhoneiros, criadores de softwares, pesquisadores, donos de restaurantes, produtores de aditivos alimentares, fiscais sanitários, estivadores e empresas de transporte marítimo… A própria imprensa especializada, como O Presente Rural. A suinocultura envolve centenas de milhares de pessoas, todos os dias, direta e indiretamente no Brasil.

Diretor do Negócio de Suínos da Seara, Fábio Soares – Foto: Divulgação/Seara

Para entender um pouco mais sobre toda essa cadeia, O Presente Rural entrevistou Fábio Soares, diretor do Negócio de Suínos da Seara. “É um importante setor que movimenta a economia do país, gerando milhares de empregos e renda para toda a cadeia produtiva, que vai do produtor rural ao consumidor”, sustenta o diretor.

A JBS é a líder global em alimentos à base de proteína e a suinocultura representa um importante setor nessa cadeia de valor. No segmento de suínos, a companhia conta, no Brasil, com a Seara, que é uma de suas principais Unidades de Negócios. De acordo com o último balanço, a Seara – que opera na produção de suínos, alimentos preparados e aves – registrou uma receita líquida de R$ 9,6 bilhões no terceiro trimestre 2021, crescendo 38% na comparação anual. Até o final de 2022, a empresa completará investimentos de R$ 3 bilhões, que irão gerar um faturamento adicional de R$ 7 bilhões.

Os números da empresa demonstram a importância da suinocultura para milhares de famílias. “A marca Seara conta, atualmente, com cerca de 86 mil colaboradores, sendo mais de 12 mil dedicados à produção industrial e outros 3,5 mil no campo. Todos os suínos são criados por mais de 2,6 mil produtores em granjas com controle de ambiência, critérios de bem-estar animal, ou seja, com as melhores condições de alimentação, ventilação, umidade, temperatura e biosseguridade. Esses produtores ficam, geralmente, nas mesmas localidades ou regiões próximas das plantas frigoríficas”, destaca Soares.

São oito unidades de processamentos de suínos no Brasil, que estão localizadas nos estados do Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Mato Grosso do Sul. A matéria-prima que sai das fazendas percorre um longo caminho até chegar a várias partes do mundo. “Com o desenvolvimento de linhas de valor agregado, baseado sempre em qualidade, os produtos da Seara estão tanto nas prateleiras dos pequenos mercados, quanto nas das grandes redes varejistas, além de serem exportados para cerca de 130 países”, destaca o diretor.

Ele menciona que a suinocultura ajudou a viabilizar financeiramente pequenas propriedades rurais. “A garantia de qualidade da cadeia de produção está baseada na relação diferenciada entre Seara e seus 2,6 mil fornecedores integrados, que produzem com exclusividade para a companhia. É uma parceria em que os produtores recebem todos os insumos – leitões, 100% da ração e assistência técnica. Ao produtor cabe a responsabilidade sobre a mão-de-obra e o cuidado com os animais. Desse modo, formamos uma parceria em que há viabilidade econômica para os integrados e à indústria”, cita.

Investimentos

Na parte de suínos, a Seara tem investido na expansão da produção de algumas de suas unidades e no lançamento de produtos de maior valor agregado e na ampliação da participação no mercado nacional e internacional, diz Soares.

A suinocultura usa cada vez mais tecnologias para ter uma produção de precisão. Isso significa mais gente dentro da cadeia de valor. “A JBS faz investimentos contínuos em pesquisas e tecnologias de ponta. A cultura inovadora da companhia está presente no desenvolvimento de novos produtos, no monitoramento de matérias-primas e nas operações fabris. A Seara, por exemplo, emprega sistemas de rastreabilidade aos seus mais de 2,6 mil produtores integrados para buscar a melhor gestão da cadeia, focada na qualidade, sanidade e bem-estar animal”.

O papel de cada ator do negócio tornam, na opinião de Fábio Soares, a suinocultura “um importante setor que movimenta a economia do país, gerando milhares de empregos e renda para toda a cadeia produtiva, que vai do produtor rural ao consumidor. Isso faz com o que o país produza produtos suínos de qualidade, com marcas conceituadas, como a Seara, que atendem o mercado interno e também enviam seus produtos para todo o mundo. A carne suína brasileira é reconhecida pela qualidade e custo competitivo”.

Futuro

O engajamento cada vez maior de empresas como a Seara em questões relativas a sustentabilidade também expande a cadeia de valor e torna as atividades ainda mais harmônicas entre todos que contribuem para que a carne chegue ao prato do consumidor. “Temos nos dedicado a garantir as condições necessárias para que nós e nossos parceiros da cadeia de valor continuemos prosperando. Temos como missão alimentar o mundo com o que há de melhor. Fizemos da sustentabilidade a nossa estratégia de negócio, promovendo a transição para uma economia de baixo carbono em toda a nossa cadeia de valor. Assim, a JBS tornou-se a primeira grande empresa do nosso setor a assumir o Compromisso Net Zero, comprometendo-se, até 2040, a zerar o balanço das emissões de gases causadores do efeito estufa em toda a nossa cadeia de valor”, destaca Soares.

Para ficar atualizado e por dentro de tudo que está acontecendo no setor suinícola e da piscicultura acesse gratuitamente a edição digital Suínos e Peixes.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
SIAVS 2022

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.