Conectado com

Notícias

Santa Catarina quer exportar leite para China

A região formada pelo Sudoeste do Paraná, Oeste Catarinense e Noroeste do Rio Grande do Sul pode ser chamada de a "Nova Meca" do leite no Brasil.

Publicado em

em

Com uma produção de leite em crescimento acelerado, Santa Catarina busca novos mercados para exportação. O secretário de Estado da Agricultura e da Pesca, Airton Spies, embarca nesta quinta-feira (01) para China, onde participa de uma missão empresarial de análise de mercado para venda de leite e frutas.

O leite é a atividade agropecuária que mais cresce em Santa Catarina, com uma produção de 3,4 bilhões de litros em 2017. O estado se prepara agora para exportar. Do outro lado está a China, o maior importador mundial de lácteos.

A missão empresarial coordenada pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil) e pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) contempla a participação na China Internacional Import Expo (CIIE), além de seminários e reuniões com o governo chinês. "Nós vamos aprender o caminho para exportação de lácteos para a China. Vamos conhecer as preferências dos consumidores e de que forma os supermercados vendem os produtos. Esse aprendizado poderá ser aplicado também a outros países asiáticos, para onde futuramente poderemos exportar lácteos", explica o secretário.

Os conhecimentos adquiridos irão orientar os trabalhos da Aliança Láctea Sul Brasileira, assim como as políticas de pesquisa agropecuária, extensão rural e defesa sanitária em Santa Catarina. Segundo o secretário, o estado terá grandes desafios para se tornar competitivo no mercado internacional de láctecos, disputando mercados com grandes fornecedores como a Nova Zelândia, Austrália, Argentina e Uruguai.

"Nosso produto precisa melhorar a qualidade e reduzir os custos de produção. Temos um dever de casa a ser feito na área de tecnologia de produção para produzir mais e com menos custos. Mas nós já fizemos isso com a suinocultura na década de 70 e a atividade se transformou para ser mais eficiente, produtiva e competitiva no mercado internacional. O setor lácteo irá passar pela mesma revolução".

O secretário acredita que o Brasil pode produzir o leite mais competitivo do mundo. "Com isso nós vamos criar empregos, renda e oportunidades para o desenvolvimento de Santa Catarina. Essa missão empresarial vai nos mostrar o que teremos que fazer para transformar o leite em mais uma estrela do nosso agronegócio", destaca Spies.

Na Região Sul 

Os três estados do Sul produziram 12,8 bilhões de litros de leite em 2017 – 38% do total produzido no país. E as expectativas são de que até 2025 a região produza mais da metade de todo leite brasileiro.

A região formada pelo Sudoeste do Paraná, Oeste Catarinense e Noroeste do Rio Grande do Sul pode ser chamada de a "Nova Meca" do leite no Brasil já que apresenta o maior crescimento na produção e é também onde as indústrias de lacticínios têm feito os maiores investimentos nos últimos 10 anos.

Em Santa Catarina, a produção de leite já é a atividade agropecuária com o maior crescimento. Envolvendo 45 mil produtores em todo o estado, a produção girou em torno de 3,4 bilhões de litros em 2017 – um incremento de 8% em relação a ano anterior. Os números consolidaram o estado como o quarto maior produtor de leite do país.

Fonte: Assessoria

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

vinte + quinze =

Notícias Tarifa Rural

Produtor rural deve recadastrar unidades consumidoras até o fim deste ano

Faesc orienta produtor rural a atualizar informações junto a Celesc

Publicado em

em

Divulgação

A Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (Faesc) orienta aos produtores rurais catarinenses que efetuem o recadastramento de suas unidades consumidoras de energia elétrica junto a Celesc para garantir o benefício da Tarifa Rural. O cadastro deve ser renovado até o dia 13 de dezembro deste ano para garantir o benefício. A exigência é da Resolução nº 800/2017 da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL).

As reduções cumulativas da Tarifa Rural são de 10% a 30% na conta de luz dos agricultores pertencentes a dois grupos de unidades de consumo: os de fornecimento de alta tensão (acima de 2,3KV), enquadrados no “Grupo A Rural”, e os de baixa tensão (abaixo de 2,3 KV), classificados como “Grupo B Rural”.

Em Santa Catarina 75.634 consumidores rurais deverão se recadastrar enviando a documentação pelo e-mail recadastramentorural@celesc.com.br ou se deslocando até uma Loja de Atendimento da Celesc. A companhia de energia elétrica já emitiu, nas faturas, a informação para aqueles que necessitam se recadastrar. Deverão efetuar o recadastramento todas as unidades consumidoras da Classe Rural cadastradas como agropecuária, aquicultura, agroindústria e residências rurais.

Deste modo, os produtores rurais devem verificar nas faturas de energia elétrica se estão na lista de recadastramento e, em caso positivo, providenciarem o recadastramento até 13 de dezembro de 2019  evitando a retirada do benefício da tarifa rural.

O presidente da Faesc, José Zeferino Pedrozo, destaca que os Sindicatos Rurais vinculados a Faesc podem emitir a declaração para os produtores rurais comprovando o enquadramento como rural. “Quanto ao conteúdo da certidão, deve constar, caso o sindicato possua essa informação, que a pessoa sindicalizada possui atividade agrícola ou pecuária, ou que é trabalhador nesta área. Os sindicatos não devem emitir declaração para quem não seja sindicalizado ou de quem não possuam informações”, explica.

Documentação

Os documentos necessários para o recadastramento de Pessoa Física são: CPF, Carteira de Identidade ou outro documento de identificação oficial com foto, Registro Administrativo de Nascimento Indígena (RANI) no caso de indígenas.

Para Pessoa Jurídica os documentos são: Cartão do CNPJ, se for uma LTD a última alteração do Contrato Social Consolidado ou Contrato Social e as alterações existentes, se for empresa individual formulário de empresário individual, se for associação/condomínios/sociedades anônimas é necessário o estatuto social e ata com eleição da última diretoria, além de RG e CPF de representante.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Mercado Interno

Consumo mostra fraqueza e preço do suíno volta a declinar no Brasil

Movimento de alta das últimas semanas foi intenso e há dificuldade na absorção na ponta final de consumo

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O mercado brasileiro de carne suína voltou a registrar queda nos preços ao longo da semana. De acordo com o analista de SAFRAS & Mercado, Allan Maia, o ambiente de negócios entre o atacado e varejo foi dominado por um sentimento de cautela, com agentes avaliando que a demanda evolui de maneira tímida.

Maia ressalta que o movimento de alta das últimas semanas foi intenso e há dificuldade na absorção na ponta final de consumo. “Além disso, as famílias estão pouco capitalizadas, o que deve inibir o consumo no decorrer da segunda quinzena de julho. Deste modo, o alto fluxo de exportação seguirá como fator chave para o ajuste da disponibilidade e sustentação dos preços domésticos”, sinaliza.

Levantamento de SAFRAS & Mercado apontou que a média de preços do quilo do suíno vivo na região Centro-Sul do Brasil ficou em R$ 4,65, queda de 1,55% em relação à semana passada, de R$ 4,72. A média de preços pagos pelos cortes de pernil no atacado ficou em R$ 7,95, baixa de 0,54% frente aos R$ 7,99 praticados na semana anterior. A carcaça registrou um valor médio de R$ 7,89, baixa de 1,25% frente à semana anterior, de R$ 7,99.

Maia afirma que os números dos embarques de carne suína podem ser considerados bons neste começo de julho, muito próximos aos registrados no mês passado, por conta da boa demanda por parte da China, que segue enfrentando um severo surto de peste suína africana.

As exportações de carne suína “in natura” do Brasil renderam US$ 60,7 milhões em junho (9 dias úteis), com média diária de US$ 6,7 milhões. A quantidade total exportada pelo país no período chegou a 26,4 mil toneladas, com média diária de 2,9 mil toneladas. O preço médio ficou em US$ 2.299,30.

Em relação a junho, houve baixa de 0,1% na receita média diária, ganho de 0,1% no volume diário e recuo de 0,1% no preço. Na comparação com julho de 2018, houve aumento de 40,3% no valor médio diário exportado, incremento de 13% na quantidade média diária e ganho de 24,1% no preço. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

A análise de preços de SAFRAS & Mercado apontou que a arroba suína em São Paulo foi cotada a R$ 100, recuo frente aos R$ 103 na semana anterior. Na integração do Rio Grande do Sul o quilo vivo seguiu em R$ 3,70. No interior a cotação no estado baixou de R$ 4,85 para R$ 4.70. Em Santa Catarina o preço do quilo na integração continuou em R$ 3,70. No interior catarinense, a cotação recuou de R$ 4,90 para R$ 4,80. No Paraná o quilo vivo baixou de R$ 5 para R$ 4,95 no mercado livre, enquanto na integração o quilo vivo continuou em R$ 3,75.

No Mato Grosso do Sul a cotação na integração passou de R$ 3,70 para R$ 3,72, enquanto em Campo Grande o preço permaneceu em R$ 3,90. Em Goiânia, o preço continuou em R$ 5,70. No interior de Minas Gerais o quilo do suíno retrocedeu de R$ 5,90 para R$ 5,70. No mercado independente mineiro, o preço também caiu de R$ 5,90 para R$ 5,70. Em Mato Grosso, o preço do quilo vivo em Rondonópolis se manteve em R$ 4,45. Já na integração do estado a cotação seguiu em R$ 3,70.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo

Notícias Mercado

Preços do boi gordo caem apesar de postura defensiva do pecuarista

Mercado físico de boi gordo teve preços mais baixos na terceira semana de julho nas principais regiões produtoras do país

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O mercado físico de boi gordo teve preços mais baixos na terceira semana de julho nas principais regiões produtoras do país. “A pecuária de corte foi marcada por seguidos testes no decorrer da semana. No entanto, os produtores relutaram em negociar boiadas nos preços ofertados e optaram por reter a oferta. Com isso, o fluxo de negócios foi pouco representativo ao longo da semana”, disse o analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Henrique Iglesias.

Já a carne bovina no atacado teve preços pouco alterados, sem grande espaço para reação até a virada de mês, uma vez que as últimas semanas sempre são marcadas por queda no consumo com a descapitalização do brasileiro médio. Enquanto isso, permanece boa a perspectiva para as exportações brasileiras com o surto de peste suína na China.

Os preços a arroba do boi gordo na modalidade à vista nas principais praças de comercialização do País estavam assim no dia 18 de julho:

  • São Paulo (Capital) – R$ 152 a arroba, contra R$ 155 a arroba em 11 de julho.
  • Goiás (Goiânia) – R$ 140 a arroba, ante R$ 143 a arroba.
  • Minas Gerais (Uberaba) – R$ 145 a arroba, contra R$ 148 a arroba.
  • Mato Grosso do Sul (Dourados) – R$ 141 a arroba, ante R$ 145 a arroba.
  • Mato Grosso (Cuiabá) – R$ 142 a arroba, estável.

Exportações

As exportações de carne bovina “in natura” do Brasil renderam US$ 190,7 milhões em julho (9 dias úteis), com média diária de US$ 21,2 milhões. A quantidade total exportada pelo país chegou a 49 mil toneladas, com média diária de 5,4 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 3.890,70.

Na comparação com junho, houve baixa de 6,5% no valor médio diário da exportação, perda de 7,2% na quantidade média diária exportada e alta de 0,8% no preço. Na comparação com julho de 2018, houve perda de 15,1% no valor médio diário, baixa de 8,4% na quantidade média diária e recuo de 7,3% no preço médio.

Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo
Biochem site – lateral
TOPIGS – BRASIL PORK EVENT 2019
AB VISTA Quadrado
Evonik Aminonir

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.