Conectado com
LINKE

Notícias Leite

Setor de leite e derivados articula ações na região oeste paranaense

Formação de governança e aproximação da cadeia envolvem o projeto balizado pela metodologia Foresight

Publicado em

em

Grupo do Foresight Leite e Derivados durante reunião realizada em Toledo

Desde fevereiro passado, entidades, produtores, cooperativas e empresários da área de laticínios e similares da região oeste, estão desenvolvendo a governança Foresight Leite e Derivados, uma iniciativa que visa entender as perspectivas do presente e projetar ações, estratégias e investimentos para o futuro da cadeia produtiva de leite no oeste do Paraná.

O projeto, que conta com a participação do Sebrae/PR, Programa Oeste em Desenvolvimento (POD), Biopark, Adapar, Iapar, PTI, Emater, Senai, Sindicato Rural de Cascavel,  AcicLabs, PUC, Unioeste, Frimesa e associações comerciais de Foz do Iguaçu e Toledo (Acifi e Acit), pretende fomentar a cooperação entre os produtores,  o uso de novas tecnologias e dar suporte para a criação de novos produtos derivados do leite, agregando valor à produção.

Foresight é uma palavra em inglês que significa previsão. Aplicada, especificamente, à cadeia produtiva de leite e derivados, diz respeito a definição de estratégias que podem ajudar o produtor a manter a sua rentabilidade e produtividade, mesmo diante de mudanças de perspectiva, clima e cenários econômicos.

“Com o Foresight Leite e Derivados, nosso principal objetivo era definir o cenário tecnológico da região e identificar quais são os principais gargalos da produção local. Com isso, conseguimos fazer uma previsão de tecnologia que pode ser inserida na cadeia produtiva, podendo prever investimentos e reestruturações que podem ser feitas para que o produto ganhe mais destaque no mercado”, detalha o consultor do Sebrae/PR, Edson Braga.

A partir dos encontros, na região oeste do Paraná, dois pontos principais foram identificados: sustentabilidade e marketing territorial.

“Definido o Foresight, estamos sensibilizando a governança em função do cenário que desenhamos. Percebemos que é preciso organizar a cadeia produtiva para a implantação de um plano de inovação setorial em função da sustentabilidade junto a estratégias de marketing que podem ajudar o produtor a vender melhor o que é feito aqui na região, de forma diferenciada”, pontua o consultor do Centro Tecnológico Cosmob, Emílio Beltrami, que está acompanhando o grupo.

Com os gargalos identificados, a governança trabalha para propor soluções e, a partir daí, melhorar os cenários do setor na região.  Para isso, um dos próximos passos é a Missão Técnica Internacional, que levará o grupo do Foresight das regiões Oeste, Sul e Norte do Paraná para uma imersão na Feira Internacional do Queijo, realizada na Itália. O produtor Gilvan Malacarne, representante da Lactomil, de Serranópolis do Iguaçu, garantiu a vaga e está animado para a viagem.

“Quando o Foresight foi apresentado, fiquei interessado, pois a governança trabalha com a formação de grupos. Eu estava alinhando a formação de uma cooperativa junto aos meus produtores e estou trabalhando para a criação de uma nova linha de produtos para um público diferenciado, agregando valor à matéria-prima, que é o leite. Com a missão, espero entender quais são os principais processos aplicados nas cooperativas italianas e, quem sabe, trazer algumas metodologias para cá”, destaca o produtor.

Gelir Maria Giombelli, do município de Toledo, tem uma pequena fábrica de queijos coloniais pasteurizados. Com o Foresight, a produtora viu a possibilidade de sair de um universo limitado de produção, conhecendo outros produtores, se aproximando de novidades e participando de grupos ativos que podem fazer a diferença na produção.

“Venho de uma família de colonos e sempre aprendi a aproveitar o leite ao máximo, variando os produtos e oferecendo possibilidades ao cliente. Quando me convidaram para participar da governança, fiquei animada, pois sabia que ali, poderia entrar em contato com outros produtores. Durante os encontros, vi que os problemas que enfrento não são apenas meus e juntos, conseguimos pensar em várias soluções que poderão melhorar a nossa produção”, evidencia.

A produtora também garantiu a vaga para a missão técnica. “Ir até a Itália sempre foi um sonho. Saber que poderei conhecer o país e, ainda, aprender mais sobre o meu trabalho é uma alegria imensa”, conclui Gelir.

Resultados

O Foresight Leite e Derivados, terá os resultados apresentados em novembro de 2019 ou até março de 2020. Até lá, o trabalho continuará junto aos atores da governança. Uma união importante que, segundo o coordenador de PDI do Instituto Senai de Tecnologia em Alimentos Alcides Júnior Sperotto, gera importantes mobilizações na cadeia leiteira.

“Um dos principais ganhos, com a metodologia do Foresight, é fato dos produtores terem um panorama geral de como está a cadeia leiteira na região, mas, também, de poderem interagir entre si, gerando e pensando em soluções conjuntas para o setor. Há um direcionamento importante para a entrega prática de resultados a fim de alavancar os negócios”, pontua.

Até o momento, os principais resultados colhidos com o Foresight Leite e Derivados na região oeste do Paraná são a definição do cenário tecnológico, que mostra os pontos fortes do setor e quais aspectos devem ser aprimorados; a organização do cluster em forma de governança; a possibilidade da formação de um ecossistema onde instituições prestadoras de serviço conseguem interagir de forma mais simples com as empresas;  e a elaboração de um plano de benchmarking internacional por meio da Missão Técnica Internacional, que levará os produtores, empresários e parceiros para a Feira Internacional do Queijo, realizada na Itália.

Perspectivas

O Paraná é o terceiro maior produtor de leite do país, segundo o Departamento de Economia Rural (Deral) da Seab (Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Paraná). A produção média é de 4,73 bilhões de litros por ano, correspondendo a 14,07% da produção nacional, segundo dados publicados no Anuário do Leite da Embrapa. A partir de 2017, porém, a recessão econômica afetou o consumo de produtos lácteos mais elaborados, reduzindo o preço da matéria-prima e, consequentemente, afetando o ganho dos produtores.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

14 + 12 =

Notícias Pecuária

Preços do boi gordo sobem com escalas de abate apertadas

Preços seguem firmes e o ambiente de negócios ainda sugere por reajustes dos preços no curto prazo

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O mercado físico de boi gordo apresentou preços mais altos nas principais regiões de produção e comercialização do país na segunda semana de junho. Segundo o analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, os preços seguem firmes e o ambiente de negócios ainda sugere por reajustes dos preços no curto prazo.

“O movimento de alta nos preços foi especialmente intenso na Região Centro-Oeste durante a semana. Os frigoríficos ainda encontram dificuldades na composição de suas escalas de abate, posicionadas em média entre três e cinco dias úteis”, assinalou Iglesias.

Os animais que cumprem os requisitos de exportação com destino ao mercado chinês ainda são negociados acima da referência média, carregando um ágio de até R$ 5,00, na comparação com animais destinados ao mercado doméstico.

Já a expectativa em torno da demanda doméstica de carne bovina se concentra no segundo semestre. Com o avanço da vacinação é aguardada uma retomada mais consistente da atividade econômica, permitindo avanços do consumo.

Com isso, os preços a arroba do boi gordo na modalidade a prazo nas principais praças de comercialização do País estavam assim no dia 10 de junho:

  • São Paulo (Capital) – R$ 320,00 a arroba, contra R$ 318,00 a arroba em 02 de junho, subindo 0,63%.
  • Minas Gerais (Uberaba) – R$ 310,00 a arroba, contra R$ 305,00 (+1,64%).
  • Goiânia (Goiás) – R$ 302,00 a arroba, ante R$ 300,00 (+0,67%).
  • Mato Grosso do Sul (Dourados) – R$ 310,00 a arroba, contra R$ 305,00 a arroba (+1,64%)
  • Mato Grosso (Cuiabá) – R$ 310,00 a arroba, contra R$ 305,00 (1,64%).

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo

Notícias Mercado Interno

Cotações do frango reagem no Brasil, com repasse de custos

Mercado brasileiro de carne de frango encerra a semana com preços aquecidos tanto para o quilo vivo quanto para os cortes negociados no atacado

Publicado em

em

Divulgação

O mercado brasileiro de carne de frango encerra a semana com preços aquecidos tanto para o quilo vivo quanto para os cortes negociados no atacado. Segundo o analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Iglesias, a demanda mais aquecida na primeira metade do mês e, especialmente, o repasse de custos por parte dos avicultores contribuíram para o movimento de alta nas cotações. “A entrada dos salários na economia foi o grande motivador da demanda, especialmente pelo fato da carne de frango ser a proteína preferida pelo consumidor médio”, afirma.

De acordo com levantamento semanal de SAFRAS & Mercado, no atacado de São Paulo os preços tiveram alterações para os cortes congelados de frango. No atacado, o preço do quilo do peito subiu de R$ 7,60 para R$ 7,70 e o quilo da coxa de R$ 7,20 para R$ 7,25. O quilo da asa permaneceu em R$ 9,80. Na distribuição, o preço do quilo do peito avançou de R$ 7,80 para R$ 7,90 e o quilo da coxa de R$ 7,40 para R$ 7,45. O quilo da asa prosseguiu em R$ 9,90.

Nos cortes resfriados vendidos no atacado, o cenário também foi de mudanças dos preços durante a semana. No atacado, o preço do quilo do peito aumentou de R$ 7,70 para R$ 7,80 e o quilo da coxa de R$ 7,30 para R$ 7,35. O quilo da asa se manteve em R$ 9,90. Na distribuição, o preço do quilo do peito passou de R$ 7,90 para R$ 8,00 e o quilo da coxa de R$ 7,50 para R$ 7,55. O quilo da asa permaneceu em R$ 10,00.

As exportações de carne de aves e suas miudezas comestíveis, frescas, refrigeradas ou congeladas do Brasil renderam US$ 206,106 milhões em junho (3 dias úteis), com média diária de US$ 68,702 milhões. A quantidade total exportada pelo país chegou a 83,150 mil toneladas, com média diária de 27,716 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 2.478,70.

Na comparação com junho de 2020, houve alta de 254,90% no valor médio diário, ganho de 82,22% na quantidade média diária e avanço de 94,76% no preço médio. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

O levantamento semanal realizado por SAFRAS & Mercado nas principais praças de comercialização do Brasil apontou que, em Minas Gerais, o quilo vivo subiu de R$ 4,90 para R$ 5,00. Em São Paulo o quilo aumentou de R$ 5,00 para R$ 5,10.

Na integração catarinense a cotação do frango passou de R$ 3,50 para R$ 3,60. No oeste do Paraná o preço mudou de R$ 4,90 para R$ 5,00. Na integração do Rio Grande do Sul o quilo vivo avançou de R$ 4,70 para R$ 4,80.

No Mato Grosso do Sul o preço do quilo vivo do frango subiu de R$ 4,80 para R$ 4,90. Em Goiás o quilo vivo aumentou de R$ 4,80 para R$ 4,90. No Distrito Federal o quilo vivo passou de R$ 4,90 para R$ 5,00.

Em Pernambuco, o quilo vivo se manteve em R$ 5,70. No Ceará a cotação do quilo prosseguiu em R$ 5,70 e, no Pará, o quilo vivo permaneceu em R$ 5,80.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo

Notícias Safra de inverno

Plantio do trigo avança no PR, no RS e na Argentina, com clima favorável

Mercado brasileiro de trigo acompanha o bom avanço do plantio na Argentina, favorecido pelo clima nos últimos dias

Publicado em

em

Divulgação/AENPr

O mercado brasileiro de trigo acompanha o bom avanço do plantio na Argentina, favorecido pelo clima nos últimos dias. Os trabalhos no país vizinho atingem 36,5%, com avanço semanal expressivo de 19,4 pontos percentuais. Os trabalhos seguem atrasados na comparação com o ano passado. Ainda assim, o clima positivo eleva o otimismo dos produtores quanto às produtividades e reduz preocupações com a possibilidade de uma nova safra seca. Os preços argentinos seguem firmes, mas o dólar perto de R$ 5,00 segue deixando competitivo o produto do país vizinho no mercado brasileiro.

Paraná

O Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento do Paraná, informou, em seu relatório semanal, que o plantio da safra de trigo 2021 do Paraná atinge 80% da área prevista de 1,170 milhão de hectares. Ela deve ser 4% maior frente aos 1,125 milhão de hectares cultivados em 2020.

Segundo o Deral, 92% das lavouras apresentam boas condições de desenvolvimento e 8% médias, entre as fases de germinação (21%) e crescimento vegetativo (79%). Na semana passada, o plantio atingia 71% da área, com 91% das lavouras em boas condições e 9% em condições médias de desenvolvimento. No dia 1 de junho de 2020, o plantio estava completo em 75% da área.

As lavouras de trigo receberam chuvas benéficas nos últimos dias na área da Cooperativa Coopavel, que atua em 20 municípios do oeste e sudoeste do Paraná. Segundo fonte da cooperativa, que concedeu entrevista exclusiva à Agência SAFRAS, ainda há chance de mais pancadas até amanhã. O acumulado de segunda-feira até ontem pela manhã era de 40 milímetros. Outro fator destacado foi que não esfriou tanto na região, o que afasta a possibilidade de geadas.

Conforme relatório do dia 7 de junho, cerca de 90% da área já havia sido plantada. “Com estas chuvas, as condições das lavouras são boas”, atesta o entrevistado. Nesta semana, por problemas técnicos, não foi divulgado o rendimento médio esperado.

Rio Grande do Sul

O plantio de trigo avança bem no Rio Grande do Sul. O clima tem sido favorável aos trabalhos. A Emater/RS ainda não divulgou o percentual do avanço em nível estadual. Não há dados suficientes para calcular este percentual. Nas próximas semanas a entidade deve divulgar sua projeção de área plantada no RS, bem como o patamar em que se encontram os trabalhos e o desenvolvimento.

Em Júlio de Castilhos, o plantio de trigo atinge de 2 a 3% da área. Conforme o engenheiro agrônomo da Cotrijuc, Felipe Mello, a superfície é projetada em torno de 8 mil hectares no município. Os trabalhos estiveram parados parados nos últimos dias. A maior parte dos produtores preferiu esperar para iniciar a semeadura após o dia 10.

Argentina

O plantio de trigo atinge 36,5% da área, estimada em 6,5 milhões de hectares. Os trabalhos avançaram 19,4 pontos percentuais na semana e estão 5,2 pontos atrasados em relação ao ano passado. Em números absolutos, foram semeados 2,373 milhões de hectares.

USDA

Conforme o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a safra mundial de trigo em 2021/22 é estimada em 794,44 milhões de toneladas, contra 788,98 milhões de toneladas em maio. Para 2020/21, a estimativa fica em 755,82 milhões de toneladas.

Os estoques finais globais em 2021/22 foram estimados em 296,8 milhões de toneladas, acima das 294,96 milhões de toneladas estimadas no mês passado. O mercado esperava 295,2 milhões de toneladas. Para 2020/21, as reservas finais são previstas em 293,48 milhões de toneladas, contra 294,67 milhões em maio. O mercado esperava 294,6 milhões de toneladas.

A produção do cereal no país em 2021/22 é estimada em 1,898 bilhão de bushels, contra 1,872 bilhão estimados em maio. O mercado esperava 1,89 bilhão. Para a safra 2020/21, a produção estadunidense ficou em 1,826 bilhão de bushels.

Os estoques finais do país em 2021/22 foram projetados em 770 milhões de bushels, contra 774 milhões no mês passado. O mercado esperava 777 milhões. Em 20/21, foram 852 milhões, contra 872 milhões em maio e 868 na expectativa do mercado.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo
Dia Estadual do Porco – ACSURS

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.