Conectado com
OP INSTAGRAM

Notícias

Seminário promovido pela Embrapa enfoca a pecuária de corte em sistemas de baixo carbono

O objetivo principal do seminário é disponibilizar informações de pesquisas da Embrapa sobre as relações entre a pecuária e as mudanças climáticas

Publicado em

em

A atividade pecuária tem sido apontada como uma das grandes responsáveis pela emissão de gases de efeito estufa, diretamente relacionados às mudanças climáticas, como ficou claro nos principais debates levados a cabo durante a Conferência da ONU sobre Mudança Climática, a COP 26, atualmente realizada em Glasgow, Escócia. A Embrapa há alguns anos vem trabalhando sobre esse tema, tanto para uma aferição mais precisa apoiada em dados científicos sobre o papel da pecuária nesse processo, como também no desenvolvimento de soluções tecnológicas e recomendações que contribuam para a mitigação na emissão desses gases pela atividade.

Parte destes estudos será apresentada no próximo dia 16, com a realização do seminário Sustentabilidade da pecuária de corte em sistemas de baixo carbono, que contará com a participação de pesquisadores envolvidos com o tema em evento realizado em formato virtual, a partir das 10 horas. O seminário poderá ser acompanhado no canal da Embrapa do youtube, pelo link https://www.youtube.com/watch?v=OtjGVgu0yas

O objetivo principal do seminário é disponibilizar informações de pesquisas da Embrapa sobre as relações entre a pecuária e as mudanças climáticas. O evento contará com a participação de cinco unidades da Embrapa: Pecuária Sul (Bagé-RS), Gado de Corte (Campo Grande–MS), Agrobiologia (Seropédica-RJ), Solos (Rio de Janeiro-RJ) e Agroindústria de Alimentos (Rio de Janeiro-RJ). A realização desse seminário foi viabilizada a partir de uma emenda parlamentar proposta pelo deputado federal do Rio de Janeiro Christino Aureo (PP-RJ), cujos recursos também serão utilizados para a continuidade de pesquisas relacionadas ao tema.

Para o Chefe-adjunto de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa Pecuária Sul, Marcos Borba, a empresa pode contribuir muito para esse debate e também para ajudar na mitigação dos GEE pela atividade. Segundo ele, a questão entrou no radar da Embrapa há alguns anos e hoje existe um grande número de pesquisas e estudos sobre o processo de emissão de gases pela pecuária, assim como estratégias para a sua mitigação. “A realização desse seminário vem em um momento muito oportuno, quando as discussões sobre o papel da pecuária nas mudanças climáticas ganhou protagonismo nas discussões da COP26”. Para o pesquisador, a pecuária precisa ser vista como parte da solução para as mudanças climáticas e não como um problema. “A Embrapa já disponibiliza uma série de estratégias para a pecuária, em sistemas naturais ou integrados, que garante um balanço bem mais favorável de carbono na atividade a partir do uso de tecnologias e de recomendações de manejo”, ressaltou.

Essa visão também é compartilhada pela pesquisadora da Embrapa Pecuária Sul Cristina Genro, que há mais de dez anos trabalha com a questão. De acordo com ela, pesquisas têm demonstrado que apenas com o manejo correto e sustentável na pecuária é possível reduzir significativamente a emissão de GEE. Segundo Cristina Genro, práticas de manejo até relativamente simples, como o controle da altura das pastagens, contribui de forma muito positiva para alcançar esse objetivo. Para a grande maioria de espécies de forrageiras utilizadas no país, a Embrapa tem estudos que indicam a altura ideal para o seu manejo, o qual garante uma  taxa de lotação animal adequada nas pastagens, garantindo assim um processo que leva a uma maior estocagem de carbono nos sistemas utilizados, maior produção de pasto e melhor desempenho animal. “Pastagens bem manejadas podem ser um grande sumidouro de carbono”. Além de aumentar o sequestro de carbono e diminuir a emissão de GEE, sistemas bem manejados, com o uso de forrageiras de qualidade e o ajuste da carga animal nas áreas de pecuária, levam a uma maior eficiência do sistema, garantindo assim uma maior produtividade e o abate dos animais em menor tempo.

Esse encurtamento no tempo para o abate é muito relevante para reduzir as emissões de metano produzido pelos ruminantes, o gás de efeito estufa mais importante na pecuária bovina, segundo Robert Boddey, pesquisador da Embrapa Agrobiologia. Resultados de estudos que apresentará no evento mostram como esse ganho de eficiência implica na mitigação de gases, e também no chamado “efeito poupa-terra”, decorrente dos ganhos de produtividade animal.

O pesquisador Bruno Alves, também da Embrapa Agrobiologia, chama a atenção para o óxido nitroso, gás de efeito estufa de altíssimo potencial de aquecimento da atmosfera, gerado de dejetos de bovinos e fertilizantes. “As pesquisas indicam que  a qualidade da forragem modifica a alocação do nitrogênio excretado na urina e nas fezes bovinas, e resulta em níveis diferentes de emissão desse gás, o que deve ser considerado no manejo das pastagens”, complementa Alves. O pesquisador apresentará no evento resultados de estudos que revelam esses efeitos, assim como o impacto da fertilização nitrogenada.

 

Pecuária de baixo carbono – um dos painéis será sobre os produtos gerados em sistema de baixo carbono, mediado por Elen Nalério (Embrapa Pecuária Sul), com a participação dos pesquisadores Roberto Giolo (Embrapa Gado de Corte) e o protocolo carne baixo carbono; Márcia Silveira (Embrapa Pecuária Sul) e a produção de carne com baixa emissão de carbono em pastagens tropicais: um estudo de caso; finalizando com o tema qualidade da carcaça e da carne em sistemas CBC com o especialista, Gelson Feijó, pesquisador da Embrapa.

A Plataforma de Pecuária de Baixo Carbono, iniciativa genuinamente brasileira, desenvolvida pela Embrapa (e suas Unidades) e empresas parceiras, ao longo de dez anos, desenvolveu a concepção de marcas-conceito para a certificação de produtos da pecuária de corte, produzidos em sistemas pecuários com foco em baixa emissão de carbono. Nesse sentido, destacam-se o Bezerro Carbono Neutro (BCN), Carne Baixo Carbono (CBC), Carbono Nativo (CN) e Couro Carbono Neutro (Couro-CN), além de uma calculadora de carbono (calc-C).

Já disponíveis no mercado brasileiro, as marcas Carne Carbono Neutro (CCN) e Carne Baixo Carbono (CBC) tem sido usadas para certificar a sustentabilidade dos sistemas agrícolas que sequestram carbono por meio de árvores (sistema CCN), ou sistemas que tem o componente solo (Protocolo CBC) como base. Enquanto no protocolo CBC a premissa é a recuperação de pastagens, com mitigação dos gases, possível de ser empregado em mais de 50 milhões de hectares, no sistema CCN as emissões são neutralizadas pelo próprio sistema.

“Os ganhos são do produtor, da cadeia da carne, da sociedade brasileira e em última instância de toda a humanidade, ao promover maior valorização do produto e melhor visibilidade do País no mercado global”, analisa Roberto Giolo, ao afirmar que a iniciativa contribui também para minimizar a pressão por abertura de novas áreas para a pecuária, pois apresenta efeito poupa-terra e, portanto, auxilia nos esforços para equacionar a questão do desmatamento no Brasil.

 

Consumo – No âmbito do consumo, a equipe do Laboratório de Análise Sensorial e Instrumental da Embrapa Agroindústria de Alimentos, sob a liderança da pesquisadora Rosires Deliza, conduzirá estudos no estado do Rio de Janeiro, o segundo mercado consumidor do país, conforme dados do IBGE. “O entendimento e a percepção do consumidor sobre a Carne Baixo Carbono (CBC) provavelmente terá impacto relevante sobre sua decisão de compra e sobre quanto estará disposto a pagar pelo produto, em comparação com o convencional. A equipe de pesquisa da Embrapa Agroindústria de Alimentos investigará o efeito desta informação junto ao consumidor, associada ao bem-estar animal e à redução na emissão de gases, incluindo a percepção e a atitude em relação ao produto. Os resultados poderão subsidiar estratégias de comunicação e marketing para o esclarecimento dessas questões junto ao consumidor”, afirma Karina Olbrich dos Santos, Chefe Adjunta de P&D e Chefe Geral em exercício da Embrapa Agroindústria de Alimentos.

 

Serviços ecossitêmicos – Para a pesquisadora da Embrapa Solos Rachel Bardy Prado, a pecuária de corte no país tem um leque enorme de oportunidades relacionadas aos serviços ambientais e ecossistêmicos, mas que também se traduzem em compromissos a serem assumidos. “As oportunidades, em tempos de aquecimento global e corrida mundial para a redução nas emissões de gases de efeito estufa estão relacionadas aos mecanismos de incentivo econômicos como os pagamentos por serviços ambientais, bem como aos mercados de créditos de carbono e títulos verdes que se encontram em plena ascensão no país”. Segundo a pesquisadora, práticas como a manutenção da vegetação natural em áreas previstas por lei, a incorporação do componente arbóreo ao sistema de produção integrado, o manejo adequado das pastagens, respeitando a capacidade de suporte solo e as características ambientais e climáticas de cada região, permitirão ao produtor rural contribuir com a provisão de diversos serviços ambientais.

Fonte: Embrapa
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

doze + 12 =

Notícias Reforço das ações de defesa agropecuária

Santa Catarina lança campanha de prevenção contra a peste suína africana

Embora não ofereça riscos à saúde humana, a PSA causa grande mortalidade nas criações de suínos. Maior produtor nacional , o Estado reforça as ações de defesa agropecuária e lança campanha de prevenção.

Publicado em

em

Julio Cavalheiro/Secom

Maior produtor nacional de suínos, Santa Catarina reforça as ações de defesa agropecuária e lança campanha de prevenção à peste suína africana (PSA). Com o tema SC Contra a Peste Suína Africana, o Governo do Estado, a Secretaria da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural e a Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola (Cidasc) pretendem conscientizar a população sobre os riscos da doença e as formas de proteger o rebanho catarinense.

A campanha publicitária contará com material em vídeo, áudio, impresso e online e será distribuído nos principais veículos de comunicação de Santa Catarina. Segundo o secretário de Estado da Agricultura, este é um chamado para que os catarinenses fiquem atentos aos riscos da introdução da PSA em Santa Catarina e para que os turistas saibam das regras para o transporte de produtos de origem animal.

“Estamos agindo preventivamente para proteger o nosso rebanho e o nosso agronegócio. A suinocultura é uma das principais atividades econômicas de Santa Catarina e nós estamos reforçando as medidas de prevenção e conscientização não só dos produtores, mas também dos turistas e catarinenses. Embora a peste suína africana não seja uma doença transmissível para o ser humano, ela prejudica a economia como um todo e nós precisamos proteger a nossa economia. Nós somos guardiões da saúde animal em Santa Catarina e esse é um grande desafio diário”, destaca.

Mensagem da Campanha

Embora não ofereça riscos à saúde humana, a peste suína africana causa grande mortalidade nas criações de suínos. Para proteger o agronegócio catarinense, é necessária a colaboração de todos.

Os turistas que visitam Santa Catarina – de carro, ônibus, navio ou avião – não devem trazer em sua bagagem nenhum produto que contenha carne suína. Os produtos apreendidos serão descartados.

Os produtores não podem alimentar os animais com sobras de comida (lavagem). Além disso, é importante proibir a entrada de estranhos na granja.

E, principalmente, caso haja qualquer suspeita da doença, notificar imediatamente a Cidasc.

Reforço nas ações de defesa agropecuária

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento reforçou a vigilância em portos e aeroportos, além de fortalecer sua capacidade de prevenção do ingresso do vírus da PSA no Brasil. Em Santa Catarina, as ações contam com o apoio da Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc) e da iniciativa privada.

O que é Peste Suína Africana?

É uma doença viral que não oferece risco à saúde humana, mas pode dizimar criações de suínos, pois é altamente transmissível e leva a altas taxas de mortalidade e morbidade. Considerada pela OIE como uma das doenças mais relevantes para o comércio internacional de produtos suínos, a PSA afeta somente os suínos.

A doença está se disseminando pelo mundo, presente atualmente em mais de 50 países, entre eles, a República Dominicana e Haiti – este é o primeiro registro da doença no continente americano desde a década de 1980. A doença não existe no Brasil, a última ocorrência foi registrada em 1981 e, desde 1984 o país é livre de PSA.

Impacto na economia

O vírus da PSA não é perigoso para a saúde humana, mas gera um grave impacto social e econômico, especialmente para as exportações de produtos de carne suína, para a renda das famílias rurais, bem como para a segurança alimentar.

O agronegócio é o carro-chefe da economia catarinense, responsável por quase 70% de toda exportação e por mais de 30% do Produto Interno Bruto (PIB) estadual. As agroindústrias empregam mais de 60 mil pessoas de forma direta e contam com 55 mil famílias integradas no campo. A produção catarinense é exportada para mais de 150 países, entre eles os mercados mais exigentes e competitivos do mundo.

 

Fonte: Cidasc
Continue Lendo

Notícias

Nucleovet participa de reunião da Câmara de Presidentes do Sistema CFMV/CRMVs

Presidente Luiz Carlos Giongo apresentou trajetória da entidade e sua contribuição para a qualificação profissional e desenvolvimento da agropecuária.

Publicado em

em

Divulgação/Nucleovet

A atuação do Núcleo Oeste de Médicos Veterinários e Zootecnistas (Nucleovet) foi apresentada, nesta semana, na Câmara Nacional de Presidentes do Sistema CFMV/CRMVs. O evento acontece em Florianópolis de 24 a 26 deste mês e reúne diretoria, conselheiros e assessores técnicos do Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV) e presidentes dos Conselhos Regionais de Medicina Veterinária (CRMVs).

A explanação sobre o Nucleovet foi feita em vídeo do presidente Luiz Carlos Giongo, que mostrou a atuação da entidade em prol do desenvolvimento da profissão e as ações para o fortalecimento do setor agropecuário no oeste catarinense. Giongo foi representado, presencialmente, pela integrante do Conselho Deliberativo do Nucleovet e vice-presidente do CRMV-SC, Silvana Giacomini Collet.

Os presidentes do CRMV, Marcos Vinícius de Oliveira Neves, do CFMV, Francisco Cavalcanti de Almeida, e da Cidasc, Antônio Plínio de Castro, ressaltaram a importância do Nucleovet. Eles receberam o e-scrapbook “Vetor de Desenvolvimento”, publicação do Nucleovet que relata sua trajetória de 50 anos.

Giongo relatou um pouco da história da entidade, fundada em 9 de outubro de 1971. O Nucleovet foi um dos primeiros núcleos criados em Santa Catarina, atendendo uma solicitação da Sociedade Catarinense de Medicina Veterinária (Somevesc), que queria implantar associações regionais da classe no Estado.

Desde sua fundação, a finalidade do Nucleovet é promover o aperfeiçoamento de médicos veterinários e zootecnistas, promover e compartilhar conhecimentos e tecnologias voltadas para o agronegócio. Também busca a união dos profissionais da área pelo esporte e recreação, trabalhos sociais, conscientização da população para a saúde única (união entre a saúde animal, humana e ambiental), controle de zoonoses e o importante papel que esses profissionais desempenham na sociedade.

Giongo ressaltou os Simpósios promovidos anualmente, considerados três dos principais eventos técnicos do Brasil e da América Latina: o Simpósio Brasil Sul de Avicultura (SBSA), o Simpósio Brasil Sul de Suinocultura (SBSS) e o Simpósio Brasil Sul de Bovinocultura de Leite (SBSBL). Esses eventos são referência em transferência de conhecimentos, aperfeiçoamento da classe, desenvolvimento de novas tecnologias e troca de experiências nessas áreas.

Para marcar a trajetória do Nucleovet, foi lançado em outubro passado, no evento de comemoração dos 50 anos, o e-scrapbook, que resgata e eterniza a história da entidade. É um recorte de memórias intermídia, com fotos, links para vídeos, documentos e depoimentos de ex-presidentes.

Giongo sublinhou que o trabalho desenvolvido nestes 50 anos foi de superação e inovação. “Agora, o futuro nos desafia. Continuar crescendo, fortalecendo a categoria e o agronegócio, especialmente os setores de aves, suínos e bovinocultura de leite, é um compromisso de todos”.

Fonte: Assessoria Nucleovet
Continue Lendo

Notícias Nova diretoria

Caio Carvalho retorna à presidência da ABAG em 2022

A partir de janeiro de 2022, a entidade contará com uma nova diretoria em substituição ao atual presidente, Marcello Brito.

Publicado em

em

Divulgação/ABAG

A partir de janeiro de 2022, a ABAG – Associação Brasileira do Agronegócio contará com uma nova diretoria e passará a ser presidida por Luiz Carlos (Caio) Corrêa Carvalho, que já havia comandado a associação entre 2012 e 2018, em substituição ao atual presidente, Marcello Brito.

Engenheiro agrônomo formado pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiróz (Esalq/USP), Carvalho possui cursos de pós-graduação em Agronomia e em Administração pela Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo (FEA/USP), e Vanderbilt University (EUA).

Desde 1983, atua como diretor da Canaplan, empresa de consultoria e projetos para o setor sucroenergético. Com grande conhecimento do setor de açúcar e álcool, Carvalho é sócio da Bioagencia, empresa comercializadora de etanol nos mercados interno e externo.

Considerada uma das entidades mais atuantes do setor no país, a ABAG tem trabalhado fortemente para o desenvolvimento do agronegócio brasileiro, por meio da participação nos principais contextos nacionais e globais que envolvam a competitividade, produtividade e sustentabilidade desse segmento. Por meio de seus comitês temáticos, vem discutindo e fomentando ações em assuntos transversais, como por exemplo, logística, bioeconomia, conservação ambiental, que são fundamentais para o futuro do agro.

A ABAG tem ainda colaborado com a iniciativa privada para disseminar a importância do agronegócio para o desenvolvimento social, econômico e ambiental brasileiro, bem como trabalhado junto as instâncias governamentais para a criação de políticas e ações para a evolução desse setor. Para a sociedade civil, a entidade tem se empenhado em levar informação qualificada que contribua para o fortalecimento da marca do agro no fornecimento de alimentos e produtos indispensáveis para a vida, sempre pautado na proteção ambiental e na igualdade social.

Carvalho continuará o processo de modernização da ABAG e  trabalhará arduamente em defesa da reputação do agro brasileiro nos mercados interno e internacional. Seu mandato será de dois anos.

Fonte: Assessoria ABAG
Continue Lendo
ABPA – PSA

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.