Conectado com

Notícias

Setor avícola se prepara para visita de missão sanitária da Rússia

Publicado em

em

O presidente executivo da União Brasileira de Avicultura (UBABEF), Francisco Turra, informou, hoje (28), que o setor avícola está preparado para receber a missão com autoridades sanitárias do Serviço Federal de Vigilância Sanitária e Fitossanitária da Rússia (Rosselkhoznadzor), prevista para os próximos dias, com o objetivo de avaliar o atendimento às exigências sanitárias impostas a plantas que hoje exportam para aquele mercado.
De acordo com o presidente da UBABEF, um grande esforço vem sendo promovido pelo setor avícola nacional para se manter como parceiro comercial do mercado russo.  Isto, conforme explica, devido ao apreço do consumidor daquele país pela carne de frango made in Brazil. “Em encontro recente promovido na Embaixada do Brasil em Moscou, uma liderança de associação de consumidores da Rússia afirmou que a carne de frango brasileira é muito apreciada e disputada naquele mercado, devido aos níveis de qualidade e sanidade. O consumidor russo deseja ter acesso ao nosso produto”, disse o executivo.
Por este motivo, defende Turra, a UBABEF tem rechaçado qualquer ameaça ou insinuação de que o setor avícola brasileiro não está capacitado para exportar para o país-membro da União Aduaneira. “Não podemos trabalhar com hipóteses que denigram a imagem da cadeia exportadora avícola brasileira, que é líder mundial. A Rússia é, hoje, membro da Organização Mundial do Comércio (OMC), e todas as decisões que o governo russo tomar deverá atender às normas internacionais de comércio, e não a critérios especificamente nacionais”, destaca.
A afirmação de Turra vem após declaração de um representante do Rosselkhoznadzor, noticiada na imprensa daquele país, ameaçando agroindústrias avícolas brasileiras de embargo caso autoridades em missão sanitária no Brasil detectassem níveis de cloro acima do permitido pela Rússia na água usada nos abatedouros de frango.
Conforme informa o presidente da UBABEF, diferentemente do que foi especulado na notícia, o Brasil não utiliza cloro (como descontaminante de carcaças) no processo de abate de aves. O nível de cloro da água potável utilizado nos abatedouros brasileiros acata o que é recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e está de acordo com os padrões de potabilidade de água estabelecidos pelo Ministério da Saúde. O Ministério da Agricultura brasileiro já encaminhou documento oficializando a posição brasileira às autoridades russas sobre o tema.
Uma missão sanitária com técnicos do Rosselkhoznadzor estava prevista para visitar plantas avícolas brasileiras nesta semana.  A visita foi adiada para os próximos dias, ainda sem data acertada.
As exportações brasileiras para a Rússia enfrentam problemas desde julho de 2011, quando embargos foram impostos a plantas avícolas do Brasil. Em 2010, a avicultura brasileira exportou para aquele mercado 145,1 mil toneladas. Em 2011, os embarques caíram para 60,5 mil toneladas e, em 2012, atingiram 69,5 mil toneladas.

Fonte: Ass. Imprensa da Ubabef

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias Para o produtor

Custos de produção de aves e suínos aumentaram em 2018

Apenas os custos com a nutrição subiram 11,65% nos 12 meses de 2018

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Apesar de os custos de produção de frangos de corte calculados pela CIAS, a Central de Inteligência de Aves e Suínos da Embrapa terem se mantido estáveis em dezembro de 2018 (218,06 pontos, ante 218,05 em novembro), acumularam uma alta de 14,21% durante todo o ano passado.

 Apenas os custos com a nutrição subiram 11,65% nos 12 meses de 2018. O gasto com a alimentação das aves representa 69% do total dos custos de produção dos frangos. Em seguida, as maiores altas em 2018 ficaram com os itens pinto de um dia (2,18%), custo de capital (0,18%) e depreciação (0,16%).

O custo de produção do quilo do frango de corte vivo também se manteve estável em dezembro, encerrando o ano em R$ 2,82 no Paraná, valor calculado a partir dos resultados em aviário tipo climatizado em pressão positiva.

Já o ICPSuíno caiu pelo terceiro mês consecutivo, chegando aos 219,49 pontos em dezembro, -1,34% em relação a novembro de 2018 (222,47 pontos). No ano, os custos de produção de suínos subiram 9,85%, influenciados principalmente pela alimentação dos animais, que teve um aumento de 9,68%.

O custo por quilo vivo de suíno produzido em sistema de ciclo completo em Santa Catarina caiu para R$ 3,84 em dezembro (o menor valor desde março de 2018). 

Os índices de custos de produção foram criados em 2011 pela equipe de socioeconomia da Embrapa Suínos e Aves e Conab. Santa Catarina e Paraná são usados como estados referência nos cálculos por serem os maiores produtores nacionais de suínos e de frangos de corte, respectivamente.

Fonte: Embrapa Suínos e Aves
Continue Lendo

Notícias Mercado

Desaquecimento de negócios pressiona valores da carne de frango

Vendas da carne de frango estão desaquecidas, como é tipicamente observado em início de ano

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Colaboradores do Cepea afirmam que as vendas da carne de frango estão desaquecidas, como é tipicamente observado em início de ano. Assim, as cotações do produto, especialmente do congelado, estão em queda na maior parte das regiões acompanhadas. Na Grande São Paulo, o preço do frango inteiro congelado recuou 0,6% frente a dezembro, com média de R$ 4,37/kg na parcial deste ano (até 17 de janeiro).

Quanto à carne resfriada, por outro lado, foram observadas variações distintas na primeira quinzena de janeiro dentre as regiões pesquisadas pelo Cepea. No comparativo com janeiro/18, porém, os preços atuais estão significativamente mais elevados, em termos nominais.

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Notícias Ovos

Poder de compra do avicultor inicia 2019 em queda

Quantidade de cereal que o produtor consegue comprar com a venda dos ovos brancos é a menor desde 2013

Publicado em

em

Domicio Faustino

De acordo com pesquisadores do Cepea, a oferta elevada, que segue pressionando as cotações dos ovos, tem impactado negativamente o poder de compra do avicultor de postura paulista frente aos principais insumos utilizados na alimentação das poedeiras, o milho e o farelo de soja.

Na parcial deste mês, a quantidade de cereal que o produtor consegue comprar com a venda dos ovos brancos é a menor de toda a série do Cepea, iniciada em maio/13. Já sobre a quantidade do derivado da soja, é a menor desde dezembro/13.

Fonte: Cepea
Continue Lendo
Nucleovet 2
APA

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.