Conectado com
OP INSTAGRAM

Notícias Meio Ambiente

Sonda brasileira avalia parâmetros da água com custo quatro vezes menor do que o da importada

Equipamento nacional custa um quarto do valor do importado e assistência técnica é muito mais rápida e acessível

Publicado em

em

Joana Silva

Acaba de chegar ao mercado, com custo menor do que o similar importado, uma tecnologia inteiramente nacional, capaz de aferir em tempo real e de forma remota – por meio de celular, tablet ou computador – as propriedades da água de viveiros destinados ao cultivo de organismos aquáticos, como peixes e crustáceos..

A Sonda Acqua Probe foi desenvolvida dentro do conceito de inovação aberta e é resultado da parceria entre a startup paulista Acqua Nativa, especializada em soluções para o meio ambiente, e a Embrapa Instrumentação (São Carlos, SP), que trabalha com a aplicação de técnicas ópticas e fotônicas há quase 20 anos.

O equipamento nacional custa um quarto do valor do importado, que chega ao Brasil por R$ 100 mil, e a assistência técnica é muito mais rápida e acessível. A sonda é compacta, possui interface simples e amigável, fica submersa nas áreas de criação e opera com um conjunto de sensores ópticos dedicados a cada um dos principais parâmetros de avaliação da qualidade da água.

Entre os 12 parâmetros que a tecnologia é capaz de monitorar estão níveis de pH, temperatura, oxigênio dissolvido, potencial de oxi-redução, turbidez da água, além da clorofila-a e condutividade elétrica. A partir dessa última medida a sonda ainda é capaz de aferir a salinidade, sólidos totais dissolvidos (TDS) e gravidade específica.

O monitoramento desses parâmetros é considerado imprescindível, porque as características químicas, físicas e biológicas da água determinam o sucesso ou o fracasso da atividade econômica. Água ruim em um viveiro pode gerar diversos problemas, entre eles estresse, má coloração, doenças nos animais aquáticos e mortandade, o que pode reduzir a produtividade do cultivo.

Método e sensores reforçam pesquisa

A pesquisa, que vinha sendo desenvolvida pela Acqua Nativa, com o apoio do programa Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (PIPE), da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), ganhou um reforço importante da Embrapa para desenvolver alguns sensores e o método capaz de monitorar a concentração de clorofila-a. O incremento foi fundamental para transformar a pesquisa em produto já disponível no mercado.

A identificação de clorofila é realizada pela sonda com a ajuda de técnicas fluorimétricas, um método de análise usado na determinação quantitativa ou qualitativa de substâncias capazes de emitir fluorescência. “Com essa técnica, é possível quantificar a clorofila e a floração de algas in situ”, diz a pesquisadora da Embrapa Instrumentação Débora Milori, responsável pelo estudo.

A detecção de clorofila indica a presença de algas, que em excesso (eutrofização) podem comprometer o cultivo de espécies aquáticas e até levar à mortandade da fauna. “Por isso, seu controle é de extrema importância para a sobrevivência dos seres animais que têm como habitat obrigatório a água”, avalia a pesquisadora.

Estações de tratamento de água também são beneficiadas

A tecnologia pode beneficiar estações de tratamento de água e esgoto, órgãos públicos ou privados responsáveis pelo abastecimento público, além dos piscicultores e aquicultores que desejam monitorar seus tanques e garantir faixas ótimas para o cultivo. Pode ainda ser destinada a produtores rurais que utilizem a hidroponia como forma de produção e que necessitem monitorar a qualidade de sua solução hidropônica.

Para o diretor-técnico da Acqua Nativa, o engenheiro mecatrônico Elias Gutierre, “a inovação se difere de outros métodos, por oferecer conectividade, o que quer dizer que os dados coletados em campo podem ser acessados a distancia”, explica.

O diretor comercial da empresa, Hugo Vieira, completa a relação de benefícios da sonda nacional. “O equipamento pesa dois quilos, mede apenas 30 centímetros e pode ser transportado dentro de uma pequena maleta. A tecnologia pode ser levada ao campo para fazer as medidas ou ser instalada na propriedade”, afirma.

Pesquisa amplia a cadeia

O desenvolvimento da sonda multiparâmetros Acqua Probe integra o Projeto BRS Acqua, liderado pela Embrapa Pesca e Aquicultura (Palmas, TO), que está sendo executado com o objetivo de fortalecer e ampliar a aquicultura.

O projeto é o maior da Embrapa e conta com recursos da ordem de mais de R$ 56 milhões do Fundo Tecnológico do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), além das parcerias do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e da Secretaria de Aquicultura e Pesca, ligada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

A Embrapa Instrumentação é uma das 22 unidades da Empresa que faz parte do projeto BRS Acqua. Sob a sua responsabilidade está o desenvolvimento de uma plataforma automatizada para monitoramento de sistemas aquícolas, que inclui um método para monitoramento de algas em aquicultura.

A física Débora Milori é a coordenadora do Plano de Ação da Embrapa Instrumentação dentro do projeto BRS Aqua e responsável por três das sete atividades propostas dentro desse Plano de Ação. Além do método para monitoramento de algas em aquicultura, a pesquisadora também desenvolve sistema para a avaliação de emissão de gases de efeito estufa – CO2 e CH4 – em piscicultura e um método para monitoramento de água, solo e sedimentos em aquicultura.

A experiência do produtor

Foi por meio da aferição de alguns dos parâmetros monitorados pela sonda que o piscicultor Flávio Marchesin descobriu que a concentração de clorofila em um dos seus viveiros de cultivo de tilápia, no sítio São João, região de São Carlos, chegava até 100 microgramas por litro. A concentração aceitável deve ser igual ou inferior a 0,030 microgramas por litro. Valores acima desse limite podem levar à mortandade de peixes, isso porque prevalecem no período noturno os processos de respiração das algas e dos peixes, gerando déficit de oxigênio.

A sonda ainda constatou que a condutividade elétrica – medida direta do teor de sais na água – estava muito acima do padrão. O ideal para o cultivo de peixe é de 20 a 100 microsiemens por centímetro (µs/cm), o viveiro apresentou uma leitura de 250 µs/cm.

O valor aferido significa que o viveiro estava com altas taxas de decomposição de matéria orgânica, o que pode ser um parâmetro para quantidade de nutrientes disponíveis ou indício de problemas com poluição da água. Até então, o produtor rural fazia a avaliação da qualidade da água dos quatro viveiros visualmente, o que causou prejuízo à sua atividade econômica.

“Já perdi 200 kg de tilápia no fim do ano passado por não saber que um dos viveiros estava com excesso de algas”, conta o produtor, que entrega a produção por cerca de R$ 7 a R$ 8 o quilo em pesqueiros da região.

Marchesin cultiva uma população de duas mil tilápias em um dos viveiros que será monitorado pela sonda Acqua Probe. Mas, segundo ele, a capacidade é para três mil, volume que pretende atingir com o uso da tecnologia para avaliar a qualidade da água, associada diretamente à produtividade.

Fonte: Embrapa Instrumentação
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 × 2 =

Notícias Suinocultura

Fluxo de negócios para suíno melhora e preços sobem no Brasil

Fluxo de negócios envolvendo animais para abate segue evoluindo bem no país, em meio a um quadro de oferta ajustada

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O mercado brasileiro de suínos apresentou movimento consistente de alta nos preços nos últimos dias, tanto para o quilo vivo quanto para os cortes vendidos no atacado

O analista de SAFRAS & Mercado, Allan Maia, disse que o fluxo de negócios envolvendo animais para abate segue evoluindo bem no país, em meio a um quadro de oferta ajustada. “Os frigoríficos seguem em processo de ajuste de estoques, se recuperando das incertezas relacionadas à logística da última semana”, pontua.

A perspectiva é de maior acirramento nas negociações na segunda quinzena, período no qual o escoamento tende a ser mais tímido devido a menor capitalização das famílias. “Por outro lado, o estreito spread entre a carcaça suína e o frango congelado pode favorecer a reposição”, afirma.

Levantamento de SAFRAS & Mercado apontou que a média de preços do quilo do suíno vivo na região Centro-Sul do Brasil subiu 9,01% na semana, de R$ 5,90 para R$ 6,43. A média de preços pagos pelos cortes de pernil no atacado avançou 2,58%, de R$ 11,06 para R$ 11,34. A carcaça registrou um valor médio de R$ 10,16, elevação de 10,31% frente ao valor registrado na semana passada, de R$ 9,21.

As exportações de carne suína fresca, congelada ou refrigerada do Brasil renderam US$ 96,74 milhões em setembro (7 dias úteis), com média diária de US$ 13,82 milhões. A quantidade total exportada pelo país no período chegou a 40,88 mil toneladas, com média diária de 5,84 mil toneladas. O preço médio ficou em US$ 2.366,30.

Em relação a setembro de 2020, houve alta de 64,85% no valor médio diário da exportação, ganho de 61,26% na quantidade média diária exportada e valorização de 2,23% no preço médio. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

A análise mensal de preços de SAFRAS & Mercado apontou que a arroba suína em São Paulo avançou de R$ 115,00 para R$ 140,00. Na integração do Rio Grande do Sul o quilo vivo subiu de R$ 5,60 para R$ 5,70. No interior do estado a cotação mudou de R$ 5,95 para R$ 6,60.

Em Santa Catarina o preço do quilo na integração aumentou de R$ 5,85 para R$ 5,90. No interior catarinense, a cotação avançou de R$ 6,10 para R$ 6,70. No Paraná o quilo vivo mudou de R$ 5,75 para R$ 6,55 no mercado livre, enquanto na integração o quilo vivo seguiu em R$ 5,60.

No Mato Grosso do Sul, a cotação em Campo Grande subiu de R$ 5,50 para R$ 6,10, enquanto na integração o preço passou de R$ 5,45 para R$ 5,70. Em Goiânia, o preço aumentou de R$ 6,40 para R$ 7,00. No interior de Minas Gerais o quilo do suíno avançou de R$ 6,90 para R$ 7,50. No mercado independente mineiro, o preço avançou de R$ 6,90 para R$ 7,50. Em Mato Grosso, o preço do quilo vivo em Rondonópolis aumentou de R$ 5,30 para R$ 5,80. Já na integração do estado o quilo vivo prosseguiu em R$ 5,70.

Fonte: Agência Safras
Continue Lendo

Notícias Safra de inverno

Colheita do trigo é iniciada no Brasil e clima segue no centro das atenções

Clima segue no centro das atenções por aqui e na Argentina

Publicado em

em

Divulgação

A colheita de trigo foi iniciada nesta semana no Brasil. O clima segue no centro das atenções por aqui e na Argentina.

Paraná

O Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento do Paraná, informou, em seu relatório semanal, que a colheita da safra 2020/21 atinge 2% da área estimada de 1,213 milhão de hectares. A área é 7% maior ante os 1,136 milhão de hectares cultivados na safra 2019/20.

Conforme o Deral, 56% das lavouras estão em boas condições, 32% em situação média e 12% ruins, sem alterações ante a semana passada. As lavouras se dividem entre as fases de crescimento vegetativo (7%), floração (15%), frutificação (38%) e maturação (40%). Na semana passada, as lavouras estavam em desenvolvimento vegetativo (18%), floração (27%), frutificação (47%) e maturação (8%). No mesmo período do ano passado,11% da área já havia sido colhida.

A safra 2021 de trigo do Paraná deve registrar uma produção de 3,721 milhões de toneladas, 17% acima das 3,190 milhões de toneladas colhidas na temporada 2020. A produtividade média é estimada em 3.095 quilos por hectare, acima dos 2.824 quilos por hectare registrados na temporada 2020.

Rio Grande do Sul

Segundo a Emater/RS, as chuvas dos últimos dias favoreceram, em intensidades variadas, favoreceram a recuperação da umidade do solo e foram importantes para o desenvolvimento. Por outro lado, em algumas localidades, acompanhadas de granizo, causaram danos às lavouras. O desenvolvimento, em nível estadual, está atrasado na comparação com os últimos anos.

Argentina

A condição hídrica das lavouras de trigo da Argentina varia conforme a região do país. De um modo geral, segundo a Bolsa de Cereais de Buenos Aires, 30% das lavouras estão em situação de regular a seca, 67% estão em situação ótima ou adequada e 3% tem excesso de umidade. Na semana passada, eram os mesmos 30% em déficit hídrico e 2% com excesso. Em igual período do ano passado, 49% da área estava na situação de seca. A superfície totaliza 6,5 milhões de hectares. As lavouras se dividem entre excelentes ou boas (49%), normais (29%), regulares ou ruins (22%).

Fonte: Agência Safras
Continue Lendo

Notícias Mercado interno

Mercado de milho mantém lentidão com algumas regiões tendo menor oferta

Tendência é por um abastecimento complicado durante o último trimestre

Publicado em

em

Divulgação

O mercado brasileiro de milho, assim como no período anterior, teve uma semana de lentidão nos negócios. Em algumas regiões o mercado manteve pressão de oferta, pela entrada da safrinha, enquanto em outras a oferta já foi reduzida e as cotações avançaram um pouco, como foi o caso de São Paulo.

Segundo o analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, a tendência é por um abastecimento complicado durante o último trimestre18. Isso deve manter sustentação aos preços. O país teve uma safrinha extremamente prejudicada por estiagens e geadas e passada a sazonalidade de pressão da colheita, a oferta deve ser reduzida e as cotações podem voltar a subir.

No balanço dos últimos sete dias, entre a quinta-feira (09 de setembro) e esta quinta-feira (16 de setembro), o milho em Campinas/CIF na venda subiu de R$ 95,00 para R$ 96,00 a saca, alta de 1,0%. Na região Mogiana paulista, o cereal se manteve estável em R$ 93,00 a saca.

Em Cascavel, no Paraná, no comparativo semanal, o preço subiu de R$ 93,00 para R$ 96,00 a saca, alta de 3,2%. Em Rondonópolis, Mato Grosso, a cotação permaneceu estável em R$ 84,00. Já em Erechim, Rio Grande do Sul, o valor se manteve na venda em R$ 98,00.

Em Uberlândia, Minas Gerais, a cotação recuou de R$ 96,00 para R$ 95,50 (-0,5%). E em Rio Verde, Goiás, o mercado caiu na venda de R$ 88,00 para R$ 84,00 a saca, baixa de 4,55%.

Exportações

As exportações de milho do Brasil apresentam receita de US$ 246,32 milhões em setembro (7 dias úteis), com média diária de US$ 35,19 milhões. A quantidade total de milho exportada pelo país ficou em 1,26 milhão de toneladas, com média de 179,95 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 195,50. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

Em relação a setembro de 2020, houve baixa de 28,85% no valor médio diário da exportação, perda de 40,68% na quantidade média diária exportada e valorização de 19,95% no preço médio.

Segundo levantamento semanal da Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (ANEC), as exportações brasileiras de milho deverão ficar em 2,92 milhões de toneladas em setembro. Em setembro do ano passado, o Brasil exportou 5,76 milhões de toneladas. Em agosto, os embarques do cereal somaram 4,19 milhões de toneladas. As exportações do ano devem somar até 13,06 milhões de toneladas até o final deste mês.

Fonte: Agência Safras
Continue Lendo

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.