Conectado com
VOZ DO COOP

Bovinos / Grãos / Máquinas Entrevista com Airton Spies

Santa Catarina está redefinindo a indústria do leite de olho no mercado internacional

O Jornal O Presente Rural entrevistou Airton Spies, um dos principais especialistas em agronegócio do Brasil, para discutir o panorama atual, as mudanças recentes, os desafios e as perspectivas do setor de laticínios no estado catarinense.

Publicado em

em

Foto: Imagem criada por IA por Giuliano De Luca

O Jornal O Presente Rural entrevistou Airton Spies, um dos principais especialistas em agronegócio do Brasil, para discutir o panorama atual, as mudanças recentes, os desafios e as perspectivas do setor de laticínios em Santa Catarina. A conversa aborda como a tecnologia e a inovação estão sendo adotadas, as políticas públicas implementadas e a importância da sustentabilidade e do bem-estar animal na produção de leite. Spies também analisa as oportunidades e os desafios associados à diversificação da produção de laticínios e o acesso a novos mercados, tanto domésticos quanto internacionais. Confira a seguir a entrevista completa.

Airton Spies, um dos grandes entusiastas da produção de leite no Brasil – Foto: Divulgação/Arquivo pessoal

O Presente Rural – Panorama atual: Como você descreveria o atual cenário da produção de leite no Santa Catarina em termos de volume, qualidade e competitividade em comparação com outras regiões do Brasil?

Airton Spies – Santa Catarina produziu, no ano de 2023, 3,55 bilhões de litros de leite total e industrializou 3,2 bilhões de litros. Houve um crescimento de 7% em relação a 2022, mostrando a força do leite e o investimento que os produtores estão fazendo no sentido de aumentar a produção. Inclusive, pela primeira vez na história, Santa Catarina se tornou o terceiro maior produtor nacional, só atrás de Minas Gerais e Paraná, superando o Rio Grande do Sul. Claro que no Rio Grande do Sul nós tivemos problemas de seca que prejudicaram bastante a produção.

A qualidade do leite tem melhorado muito. O leite que chega para as indústrias já está 100% em conformidade com as Instruções Normativas do Ministério da Agricultura, a Instrução Normativa 76 e a Instrução Normativa 77, de forma que, comparando o leite de Santa Catarina com o restante do Brasil, ele está entre os melhores em qualidade.

O grande desafio, evidentemente, é o custo de produção. Nós temos uma redução significativa no número de produtores. Atualmente, são 22.600 produtores que entregam o leite para as indústrias regularmente. Segundo o cadastro que nós temos, houve uma redução significativa, mas a escala dos produtores que permanecem na atividade tem crescido bastante, e a produção cresce tanto pelo aumento do rebanho naquelas propriedades que se especializam em leite, mas também pela produtividade, que tanto por vaca como por propriedade, tem aumentado significativamente nos últimos anos.

O Presente Rural – Mudanças recentes: Quais foram as mudanças mais significativas na indústria de laticínios em Santa Catarina nos últimos anos e como elas impactaram os produtores?

Airton Spies – O setor lácteo de Santa Catarina vem passando por uma grande mudança estrutural. O primeiro aspecto a destacar é a mudança tecnológica. A base tecnológica que vem sendo aplicada é cada dia mais intensa, mais moderna, tanto na parte de produção de alimento para os animais, com pastagens melhores, qualidade, quantidade, sistemas de manejo com pastoreio rotativo, e o confinamento, chegando tanto o composto barn como free stall em um grande número de propriedades. Então você tem uma mudança na base tecnológica e na estrutura produtiva.

Outro fator de mudança recente é o aumento da escala. Hoje já temos um volume de litros de leite por produtor próximo dos 500 litros por dia. A maioria dos produtores aumentou sua escala de produção justamente buscando viabilidade e diluindo os custos fixos por um volume maior de leite produzido.

O Presente Rural – Tecnologia e inovação: Como a tecnologia e a inovação estão sendo adotadas na produção de leite em Santa Catarina para aumentar a eficiência, reduzir custos e melhorar a qualidade do produto?

Airton Spies – A tecnologia e a inovação no setor lácteo são visíveis dia a dia, e há um esforço muito grande de geração e de novas tecnologias por parte da pesquisa agropecuária, principalmente conduzida aqui no Estado pela Epagri, mas também pela assistência técnica que vem se intensificando com três vetores: assistência técnica pública, onde foi dado um foco principal à cadeia produtiva do leite; assistência via Senar, que hoje chega a um grande número de produtores; e assistência técnica privada oferecida pelas próprias indústrias de laticínios, que procuram melhorar a qualidade da produção e aumentar a produtividade dos seus produtores fornecedores.

Fotos: Shutterstock

Há um conjunto de esforços em andamento que mudam bastante a base tecnológica e a adoção de tecnologias para aumentar a eficiência, a produtividade e a qualidade. Claro que isso também busca redução de custos de produção no aspecto da genética animal. Nós tivemos grandes avanços e, com isso, em geral, dá para afirmar que as novilhas que entram em produção, via de regra, são melhores que as vacas que estão sendo descartadas. Esse ganho genético também é muito relevante do ponto de vista de eficiência e produtividade, além das máquinas e equipamentos. Nós temos hoje sistemas de ordenha e resfriamento de leite mais eficientes e modernos, que também proporcionam um ganho ao emprego da mão de obra na produção na propriedade. Sendo assim, cada unidade equivalente de trabalho nas propriedades consegue produzir mais leite, empregando sistemas de produção mais eficientes. Isso envolve inclusive o uso de mecanização, como tratores, etc.

Ainda em relação a tecnologia e inovação, é notório o processo de transporte com caminhões melhores e maiores, permitindo que o leite chegue nas indústrias com o padrão de qualidade preservado e atendendo às instruções normativas. Hoje, o processo de coleta de leite na maioria das indústrias foi melhorado através de roteirização com o uso de inteligência de computadores e GPSs para formação de rotas com melhor resultado e mais leite por quilômetro rodado. Claro que no âmbito das indústrias, na transformação do leite cru em produtos industrializados, nós também temos um avanço significativo nos últimos anos. Ou seja, a cadeia produtiva do leite está se modernizando com emprego de tecnologia e inovações.

O Presente Rural – Desafios atuais: Quais são os principais desafios enfrentados pelos produtores de leite em Santa Catarina atualmente, tanto em termos de aspectos técnicos como de questões regulatórias e de mercado?

Airton Spies – Nos desafios atuais, destaca-se que os produtores enfrentam uma crise de rentabilidade, com custos de produção altos e o preço do leite não respondendo na mesma proporção. Há também a competição com o leite importado do Mercosul. Vale destacar que essa é uma situação média, porém, existem produtores que já conseguiram se adaptar e adaptar seu sistema de produção para produzir leite economicamente viável aos preços internacionais.

Os preços pagos aos produtores sofreram reflexos da redução e da estagnação do consumo per capita no Brasil. Isso se somou ao fato de cerca de 9% do leite industrializado em 2023 ter vindo de importações, criando uma pressão por preços baixos. Os produtores enfrentam uma grave crise de rentabilidade, mas essa crise também está trazendo ajustes, principalmente em relação à estrutura de custos. Em Santa Catarina, em tono de 60% dos produtores deixaram a atividade. Na média, com a saída dos pequenos produtores, a eficiência média vem melhorando com os remanescentes que se adaptam às novas condições de competição.

Em termos técnicos, existem ganhos marginais que estão sendo incorporados, e por isso o leite cresceu em volume, mesmo com um número menor de produtores. Houve um grande esforço para adaptar o setor às instruções normativas, e hoje esse assunto está superado. Conseguimos chegar ao padrão de leite conforme os regulamentos, mas o acesso aos laboratórios de leite para medir a qualidade com maior frequência ainda é um desafio. Os produtores, através das indústrias, fazem uma análise mensal da qualidade do leite, mas para uma boa gestão, é necessário ter acesso a mais análises laboratoriais para servir de ferramenta de manejo e gestão do negócio.

O Presente Rural – Sustentabilidade: Como a sustentabilidade ambiental e econômica está sendo abordada na produção de leite em Santa Catarina, especialmente considerando a crescente preocupação com questões ambientais e o aumento da demanda por produtos sustentáveis?

Airton Spies – A questão da sustentabilidade ambiental, social e econômica está hoje batendo na porta de todas as cadeias produtivas do agronegócio, e a do leite não é diferente. Para ter acesso ao mercado, é preciso uma grande preocupação com a redução dos impactos ambientais gerados ao longo da cadeia produtiva. Isso envolve o manejo correto da água e dos dejetos, o uso de energia renovável nas propriedades e uma produção ambientalmente responsável.

Em algumas cadeias produtivas já se fala em neutralização de carbono, adotando estratégias como o reflorestamento para sequestrar o carbono emitido na cadeia produtiva. Esse debate está presente, por exemplo, nas discussões em torno dos parâmetros estabelecidos internacionalmente para atingir os padrões de ESG (Environmental, Social, and Governance), que visam a responsabilidade social, econômica e a governança das cadeias produtivas para atender parâmetros internacionais. Isso tem uma preocupação maior quando pensamos em conectar a cadeia produtiva do leite com o mercado global e a exportação. As questões ambientais sempre preocupam, pois a produção de leite é uma cadeia que tem emissões tanto no nível de produção, na propriedade, principalmente em relação ao metano, quanto no grande volume de transporte exigido nessa cadeia, deslocando grande volume de leite diariamente das propriedades para as indústrias e das indústrias para o mercado. Há, sim, uma demanda e pressão por produtos sustentáveis, e é uma condição que o setor tem que se adaptar para ter acesso a mercados.

O Presente Rural – Perspectivas: Quais são as perspectivas para o setor de laticínios em Santa Catarina nos próximos anos, considerando as tendências de mercado, as mudanças climáticas e outros fatores relevantes?

Airton Spies – As pe rspectivas para o leite em Santa Catarina são positivas, considerando que temos aqui, e isso vale também para os três estados do Sul, uma condição favorável à produção de alimento para os animais durante os 12 meses do ano. Não temos um período de frio extremo, como na Europa, Nova Zelândia e algumas regiões dos Estados Unidos e Argentina, onde o crescimento das pastagens é paralisado pelo frio e neve. Também não temos um período de seca extrema e sazonalidade das chuvas como no Sudeste, Centro-Oeste e Nordeste do Brasil.

Aqui temos 12 meses de chuvas, com algumas diferenças sazonais, e possibilidade de utilização de espécies de pastagens que crescem melhor no verão e no inverno. Esse modelo nos dá uma vantagem comparativa que podemos transformar em vantagem competitiva, não só dentro do Brasil, mas também em relação a outros países que produzem leite. As tendências do mercado são crescentes, e temos números que mostram que hoje o mundo dispõe de cerca de 117 litros por habitante/ano, enquanto o consumo de lácteos recomendado pela Organização Mundial da Saúde é em torno de 200 litros por habitante/ano.

Claro que não há renda disponível em todos os países, principalmente os mais populosos da Ásia e África, para consumir 200 litros por habitante/ano. Mas, na medida em que a economia desses países melhora, o desejo dessa população é consumir proteínas animais, e os lácteos entram com força. Um bom exemplo é a China, que em 2007 consumia em torno de 18 quilos de lácteos por habitante/ano, e em 2018, já consumia 36 quilos por habitante/ano. Ainda é pouco, mas com o aumento da renda, haverá um crescimento na demanda mundial.

Os principais exportadores mundiais, como Nova Zelândia, União Europeia, Estados Unidos, Uruguai, Argentina e Austrália, têm pouco potencial de aumento da produção, restando ao Brasil uma grande oportunidade de aproveitar essas possibilidades de exportação ou atender ao mercado internacional.

As mudanças climáticas estão sempre no radar como um fator relevante para administrar riscos. Tivemos secas extremas e enchentes nos últimos anos e preocupações com o aumento da temperatura, que impactam a cadeia produtiva de leite, tanto na produção de alimento para os animais quanto no bem-estar dos animais em relação à temperatura. Hoje, com o leite progressivamente indo para confinamentos, há uma possibilidade de gerar uma ambiência mais favorável para os animais em períodos quentes ou de frio extremo, com o controle de temperatura no ambiente.

O Presente Rural – Políticas públicas: Qual é o papel do governo estadual na promoção do desenvolvimento do setor de laticínios em Santa Catarina e quais políticas públicas têm sido implementadas para apoiar os produtores locais?

Airton Spies – As políticas públicas têm um papel fundamental no desenvolvimento da cadeia produtiva do leite, especialmente nesse momento de grande transformação. Há ameaças para alguns produtores que não conseguem se adaptar sem apoio de políticas públicas, e também a necessidade de alavancar e estimular o setor a investir na produção sustentável com competitividade. Na Aliança Láctea Sul Brasileira, um fórum do leite dos três estados do Sul, elaboramos o Plano de Desenvolvimento da Competitividade Global do Leite Sul Brasileiro e apresentamos essas orientações aos governos dos três estados.

Aos poucos, surgem linhas de apoio para que o leite se desenvolva de maneira sustentável e competitiva. Os gargalos do setor são muitos. O leite brasileiro tem um custo de produção em torno de 20 a 25% superior à média dos países exportadores. Com o baixo crescimento do consumo interno, o caminho é a exportação. Para isso, precisamos de políticas públicas que ajudem o produtor e a indústria a fazer o dever de casa, superando os gargalos que nos afastam da competitividade global, tornando o setor viável para andar com as próprias pernas no futuro.

O governo de Santa Catarina lançou um pacote de R$ 300 milhões em três anos para apoiar o produtor de leite e as indústrias, compensando e estimulando a produção rumo à competitividade.

O Presente Rural – Bem-estar animal: Qual é a importância do bem-estar animal na produção leiteira em Santa Catarina e como os produtores estão se adaptando às demandas dos consumidores por melhores práticas?

Airton Spies – A preocupação com o bem-estar animal precisa estar no topo da lista de todos os produtores de leite, e isso está claro em Santa Catarina. Produzir com qualquer indício de crueldade ou maus-tratos aos animais não é possível, pois as portas do mercado se fecham na medida em que os consumidores têm acesso a muita informação. Redes sociais publicam informações sobre como a produção é feita, o que significa que é necessário cuidar bem dos animais. Isso implica submetê-los a um sistema de manejo que não cause estresse, tanto de temperatura quanto de condução, oferecendo boa alimentação e ambiência adequada, com uma ética que deve existir na cadeia produtiva.

Não basta fazer, é preciso transmitir essa imagem para a sociedade e os consumidores. Certificações que comprovem o respeito aos animais e a preocupação com o bem-estar são essenciais para que o leite seja produzido por animais que não sofram no processo e vivam felizes.

O Presente Rural – Diversificação de produtos: Além do leite fluido, quais são as oportunidades e desafios associados à diversificação da produção de laticínios em Santa Catarina, como a fabricação de queijos especiais, iogurtes e outros produtos lácteos?

Airton Spies – Para crescer a produção, é necessário buscar dois eixos de mercado. Um é o das commodities lácteas, que envolve o grande volume de leite, como leite em pó, leite longa vida, queijos como muçarela e cheddar, manteigas e gorduras lácteas, produtos padronizados e de menor preço com margens pequenas, mas grandes volumes. O outro eixo é dos produtos especiais e nichos de mercado, com maior valor agregado, como queijos especiais (ex: queijo serrano de Santa Catarina e Rio Grande do Sul), produtos coloniais, com o saber fazer tradicional com valor agregado, e iogurtes.

Foto: Divulgação/Arquivo OPR

Esse mercado não absorve grandes volumes de leite, sendo uma solução para pequenas e médias indústrias e produtores com posição especial no mercado. O vetor das commodities precisa focar no custo de produção, pois os preços são definidos no mercado internacional, como no GDT (Global Dairy Trade), que realiza leilões quinzenais de lácteos e dão diretriz do comércio internacional. Precisamos ser competitivos em ambos os mercados, produzindo produtos diferenciados e de valor agregado, além de desenvolver o acesso ao mercado das commodities lácteas para grandes volumes de leite.

O Presente Rural – Cadeia de valor: Como está estruturada a cadeia de valor do setor de laticínios em Santa Catarina, desde a produção primária até a comercialização dos produtos finais, e quais são os principais pontos de contato e conflito entre os diferentes elos dessa cadeia?

Airton Spies – A cadeia produtiva de leite é longa e complexa, com múltiplos atores. Do ponto de vista dos fornecedores de insumos, máquinas, equipamentos, tecnologias e genética, há um mercado se estruturando em Santa Catarina e na região Sul do Brasil para levar aos produtores qualidade antes da porteira da propriedade. Dentro das propriedades, há uma necessidade crescente de mão de obra qualificada, tecnologia da informação, internet, energia trifásica, acesso com boas estradas e recursos para melhoria da gestão, incluindo processamento de dados para controle da produção e tomada de decisão.

O lucro está no detalhe. Isso demanda técnicos, conhecimento e aplicativos de celular e computador, criando uma indústria de serviços para o produtor dentro da propriedade que cria oportunidades.

Após a porteira, há grandes oportunidades em melhorias no transporte, com caminhões que buscam o leite nas propriedades e fazem o frete em carretas maiores. A cadeia de valor mobiliza a economia, gerando empregos e renda, mas exige tecnologia que as universidades, principalmente aquelas ligadas à Medicina Veterinária, Agronomia, Zootecnia e Engenharia Agrícola, precisam fornecer aos produtores mais tecnificados e conectados com o mercado internacional.

Há necessidade de mudar o modelo de negócios, fidelizando o relacionamento entre produtor e indústria. O leite vai aonde a indústria quiser levá-lo, sendo as indústrias de laticínios os protagonistas. Elas precisam desenvolver seus fornecedores, firmando contratos de fidelização para que o produtor invista com segurança, sabendo para quem vai vender seu leite. A indústria precisa saber quem é seu fornecedor e quanto leite chegará na plataforma para assumir compromissos com o mercado, principalmente na exportação.

A cadeia de valor do leite está em desenvolvimento, e cada litro a mais produzido representa crescimento dessa cadeia, beneficiando até os governos com impostos e empregos gerados. A cadeia do leite é uma das que mais gera empregos por investimento. Há ainda conflitos a serem resolvidos, pois a cadeia está se estruturando de maneira mais padronizada e controlada, gerando alguns conflitos que precisam ser administrados. Os três estados do Sul têm em funcionamento seus Conseleites, onde o setor discute esses temas, assim como na Aliança Láctea Sul Brasileira, que reúne governos, indústrias e produtores para sentar e encontrar os caminhos para o fortalecimento da cadeia do leite.

O Presente Rural – Acesso a mercados: Quais são os principais desafios enfrentados pelos produtores de leite em Santa Catarina para acessar novos mercados, tanto domésticos quanto internacionais, e quais estratégias estão sendo adotadas para superar esses desafios?

Airton Spies – O acesso ao mercado é o grande desafio. A região Sul do Brasil produz cerca de duas vezes e meia o leite que consome. 41% do leite industrializado do Brasil sai dos três estados do Sul, com Santa Catarina sendo o segundo maior produtor do Sul, industrializando 3,2 bilhões de litros de leite, representando 12 a 13% do leite brasileiro, enquanto possui apenas 3% da população. Isso cria um excesso de produção em relação ao consumo local, isso vale para os três estados do Sul, e cada litro de leite a mais produzido precisa ir longe para encontrar consumidores, gerando custos logísticos que reduzem a rentabilidade.

Estamos focados em expandir o mercado através das exportações. O Brasil exporta menos de 0,3% da sua produção e, no ano passado, importou pouco mais de 9% do consumo. Apesar de termos licenças para exportar para mais de 25 países, nossos lácteos são mais caros que o mercado internacional. Temos problemas de estrutura e custos, e precisamos resolvê-los para aumentar a competitividade e conectar o leite brasileiro com o mercado global.

Para furar o teto dos 25 bilhões de litros de leite industrializado, precisamos de acesso ao mercado, reduzir o custo de produção e aumentar a eficiência para competir com Argentina, Uruguai e Nova Zelândia. Investimentos em produtividade, eficiência e redução de custos estão sendo feitos por empresas, produtores e governos.

O Presente Rural – Alianças estratégicas: Como as parcerias entre produtores, indústrias, instituições de pesquisa e o governo estão contribuindo para o desenvolvimento e a competitividade do setor de laticínios em Santa Catarina?

Airton Spies – Sou otimista em relação à cadeia do leite, que se tornará mais uma estrela do agronegócio brasileiro. Assim como transformamos o suíno, frango e carne bovina em produtos competitivos mundialmente, falta fazer o dever de casa para acoplar o leite ao mercado internacional. Não há solução sem exportação. Ao ser competitivo para exportar, aumentaremos a produção e rechaçaremos importações. O frango brasileiro é bom e barato, sendo o preferido do consumidor, enquanto importamos lácteos porque lá fora são mais baratos. Precisamos resolver os problemas de estrutura da cadeia produtiva, reduzindo custos, isso envolve também tributação, e tornando o leite competitivo, crescendo como as outras cadeias produtivas. Com exportação, teremos mais estabilidade e menos volatilidade nos preços, beneficiando o consumidor com produtos mais baratos e acessíveis, estimulando o consumo per capita.

Hoje, o Brasil roda muito para transportar pouco leite e trabalha muito para produzir pouco, por vários motivos. A eficiência na mão de obra e no transporte deverá atrair sucessores nas propriedades rurais, tornando a atividade mais humana e rentável. O leite será, sim, mais uma estrela do agronegócio brasileiro nos próximos dez anos.

Para ficar atualizado e por dentro de tudo que está acontecendo no setor de bovinocultura de leite e na produção de grãos acesse a versão digital de Bovinos, Grãos e Máquinas, clique aqui. Boa leitura!

Fonte: O Presente Rural

Bovinos / Grãos / Máquinas

Inscrições abertas para as raças Devon e Bravon na Expointer 2024

Criador deve ficar atento para as datas diferentes de animais com argolas e rústicos.

Publicado em

em

Foto: AT Stefani

Estão abertas as inscrições para os animais das raças Devon e Bravon que participarão da 47ª Expointer, que ocorre de 24 de agosto a 1º de setembro no Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio (RS). Os criadores devem ficar atentos aos prazos.

Os exemplares de argola devem ser inscritos no site da Associação Nacional de Criadores Herd-Book Collares, na área restrita do criador, até 24 de julho. A taxa de adesão é isenta, devido a um acordo firmado entre a Associação Brasileira de Criadores de Devon e Bravon (ABCDB) e a ANC.

Os proprietários de rústicos devem inscrever seus animais diretamente na secretaria da ABCDB, pelo e-mail devon.brasil.org@gmail.com ou WhatsApp (53) 3227-8556, entre os dias 22 de julho e 06 de agosto.

A vice-presidente da ABCDB, Simone Bianchini, informa que uma variada programação técnica e social e está sendo organizada e fala da expectativa da entidade para a feira deste ano. “Desde a organização do estande e dos julgamentos, passando pela escolha do jurado e até os eventos paralelos, participar de uma Expointer envolve muito trabalho – e de muitas pessoas. Na outra ponta, o do criador começa muito antes, com o preparo dos animais”, salienta.

Simone lembra que a sede da Associação no Parque Assis Brasil também foi atingida pela enchente e demandou algumas melhorias. “Parece que o tempo passa rápido demais, mas final de agosto tudo sempre está pronto e vale muito a pena. A feira é uma reunião muito importante de criadores, cabanheiros e amigos que foram unidos pelo Devon e pelo Bravon”, enaltece.

Fonte: Assessoria ABCDB
Continue Lendo

Bovinos / Grãos / Máquinas

Em expansão, raça de gado paranaense Purunã terá projeto de aprimoramento

Associação dos Criadores de Purunã está promovendo um amplo recadastramento dos animais puros ou cruzados para uma uma detalhada avaliação genética. Objetivo é saber não só a dimensão, mas também a qualidade do rebanho, cuja raça foi desenvolvida pelo IDR-Paraná.

Publicado em

em

Foto: Divulgação/IDR-Paraná

Os atributos do gado de corte Purunã vêm ganhando o reconhecimento e atraindo cada vez mais criadores de diversas regiões do País. A raça, genuinamente paranaense, foi desenvolvida por pesquisadores do antigo Iapar (Instituto Agronômico do Paraná), atual IDR-Paraná (Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná – Iapar-Emater), e foi oficialmente reconhecida há apenas oito anos.

O pecuarista Marcos Ottoni Almeida, por exemplo, conheceu a raça em um dia de campo realizado em Ponta Grossa (Centro-Sul do Paraná) e adquiriu um touro Purunã no final de 2022 para iniciar cruzamentos na propriedade que mantém em Guaratinguetá, São Paulo. “Fiquei impressionado com os animais”, conta.

As primeiras 33 crias resultantes do touro estão agora em fase de desmame. “Estou muito contente com o reprodutor e com os bezerros, que vem demonstrando um desenvolvimento muito rápido”, relata.

Atual presidente da Associação dos Criadores de Purunã (ACP), Erlon Pilati, que introduziu a raça no Mato Grosso e tem propriedade no município de Sapezal, também destaca o desenvolvimento acelerado dos animais. “Um bezerro com sangue Purunã alcança a desmama com 20% a 25% mais peso que uma cria de rebanho convencional, é mais dinheiro no bolso do pecuarista com o mesmo custo de produção”, contabiliza.

Precocidade (os animais atingem antes a idade para reprodução e abate), adaptabilidade e rusticidade em diferentes regiões do Brasil, habilidade materna e carne macia e suculenta são outras características dos animais Purunã elencadas por Pilati.

O presidente da ACP informa que a entidade está promovendo um amplo recadastramento dos animais Purunã, puros ou cruzados, para uma detalhada avaliação genética. “É um pente-fino para saber exatamente a dimensão e qualidade do rebanho; um projeto de identificação genética que nos permitirá ganhar 10 anos de evolução em apenas dois anos”, relata.

A estratégia foi discutida recentemente com o diretor-presidente do IDR-Paraná, Richard Golba. “A identificação genética vai assegurar mais assertividade na realização de cruzamentos para transmissão aos descendentes de determinadas características desejáveis dos genitores”, aponta.

Atualmente, a ACP conta com 32 associados espalhados por diferentes estados do Brasil. Embora o Paraná ainda concentre cerca de 40% dos exemplares da raça, há rebanhos de Purunã nos dstados do Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pará, Piauí, Tocantins e Rondônia. São aproximadamente 12 mil animais registrados no território nacional, um crescimento contínuo e sólido.

Pesquisa

Purunã é a primeira raça de bovino para corte desenvolvida no Paraná e a única criada por um centro estadual de pesquisa no Brasil. “É uma conquista que orgulha os paranaenses, uma contribuição significativa para a cadeia produtiva de carne no Brasil que ressalta a importância do aparato estadual de ciência e tecnologia voltado à agropecuária”, afirma Golba.

Foi oficialmente reconhecida pelo Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa) em 2016, que também credenciou a Associação de Criadores de Purunã para fazer o controle genealógico, procedimento que atesta a origem dos animais, seus ascendentes e descendentes, e sua conformidade com os padrões zootécnicos da raça.

No jargão técnico, trata-se de um bovino composto, pois obtido do cruzamento entre diferentes raças — Charolês, Aberdeen Angus, Caracu e Canchim. Até ser finalizado e reconhecido pelo Mapa, foram quase quatro décadas de cruzamentos e seleções controladas para agregar ao Purunã os melhores atributos de cada estirpe utilizada na sua formação.

Caracu e Canchim transmitiram rusticidade, tolerância ao calor e resistência aos carrapatos. Charolês contribuiu com o rápido ganho de peso, carcaça de grande rendimento e elevado porcentual de carnes nobres, enquanto o Angus deu precocidade, tamanho adulto moderado e temperamento dócil, além de alta qualidade do marmoreio na carne.

Destaca-se ainda a habilidade materna e boa produção de leite das vacas Purunã, características importantes para o manejo dos rebanhos herdadas de Caracu e Angus.

Purunã

O nome presta uma homenagem à Serra do Purunã, que separa o Primeiro do Segundo Planalto do Paraná e está situada não muito longe da Estação de Pesquisa Fazenda-Modelo, localizada em Ponta Grossa, local onde foram realizados todos os estudos, cruzamentos e seleções dos rebanhos que resultaram na nova raça.

Fonte: AEN-PR
Continue Lendo

Bovinos / Grãos / Máquinas Casca (Rio Grande do Sul)

Laticínios Santa Clara de Casca celebra cinco anos industrializando 550 mil litros de leite por dia

O espaço é utilizado para produzir todas as versões de leite UHT: integral, desnatado, semidesnatado, zero lactose e o último lançamento, Leite Senior 50+, além do creme de leite UHT.

Publicado em

em

O espaço é utilizado para produzir todas as versões de leite UHT Foto: Divulgação/Cooperativa Santa Clara

A indústria de laticínios de Casca (Rio Grande do Sul) comemorou, na última sexta-feira (12), cinco anos de atividade, industrializando 550 mil litros de leite por dia. A inauguração ocorreu em 2019, com investimento de R$ 130 milhões. Há cinco anos, a unidade de 22 mil metros quadrados iniciou suas atividades com 150 funcionários, processando 300 mil litros por dia. Atualmente, conta com cerca de 325 funcionários, diretos e terceirizados, envolvendo fábrica, freteiros e prestadores de serviço no geral.

O espaço é utilizado para produzir todas as versões de leite UHT: integral, desnatado, semidesnatado, zero lactose e o último lançamento, Leite Senior 50+, além do creme de leite UHT. “Temos muito o que comemorar nesses cinco anos de atividade no município de Casca. Este foi um dos projetos mais importantes na história de vida da Cooperativa Santa Clara. Possuímos uma indústria consolidada, de alta tecnologia, contando com mais de 300 funcionários. Isso nos deixa muito felizes” comenta Gelsi Belmiro Thums, presidente da Cooperativa.

Laticínios Cooperativa Santa Clara de Casca celebra cinco anos de atividade

As operações iniciaram com uma máquina de envase, apenas durante o dia. Com o aumento das demandas, as operações passaram a ser de segunda a sábado. Hoje, a fábrica possui cinco linhas em operação, trabalhando 24 horas de segunda a domingo.

Em comemoração, a Cooperativa realizou um café da manhã com todos os funcionários da laticínios, visando festejar e agradecer o trabalho diário de todos.

A Santa Clara conta com três plantas de processamento do leite, Carlos Barbosa, Casca e Getúlio Vargas. A localizada em Casca é a que mais recebe e industrializa leite da Cooperativa.

10 anos Getúlio Vargas

Enquanto a unidade de Casca completa cinco anos, a indústria de Getúlio Vargas chega à marca dos 10 anos de atividade na Cooperativa Santa Clara, em 24 julho deste ano. Adquirida em 2014, processa cerca de três milhões de litros de leite por mês. A unidade é especializada na fabricação de derivados.

Fonte: Assessoria Cooperativa Santa Clara
Continue Lendo
AJINOMOTO SUÍNOS – 2024

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.