Conectado com
OP INSTAGRAM

Notícias SNCS

Semana Nacional da Carne Suína se reinventa e aposta no formato digital para atender o consumidor

Com histórico de sucesso e metodologia diferenciada focada na educação, iniciativa chega às maiores redes no período de 1 a 15 de outubro

Publicado em

em

Divulgação

A Semana Nacional da Carne Suína (SNCS) é uma iniciativa premiada e de referência no agronegócio coordenada pela Associação Brasileira dos Criadores de Suínos (ABCS), que visa, através da educação incentivar o consumo de carne suína no Brasil. Para chegar até os consumidores, que são o destino final do produto, a ABCS entende que é primordial construir uma parceria com o varejo, apostando numa metodologia que treina as equipes de marketing e de loja a respeito da saudabilidade, confiabilidade, versatilidade e sabor da carne suína. E é com essa estratégia que vai conquistar os clientes das maiores e melhores redes de varejo no período de 1 a 15 de outubro.

A história da SNCS começou em 2013, uma parceria com o GPA, com as bandeiras Extra e Pão de Açúcar, após uma iniciativa bem sucedida no ano anterior no Nordeste, que buscava incentivar o consumo da proteína na região. Ao final, a campanha impactou quase 54 mil pessoas. A repercussão foi tão grande que iniciativa ganhou espaço nacionalmente, dando vida a um dos maiores cases de sucesso da agropecuária brasileira.

No ano seguinte, 1 milhão de brasileiros compraram a proteína durante o período da campanha. O trabalho continuou e em 2016, 700 açougueiros foram treinados para oferecer uma maior diversidade de cortes de carne suína. Em 2017, a participação do varejo foi expandida com a adição de mais três redes de varejo à campanha. Um ano depois a SNCS chegou a 624 lojas em 17 estados brasileiros através de sete bandeiras, abrangendo um público diversificado de A à D. Em 2019 não foi diferente, a campanha chegou a mais de mil lojas, de oito redes diferentes, impactando mais de 42 milhões de pessoas. Sendo assim, há oito anos a ABCS vem trabalhando junto aos maiores e melhores varejistas do país, para que a carne suína seja cada vez mais desmistificada e inserida na cultura dos consumidores.

Este ano, novamente com oito bandeiras participantes, a SNCS acontece pela primeira vez de forma digital, entre primeiro e 15 de outubro, buscando se adequar ao novo normal e aos novos anseios dos consumidores, que mudaram seus hábitos de consumo durante a pandemia de coronavírus. Por isso, a aposta do varejo tem sido investir ainda mais em comunicação online, assim como em plataformas e aplicativos de venda e delivery. Através de 957 lojas, a SNCS 2020 vai abranger todas as regiões brasileiras, engajando um número ainda maior de colaboradores em 22 estados diferentes. Veja agora um raio X, de todas as redes que estão se juntando a ABCS nesta empreitada e que unidas representam 40% do faturamento do varejo alimentício do país.

Por entenderem a importância da agropecuária, em especial da suinocultura, A SNCS conta com o apoio institucional do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). “Sabemos que vocês, criadores, trabalham diuturnamente para atender a demanda interna e externa, com adequado grau de bem-estar nas granjas. Requisito de extrema importância que confere à nossa carne suína uma qualidade exemplar que abre mercados lá fora – hoje já somos o quarto maior produtor e exportador mundial, além de garantir o abastecimento do nosso varejo” explica a Ministra Tereza Cristina. A Associação Brasileira de Supermercados (ABRAS) também apoia a iniciativa, que é a única do tipo em todo o setor de carnes.

O Sebrae Nacional, apoiador institucional desde a primeira edição da SNCS, reconhece o papel transformador que a iniciativa desempenha em toda a cadeia. De acordo com Gustavo Melo, analista de competitividade do Sebrae, “a SNCS tem um papel fundamental no desenvolvimento da cadeia produtiva da suinocultura, não só pelo aumento do consumo da proteína, mas também por toda movimentação que é feita, juntos aos pequenos negócios, em decorrência disso. É o consumidor tendo acesso a vários tipos de cortes, que por sua vez exige dos supermercados uma melhor apresentação do mix de produtos, dos frigoríficos e abate uma melhor qualidade e esse requisito de qualidade chega ao produtor rural, que precisará ter um animal que dê sustentabilidade ao seu negócio.”

Carrefour

Este é o segundo ano de participação da rede, que entra com 156 lojas divididas entre o Amazonas, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, Distrito Federal, Paraná, Rio Grande do Sul, São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Rio Grande do Norte, Ceará, Pernambuco e Paraíba. Marca já registrada através de preços baixos e garantia de origem dos produtos, o Carrefour tem apostado no uso do e-commerce, delivery por aplicativo e retirada no carro.

Extra

Parceiro desde o início, desta vez o Extra participará com 236 lojas, nos estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, Distrito Federal, São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Piauí, Bahia, Tocantins, Ceará, Pernambuco, Paraíba, Sergipe, Alagoas e Rio Grande do Norte. Famoso pela variedade, qualidade e economia, além de comercializar produtos não alimentícios, neste momento atual a rede também tem apostado na ampliação do uso e-commerce.

Pão de Açúcar

Também participando pela oitava vez consecutiva, o Pão de Açúcar entra com 182 lojas, localizadas em  Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Mato Grosso do Sul, Goiás, Distrito Federal, Piauí, Ceará, Pernambuco, Sergipe e Paraíba. A rede é conhecida por ter clientes fidelizados e pela sustentabilidade. Atualmente o Pão de Açúcar tem trabalhado com o e-commerce, atendimento diferenciado e com promoções online.

Hortifruti e Natural da Terra

Trazendo as marcas registradas de promover campanhas educativas e de comercializar produtos frescos vindos do campo em até 24h, as duas bandeiras participam pela terceira vez e integram o time com 64 lojas, em São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Espírito Santo. Para lidar com a pandemia, a rede investiu no delivery via WhatsApp, na venda de cestas prontas e Dark Stores, lojas que funcionam como pontos de distribuição de mercadorias vendidas pelo site, que registrou um aumento de 1% para 20% nas vendas online.

Lopes Supermercados

Também na terceira edição, a rede Lopes participa com 30 lojas em São Paulo. Além da presença na segunda maior cidade do estado, a rede traz o diferencial de trabalhar com produtos próprios e também com ofertas digitais via WhatsApp.

Oba Hortifruti

Trazendo como bandeiras a excelência e a qualidade em produtos frescos e açougues próprios, o Oba participa pelo quarto ano com 54 lojas, em São Paulo, Goiás e no Distrito Federal. A rede também vem trabalhando intensamente através do e-commerce e de iniciativas como o Minha Hora Oba e o Cliente Bem Querer.

Grupo Big

Em sua segunda edição na SNCS, o grupo Big, antigo Walmart, entra com as bandeiras Big, Big Bompreço, Mercadorama e Nacional. As 235 lojas estão presentes no Maranhão, Piauí, Bahia, Ceará, Pernambuco, Sergipe, Alagoas, Paraíba, Rio Grande do Norte, Goiás, Distrito Federal, Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro, Mato Grosso do Sul, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Com perfil de penetração em diferentes públicos, neste momento a rede tem o diferencial de possuir um cartão auxílio emergencial. Além disso, oferecem também a opção de comprar sem sair de casa.

A campanha ganhará forma nos supermercados em outubro, mas o treinamento que garante que ela aconteça começa no dia 15 deste mês. Acompanhe as próximas publicações para saber tudo sobre essa iniciativa que para Marcelo Lopes, presidente da ABCS, agrega valor a suinocultura e toda a sua cadeia de produção. “É por meio de campanhas como essa que podemos garantir que a excelência do nosso setor chegue até o consumidor de forma estratégica, educativa e duradoura.”

Fonte: Assessoria ABCS
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 × 3 =

Notícias Segundo Embrapa

Custo de produção de suínos passa dos R$ 7 por quilo vivo

Em abril, os custos para produzir suínos aumentaram 2,33% em relação a março

Publicado em

em

Divulgação

Os custos de produção de suínos e de frangos de corte tiveram uma elevada alta em abril segundo o estudo mensal publicado pela CIAS, a Central de Inteligência de Aves e Suínos da Embrapa, que disponibiliza as informações no site embrapa.br/suinos-e-ave/cias.

Em abril, os custos para produzir suínos aumentaram 2,33% em relação a março, fazendo o ICPSuíno, índice criado pela Embrapa para medir a variação nos custos de produção, ultrapassar pela primeira vez os 400 pontos, chegando a 402,40 pontos. No ano, o ICPSuíno já subiu 7,11%, acumulando uma alta de 44,55% nos últimos 12 meses. Com isso, o custo por quilo vivo de suíno produzido em sistema de ciclo completo em Santa Catarina subiu R$ 0,16 entre março e abril, chegando a R$ 7,03. Também é a primeira vez que o custo de produção por quilo de suíno vivo fica acima dos sete reais. A alimentação dos animais impactou em 82,11% os custos totais de produção de suínos. Deste porcentual, o milho participou com 46,88%, o farelo de soja com 25,37%, os núcleos vitamínico-minerais (premix) com 8,3% e o farelo de trigo com 1,55%.

Já o ICPFrango subiu 2,75% em abril na comparação com março, sendo que deste aumento 1,56% foi pintinho de corte e 0,94% a nutrição. No ano de 2021, este índice acumula alta de 14,08% nos custos totais de produção de frangos de corte. Nos últimos 12 meses, a variação é de 39,78%. O custo de produção do quilo do frango de corte vivo no Paraná, produzido em aviário tipo climatizado em pressão positiva, passou dos R$ 4,86 em março para R$ 4,99 em abril. A alimentação impactou 75,29% os custos totais de produção, acompanhado por pintinhos de um dia com 13,58% e mão de obra com 3,82%. A depreciação das instalações e o custo de capital impactaram em 1,93% e 1,60%, respectivamente.

Os estados de Santa Catarina e Paraná são usados como referência nos cálculos por serem os maiores produtores nacionais de suínos e de frangos de corte, respectivamente.

Fonte: Embrapa Suínos e Aves
Continue Lendo

Notícias Mercado

Vendedor limita oferta e preços do milho se mantêm firmes

Resultado está atrelado principalmente aos reajustes negativos nos rendimentos do Sudeste e do Sul, de 3% e 4,9%, respectivamente

Publicado em

em

Divulgação

Chuvas foram registradas em algumas regiões produtoras de milho do País na semana passada. As precipitações, no entanto, ainda ocorreram de forma insuficiente para sanar as preocupações quanto ao déficit hídrico, especialmente no Paraná, em Mato Grosso do Sul e algumas áreas do Sudeste.

Assim, vendedores consultados pelo Cepea seguiram atentos aos impactos do clima sobre a produtividade e, com isso, limitando a oferta de novos lotes no spot. Muitos compradores com necessidade de repor estoques de curto prazo, por sua vez, acabam cedendo aos maiores preços.

Nesse cenário, as cotações se mantiveram em alta na maior parte das regiões acompanhadas pelo Cepea. Relatório divulgado na semana passada pela Conab indica que a produtividade média nacional pode cair 3,3% nesta safra frente à anterior.

Esse resultado está atrelado principalmente aos reajustes negativos nos rendimentos do Sudeste e do Sul, de 3% e 4,9%, respectivamente. Agentes consultados pelo Cepea aguardam ainda novas quedas na produtividade nos próximos relatórios da Conab, fundamentados no clima desfavorável.

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Notícias Cooperativismo

Copagril realiza Seminário de Leite de forma online e gratuita

Evento será realizado de forma online, com transmissão ao vivo pelas redes sociais da Cooperativa

Publicado em

em

Divulgação

A Cooperativa Agroindustrial Copagril realizará nesta terça-feira (18) o Seminário de Leite 2021. O evento direcionado aos cooperados e clientes Copagril no segmento de produção de bovinos de leite é tradicional e tem por objetivo apresentar informações técnicas sobre a atividade. Em decorrência das ações de restrição de público por causa da pandemia do Coronavírus o seminário de 2021 será realizado de forma online, com transmissão ao vivo pelas redes sociais da Cooperativa (Facebook e Youtube).

O diretor-presidente da Copagril, Ricardo Sílvio Chapla, comenta sobre o tradicionalismo do evento e do modelo de 2021. “Realizamos o seminário aos produtores do setor leiteiro todos os anos, mas em 2020 não foi possível por causa do Coronavírus e neste ano esperávamos poder fazer de forma presencial, mas infelizmente não houve a diminuição dos casos como era a expectativa. Por isso devemos ter o cuidado para com todos e assim faremos o Seminário de Leite de forma online. O objetivo é sempre trazer mais informações para os produtores, para que possam, em suas propriedades, produzir melhor, com qualidade melhor e assim, com lucratividade melhor. Sabemos que não podemos parar, por isso temos que fazer uso dos canais de comunicação que estão a nossa disposição”, reforça Chapla.

A programação do seminário contempla palestra com Alexandre Pedroso, pós-doutor em Nutrição de Ruminantes e consultor técnico em bovinos de leite da Nutron. Ele falará sobre Conforto animal: produtividade e qualidade do leite. A transmissão ainda terá a divulgação dos melhores cooperados nos resultados do último ano em qualidade do leite, volume de produção e qualidade de silagem.

O Seminário de Leite iniciará às 14 horas, com transmissão no Youtube e Facebook oficiais da Copagril e haverá sorteio para quem acompanhar e participar da transmissão ao vivo.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.